Arquivos do Blog

Governo de Minas: HidroEX apresenta Cidade das Águas em reunião do Programa Hidrológico Internacional

Empreendimento localizado em Frutal é destaque em encontro dos líderes mundiais, que aconteceu durante a Rio+20

 Dentro da programação da Rio+20, a Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, o Unesco-HidroEX participou da reunião dos Comitês Nacionais e Pontos Focais do Programa Hidrológico Internacional para América Latina e Caribe. Encontro foi realizado no Solar da Imperatriz, no Jardim Botânico, na capital fluminense.

Na presença da gretora-geral-adjunta para Ciências Naturais da Unesco, Gretchen Kalonji e da diretora de Políticas de Ciência, Capacitação e Ciências Naturais da Unesco, Lídia Brito, o presidente do Unesco-HidroEX, professor Octávio Elísio Alves de Brito apresentou o projeto da Cidade das Águas, sediada em Frutal, no Triângulo Mineiro.

Na oportunidade, ele falou do “Condomínio Temático de Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa de Desenvolvimento em Águas”, que foi oficializado no dia anterior pelo governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia, com a participação da diretora-geral da Unesco, Irina Georgieva Bokova.

Segundo o presidente, o condomínio é composto por 16 universidades e organismos oficiais voltados para o tema água. Nele, estão oito universidades federais de Minas Gerais (UFMG), Lavras (Ufla), Viçosa (UFV), Ouro Preto (Ufop), Uberlândia (UFU), Uberaba (UFTM), Itajubá (Unifei) e Alfenas (Unifal), as estaduais Unimontes e Uemg, e a PUC Minas. Também integram o Complexo, a Agência Nacional de Águas (ANA), Embrapa, Instituto Mineiro de Gestão de Águas (Igam), Emater e Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais (Cetec).

Conforme disse o presidente, durante sua apresentação, todas as instituições presentes no complexo terão como eixo central a gestão, preservação e recuperação das águas, superficiais e subterrâneas. Outro objetivo será a formação de uma nova geração de líderes na gestão da água. Além de atender ao Brasil, a Cidade das Águas tem suas atividades voltadas para os países da América Latina e da África de Língua Portuguesa, promovendo a transferência de tecnologia em gestão de águas para a produção de alimentos. “Este é o caminho que queremos traçar junto ao PHI: educar para as águas”, afirmou Octávio Elísio.

O presidente do Unesco-HidroEX falou também dos programas desenvolvidos na Cidade das Águas e apresentou o NURRI (Núcleo de Referência e Inovação em Irrigação e Recursos Hídricos), que visa fortalecer a agricultura irrigação, com a conscientização dos produtores rurais do uso sustentável da água. Destacou o Centro de Pesquisa Floresta-Escola (Cecafe), que foi implantando em parceria com a Universidade Federal de Viçosa (UFV). Além de laboratórios, o projeto conta com uma área verde, para pesquisas de campo, de 2,4 milhões de metros quadrados, localizada às margens do rio Grande.

Octávio Elísio abordou os projetos voltados  à Educação para as Águas, orientados pelo Programa Hidrológico Internacional (PHI) e citou as cooperações com o Centro Unesco ICCE (Portugal), Centro de Dundee  (na Escócia, voltado para a legislação ligada à gestão hídrica) e com o I-charm (no Japão, que estuda e prevê catástrofes). Estão em estudo parcerias com o Centro de Cinara (Colômbia) e o Iciwarm (Estados Unidos).

Do Unesco-HidroEX também participaram da reunião, o vice-presidente  Alexandre Saad e as diretoras de Pesquisa, Tânia Brito e de Capacitação e Ensino, Sheila Paiva Andrade.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/hidroex-apresenta-cidade-das-aguas-em-reuniao-do-programa-hidrologico-internacional/

Gestão Eficiente: Minas assume protagonismo nos debates sobre desenvolvimento sustentável na Rio+20

Para o secretário de Meio Ambiente, Adriano Magalhães, “Minas é um resumo do Brasil”, referindo-se à biodiversidade que o Estado reúne

Janice Drumond / Ascom Sisema
Estande do Governo de Minas na Rio+20 tem cobertura das paredes feita a partir da casca do coco
Estande do Governo de Minas na Rio+20 tem cobertura das paredes feita a partir da casca do coco

As políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável, criadas pelo Governo de Minas, bem como as demais ações realizadas pelo Estado na área de preservação do meio ambiente, ganharam destaque durante a realização da Rio+20, a Conferência da Organização das Nações Unidas para Desenvolvimento Sustentável, que está sendo realizada no Rio de Janeiro.  O Governo de Minas assume um papel de protagonista dos principais debates em torno da sustentabilidade.

A delegação mineira presente no evento coordenou debates sobre a conservação de biomas, biodiversidade e recursos hídricos, bem como discussões sobre a implementação de medidas capazes de conter os efeitos das mudanças climáticas. Também vêm sendo abordadas pelos representantes do Governo de Minas interfaces relativas a outras áreas, como a chamada economia verde, o crescimento urbano e o desenvolvimento rural sustentável.

Minas integra a Delegação Brasileira da Rio+20 com representantes do Sistema Estadual de Meio Ambiente (Sisema) e das Secretarias de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), de Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri e do Norte de Minas (Sedvan), de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), de Trabalho e Emprego, de Desenvolvimento Regional Urbano (Sedru) e da Secretaria de Estado Extraordinária da Copa do Mundo (Secopa).

Órgãos vinculados ao Governo do Estado, como o Instituto Estadual de Florestas (IEF), a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), a Fundação Estadual de Meio Ambiente (Feam), o Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam) e a Fundação Centro Internacional de Educação (Unesco HidroEX), também compõem o grupo.

A Delegação Brasileira da Rio+20 é um colegiado formado por órgãos públicos e instituições de diversos estados, com a responsabilidade de coordenar a conferência.

Estande com materiais recicláveis

O Governo de Minas conta com um dos maiores estandes da Rio+20, com 100 metros quadrados. O espaço foi desenvolvido com materiais sustentáveis, como o piso reciclado, feito com material composto por 70% de caixas de embalagens longa vida recicláveis, 30% de fibras vegetais, plástico e outros materiais reciclados, além da cobertura das paredes feita de pastilha de coco, obtida a partir da casca do coco.

De acordo com o secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Adriano Magalhães Chaves, Minas desenvolve, desde 2002, um trabalho de aprimoramento da gestão pública onde foram incorporadas questões relacionadas à sustentabilidade. “O trabalho realizado no Estado serve de exemplo para iniciativas semelhantes em todo o país”, afirma. De acordo com o secretário que “Minas é um resumo do Brasil”, em função da grande diversidade de ambientes e condições que o Estado reúne.

“Minas sem lixões” é referência

As principais iniciativas ligadas à gestão ambiental em Minas são coordenadas pelo Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema). A disposição adequada de resíduos sólidos é uma vertente da gestão ambiental em Minas, e o gerenciamento é feito pela Fundação Estadual de Meio Ambiente (Feam).

O trabalho teve início em 2001, quando menos de 20% da população do Estado era atendida por sistemas adequados. Após a criação do programa “Minas Sem Lixões”, em 2003, e a regulamentação da legislação estadual sobre a questão, aproximadamente 55% da população mineira passou a ter acesso a esse serviço.

Uma solução para a destinação de resíduos sólidos são os consórcios intermunicipais em resíduos sólidos, uma parceria da Feam com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional Urbano.  Entre 2007 e dezembro de 2011 foram formados 50 consórcios, atendendo 469 municípios.

Outra iniciativa pioneira do estado nessa área é Parceria Público Privada (PPP) de resíduos sólidos urbanos, que tem como objetivo fazer com que 100% dos resíduos sólidos da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) sejam eliminados de forma correta. Na última terça-feira (19), o governador Antonio Anastaia assinou convênio com 46 dos 48 municípios do Colar Metropolitano de Belo Horizonte para a gestão compartilhada dos serviços de transbordo, tratamento e disposição final de resíduos sólidos urbanos na região. Mais detalhes sobre esse projeto podem ser acessados aqui.

“Bolsa Verde” ajuda na conservação de biomas

O Instituto Estadual de Florestas (IEF) gerencia o projeto para conservação e recuperação dos biomas no Estado: a Mata Atlântica, o Cerrado e a Caatinga. A previsão é de que sejam aplicados R$ 9 milhões em 2012 em ações com a implantação de corredores ecológicos, recuperação de matas ciliares e implantação de unidades de conservação.

O programa “Bolsa Verde”, uma ação do Estado importante para o meio ambiente, garante a remuneração pela conservação de áreas com cobertura vegetal nativa. No ano passado, 978 proprietários e posseiros rurais foram beneficiados pelo programa, garantindo a preservação de 32 mil hectares de vegetação em todo o Estado.

Anunciada criação da maior unidade de conversação do Estado

Dentre as principais ações debatidas na Rio+20, o secretário Adriano Magalhães Chaves anunciou a criação, até 2013, de uma unidade de conservação que protegerá áreas dos biomas de Caatinga, Cerrado e Mata Atlântica em Minas.

A unidade de conservação será a maior do Estado, com área estimada em até 500 mil hectares. “Os estudos estão sendo elaborados pela equipe do Instituto Estadual de Florestas na região do rio Carinhanha, na divisa do Estado com a Bahia”, afirmou Magalhães.

A criação dessa unidade de conservação é uma das medidas que Minas vem tomando para ampliar os mecanismos de proteção dos biomas do Estado.

Segundo o secretário de Meio Ambiente, outras ações importantes são os investimentos na prevenção e combate a incêndios florestais e o pagamento a proprietários rurais que conservam áreas de vegetação nativa que, em 2011, beneficiaram 978 famílias, com um investimento de R$ 6,8 milhões pela preservação de 32 mil hectares de vegetação em todo o Estado.

Sobre a Conferência Rio+20

A Rio+20 acontece entre os dias 20 e 22 de junho no Centro de Convenções Riocentro, no Rio de Janeiro. O evento tem a presença de chefes de Estado e de governos do mundo inteiro e marca o vigésimo aniversário da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento realizada no Rio de Janeiro em 1992 (Eco-92) e o décimo aniversário da Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável promovida em Johanesburgo, em 2002.

Site mostra modelo mineiro de gestão sustentável

Desde a semana passada está no ar um  hotsite, com informações sobre as iniciativas do Estado alinhadas com os temas debatidos na Rio+20. Produzido pela elaborado pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), o site apresenta o modelo de gestão sustentável desenvolvido por várias áreas do Governo de Minas Gerais. O endereço para acessá-lo é o seguinte: www.minasmais20.mg.gov.br.

Clique aqui para saber mais sobre ações voltadas à sustentabilidade desenvolvidas por órgãos do Governo de Minas.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/minas-assume-protagonismo-nos-debates-sobre-desenvolvimento-sustentavel-na-rio20/

Governo de Minas: aprovados representantes internacionais do Conselho Gestor do Unesco-Hidroex

Nomes foram anunciados em encontro em Paris. Posse deve ocorrer em setembro, com a presença do governador Antonio Anastasia.

Divulgação / Sectes
Secretário Narcio Rodrigues (esquerda) participou da reunião da Unesco, em Paris.
Secretário Narcio Rodrigues (esquerda) participou da reunião da Unesco, em Paris.

 

O secretário de Estado de Ciências, Tecnologia e Ensino Superior, Narcio Rodrigues, e o presidente do Unesco-Hidroex, professor Octávio Elísio, participaram nesta quarta-feira (06), da 20ª Sessão do Conselho Intergovernamental do Programa Hidrológico Internacional (PHI) da Unesco, em Paris. Na oportunidade, foram aprovados os nomes dos três representantes dos Estados-membros da Unesco que vão compor o Conselho Gestor do Unesco-Hidroex. São eles: o ex-ministro de Agricultura da República Dominicana, Francisco Rodrigues; a vice-presidente do Conselho do Instituto de Investigação em Águas de Moçambique, Roda Luis, e o diretor do Centro Internacional de Ecohidrologia Costeira, de Algarve, Portugal, Luis Chicharo.

Conforme anunciou o secretário Narcio Rodrigues, a posse dos membros do Conselho Gestor do Unesco-Hidroex deverá acontecer em setembro, em solenidade presidida pelo governador de Minas Gerais, Antônio Anastasia. O principal papel dos conselheiros será o de preservar a missão institucional do Unesco-Hidroex em todas as suas deliberações, bem como aprovar os planos e programas de trabalho, as propostas orçamentárias, os relatórios mensais e anuais e a prestação de contas do Centro.

Também farão parte desse Conselho Gestor o presidente do Centro Unesco-HIDROEX, um representante da Agência Nacional de Águas (ANA), dois representantes de instituições privadas que atuem em áreas correlatas ao do centro,  um representante do Governo Federal, outro do Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam) e  um representante do Poder Executivo Estadual. Os nomes deverão ser divulgados em breve, após designação feita pelo governador Antonio Anastasia.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/aprovados-representantes-internacionais-do-conselho-gestor-do-unesco-hidroex/

Governo de Minas: Unesco-Hidroex abre inscrições para mestrado na Europa

O Centro oferece cinco vagas para curso no Instituto de Educação para as Águas na cidade de Delft, na Holanda

Divulgação/Unesco-IHE
Fachada do edifício do Unesco-IHE, em Delft na Holanda.
Fachada do edifício do Unesco-IHE, em Delft na Holanda.

O Governo de Minas, através do Centro Internacional de Educação, Capacitação e Pesquisa Aplicada em Águas (Unesco-Hidroex), abriu inscrições para estudantes que queiram cursar mestrado no Unesco-IHE – Instituto de Educação para as Águas, em Delft, na Holanda. Os interessados poderão optar pelas áreas de Gestão de Águas, Ciências Ambientais, Água e Infraestrutura Urbana e Ciência e Engenharia Hídrica.

A abertura das cinco vagas para o curso de mestrado é a primeira ação do Unesco-Hidroex, por meio da parceria firmada entre o Governo de Minas, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e o Unesco-IHE dentro do programa Ciência sem Fronteiras. A parceria ainda prevê a oferta total de 68 bolsas de estudos a especialistas brasileiros e pesquisadores estrangeiros, que se interessarem em desenvolver atividades no IHE, em Delft, e na Cidade das Águas, em Frutal.

Para o secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), Narcio Rodrigues, que idealizou o convênio, Minas sai na frente ao realizar parceria com governo federal por meio do programa Ciência sem Fronteiras visando à capacitação de gestores em recursos hídricos. “Tivemos a preocupação, ao elaborar a nossa proposta, de escolher a água, que é um tema universal e um elemento de vida e conseguimos realizar uma parceria internacional muito importante com a Unesco”, enfatizou o secretário.

As inscrições vão até sexta-feira (1), a prova escrita e entrevista, para seleção dos candidatos, serão na terça-feira (12), em Belo Horizonte. Os cinco aprovados vão receber uma bolsa no valor total de até 40.980,00 euros, durante um período de até 18 meses para conclusão do curso. O edital com todas as informações das vagas de mestrado na Holanda, bem como a ficha de inscrição, se encontram disponíveis no site: http://www.hidroex.mg.gov.br/index.php/licitacoes/.

Excelência em águas

O Unesco-IHE é a maior instituição de pós-graduação do mundo no ensino sobre água, e a única instituição da ONU autorizada a conferir título de mestre a formandos e a promover programas de PHD.

Com inauguração prevista para 2014, a Cidade das Águas Unesco-Hidroex é uma iniciativa do Governo de Minas, por meio  da Sectes, frente ao desafio de conservação da água, com a missão de planejar, coordenar, executar, controlar e avaliar programas e projetos de defesa e preservação do meio ambiente, relativos à gestão das águas e dos recursos hídricos.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/unesco-hidroex-abre-inscricoes-para-mestrado-na-europa/

Gestão Anastasia: Governo de Minas promove curso internacional de Gestão Integrada de Bacias Hidrográficas

O objetivo é qualificar profissionais para atuar na gestão de recursos hídricos

O Governo de Minas, por meio do Unesco-Hidroex,  realiza  nos meses de junho, julho e agosto, em Frutal, no Triângulo Mineiro, um curso internacional de Capacitação Técnica em Gestão Integrada de Bacias Hidrográficas. A iniciativa visa a qualificar profissionais sobre os problemas que marcam a gestão de bacias, com enfoque para as medidas de proteção e uso sustentável.

As atividades serão ministradas por pesquisadores do Instituto de Educação para as Águas da Unesco (IHE), sediado em Delft, na Holanda, e as palestras irão abordar políticas, processos e instrumentos relacionados às questões sociais e econômicas de bacias hidrográficas.

O curso é direcionado a pesquisadores, estudantes de pós-graduação, estudantes do último ano de curso superior e especialistas nas áreas de recursos hídricos. “Considerando que a gestão integrada das bacias hidrográficas constitui-se um dos maiores desafios do século 21, nossa proposta é capacitar os profissionais que estarão discutindo esse tema e propondo soluções”, disse a diretora de Capacitação e Ensino do Unesco-Hidroex, Sheila Paiva.

Com essa iniciativa, o Unesco-Hidroex quer promover o intercâmbio de informações e experiências entre profissionais e gestores de recursos hídricos que atuam em diferentes áreas, em âmbito nacional e internacional, buscando assim melhores soluções para os problemas hídricos atuais.

O primeiro módulo acontece na semana de 25 a 29 de junho de 2012. A etapa seguinte será de 2 a 6 de julho e a finalização ocorre em agosto, no período de 27 a 31.

As inscrições podem ser feitas até o dia 15 de junho por meio do site www.hidroex.mg.gov.br e devem ser enviadas para o e-mail: cursos@hidroex.mg.gov.br. Mais informações pelos telefones: (34) 3429-9547 e 3429-9500.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governo-de-minas-promove-curso-internacional-de-gestao-integrada-de-bacias-hidrograficas/

Governo de Minas: Unesco-Hidroex vai implementar Educação para Águas na Comunidade de Países de Língua Portuguesa

Acordo foi assinado no 6º Fórum Mundial da Água, em Marselha, na França

Divulgação/Sectes
Representantes da Comunidade de Países de Língua Portuguesa assinaram, na França, acordo para melhoria da gestão de recursos hídricos
Representantes da Comunidade de Países de Língua Portuguesa assinaram, na França, acordo para melhoria da gestão de recursos hídricos

Com o apoio do Unesco-Hidroex, a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) irá aperfeiçoar a sua formação para melhorar a gestão dos recursos hídricos. Reunidos no 6º Fórum Mundial da Água, em Marselha, os diretores gerais da água da CPLP assinaram acordo que prevê a implementação, em curto prazo, das ações de educação para águas promovidas pelo Unesco-Hidroex.

“Este é um documento produzido em uma reunião que o Hidroex participou, na qual os diretores de água dos países da CPLP definiram que cada um deles será o ponto focal encarregado das articulações – via CPLP ou bilateral – necessárias para o desenvolvimento de um programa de educação para as águas em cada um dos países. Nós temos o compromisso de trabalhar com os países de língua portuguesa, portanto, executaremos parte do programa, e alguns cursos serão oferecidos em parceria com o Instituto de Educação para Água (IHE) da Unesco, que orienta a implantação pedagógica do Hidroex”, explicou o presidente do Unesco-Hidroex, Octávio Elísio.

A assinatura aconteceu nesta sexta-feira (16) no Pavilhão Brasil do 6º Fórum Mundial da Água, evento que reúne mais de 140 países na busca por uma melhor gestão mundial dos recursos hídricos. Além do diretor da Agência Nacional de Águas (ANA), Vicente Andreu, que será o ponto focal no Brasil, assinaram o acordo dirigentes da água em Portugal, São Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau e Cabo Verde. O documento será repassado aos responsáveis em Angola, Moçambique e Timor Leste, ausentes no Fórum.

A iniciativa de implantar um programa de educação para águas é a ação inicial prevista no Plano de Formação da CPLP em Recursos Hídricos, que será encaminhado para aprovação oficial aos ministros da CPLP responsáveis pela gestão desses recursos nos seus países.

No acordo assinado pela CPLP, o Unesco-Hidroex está encarregado de atender um ou dois formandos, por país, nos seus cursos de formação. Para viabilizar todas as ações, o Brasil, por meio da ANA, irá complementar o fundo especial da CPLP de 80 mil euros, disponibilizados por Portugal, com uma contribuição de 80 mil dólares. Cada um dos países da comunidade receberá, ainda, um valor adicional de 100 mil dólares para domínio da transferência de tecnologia em recursos hídricos.

Educação para as Águas

O Hidroex é o único centro da Unesco na América Latina dedicado à excelência em águas. Criado em 2009 pelo Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), o Hidroex conduz projetos de capacitação e formação em gestão de recursos hídricos com o apoio pedagógico do Instituto de Educação para Água (IHE) da Unesco.

Um projeto de destaque é a Floresta Escola, que já identificou novas espécies de plantas e animais na região de cerrado onde está localizada a sede da instituição, em Frutal, no Triângulo Mineiro. A estrutura do Hidroex, com laboratórios, salas multimídias e outras comodidades, oferece também cursos de educação a distância e iniciativas de educação para as águas no ensino básico local, com o objetivo de mudar o comportamento de crianças, adolescentes e adultos.

Em parceria com 12 universidades federais e privadas, além de diversas centros de pesquisa e desenvolvimento como a ANA, a Embrapa e a Cousteau Society, o Unesco-Hidroex está implementando a Cidade das Águas, um complexo que reúne instituições nacionais e internacionais no mesmo ambiente interativo focado em educação, água e pesquisa.

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas: Cidade das Águas Unesco-Hidroex abre programação no Fórum Mundial da Água

Evento reúne delegações de mais de 140 países em busca de soluções para a gestão e preservação dos recursos hídricos

A resposta do Governo de Minas ao desafio de conservação da água – a Cidade das Águas Unesco-Hidroex – abriu nesta terça-feira (13) a programação do Pavilhão Brasil dentro do 6º Fórum Mundial da Água, em Marselha (França). No evento que deve mobilizar cerca de 30 mil pessoas até o próximo sábado (17), o Unesco-Hidroex apresentou a Educação para as Águas como grande solução para a melhoria da gestão dos recursos hídricos no planeta.

“Nós viemos mostrar o que estamos fazendo em Minas, começando pelo município de Frutal, onde a Cidade das Águas está nascendo, ancorada no Unesco-Hidroex. Apresentamos no Fórum uma experiência concreta de Educação para as Águas a partir do ensino fundamental, em parceria com a Secretaria de Estado de Educação (SEE) e a Fundação Cousteau. Trata-se de uma ação inovadora que mobiliza a escola a participar do processo de recuperação do Ribeirão Frutal. Nós colocamos a criança em contato com um problema real do seu cotidiano”, destacou o presidente do Unesco-Hidroex, Octávio Elísio, acompanhado do seu vice, Alexandre Saad.

Assista ao vídeo de apresentação da Cidade das Águas e conheça todas as ações desenvolvidas pelo Unesco-Hidroex.

Segundo a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, que inaugurou o Pavilhão Brasil nesta segunda (12), a Educação para as Águas é uma das frentes prioritárias que devem ser trabalhadas no país. “Dentre os desafios que nós temos hoje na governança da água, o maior é conseguir a participação social e o engajamento das populações, não só em torno dos problemas da água, mas também na busca de soluções. A educação é um instrumento poderoso para mudar o comportamento e influenciar decisões, e o Unesco-Hidroex tem trabalhado de maneira dedicada esta agenda. A iniciativa do Unesco-Hidroex de Educação para as Águas é concreta e coloca todos juntos em ações que influenciam a qualidade de vida do mundo”, disse a ministra.

Além de abordar a educação, o presidente do Unesco-Hidroex anunciou na sessão de abertura da programação, a aprovação, pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), da proposta do Hidroex, em parceria com a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), de criar editais do programa “Ciência sem Fronteiras” voltados especificamente para a excelência em águas.

De acordo com Octávio Elísio, o objetivo é agilizar o processo de enviar os melhores técnicos, estudantes, professores e pesquisadores do Brasil para áreas de excelência no exterior, e trazer grandes especialistas para trabalhar na Cidade das Águas. A diretoria do Unesco-Hidroex se reune com o CNPq na próxima semana para acertar os detalhes do edital.

O “Ciência sem Fronteiras para Excelência em Águas” será possivel por meio da criação de um campus global em água, liderado pelo Institute for Water Education (IHE) da Unesco, localizado em Delft (Holanda), que orienta as ações pedagógicas de implantação do Hidroex e irá coordenar os outros 25 centros da Unesco dedicados ao estudo dos recursos hídricos no mundo.

Brasil entra na disputa para sediar a 8ª edição do Fórum

2018 pode ser o ano da água no Brasil. Durante a cerimônia de inauguração do Pavilhão Brasil, o diretor-presidente da Agência Nacional de Águas (ANA), Vicente Andreu, anunciou a posição da presidente Dilma Rousseff e da ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, de defender o nome do país para sediar o 8º Fórum Mundial da Água. E o Brasil parece ser um candidato forte.

A delegação brasileira, composta por cerca de 80 integrantes, é a maior presente no 6º Fórum Mundial das Águas. Para o diretor do Conselho Mundial da Água, Loic Fouchon – responsável pela realização do fórum – o tamanho e a diversidade da delegação, que conta com representantes da indústria, do setor agropecuário, financeiro e de P&D, representa o compromisso do Brasil com a busca de soluções para os problemas de escassez e mau uso da água.

Fonte: Agência Minas

Gestão Anastasia: Governo de Minas assina ordem de serviço para construção da “Cidade das Águas” em Frutal

Escritório do urbanista Jaime Lerner apresentou projeto arquitetônico da obra, que terá investimentos de R$ 55,7 milhões

Divulgação/Sectes
Secretário Narcio Rodrigues assina a ordem de serviço para início da obra do projeto Cidade das Águas
Secretário Narcio Rodrigues assina a ordem de serviço para início da obra do projeto Cidade das Águas

O Governo de Minas, representado pelo secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Narcio Rodrigues, assinou na noite de segunda-feira (5) ordem de serviço para o início da obra de implantação do projeto Cidades das Águas, com investimentos da ordem de R$ 55,7 milhões. A solenidade foi realizada na Câmara de Vereadores, durante audiência pública que envolveu toda a comunidade. Com previsão de término em 20 meses, a obra, que será executada pela Construtora Waldemar Polizzi, compreende a construção dos prédios da Biblioteca, do Laboratório/EAD, do Alojamento de Pesquisa (Casa de Hóspedes) e mais sete alojamentos do Complexo Uemg-Unesco-HidroEX.

Estiveram presentes também o presidente do Unesco-HidroEx, professor Octávio Elísio Alves de Brito; o diretor do Departamento de Obras Públicas de Minas Gerais (Deop), Fernando Teixeira; o deputado estadual José Maia, a prefeita de Frutal, Maria Cecília Marchi Borges; e o presidente da Câmara, José Adão da Silva.

Interação ambiental

Durante o evento, a equipe do arquiteto Jaime Lerner, um dos mais conceituados urbanistas da atualidade, apresentou o projeto arquitetônico e urbanístico que vai interagir Frutal com a Cidade das Águas, seguindo o percurso do Córrego da Vertente Grande. Conforme afirmou a arquiteta Rossanna de Rossi, a proposta principal é promover essa interação, por meio do percurso das águas e uma nova urbanização da cidade, que envolve também a recomposição das matas ciliares.

O presidente da Câmara, José Adão da Silva, enalteceu o momento vivido por Frutal. “Não resta dúvida de que esse projeto vai marcar a nossa história”, destacou. Para o presidente do Unesco-HidroEx, professor Octávio Elísio, a Cidade das Águas não teria vida se não tivesse um elo com Frutal. “Essa interação é nosso maior projeto, transformando Frutal em um centro de excelência em água, com repercussão internacional”, afirmou o  presidente.

O diretor do Deop, Fernando Teixeira, confirmou que os recursos já estão liberados para que a construtora possa iniciar a obra.  “Frutal merece este projeto e vamos concluí-lo no menor tempo possível”, disse diretor.

O evento foi finalizado com o discurso do secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Narcio Rodrigues, que destacou a importância de Frutal abraçar esta causa. “Com a assinatura desta ordem de serviço, o Governo de Minas começa a escrever uma nova página da história de Frutal”, afirmou o secretário.

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas: projeto mineiro Cidade das Águas vai trabalhar pela América Latina e África

FRUTAL (19/01/12) – Com a população do planeta chegando a 7 bilhões de pessoas e com o aquecimento global manifestando as suas conseqüências, a água tem se tornado cada vez mais motivo de preocupação das nações, sendo que algumas delas já vive o drama da restrição a esse bem natural. Focado em atitudes práticas e capazes de mudar o cenário pessimista que vem sendo apresentado por especialistas do mundo inteiro, o Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), lançou em setembro de 2011 a Cidade das Águas, no Triângulo Mineiro.

Trata-se de uma resposta ao desafio da preservação da água, tendo um complexo que reunirá instituições estaduais, federais e privadas, nacionais e internacionais, em um mesmo ambiente de convivência e interatividade, para estudar gestão, preservação e recuperação das águas superficiais e subterrâneas.

Com inauguração prevista para 2014, a Cidade das Águas é uma iniciativa apoiada pela Unesco e ancorada no Centro Internacional de Educação, Capacitação e Pesquisa Aplicada em Água (Unesco-HidroEX). Os governos mineiro e federal já investiram R$ 50 milhões na elaboração de projetos, intercâmbios e na infraestrutura do Instituto Unesco-Hidroex e do campus da Universidade do Estado de Minas Gerais (Uemg). Contudo, a previsão é de investir mais R$ 80 milhões nos próximos dois anos, totalizando R$ 130 milhões. Além de atender ao Brasil, a Cidade das Águas terá suas atividades voltadas para os países da América Latina e da África de língua portuguesa, promovendo a transferência de tecnologia em gestão de águas para a produção de alimentos. Esse é um compromisso do Estado de Minas Gerais com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Unesco-HidroEX

Com o lançamento da Cidade das Águas, entrou em funcionamento a nova sede do Unesco-Hidroex, localizada em Frutal,  às margens do Rio Grande, em área de cerrado e no coração do Brasil. O instituto foi criado em 2009 pelo Governo de Minas, com o objetivo de planejar, coordenar, executar, controlar e avaliar programas e projetos de defesa e preservação do meio ambiente, relativos à gestão dos recursos hídricos.

Durante a cerimônia de lançamento, Joop Schutter, diretor do Instituto para Educação em Águas (IHE) da Unesco – único centro de categoria I, localizado em Delft (Holanda) – destacou a importância da ligação do HidroEX à Unesco. “Somos a principal instituição responsável pela educação, treinamento e pesquisa em águas no mundo e temos cooperado com o HidroEX especialmente na elaboração de um currículo de pós- graduação. Acreditamos ser esta uma grande iniciativa de Minas Gerais e do Brasil, de desenvolver a Cidade das Águas e se juntar a Unesco, criando uma rede com diversas instituições trabalhando juntas em projetos de pesquisa. Estamos ansiosos em começar o trabalho juntos e ver estudantes de todas as partes do mundo realizando seus estudos no HidroEX”.

Condomínio temático

A Cidade das Águas vai abrigar o primeiro Condomínio Temático de Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa e Desenvolvimento, que reunirá oito universidades em pesquisas e projetos relacionados à água: Ufla (Lavras), Uemg, UFV (Viçosa), Ufop (Ouro Preto), UFMG, UFTM (Triângulo Mineiro), UFU (Uberlândia) e PUC Minas. O condomínio terá ainda unidades avançadas da Agência Nacional de Águas (ANA), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) com o Núcleo de Tecnologia em Irrigação (Nurii), Instituto Federal do Triângulo Mineiro (IFTM), Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam) e Instituto Estadual de Florestas (IEF). Novas entidades, instituições e empresas poderão integrar o projeto.

Em parceria com instituições da Alemanha, dentre elas a University of Applied Science Weihenstephan-Triesdorf e a Technische Universität Dresden, o Unesco-HidroEX conduzirá estudos das águas superficiais e subterrâneas do Triângulo Mineiro. O projeto custará R$ 2,5 milhões, custeados pelas instituições alemãs.

Espaço Cousteau

A Cidade das Águas terá o Espaço Cousteau para as águas, projeto a ser desenvolvido pelo IFTM em parceria com o HidroEX. Trata-se de moderna estrutura arquitetônica — dentro dos melhores padrões internacionais — para abrigar um amplo espaço de visitação com a exposição das atividades de pesquisa desenvolvidas por Jacques Cousteau pelos rios e mares do mundo, incluindo o material de expedição pela Amazônia.

Fórum Mundial das Águas

Convidado pelo presidente do Conselho Mundial das Águas, Löic Fauchon, o secretário Narcio Rodrigues irá apresentar a Cidade das Águas no 6º Fórum Mundial das Águas, que acontece em Marselha, França, no mês de março. “O tema deste fórum será Soluções, e a Cidade das Águas é vista, hoje, como uma grande solução para a futura gestão dos recursos hídricos na terra”, explicou Narcio.

Cidade das Águas pode ser assumida pelas Nações Unidas

Em encontros na sede da Unesco, em Paris, o secretário mineiro e o presidente do Unesco-HidroEX, Octávio Elísio, discutiram a possibilidade da Cidade das Águas ser transformada em um centro da Unesco antes mesmo de sua conclusão. A embaixadora do Brasil na Unesco, Maria Laura da Rocha, informou que a equipe do Itamaraty está “pronta” para entrar na “campanha” visando à transformação do HidroEX, que hoje é um centro de Categoria II (chancelado pela Unesco) em um Centro de Categoria I (de propriedade da própria Unesco).

Narcio e Octavio Elísio também foram recebidos pela cúpula do IHE, responsável pela orientação pedagógica e pela implantação do Unesco-HidroEX. De acordo com o reitor do IHE, professor Andras Nagy, a Unesco planeja para os próximos anos a abertura de quatro novos campi no mundo: um para a América Latina e o Caribe, outro para a África e mais um para a Ásia. A expectativa é de que em setembro sejam abertas as inscrições para os centros que queiram abrigar esses campi. A Cidade das Águas vai preparar sua documentação, avançar na sua implantação física e nas suas atividades pedagógicas para concorrer e se transformar no campus dedicado à América Latina e ao Caribe, passando a ser propriedade das Nações Unidas.

Segundo o secretário, a equipe do Unesco-HidroEX irá “cuidar de todos os detalhes necessários à obtenção dessa conquista” e se articular, junto ao governo federal e estadual, para “fechar o orçamento necessário” à conclusão das obras. “É uma oportunidade única e nós não podemos perdê-la”, observou.

Cleo Pires ratifica  envolvimento com o Unesco-HidroEX

A atriz Cleo Pires, designada embaixadora das Águas da Unesco, atuará nos próximos três anos na divulgação de ações conduzidas pela Cidade das Águas. Segundo o secretário Narcio Rodrigues, como figura pública, a atriz pode trazer visibilidade ao complexo e à situação das águas no Brasil, chamando a atenção da opinião pública para questões ambientais.

Um dos projetos discutidos foi a capacitação de 75 professores de Frutal e região, que vão atuar com os seus alunos na revitalização do Ribeirão Frutal. Além de acertar as diretrizes do seu trabalho com o Unesco HidroEX, Cleo Pires recebeu convite do secretário Narcio para acompanhar a comitiva mineira que vai apresentar a Cidade das Águas no Fórum Mundial das Águas.

Fonte: Agência Minas