Arquivos do Blog

Gestão Eficiente: Governador Anastasia anuncia instalação de Condomínio das Águas Unesco-HidroEX

Unidade, em Frutal, no Triângulo Mineiro, atenderá países da América Latina e da Comunidade de língua portuguesa
Wellington Pedro/Imprensa MG
Unesco HidroEX / Divulgação
Condomínio Temático da Cidade das Águas é composto por 16 universidades e organismos oficiais
Condomínio Temático da Cidade das Águas é composto por 16 universidades e organismos oficiais

O governador Antonio Anastasia anunciou, nesta terça-feira (19), durante solenidade no Palácio Tiradentes, a instalação oficial do “Condomínio Temático de Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa de Desenvolvimento em Águas”, a Cidade das Águas Unesco-HidroEX, em Frutal, no Triângulo Mineiro.  O evento teve a participação da diretora geral da Unesco,  Irina Georgieva Bokova.

“Nós, mineiros, somos extremamente orgulhosos e ciosos das nossas riquezas, não só do minério de ferro, do ouro, das pedras preciosas, da nossa riqueza industrial, do capital humano tão diferenciado, mas fundamentalmente somos orgulhosos das nossas águas. As águas de Minas Gerais são conhecidas em todo o mundo. Somos igualmente apelidados ou intitulados como o estado caixa d’água do Brasil. Fora da Bacia Amazônica temos o nascimento das maiores bacias hidrográficas do país. Temos águas minerais conhecidas e aplaudidas pela sua qualidade e por isso mesmo sabemos da riqueza, do que é, e do que são as águas de Minas Gerais”, destacou o governador.

Durante a solenidade, foi firmada parceria entre o Governo de Minas e o Centro Internacional de Excelência em Acidentes Naturais e Gestão de Riscos (Icharm), entidade japonesa especializada no enfrentamento de situações de risco e representada pelo diretor Kuniyoshi Takeuchi. O objetivo é ampliar a base de conhecimento para o uso sustentável da água, a gestão dos recursos hídricos e a prevenção e gestão de desastres urbanos. O Icharm, vinculado à Unesco, sediado em Sukuba (Japão) e considerado um dos mais avançados do mundo, desenvolve estudos e contribui de maneira significativa para o enfrentamento de situações de risco ocorridas no Japão e em outros lugares do mundo.

Cidade das Águas

A diretora geral da Unesco, Irina Georgieva Bokova, falou sobre o HidroEx. “Temos um grande orgulho desta parceria com os governos de Minas e federal. Acreditamos no desenvolvimento sustentável que não pode ocorrer sem a água. Á água é social, é política, é vida, é paz. Sabemos que o HidroEx aborda essa questão da mesma forma e o vemos como o nosso projeto”, disse.

Para o governador Anastasia, as pesquisas que serão desenvolvidas na Cidade das Águas e nos centros congêneres espalhados pelo mundo, servirão para garantir o futuro da humanidade. “Tenho certeza de que a Unesco ao se associar, ao apadrinhar, ao albergar, ao nos dar a guarida da sua respeitabilíssima instituição para esse trabalho do HidroEX, certamente está permitindo que Minas Gerais e o Brasil avancem mais na questão tão delicada que é gestão das águas”, afirmou Anastasia.

Condomínio Temático

O condomínio é composto por 16 universidades e organismos oficiais voltados para o tema.  Nele estão oito universidades federais de Minas Gerais (UFMG), Lavras (Ufla), Viçosa (UFV), Ouro Preto (Ufop), Uberlândia (UFU), Uberaba (UFTM),  Itajubá (Unifei) e  Alfenas (Unifal), as estaduais Unimontes e Uemg, e a PUC Minas. Também estarão lá a Agência Nacional de Águas (ANA), Embrapa, por meio do Núcleo de Irrigação (NURII) e Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam), Emater e Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais (Cetec).

A Cidade das Águas é um dos 20 centro de categoria II reconhecidos pela Unesco, criado pelo Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), com apoio da Unesco e ancorado no Centro Internacional de Educação, Capacitação e Pesquisa Aplicada em Água (Unesco-HidroEX).

Ocupa uma área de 374.400 m², onde estão instalados a sede do Centro e os dois primeiros prédios do campus da Uemg, com 66 salas de aula, seis laboratórios e um anfiteatro. Na semana passada, a equipe do arquiteto e urbanista Jaime Lerner concluiu a concepção do projeto urbanístico e paisagístico da Cidade das Águas, que terá perfeita integração com a cidade de Frutal.  O Governo de Minas e o Governo Federal já investiram R$ 50 milhões na consolidação do conglomerado, com a previsão de mais R$ 80 milhões nos próximos dois anos, totalizando R$ 130 milhões.

“A previsão é de que possamos entregar a estrutura física do Unesco HidroEX no final de 2014. Já temos cerca de 30% da estrutura feita. Contratamos mais R$ 62 milhões em obras que incluem os alojamentos, o centro de educação à distância, os laboratórios, que vão permitir o início das atividades do Unesco HidroEX”, explicou secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Nárcio Rodrigues.

Todas as instituições presentes no complexo terão como eixo central a gestão, preservação e recuperação das águas, superficiais e subterrâneas. Outro objetivo será a formação de uma nova geração de líderes na gestão da água. Além de atender ao Brasil, a Cidade das Águas tem suas atividades voltadas para os países da América Latina e da África de Língua Portuguesa, promovendo a transferência de tecnologia em gestão de águas para a produção de alimentos.

Além de protocolo de cooperação com o Centro Unesco ICCE, o Unesco-HidroEX já assinou acordos de cooperação com o Centro de Dundee (na Escócia, voltado para a legislação ligada à gestão hídrica) e com o Icharm (no Japão, que estuda e prevê catástrofes). Estão em estudo parcerias com o Centro de Cinara (Colômbia) e o Iciwarm (Estados Unidos). No Brasil, mantém uma estreita ligação com o Centro de Itaipu, especializado em Hidroinformática.

Espaço Cousteau

A Cidade das Águas vai abrigar o Espaço Cousteau para as águas, projeto a ser desenvolvido em parceria com o Instituto Federal do Triângulo Mineiro (IFTM). Trata-se de moderna estrutura arquitetônica, com padrão internacional, para abrigar um amplo espaço de visitação com a exposição das atividades de pesquisa desenvolvidas pelo Comandante Cousteau pelos rios e mares do mundo, incluindo o material de expedição pela Amazônia.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governador-anastasia-anuncia-instalacao-de-condominio-das-aguas-unesco-hidroex/

Gestão Anastasia: Minas trabalha para consolidar projetos que integram o Complexo Aeronáutico

BELO HORIZONTE (05/01/12) – Uma nova história na indústria aeronáutica começa a ser construída em Minas Gerais. A proposta de diversificação da economia – tendo o Complexo Aeronáutico como uma das vertentes – ganhou força dentro do governo e vai integrar pelo menos três secretarias de Estado: Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), Desenvolvimento Econômico (Sede) e Educação (SEE). O projeto vem em boa hora, em razão do crescimento da aviação civil no Brasil e no mundo, e tem a parceria do governo federal, por meio de ministérios, universidades, agências de desenvolvimento e centros de pesquisa.

Em meio a discussões e elaboração estratégica de projetos dos cinco polos aeronáuticos e a inclusão de emendas no orçamento da União, a Embraer confirmou a instalação do seu escritório de engenharia e desenvolvimento aeronáutico em Belo Horizonte. Cerca de 100 engenheiros serão contratados até o final de 2012 pela líder na fabricação de jatos comerciais de até 120 assentos. Posteriormente, o escritório da Embraer será transferido para Lagoa Santa, próximo ao Aeroporto Internacional Tancredo Neves (AITN), e junto ao Centro de Capacitação e Tecnologia Aeroespacial de Minas Gerais (CCAE), onde também haverá uma escola técnica do Programa Brasil Profissionalizado, do Ministério da Educação.

Em relação à Lagoa Santa, o Governo de Minas faz um resgate histórico, pois a cidade já sediou a primeira montadora de aviões do Brasil no governo de Getúlio Vargas, antes mesmo da criação da Embraer. A empresa operou por poucos anos e fechou as portas numa época em que o país não tinha nenhuma montadora de carros. Hoje, o local abriga o centro de manutenção dos aviões da Força Aérea Brasileira.

Segundo o secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Narcio Rodrigues, Minas tem vocação desde Santos Dumont e hoje possui uma condição especial com escolas de engenharia aeronáutica, centros de manutenção da FAB e de grandes empresas da aviação comercial, além de indústrias já instaladas. Rodrigues disse que o Governo de Minas lidera a discussão, mas considerou as parcerias do governo federal, prefeituras, empresas, universidades e institutos, como IEAv, imprescindíveis ao Complexo Aeronáutico.

Durante o ano de 2011, pelo menos uma dezena de reuniões colocou em pauta o Complexo Aeronáutico e chegou-se à conclusão de que o projeto deve ser integrado por cinco polos: AITN como a primeira aerotrópolis (cidade-aeroporto) da América do Sul, compreendendo os municípios do entorno de Confins; Itajubá (Sul de Minas), com a ampliação da Helibras, que fabrica helicópteros; Tupaciguara (Triângulo Mineiro) com a chegada da Axis Aerospace, empresa que está concluindo o projeto do Tupã – aeronave civil de seis e oito lugares para o mercado nacional e internacional; Lagoa Santa com o Centro de Capacitação de profissionais técnicos, graduados e pós-graduados; e Goianá com o Aeroporto Regional da Zona da Mata, recém inaugurado pelo governo mineiro e que poderá ser utilizado pela Petrobras na logística do Pré-Sal. Esse aeroporto tem uma pista de 2.500 metros de extensão, adequado para receber aviões de grande porte.

Aerotrópolis como maior polo do Complexo    

A primeira aerotrópolis da América do Sul está dentro do Projeto de Desenvolvimento do Vetor Norte, que se inspira em modelos de sucesso, como Cingapura, Hong Kong, Frankfurt e Miami, entre outros. A ideia passa pela ocupação do aeroporto e de seu entorno com empresas de alta tecnologia, e com a atração de profissionais de classe mundial de diversas áreas. Com voos para todo o Brasil, o AITN deve fechar 2011 com 9 milhões de passageiros, tornando-se o quinto maior aeroporto público do país. O Governo de Minas — em parceria com a Infraero — é responsável pelo projeto executivo do Terminal 2 de passageiros e das obras do aeroporto industrial, bem como a escolha do apoio logístico. Esses processos licitatórios estão em andamento e têm a Secretaria de Desenvolvimento Econômico na coordenação e articulação.

Além do entorno do aeroporto de Confins, a proposta do Governo de Minas também pretende criar três rotas tecnológicas no Sul, Triângulo e Rio Doce/Vale do Aço, a fim de atrair empreendimentos para fabricação de produtos de ponta em segmentos, como eletroeletrônicos, aeroespaciais, software, biotecnologia, nanotecnologia e outros.

Formação de mão-de-obra qualificada

Minas se posiciona bem na formação profissional com uma rede de instituições públicas de ensino e pesquisa de excelência. São 14 universidades públicas estaduais e federais, formando profissionais de reconhecida competência. Existem ainda seis institutos federais e uma rede privada de universidades que apresenta qualidade no ensino. Entre as várias escolas que estão trabalhando com o setor aéreo estão Universidade Federal de Itajubá (Unifei), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Universidade Federal de Uberlândia (UFU). A Sectes – por meio da Rede de Centros Vocacionais Tecnológicos (CVTs) e com a SEE – tem projeto de criar 100 polos de educação a distância, o que vai facilitar o ingresso de cidadãos de todas as regiões em diferentes cursos, inclusive os superiores mais demandados pelo mercado.

O ano de 2012 é considerado importante pelo Governo de Minas, principalmente pela consolidação dos projetos que integram o Complexo Aeronáutico de Minas Gerais. A expectativa é de que haja avanços significativos no caminho traçado pelo Estado de fazer a diversificação econômica se transformar em realidade.

Fonte: Agência Minas

Gestão em Minas: Alberto Pinto Coelho abre Fórum de Cooperação entre França e Minas Gerais

NORD-PAS DE CALAIS (06/12/11) – O vice-governador Alberto Pinto Coelho abriu, nesta terça-feira (6), na região Nord-Pas de Calais, na França, o II Fórum de Cooperação entre a região e o Estado de Minas Gerais. Foram assinados oito protocolos que vão permitir a parceria e a troca de experiências em setores como metalurgia, siderurgia, pesquisa e ensino superior, e preservação cultural, patrimonial e ambiental. Foi, ainda, lançado o Arcus, programa criado entre universidades mineiras e francesas de estimulo à pesquisa e ao intercâmbio entre as instituições.

O Fórum, que está sendo organizado pela Secretaria Geral do Governo de Minas, por meio da Assessoria de Relações Internacionais, e pelo governo daquela região francesa, será realizado até o dia 9 de dezembro. Conta com a presença de representantes governamentais, setores privados, acadêmicos e sociedade civil. Ao final, serão estabelecidos projetos prioritários e uma agenda de trabalho para os próximos dois anos entre as duas regiões.

Durante a abertura do evento, o vice-governador falou das ações do Governo de Minas na busca de parceiros externos com características e interesses comuns para aprofundar a internacionalização de Minas, programa que tem servido de referência para outros estados do Brasil e que possibilita o aumento da competitividade do território e a diversificação da economia mineira. Ele destacou, também, a fundamental troca de experiências para o desenvolvimento do Estado.

“Os laços existentes entre Minas Gerais e Nord-Pas de Calais são de extrema importância, pois a região francesa e a mineira possuem semelhanças, mas em estágios diferentes da história. Isso nos dá a oportunidade de aprender com a experiência e soluções encontradas por Nord-Pas de Calais principalmente no setor mineral. O objetivo maior desse encontro é, por meio de uma metodologia inovadora, propor uma agenda de trabalho propositiva e sistemática, que guie os diálogos entre Nord-pas de Calais e Minas Gerais nos próximos dois anos”, afirmou Alberto Pinto Coelho.

A vice-presidente do Conselho Regional, Majdouline Sbai, ressaltou os vínculos de solidariedade existentes entre as partes, possibilitando o intercâmbio sistemático de conhecimento gerando desenvolvimento local, envolvendo atualmente oito secretarias de Estado com uma propositiva e consistente agenda de trabalho.

Parceria

Nord-Pas de Calais é um dos estados-irmãos de Minas Gerais. A parceria existe desde 2008, quando foi assinado o Acordo de Irmandade durante viagem oficial do então governador Aécio Neves à região. Em abril de 2009, o compromisso foi reafirmado com a assinatura do Acordo de Cooperação entre Minas Gerais e a Região de Nord-Pas de Calais, com o objetivo de elencar setores prioritários para a cooperação. Este segundo acordo foi assinado em Belo Horizonte, no Palácio da Liberdade.

Em desdobramento desse acordo foi elaborada uma agenda de trabalho que detalhou as ações e projetos a serem executados no âmbito da cooperação. A agenda foi divida por temas de interesse comum de Minas Gerais e Nord-Pas de Calais, e elaborada durante o I Fórum dos Atores, evento realizado em outubro de 2009, em Belo Horizonte.

O Fórum envolveu técnicos e políticos de Nord-Pas de Calais e 70 representantes governamentais e não governamentais de Minas Gerais que, em três dias, construíram a agenda de trabalho de cooperação entre os parceiros. Os temas escolhidos foram recuperação de áreas degradadas; cultura e patrimônio; pesquisa, ensino superior e extensão; e proteção do meio ambiente, energia limpa, água, biodiversidade.

Nord-Pas de Calais, assim como Minas Gerais, tem a sua história cultural e econômica ligadas à atividade mineradora e enfrenta a degradação das áreas que foram exploradas. Naquela região, a atividade de mineração foi extinta há 20 anos, depois de mais de 200 anos de exploração.

Desdobramentos da parceria

A agenda de trabalho elaborada está sendo cumprida conforme o acordado pelas partes e atualmente envolve oito secretarias de Estado (Semad, Sectes, SEC, Sedru, SES, Setur e Sede), universidades (UFMG, UFOP, Unifei, PUCMinas, UFU, entre outras), e setor privado, mobilizado pelo Polo de Excelência Mineral e Metalúrgico.

São desenvolvidos projetos para promover a troca de expertise e a disseminação de conhecimento. A metodologia de trabalho utilizada é modelo nas discussões de cooperação descentralizada franco-brasileira e é replicada nos demais acordos de cooperação do Estado. Além disso, foi o modelo apresentado à Subchefia de Assuntos Federativo da Presidência da República.

A cooperação com essa região francesa é, atualmente, a mais propositiva do Estado de Minas Gerais e vem apresentando produtos em todas as áreas de interesse, como a assinatura do Acordo entre o Polo de Excelência Mineral e Metalúrgico do Estado de Minas Gerais e o Polo CD2E de Nord-Pas de Calais para o desenvolvimento de eco-tecnologias e eco-empresas. Além da assinatura do acordo entre o Euratechnologies (Pólo de Excelência Francês), Fumsoft e Sectes, com o objetivo de identificar as empresas tecnológicas brasileiras que podem se desenvolver na Região Nord-Pas de Calais; além de identificar e selecionar as empresas de tecnologia da região francesa para se desenvolver no Brasil a partir de Minas Gerais.

Entre 2003 e 2010, houve crescimento de 158,2% do comércio bilateral entre Minas Gerais e França. Durante todo o período, o saldo comercial foi superavitário para Minas. As exportações cresceram 105,6% neste período, enquanto as importações aumentaram de 322,4%.

Sobre o Nord-Pas de Calais

Nord-Pas de Calais é uma das 27 regiões da França. Consiste nos departamentos Nord (Norte) e Pas-de-Calais (Estreito de Calais), e faz fronteira com a Bélgica. É presidida pelo socialista Daniel Percheron  tendo como centro administrativo Lille, a maior cidade da região (1,5 milhão de habitantes). Foi a primeira província francesa a se industrializar. É uma área dinâmica, de forte agricultura e grande população jovem, além de reunir alto número de instituições de ensino superior. Investe muito na inovação industrial. É uma região densamente povoada, possui cerca de 4 milhões de habitantes e 7% da população total da França, tornando-a quarta região mais populosa do país.

Fonte: Agência Minas