Arquivos do Blog

Gestão Anastasia: empresas de tecnologia, logística e radiodifusão anunciam investimentos em Minas Gerais

Protocolos de intenção visam assegurar expansão do desenvolvimento e do mercado de trabalho no Estadoa

Felipe Barroca/Sede
Eriez Minerais: Reginaldo Sérgio Liberato, João Vitor Garcia e Ismael Villas Boas
Eriez Minerais: Reginaldo Sérgio Liberato, João Vitor Garcia e Ismael Villas Boas

O Governo de Minas, através do Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais (Indi), órgão vinculado à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede), assinou, nesta quinta-feira (15), protocolo de intenções com o presidente do Sistema Integrado Martins (mais conhecido como Grupo Martins) – Martins Comércio e Serviços de Distribuição S.A. –, Alair Martins do Nascimento.

Com investimento de R$ 1,8 milhão, o Grupo Martins, com sede em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, mas com atuação no segmento atacadista em todo o Brasil, decidiu oferecer mais um serviço aos fornecedores. O novo empreendimento diversifica as operações e cria a armazenagem terceirizada.

Para a nova opção de serviço está sendo criada a SIM Armazéns Gerais Ltda, que tem as metas de reduzir os custos na cadeia de distribuição e maximizar as vendas. A nova empresa irá prestar serviços de armazéns gerais, com foco, principalmente, em indústrias estabelecidas em outras unidades federativas que mantêm operações comerciais com empresas atacadistas distribuidoras sediadas no Estado de Minas Gerais. O Grupo Martins atende a cerca de 700 fornecedores, incluindo grandes indústrias.

O grupo empresarial, com experiência de 59 anos no segmento atacadista/distribuidor, tem mais de 4 mil representantes comerciais que atendem a cerca de 300 mil clientes em todo o Brasil. Com a SIM Armazéns serão criados 60 empregos diretos e 75 indiretos.

A SIM Armazéns Gerais Ltda pertence ao Sistema Integrado Martins, que tem ainda as empresas Martins Comércio e Serviços de Distribuição S.A; Banco Triângulo S.A; Martins Integração Logística Ltda; Instituto Alair Martins; Tribanco Corretora de Seguros S.A, Tricard Administradora de Cartões Ltda., E-Facil (site de compras), dentre outras empresas.

Tecnologia

Já a Eriez Minerals Group Flotação Brasil Ltda, empresa americana de tecnologia, acaba de assinar protocolo de intenções com o Governo de Minas para ampliar sua unidade de negócios em Belo Horizonte. Com investimento de R$ 110 milhões, a Eriez quer ampliar o atendimento ao setor de mineração. Serão gerados 12 empregos diretos e 120 indiretos.

O escritório mineiro, que representa o Grupo Eriez na América Latina, é destinado à produção e comercialização de colunas de flotação, células mecânicas, equipamentos para laboratório, borbulhadores e feed air jet. A Eriez é uma empresa de tecnologia da cadeia do aço que fabrica equipamentos para o setor de mineração. O carro-chefe da empresa no Brasil é a fabricação, por encomenda, de células ou colunas de flotação e equipamentos com tecnologia para separação de minérios.

Até o final de 2011, a empresa já havia fornecido 220 colunas de flotação no Brasil. Os maiores clientes da Eriez no Brasil são Vale, Samarco e CBMM. Por se tratar de uma empresa detentora de tecnologia, a Eriez não possui parque fabril, atuando por meio da contratação de fabricantes mineiros e utilizando os canteiros de obra para montagem de seus equipamentos. A empresa opera 100% sob o sistema de encomenda.

Radiodifusão

 

Também assinou protocolo de intenções com o Governo de Minas a Auad Correa Equipamentos Eletrônicos Ltda – Teletronix. A empresa, que pretende crescer 10% ao ano, desenvolve e produz em Santa Rita do Sapucaí, no Sul de Minas, equipamentos eletrônicos em radiodifusão para emissoras de rádio, como aparelhos transmissores e receptores, osciloscópios, aparelhos de recepção, conversão e transmissão ou regeneração de voz, imagens ou outros dados. É a única fabricante de transmissor AM em Minas Gerais.

A Teletronix, que já construiu uma nova sede com recursos próprios, investirá mais R$ 350 mil na expansão da sua unidade industrial e modernização da tecnologia em aparelhos de transmissão. Serão gerados 11 empregos diretos e 15 empregos indiretos. A previsão é atingir a capacidade de produção de 327 aparelhos transmissores, 214 aparelhos receptores, 91 analisadores de modulação, 200 processadores de áudio, 29 áudio consoles, 501 chaves híbridas eletrônicas por ano a partir do final de 2014.

O diretor da Teletronix, Rogério de Souza Correa, informou que a empresa está se preparando também para as mudanças que o setor deverá sofrer com a implantação da rádio digital no Brasil. “Estamos modernizando nossas instalações para ampliar a produção, mas acompanhando e aguardando as orientações do governo brasileiro, que ainda este ano deverá decidir qual o padrão – europeu ou americano – será adotado no país, a exemplo do que aconteceu com o sinal digital para a televisão”, informou.

Rogério de Souza Correa acrescentou ainda que o setor defende o desenvolvimento de um padrão de rádio brasileiro criado pelo próprio país, com a cooperação entre universidades, empresas, pesquisadores e os centros de excelência.

Fonte: Agência Minas

Gestão Antonio Anastasia: exportações de Minas Gerais crescem 14% e atingem US$ 2,6 bilhões em fevereiro

Estado continua sendo o principal responsável pelo superávit da balança comercial brasileira

Americas Food & Beverage/Divulgação
Feiras internacionais, como a Americas Food & Beverage, nos EUA, impulsionaram exportações mineiras
Feiras internacionais, como a Americas Food & Beverage, nos EUA, impulsionaram exportações mineiras

As exportações de Minas Gerais atingiram o valor de US$ 2,66 bilhões em fevereiro de 2012, com uma média diária de US$ 139,9 milhões. Os dados preliminares foram divulgados, nesta segunda-feira (5), pela Central Exportaminas/Coordenadoria Especial de Comércio Exterior, órgão da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede), que realiza mensalmente o Mapeamento das Exportações de Minas Gerais com base nos números do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). De acordo com os dados, houve um aumento de 14,3% na comparação com o mês de janeiro deste ano.

Já as importações totalizaram US$ 828,7 milhões, valor 0,2% superior ao mesmo mês de 2011. A média diária das importações de fevereiro/12 foi de US$ 43,6 milhões. Houve um decréscimo de 20% no valor importado em relação a janeiro de 2012. O saldo comercial do mês passado alcançou US$ 1,82 bilhão, com uma redução de 1,7%, em relação a fevereiro de 2011. Em relação a janeiro de 2012 houve um aumento de 41,8%. O mês de fevereiro pode ser considerado atípico, devido ao menor número de dias úteis, de 19, enquanto a média dos demais meses do ano é de 22 dias úteis.

Acumulado

Apesar disso, no acumulado dos últimos 12 meses (março de 2011 a fevereiro de 2012), as exportações mineiras continuaram apresentando resultados expressivos e atingiram US$ 40,96 bilhões, com expansão de 22,1% em relação ao período de março/2010 a fevereiro/2011. O crescimento das exportações mineiras ficou bem acima da variação das exportações nacionais (+20,4%) e a participação sobre o total brasileiro ficou em 15,9%.

No mesmo intervalo, as importações aumentaram 25,8% na comparação com o mesmo período de 2010/2011, para US$ 13,2 bilhões. Enquanto isso, as importações nacionais cresceram 23,7%. As importações do Estado responderam por 5,7% do total brasileiro. “Apesar da crise nos países desenvolvidos e da taxa cambial desfavorável aos exportadores, observamos uma disseminação da cultura exportadora no empresariado mineiro. A busca por novos mercados com a ampliação da carteira de clientes, bem como a inovação vêm se apresentando como saída para muitas empresas do Estado”, afirma Ivan Barbosa Netto, diretor da Central Exportaminas.

De acordo com ele, nas últimas participações em eventos internacionais, Minas Gerais registrou números recordes de participações de empresários mineiros. Apenas a Fruit Logistica em Berlim (Alemanha), principal feira mundial do setor de frutas, verduras e legumes e porta de entrada para todo o mercado europeu contou com a presença de 48 empresários do Estado. “Esses fatos confirmam o ótimo desempenho das exportações de Minas e acenam para um crescimento ainda maior em valor exportável e diversificação da pauta exportadora com produtos e serviços de maior valor agregado. Estamos no rumo certo, a internacionalização”, conclui Barbosa Netto.

Minas Gerais continuou sendo o principal responsável pelo superávit da balança comercial brasileira. O saldo comercial do Estado foi de U$ 27,8 bilhões no acumulado dos últimos 12 meses, enquanto o saldo nacional foi de US$ 28,6 bilhões. Sendo assim, Minas Gerais possui 97% do saldo comercial brasileiro. Em relação ao período de março/2011 a fevereiro/2012, o crescimento foi de 4,7% no saldo comercial mineiro.

 

Gestão em Minas: Aeroporto Internacional Tancredo Neves mais próximo de um novo terminal

Comissão de Licitação anuncia nome de consórcio que irá elaborar os projetos básico e executivo do Terminal 2

Lúcia Sebe/Imprensa MG
Prazo de conclusão para o projeto executivo do novo terminal do Aeroporto de Confins é de 19 meses
Prazo de conclusão para o projeto executivo do novo terminal do Aeroporto de Confins é de 19 meses

A Comissão Especial de Licitação da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede) anunciou, na tarde desta sexta-feira (2), o Consórcio Concremat/Themag como vencedor da licitação internacional para elaboração do projeto básico/executivo do Terminal 2 de Passageiros do Aeroporto Internacional Tancredo Neves (AITN), em Confins, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

 

A execução do projeto no valor de R$ 10.467.575,14 será acompanhada pelo Governo de Minas e pela Infraero. O consórcio vencedor deverá elaborar: os projetos de engenharia, tanto nas etapas de serviços quanto na fase de estudos preliminares; os planejamentos básicos e executivos; os serviços complementares para a construção do segundo terminal de passageiros; o sistema viário de acessos ao AITN; e as demais obras que se fizerem necessárias durante a execução do empreendimento.

O consórcio Concremat/Themag deverá iniciar o projeto nos próximos dias. O prazo de conclusão para o projeto executivo é de 19 meses, enquanto o projeto básico deverá estar pronto ainda este ano, o que já possibilitará a licitação das obras a cargo da Infraero. Os trabalhos deverão ser iniciados assim que for concluída a contratação do consórcio Concremat/Themag.

Concepção e Design

A concepção e design desse novo terminal foram desenvolvidos pela consultoria Changi International Airports Consultants, de Cingapura, e integra o masterplan elaborado em 2009 para os próximos 30 anos, já aprovado pela Infraero. Reconhecida como uma das mais experientes no desenvolvimento de complexos aeroportuários, a Changi foi responsável por projetos e gestão de aeroportos no Oriente Médio, na Itália, Rússia, China e vários outros países.

A licitação internacional é resultado de um acordo de cooperação técnica entre o Governo de Minas e a Infraero e não elimina a iniciativa de construção do terminal remoto, que irá suportar o expressivo aumento de demanda prevista para os próximos quatro anos.

Atualmente, o AITN é o segundo maior aeroporto do país, entre os dez maiores em crescimento. O terminal 1, com capacidade instalada para 5 milhões de passageiros/ano e projeto de expansão em curso, movimentou, em 2011, 9,5 milhões de passageiros. “Todo o esforço do governo estadual neste campo está voltado para transformar o AITN não no maior, mas no melhor aeroporto internacional do Brasil. Não temos porto, mas precisamos consolidar no Estado, por via aérea, o melhor portão de entrada para o exterior, com altíssima conectividade com as malhas aéreas nacional e regional. O futuro vai dizer do acerto dessa determinação e acreditamos que a população do Estado tem esta percepção”, afirma o subsecretário de Investimentos Estratégicos da Sede, Luiz Antônio Athayde Vasconcelos.

Segundo ele, o Governo de Minas Gerais vem investindo em estudos e projetos de altíssima complexidade há mais de oito anos. “Todos sabemos que, se tivéssemos iniciado esses trabalhos ainda em 2009, não seria necessário terminal remoto e estaríamos muito à frente com os terminais 1 e 2 já integrados, mas não podemos perder um minuto sequer. As projeções indicam que deveremos atingir, daqui a oito anos, em 2020, um total de 20 milhões/ano e este já será o 4º maior do Brasil. Por ocasião da copa do mundo, o tráfego já terá atingido 13,2 milhões de passageiros/ano”, reitera.

O principal objetivo do Governo de Minas Gerais, segundo ele, é a criação maciça de empregos de qualidade e, para atingir essa meta, o AITN é considerado uma ferramenta fundamental para fomentar a diversificação da economia mineira. Além disso, o aeroporto marcará o cenário brasileiro como o primeiro a operar dentro do conceito funcional de aeroporto cidade, o que permitirá a implementação da primeira Aerotrópolis da América do Sul.

Este planejamento foi iniciado em 2005, com a transferência de voos do Aeroporto da Pampulha e já resultou na atração de diversos investimentos como a GOL, Embraer, o Centro de Tecnologia e Capacitação Aeroespacial (CTCA), a Cidade Administrativa, entre outros projetos que se delineiam no Vetor Norte da Região Metropolitana de Belo Horizonte e entorno, e que vêm provocando uma nova dinâmica econômica em mais de uma dezena de municípios.

“O AITN será a grande alavanca para se gerar 400 mil novos empregos em território mineiro nas próximas duas décadas em setores presentes na nova economia, cuja dinâmica econômica se irradiará para mais 20 cidades-polo no interior do Estado. Não se pode perder o pulso no que, de fato, tem esse extraordinário efeito transformador”, conclui Athayde.

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas assegura investimentos de R$ 87 milhões em diversos setores da economia

Serão criados 2.170 postos de trabalho nas cidades de Ribeirão das Neves, Camanducaia, Visconde do Rio Branco, Patos de Minas e Dona Euzébia
Laura Maia/Sede
Frederico Álvares assina o protocolo de intenções junto com o diretor-superintendente da Companhia Melhoramentos de São Paulo, Sérgio Sesiki
Frederico Álvares assina o protocolo de intenções junto com o diretor-superintendente da Companhia Melhoramentos de São Paulo, Sérgio Sesiki

Minas Gerais receberá novos investimentos no valor de R$ 87,428 milhões, com a criação de 2.170 novos empregos diretos e indiretos nos municípios de Ribeirão das Neves, Camanducaia, Visconde do Rio Branco, Patos de Minas e Dona Euzébia. O anúncio foi feito por empresários dos mais diferentes setores durante a assinatura de cinco protocolos de intenções com o Instituto de Desenvolvimento Integrado (Indi), órgão vinculado à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede).

O primeiro protocolo foi assinado pelos diretores do Instituto de Hypodermia e Farmácia (Hypofarma), Irineu Marcellini e Giana Marcellini. O Hypofarma irá investir R$ 3 milhões na expansão da sua planta industrial, localizada em Ribeirão das Neves, Região Metropolitana de Belo Horizonte. Fundada em 1948, a indústria farmacêutica quer aumentar sua competitividade e incrementar em 50% a produção de medicamentos injetáveis e soluções parenterais de grandes volumes.

Com financiamento do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), a Hypofarma passará a produzir 120 milhões de unidades de medicamentos similares, genéricos, de referência e específicos, além de cosméticos. Com a construção de novas salas de envase e de embalagem final dos produtos, além da modernização da estrutura e dos equipamentos existentes e da expansão e modernização das áreas de desenvolvimento farmacotécnico, o Hypofarma deverá contratar mais 370 empregados até o final da obra, em 2015.

Melhoramentos Florestal

Já a Companhia Melhoramentos de São Paulo pretende investir R$ 41,3 milhões na ampliação de sua unidade, a Melhoramentos Florestal Ltda, em Camanducaia, Sul de Minas. O projeto de ampliação é resultado de estudos e pesquisas realizadas pelo Conglomerado Melhoramentos, que indicaram a oportunidade de crescimento de sua participação no mercado interno e externo de fibras de alto rendimento (TGW) para a fabricação de papel cartão e papel tissue.

Com a expansão, que terá início ainda no primeiro semestre deste ano e conclusão em 2013, serão gerados 90 novos empregos, e a capacidade de produção deverá passar de 60 mil toneladas ano para 90 mil toneladas ano, fortalecendo a posição da empresa como a maior produtora não integrada de fibra TGW no país.

A Melhoramentos possui três unidades de manejo florestal: duas em São Paulo, a Fazenda Florestal, em Caieiras, e a Fazenda Santa Marina, em Bragança Paulista; e a Fazenda Levantina, em Camanducaia. As fazendas de São Paulo são manejadas com eucaliptos que pertencem a Empresa Companhia Melhoramentos de São Paulo, enquanto a de Minas é manejada com eucalipto e pinus exclusivamente para suprimento de madeira, matéria-prima na cadeia produtiva de fibras de alto rendimento.

A empresa é a única fábrica em Minas que produz o TGW. A Melhoramentos Florestal representa 16% do PIB da cidade de Camanducaia e com a expansão a participação irá para cerca de 20%.

Globalfruit

Em 2009, o Grupo Globalbev adquiriu a Agrofuit, empresa localizada na Zona da Mata, que passou a se chamar Globalfruit Indústria e Comércio Ltda. Responsável pela produção de polpas e sucos de frutas, além da prestação de serviços de envase, a empresa irá investir R$ 30 milhões para aumentar a produção para 10 a 12 milhões de litros de suco e para 6 mil toneladas de polpa.

O novo investimento prevê ainda que a unidade industrial de Visconde do Rio Branco contará com a produção e comercialização de polpas de frutas para todas as indústrias de sucos. Promoverá a exportação de seus produtos, além da produção de polpinhas de 200 gramas para consumo doméstico. Contará também com a prestação de serviços de envase (garrafas, latas, cartonados, pet.) para diversas indústrias do ramo que atualmente contratam serviço de São Paulo. Além da captação de frutas já em produção na região e em outras regiões de Minas Gerais, a Globalfruit promoverá o fomento agrícola da fruticultura junto ao produtor da regional.

Com a geração de 1.180 novos empregos diretos e indiretos, a Globalfruit pretende produzir também energéticos e isotônicos. Com as obras em andamento, a empresa pretende concluir o cronograma ainda este ano.

Duro Plásticos

Com investimento de R$ 10 milhões até 2015 e geração de 480 empregos diretos e indiretos, a Duro PVC Minas Ltda. assinou protocolo com o Governo de Minas para implantar uma unidade industrial e um centro de distribuição no município de Patos de Minas, no Alto Paranaíba. Eles serão destinados, respectivamente, à produção e comercialização de forro, perfil, tubos, conexões e conjunto de irrigação de PVC.

O grupo iniciou suas atividades em 1962, com a empresa Agromoto, atualmente instalada em Palmas (TO), comercializando máquinas agrícolas e, posteriormente, diversificando a sua linha com produtos para irrigação e produtos em PVC.

A Duro Plásticos, empresa do grupo, iniciou suas operações em fevereiro de 1998, com uma produção de 60 toneladas/mês. Hoje, transforma cerca de 1.100 toneladas/mês de PVC em tubos, conexões, forros e revestimento em PVC. A matriz está localizada no município de Aparecida de Goiânia (GO) e possui filiais nas cidades de Goiânia, Linhares (ES) e Maceió (AL).

A indústria conta com mais de 350 empregos diretos e 1.200 indiretos, e tem um faturamento aproximado de R$ 50 milhões. Outra empresa do grupo é a Ledwave, especializada em painéis de LED, com matriz em Curitiba (PR) e filiais em Goiânia e Las Vegas, nos Estados Unidos.

Multi-Plast

No município de Dona Euzébia, na Zona da Mata, a Multi-Plast Ltda. está investindo R$ 3,128 milhões para implantar uma fábrica de garrafas PET, tendo como foco principal o fornecimento de produtos para envasadoras de água mineral.

A empresa deverá concluir o projeto ainda no primeiro semestre de 2013, quando deverá gerar 40 empregos diretos e 10 indiretos. A previsão é de uma produção inicial de 2 milhões de garrafas PET/mês até atingir 5,5 milhões ao mês.

Fonte: Agência Minas

Gestão Anastasia: frutas e cachaça de Minas Gerais fazem sucesso em feira internacional

Fruit Logistica 2012 é a principal feira do setor de frutas, verduras e legumes, e porta de entrada para todo o mercado europeu

Divulgação/Central Exportaminas
Estande mineiro reuniu diversas autoridades na Fruit Logistica, em Berlim, na Alemanha
Estande mineiro reuniu diversas autoridades na Fruit Logistica, em Berlim, na Alemanha

Produtores e exportadores mineiros estiveram em Berlim, na Alemanha, promovendo as frutas da região do Jaíba e cachaça de Minas Gerais, durante a Fruit Logistica 2012, principal feira do setor de frutas, verduras e legumes, e porta de entrada para todo o mercado europeu. A feira aconteceu entre 8 e 10 de fevereiro.

A Central Exportaminas coordenou, pelo terceiro ano consecutivo, a delegação mineira durante a feira. O estande mineiro, localizado no “Brazilian Fruit”, pavilhão oficial do Brasil organizado pelo Instituto Brasileiro de Frutas (Ibraf), em conjunto com a Agência Brasileira de Promoção das Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), recebeu a visita de centenas de compradores internacionais, autoridades e imprensa especializada.

Dentre as autoridades presentes no estande de Minas Gerais estiveram as ministras da Agricultura de Portugal, Assunção Cristas, e da Alemanha, Ilse Aigner. Visitantes e autoridades puderam conhecer as frutas e a cachaça mineiras, além de degustarem a famosa caipirinha, feita na hora com a cachaça Pendão, produzida e engarrafada em Itatiaiuçu, a 70 km de Belo Horizonte.

Durante a feira, a Embaixada do Brasil em Berlim ofereceu uma recepção à delegação de Minas Gerais que, segundo a coordenadora especial de Comércio Exterior do Governo de Minas, Elisabete Serodio, “de grande valia para a aproximação entre o governo federal e os empresários mineiros”.

“Participaram da delegação mineira 32 empresários e produtores de frutas da região do Jaíba, alguns deles pela primeira vez e outros com o objetivo de conhecer novos mercados para seus produtos”, afirma o diretor da Central Exportaminas, Ivan Barbosa Netto, presente na feira. Também participaram da missão o secretário de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), Elmiro Alves do Nascimento; a coordenadora Especial de Comércio Exterior da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sede), Elisabete Serodio; o superintendente de Gestão dos Mercados Livres dos Produtores Rurais da Seapa, Lucas Scarascia; o diretor-geral do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), Altino Rodrigues Neto; a analista de comércio exterior da Exportaminas, Andressa Borges; os técnicos do Sebrae-MG Claudio Luiz Oliveira, Claudio Wagner de Castro, Jadilson Ferreira Borges e Raquel Brasil; o aluno do curso de Relações Internacionais do Centro Universitário Newton Paiva Wellington Corelli, além de produtores e empresas de grande, médio e pequeno porte do Norte de Minas, como Brasnica, Benassi, Grupo Borborema, Aslim e Abanorte, entre outros.

Missão Comercial

A promoção comercial de produtos de Minas Gerais continuará neste mês de fevereiro. Entre os dias 12 e 16, a Central Exportaminas participa da Missão Empresarial do Brasil ao Oriente Médio, Arábia Saudita e Emirados Árabes liderada pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), a Câmara de Comércio Árabe Brasileira (CCAB) e a Confederação Nacional da Indústria (CNI).

O objetivo é contribuir para a ampliação do fluxo comercial, promovendo as exportações brasileiras e auxiliando as empresas no seu processo de internacionalização. Participarão da missão a coordenadora de Comércio Exterior da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Elisabete Seródio; o diretor da Central Exportaminas, Ivan Barbosa Netto; consultores de investimentos do BDMG e as empresas Café Fazenda Caeté (café individual preparado por imersão) e Maricota (massas e alimentos congelados), além da Associação dos Fruticultores do Norte de Minas – Abanorte e de representantes da CeasaMinas.

Gulf Food

Pelo terceiro ano consecutivo, a Central Exportaminas vai liderar missão de Minas Gerais à GulFood, maior feira de alimentos e bebidas do mundo árabe e principal porta de entrada para os mercados do Oriente Médio e Norte da África, que será realizada em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, entre 19 e 22 de fevereiro. A Central Exportaminas coordenará o estande Minas Gerais no pavilhão oficial do Brasil, organizado pelo Instituto Brasileiro de Frutas (Ibraf) em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), sob a identidade visual BrazilianFruit. Participam da 17ª edição da feira empresas associadas à Associação dos Fruticultores do Norte de Minas (Abanorte), a TranscomexGG,  o Grupo Borborema, Ceasa Minas e Café Fazenda Caeté.

Fonte: Agência Minas

Gestão Anastasia: Exportações de Minas Gerais atingem US$ 2,3 bilhões em janeiro

No acumulado dos últimos 12 meses, o resultado das exportações mineiras continuou apresentando resultados expressivos e atingiram US$ 40,98 bilhões

Divulgação
SEDE/Central Exportaminas, sobre a base de MDIC/Secex
SEDE/Central Exportaminas, sobre a base de MDIC/Secex

As exportações de Minas Gerais atingiram o valor de US$ 2,3 bilhões em janeiro de 2012, com uma média diária de US$ 105,5 milhões. Os dados preliminares foram divulgados nesta sexta-feira (3) pela Central Exportaminas, órgão da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede), que realiza mensalmente o Mapeamento das Exportações de Minas Gerais com base nos números do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

Já as importações totalizaram US$ 1,03 bilhão, valor 17,1% superior ao mesmo mês de 2011. A média diária das importações de janeiro/12 foi de US$ 47,07 milhões. Houve um acréscimo de 16,3% tanto no valor importado quanto na média diária em relação a dezembro de 2011. O saldo comercial do mês passado alcançou US$ 1,28 bilhão, com uma redução de 30,4%, em relação a janeiro de 2011.

Acumulado

No acumulado dos últimos 12 meses (fevereiro de 2011 a janeiro de 2012), o resultado das exportações mineiras continuou apresentando resultados expressivos e atingiram US$ 40,98 bilhões, com expansão de 26,2% em relação ao período de fevereiro/2010 a janeiro/2011. O crescimento das exportações mineiras ficou bem acima da variação das exportações nacionais (+24,8%) e a participação sobre o total brasileiro ficou em 15,9%.

No mesmo intervalo, as importações aumentaram 28,6% na comparação com o mesmo período de 2010/2011, para US$ 13,2 bilhões. Enquanto isso, as importações nacionais cresceram 23,7%. As importações do Estado responderam por 5,8% do total brasileiro.

Minas Gerais continuou sendo o principal responsável pelo superávit da balança comercial brasileira. O saldo comercial do Estado foi de U$ 27,8 bilhões no acumulado dos últimos 12 meses, enquanto o saldo nacional foi de US$ 28,1 bilhões. Sendo assim, Minas Gerais possui 98,9% do saldo comercial brasileiro. Em relação ao período de fevereiro/2011 a janeiro/2012, o crescimento foi de 7,6% no saldo comercial mineiro.

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas dá mais um passo para construção de escolas técnicas no Triângulo

Assinado protocolo de intenção que prevê a construção das unidades pelo Programa Brasil Profissionalizado
Divulgação/SEE MG
Secretários Ana Lúcia Gazzola e Narcio Rodrigues firmam acordo com prefeitos de Tupaciguara e Sacramento
Secretários Ana Lúcia Gazzola e Narcio Rodrigues firmam acordo com prefeitos de Tupaciguara e Sacramento

Nessa terça-feira (31), a secretária de Estado de Educação, Ana Lúcia Gazzola, assinou com os prefeitos de Tupaciguara e Sacramento, protocolos de intenção para a construção de duas escolas técnicas nos municípios, por meio do Programa Brasil Profissionalizado, do Ministério da Educação. O secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Narcio Rodrigues, também participou da assinatura dos protocolos, já que a pasta atua como colaboradora da Educação na continuidade das ações.

A Secretaria de Estado de Educação (SEE) já assinou convênio com o MEC no valor de R$ 14 milhões para a construção das duas unidades. As prefeituras agora devem apresentar a documentação necessária para viabilizar a assinatura do convênio com a SEE, para que os recursos sejam liberados e as obras, iniciadas.

Segundo Ana Lúcia Gazzola, as escolas técnicas possibilitarão o desenvolvimento dessas regiões. “A assinatura desses protocolos firma a parceria com essas prefeituras, para que possamos iniciar a construção dessas escolas e atender melhor a demanda das comunidades locais”, completou.

As escolas seguem o padrão estabelecido pelo Programa Brasil Profissionalizado. O valor previsto para a construção é de R$ 7,2 milhões e cada unidade tem capacidade para 1.200 alunos. A previsão é de que as obras durem um ano e meio.

Narcio Rodrigues reforçou a importância das ações do programa em Minas. “A disponibilidade da SEE fez com que ela pudesse ser a protagonista do Brasil Profissionalizado, até porque a educação técnica está ligada à educação. Nós passamos a ser coadjuvantes e a participar com apoio tecnológico”, afirmou o secretário.

A Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes) deu prioridade a 13 municípios para receberem as escolas técnicas, a partir das vocações e demandas locais. São eles: Bocaiúva, Brasília de Minas, Espinosa, Grão Mogol, Janaúba, Joaíma, Lagoa Santa, Manga, Monte Azul, Pompéu, Ibirité, Taiobeiras e Unaí.

“Uma escola com a proposta de aprimorar o ensino técnico é de extrema importância. É uma oportunidade de capacitação que possibilita que as pessoas ingressem no mercado de trabalho que está surgindo na nossa região”, avaliou o prefeito de Tupaciguara, Alexandre Berquó Dias. O prefeito de Sacramento, Wesley de Santi de Melo, também comemorou o acordo.

As duas cidades ficam no Triângulo Mineiro, sendo que Tupaciguara está mais próxima de Uberlândia e Sacramento, de Uberaba. O município de Tupaciguara vai sediar um dos polos aeronáuticos que integram o Complexo Aeronáutico de Minas Gerais, razão pela qual os cursos serão voltados para a aviação. O projeto é coordenado pela Sectes, com a parceria das Secretarias de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede) e de Educação.

Brasil profissionalizado

A iniciativa repassa recursos do Governo Federal para que os estados invistam em suas escolas técnicas. Criado em 2007, o Brasil Profissionalizado possibilita a modernização e a expansão das redes públicas de ensino médio integradas à educação profissional, uma das metas do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE). Os recursos do MEC podem ser empregados em obras de infraestrutura, desenvolvimento de gestão, práticas pedagógicas e formação de professores.

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas: Araçuaí abrigará sede de empresa de tecnologia voltada para pequenos agricultores

Além de Araçuaí, os municípios de Uberlândia, Patrocínio e Extrema também serão beneficiados com novos empreendimentos.
Leonardo Horta/Sede
JMM: Ernani Jardim de Miranda Machado, Elmiro Nascimento e Frederico Álvares
JMM: Ernani Jardim de Miranda Machado, Elmiro Nascimento e Frederico Álvares

O município de Araçuaí, no Vale do Jequitinhonha, será a sede da JMM Agro Technologic Indústria e Comércio de Softwares e Equipamentos Eletroeletrônicos Ltda. O projeto de um produto inovador para pequenos agricultores, que foi desenvolvido em parceria com várias universidades brasileiras e cuja versão comercial continua sendo acompanhada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), deverá ser concluído em 2014, mas com inicio da produção ainda em 2013.

O protocolo de intenções com o Governo de Minas, por meio do Instituto de Desenvolvimento Integrado (Indi), órgão vinculado à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede), acaba de ser assinado pelo presidente da empresa, Ernani Jardim de Miranda Machado, e pelo presidente do Indi, José Frederico Álvares. A assinatura teve a participação dos secretários de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Elmiro Nascimento, e de Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha, Mucuri e Norte de Minas, Gil Pereira.

Durante o evento, o presidente do Indi comemorou a implantação da empresa em uma das regiões mais carentes do Estado e lembrou que o Vale do Jequitinhonha pertence à área mineira da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene). “As empresas que se instalarem naquela região contarão, além dos benefícios para projetos de implantação, modernização, ampliação ou diversificação de empreendimentos, com a redução de 75% do imposto de renda, com o apoio do Governo de Minas”, destacou.

Com investimento de R$ 1 milhão, a JMM instalará sua primeira unidade industrial destinada à fabricação e comercialização de aparelho eletroeletrônico automatizado para irrigação e veículo aéreo não tripulado, equipado com sensores e câmeras. Direcionado para o agronegócio, o equipamento, de baixo custo, irá possibilitar ao pequeno agricultor tanto o gerenciamento da produção e da propriedade quanto a análise do solo, permitindo o melhor aproveitamento da área.

A JMM é uma empresa de pesquisa e desenvolvimento de equipamentos eletrônicos e softwares com o objetivo de desenvolver tecnologia aplicável em diferentes campos do conhecimento, com foco no agronegócio.

O diretor da JMM, Ernani Jardim de Miranda Machado, explicou que a empresa terá duas áreas de atuação. A unidade de Belo Horizonte será destinada ao desenvolvimento dos softwares e protótipos dos produtos eletroeletrônicos, enquanto a de Araçuaí receberá a linha de montagem dos produtos e será responsável pela geração de mais de 100 empregos diretos e indiretos.

“Posteriormente pretendemos expandir nossas atividades para outras áreas da Sudene. Nosso trabalho em pesquisa e desenvolvimento com as universidades continua e estamos negociando com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig)a criação de um laboratório de P&D no Norte de Minas e Vale do Jequitinhonha”, acrescentou.

SIG Combibloc

Também assinou protocolo com o Governo de Minas a SIG Combibloc do Brasil Ltda., que pretende estabelecer um centro de distribuição em Uberlândia, no Triângulo Mineiro. Com investimentos de R$ 4,89 milhões, a empresa quer importar e distribuir embalagens (caixinhas e caixas longa vida), tampas e canudos aos clientes de Minas e dos estados vizinhos de Goiás e São Paulo.

O diretor presidente para América do Sul da SIG, Ricardo Lança Rodriguez, informou que a empresa está no Brasil desde 2003 e que Minas Gerais se tornou o seu mercado mais importante. “O estabelecimento de um centro de distribuição no Estado é o início de uma parceria com Minas Gerais”, frisou.

A SIG Combibloc do Brasil Ltda. pertence ao Grupo SIG Combibloc, com sede administrativa na Suíça e com dez fábricas de embalagens e quatro de máquinas de envase em vários países do mundo.

Setor hoteleiro

A partir de um financiamento pleiteado junto ao Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), o Centro de Convenções e Hotelaria irá investir R$ 7,59 milhões na ampliação de sua atuação no setor de serviços, em Patrocínio,no  Alto Paranaíba. “O nosso projeto consiste na construção de um hotel de 86 apartamentos e 134 leitos, área de lazer e restaurante, formando assim um Centro de Convenções. Estamos com foco nos profissionais ligados direta ou indiretamente às empresas da região”, explica o sócio administrador João Cláudio Vasconcelos Silva.

De acordo com o cronograma do projeto, as obras serão iniciadas em fevereiro deste ano e a previsão é de que em março de 2013 o novo hotel seja inaugurado. Com o empreendimento hoteleiro serão gerados 28 empregos diretos e outros 52 indiretos. “Entendemos que esse projeto é extremamente estratégico para região, tendo em vista que irá atender ao projeto da Fosfértil em Patrocínio”, comenta João Cláudio.

A estrutura do grupo, que é genuinamente mineiro, é composta por três empresas distintas e em atuações em mercados específicos. A primeira delas, fundada em 2006, atua no ramo de posto de combustível. Após a concretização e a consolidação desse negócio no setor, o grupo entendeu que havia necessidade e mercado para entrar no segmento de construção civil. Em 2011, entendidos que poderiam ainda atuar na cadeia produtiva, onde estava localizada a empresa de construção civil, decidiram por abrir uma loja de materiais de construção, com o objetivo de reduzir os custos na construção e também de comercializar produtos para o mercado. Em 2009, nasceu a ideia de construir um hotel na cidade de Patrocínio e o projeto foi arquitetado até que, em 2011, se solidificou e decidiu então iniciar a concretização desse novo empreendimento.

Ar Condicionado

Em Extrema, no Sul de Minas, a BHP Ar Condicionado irá instalar um centro de distribuição destinado ao comércio de eletrônicos (e-commerce) e televendas de aparelhos de ar condicionado, eletrodomésticos e eletrônicos. A empresa irá investir R$ 1,1 milhão no projeto, iniciado em outubro de 2011 e com conclusão prevista para abril deste ano.

A empresa irá gerar cerca de dez empregos diretos e outros dez indiretos com o novo empreendimento. Em atividade desde 16 de março de 1984, a BHP atende em diferentes segmentos do ar-condicionado: revenda, engenharia térmica, instalação e manutenção de aparelhos e sistemas de ar condicionado.

A BHP Ar Condicionado é representante comercial da Springer Carrier, Toshiba e Tempstar.

Fonte: Agência Minas

Gestão Anastasia: empresas de base tecnológica e siderúrgica investem R$ 35,98 milhões em Minas

Fernando Martuscelli, diretor da Anovati,Kenneth Orozco, João Vitor Garcia
Fernando Martuscelli, diretor da Anovati,Kenneth Orozco, João Vitor Garcia

BELO HORIZONTE (24/01/12) – As empresas Anovati Indústria e Comércio, Importação Exportação de Equipamentos de Informática Ltda., Revolight Indústria, Comércio, Importação e Exportação Ltda. e a Cisam Siderurgia anunciaram, nesta terça-feira (24), investimentos totais de R$ 35,98 milhões em Minas Gerais. Os protocolos de intenções das três empresas foram assinados pelo Governo de Minas, por meio do Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais (Indi), órgão vinculado à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede).

Para reforçar o setor de informática e tecnologia, o Vale da Eletrônica do Sul de Minas receberá uma unidade industrial do Grupo Anovati, que será responsável pela geração de 25 empregos diretos e 50 indiretos. A empresa, fabricante de produtos eletrônicos e com atuação no mercado de informática, principalmente como distribuidora de mochila e maletas para notebooks, investirá R$ 5,3 milhões no novo empreendimento.

Segundo o diretor do Grupo, Kenneth Alexander Orozco, “essa nova unidade será destinada à fabricação e comercialização de produtos eletroeletrônicos, tais como alto falantes, caixas de som e mp3”, explica. A previsão é que o funcionamento da nova unidade, em Santa Rita do Sapucaí, no Sul de Minas, seja iniciado em fevereiro deste ano.

O Grupo Anovati é uma corporação voltada para os segmentos de informática e tecnologia e composto pelas empresas Annova Serviços e Negócios Ltda. e Bellatrix Indústria, Comércio, Importação e Exportação Ltda.

Já em Belo Horizonte, a Revolight expandirá sua capacidade industrial destinada à fabricação e comercialização de lâmpadas de LED. Para isso, a empresa irá investir R$ 9,6 milhões no projeto iniciado em janeiro deste ano, com previsão de conclusão para dezembro de 2012 e que irá gerar 33 empregos diretos e 69 indiretos.

De acordo com o diretor presidente da empresa, Guilherme Rocha Rabello, a ampliação da fábrica em Belo Horizonte é um reflexo do aumento da atuação da tecnologia LED. “Acredito que nos próximos cinco anos, o LED ainda terá um elevado custo no Brasil. Mas, com o aumento progressivo da demanda, conseguiremos reduzir esse custo”, projeta.

Atualmente, os LEDs são bastante usados em aparelhos eletrônicos, lanternas de automóveis, semáforos e fachadas comerciais. Com a tecnologia Revolight, os novos emissores de luz têm ganhado um espaço maior. Algumas cidades, como Ann Arbor, em Michigan (Estados Unidos), contam com projetos para que 100% da iluminação seja feita com LED. As perspectivas são de que a utilização em larga escala se transforme em tendência mundial.

A empresa

A Revolight foi criada em 2007 com o objetivo de inovar mercado de luminárias no Brasil. Os sócios, com formação nas áreas de engenharia eletrônica e biomédica, sempre trabalharam com tecnologia de ponta para desenvolver produtos inovadores, a princípio com sistemas de iluminação de alta intensidade, o que propiciou o uso do LED em ruas, avenidas, pátios, escritórios, lojas, indústrias e residências.

O último protocolo assinado foi com a Cisam Siderurgia, que investirá R$ 21 milhões para expandir sua produção de aço, em Pará de Minas, região Central do Estado. Os investimentos serão responsáveis pela geração de 20 empregos diretos e 40 indiretos.
De acordo com o diretor presidente da empresa, Eduardo Fonseca Santos, a Cisam atua no mercado de aços especiais. “Somos os únicos produtores independentes de aço do Brasil. Trabalhamos para suprir a demanda de fornecedores de aços em menor quantidade, tendo em vista que as três maiores siderúrgicas do país não atendem esses clientes”, afirma.

O cronograma de expansão da fábrica, iniciado em janeiro de 2012, está previsto para ser concluído em dezembro de 2013. “Estamos na fase final do projeto e a nossa expectativa é produzirmos 320 mil toneladas de aço por ano, sob forma de lingotes e tarugos”, planeja Eduardo.

A Cisam Siderurgia, antiga Ciafal, foi fundada em 1962 para atuar na comercialização de sucata de ferro e aço. Desde 2005, com o objetivo de atingir um novo patamar de produção e qualidade, a Cisam iniciou o desenvolvimento de um ambicioso projeto que introduziu no Brasil o conceito de micro mill, ou seja, o de usina siderúrgica integrada de pequeno porte com alta tecnologia, o que permite enorme flexibilidade de produção.

Fonte: Agência Minas

Gestão Anastasia: Minas Gerais atrai novos investimentos com geração de mais de 1.300 empregos

BELO HORIZONTE (11/01/12) – Três novos projetos de instalação e de expansão de unidades produtivas em Minas Gerais foram anunciados nesta quarta-feira (11). Os protocolos de intenções das empresas Biobase Indústria e Comércio Ltda., BH Colchões e Espumas Ltda. (Colchobel) e TCR Distribuição S/A com o Governo de Minas foram assinados por meio do Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais (Indi), órgão vinculado à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede). Os investimentos totalizam R$ 11,45 milhões, com geração de 1.324 empregos.

A Biobase Indústria e Comércio Ltda. pretende expandir sua unidade industrial, localizada em Pouso Alegre, no Sul de Minas. A meta da empresa é ampliar a atual produção, de 1,7 milhão de peças descartáveis de uso médico-hospitalar (frascos, equipos e dispositivos para incontinência urinária), para um total de 5 milhões de peças já em meados de 2013. A empresa irá investir R$ 6,8 milhões no projeto, com a geração de 350 empregos diretos e 900 indiretos, e pretende iniciar as obras de expansão da unidade industrial ainda este ano.

Ao assinar o protocolo de intenção, o presidente do Indi, José Frederico Álvares, informou que, durante o ano de 2011, o órgão firmou 160 protocolos, que totalizaram R$ 28,35 bilhões em investimentos, com a geração de 43.987 empregos diretos e 91.510 indiretos. O presidente do Indi ressaltou que o resultado foi alcançado graças ao diferencial do órgão na atração de investimentos para o Estado.

“Estamos no ápice de um ciclo de investimentos e se estamos conseguindo atrair indústrias e empresas de todos os setores e das mais diversas nacionalidades é graças a um trabalho disciplinado, que vai desde a pontualidade das nossas ações até a seriedade com que recebemos nossos parceiros, orientando-os, encurtando seu caminho, oferecendo assistência desde o desenvolvimento de projetos até o início da produção ou prestação de serviços. E mais, também apoiamos iniciativas relacionadas à expansão, relocalização e modernização”, enfatizou.

Localizada no município de Pouso Alegre, a Biobase atua há nove anos no segmento de produtos médicos-hospitalares, atendendo principalmente os estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. Com o projeto de expansão, a empresa busca ampliar sua linha de correlatos e modernizar sua linha de frascos para nutrição enteral, produto de larga utilização no âmbito hospitalar e com poucos fabricantes no país.

Expansão de fábrica

Outro protocolo assinado nesta quarta-feira é o de expansão da fábrica de colchões da Colchobel, no Distrito Industrial do Jatobá, em Belo Horizonte. Com investimentos de R$ 3 milhões, a empresa irá implantar uma nova linha de montagem de colchões de molejo bonnel e pocket (molas ensacadas).

“Queremos triplicar a nossa fábrica, aumentando de 10% para 40% a participação do mercado desses colchões. Além disso, vamos ampliar a atuação no mercado nos estados que são nossos clientes tais como Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Goiás, Bahia, Sergipe, Pernambuco e Alagoas”, afirma o diretor da empresa, Tadeu Maia.

A empresa, que atualmente conta com 75 empregados, irá gerar com o projeto mais 50 empregos diretos e 60 indiretos. A previsão é que as obras de ampliação sejam concluídas ainda no primeiro semestre deste ano.

A Colchobel foi fundada em 1993 e, desde 2005, possui sede própria no Distrito Industrial do Jatobá, onde mantém ritmo de operação de 100% da capacidade instalada.

Centro de Distribuição

A terceira empresa a assinar o protocolo de intenções com o Governo de Minas foi a TCR Distribuição S/A. A empresa irá investir R$ 1,65 milhão na implantação de um centro de distribuição em Uberlândia, no Triângulo Mineiro.

“Vários fatores contribuíram para instalarmos o nosso Centro de Distribuição em Minas Gerais, dentre eles as facilidades logística e de contratação de mão de obra, tendo em vista que a região é conhecida como um corredor de distribuição”, afirma o diretor-geral da empresa, Fábio Michels.

O Centro de Distribuição em Uberlândia será destinado ao comércio eletrônico e televendas de aparelhos de ar condicionado e demais aparelhos de qualidade de ar. A empresa opera em diversas regiões do país por meio de uma rede de representantes. “O nosso diferencial hoje em dia é que vendemos o produto com a instalação”, explica Fábio.

De acordo com o cronograma de execução do projeto, em abril deste ano as obras do empreendimento estarão concluídas. A empresa irá contratar oito empregados diretos e outros seis indiretos. A TCR Distribuição foi fundada em 2009 para atender o mercado nacional de refrigeração e ar condicionado.

Fonte: Agência Minas