Arquivos do Blog

Gestão Anastasia: Governo de Minas marca participação com estande na Expomontes

Abertura da tradicional feira agropecuária de Montes Claros contou com as presenças dos secretários de Estado Gil Pereira (Sedvan) e Elmiro Nascimento (Seapa)

Sedvan-Idene
Secretários Gil Pereira e Elmiro Nascimento, ao centro, em frente ao estande da Sedvan na Expomontes, em Montes Claros (MG), ladeados por representantes do setor rural
Secretários Gil Pereira e Elmiro Nascimento, ao centro, em frente ao estande da Sedvan na Expomontes, em Montes Claros (MG), ladeados por representantes do setor rural

O Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri e do Norte de Minas (Sedvan), está participando da 38ª Exposição Agropecuária de Montes Claros (Expomontes), até o dia 8 de julho, com um estande que mostra os principais programas institucionais de estímulo e apoio à população dos 188 municípios sob responsabilidade da pasta, no Norte e Nordeste do Estado. A beleza do artesanato do Vale do Jequitinhonha é um dos destaques do espaço.

Na sexta-feira (29), a solenidade de abertura do tradicional evento, que tem grande repercussão econômica regional e atrai visitantes de várias partes de Minas, contou com as presenças dos secretários de Estado Gil Pereira (Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri e do Norte de Minas – Sedvan) e Elmiro Nascimento (Agricultura, Pecuária e Abastecimento  Seapa).

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governo-de-minas-marca-participacao-com-estande-na-expomontes/

Gestão da Educação: Programa visa garantir alimentação saudável aos alunos da rede pública

Comitês gestores locais já atuam no Programa Estruturador Cultivar, Nutrir e Educar, do Governo de Minas

José Carlos Paiva/Imprensa MG
Gil Pereira, dom Mauro Morelli e Wander Borges, durante reunião do Comitê de Segurança Alimentar
Gil Pereira, dom Mauro Morelli e Wander Borges, durante reunião do Comitê de Segurança Alimentar

O Comitê Temático de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável (CTSANS) reuniu-se nesta terça-feira (26), em Belo Horizonte, para avaliar a implantação e traçar as estratégias seguintes do Programa Estruturador Cultivar, Nutrir e Educar. Criado pelo Governo de Minas, o principal foco do programa é garantir o direito à alimentação saudável, adequada e solidária aos alunos da rede pública de ensino do Estado.

Além de promover a educação alimentar e nutricional e, ainda, de fortalecer a alimentação escolar, as ações do Programa Estruturador visam apoiar a produção, beneficiamento e comercialização de alimentos da agricultura familiar para o abastecimento das escolas.

O coordenador técnico do comitê e presidente do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável de Minas Gerais (Consea-MG), dom Mauro Morelli, abriu o encontro destacando a alimentação como fator essencial à vida em conceito amplo. “A partir da concepção, como direito básico, o acesso ao alimento adequado e em quantidade suficiente constitui item fundamental ao funcionamento do organismo humano e ao exercício da cidadania”, afirmou.

Articulação

Após a realização de quatro seminários regionais do Programa Estruturador, estão sendo constituídos os comitês gestores locais, 70% dos quais já estão em funcionamento. Inicialmente, sua implementação está ocorrendo em 45 municípios das regiões Norte de Minas, Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Zona da Mata e Rio Doce, por meio de articulação entre as Secretarias de Estado de Educação, de Saúde e de Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

O envolvimento de outras pastas estaduais como a de Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri e do Norte de Minas (Sedvan) representa importante estratégia de diálogo entre as políticas públicas intersetoriais. O secretário de Estado Gil Pereira destacou alguns dos projetos da Sedvan que apresentam impacto relacionado com os objetivos do Programa Estruturador. “O Leite pela Vida, o Travessia Nota 10 (alfabetização de jovens e adultos) e o Projeto de Combate à Pobreza Rural (PCPR) são destaques. Agora, o Governo de Minas lança o Água para Todos, em parceria com o governo federal, cujo foco é a universalização do acesso à água no Norte e Nordeste do Estado”, disse.

Presidido pelo vice-governador Alberto Pinto Coelho, o comitê é constituído pelos titulares de 14 secretarias de Estado, nas quais foram designados grupos de assessoramento e apoio à sua secretaria executiva, por meio de reuniões periódicas para articulação entre as áreas.

Também participaram do encontro o presidente da Fundação Estadual do Meio Ambiente, Ilmar Bastos Santos; o secretário de Estado extraordinário de Regularização Fundiária, Wander Borges; e o secretário de Estado adjunto de Desenvolvimento Social, Juliano Borges; além dos subsecretários de Estado de Vigilância e Proteção à Saúde, Carlos Alberto Pereira Gomes, e de Agricultura Familiar, Edmar Gadelha.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/programa-visa-garantir-alimentacao-saudavel-aos-alunos-da-rede-publica/

Governo de Minas: grupo dá início a trabalhos para gestão do Fundo de Erradicação da Miséria

Encontro reuniu os integrantes do Grupo Coordenador que definirá as prioridades para a utilização do Fundo

Seplag / Divulgação
Reunião do Grupo Coordenador do Fundo de Erradicação da Miséria é promovida pela Seplag
Reunião do Grupo Coordenador do Fundo de Erradicação da Miséria é promovida pela Seplag

A Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag) realizou nesta sexta-feira (22), a 1ª reunião do Grupo Coordenador do Fundo de Erradicação da Miséria (FEM), regulamentado no último dia 16. Durante o encontro, o subsecretário de Planejamento, Orçamento e Qualidade do Gasto, André Reis, contextualizou a criação do fundo e falou sobre as perspectivas do Governo de Minas para a boa utilização dos recursos.

“O Fundo de Erradicação da Miséria vem com a possibilidade de enfrentarmos, de forma permanente, o combate à miséria”, explicou o subsecretário. A estimativa, segundo ele, é arrecadar R$ 100 milhões para o fundo, em 2012, e cerca de R$ 176 milhões por ano, a partir de 2013. Até o momento, o fundo já arrecadou R$ 30 milhoes.

Criado pela Lei nº 19.990, de 29 de dezembro de 2011, o fundo tem como objetivo custear programas e ações sociais de erradicação da pobreza e extrema pobreza alinhados às Metas do Milênio, pactuadas com a Organização das Nações Unidas (ONU), ao Plano Brasil sem Miséria, do governo Federal, e ao Programa Travessia, do Governo de Minas.

O grupo é formado por representantes de diversos órgãos e entidades estaduais, além de representantes da sociedade civil. Entre os representantes do Executivo estão as secretarias de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag), gestora e agente financeira do Fundo, Fazenda (SEF), Desenvolvimento Social (Sedese), Desenvolvimento Regional e Política Urbana (Sedru), Trabalho e Emprego (Sete), Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha, Mucuri e do Norte de Minas Gerais (Sedvan), Saúde (SES), Educação (SEE), Extraordinária de Regularização Fundiária (Seara), Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) e a Assessoria de Articulação, Participação e Parceria Social da Governadoria.

Compete ao grupo acompanhar a execução orçamentária e financeira, definir os programas prioritários e apresentar propostas para a elaboração da política geral de aplicação dos recursos e para a readequação ou extinção do fundo, quando necessário. Segundo o chefe da Assessoria de Articulação, Participação e Parceria Social da Governadoria, Ronaldo Pedron, esse momento é fundamental o bom uso dos recursos. “Esse espaço de construção e acompanhamento do FEM e que enriquece o processo da gestão”, define.

Arrecadação

A instituição de Fundos de combate e erradicação da pobreza nas três esferas federativas está prevista na Constituição Federal, que institui ainda como fonte de financiamento dos Fundos Estaduais a criação de adicional de dois pontos percentuais sobre a alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre cigarros, produtos de tabacaria, cerveja sem álcool, bebidas alcoólicas (exceto aguardentes de cana ou de melaço) e armas.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/grupo-da-inicio-a-trabalhos-para-gestao-do-fundo-de-erradicacao-da-miseria/

Gestão Eficiente: Minas assume protagonismo nos debates sobre desenvolvimento sustentável na Rio+20

Para o secretário de Meio Ambiente, Adriano Magalhães, “Minas é um resumo do Brasil”, referindo-se à biodiversidade que o Estado reúne

Janice Drumond / Ascom Sisema
Estande do Governo de Minas na Rio+20 tem cobertura das paredes feita a partir da casca do coco
Estande do Governo de Minas na Rio+20 tem cobertura das paredes feita a partir da casca do coco

As políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável, criadas pelo Governo de Minas, bem como as demais ações realizadas pelo Estado na área de preservação do meio ambiente, ganharam destaque durante a realização da Rio+20, a Conferência da Organização das Nações Unidas para Desenvolvimento Sustentável, que está sendo realizada no Rio de Janeiro.  O Governo de Minas assume um papel de protagonista dos principais debates em torno da sustentabilidade.

A delegação mineira presente no evento coordenou debates sobre a conservação de biomas, biodiversidade e recursos hídricos, bem como discussões sobre a implementação de medidas capazes de conter os efeitos das mudanças climáticas. Também vêm sendo abordadas pelos representantes do Governo de Minas interfaces relativas a outras áreas, como a chamada economia verde, o crescimento urbano e o desenvolvimento rural sustentável.

Minas integra a Delegação Brasileira da Rio+20 com representantes do Sistema Estadual de Meio Ambiente (Sisema) e das Secretarias de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), de Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri e do Norte de Minas (Sedvan), de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), de Trabalho e Emprego, de Desenvolvimento Regional Urbano (Sedru) e da Secretaria de Estado Extraordinária da Copa do Mundo (Secopa).

Órgãos vinculados ao Governo do Estado, como o Instituto Estadual de Florestas (IEF), a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), a Fundação Estadual de Meio Ambiente (Feam), o Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam) e a Fundação Centro Internacional de Educação (Unesco HidroEX), também compõem o grupo.

A Delegação Brasileira da Rio+20 é um colegiado formado por órgãos públicos e instituições de diversos estados, com a responsabilidade de coordenar a conferência.

Estande com materiais recicláveis

O Governo de Minas conta com um dos maiores estandes da Rio+20, com 100 metros quadrados. O espaço foi desenvolvido com materiais sustentáveis, como o piso reciclado, feito com material composto por 70% de caixas de embalagens longa vida recicláveis, 30% de fibras vegetais, plástico e outros materiais reciclados, além da cobertura das paredes feita de pastilha de coco, obtida a partir da casca do coco.

De acordo com o secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Adriano Magalhães Chaves, Minas desenvolve, desde 2002, um trabalho de aprimoramento da gestão pública onde foram incorporadas questões relacionadas à sustentabilidade. “O trabalho realizado no Estado serve de exemplo para iniciativas semelhantes em todo o país”, afirma. De acordo com o secretário que “Minas é um resumo do Brasil”, em função da grande diversidade de ambientes e condições que o Estado reúne.

“Minas sem lixões” é referência

As principais iniciativas ligadas à gestão ambiental em Minas são coordenadas pelo Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema). A disposição adequada de resíduos sólidos é uma vertente da gestão ambiental em Minas, e o gerenciamento é feito pela Fundação Estadual de Meio Ambiente (Feam).

O trabalho teve início em 2001, quando menos de 20% da população do Estado era atendida por sistemas adequados. Após a criação do programa “Minas Sem Lixões”, em 2003, e a regulamentação da legislação estadual sobre a questão, aproximadamente 55% da população mineira passou a ter acesso a esse serviço.

Uma solução para a destinação de resíduos sólidos são os consórcios intermunicipais em resíduos sólidos, uma parceria da Feam com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional Urbano.  Entre 2007 e dezembro de 2011 foram formados 50 consórcios, atendendo 469 municípios.

Outra iniciativa pioneira do estado nessa área é Parceria Público Privada (PPP) de resíduos sólidos urbanos, que tem como objetivo fazer com que 100% dos resíduos sólidos da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) sejam eliminados de forma correta. Na última terça-feira (19), o governador Antonio Anastaia assinou convênio com 46 dos 48 municípios do Colar Metropolitano de Belo Horizonte para a gestão compartilhada dos serviços de transbordo, tratamento e disposição final de resíduos sólidos urbanos na região. Mais detalhes sobre esse projeto podem ser acessados aqui.

“Bolsa Verde” ajuda na conservação de biomas

O Instituto Estadual de Florestas (IEF) gerencia o projeto para conservação e recuperação dos biomas no Estado: a Mata Atlântica, o Cerrado e a Caatinga. A previsão é de que sejam aplicados R$ 9 milhões em 2012 em ações com a implantação de corredores ecológicos, recuperação de matas ciliares e implantação de unidades de conservação.

O programa “Bolsa Verde”, uma ação do Estado importante para o meio ambiente, garante a remuneração pela conservação de áreas com cobertura vegetal nativa. No ano passado, 978 proprietários e posseiros rurais foram beneficiados pelo programa, garantindo a preservação de 32 mil hectares de vegetação em todo o Estado.

Anunciada criação da maior unidade de conversação do Estado

Dentre as principais ações debatidas na Rio+20, o secretário Adriano Magalhães Chaves anunciou a criação, até 2013, de uma unidade de conservação que protegerá áreas dos biomas de Caatinga, Cerrado e Mata Atlântica em Minas.

A unidade de conservação será a maior do Estado, com área estimada em até 500 mil hectares. “Os estudos estão sendo elaborados pela equipe do Instituto Estadual de Florestas na região do rio Carinhanha, na divisa do Estado com a Bahia”, afirmou Magalhães.

A criação dessa unidade de conservação é uma das medidas que Minas vem tomando para ampliar os mecanismos de proteção dos biomas do Estado.

Segundo o secretário de Meio Ambiente, outras ações importantes são os investimentos na prevenção e combate a incêndios florestais e o pagamento a proprietários rurais que conservam áreas de vegetação nativa que, em 2011, beneficiaram 978 famílias, com um investimento de R$ 6,8 milhões pela preservação de 32 mil hectares de vegetação em todo o Estado.

Sobre a Conferência Rio+20

A Rio+20 acontece entre os dias 20 e 22 de junho no Centro de Convenções Riocentro, no Rio de Janeiro. O evento tem a presença de chefes de Estado e de governos do mundo inteiro e marca o vigésimo aniversário da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento realizada no Rio de Janeiro em 1992 (Eco-92) e o décimo aniversário da Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável promovida em Johanesburgo, em 2002.

Site mostra modelo mineiro de gestão sustentável

Desde a semana passada está no ar um  hotsite, com informações sobre as iniciativas do Estado alinhadas com os temas debatidos na Rio+20. Produzido pela elaborado pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), o site apresenta o modelo de gestão sustentável desenvolvido por várias áreas do Governo de Minas Gerais. O endereço para acessá-lo é o seguinte: www.minasmais20.mg.gov.br.

Clique aqui para saber mais sobre ações voltadas à sustentabilidade desenvolvidas por órgãos do Governo de Minas.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/minas-assume-protagonismo-nos-debates-sobre-desenvolvimento-sustentavel-na-rio20/

Gestão Eficiente: Governo de Minas terá R$ 100 milhões para erradicar pobreza

Governador Antonio Anastasia baixa decreto regulamentando Fundo que será utilizado para obras de infraestrutura social e formação profissional

O governador Antonio Anastasia baixou decreto que regulamenta o Fundo de Erradicação da Miséria (FEM), criado em dezembro do ano passado pela Lei Estadual nº 19.990. O Decreto 45.991, publicado na edição desse sábado (16), define como o fundo será gerido e o conceito de pobreza e extrema pobreza para fins de aplicação dos recursos. A estimativa é arrecadar R$ 100 milhões para o fundo, em 2012, e cerca de R$ 176 milhões por ano, a partir de 2013.

“Os recursos serão destinados ao financiamento de programas e ações sociais de erradicação da pobreza e da extrema pobreza no Estado, além de obras de infraestrutura social, programas de formação profissional e intervenções em localidades onde houver famílias em situação de pobreza”, disse o governador Antonio Anastasia, lembrando que os recursos do FEM serão utilizados também para financiar o Piso Mineiro de Assistência Social.

O decreto classifica famílias em situação de pobreza, aquelas pessoas cuja renda familiar mensal é de até três salários mínimos (R$ 1.866) e  extrema pobreza aquelas com renda mensal até meio salário mínimo por pessoa (hoje R$ 311). Também é critério para classificação o tipo de residência, de acordo com o Índice de Pobreza Multidimensional (IPM) do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).

A proposta do fundo está alinhada a três grandes projetos internacional e nacional de erradicação da miséria: Metas do Milênio, definidas pela ONU, que visa o desenvolvimento social e a erradicação da extrema pobreza no mundo; Plano Brasil sem Miséria, do governo federal, que busca a erradicação da extrema pobreza no Brasil até 2015; e Programa Travessia do Governo Estadual, que, por meio do projeto Porta a Porta, identificou as principais privações sociais das famílias mineiras, utilizando metodologia do índice de pobreza multidimensional do Pnud.

A instituição de Fundos de combate e erradicação da pobreza nas três esferas federativas está prevista na Constituição Federal, que institui ainda como fonte de financiamento dos Fundos Estaduais a criação de adicional de dois pontos percentuais sobre a alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre cigarros, produtos de tabacaria, cerveja sem álcool, bebidas alcoólicas (exceto aguardentes de cana ou de melaço) e armas. Em Minas Gerais, a criação do adicional foi regulamentada pela Lei Estadual nº 19.978, de dezembro de 2011, e a arrecadação é feita desde 28 de março último. Até 15 de maio, o fundo totalizava R$ 12,9 milhões arrecadados.

Gestão

O FEM tem como Gestor a Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão e será acompanhado por um Grupo Coordenador integrado por representantes de diversos órgãos e entidades estaduais, além de representantes da sociedade civil. Entre os representantes do Executivo estão as secretarias de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag), gestora e agente financeira do Fundo, Fazenda (SEF), Desenvolvimento Social (Sedese), Desenvolvimento Regional e Política Urbana (Sedru), Trabalho e Emprego (Sete), Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha, Mucuri e do Norte de Minas Gerais (Sedvan), Saúde (SES), Educação (SEE), Extraordinária de Regularização Fundiária, Agricultura, Pecuária e Abastecimento e a Assessoria de Articulação, Participação e Parceria Social da Governadoria.

O grupo terá ainda por representantes da Assembleia Legislativa de Minas Gerais e de conselhos estaduais de políticas públicas. No caso dos conselhos, deverão ser escolhidos membros da sociedade civil. “Já solicitamos às secretarias, ALMG e conselhos que participarão do Grupo Coordenador que indiquem seus representantes. A expectativa é reuni-los ainda em junho para que a dinâmica de trabalho do grupo seja definida”, informa o subsecretário de Planejamento, Orçamento e Qualidade do Gasto, André Abreu Reis.

A Seplag vai coordenar a formulação das políticas e diretrizes gerais que orientarão as aplicações dos recursos e, em articulação com o Grupo Coordenador, elaborar a proposta orçamentária para inclusão no projeto de Lei Orçamentária Anual, entre outras. O Grupo Coordenador deverá acompanhar a execução orçamentária e financeira do FEM, definir os programas prioritários e apresentar propostas para a elaboração da política geral de aplicação dos recursos e para a readequação ou extinção do fundo, quando necessário.

Redução de alíquotas

A Lei nº 19.978, de 2011, que estabeleceu o adicional de dois pontos percentuais sobre a alíquota do ICMS de alguns produtos considerados supérfluos, com o objetivo de gerar receita para o Fundo, reduziu a zero o imposto para vários itens, entre eles, feijão, areia, brita, lajes pré-moldadas, tijolos cerâmicos, telhas cerâmicas, tijoleiras de cerâmica (peças ocas para tetos e pavimentos), manilhas e conexões cerâmicas. O objetivo foi beneficiar as classes economicamente menos favorecidas, fomentar a atividade econômica e reduzir o déficit habitacional.

Pobreza

A condição de vida dos mineiros vem melhorando ano a ano. O Estado tinha, em 2005, 3.744.857 pessoas abaixo da linha da pobreza e, em 2009, eram 2.356.776, segundo dados do Observatório de Desenvolvimento Social da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese). O Fundo de Erradicação da Miséria poderá agilizar a melhoria das condições de vidas dessas pessoas, especialmente nos Vales do Jequitinhonha e Mucuri e nas regiões Norte e Nordeste do Estado.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governo-de-minas-tera-r-100-milhoes-para-erradicar-pobreza/

Gestão Anastasia: Hotsite apresenta modelo de gestão sustentável do Governo de Minas

Programas e ações realizadas no Estado, que são debatidas no Rio+20, estão reunidos para consulta na internet

Minas Mais 20 / Reprodução
Hotsite contém dados de ações sobre conservação de biomas, biodiversidade e recursos hídricos
Hotsite contém dados de ações sobre conservação de biomas, biodiversidade e recursos hídricos

Todas as informações sobre os projetos e ações do Governo de Minas, alinhados aos temas da gestão pública ambiental, que serão discutidos na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), estão disponíveis para consulta na internet, em um hostsite especial elaborado pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad). É o www.minasmais20.mg.gov.br.

O hotsite contém dados de ações sobre conservação de biomas, biodiversidade e recursos hídricos, bem como sobre as medidas que vêm sendo tomadas para conter os efeitos das mudanças climáticas. Também são abordadas as interfaces da questão ambiental com outras áreas, como economia verde, crescimento urbano, desenvolvimento rural sustentável, cultura e saúde, dentre outros. As informações estão disponíveis na forma de textos objetivos e vídeos, bem como links para as instituições responsáveis pelas ações.

O Estado de Minas Gerais participa da delegação brasileira na Rio+20 com dez representantes do Sistema Estadual de Meio Ambiente (Sisema), da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), da Secretaria de Estado para o Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha, Mucuri e Norte de Minas (Sedvan), da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), da Fundação Centro Internacional de Educação, Capacitação e Pesquisa Aplicada em Águas Unesco (Hidroex) e da Comissão de Meio Ambiente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais.

O Governo de Minas conta também com um estande, montado no Parque dos Atletas. O espaço foi desenvolvido com materiais sustentáveis como o piso reciclado, feito com material composto por 70% de caixinha longa vida reciclável, 30% de fibras vegetais, plástico e outros reciclados, além da cobertura das paredes feita de pastilha de coco, obtida pela casca do coco.

Com 100 metros quadrados o estande apresenta aos visitantes os mesmos temas do hotsite. Alguns projetos merecem destaque no estande mineiro, como o Programa Ambientação, de educação ambiental em prédios públicos de Minas, que oferece quatro jogos interativos; o Pólo de Excelência em Inovação Ambiental, que visa atender o desafio da diversificação da economia mineira via inovação ambiental e o Projeto de Inclusão Produtiva, por meio do assessoramento e qualificação profissional de empreendimentos individuais, familiares e coletivos das cadeias produtivas da reciclagem, confecção, alimentos, artesanato e o setor de serviços autônomos.

Conferência  

A Rio+20 acontece de 20 a 22 de Junho no Centro de Convenções Riocentro, no Rio de Janeiro. O evento terá a presença de chefes de Estado e de governos do mundo inteiro e marca o vigésimo aniversário da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento realizada no Rio de Janeiro em 1992 (Eco-92) e o décimo aniversário da Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável promovida em Johanesburgo, em 2002.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/hotsite-apresenta-modelo-de-gestao-sustentavel-do-governo-de-minas/

Gestão Anastasia: Reuniões do Estado em Rede desenvolvem discussões no Norte de Minas

O Estado em Rede implementa a gestão regionalizada e participativa nas ações do Governo de Minas

Paulo Boanova/Seplag MG
O 3º Fórum Regional do Norte de Minas reuniu membros do comitê, representantes da sociedade civil organizada e entidades convidadas
O 3º Fórum Regional do Norte de Minas reuniu membros do comitê, representantes da sociedade civil organizada e entidades convidadas

Duas reuniões deram sequência às discussões para o desenvolvimento do Norte de Minas, nesta quarta (13) e quinta-feira (14), em Montes Claros. Na quarta, foi realizada a 5ª reunião do Comitê Regional do Norte de Minas, com a presença dos representantes de órgãos e secretarias do governo na região. Nesta quinta, foi realizado o 3º Fórum Regional do Norte de Minas, que reuniu, além dos membros do comitê, os representantes da sociedade civil organizada do Norte mineiro e entidades convidadas da região.

Os encontros integram o Estado em Rede, um programa que está implementando a gestão regionalizada e participativa nas ações do Governo de Minas – uma das prioridades do governador Antonio Anastasia.

Na reunião de quarta-feira, os representantes governamentais locais expuseram ações em execução na região. A equipe técnica da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag) abordou os planos de ação na região que trataram de questões relacionadas ao transporte escolar, abastecimento de água e merenda escolar.

Ações integradas

A intersetorialidade entre órgãos e secretarias regionais vem possibilitando benefícios diretos à população, como é o caso da merenda escolar. A superintendente Regional de Ensino de Janaúba, Maria Eni Fróes, destaca a importância da parceria da regional de Educação com a Emater-MG desde o ano passado, que gerou um salto de qualidade na merenda escolar da região. “Mobilizamos mais de 200 produtores rurais e hoje a situação é encantadora. Melhoramos a qualidade da merenda nas escolas, com produtos frescos e ainda economizamos dinheiro e mobilizamos o homem do campo”, disse ela.

Em seguida, a Secretaria de Estado Extraordinária para o Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha, Mucuri e do Norte de Minas (Sedvan) apresentou sua agenda social para a região, com programas e metas, e a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional e Política Urbana (Sedru) mostrou aos presentes suas ações para desenvolvimento de planos regionais estratégicos.

Na abertura do 3º Fórum Regional, nesta quinta-feira (14), o subsecretário de Planejamento, Orçamento e Qualidade do Gasto, André Reis, ressaltou a terceira fase do Choque de Gestão – a Gestão Para a Cidadania – para reforçar a importância desta interlocução com a sociedade civil. “Estamos potencializando o diálogo nas regiões, discutindo estratégias de desenvolvimento para o Norte de Minas com a sociedade civil, representantes do governo e também entidades convidadas. Vamos apresentar o que tem sido essa experiência e convidar a todos para essa construção coletiva, junto com o governo”, disse ele.

A mediadora da equipe da Seplag apresentou aos presentes a metodologia do programa e o andamento das atividades desenvolvidas desde o Encontro Regional, em outubro passado. Também foi explicado o funcionamento do Acordo de Resultados, um instrumento de pactuação de metas que já inclui, em 2012, as estratégias priorizadas pela sociedade civil organizada no Norte de Minas e no Rio Doce.

Os representantes da sociedade civil e os convidados se apresentaram aos presentes, falando das suas expectativas e também da experiência de participar dessa interlocução entre governo e sociedade. A diretora de ensino do Instituto Federal de Ensino do Norte de Minas, Maria Aparecida Collares, falou do trabalho desenvolvido pela instituição, destacando a importância de se olhar com especial atenção para a educação de qualidade no campo.

A integrante do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável de Minas Gerais (Consea), Maria das Dores Almeida, citou a falta de água na região do semiárido mineiro e as dificuldades enfrentadas pelos trabalhadores rurais.

No período da tarde, os representantes do governo na região deram retorno à sociedade civil dos encaminhamentos realizados entre órgãos e secretarias, a partir das deliberações do fórum anterior, em março.

A questão da água no Norte de Minas – uma estratégia priorizada pela sociedade civil da região – está gerando planos de ação que envolvem vários órgãos e entidades governamentais: Educação, Agricultura, Desenvolvimento Regional e Urbano, Saúde e Transportes. A Fundação Rural Mineira (Ruralminas) investe em barragens e bacias de captação, que avançaram muito desde 2009. A Sedvan, por sua vez, está captando investimentos com o governo federal, que serão direcionados para projetos como o desenvolvido pela Ruralminas.

Famílias beneficiadas

O engenheiro agrônomo Daniel Norberto, representante da Ruralminas na região Norte, informa que já foram construídas, desde 2009, 68 barragens e 500 bacias de captação e reservatórios, atendendo a mais de 2.000 famílias dentro do programa Convivência com a Seca. “A barragem é de grande importância para as famílias do semiárido, pois se cria condições de irrigação, melhoria da qualidade de vida através da criação de peixes e abastecimento do lençol freático”, afirma.

Dando sequência aos encontros, no próximo dia 20 de junho será realizada a 2ª reunião do Comitê Regional do Sul de Minas, em Poços de Caldas. No dia 22 tomam posse, na Cidade Administrativa, os representantes de mais quatro comitês: Centro-Oeste, Noroeste, Alto Paranaíba e Central, completando a regionalização da estratégia governamental nas dez regiões de planejamento do Estado.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/reunioes-do-estado-em-rede-desenvolvem-discussoes-no-norte-de-minas/

Governo de Minas: Secretaria de Estado de Meio Ambiente participa de debates preparatórios para a Rio + 20

Segundo a subsecretária Marília Melo, discussões frisaram que as soluções para os problemas globais devem partir de ações locais.

Divulgação / Semad
Subsecretária de Fiscalização e Controle Ambiental da Semad, Marília Melo, participou de debates no Riocentro
Subsecretária de Fiscalização e Controle Ambiental da Semad, Marília Melo, participou de debates no Riocentro

A subsecretária de Fiscalização e Controle Ambiental da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais (Sisema), Marília Melo, participou nesta quarta-feira (13) de um dos debates da III Reunião do Comitê Preparatório para a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio + 20. O “Draft Zero”, como é conhecido o documento, é fruto de sugestões e contribuições de países, grupos regionais, organizações internacionais e da sociedade civil. De acordo com Marília Melo, as discussões frisaram que a construção de soluções para problemas globais deve ser pautada em ações de âmbito local.

Outro ponto ressaltado nos debates, segundo a subsecretária, foi a necessidade de um fortalecimento institucional para a gestão ambiental, que segundo os conferencistas da mesa, passa pela efetiva participação da sociedade civil nas discussões, formulações e implementação das políticaspúblicas. “Em Minas Gerais o Conselho de PolíticaAmbiental e suas unidades regionais colegiadas, além do Conselho Estadual de Recursos Hídricos já vêm exercendo essa  função há alguns anos”, avaliou.

Participação Mineira

O Governo de Minas participa da delegação brasileira na Rio+ 20 com 10 representantes das Secretarias de  Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sects), do Sistema Estadual de Meio Ambiente (Sisema), da Secretaria de Estado para o Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha, Mucuri e Norte de Minas (Sedvan), da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), da Fundação Centro Internacional de Educação, Capacitação e Pesquisa Aplicada em Águas Unesco (Hidroex) e da Comissão de Meio Ambiente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais.

O Estado conta também com um estande, montado no Parque dos Atletas.O espaço foi desenvolvido com materiais sustentáveis como o piso reciclado, feito com material composto por 70% de caixinhas longa vida, 30% de fibras vegetais, plástico e outros reciclados, além da cobertura das paredes feita de pastilhas obtidas pela casca do coco.

Com 100 metros quadrados, o estande apresenta aos visitantes os projetos e ações do Governo de Minas, alinhados aos temas da Rio+ 20. Alguns projetos tiveram destaque no estande Mineiro como o Programa Ambientação, educação ambiental em prédios públicos de MG, que oferece quatro jogos interativos ao público; o Pólo de Excelência em Inovação Ambiental, que visa atender o desafio da diversificação da economia mineira via inovação ambiental; e o Projeto de Inclusão Produtiva, por meio do assessoramento e qualificação profissional de empreendimentos individuais, familiares e coletivos das cadeias produtivas da reciclagem, confecção, alimentos, artesanato e o setor de serviços autônomos.

Rio + 20

A Conferência contará com a presença de chefes de Estado e de Governos do mundo inteiro e marca o 20o aniversário da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento realizada no Rio de Janeiro em 1992 e o décimo aniversário da Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável promovida em Joanesburgo em 2002.

Além de abordar os novos desafios enfrentados mundialmente, a conferência tem como objetivos avaliar os progressos já obtidos e as lacunas que ainda existem na implementação dos resultados dos principais encontros sobre desenvolvimento sustentável e assegurar um comportamento político renovado, com referência aos temas tratados no encontro.

O evento espera reunir diplomatas e chefes de Estado de 183 países. Um grupo de cerca de 50 representantes de diversas secretarias do Estado de Minas Gerais participam dos encontros e debates da conferência.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/secretaria-de-estado-de-meio-ambiente-participa-de-debates-preparatorios-para-a-rio-20/

Gestão Antonio Anastasia: Governo de Minas atrai investimentos de R$ 80 milhões para o Vale do Jequitinhonha

Secretaria de Desenvolvimento Econômico assina protocolo de intenções com a empresa Magnesita para implantação de um complexo minerador em Almenara

Renato Cobucci / Imprensa MG
Gil Pereira, Dorothea Werneck, o presidente do Indi, Frederico Álvares, e o diretor da Magnesita, Afonso Celso de Rezende
Gil Pereira, Dorothea Werneck, o presidente do Indi, Frederico Álvares, e o diretor da Magnesita, Afonso Celso de Rezende

A secretária de Estado de Desenvolvimento Econômico, Dorothea Werneck, assinou com os diretores da Magnesita Refratários S/A, Vinícius Silva, Sandio Pereira e Afonso Celso Rezende, protocolo de intenções para implantação do Complexo Minerador de Grafita, em Almenara, no Vale do Jequitinhonha.

Por meio desta iniciativa do Governo de Minas, serão investidos R$ 80 milhões na implantação de uma unidade industrial para a produção de 40 mil toneladas por ano de produtos de grafita em Almenara. “O nosso trabalho começa com essa assinatura. A partir de agora teremos a responsabilidade de contribuir para que o projeto seja colocado em prática”, afirmou Dorothea Werneck.

Com unidades em oito países, a fabricante mineira, líder na produção de refratários na América do Sul, irá gerar 200 novos postos de trabalho, contribuindo com o desenvolvimento de uma das regiões mais carentes do Estado. Para o secretário de Estado de Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha, Mucuri e Norte de Minas (Sedvan), Gil Pereira, que também esteve presente na solenidade, “esse é um projeto que traz uma excelente perspectiva de crescimento para o Norte de Minas”.

O diretor da Magnesita responsável pelo projeto Grafita, Vinicius Santos Silva, acrescentou que o projeto é extremamente importante e estratégico para a empresa. “O potencial transformador desse projeto para a região do Vale do Jequitinhonha é enorme”, disse.

O Complexo Minerador está em fase de licenciamento ambiental. De acordo com o cronograma do projeto, iniciado em janeiro de 2011, a exploração de grafita deve começar em 2014, quando a capacidade de produção da empresa irá atingir 40 mil toneladas por ano.

Segundo a companhia, a reserva está estimada em 57 milhões de toneladas de grafita, com vida útil de 50 anos. “Esse volume garantirá a autossuficiência em grafita, além de adicionar um mineral estratégico ao nosso portfólio, tendo em vista o desequilíbrio de oferta e demanda pela relativa escassez de mineral de qualidade e uma demanda que é esperada crescer significativamente puxada por novas aplicações de energia móvel como baterias para carros elétricos”, completa o diretor.

A Magnesita é uma empresa privada dedicada à mineração, produção e comercialização de extensa linha de materiais refratários: são mais de 13 mil tipos diferentes, de materiais monolíticos e tijolos convencionais a cerâmicas nobres, para revestir equipamentos que operam em altas temperaturas. Os produtos são utilizados, principalmente, pelos fabricantes de aço, cimento e vidro.

A companhia se beneficia de uma das maiores e melhores reservas de magnesita, dolomita e talco do mundo. Além disso, prospecta outros depósitos minerais em todo o mundo.

Atualmente, a empresa opera 28 unidades industriais e de mineração, sendo 16 no Brasil, três na Alemanha, três na China, uma nos Estados Unidos, duas na França, uma na Bélgica, uma em Taiwan e uma na Argentina, com capacidade de produção de refratários superior a 1,4 milhão de toneladas por ano. A Magnesita é o terceiro maior produtor de refratários no mundo e líder em soluções integradas em refratários.

Juiz de Fora

Outros três protocolos foram assinados pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, totalizando o valor de R$ 30,5 milhões com geração de mais de 400 empregos entre diretos e indiretos, nas áreas de medicamentos, colchões e eletrodomésticos, na Zona da Mata, no Sul do Estado e na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

A Medquímica Indústria Farmacêutica anunciou investimentos da ordem de R$ 23 milhões, que serão aplicados na expansão da unidade industrial de fabricação de medicamentos da empresa em Juiz de Fora, na Zona da Mata. O empreendimento deverá ser responsável pela geração de 100 empregos diretos deverá estar concluído até dezembro de 2013.

De acordo com o presidente da empresa, Jorge Lages de Oliveira, “o principal objetivo do projeto é triplicar a atual capacidade de produção, além de ampliar a área de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D). A nossa expectativa é lançar novos produtos tanto de uso contínuo, como de genéricos”.

A Medquímica foi criada em 1975, com atuação em todo o território nacional e atualmente é considerada uma das maiores produtoras de Dipirona Gotas do Brasil, com a produção de 2,5 milhões de unidades por mês. Para a secretária Dorothea Werneck, o projeto está em linha com as prioridades do Estado, que busca atrair cada vez mais empresas neste segmento.

Contagem

Com investimento de R$ 3,6 milhões, a Contagem Indústria e Comércio de Espumas (Colchões Ortobom) iniciou a expansão da fábrica de colchões, travesseiros, espuma laminada/espuma torneada, blocos e flocos de espuma. A previsão é de que a produção anual atinja, até o final de 2013, a capacidade adicional de 27 mil colchões, 110 toneladas de espuma e 530 mil metros de espuma torneada por ano. O projeto que deverá ser concluído em 2013 deverá gerar 75 novos empregos diretos e 142 novos empregos indiretos.

Fundada há 40 anos em São Paulo, a Ortobom iniciou suas atividades no ramo metalúrgico, fabricando camas e mesas para televisão. Com o passar dos anos a empresa começou a comprar blocos de espuma para a confecção de colchões. Em 1975 inaugurou, no Rio de Janeiro, uma fábrica especializada em colchões, desativando a produção de camas.

Hoje a Ortobom tem 16 fábricas espalhadas pelo Brasil, com produção superior a cinco milhões de colchões por ano. Conta com mais de 1.400 lojas franqueadas e mais de 15 mil pontos de venda, tendo mais de cinco mil pessoas envolvidas no processo.

Varginha

Já a Cellini Comércio Importação de Eletrodomésticos Portáteis Ltda. irá transferir de São Paulo para Varginha, Sul de Minas, sua fábrica de eletrodomésticos portáteis, destinados preferencialmente à nova classe C. O projeto, que deverá ser concluído em 2013, irá gerar 18 empregos diretos e 70 indiretos.

Com investimento de R$ 3,9 milhões, a empresa irá implantar, além da unidade industrial, um centro de distribuição que irá comercializar a produção de partes de aparelhos importados, que serão montados na nova unidade. Os aparelhos são ferro a vapor, torradeiras, sanduicheiras, miniprocessadores, hand mixer, cafeteiras, fornos elétricos e grill. Já a fabricação da Cellini em Varginha compreenderá ventiladores, liquidificadores, ferro elétrico, batedeira, espremedor de frutas.

Durante a assinatura do protocolo, o diretor-executivo da Cellini, Walter Kufel Júnior, informou que a opção por Varginha foi feita em função do município possuir um porto seco e por sua localização. “Em termos logísticos, Varginha reúne todas as condições que a empresa buscava”, enfatizou.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governo-de-minas-atrai-investimentos-de-r-80-milhoes-para-o-vale-do-jequitinhonha/

Governo de Minas: Circuito dos Diamantes cria arte para o mundo

Agricultura Familiar amplia horizontes com a profissionalização do artesanato no Vale do Jequitinhonha

Bonecas de palhas originalmente coloridas exportadas para a Itália e Alemanha; ampliação de espaços no mercado consumidor interno por meio de lojistas de renome e a inserção do Circuito dos Diamantes no Programa Talentos do Brasil Rural, que na Copa do Mundo de 2014 terá o objetivo de divulgar e comercializar produtos oriundos da agricultura familiar para turistas de várias partes do mundo que vierem ao Brasil.

Estas são algumas das conquistas que cerca de 450 artesãos residentes em 12 municípios integrantes do Circuito dos Diamantes, no Vale do Jequitinhonha, obtiveram nos últimos seis anos por meio de várias ações implementadas pelo Governo de Minas. O trabalho investe na profissionalização da atividade artesanal que, no Vale do Jequitinhonha, se constitui numa das principais fontes de geração de emprego e renda para centenas de famílias.

O trabalho de organização dos artesãos do Vale do Jequitinhonha implementado pela Emater, é voltado para o desenvolvimento e consolidação de arranjos produtivos locais. O foco das ações envolve o desenvolvimento de novos produtos; formação de grupos e organização de pequenas associações comunitárias, levando-se em conta as peculiaridades e as tradições de cada município na exploração da atividade artesanal.

“Muitas famílias se mantêm a partir da dedicação ao artesanato que, no caso do Vale do Jequitinhonha, se constitui numa atividade altamente includente, envolvendo homens e mulheres de todas as idades” – ressalta o coordenador técnico da Emater, Dario Magno de Miranda Maia.

Vocação regional

Em cada município a Associação Vale Circuito é composta por pequenas associações comunitárias, através das quais a Emater tem viabilizado a realização de treinamentos voltados para o desenvolvimento e melhoria da qualidade de produtos, bem como o acesso a mercados. A ênfase no associativismo tem sido uma das prioridades.

“A grande opção da agricultura familiar é a agroindústria. Quando se agrega valor à produção, pequenos produtores obtêm ganhos significativos o que se reverte na fixação do homem no campo e na melhoria da qualidade de vida”, explica a coordenadora regional da Emater e gestora do Projeto Artesanato no Vale do Jequitinhonha, Maris Stela Pires Lima.

Um dos exemplos de sucesso do trabalho que conta com o apoio do Governo de Minas é a exportação de bonecas de palhas coloridas para a Alemanha e Itália, envolvendo artesãos da comunidade de Planalto de Minas. Nos últimos dois anos as exportações já aconteceram três vezes.

Sempre Vivas: foco na sustentabilidade

Com apoio da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), 29 famílias integrantes da Associação de Artesãos de Sempre Vivas da localidade de Galheiros, zona rural de Diamantina, iniciaram recentemente a implementação de pesquisas voltadas para a reprodução de espécies de sempre vivas ameaçadas de extinção.

“A principal fonte de renda das famílias de Galheiros é o artesanato. A agricultura existente na região é de subsistência e, por isso, estabelecemos parcerias com a Emater, IEF, Instituto Brasileiro de Proteção do Meio Ambiente (Ibama) e Universidade Federal visando desenvolvermos técnicas de preservação de várias espécies de sempre vivas. Trata-se de matéria-prima fundamental para a manutenção do nosso trabalho e sobrevivência – salienta a secretária da Associação de Artesãos de Sempre Vivas, Juraci Borges da Silva. As pesquisas implicam em plantio de espécies ameaçadas de extinção e técnicas de manejo e de exploração.

Criada em 2001 a Associação, que conta com a participação de dez artesãos do sexo masculino, tem conquistado clientes em vários estados através da participação em feiras e exposições realizadas nas principais capitais do Centro/Sul do país. Além da comercialização no tradicional e histórico Mercado de Diamantina, há cinco anos os artesãos atendem encomendas de lojistas. “Em determinadas épocas do ano chegamos a receber encomendas de até mil peças. Assim que entregamos os produtos recebemos o pagamento. Nunca tivemos prejuízo”, comemora Juraci Silva.

As atividades em favor da produção artesanal são desenvolvidas pela Emater e contam com a participação da Secretaria de Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha, Mucuri e Norte de Minas (Sedvan), do Instituto de Desenvolvimento do Norte e Nordeste de Minas Gerais (Idene), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae); Instituto Estadual de Florestas (IEF), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). Também estão diretamente envolvidas no trabalho as prefeituras de Diamantina, Alvorada de Minas, Felício dos Santos, Santo Antônio do Itambé, Serro, Presidente Kubitschek, Datas, Gouveia, Monjolos, Couto de Magalhães, Rio Preto e Senador Modestino, que compõem o Circuito dos Diamantes.

Copa do Mundo abre novos horizontes

Este ano a Associação Vale Circuito foi selecionada pelo governo federal para participar do Programa Talentos do Brasil Rural, coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA). O objetivo é valorizar e ampliar a divulgação da agricultura familiar, principalmente durante a Copa do Mundo de 2014.

No tradicional mercado de Diamantina, a Associação Vale Circuito comercializa peças com preços variando de R$ 5,00 a R$ 450,00. De tapetes arraiolo, a bonecas de palha, bordados, panos de prato, caminhos de mesa, passando por artesanato de argila, de sempre vivas e de cabaças, a loja comercializa mensalmente uma média de 800 peças. O movimento é concentrado nos finais de semana, especialmente nas famosas vesperatas de Diamantina.

“Para mim, independentemente do preço, cada peça vendida tem um grande significado. O valor arrecadado é integralmente repassado ao autor da obra que, em muitos casos, tem na atividade sua principal fonte de sobrevivência”, explica a gestora do Centro de Comercialização da Associação Vale Circuito, Aparecida Angélica Medeiros.

Vaticano

A artesã e dirigente da Associação Ciranda Cirandinha do município de Datas, Aracy Cardoso, atesta que o trabalho de profissionalização do turismo no Vale do Jequitinhonha tem proporcionado o alcance de resultados positivos. Envolvendo 17 artesãos especializados na produção de peças do Divino Espírito Santo, o grupo é um dos destaques na participação em feiras e exposições realizadas em todo o país. “Aqui temos pessoas que sobrevivem apenas da produção de artesanato”, ressalta Aracy.

No ano passado, em apenas uma feira o grupo comercializou cerca R$ 30 mil. As peças esculpidas em madeira maciça e revestidas com lâminas também de madeira decoram igrejas e casas em várias regiões do país e também um dos salões do Vaticano, em Roma. O presente foi entregue ao papa João Paulo II, numa de suas viagens ao Brasil.

Terapia

Por meio do Instituto Milho Verde, integrante da Associação Vale Circuito, 18 agricultoras da comunidade Barra da Cega, localizada na zona rural do município de Serro, dedicam parte do dia à produção de bordados. O trabalho foi difundido na comunidade pela agricultora, Maria José Matos Oliveira que, por recomendação médica, foi orientada a desenvolver outras atividades para combater a depressão.

“Me dediquei à produção de bordados e consegui superar os problemas de saúde. Como outras mulheres da comunidade não tinham uma atividade que lhes proporcionassem renda, resolvi ensiná-las e o resultado tem sido muito bom”, revela Maria Oliveira.

Atualmente, além de blog na internet, as bordadeiras de Barra da Cega participam de feiras e exposições através das quais tem incrementado a comercialização dos produtos que se diferenciam no mercado por utilizar retalhos e a criatividade das próprias artesãs.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/circuito-dos-diamantes-cria-arte-para-o-mundo/