Arquivos do Blog

Governo de Minas: Comitê da Mata realiza, em Juiz de Fora, a segunda reunião do Estado em Rede

Iniciativa prioriza a regionalização da gestão governamental, que é uma das prioridades da gestão Anastasia.

Renato Cobucci / Imprensa MG
As estratégias abordadas nos comitês foram discutidas na última reunião da Câmara Multissetorial, em abril
As estratégias abordadas nos comitês foram discutidas na última reunião da Câmara Multissetorial, em abril

O Comitê Regional da Mata inicia sua segunda reunião nesta quarta-feira (16), em Juiz de Fora. Formados por agentes de diversas secretarias e órgãos estaduais que possuem unidades na região, os comitês regionais foram criados para dar início à implementação do programa Estado em Rede, que trabalha a regionalização da gestão governamental – uma das prioridades do governo Antonio Anastasia.

A reunião tem a participação de representantes da Secretaria de Estado de planejamento e Gestão (Seplag); Secretaria de Estado de Casa Civil e Relações Institucionais (Seccri), da Secretaria de Estado de Governo (Segov) e Ouvidoria-Geral do Estado (OGE).

O objetivo do comitê é identificar prioridades para implementar as estratégias governamentais – conforme as metas traçadas no Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado (PMDI 2011-2030) – e também propor soluções intersetoriais para as demandas regionais.

Nesta segunda reunião, que será encerrada na quinta-feira (17), a equipe técnica da Seplag dará retorno ao comitê dos temas debatidos no primeiro encontro – que foram objeto de discussão na última reunião da Câmara Multissetorial, em 24 de abril. Também serão discutidos os objetivos estratégicos do PMDI.

Em seguida, o comitê irá selecionar um objetivo estratégico em cada Rede de Desenvolvimento: Atendimento em Saúde; Educação e Desenvolvimento do Capital Humano; Desenvolvimento Social; Proteção, Defesa e Segurança; Infraestrutura; Desenvolvimento Rural; Desenvolvimento Sustentável e de Cidades; Tecnologia e Inovação e Identidade Mineira.

A coordenação técnica dos comitês regionais, a elaboração da metodologia de trabalho e a condução da experiência-piloto são de competência conjunta da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão; Secretaria de Estado de Casa Civil e de Relações Institucionais; Ouvidoria Geral do Estado e Secretaria de Estado de Governo.

Serviço

Evento: 2ª reunião do Comitê Regional da Mata

Data: 16 e 17 de maio de 2012

Horário: 9h às 18h (16/5) e 9h às 12h (17/5)

Local: 4ª RISP (Região Integrada de Segurança Pública): R. Tenente Guimarães nº 535, Bairro Nova Era/ Sta. Lúcia – Juiz de Fora – CEP: 36087-070

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/comite-da-mata-realiza-em-juiz-de-fora-a-segunda-reuniao-do-estado-em-rede/

Anúncios

Gestão Anastasia: mais de 262 mil candidatos fazem provas do concurso da Educação neste domingo em Minas

Ao todo, são ofertadas 21 mil vagas. Confira detalhes do exame, que ocorre simultaneamente em 49 cidades mineiras

Divulgação/SEE
Os 262.989 mil inscritos no concurso da Secretaria de Estado de Educação (SEE) participam da primeira etapa do processo seletivo
Os 262.989 mil inscritos no concurso da Secretaria de Estado de Educação (SEE) participam da primeira etapa do processo seletivo

Neste domingo (4), os 262.989 mil inscritos no concurso da Secretaria de Estado de Educação (SEE) participam da primeira etapa do processo seletivo e realizam provas objetivas em todo o Estado. O exame ocorre simultaneamente em 49 cidades mineiras. A segunda etapa será a avaliação de títulos. As cidades nas quais as provas serão aplicadas são os municípios-sede das 47 Superintendências Regionais de Ensino (SREs). A exceção fica por conta da SRE de Nova Era, que, além da cidade sede, também terá como locais de prova nos municípios de Itabira e João Monlevade. No caso das Regiões Metropolitanas A, B e C, e da Região Metropolitana de Belo Horizonte, as provas serão aplicadas na capital.

Composta por 60 questões de múltipla escolha, a prova terá duração de quatro horas, nos turnos manhã e tarde, que variam de acordo com as carreiras. O concurso oferece um total de 21.377 vagas. No turno da manhã, serão 305 locais de prova que terão acompanhamento de 9.328 fiscais. Já no período da tarde, são 9459 fiscais para 294 locais de aplicação. As provas acontecem em escolas estaduais, municipais e instituições de ensino técnico e superior. O concurso está sendo aplicado pela Fundação Carlos Chagas e coordenado pela Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag).

Em média, o concurso terá 12,3 candidatos por vaga. O cargo que registrou o maior número de inscritos no concurso público foi o de Assistente Técnico de Educação Básica, que irá cumprir a função de apoio técnico nas escolas estaduais. Foram 60.279 candidatos inscritos para concorrer a uma das 4.401 vagas – uma média de 13,7 candidatos por vaga. A concorrência, contudo, é maior no cargo de Analista Educacional. Foram 29.181 para uma das 378 vagas, uma média de 77 candidatos por vagas.

Já o número de professores interessados no concurso público deste ano foi maior do que o registrado no último exame. Na ultima edição, realizada entre os anos de 2004 e 2005, a Secretaria de Estado de Educação ofereceu 16.989 vagas para o cargo e teve 79.541 candidatos interessados, uma média de 4,68 por vaga. Já neste ano, a relação entre o número total de inscritos e o número de vagas para o cargo de professor foi de 10,04 candidatos. Especificamente para o cargo de professor dos anos iniciais do ensino fundamental, a média sobe para 16,6 candidatos por vaga.

Horários e outras orientações sobre as provas

Para os candidatos que concorrem a uma vaga nas carreiras de cargos de Professor Educação Básica – Anos Iniciais do Ensino Fundamental, Assistente Técnico Educacional e Assistente Técnico de Educação Básica a prova terá início às 8h30, mas os candidatos devem chegar ao local de prova, às 8h.

Já os candidatos a vagas nas carreiras de Professor Educação Básica (Arte/Artes, Biologia, Educação Física, Filosofia, Física, Geografia, História, Língua Estrangeira Moderna -Espanhol, Língua Estrangeira Moderna -Inglês, Língua Portuguesa, Matemática, Química, Sociologia); Analista Educacional; Analista Educacional – Inspeção Escolar; Especialista em Educação Básica – Orientação Educacional; e Especialista em Educação Básica – Supervisão Pedagógica, as provas terão início às 14h30, mas os candidatos devem chegar às 14h.

De acordo com o edital do concurso, (http://www.concursosfcc.com.br/concursos/spgmg110/edital_see_12_07_imprensa.pdf)  o candidato deve comparecer ao local de prova munido do comprovante de inscrição, documento original de identidade, caneta esferográfica de tinta preta e de material transparente, lápis e borracha. Os candidatos deficientes visuais (cegos), que solicitaram prova especial em Braile, deverão levar no dia da aplicação do exame, reglete e punção, podendo, ainda, utilizar-se de soroban.

A prova é composta por 60 questões, sendo 20 de conhecimentos gerais e 40, por conhecimentos específicos. O tempo mínimo de permanência no local de realização do exame (período de sigilo) será de 60 minutos a partir do início das provas. Será considerado aprovado na primeira etapa o candidato que obtiver o mínimo de 50% de acertos nas questões de conhecimentos gerais e 50% nas questões de conhecimentos específicos.

O gabarito das provas será divulgado no endereço eletrônico http://www.concursosfcc.com.br, no primeiro dia útil após a aplicação da prova objetiva. O resultado final da prova objetiva, assim como a lista de classificação dos candidatos aprovados, será divulgado no Diário Oficial dos Poderes do Estado, após o julgamento de eventuais recursos interpostos contra as questões das provas e gabaritos preliminares. A segunda etapa do concurso é de caráter eliminatório e será destinada a avaliação de títulos.

Oportunidades profissionais diversas

No concurso são ofertadas vagas para professores que atuarão nos anos iniciais do ensino fundamental (1ª à 5ª séries). Esse profissional atua em sala de aula com crianças na faixa etária de 6 a 10 anos. O trabalho de alfabetização, letramento e o ensino de operações simples da Matemática, como adição e subtração, por exemplo, estão entre suas atribuições. O educador deve ter licenciatura em Pedagogia ou Normal Superior.

Já os docentes, que vão atuar nos anos finais do ensino fundamental (6º ao 9º) e no ensino médio, têm formação específica, de acordo com as disciplinas que integram os Conteúdos Básicos Comuns (CBCs) – Arte, Biologia, Educação Física, Filosofia, Física, Geografia, História, Língua Estrangeira Moderna/Inglês, Língua Estrangeira Moderna/Espanhol, Língua Portuguesa, Matemática, Química e Sociologia.

Ainda no ambiente escolar, outra carreira que oferta vagas é a de Especialista em Educação Básica, nas funções de Orientação Educacional e Supervisão Pedagógica. Esses profissionais atuam no acompanhamento do professor e dos alunos, além de auxiliarem na elaboração e execução do plano pedagógico. “Aqui na escola, sou responsável por dar o suporte aos professores e por acompanhar o aprendizado dos alunos. Eu sugiro materiais aos professores, como textos, e participo de capacitações promovidas pela Superintendência, nos quais recebo sugestões para aplicar na escola. Também faço o atendimento de pais de alunos”, conta a Supervisora Pedagógica da Escola Estadual Dr. Luiz Pinto de Almeida, no município de Santa Rita do Sapucaí, Marita Graciano Lobato Bicalho Vítor.

Nas secretarias das escolas, o Assistente Técnico de Educação Básica, que cumpre a função de apoio técnico, é responsável por tarefas como efetuar matrículas, emitir histórico de alunos e atender e encaminhar o público que frequenta o ambiente escolar. Ele também pode auxiliar na organização, manutenção e atendimento em espaços como a biblioteca.

Outra carreira que oferta vaga no concurso é a de Assistente Técnico Educacional. As vagas disponíveis são para profissional que exercem a função de apoio técnico. Ele atua na sede da Secretaria de Estado de Educação (SEE) ou em uma das 47 Superintendências Regionais de Ensino (SREs). Esse profissional tem entre suas funções a organização de arquivos e o protocolo de documentos, além da manutenção do sistema de informações legais e regulamentares de interesse da SEE. O analista educacional, também com atuação nas sedes ou nas regionais, cumpre atividades técnicas. Ele desempenha funções como a elaboração de ofícios e memorandos nos setores em que atua. Ele também organiza e produz dados e informações educacionais.

Já os profissionais que exercem a função de Analista Educacional/Inspeção Escolar, apesar de serem lotados nas superintendências regionais de ensino, têm a escola como campo de atuação. “Nosso trabalho consiste em visita às escolas para fazer o acompanhamento da área administrativa, mas também pedagógica. Entre as nossas tarefas estão: a verificação da pasta dos alunos, do quadro de pessoal para que possamos avaliar se a escola está com quadro de servidores necessários para a realização de seu trabalho. O levantamento do número de servidores a serem designados, quando necessário, também é feito pelo inspetor”, cita Solange Pereira da Paz. Ela é inspetora escolar na Superintendência Regional de Ensino de Sete Lagoas e está na carreira há 23 anos.

Fonte: Agência Minas

Gestão Antonio Anastasia: Comitê Regional da Mata reforça importância do debate intersetorial

Reuniões serão realizadas a cada três meses, em Juiz de Fora

A necessidade de se debater as prioridades e demandas de forma intersetorial, envolvendo diversos órgãos e secretarias regionais, foi o que conduziu as discussões na primeira reunião do Comitê Regional da Mata, realizada nesta quinta-feira (16), na 4ª Rede Integrada de Segurança Pública (RISP), em Juiz de Fora. O objetivo do comitê é identificar as prioridades da região para implementar as estratégias governamentais, integrando órgãos e secretarias regionais em torno das demandas locais, de forma transversal.

Participaram do encontro, os representantes do comitê, formado por membros de órgãos governamentais da região e técnicos da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag).

A criação dos comitês regionais é a primeira etapa do Estado em Rede, que será implantado nas dez regiões de Minas Gerais. O programa, que representa a ampliação do Estado para Resultados, é mais um passo na regionalização da gestão governamental, uma das prioridades do governo Antonio Anastasia, e já se encontra em desenvolvimento de forma piloto nas regiões do Rio Doce e no Norte de Minas. O Comitê Regional da Mata tomou posse no dia 9 de fevereiro, na Cidade Administrativa, ao lado dos comitês do Jequitinhonha/ Mucuri; Sul de Minas e Triângulo.

Na abertura dos trabalhos, o subsecretário de Planejamento, Orçamento e Qualidade do Gasto, André Reis, destacou a importância de se perceber a região por meio do olhar de cada um dos presentes, reforçando o caráter transversal desta iniciativa. “Vamos explorar essa capacidade de trabalhar de forma multidisciplinar, para que seja possível construir as estratégias para a Zona da Mata de forma aberta e participativa”, disse ele.

Após a apresentação de cada um dos membros do comitê e dos convidados, a superintendente central de Coordenação Geral, Silvia Listgarten Dias, apresentou o painel de contextualização do trabalho e a metodologia de priorização e integração da estratégia governamental. Ela citou o Choque de Gestão e o Estado para Resultados, ciclos anteriores do Governo de Minas, para ressaltar as metas do novo modelo, que considera as características de um estado grande e diversificado.

Compartilhamento

“Depois de buscar o equilíbrio nos gastos públicos e de levar resultados concretos para a população, nosso desafio maior agora é consolidar essa evolução, com a Gestão Para a Cidadania. Vamos trazer para o debate de hoje qual é a lógica da Zona da Mata, para que possamos construir canais efetivos de interação plena entre governo e sociedade. É preciso que vocês articulem discussões entre si e isso irá exigir um esforço compartilhado de cada um de nós”, afirmou a superintendente.

Na etapa seguinte, os representantes regionais foram instados a listar características socioeconômicas da Zona da Mata e seus maiores desafios. Em seguida, foram apresentados pela Seplag, vários painéis com indicadores das 11 redes de desenvolvimento integrado na região: Educação e Desenvolvimento do Capital Humano; Tecnologia e Inovação; Identidade Mineira; Infraestrutura; Desenvolvimento Econômico Sustentável; Cidades; Desenvolvimento Rural; Atendimento em Saúde; Desenvolvimento Social e Proteção; e, por fim, Defesa e Segurança.

Essas redes, que estão estabelecidas no Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado (PMDI 2011-2030), foram criadas para promover a cooperação e a integração entre agentes e instituições, em torno de grandes escolhas para o futuro de Minas Gerais.

Durante a apresentação dos indicadores, os representantes do Comitê debateram diversas demandas e carências da Zona da Mata. Membros de redes distintas – como educação e segurança, e também saúde e meio ambiente – se revezaram em participações que discorreram sobre possíveis soluções para problemas afins.

Integração

A diretora regional da Secretaria de Estado de Trabalho e Emprego (Sete) na Zona da Mata, Marta Schmidt, demonstra otimismo com o início das reuniões do comitê. “Isso representa um grande avanço para a implementação das políticas públicas na região. É um grande passo para integrar as secretarias, estruturando a comunicação entre os órgãos regionais do governo na busca pelas melhores soluções. Acredito que dessa forma podemos colocar efetivamente a sociedade como protagonista dessas ações para nossa região”, declarou.

De acordo com a diretora regional da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese) de Muriaé, Ana Maria Silveira Reis, esse encontro reforça a necessidade de que todas as entidades governamentais trabalhem de forma intersetorial e transversal. “Às vezes se envolve muito esforço por parte de duas ou três secretarias, por exemplo, em programas diferentes, visando o cidadão. Mas na verdade, o que deveria ser feito é identificar qual a demanda daquele cidadão e qual ação deve ser voltada para ele”, disse ela.

Para o subsecretário da Seplag, André Reis, essa reunião foi a mais positiva até o momento, em relação às possibilidades de discussão intersetorial. “Eles demonstraram muito preparo, sabendo que o recado era exatamente esse, trazendo questões que envolviam essa atuação multidisciplinar. Eles não vieram falar da sua própria política, mas sim de que forma sua política pode conversar e interagir com outra proposta”, explicou, ao final do encontro.

Em 29 de fevereiro será realizada a primeira reunião do Comitê Regional do Jequitinhonha/Mucuri, em Teófilo Otoni. Em março acontece a primeira reunião no Sul de Minas, em Varginha, e em abril é a vez do Triângulo. Os encontros irão ocorrer de três em três meses. Em maio próximo tomam posse os membros dos comitês regionais das regiões do Noroeste; Alto Paranaíba; Centro-Oeste e Central, totalizando a formação de comitês nas dez regiões de planejamento do Estado.

O trabalho de coordenação do Estado em Rede é de competência conjunta da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão; Secretaria de Estado de Casa Civil e Relações Institucionais (Seccri); Ouvidoria Geral do Estado (OGE) e Secretaria de Estado do Governo (Segov).

Fonte: Agência Minas

Gestão Anastasia: Governança Eletrônica incrementou novos serviços ao cidadão em 2011

BELO HORIZONTE (13/01/12) – No ano passado, a governança eletrônica avançou no aprimoramento de ações para facilitar a vida do cidadão mineiro. Atualmente, a interatividade dos serviços disponíveis nos portais eletrônicos permite que várias transações sejam finalizadas totalmente pela internet, sem a necessidade do atendimento presencial. Além disso, o governo vem investindo na gestão interna, para que seja possível superar novos desafios a partir de 2012.

A porcentagem dos serviços do governo que apresentam algum nível de interação com o cidadão pela internet saltou de 25% para 68% nos últimos três anos. Uma das iniciativas que ampliou esse nível de interatividade foi a criação do projeto estruturador Governo Eletrônico, há quatro anos, para aprofundar as relações entre o governo e a sociedade. Esse projeto integrou um dos pilares do mapa estratégico do governo, denominado “Qualidade e Inovação na Gestão Pública”, gerenciado pela Superintendência Central de Governança Eletrônica (SCGE), da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag).

Para o superintendente da Central de Governança Eletrônica, Rodrigo Diniz, é fundamental que o governo esteja bem estruturado internamente, para que se possa avançar na prestação de serviços ao cidadão. “Não adianta o governo disponibilizar os serviços se não existir uma base sólida. Por isso estamos fortalecendo nossa estrutura de rede de dados, voz e imagem (Rede Governo) para sustentar  a integração de todos os canais do governo”, diz.

Atualmente, existem 1700 unidades administrativas com a Rede Governo implantada e 420 centrais telefônicas interligadas por VoIP (voz sobre internet). “A meta é interligar todos os prédios públicos governamentais até 2015 com uma rede de alta qualidade”, acrescenta.

No atendimento ao público, o governo consolidou o seu portal mg.gov.br e o LigMinas 155 (central de atendimento telefônico), além de outros canais de comunicação. A partir de agora, o objetivo é incrementar a integração desses canais, facilitando a transversalidade – uma nova filosofia de trabalho no Governo de Minas, que prevê a participação multidisciplinar entre diversos órgãos e secretarias na execução de um mesmo programa, por exemplo.

Outro desafio é investir na regionalização, outra prioridade do Governo de Minas. O Estado em Rede, que teve início em 2011, busca integrar a sociedade no planejamento das ações do Estado, aproximando a estratégia central com as necessidades e particularidades regionais. “O enfoque do governo eletrônico a partir de 2012 é suportar da melhor maneira possível a gestão em rede”, conta.

Nova política

Como forma de garantir ao cidadão um de seus direitos básicos, que é o de obter informações corretas e seguras sobre os serviços públicos disponíveis, o Governo de Minas publicou, em 27 de setembro de 2011, o Decreto 45.743, que institui a Política de Atendimento ao Cidadão.

Para melhor prestação de serviços, o decreto prevê que órgãos e entidades públicas devam manter canais de atendimento eletrônico e presencial. Os canais eletrônicos devem dispor dos sites de informação, da Linha de Informação do Governo (LigMinas) e mensagens pelo celular (SMS).

A exemplo do que já ocorre nas Unidades de Atendimento Integrado (UAIs) e Minas Fácil, o atendimento presencial deve facilitar o acesso do cidadão ao serviço público. Segundo o decreto, as informações obtidas via atendimento eletrônico têm a mesma validade das obtidas presencialmente.

Fica garantida também a preservação do sigilo dos dados pessoais de quem solicitou as informações e somente servidores credenciados por seus órgãos e entidades poderão ter acesso aos dados fornecidos. “O decreto foi de grande importância, pois estabelece diretrizes para a prestação de serviços públicos.

A partir deste semestre, vamos planejar a implantação dessa política, desenvolvendo várias ações nesse sentido”, explica o superintendente.

Atualmente, a base do portal do governo tem cerca de 1200 serviços disponíveis para o cidadão, classificados de acordo com três níveis de integração com o público: informacional, que apenas disponibiliza a informação na internet; interativo, em que o cidadão faz a consulta e baixa o formulário; e o transacional, em que todas as etapas são executadas pela internet.

Destaque

O Governo de Minas também foi premiado no Anuário TI & Governo 2011, com o projeto “A prestação de serviços por meio de terminais de autoatendimento”. Esses terminais estão instalados nas Unidade de Atendimento Integrado (UAIs) e Detran/MG, e têm como objetivo principal a redução de filas nos postos de atendimento e o acesso a serviços – que atualmente estão na internet – a usuários que não têm como acessá-los.

Em 2012, a Secretaria de Estado de Fazenda, em parceria com a Seplag e a Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais (Prodemge), pretende implantar a nova contabilidade pública, de acordo com as resoluções da Secretaria do Tesouro Nacional (STN), em uma nova plataforma tecnológica denominada GRP Minas (Gestão, Resultados e Processos), que reunirá todas as informações corporativas em uma só base de dados.

Fonte: Agência Minas

Governo Antonio Anastasia: servidores da Seplag se destacam no 6º Prêmio Excelência em Gestão Pública

 

BELO HORIZONTE (12/12/11) – A realização do 6º Prêmio Excelência em Gestão Pública em 2011 demonstra que, com boas ideias, podem surgir soluções inovadoras na administração pública. Os servidores premiados elaboraram alternativas viáveis na atuação do poder público em diversas esferas.

É o caso da equipe de Leonardo Carvalho Ladeira, diretor da Central de Coordenação da Ação Governamental, da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag),  premiada com o projeto “Participação e Regionalização da Estratégia Governamental em Minas Gerais”.

Eles obtiveram o 1º lugar na categoria “Experiências e iniciativas de sucesso implementadas ou em processo de implementação com suporte técnico / financeiro”. O projeto sugere a implantação de comitês regionais e a realização de encontros e fóruns regionais em diversas regiões do Estado, além da criação da Câmara Multissetorial e do Comitê Estratégico, permitindo uma atuação mais abrangente e descentralizada do Governo de Minas.

“É um piloto que começou em setembro de 2010, envolvendo  todo o Estado, e que contempla as ações da terceira fase do Choque de Gestão. Ou seja, promover uma gestão regionalizada, com participação ativa da população”, destaca Ladeira. A servidora Bárbara Nascimento Martins enfatiza o comprometimento dos colegas e a eficiência do trabalho apresentado. “Foi um grande incentivo para a equipe participar do 6º prêmio. Nosso projeto adota mecanismos importantes, como os encontros regionais, que apontam as prioridades eleitas como necessárias para a sociedade civil”, disse. Essa proposta está integrada ao Projeto Estruturador do Estado em Rede, que em 2011 teve início em duas regiões: Rio Doce e Norte de Minas.

Para a secretária de Estado de Planejamento e Gestão, Renata Vilhena, o caminho ideal para um governo eficiente é a busca constante pela inovação. “Um dos principais direcionadores do governo em gestão é inovar. E nada melhor do que buscar inovação entre os servidores, que são os que mais conhecem a realidade da administração pública. O prêmio é uma forma saudável de incentivo à inspiração, à inovação, e ficamos felizes por constatar que, a cada ano, os trabalhos apresentados ganham em qualidade, em abrangência e aplicabilidade, para Minas e para todo Brasil”, disse ela.

Estagiários

Na categoria estagiário, na modalidade “Experiências e ideias inovadoras implementáveis”, Thiago Thales Ribeiro e Andre Almeida Reggiani, da Seplag, também conquistaram o 1º lugar com o Projeto Web 2.0 Wiki. “Pensamos em criar uma forma de organizar as informações do Governo de Minas em um único lugar, para que todos conheçam os programas e projetos do Estado, e possam colaborar, inserindo informações sobre sua secretaria dentro de uma única página na internet”, disse Thiago.

Outros vencedores

Os servidores Vânia de Freitas Drumond, Érica Tolentino Santos Gonçalves e Nilmar Paulo Fortes, da Secretaria de Estado de Saúde, utilizaram recursos de tecnologia da informação para criar o software Sistema de Controle de Teto Financeiro (Siscotef). “É uma alternativa eficaz para o gasto inteligente, pois é capaz de determinar se um município manda para o Estado um orçamento maior do que o previsto. Temos as despesas controladas”, disse Vânia.

O turismo foi o destaque da categoria “Experiências e ideias inovadoras implementáveis”, com o projeto “Os 10 anos do programa de Regionalização do Turismo de Minas Gerais: Desafios para o avanço da polítca pública do turismo”, de autoria das servidoras, Isabela Rosa Sette e Marcela Pimenta Campos Coutinho, da Secretaria de Estado de Turismo.

Publicação confere prêmio a servidor da Seplag

A Plano Editorial, empresa paulista responsável pela publicação do Anuário TI & Governo edição 2011, vai conferir prêmio ao servidor Damião José Rodrigues da Rocha, diretor da Central de Gestão dos Canais de Atendimento Eletrônico, da Seplag. Especializada em publicações que envolvem administração e serviço públicos, o Anuário TI reconheceu o trabalho desenvolvido por Damião e sua equipe na implantação dos terminais de autoatendimento do Governo de Minas, que oferecem serviços essenciais aos cidadãos. O objetivo desses terminais é agilizar os atendimentos presenciais e diminuir as filas nos postos das Unidades de Atendimento Integrado (UAI). “De fato, é um reconhecimento importante diante de todas as práticas de governo”, conta Damião. Atualmente, as UAIs contam com 27 unidades no Estado, com acesso a serviços envolvendo Detran, DER, Copasa e Ipsemg, entre outros. A cerimônia de entrega do prêmio está prevista para a segunda quinzena de janeiro, ainda sem local definido.

Fonte: Agência Minas