Arquivos do Blog

Governador Anastasia assina protocolo de intenções para investimentos privados em Uberlândia

B2W e Lojas Americanas, Souza Cruz e Grupo Carol Sodru vão investir cerca de R$ 300 milhões
Wellington Pedro/Imprensa MG
Anastasia assinou protocolo de intenções com a B2W Companhia Global de Varejo e a Lojas Americanas
Anastasia assinou protocolo de intenções com a B2W Companhia Global de Varejo e a Lojas Americanas

O governador Antonio Anastasia assinou, nesta sexta-feira (10), durante visita a Uberlândia, protocolo de intenções com a B2W Companhia Global de Varejo e a Lojas Americanas, para a implantação de dois centros de distribuição, naquele município do Triângulo Mineiro. Com investimentos da ordem de R$ 150 milhões, a expectativa é que os empreendimentos gerem 1.500 empregos diretos e 800 indiretos até 2013, quando deverão entrar em operação. O documento foi assinado pela presidente da Lojas Americanas, Ana Cristina Ramos Saicali.

A Souza Cruz, que tem em Uberlândia a maior fábrica de cigarros da América Latina, informou ao governador investimentos, neste ano, de R$ 140 milhões, para modernização da unidade. A empresa poderá ampliar os investimentos em R$ 250 milhões, até 2015. Já o presidente da Carol Sodru S.A anunciou a transferência da matriz, localizada em São Paulo, para Uberlândia, em que pretende investir cerca de R$ 5 milhões.

Ao comentar esses investimentos, Antonio Anastasia afirmou que o papel do Estado é desburocratizar e criar um ambiente favorável à atração de negócios.

“Estamos muito felizes, porque esses anúncios hoje, aqui em Uberlândia, demonstram que Minas Gerais está correta na sua política de atração de investimentos. Estamos atraindo investimentos em todos segmentos econômicos, na agropecuária, na indústria, nos serviços. Agora temos um esforço ainda maior porque queremos diversificar a economia mineira. Essa diversificação significa não só ficarmos dependentes do minério e do café, que são produtos fundamentais para a nossa economia, mas é importantíssimo que tenhamos indústrias importantes e serviços que, aliás, demonstram a nova economia do século XXI”, afirmou.

O prefeito de Uberlândia, Odelmo Leão, destacou que o município tem seu desenvolvimento vinculado à parceria que mantém com o Estado, a qual deveria servir de exemplo para todos os prefeitos. “Sem essa parceria entre a prefeitura e o Governo de Minas haveria mais dificuldades para gerar emprego e renda para a população”, afirmou

Lojas Americanas

O centro da B2W será destinado exclusivamente à armazenagem, manuseio e despacho de mercadorias comercializadas na modalidade de comércio eletrônico e telemarketing (e-commerce). O centro de distribuição das Lojas Americanas vai repassar mercadorias para seus estabelecimentos comerciais (lojas físicas). Os dois centros irão atender os mercados de Minas, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Roraima e Acre.

A B2W Companhia Global do Varejo é uma empresa de comércio eletrônico criada no final de 2006 pela fusão entre Submarino, Shoptime e Americanas.com. Controlada pelas Lojas Americanas (54,56% do capital social), detém as marcas Lojas Americanas, Submarino, Shoptime, bem como as subsidiárias Ingresso.com, B2W Viagens e Submarino Finance. O grupo ainda controla as operações da Blockbuster no Brasil.

Souza Cruz

A Souza Cruz vai investir, este ano, R$ 140 milhões na modernização de sua fábrica de cigarros em Uberlândia, no Triângulo Mineiro. Existe a possibilidade de a empresa fazer outros investimentos, que podem chegar a R$ 250 milhões, até 2015. Segundo a empresa, a decisão da compra de máquinas e equipamentos foi tomada após medidas do Governo do Estado no sentido de desburocratizar o processo para importação de maquinário sem similar no mercado nacional. Essas medidas ajudaram decidir pela realização dos investimentos em Uberlândia.

A Souza Cruz implantou a unidade de Uberlândia há 34 anos.  Com 1.100 empregados, a unidade é a maior da América Latina e responsável pelo atendimento de 40% do mercado brasileiro.  A empresa informou que gera R$ 300 milhões por ano em Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e injeta R$ 70 milhões na economia de Uberlândia. Está entre as cinco maiores empresas pagadoras de impostos do Brasil.

Carol Sodru

Durante reunião no gabinete do prefeito Odelmo Leão, os diretores da Carol Sodru S.A anunciaram a transferência da matriz, localizada em São Paulo, para Uberlândia. Serão investidos cerca de R$ 5 milhões e a nova sede da empresa será instalada em uma área de 1.300 metros quadrados. A expectativa é que a matriz da Carol Sodru seja inaugurada ainda neste semestre, com a geração imediata de cerca de 100 postos de trabalho. Nos próximos cinco anos, o número de vagas pode saltar para 150. Além do novo escritório, os investimentos serão usados para compra de materiais de suporte tecnológico, transferência e contratação de profissionais qualificados. Também a sede da Lider Armazéns Gerais, empresa do grupo, será transferida de São Paulo para Minas Gerais, com aproximadamente oito profissionais de logística e transbordos.

No plano de investimentos da empresa para os próximos cinco anos, a intenção é construir uma Unidade Beneficiadora de Sementes (UBS), com cerca de 30 profissionais, incluindo agrônomos para trabalhar com melhoramento genético. Outro projeto é a aquisição de uma planta industrial para moagem de soja e transformação em óleo, farelo e biodiesel, que contará com cerca de 120 profissionais (executivos, engenheiros e operários).

A Carol Sodru é uma joint venture, criada em 2010, entre o grupo russo Sodrugestvo (51%) e a Cooperativa dos Agricultores da Região de Orlândia (49%) e atua na produção de óleo e farelo de soja. A Sodrugestvo detém a maior processadora de soja da Europa (3.300 toneladas por dia). No Brasil, a empresa emprega 580 pessoas, sendo que no pico da safra o número de postos pode chegar a mil.

O presidente da Carol Sodru, Roger Maynard, disse que as perspectivas da empresa com a transferência para o Triângulo são muito grandes. “Uberlândia é a porta do Cerrado. A localização geográfica e a infraestrutura da cidade é muito positiva para o desenvolvimento da empresa que está vindo para o Brasil”, afirmou.

Repasse

O governador autorizou ainda o repasse da segunda parcela de R$ 9 milhões para custeio e manutenção do Hospital e Maternidade Municipal Dr. Odelmo Leão Carneiro. Os recursos são fruto de convênio assinado em 2011, no valor total de R$ 18 milhões. Desde 2007, o Governo de Minas já repassou para o Hospital cerca de R$ 59,5 milhões, incluindo recursos para obras.

O Hospital Municipal é um hospital geral, de média complexidade, com 258 leitos, sendo 30 de UTI adulto e 28 de UTI Neonatal, e capacidade para 900 atendimentos/mês. Com mais de 55 mil metros quadrados de construção, o projeto atende aos mais exigentes padrões de qualidade hospitalar, adotando conceitos inteligentes, como manutenção de baixo custo e processos ecologicamente corretos.

Viaduto

O governador participou também da abertura ao tráfego do viaduto entre os cruzamentos das avenidas João Naves de Ávila e Rondon Pacheco. A estrutura, de 235 metros de comprimento, 22 de largura e seis pistas de rolamento, três em cada sentido, consumiu R$ 24 milhões, sendo R$ 12 milhões recursos do Governo de Minas e os outros R$ 12 milhões contrapartida do município. A obra beneficiará 25 bairros. Durante a construção, 200 empregos foram gerados.

O viaduto integra o programa viário “Uberlândia Integrada”, que também conta com a participação do governo do Estado com investimentos da ordem de R$ 48 milhões.  Mais de 50% das obras de drenagem pluvial, pavimentação, urbanização, sinalização e iluminação estão concluídas. Pedestres e ciclistas também serão beneficiados com a construção de faixas elevadas para travessia de pedestres, calçadão, ciclovia e áreas verdes.

Fonte: Agência Minas

Gestão Anastasia: mudanças no modelo de Assistência à Saúde Ipsemg já estão em vigor

Novas regras, que foram negociadas com sindicatos e aprovadas pela Assembleia Legislativa, visam melhorar atendimento aos usuários

Carolina Sousa/Ipsemg
Novas regras visam o aprimoramento dos serviços de saúde oferecidos aos beneficiários do Ipsemg
Novas regras visam o aprimoramento dos serviços de saúde oferecidos aos beneficiários do Ipsemg

Já estão em vigor as novas regras de assistência à saúde do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais (Ipsemg) estabelecidas pela Lei Complementar 121/2011, aprovada pela Assembleia Legislativa em dezembro. As mudanças – que foram negociadas com diversos sindicatos que representam os servidores públicos – visam melhorar o atendimento aos usuários (servidores, dependentes e pensionistas) e, ao mesmo tempo, proporcionar o equilíbrio financeiro do Instituto.

Entre os benefícios para os servidores está a manutenção da gratuidade do plano para os dependentes com idade até 21 anos, que atualmente somam mais de 100 mil. Além disso, foi ampliado o limite de idade dos filhos dependentes, independente se são estudantes ou solteiros. Os filhos com idade entre 21 e 35 anos poderão ser beneficiários, pagando, como contribuição, o valor do piso de R$ 30,00.

Outra alteração na legislação beneficia especialmente professores e demais servidores que têm mais de um cargo no Estado. Atualmente, existem aproximadamente 33 mil servidores nessa condição. No modelo anterior, esses profissionais eram obrigados a contribuir mais de uma vez. Com a nova Lei, será cobrada apenas uma contribuição, prevalecendo o valor do vínculo de maior remuneração.

Ampla negociação

As alterações no modelo de Assistência à Saúde Ipsemg foram negociadas e aprovadas por diversos sindicatos que representam servidores públicos de várias categorias.

Antes do envio das propostas à Assembleia Legislativa foram feitas várias reuniões para discutir as medidas, das quais participaram as seguintes entidades: Sindicato Único dos Trabalhadores na Saúde (Sind-Saúde), Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público de Minas Gerais (Sindpúblicos), Sindicato dos Servidores do Ipsemg (Sisipsemg), Sindicato dos Técnicos de Tributação, Fiscalização e Arrecadação (Sinffaz), Sindicato dos Médicos (Sinmed), Sindicato dos Especialistas em Educação (Sindesp G), Associação Sindical dos Trabalhadores em Hospitais (Asthemg) e Associação dos Servidores do Instituto Mineiro de Agropecuária (Assima).

Sustentabilidade financeira

Um dos objetivos das alterações no modelo de Assistência à Saúde Ipsemg é equilibrar as finanças do Instituto e, consequentemente, viabilizar a sua sustentabilidade a médio e longo prazo. Uma das mudanças estabelecidas pela nova lei é a instituição de um piso de contribuição no valor de R$ 30. Já o teto de contribuição passa dos atuais R$ 232 para R$ 250. Atualmente, 359 mil beneficiários do Ipsemg não contribuem e 161 mil contribuem com valores entre R$ 1 e R$ 30.

A proposta prevê ainda que os dependentes que não são filhos – como cônjuge, companheiro, pensionista e outros – contribuirão com o valor de 3,2% da remuneração do titular. Para este caso, também será aplicado o piso de R$ 30. O somatório das contribuições do segurado e dos dependentes nesta situação não poderá exceder o teto de R$ 250.

Importante ressaltar que a assistência à saúde dos servidores é um benefício facultativo, ou seja, que podem ou não ser adotados pelos estados. Em algumas unidades da federação – como Amapá, Amazonas, Espírito Santo, Maranhão, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Sergipe e Tocantins – decidiram não oferecer essa prestação de serviços aos servidores. “O Governo de Minas não só optou por oferecer este benefício como está trabalhando para aprimorá-lo e torna-lo sustentável”, afirma a presidente do Ipsemg, Jomara Alves da Silva.

Novo modelo

Além disso, o novo modelo de Assistência à Saúde Ipsemg se aproxima muito do adotado em outros Estados brasileiros. Na Bahia, por exemplo, o valor mínimo de contribuição por usuário é de R$ 26, contra os R$ 30 que estão sendo sugeridos em Minas. Já o valor máximo de contribuição em Minas será de R$ 250, contra R$ 290 na Bahia.

No caso da contribuição máxima, Minas terá um dos valores mais baixos do país (R$ 250), na comparação com outros Estados. No Pará, por exemplo, a contribuição máxima é de R$ 500, no Mato Grosso de R$ 323, em Santa Catarina R$ 320 e em Goiás, R$ 295.

O Ipsemg encerrou o ano de 2011 contabilizando a realização de mais de 11 milhões de procedimentos (consultas, exames, internações e cirurgias) contra 9,1 milhões registrados em 2010 e 6,3 milhões executados em 2005. Cada beneficiário realizou, em média, 2,4 consultas por ano e 3,6 exames por consulta. “Com as novas regras, será possível manter o plano de saúde dos servidores e seus dependentes inscritos e oferecer serviços com mais qualidade e segurança”, conclui a presidente do Instituto, Jomara Alves da Silva.

Fonte: Agência Minas