Arquivos do Blog

Gestão Anastasia: Governo de Minas vai implantar projeto Agente Cousteau nas escolas públicas

Na primeira etapa, serão 150 mil alunos beneficiados; meta é atender mais de quatro milhões de estudantes

O crescimento industrial, atrelado ao aumento desordenado da população e a escassez de recursos naturais, fortaleceu a discussão sobre ações voltadas para a preservação ambiental. Com esse compromisso, o Governo de Minas, por meio da Unesco-Hidroex, em parceria com a Sociedade Cousteau e a Secretaria de Estado da Educação (SEE), decidiu implantar em todas as escolas públicas estaduais, o projeto Agente Cousteau – Educação para as Águas. O objetivo é alertar, instruir e incutir senso de ética ambiental nos alunos do ensino fundamental da 1ª à 6ª série.

O programa terá início em agosto deste ano, nas escolas públicas dos municípios pertencentes à Superintendência Regional de Ensino de Uberaba (SRE), no Triângulo Mineiro, atendendo a 150 mil crianças. Até 2014, a proposta é abranger todas as escolas públicas do Estado. Ao todo, quatro milhões de alunos serão capacitados no que se refere à compreensão da interdependência dos seres vivos e a importância da água.

Além de um ambiente virtual de aprendizagem, o projeto terá o mascote Cousteau em histórias em quadrinhos, que vai ensinar às crianças a importância da água e como elas podem contribuir para a preservação e seu uso sustentável. Haverá também integração com os estudantes pelo site http://www.agentecousteau.org.br, onde eles podem se inscrever para ser um agente Cousteau, participar de atividades lúdicas e realizar pesquisas sobre a água.

Sociedade Costeau

A metodologia utilizada pelo Governo de Minas se baseia no projeto desenvolvido pela Sociedade Cousteau. Fundada em 1973, por Jacques Cousteau, a organização, sem fins lucrativos, dedica-se à proteção de ecossistemas aquáticos e à melhoria da qualidade de vida, tanto da geração presente, como das futuras. Entre os projetos desenvolvidos pela organização está o de educação para as águas, que conta com um arquivo riquíssimo de filmes, fotografias, marcas e objetos sobre a descoberta dos oceanos e a vida que eles sustentam.

Com a mesma filosofia da Sociedade Cousteau, o Governo de Minas acredita que apenas um público instruído pode tomar decisões coerentes e necessárias à proteção e gestão dos recursos hídricos.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governo-de-minas-vai-implantar-projeto-agente-cousteau-nas-escolas-publicas/

Gestão Anastasia: Minas Gerais consolida posição de referência nacional na área de inovação tecnológica

Programa de Apoio aos Parques Tecnológicos do Governo de Minas prevê implantação de quatro novos empreendimentos neste ano

Wellington Pedro / Imprensa MG
Parque Tecnológico de Viçosa tem como foco as áreas de agronegócio, biotecnologia e tecnologia da informação
Parque Tecnológico de Viçosa tem como foco as áreas de agronegócio, biotecnologia e tecnologia da informação

Com a implantação do Parque Tecnológico de Belo Horizonte (BH-Tec), no bairro Engenho Nogueira, na região da Pampulha, o Governo de Minas impulsiona ainda mais o Programa de Apoio aos Parques Tecnológicos. Até o fim deste ano, Minas Gerais contará com seis parques tecnológicos, o que consolida a posição do Estado como referência nacional em formação de mão de obra qualificada e desenvolvimento de projetos de inovação.

Além do BH-Tec, o Estado conta, desde 2011, com o Parque Tecnológico de Viçosa, na Zona da Mata. Além destes dois, outros quatro já estão em fase de instalação. Coordenado pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), o programa prevê a implantação dos parques de Itajubá, no Sul de Minas; Juiz de Fora, na Zona da Mata; Uberaba, no Triângulo Mineiro; e Lavras, também no Sul do Estado.

Parque Tecnológico de Viçosa

Foi inaugurado abril de 2011, tendo como foco as áreas de agronegócio, biotecnologia e tecnologia da informação. O empreendimento está em fase de seleção das empresas. Estão previstos 81 lotes de 2 mil metros quadrados para centros de pesquisa, prédios institucionais e empresas de base tecnológica. O parque abriga o Centro Tecnológico de Desenvolvimento Regional de Viçosa (Centev), eleito por duas vezes como “melhor incubadora de empresas orientadas para o desenvolvimento local e setorial”, pela Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores.

Parque Tecnológico de Juiz de Fora

A previsão é que as obras de infraestrutura e de construção do prédio institucional sejam iniciadas ainda neste ano. O parque da Zona da Mata atuará nas áreas de biotecnologia, saúde humana e animal, eletroeletrônica, leite e derivados, e tecnologias de informação e comunicação. O parque terá 92,2 hectares e estão previstas áreas de serviço e comércio, pesquisa e produção.

Parque Tecnológico de Lavras

Em fase de elaboração de projetos urbanístico e arquitetônico, tem entrega prevista para julho deste ano. O empreendimento vai abrigar empresas nas áreas de saúde animal, tecnologia de alimentos, biotecnologia, tecnologia da informação e engenharias. O plano diretor prevê área de 7 mil metros quadrados para condomínio de empresas, edifício institucional, centro de convivência, parque ecológico, áreas de socialização, de serviços.

Parque Tecnológico de Uberaba

Em Uberaba, o parque tecnológico está em fase de contratação de projetos urbanístico e arquitetônico. Numa área de 160 hectares, deverá atender às áreas de biotecnologia, tecnologia da informação, energia, meio ambiente, design e fármacos.

Parque Tecnológico de Itajubá

Com inauguração prevista para novembro de 2012, a nova unidade do Sul de Minas terá como foco as áreas de bio e nanotecnologia, energia e engenharias.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/minas-gerais-consolida-posicao-de-referencia-nacional-na-area-de-inovacao-tecnologica/

Gestão Anastasia: Turismo de negócios impulsiona investimentos na rede hoteleira em várias regiões de Minas

Duas empresas assinaram protocolos de intenções para construir 21 hotéis em 20 cidades de todas as regiões do Estado

A rede hoteleira de Minas Gerais ganhou novo impulso com o anúncio de dois novos investimentos no total de R$ 259,5 milhões feitos pela Emcorp Empreendimentos e Incorporações S.A. e pela Hotelaria Rodrigues da Cunha Ltda. Representantes das duas empresas estiveram, na manhã desta terça-feira (15), na Cidade Administrativa Presidente Tancredo Neves, para assinatura dos protocolos de intenções com o Governo de Minas, por intermédio do Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais (Indi), órgão vinculado à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede).

A Emcorp Empreendimentos e Incorporações Ltda. irá construir 21 unidades hoteleiras em 20 cidades mineiras: Lagoa Santa, Pouso Alegre, Sete Lagoas, Betim, Uberlândia, Congonhas do Campo, Juiz de Fora, Montes Claros, Governador Valadares, Ipatinga, Divinópolis, Ribeirão das Neves, Teófilo Otoni, Barbacena, Varginha, Araguari, Itabira, Passos, Itajubá e Alfenas. Ao todo, serão gerados 870 empregos, sendo 520 diretos e outros 350 indiretos.

Segundo a secretária de Desenvolvimento Econômico, Dorothea Werneck, esses anúncios confirmam o fortalecimento da economia mineira e o crescimento do turismo de negócios no Estado. “Investimentos como esse que serão realizados no interior do Estado mostram que estamos trabalhando no caminho certo, para desenvolvermos todas as regiões de Minas”, afirma.

Durante a reunião, o vice-presidente da empresa, Gilberto Monteiro Siqueira, explicou que o maior investimento, no valor de R$105 milhões, será feito em Lagoa Santa, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, onde será construído um centro de convenções. Os outros 20 empreendimentos previstos no projeto da Emcorp contarão com 100 unidades habitacionais cada. “O Wyndham Garden terá 480 apartamentos e um centro de convenções para cinco mil pessoas com o objetivo de receber grandes eventos. Os demais hotéis serão construídos dentro do que chamamos de Projeto Super 8, que prioriza a construção dos hotéis nas proximidades de rodovias. Todos eles com o padrão da hotelaria americana”, detalha.

A escolha de Minas Gerais para ser a receber todos os empreendimentos, de acordo com o presidente da empresa, Danilo Gonçalves da Fonseca, pode ser atribuída ao crescimento do turismo de negócios no Estado e pela atuação estratégica do Governo de Minas. “Entendemos que o diferencial de termos nossos empreendimentos próximos às rodovias, impulsiona a demanda de empresários e investidores. Além disso, a visão do Governo de Minas em desenvolver o entorno do Aeroporto Internacional Tancredo Neves e o interior do Estado é muito interessante para o sucesso do nosso negócio”, explica.

Triângulo

Já a Hotelaria Rodrigues da Cunha irá investir R$ 23,5 milhões na implantação de um hotel em Uberlândia, Triângulo Mineiro. “Já temos um hotel na cidade, o Executive Inn, que é um sucesso. Acreditamos que outro empreendimento no mesmo local irá gerar uma sinergia muito positiva para o negócio, explica o diretor da empresa, Armando Esteves Rodrigues da Cunha.

Com o novo investimento, que terá capacidade de 150 unidades habitacionais e cinco salas para eventos, serão gerados 130 empregos, sendo 80 diretos e os outros 50 indiretos. De acordo com o cronograma do projeto, a previsão é que as obras se iniciem ainda este ano e que sejam concluídas em 2014.

A empresa Hotelaria Rodrigues da Cunha Ltda. foi constituída em 2001, sendo proprietária do hotel Executive Inn, localizado em Uberlândia, que começou a operar em outubro de 2003, com 80 Unidades Habitacionais. A empresa recebe hóspedes principalmente de Minas Gerais, São Paulo, Goiás, Brasília e Rio de Janeiro. A média da taxa de ocupação registrada nos últimos anos é de 65%.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/turismo-de-negocios-impulsiona-investimentos-na-rede-hoteleira-em-varias-regioes-de-minas/

Governo de Minas: Comitê de Bacia assina protocolo para formação de consórcio intermunicipal

O consórcio será constituído pelos municípios de Perdizes, Pedrinópolis, Nova Ponte e Santa Juliana

O Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Araguari assina nesta quarta-feira (16), às 14h, na sala 6, 14º andar, Prédio Gerais da Cidade Administrativa, protocolo de intenção para formação do Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Ambiental Sustentável.

O consórcio intermunicipal será constituído pelos municípios de Perdizes, Pedrinópolis, Nova Ponte e Santa Juliana e tem como objetivo a busca pela gestão adequada dos recursos hídricos, reduzindo assim os problemas ambientais regionais no âmbito da Bacia Hidrográfica do Rio Araguari.

Os consórcios intermunicipais são entidades que reúnem municípios interessados em realizar ações conjuntas para a resolução de problemas comuns. “A união entre os municípios pode ampliar e efetivar as ações propostas pelo comitê, fortalecendo a política de gestão das águas na bacia”, disse a diretora de Gestão das Águas e Apoio aos Comitês de Bacia, Luiza de Marillac Moreira Camargos.

Bacia Hidrográfica do Rio Araguari

A bacia do Rio Araguari compreende uma área de 22 mil km², abrangendo 20 municípios. Está localizada no Oeste de Minas Gerais e sua maior porção territorial insere-se na mesorregião geográfica do Triângulo Mineiro.

O Rio Araguari nasce no Parque Nacional da Serra da Canastra, no município de São Roque de Minas, e percorre 475 Km até a sua foz no Rio Paranaíba, sendo um dos afluentes do Rio Grande, que integra a Bacia Transnacional do Rio Paraná.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/comite-de-bacia-assina-protocolo-para-formacao-de-consorcio-intermunicipal/

Governo de Minas: Criatividade marca festa Afro em escola de Uberaba

Alunos do ensino fundamental e médio da Escola Quintiliano Jardim fizeram um passeio pela história e pela cultura africana

Divulgação / SEE
Estudantes realizaram atividades que lembram costumes da cultura africana
Estudantes realizaram atividades que lembram costumes da cultura africana

A Escola Estadual Quintiliano Jardim, em Uberaba, no Triângulo Mineiro, apresentou à comunidade, no último sábado (12), vários de trabalhos que foram desenvolvidos desde janeiro sobre a história e a cultura afro. A instituição há muito prioriza o tema no seu dia-a-dia.

Segundo a professora de Geografia e coordenadora do projeto, Fátima Martins, o programa, iniciado em 2003 e antes circunscrito a algumas atividades interdisciplinares, se tornou, em 2005, um projeto maior que contagiou toda a escola. “Atualmente, eu só direciono a pesquisa. As idéias, cada vez mais originais, são dos alunos, que se tornaram os verdadeiros entusiastas deste universo afro, pouco valorizado. Isso porque nosso conhecimento sobre cultura africana está muito circunscrito a clichês, normalmente vinculados à história da escravatura e de alguns de seus personagens”, considerou a educadora.

Por causa da adesão dos estudantes e professores, assuntos relativos à etnia e ao continente africano estão cada vez mais inseridos e debatidos nas disciplinas e na vida prática da comunidade. Nas aulas de Biologia aprende-se, por exemplo, quais são as doenças predominantes na raça negra, como a anemia falciforme e a pressão alta. Por esta razão esteve presente, no último sábado, um profissional da biomedicina para palestrar sobre os cuidados que os portadores dessas doenças devem ter para melhorar a qualidade de vida.

No campo das ciências exatas, os alunos da Escola Quintiliano Jardim aproveitaram o tema na Matemática para desenvolver, através de um censo, a contagem e o mapeamento dos descendentes de africanos no bairro Estados Unidos, onde está localizada a escola. “Eles produziram um gráfico sobre esta comunidade no município”, destaca a professora Fátima.

A culinária também esteve presente na festa, com pratos e receitas que descendem da cultura africana e que estão muito além daqueles que foram popularizados no Brasil, como os oriundos da cozinha baiana. Os alunos do ensino médio e fundamental, que se basearam em entrevistas feitas virtualmente com cidadãos angolanos para a montagem dos pratos, ofereceram o banquete de doces e salgados para degustação aos participantes da festa afro.

Personalidades negras do Brasil e do mundo, que vão desde Gilberto Gil à Barack Obama, estiveram igualmente representadas em um desfile. O candomblé, os santos, e as cores das tribos africanas também estiveram presentes na festa, em uma sala temática da escola, onde um pai de santo introduziu aos curiosos e a comunidade em geral os ritos do jogo dos búzios.

Ainda na área da expressão artística e física a já consumada capoeira e o Kuduro, gênero de dança da Angola, já disseminado em algumas regiões brasileiras, completaram a gama do projeto que quer evidenciar cada vez mais o mundo afro.  “Existem coisas verdadeiramente boas e substanciais que não são divulgadas. E o que eu busco na minha escola é a valorização da cultura. Sempre vi a necessidade de ampliar essa proposta, e os alunos estão se empenhando”, frisou a professora Fátima.

No sábado, também houve o lançamento do livro “Memórias, territorialidades e identidades em Uberaba”, produzido pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/criatividade-marca-festa-afro-em-escola-de-uberaba/

Governo de Minas: educadores formulam criação do Curso de Extensão em Educação Musical

Especialistas e professores de conservatórios estaduais participam de planejamento.

Professores e especialistas dos 12 conservatórios estaduais de música de Minas Gerais iniciaram o planejamento para a criação do Curso de Extensão em Educação Musical. O objetivo é oferecer formação inicial e continuada em educação musical para professores da rede pública de educação básica. As reuniões começaram nesta semana na Escola de Formação e Desenvolvimento Profissional de Educadores (Magistra). O curso está previsto para começar no segundo semestre deste ano.

“Nesse encontro, pegamos as experiências que os Conservatórios Estaduais de Música têm para formular um plano de curso para trabalhar de forma criativa e inovadora com os professores das escolas regulares”, destacou Gilbert Gouvêa, coordenador dos Conservatórios.

Entre os temas discutidos no encontro estão: os componentes curriculares, a ementa, a carga horária, a metodologia, os procedimentos didáticos, as formas de monitoramento e avaliação e a organização do atendimento a partir das demandas dos candidatos. Todo o trabalho será construído a partir de uma articulação entres os conservatórios, a Secretaria de Estado de Educação (SEE) e a Magistra.

Nas reuniões, também foram debatidas as possíveis ferramentas de apoio que os participantes poderão contar durante o curso de formação. O Centro de Referência Virtual do professor (CRV) é uma dessas possibilidades para os educadores durante o curso.

O curso será desenvolvido pelos conservatórios em módulos semestrais e abordará conhecimentos teóricos e práticos da área musical. “Essa será uma retomada em uma das funções das escolas de música que é a da formação musical”, lembra Gilbert Gouvêa.

Em um primeiro momento, os cursos seriam ofertados para professores de arte, supervisores pedagógicos e estudantes dos cursos de Magistério e Pedagogia. Para a primeira fase. estão previstos 50 participantes distribuídos em duas turmas. Até o final do ano, a previsão é que o curso de extensão atenda a 600 cursistas.

 Conservatórios

Minas é o único estado do Brasil que conta com escolas de música na rede pública de ensino. São 12 Conservatórios de Música mantidos pela Secretaria de Estado de Educação. Com o objetivo de atender a diversas regiões do estado, Minas conta com escolas nas cidades de Araguari, Ituiutaba, Uberaba e Uberlândia, no Triângulo Mineiro, em São João Del Rei, Juiz de Fora, Leopoldina e Visconde do Rio Banco, cidades da Zona da Mata, em Montes Claros no Norte de Minas, Diamantina no Vale do Jequitinhonha, e em Pouso Alegre e Varginha, cidades do Sul do Estado. As escolas de música atendem cerca de 30 mil alunos com a oferta de cursos técnicos.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/educadores-formulam-criacao-do-curso-de-extensao-em-educacao-musical/

Gestão da Saúde: Hemominas faz coleta de sangue em Belo Horizonte e Uberlândia

Expectativa é que compareçam 50 candidatos à doação de sangue em cada dia de coleta.

A Fundação Hemominas realiza coleta de sangue, nesta quinta-feira (10), na Caixa de Assistência dos Advogados, no bairro Barro Preto, em Belo Horizonte. Já nesta quarta (09) e quinta-feira (10), a Fundação Hemominas realiza coleta de sangue na Faculdade Esamc, em Uberlândia, no Triângulo Mineiro. A expectativa é que compareçam 50 candidatos à doação de sangue em cada dia de coleta.

Segundo a Portaria 1.353/2011 do Ministério da Saúde, podem doar sangue cidadãos com boa saúde, idade entre 18 e 67 anos. Os candidatos devem pesar acima de 50 quilos, não ter ingerido bebida alcoólica nas últimas 12 horas, não ter tido hepatite após os 11 anos de idade, e que não tenham doença de Chagas.

Jovens com 16 e 17 anos, somente poderão se candidatar à doação de sangue com a presença dos responsáveis legais ou autorização dos responsáveis com firma reconhecida em cartório, cujo modelo de autorização está disponível no site www.hemominas.mg.gov.br.

A idade máxima para a primeira doação de sangue é 60 anos. Os candidatos, que já tiverem doado pelo menos uma vez antes dos 60 anos, poderão doar até a idade de 67 anos.

Para mais informações sobre os critérios para doação de sangue acessar http://www.hemominas.mg.gov.br/hemominas/menu/cidadao/doacao/condicoes_doacao ou ligar para o 155. Com foco no público jovem, o hotsite www.projetonaveia.com.br promove interatividade e participação também na divulgação da doação. Acesse e conheça o Projeto na Veia.

Serviço:

Fundação Hemominas promove coleta de sangue

Belo Horizonte

Local: Caixa de Assistência dos Advogados, rua Ouro Preto, 67, Barro Preto.

Data: 10 de maio.

Horário: De 8h às 11h30.

Uberlândia

Local: Faculdade Esamc, Av. Vasconcelos Costa, 270, bairro Martins

Data: 09 e 10 de maio.

Horário: De 7h30 às 11h30.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/hemominas-faz-coleta-de-sangue-em-belo-horizonte-e-uberlandia/

Gestão em Minas: Governador em exercício preside assinatura de acordo com o CNPq

Acordo prevê a liberação de bolsas de estudo para o Centro Internacional de Educação, Capacitação e Pesquisa Aplicada em Águas

O governador em exercício, Dinis Pinheiro, presidiu, nesta sexta-feira (04), no Palácio Tiradentes, solenidade de assinatura de acordo de cooperação entre o Centro Internacional de Educação, Capacitação e Pesquisa Aplicada em Águas (Unesco-Hidroex), a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e o Instituto de Educação para as Águas da Unesco (IHE). O acordo autoriza a liberação de um edital do programa Ciência sem Fronteiras voltado para as águas.

O plano de trabalho firmado com o Ciência sem Fronteiras prevê a oferta de 68 bolsas de estudos a estudantes brasileiros e pesquisadores estrangeiros, que se interessarem em desenvolver atividades no IHE, em Delft (Holanda), e na Cidade das Águas, em Frutal, no Triângulo Mineiro.

“Esse acordo prevê o que é preconizado pelo governador Antonio Anastasia que é o de qualificar cada dia mais o nosso povo e buscar o aprimoramento do ser humano. Por meio do conhecimento, buscaremos dias melhores e assim elevaremos o desenvolvimento da nossa sociedade. Não há desenvolvimento sem atitudes e sem a educação do nosso povo. Somente o conhecimento nos apresentará novos rumos”, afirmou o governador em exercício, Dinis Pinheiro.

Para o secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), Nárcio Rodrigues, Minas sai na frente ao realizar parceria com governo federal por meio do programa Ciência sem Fronteiras.

“Tivemos a preocupação, ao elaborar a nossa proposta, de escolher a água, que é um tema universal, a gestão de recursos hídricos, o tratamento da água como elemento de vida e conseguimos realizar uma parceria internacional muito importante com a Unesco”, enfatizou o secretário.

O Ciência sem Fronteiras é um programa do governo gederal que fomenta a internacionalização da ciência e tecnologia brasileira por meio do intercâmbio e da mobilidade internacional. Ele foi criado pelos ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e Educação (MEC), por meio do CNPq e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e secretarias de Ensino Superior e de Ensino Tecnológico do MEC.

O acordo de cooperação vai agilizar o intercâmbio de técnicos, estudantes, professores e pesquisadores do Brasil para áreas de excelência em águas no exterior, bem como de especialistas de outros países para a Cidade das Águas, em Minas Gerais.

O diretor do CNPq, Paulo Sérgio Beirão, ressaltou que o acordo de cooperação com o Governo de MInas traduz o objetivo do programa Ciência sem Fronteiras que é o de trabalhar com áreas que são de interesse estratégico do país, no caso a água. “O acordo é importante para o país e principalmente para Minas Gerais”, pontuou Beirão.

Reitor do Instituto de Educação para as Águas da Unesco (IHE), András Szöllösi-Nagy, destacou a importância do intercâmbio de conhecimento previsto no programa. “A ciência e a água não têm fronteiras, temos que compartilhar conhecimentos”, disse Nagy.

Cidade das Águas

Com inauguração prevista para 2014, a Cidade das Águas Unesco-Hidroex é uma iniciativa do Governo de Minas frente ao desafio de conservação da água. Em setembro de 2011, o vice-governador Alberto Pinto Coelho lançou oficialmente o projeto durante a inauguração da nova sede do Unesco-Hidroex em Frutal.

O Unesco-Hidroex foi criado em 2009 pelo Governo de Minas, com o objetivo de planejar, coordenar, executar, controlar e avaliar programas e projetos de defesa e preservação do meio ambiente, relativos à gestão das águas e dos recursos hídricos. Também se dedica à capacitação de recursos humanos e à prestação de serviços de interesse público.

Os governos mineiro e federal já investiram R$ 80 milhões na elaboração de projetos, intercâmbios e na infraestrutura do Hidroex e do campus da Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG) em Frutal, que já atende aproximadamente 1.500 alunos.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governador-em-exercicio-preside-assinatura-de-acordo-com-o-cnpq/

Gestão Anastasia: Governo de Minas e parceiros mostram sequenciamento do zebu leiteiro

O projeto, inédito no mundo, significa informações expressivas para o melhoramento genético dos rebanhos

Divulgação/Sectes MG
Criadores  e pesquisadores assistem à apresenção do sequenciamento do genoma do zebu leiteiro
Criadores e pesquisadores assistem à apresenção do sequenciamento do genoma do zebu leiteiro

Apesar da forte tradição, Minas Gerais sabe que pode avançar ainda mais em muitas áreas ao agregar conhecimento e tecnologia aos produtos. Na genética bovina, sob a liderança do Polo de Excelência da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), foi apresentado, nesta sexta-feira (4), durante a 78ª Expozebu, em Uberaba, Triângulo Mineiro, o sequenciamento do genoma do zebu leiteiro. O projeto, inédito no mundo, significa informações expressivas para o melhoramento genético dos rebanhos.

O Governo de Minas investiu R$ 1,3 milhão desde 2009 no projeto, por meio da Sectes e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig). A parceria na execução do projeto contou com uma rede de pesquisadores da Embrapa Gado de Leite, Centro de Bioinformática (Cebio/Fiocruz Minas), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ), Associação dos Criadores da Raça Guzerá (ABCG) e Associação de Criadores da Raça Gir (ABCGIL).

O estudo foi apresentado pelos pesquisadores Marcos Vinicius Barbosa (Embrapa Gado de Leite) e Guilherme Oliveira (Fiocruz Minas). Eles expuseram a utilidade do sequenciamento para a pecuária leiteira nacional, visando a uma maior eficiência do setor. Guilherme Oliveira ressaltou que o trabalho não se encerra com uma versão apenas, e lembrou que o genoma humano já se encontra na versão de número 37. Explicou também que todo o processamento de bilhões de informações está sendo possível, por meio da infraestrutura construída na Fiocruz Minas (Cebio), com boa parte dos recursos do governo mineiro.

A gerente executiva do Polo de Genética, Beatriz Cordenonsi, disse que a obtenção do genoma do zebu leiteiro representa um marco na história da pecuária brasileira, pois vai permitir, num futuro próximo, a identificação de genes de relevância econômica para incrementar os sistemas de produção nacional. O chefe geral da Embrapa Gado de Leite, Duarte Vilela, e o diretor de Relações Internacionais da ABCZ, Rafael Cunha Mendes, expuseram a parceria no projeto e reconheceram a importância dele para o Brasil ganhar mais competitividade e qualidade no seu rebanho.

Representando o secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Narcio Rodrigues, a superintendente de Ciência, Tecnologia e Inovação Ambiental, Déa Fonseca, homenageou pesquisadores integrantes da rede que estavam presentes no evento. Ela falou sobre a importância do Governo de Minas apoiar a ciência para entregar os produtos à sociedade, mas não se esqueceu de valorizar as parcerias com instituições e entidades para grandes conquistas como a do sequenciamento genético do zebu leiteiro.

Lançamento do livro

Também foi lançado pelo Polo de Excelência em Genética Bovina da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, o livro “Genética Bovina Brasileira: Mercado Internacional e Mapeamento das Competências e Tecnologias Mineiras”. A publicação estará disponível para os interessados na sede do Polo em Uberaba. Posteriormente também estará em formato eletrônico na internet.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governo-de-minas-e-parceiros-mostram-sequenciamento-do-zebu-leiteiro/

Governo de Minas: representante da Unesco visita obras do Hidroex

Para András Szöllösi-Nagy centro de pesquisa aplicada em água já é um modelo para o mundo

Divulgação / Sects
András Szöllösi-Nagy (de camisa branca) elogiou a estrutura que está sendo construída para o Hidroex
András Szöllösi-Nagy (de camisa branca) elogiou a estrutura que está sendo construída para o Hidroex

O Hidroex, centro de categoria II da Unesco dedicado a educação, capacitação e pesquisa aplicada em água, implantado pelo Governo de Minas – com o apoio do Governo Federal – em Frutal, no Triângulo Mineiro, já pode ser considerado um modelo para o mundo. A afirmação é do reitor do Instituto de Educação para as Águas da Unesco (IHE), András Szöllösi-Nagy, uma das maiores autoridades em recursos hídricos do mundo. Nesta quinta-feira (3), ele visitou as instalações do Unesco-Hidroex e conheceu o projeto da Cidade das Águas, que já está em obras.

Acompanhado do secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Narcio Rodrigues, e do consultor da Unesco, Richard Meganck, o reitor ficou impressionado com o crescimento do Unesco-Hidroex, graças aos investimentos  do Governo de Minas e do Governo Federal, que já somam mais de R$ 100 milhões.

András visitou Frutal há cinco anos, quando o Unesco-Hidroex foi inaugurado em sua sede provisória. “Dos 22 centros de categoria II da Unesco, em todo mundo, o Unesco-Hidroex com certeza é referência”, afirmou. O reitor disse também que, em médio prazo, o Unesco-Hidroex conseguirá se tornar um centro de categoria I, assim como o IHE. “Com certeza será um dos próximos a conquistar essa chancela”, completou.

De acordo com András Szöllösi-Nagy, a gestão de recursos hídricos é uma das maiores preocupações mundiais, e faltam profissionais capacitados para atuarem nesta área. Ele afirmou que o Governo de Minas, por meio do Unesco-Hidroex, vai contribuir muito neste sentido, formando gestores, pesquisadores e especialistas, não só no Brasil, mas também nos países da América Latina, Caribe e África.

“Vocês não imaginam a importância de um centro como este para o mundo, que está focado nas questões relacionadas à água, levando em consideração que em breve teremos nove bilhões de pessoas habitando o nosso planeta”, explicou Nagy.

Na oportunidade, o secretário Narcio Rodrigues reafirmou que o Unesco-Hidroex está preparando a documentação necessária para se transformar no campus do IHE dedicado à América Latina e o Caribe, passando a ser propriedade das Nações Unidas.

Após conhecer as instalações do Unesco-Hidroex e o projeto de implantação da Cidade das Águas, András Szöllösi-Nagy afirmou que o centro preenche todos os requisitos considerados para se tornar um campus do IHE.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/representante-da-unesco-visita-obras-do-hidroex/