Arquivos do Blog

Governo de Minas: cidades mineiras têm programação extensa para receber turistas neste inverno

Festivais nas cidades históricas, o frio do Sul e as belezas naturais devem atrair milhares de visitantes ao Estado nesta estação.

Baixas temperaturas, neblina, chocolate quente, festivais de inverno, gastronomia e muita hospitalidade. Muitas são as palavras que podem representar o inverno em Minas Gerais, que também significa alta temporada turística no Estado. O inverno começa oficialmente nesta quarta-feira (20), e a Secretaria de Estado de Turismo de Minas Gerais (Setur) preparou algumas dicas para que o turista possa aproveitar a estação nas terras mineiras.

De acordo com o secretário de Estado de Turismo de Minas Gerais, Agostinho Patrus Filho, Minas Gerais tem inúmeras opções para o turista que quiser visitar o Estado neste inverno. “A nossa diversidade natural e cultural é um dos mais importantes diferenciais turísticos. No inverno, nossos municípios preparam opções para atrair turistas de todos os gostos e localidades. Vale destacar os festivais que aquecem e animam turistas e moradores de Minas Gerais”, diz Patrus.

Arraial animado em Belo Horizonte

Em Belo Horizonte, o já conhecido Arraial de Belô promete agitar a festança junina na capital. Comidas típicas da Festa de São João vão esquentar as 75 mil pessoas esperadas para esta edição do evento. O Arraial de Belô 2012, uma das maiores festas juninas do país, está em sua 34ª edição e promete uma programação pra lá de animada com as apresentações das quadrilhas. Para saber mais, acesse o site do evento.

Festivais de Inverno

Já tradicionais, os festivais de inverno movimentam as cidades do interior do Estado. O Festival de Inverno de Ouro Preto e Mariana, considerado um dos melhores do país, acontece entre os dias 8 e 22 de julho.  Na programação, mais de 123 atividades e oficinas voltadas para artes cênicas, música, artes plásticas. A programação estará disponível no site do festival.

Além de participar da programação do festival, o turista poderá aproveitar para conhecer os atrativos da região. Andar pelas ruas tricentenárias de Ouro Preto, visitar as tradicionais igrejas e famosos museus da cidade, além de poder fazer uma deliciosa viagem de Maria Fumaça de Ouro Preto a Mariana, são algumas das opções disponíveis.

O 44º Festival de Inverno da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) acontece entre os dias 15 a 26 de julho, na cidade de Diamantina. Já a Universidade Federal de São João del Rei realiza, entre os dias 14 e 28 de julho, o 25º Inverno Cultural. Espetáculos musicais, dança, teatro, artes plásticas, cinema e oficinas fazem parte da programação que promete aquecer os visitantes. Para mais informações, acesse o site com a programação na cidade.

Gastronomia e cultura em Araxá

Terra das águas termais, Araxá, no Alto Paranaíba, espera receber 10 mil pessoas para o Festival Internacional de Cultura e Gastronomia da cidade, que acontece de 21 a 24 de julho. Na programação, shows, exposições, festins com chefes franceses e oficinas gastronômicas estarão à disposição dos visitantes. Quem for curtir o evento, poderá também participar de degustações de cervejas e vinhos especiais. Para saber a programação completa, acesse o site do evento.

Baixas temperaturas no Sul de Minas

Famosas por suas baixas temperaturas, algumas cidades de Minas Gerais já se preparam para receber os visitantes nesta época do ano. Para aqueles que querem aproveitar o friozinho mineiro e conhecer belas paisagens, a dica é visitar as cidades do Sul de Minas.

Um dos destinos procurados no inverno é charmoso distrito de Monte Verde, em Camanducaia. Entre os dias 07 e 29 de julho, o visitante poderá aproveitar a programação do Festival de Inverno de Monte Verde que terá apresentações de blues e jazz.  Situada na Serra da Mantiqueira, a vila mantém costumes trazidos pelos primeiros moradores e possui influência alemã, suíça e italiana. No inverno, os termômetros sempre registram temperaturas negativas. Além disso, os visitantes podem aproveitar os atrativos de natureza e escalar as altas montanhas da Serra da Mantiqueira ou fazer caminhadas nas trilhas que levam até o topo da Serra. Lá de cima, é possível ver toda Monte Verde, Campos do Jordão e outras cidades do Vale do Paraíba.  De acordo com a secretaria de Turismo e Cultura de Camanducaia, a ocupação hoteleira na cidade está de 100% até a primeira semana de agosto e a expectativa é de cerca de 100 mil turistas visitem o município nesta época do ano.

Maria da Fé, a 486 km de Belo Horizonte, no Sul de Minas, é a cidade mais fria do Estado e é conhecida nacionalmente devido aos frequentes registros de baixas temperaturas.  Neste inverno, os turistas que visitarem a cidade podem aproveitar o Festival de Inverno, que acontecerá entre os dias 5 e 15 julho, e espera receber mais de 30 mil pessoas.

Cidade de ar puro, clima de montanha e gente hospitaleira. Extrema foi presenteada com uma natureza exuberante onde o turista poderá experimentar a sensação de explorar trilhas, cachoeiras, pedras e mirantes. Os mais aventureiros podem praticar voo livre, rapel e boiacross, nas corredeiras do rio Jaguari.  De acordo com a Secretaria municipal de Cultura e Turismo de Extrema, são esperados cerca de 100 mil visitantes na cidade durante o inverno e a taxa de ocupação dos meios de hospedagem alcançou 90%.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/cidades-mineiras-tem-programacao-extensa-para-receber-turistas-neste-inverno/

Gestão Anastasia: Governo de Minas marca presença na Expocachaça

Maior evento do setor no país, exposição apresenta várias novidades neste ano

O Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Turismo de Minas Gerais (Setur), participa da 20ª edição da Expocachaça, que acontece entre os dias 07 e 10 de junho, no Expominas, em Belo Horizonte. Considerado o maior evento do setor no país, tem o objetivo de promover a cachaça como bebida nacional, consolidar consórcios e cooperativas brasileiras de produtores de cachaça, além de fomentar o mercado.

Este ano, a feira, que acontece dentro da Superagro Minas 2012, traz novidades e surpresas para o público. Será inaugurado o espaço Brasil Bier, com cervejas brasileiras especiais, além do Festival de Caipirinhas. Haverá também eleição da melhor combinação feita com a cachaça, a melhor cachaça e o melhor bartender.

A programação cultural promete agitar os visitantes com shows country, sertanejo e pop. Uma das atrações será o show do cantor Renato Teixeira, que se apresenta na quinta-feira (07), às 22h00, dentro do Projeto Causos e Violas.

CACHAÇA –  Responsável por 86% do mercado brasileiro de destilados, é o 3º destilado mais consumido no mundo. Apenas Minas Gerais garante 60% da produção nacional, com mais de 9  mil alambiques. Essa fatia do mercado movimenta a economia do Estado, com a manutenção de 116 mil empregos diretos e geração de renda de R$ 1,4 bilhão ao ano. O Estado produz, anualmente, 240 milhões de litros de cachaça.

Mais informações: www.expocachaca.com.br ou www.superagro2012.com.br .

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governo-de-minas-marca-presenca-na-expocachaca/

Governo de Minas: maior parte dos turistas que visitam a Zona da Mata busca lazer

Pesquisa do Estado revela que 55% dos entrevistados viajaram à região a passeio

Gil Leonardi/Imprensa MG
Parque Estadual do Ibitipoca, na Zona da Mata
Parque Estadual do Ibitipoca, na Zona da Mata

A maior parte dos turistas que visitaram a Zona da Mata em 2011, viajou a passeio. A constatação foi feita pela Pesquisa de Demanda Turística, realizada pela Secretaria de Estado de Turismo de Minas Gerais (Setur). Os dados mostram que 54,7% dos visitantes optaram pela região para o lazer.

O principal atrativo são as atividades de ecoturismo, que alcançaram 70% da preferência. Os circuitos do Pico da Bandeira e da Serra do Ibitipoca estão entre os mais procurados na região. O Pico da Bandeira está localizado no Parque Nacional do Caparaó, na Serra do Caparaó, na divisa entre os municípios de Alto Caparaó (MG) e Ibitirama (ES). O Pico é o ponto mais alto dos dois estados, assim como de toda a Região Sudeste do Brasil. É também o terceiro ponto mais alto do País, com 2.891,98 metros de altitude.

Integra o circuito turístico, além das duas cidades: Alto Jequitibá, Caiana, Caparaó, Carangola, Dores do Rio Preto (no Espírito Santo), Durandé, Espera Feliz, Faria Lemos, Luisburgo, Manhuaçu, Manhumirim, Martins Soares, Mutum, Pedra Dourada, Reduto, Santana do Manhuaçu, São João do Manhuaçu, Simonésia e Tombos. A pesquisa mensurou o nível de satisfação dos visitantes do Pico da Bandeira e o resultado foi equivalente à nota oito.

Já o Circuito Serras do Ibitipoca, localizado em uma das mais belas regiões da Serra da Mantiqueira, é privilegiado por belezas naturais que proporcionam paisagens inesquecíveis. É o lugar perfeito para contemplação, aventura, descanso e belas fotografias. O circuito alcançou a nota de 8,4, a maior da Zona da Mata, e é composto pelos municípios de Lima Duarte (Distritos: Sede, Conceição de Ibitipoca, São Domingos da Bocaina e Lopes), Bias Fortes, Bom Jardim de Minas, Ibertioga, Santana do Garambéu, Pedro Teixeira, Rio Preto, Santa Rita de Ibitipoca e Santa Rita de Jacutinga.

Perfil dos viajantes

De acordo com a pesquisa do Governo de Minas, na Zona da Mata, 60% dos visitantes eram oriundos do próprio Estado, 23% do Rio de Janeiro, 6,6% de São Paulo e 4,8% do Espírito Santo. A maioria, 60%, eram homens e solteiros (62%), com idade entre 21 e 30 anos (45,5%). No quesito escolaridade, 52,5% possuíam curso superior. Os visitantes permaneceram, em média 4,2 dias nas viagens pela Zona da Mata, com um valor de gasto médio por pessoa de R$ 408,38.

Estabelecimentos

Segundo dados da RAIS (Relação Anual de Informações Sociais), levantados pelo Ministério do Trabalho e Emprego e apurados pela Setur-MG na região da Zona da Mata, a taxa média de crescimento do número de estabelecimentos ligados à atividade turística, de 2006 a 2010, correspondeu a 4,8%, com o número saltando de 4.869 estabelecimentos em 2006 para 5.584 em 2010. Em relação ao número de pessoas empregadas pelo setor, a taxa média de crescimento foi de 4,2%. Em 2006, as atividades turísticas empregavam 26.629 pessoas; em 2010 este número chegou a 31.388 trabalhadores.

Números no Estado

Dados mais abrangentes da pesquisa mostraram que, no geral, os visitantes permaneceram, em média 5,4 dias nas viagens pelo Estado, com um valor de gasto médio por pessoa de R$ 538,56, superando em 62% os gastos de 2010 (R$ 332,21). Já os turistas que mais gastam são aqueles que viajam a negócios. Este público registrou em média, o maior gasto individual durante a viagem com um valor de R$ 955,35 seguidos pelos visitantes motivados pelo turismo rural (R$ 516,16), bem-estar (R$ 460,66), natureza e aventura (R$ 460,66) e cultural (R$ 369,95).

De acordo com o secretário de Estado de Turismo, Agostinho Patrus Filho, os números da pesquisa demonstram o crescimento da economia do turismo no Estado, especialmente na geração de receita e distribuição de renda. “Quanto maior é o gasto do turismo, maior é o benefício para a atividade e para toda a cadeia de prestação de serviços, que amplia seus negócios e seus ganhos de mercado. Devemos lembrar que Minas Gerais e o Brasil, a partir de agora, irão receber grandes eventos internacionais, o que poderá favorecer, ainda mais, o crescimento deste gasto médio e a permanência do visitante”, destaca.

Os entrevistados também foram questionados sobre qual a primeira imagem que eles lembram ao ouvir as palavras “Minas Gerais”. Em primeiro lugar a imagem mais lembrada foi das montanhas (10,8%), seguido da gastronomia (6,5%) e do pão de queijo (6,4%).

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/maior-parte-dos-turistas-que-visitam-a-zona-da-mata-busca-lazer/