Arquivos do Blog

Governo de Minas: novos comitês regionais tomam posse na Cidade Administrativa

Centro-Oeste, Noroeste, Alto Paranaíba e Central completam implementação do Estado em Rede nas dez regiões de Minas Gerais

José Carlos Paiva/Imprensa MG
A secretária Renata Vilhena deu posse aos novos comitês
A secretária Renata Vilhena deu posse aos novos comitês

Nesta sexta-feira (22), tomaram posse na Cidade Administrativa os representantes de quatro comitês regionais do Estado: Centro-Oeste, Noroeste, Alto Paranaíba e Central. A constituição desses comitês completa a implementação da gestão regionalizada nas dez regiões de planejamento do Estado: além das quatro regiões, Rio Doce, Norte de Minas, Zona da Mata, Jequitinhonha/ Mucuri, Sul de Minas e Triângulo.

O evento contou com a presença das secretárias Renata Vilhena (Planejamento e Gestão) e Maria Coeli Simões (Casa Civil e Relações Institucionais), além da ouvidora-Geral do Estado, Célia Barroso, e do secretário-adjunto de Governo, Leonardo Couto, que empossaram os membros dos comitês.

Formados por agentes de diversas secretarias e órgãos estaduais dessas regiões do Estado, os comitês irão identificar prioridades para implementar as estratégias do governo, propondo soluções intersetoriais para os temas regionais. O trabalho integra o programa Estado em Rede, uma das prioridades do governo Antonio Anastasia.

A secretária Renata Vilhena saudou os presentes e destacou a importância fundamental do programa: criar um diálogo constante entre governo e sociedade. “Começamos esse trabalho no Rio Doce e no Norte de Minas, e já colhemos resultados muito significativos. Todos aqui têm um papel muito relevante, representando suas regiões e reforçando a ligação entre a demanda regional e a área central. Vocês serão nossos porta-vozes para fazermos esse diálogo permanente, dentro da Gestão para a Cidadania”, disse ela.

Equilíbrio e unidade

O papel da regionalização em um estado tão grande e diversificado como Minas Gerais foi ressaltado pela secretária Maria Coeli. “A gestão regionalizada confere equilíbrio e unidade às regiões do Estado. Esse programa conta com grande esforço e determinação do governador Antonio Anastasia, no sentido de promover a participação, a integração e a intersetorialidade”, afirmou.

De acordo com a ouvidora-Geral do Estado, Célia Barroso, “a alma do Estado em Rede é essa: ouvir a sociedade civil, com humildade, reflexão e ação. Este é um momento muito importante, que vai mudar a face de Minas Gerais”.

Em seguida, os representantes dos comitês assinaram o termo de posse e posaram para fotos com os dirigentes governamentais. Após o encerramento do evento, alguns deles falaram das expectativas em relação ao início dos trabalhos nas regiões. O representante da Secretaria de Desenvolvimento Regional e Política Urbana (Sedru) no Alto Paranaíba, Wesley Cantelmo, disse que os anseios regionais são enormes. “Nossa secretaria já trabalha com o planejamento e desenvolvimento regional e para nós essa é uma grande oportunidade no sentido de facilitar a articulação da política do Estado”, explicou.

Para o diretor regional da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese) em Paracatu, Erasmo Neiva, trata-se de uma oportunidade única de criar essa interação entre governo e sociedade. “Vamos trabalhar nessa aproximação e interação da várias regionais, cada um conhecendo o trabalho do outro, para montarmos esse processo e depois chamarmos a sociedade para discutir as estratégias”, disse ele, que integra o comitê do Noroeste.

Soluções integradas

De acordo com Elbert Araújo Santos, representante da Sedru no Centro-Oeste, alinhar as expectativas regionais dos representantes do comitê com as demandas da sociedade é um desafio muito interessante. “O melhor caminho para se avançar nesse objetivo é unir diversas secretarias na busca de soluções integradas”, enfatizou.

O membro da Secretaria de Estado de Trabalho e Emprego (Sete) do Comitê Central, Alexandre do Carmo e Silva, disse estar orgulhoso de integrar essa equipe de trabalho. “Temos grande expectativa de implementar nossos projetos de estímulo ao trabalho e emprego na região. Eu creio nesse projeto e acredito que será de grande importância para Minas Gerais fazer essa integração entre secretarias”.

Os trabalhos dos novos comitês terão início em agosto, quando serão realizadas as reuniões dos comitês do Noroeste, Alto Paranaíba e Centro-Oeste. Em outubro será a vez do Comitê Regional Central. As reuniões são realizadas a cada três meses.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/novos-comites-regionais-tomam-posse-na-cidade-administrativa/

Gestão em Minas: Governador Anastasia inaugura Parque Tecnológico de Belo Horizonte

BH-TEC visa estreitar laços da universidade com setor produtivo para fomentar a geração de empregos. UFMG e Prefeitura são parceiras do empreendimento

Gil Leonardi /Imprensa MG
Anastasia inaugura o Parque Tecnológico de Belo Horizonte (BH-Tec), um dos mais importantes espaços do país para abrigar empresas de tecnologia
Anastasia inaugura o Parque Tecnológico de Belo Horizonte (BH-Tec), um dos mais importantes espaços do país para abrigar empresas de tecnologia

O governador Antonio Anastasia inaugurou, nesta quarta-feira (16), na região da Pampulha, o Parque Tecnológico de Belo Horizonte (BH-Tec), um dos mais importantes espaços do país para abrigar empresas de tecnologia. O principal objetivo do parque é estreitar os laços da universidade com o setor produtivo empresarial por meio da inovação tecnológica, gerando benefícios para toda a sociedade.

“Essa data ficará no registro da história econômica de Minas Gerais e de Belo Horizonte. Esse trabalho, essa inauguração que fazemos aqui do espaço institucional do BH- Tec reflete na plenitude o que nós queremos para o Brasil. Estamos diante de algo que será decisivo para o futuro econômico de Minas Gerais e do Brasil. Os olhos econômicos estão voltados para cá. Tenho certeza que, com o desdobramento nos anos vindouros, vamos ter orgulho de olhar para trás e ver o trabalho feito por toda a equipe, em parceria”, destacou o governador Anastasia.

O BH-Tec está implantado numa área de 535 mil metros quadrados, dos quais 350 mil metros quadrados de Zona de Preservação Ambiental, onde estão incluídas as Áreas de Proteção Permanentes do Córrego do Mergulhão e suas margens, e um brejo e sua margem, e 185 mil metros quadrados de Zona de Grandes Equipamentos (ZPE). Cerca de 93 mil metros quadrados são destinados a lotes.

Os parceiros do Governo de Minas no BH-Tec são a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Prefeitura de Belo Horizonte. A iniciativa tem o apoio estratégico da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg) e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Minas Gerais (Sebrae-Minas).

O reitor da Universidade Federal de Minas Geral (UFMG), Clélio Campolina Diniz, destacou que a inauguração do BH-Tec quebra barreiras ao reunir em um só local o conhecimento da academia e o empreendedorismo da iniciativa privada. “Temos a responsabilidade de construir um modelo que seja capaz de gerar desenvolvimento econômico, com justiça social e fazer uma ponte cada vez maior entre os mundos acadêmico e empresarial”, frisou o reitor.

“No BH-Tec, o capital humano que virá da UFMG irá transbordar em criatividade e genialidade. Não temos pressa. Sabemos que governamos, trabalhamos para o futuro e para as futuras gerações. Não temos o açodamento imediatista a que alguns se submetem porque sabemos que é com planejamento que vamos, de fato, conseguir investir em Minas Gerais e avançar ainda mais no seu desenvolvimento tecnológico”, afirmou Anastasia.

O prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda, destacou que, nos últimos anos,  o Governo do Estado tem tido um norte muito claro na questão do desenvolvimento econômico associado à atração de investimentos, à geração do conhecimento, à pesquisa e à inovação. “O crescimento do Produto Interno Bruto de Minas Gerais e da Região Metropolitana de Belo Horizonte tem muito a ver não só com o modelo de gestão claro, determinado e focado em metas e indicadores, mas principalmente em um processo claro de desenvolvimento vinculado à inovação”, afirmou.

Economia do conhecimento

Foram investidos R$ 65 milhões no BH-Tec, incluindo o terreno de 535 mil metros quadrados e a construção do edifício institucional com 7.553 metros quadrados, que abrigará 16 empresas das áreas de Ciências da Vida (bio-tecnologia, saúde humana e animal), tecnologias da informação e comunicação, de materiais e de processos, ambientais e para entretenimento e cultura, além de energias alternativas. Nesta fase estão sendo gerados 300 empregos.

Desses R$ 65 milhões, o Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), foi responsável por R$ 35,5 milhões, sendo R$ 28,3 milhões para a construção do edifício institucional. Do governo federal, a contrapartida veio do terreno avaliado em R$ 20 milhões, cedido pela UFMG, em regime de comodato; e pela Financiadora de Projetos (Finep/MCTI), que investiu em R$ 2,5 milhões na rede de telefonia e dados. A Prefeitura Municipal de Belo Horizonte investiu R$ 7 milhões na infraestrutura viária do parque.

O secretário de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Nárcio Rodrigues falou da importância da inauguração do BH-Tec para o fomento da economia do conhecimento.

“A inauguração do parque tecnológico do BH-Tec é um passo decisivo para inserirmos Minas na sociedade do conhecimento. Conseguimos reunir no BH-Tec todos aqueles que pensam em uma Minas moderna e inserida na economia do conhecimento, produzindo conhecimento científico e gerando emprego, uma obsessão do governo mineiro”, ressaltou Nárcio Rodrigues.

A completa implantação do BH-Tec demandará investimentos da ordem de R$ 600 milhões nos próximos anos. O parque será implantado em etapas e terá sua estrutura imobiliária financiada, em grande parte, por investidores privados, que serão selecionados a partir de licitação. O Sebrae e a Fiemg participam de estudos para modelagem de negócio.

Programa

O Programa de Apoio aos Parques Tecnológicos, coordenado pela Sectes e o apoio Fapemig prevê a implantação de quatro parques, além do BH-Tec e o de Viçosa, na Zona da Mata, inaugurado em 2011.  São eles: Itajubá e Lavras no Sul do estado, Juiz de Fora na Zona da Mata e Uberaba no Triângulo.

 

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governador-anastasia-inaugura-parque-tecnologico-de-belo-horizonte/