Arquivos do Blog

Gestão em Minas: DER instala mais sete radares em rodovias estaduais de diversas regiões do Estado

Estradas mineiras passam a contar com 218 equipamentos em operação

Divulgação/Setop MG
Novos radares entram em funcionamento a partir de zero hora desta sexta-feira
Novos radares entram em funcionamento a partir de zero hora desta sexta-feira

O Departamento de Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DER-MG) colocará em operação mais sete novos radares em rodovias estaduais em diversas regiões do Estado, a partir de zero hora desta sexta-feira (24).

Dois equipamentos passam a operar na MGC-367, nos quilômetros 587,5 e 582,8, próximos ao município de Diamantina, no Vale do Jequitinhonha. Na região Central, em Curvelo, serão instalados dois novos equipamentos: o primeiro na AMG-910, no quilômetro 9,4, e o outro na MGC-259, quilômetro 558,8.

No Triângulo Mineiro, em Uberlândia, haverá um equipamento de controle de velocidade na BR-452, quilômetro 175,7. E a região Sul de Minas receberá dois radares, que passam a operar na MG-290, nos quilômetros  0,1 e 1,5, em Pouso Alegre. A velocidade máxima permitida para todos os radares é de 60Km por hora.

A implantação dos novos radares é uma das ações previstas no Programa Estruturador de Aumento da Capacidade de Segurança dos Corredores de Transporte (Proseg) da Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop), cujo objetivo é aumentar a segurança nas rodovias estaduais mineiras. Com a implantação destes sete novos equipamentos, as estradas mineiras agora contam com 218 radares em operação.

O local com maior número de radares é a Região Metropolitana de Belo Horizonte, com 43 unidades. A região Central possui outros 40. E a Zona da Mata, 42, sendo que 16 deles estão nas vias de responsabilidade da 5ª Coordenadoria Regional do DER-MG, localizada em Ubá.

Estudo técnico

Os radares são instalados pelo DER-MG após elaboração de estudo técnico e implantação de projeto específico de sinalização. Os equipamentos só entram em operação depois de aferidos pelo Instituto de Pesos e Medidas do Estado de Minas Gerais (Ipem-MG), órgão credenciado pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normatização e Qualidade Industrial (Inmetro), e em conformidade com as determinações do Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas: Sistema de Gestão de Emergências faz diagnóstico das cidades atingidas pelas chuvas

Ferramenta irá diagnosticar a situação da infraestrutura desses municípios, auxiliando no atendimento de demandas que competem à Secretaria de Transportes e Obras, como doações de vigas e tabuleiros para pontes entre outros

Reprodução
Sigem permite o cadastro remoto das solicitações pelas prefeituras, evitando o deslocamento de representantes à capital
Sigem permite o cadastro remoto das solicitações pelas prefeituras, evitando o deslocamento de representantes à capital

Com objetivo de agilizar o atendimento aos municípios mineiros atingidos pelas chuvas no Estado, a Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop) desenvolveu o Sistema de Gestão de Emergências (Sigem). A ferramenta irá diagnosticar a situação da infraestrutura desses municípios, auxiliando no atendimento de demandas que competem à Setop, como doações de vigas e tabuleiros para pontes, entre outros.

Criado em plataforma web, o Sigem permite o cadastro remoto das solicitações pelas prefeituras, evitando o deslocamento de representantes à capital. Cinquenta e dois municípios já efetuaram cadastro no Sigem e a maior parte das demandas refere-se à contenção de encosta (33%), seguida por canalização de curso d’água (22%), drenagem de curso d’água (16%) e reconstrução de ponte (12%). São consideradas prioritárias as demandas referentes à reconstrução e restabelecimento da normalidade.

Para o secretário de Estado de Transportes e Obras Públicas, Carlos Melles, esse sistema de informações foi criado pela Setop como resposta ao cenário de catástrofes que assolou os municípios de Minas durante as últimas chuvas. “Ciente de nosso papel estratégico nas ações voltadas à reconstrução das cidades devastadas, desenvolvemos o Sigem para trazer agilidade no diagnóstico dos problemas desta natureza, possibilitando, assim, ações mais imediatas”, disse.

Cadastro

O sistema pode ser acessado em http://www.sistop.mg.gov.br/sigem ou por meio da página da Setop (www.transportes.mg.gov.br), no ícone Sigem, localizado na página principal. Ao iniciar seu cadastro, as prefeituras devem ter em mãos informações gerais sobre o dano ocorrido, as intervenções sugeridas, custo estimado, localização, de forma a proporcionar um panorama geral sobre a solicitação.

Inicialmente, pretende-se realizar um diagnóstico preliminar das intervenções necessárias nos municípios, limitando-se àqueles com situação de emergência homologada pela Defesa Civil. As demandas estão subdividas em oito grupos, que englobam a reconstrução de pontes, passarelas, drenagem de cursos d’água; melhoramento de vias públicas, dentre outras solicitações na área de infraestrutura.

Atendimento

Uma vez concluída a etapa de cadastramento no Sigem, as solicitações que puderem ser atendidas pela Setop, como pontes, mata-burros e bueiros, vão passar por novas fases dentro da Subsecretaria de Infraestrutura. Uma destas fases é a análise preliminar da demanda, que poderá incluir a vistoria do local indicado para intervenção pela prefeitura.

Aquelas demandas sinalizadas como prioritárias, onde se inclui a reconstrução e o restabelecimento da normalidade, serão indicadas para atendimento e, a partir desse momento, a prefeitura será comunicada acerca da aprovação. Em seguida, nas fases de planejamento e preparação, serão estudadas as ações necessárias, as definições de custo e prazo, e os instrumentos formais a serem celebrados.

O atendimento à demanda selecionada só será considerado encerrado após a prestação de contas pela prefeitura.

Fonte: Agência Minas

Governo do Estado lança Sistema de Gestão de Emergências em Pará de Minas

PARÁ DE MINAS (18/01/12) – A Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop) entregou nesta quarta-feira (18), em Pará de Minas, 72 metros de bueiro metálico, de 2,5 metros de diâmetro, a serem aplicados na reconstrução da Avenida Orlando Maurício dos Santos, que foi danificada pelas chuvas. A doação é o resultado da primeira solicitação cadastrada como piloto no Sistema de Gestão de Emergências (Sigem), desenvolvido pela Setop, para auxiliar municípios castigados pelas chuvas dos últimos meses. A demanda, enviada pela prefeitura de Pará de Minas à Setop via sistema, foi destacada como prioritária pela Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec-MG).

Após o cadastro da demanda no sistema pela prefeitura, o projeto e a documentação de Pará de Minas foram devidamente analisados, materializando-se na entrega do material pela Setop para execução da obra através da prefeitura. Segundo o subsecretário de Infraestrutura, Bruno Alencar, “este sistema é uma evolução que traz agilidade na solução dos problemas ocasionados pelas chuvas, reduzindo o trabalho das prefeituras em um cenário em que a celeridade se faz imprescindível”, afirma o subsecretário.

Para o prefeito Zezé Porfírio, “Pará de Minas foi uma das cidades mineiras mais afetadas pelas chuvas. Por meio do Sigem, um projeto piloto da Setop, veio desburocratizar e viabilizar com rapidez a ajuda necessária para a reconstrução das áreas atingidas e comprova a seriedade e o firme propósito do Governo do Estado de consolidar parcerias para resolver os problemas  emergenciais e restabelecer logo a segurança à população,” concluiu Porfírio.

Sigem

A elaboração do Sistema de Gestão de Emergências (Sigem) foi realizada em parceria com a Assessoria de Integração de Sistemas da Setop em 2011, diante do elevado número de municípios mineiros com situação de emergência decretada em razão das últimas chuvas. Ciente de seu papel estratégico nas ações voltadas à reconstrução das cidades devastadas, a Setop desenvolveu um sistema, disponível em plataforma web, que permite o cadastro das solicitações de obras de infraestrutura por estes municípios.

As demandas estão subdividas em oito grupos, que englobam a reconstrução de pontes, passarelas, drenagem de cursos d’água; melhoramento de vias públicas, dentre outras solicitações na área de infraestrutura. Ao iniciar o seu cadastro, as prefeituras devem ter em mãos informações gerais sobre o dano ocorrido, as intervenções sugeridas, custo estimado, localização, de forma a proporcionar um panorama geral sobre a solicitação.

Inicialmente, pretende-se realizar um diagnóstico preliminar das intervenções necessárias nos municípios, limitando-se àqueles com situação de emergência homologada pelo Estado. Está em fase de elaboração uma primeira versão do documento composto pelos cadastros já realizados. Em um segundo momento, as prefeituras poderão acompanhar o andamento de suas solicitações via Sigem, uma vez que o sistema permite a visualização de todos os trâmites dentro da Secretaria, bem como uma interface com as prefeituras.

Uma vez cadastradas, as solicitações passam por fases distintas dentro da Setop, como a análise preliminar da demanda, que inclui a vistoria do local indicado para intervenção. Aquelas demandas sinalizadas como prioritárias, serão confirmadas e a prefeitura será comunicada acerca da aprovação. Nas fases de planejamento e preparação, serão estudadas as ações necessárias, as definições de custo e prazo e os instrumentos formais a serem celebrados. Por fim, inicia-se a execução da obra, encerrando-se a demanda após a prestação de contas pelo ator responsável.

O Sistema de Gestão de Emergências está disponível para acesso às prefeituras no site da Setop: www.transportes.mg.gov.br. Somente têm acesso ao Sigem os municípios com situação de emergência já homologada pelo Estado.

Fonte: Agência Minas

Gestão Anastasia: Setop divulga balanço do atendimento aos municípios mineiros no ano de 2011

BELO HORIZONTE (19/12/11) – Empenhada na modernização administrativa e na melhoria dos processos de trabalho, a Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop), por meio da Subsecretaria de Infraestrutura, desenvolveu e aprimorou, neste ano de 2011, uma série de procedimentos que proporcionaram maior agilidade e controle no desenvolvimento dos processos que atendem aos municípios mineiros, por meio de convênios, doações de materiais e execuções de obras públicas.

Segundo o subsecretário de Infraestrutura, Bruno Alencar, o empenho da Setop vai além da parte técnica. “Estamos preocupados não só com o repasse dos recursos ou dos materiais para os municípios, mas também como isso contribui e impacta na vida dos cidadãos atendidos. Garantimos a dignidade, por exemplo, aos moradores de uma localidade rural que necessita da intervenção do Estado, proporcionando mais agilidade no escoamento da produção agrícola e melhoria na qualidade de vida”, finalizou Alencar.

A visão do secretário Carlos Melles reforça a preocupação de um bom atendimento, no sentido de servir à população com eficiência. “A Setop vem estudando, juntamente com o Departamento de Estradas de Rodagem (DER-MG), uma forma de garantir boas condições de tráfego nas estradas vicinais, que fazem a ligação da área rural dos municípios, por onde circulam bens e serviços, como o acesso à saúde e à educação e o transporte do leite e dos produtos agrícolas”, concluiu Melles.

Sistemas de informação

Neste ano, uma das inovações da Setop foi a criação do Sistema de Gestão de Demandas (SGD), que tem por objetivo monitorar, de forma informatizada, todos os pedidos que entram na secretaria, permitindo um acompanhamento direto de todo o fluxo. Foram recebidas 3.561 demandas e, até o momento, 1.005 já foram finalizadas.

O Sistema de Relatórios (SRS) é outra novidade. Ele permite a visualização do histórico de cada um dos 853 municípios do Estado, desde a região geográfica e Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), até a situação de cada convênio firmado com a secretaria. É possível, ainda, verificar a solicitação de recursos encaminhados e acompanhar o controle de estoque de materiais.

Criado para atender a carteira das obras públicas executadas pelo Departamento de Obras Públicas do Estado de Minas Gerais (Deop-MG), o Modelo de Gerenciamento Intensivo de Obras Públicas tem a finalidade de viabilizar a entrega das obras dentro dos requisitos de preço, prazo e qualidade planejados.

No momento, oito obras, que somam recursos de R$ 105 milhões, estão sendo monitoradas. Em Unaí, Centro Sócio Educativo; em Montes Claros, prédio do Ipsemg; em Itaúna, presídio; em Lagoa Santa, Gruta da Lapinha; em Cordisburgo, Gruta de Maquiné; e em Belo Horizonte, BHTEC, Hospital do Ipsemg (HGIP) e Point Barreiro.

Convênios e doações

No apoio ao desenvolvimento da infraestrutura municipal, foram celebrados, neste ano, 220 convênios com 160 municípios. Os investimentos somaram cerca de R$ 28 milhões. As obras são de melhoria de vias públicas, urbanização, construção de edificações públicas e obras de arte especiais, como pontes e viadutos. De 2003 a 2010, mais de 8 mil convênios foram firmados, somando R$ 1,6 bilhão, com 99,5% dos municípios do Estado beneficiados.

Pelo programa de doação de materiais, 170 municípios foram beneficiados em 2011, com investimentos de R$ 9,4 milhões. Foram disponibilizados 1.413 mata-burros, 1.583 metros de bueiros metálicos, 425 vigas para pontes e 1.233 lajes pré-moldadas para pontes.

Capacitação para as prefeituras

Nos meses de agosto e setembro, a Subsecretaria de Infraestrutura promoveu o I Circuito de Palestras “Convênios para Obras Públicas”, que contou com a participação de 175 municípios e capacitou 350 profissionais, entre engenheiros, arquitetos e servidores responsáveis pela gestão dos convênios. Vinte assessores de parlamentares também participaram dos encontros, que foram realizados em 12 módulos.

Nas palestras foram apresentados os serviços disponíveis no site da secretaria, detalhadas as partes técnicas e documentais dos convênios, com explicações sobre decretos, passando pelos diferentes tipos de obras, formas de execução e detalhamento sobre o Preço Setop.