Arquivos do Blog

Gestão Anastasia: Secretaria de Saúde alerta – Quatro regionais ainda não atingiram a meta de vacinação

Municípios das Gerências Regionais de Alfenas, Barbacena, Juiz de Fora e Ubá têm índice baixo de vacinação. População tem até amanha para ser imunizada.

Nesta sexta-feira (01) termina o prazo estipulado pelo Ministério da Saúde para o fim da 14ª Campanha Nacional de Vacinação Contra a Gripe. Em Minas Gerais, a campanha, que completa mais de 25 dias de atuação, já imunizou 2.407.192 pessoas, atingindo a cobertura de 77,92% contra 81,33% registrados no mesmo período do ano passado.

Segundo a Coordenadora de Imunização da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais, Tânia Brant, “é imprescindível que os grupos se atentem ao prazo da campanha e tenham consciência sobre sua importância. A sociedade deve optar pela prevenção, excluindo comportamentos que podem prejudicar à saúde dos demais. Não basta o Governo ofertar uma atenção qualificada à saúde, o papel desempenhado pelo cidadão é fundamental para o controle e melhora da saúde no Estado como um todo”, destacou.

De acordo com dados do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI), levantados nesta quinta-feira (31), umas das regiões que apresentam menor índice de adesão é a Gerência Regional da Saúde (GRS) de Alfenas, com 55.334 doses já aplicadas. A GRS possui 28 municípios e em cidades como Santa Cruz de Minas, Guaxupé, Nazareno e Lagoa Dourada o índice de imunização em determinados grupos chegam a menos que 50%. Em compensação, municípios como Bandeira do Sul, Conceição da Aparecida, Divisa Nova e Fama, apresentam índice acima de 100% de grupos de risco à Campanha.

Em Juiz de Fora, 101.711 doses foram aplicadas. A Gerência Regional de Juiz de Fora responde por 37 municípios e cidades como Santos Dumont, Juiz de fora e Liberdade ainda não alcançaram a meta de 80% de imunizados.  Por outro lada, municípios como Simão Pereira, Rio Preto, Chiador e Chácara, apresentam índice acima de 100% de imunização dos grupos de risco.

Em 31 municípios da GRS de Barbacena, 52.1056 vacinas foram dadas. Alfredo Vasconcelos, Piranga e Casa Grande,  tiveram menos de 50 % da população imunizada. Em contrapartida, em Senhora dos Remédios e Antônio Carlos, atingiram mais de 100% da meta de vacinação nos grupos de riscos.

A GRS de Ubá, que possui 25 municípios, atingiu 78,43% da cobertura de vacinação esperada, o que corresponde a 61.120 doses aplicadas. Cidades como Jacinto, Jequitinhonha e Cachoeira do Pajeú o índice total de imunização estão abaixo dos 70%. Mas cidades como Comercinho e Medina, apresentam índice de cobertura superior a 99%.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/secretaria-de-saude-alerta-quatro-regionais-ainda-nao-atingiram-a-meta-de-vacinacao/

Governo de Minas: maior parte dos turistas que visitam a Zona da Mata busca lazer

Pesquisa do Estado revela que 55% dos entrevistados viajaram à região a passeio

Gil Leonardi/Imprensa MG
Parque Estadual do Ibitipoca, na Zona da Mata
Parque Estadual do Ibitipoca, na Zona da Mata

A maior parte dos turistas que visitaram a Zona da Mata em 2011, viajou a passeio. A constatação foi feita pela Pesquisa de Demanda Turística, realizada pela Secretaria de Estado de Turismo de Minas Gerais (Setur). Os dados mostram que 54,7% dos visitantes optaram pela região para o lazer.

O principal atrativo são as atividades de ecoturismo, que alcançaram 70% da preferência. Os circuitos do Pico da Bandeira e da Serra do Ibitipoca estão entre os mais procurados na região. O Pico da Bandeira está localizado no Parque Nacional do Caparaó, na Serra do Caparaó, na divisa entre os municípios de Alto Caparaó (MG) e Ibitirama (ES). O Pico é o ponto mais alto dos dois estados, assim como de toda a Região Sudeste do Brasil. É também o terceiro ponto mais alto do País, com 2.891,98 metros de altitude.

Integra o circuito turístico, além das duas cidades: Alto Jequitibá, Caiana, Caparaó, Carangola, Dores do Rio Preto (no Espírito Santo), Durandé, Espera Feliz, Faria Lemos, Luisburgo, Manhuaçu, Manhumirim, Martins Soares, Mutum, Pedra Dourada, Reduto, Santana do Manhuaçu, São João do Manhuaçu, Simonésia e Tombos. A pesquisa mensurou o nível de satisfação dos visitantes do Pico da Bandeira e o resultado foi equivalente à nota oito.

Já o Circuito Serras do Ibitipoca, localizado em uma das mais belas regiões da Serra da Mantiqueira, é privilegiado por belezas naturais que proporcionam paisagens inesquecíveis. É o lugar perfeito para contemplação, aventura, descanso e belas fotografias. O circuito alcançou a nota de 8,4, a maior da Zona da Mata, e é composto pelos municípios de Lima Duarte (Distritos: Sede, Conceição de Ibitipoca, São Domingos da Bocaina e Lopes), Bias Fortes, Bom Jardim de Minas, Ibertioga, Santana do Garambéu, Pedro Teixeira, Rio Preto, Santa Rita de Ibitipoca e Santa Rita de Jacutinga.

Perfil dos viajantes

De acordo com a pesquisa do Governo de Minas, na Zona da Mata, 60% dos visitantes eram oriundos do próprio Estado, 23% do Rio de Janeiro, 6,6% de São Paulo e 4,8% do Espírito Santo. A maioria, 60%, eram homens e solteiros (62%), com idade entre 21 e 30 anos (45,5%). No quesito escolaridade, 52,5% possuíam curso superior. Os visitantes permaneceram, em média 4,2 dias nas viagens pela Zona da Mata, com um valor de gasto médio por pessoa de R$ 408,38.

Estabelecimentos

Segundo dados da RAIS (Relação Anual de Informações Sociais), levantados pelo Ministério do Trabalho e Emprego e apurados pela Setur-MG na região da Zona da Mata, a taxa média de crescimento do número de estabelecimentos ligados à atividade turística, de 2006 a 2010, correspondeu a 4,8%, com o número saltando de 4.869 estabelecimentos em 2006 para 5.584 em 2010. Em relação ao número de pessoas empregadas pelo setor, a taxa média de crescimento foi de 4,2%. Em 2006, as atividades turísticas empregavam 26.629 pessoas; em 2010 este número chegou a 31.388 trabalhadores.

Números no Estado

Dados mais abrangentes da pesquisa mostraram que, no geral, os visitantes permaneceram, em média 5,4 dias nas viagens pelo Estado, com um valor de gasto médio por pessoa de R$ 538,56, superando em 62% os gastos de 2010 (R$ 332,21). Já os turistas que mais gastam são aqueles que viajam a negócios. Este público registrou em média, o maior gasto individual durante a viagem com um valor de R$ 955,35 seguidos pelos visitantes motivados pelo turismo rural (R$ 516,16), bem-estar (R$ 460,66), natureza e aventura (R$ 460,66) e cultural (R$ 369,95).

De acordo com o secretário de Estado de Turismo, Agostinho Patrus Filho, os números da pesquisa demonstram o crescimento da economia do turismo no Estado, especialmente na geração de receita e distribuição de renda. “Quanto maior é o gasto do turismo, maior é o benefício para a atividade e para toda a cadeia de prestação de serviços, que amplia seus negócios e seus ganhos de mercado. Devemos lembrar que Minas Gerais e o Brasil, a partir de agora, irão receber grandes eventos internacionais, o que poderá favorecer, ainda mais, o crescimento deste gasto médio e a permanência do visitante”, destaca.

Os entrevistados também foram questionados sobre qual a primeira imagem que eles lembram ao ouvir as palavras “Minas Gerais”. Em primeiro lugar a imagem mais lembrada foi das montanhas (10,8%), seguido da gastronomia (6,5%) e do pão de queijo (6,4%).

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/maior-parte-dos-turistas-que-visitam-a-zona-da-mata-busca-lazer/


Governo de Minas: farmácia de Minas humaniza atendimento a pacientes na Zona da Mata

Região já tem 42 unidades, que disponibilizam 162 tipos de medicamentos
Divulgação/Prefeitura Municipal
A farmacêutica Dhyemila Mantovani, de Patrocínio de Muriaé, hoje consegue dar mais atenção à população
A farmacêutica Dhyemila Mantovani, de Patrocínio de Muriaé, hoje consegue dar mais atenção à população

Ar-condicionado, água gelada, cadeiras confortáveis, ambiente claro e arejado. O espaço, todo em branco e verde, é onde funciona a unidade farmacêutica do programa Farmácia de Minas, que realiza a distribuição de medicamentos para as populações carentes de 42 municípios com até 30 mil habitantes na Zona da Mata. A iniciativa é do Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), e o objetivo do programa é garantir o acesso da população a medicamentos gratuitos voltados para a atenção primária à saúde, melhorando a assistência farmacêutica e incentivando a busca ativa do paciente.

Em Patrocínio do Muriaé, a Farmácia de Minas, inaugurada em setembro de 2011, está ajudando a mudar a vida de muita gente. Dhyemila de Paula Mantovani, farmacêutica responsável da unidade, relata que, hoje, é possível conhecer melhor a pessoa, adequando o atendimento. “Antes eu fazia só a dispensação do medicamento, porque não tinha como dar assistência. A gente trabalhava em um cubículo, abria a metade de cima da porta e fazia as entregas”, conta.

Como exemplo, ela cita uma paciente que sofre de surto psicótico e, constantemente, precisava ser internada. “Depois que abriu a Farmácia de Minas, ela nunca mais foi internada. Descobri que ela conseguia ler e anotei em todas as caixinhas dos medicamentos as orientações de como ela deveria tomar cada um”, lembra. A paciente faz uso de prometazina, clorpromazina, aloperidol e biperideno. “Hoje ela vem mais à farmácia, percebi que ela aderiu ao tratamento com mais facilidade. Isso porque tive a possibilidade de trabalhar mais diretamente com ela”, afirma.

A farmacêutica aponta também o trabalho desenvolvido com os pacientes diabéticos do município. “Antes tínhamos contato apenas com pacientes diabéticos que usavam medicamentos hipoglicemiantes orais. Depois da nova estrutura, pude trazer as insulinas para a farmácia, graças ao refrigerador e, hoje, temos contato também com os pacientes insulino-dependentes. Antes não havia local adequado para armazenamento”, destaca.

Geraldo de Oliveira Martins, diabético há mais de 20 anos, é um dos beneficiados. “Antes os postos eram muito restritos, pela limitação, só era possível fazer a entrega. Agora com as insulinas aqui, melhorou muito a relação humana. O local antes dificultava a interação, o contato. Às vezes o paciente não precisa só pegar o remédio, ele precisa de uma atenção e, com essas farmácias, isso é possível hoje”, conclui.

A Farmácia de Minas de Patrocínio de Muriaé atende a aproximadamente 130 pacientes por dia.

Mais comodidade e acesso facilitado

Em Vieiras, a Farmácia de Minas também foi inaugurada em setembro de 2011 e, atualmente, atende a cerca de 150 pacientes por dia. Walfrido Cristian Cassin de Oliveira, farmacêutico responsável da unidade, considera que a melhoria no atendimento ultrapassou os 100%. “A comodidade para todo mundo melhorou, tanto para quem trabalha, quanto para quem é beneficiado”, ressalta.

Maria das Graças Ferreira Araújo faz uso contínuo de cinco medicamentos e confirma a melhora. “Está sendo muito bom. A gente aqui fica bem atendida. Venho todo mês e, se acaba um remédio antes, uma dipirona, eu venho de novo, porque sei que vai ter. Ficou melhor”, diz. Ela busca na Farmácia de Minas clorpromazina, carbamazepina, glidenclamida, metiodopa e dipirona.

Hipertensa, Sônia do Carmo Silva Souza vai todo mês à Farmácia de Minas na cidade de Presidente Bernardes, e considera que a nova unidade facilitou o acesso. “Achei a nova estrutura muito boa, uma sala bem confortável, duas atendentes, ficou mais fácil buscar o remédio e até uma orientação”, opina.

Christina Cerneiro Faria, farmacêutica responsável da unidade, que foi inaugurada em agosto de 2011, destaca a melhoria para todos os usuários. “Hoje temos mais equipamentos, internet, até mais funcionários. A espera também melhorou, é mais rápido e ninguém fica em pé, não tem mais fila”, conta.

Ela cita também o Sistema Integrado de Gerenciamento da Assistência Farmacêutica (Sigaf), utilizado pela Rede Farmácia de Minas. “Pelo Sigaf fazemos o cadastro dos pacientes, hoje de uma forma bem mais organizada, melhorando nosso controle. Um exemplo são os pacientes de medicamentos excepcionais, antes não havia nenhum cadastrado, agora já temos 18”, comenta. Os medicamentos excepcionais são aqueles para o tratamento da Tuberculose, Hanseníase, Endemias Focais, DST/Aids e tam¬bém Sangue e Hemoderivados.

Rede em expansão

Atualmente, 200 cidades do Estado já têm unidades do Farmácia de Minas e disponibilizam para a população 162 tipos de medicamentos. Apenas em 2011, o governador de Minas Antonio Anastasia inaugurou 32 unidades na Zona da Mata, simultaneamente a outras 168 no restante do Estado.

“A meta do Governo de Minas é chegar a 700 municípios até 2014. É bom dizer que entre 2007 e agora nós já aumentamos em mais de 70% o volume de recursos financeiros do tesouro nesse programa e aumentamos também, consideravelmente, os medicamentos disponibilizados”, afirma a governador.

Confira a lista das 42 unidades do programa Farmácia de Minas localizadas em municípios da Zona da Mata: Acaiaca, Antônio Prado de Minas, Barão do Monte Alto, Barra Longa, Bias Fortes, Bicas, Brás Pires, Cajuri, Dom Silvério, Dores do Turvo, Ervália, Eugenópolis, Goianá, Guarani, Guidoval, Guiricema, Jequeri, Lamim, Laranjal, Miraí, Paiva, Patrocínio do Muriaé, Palma, Paula Cândido, Pedra Dourada, Pedro Teixeira, Piau, Pirapetinga, Presidente Bernardes, Rio Doce, Rio Preto, Rodeiro, Santa Cruz do Escalvado, Santana de Cataguases, Santo Antônio do Grama, São Geraldo, São Miguel do Anta, São Pedro dos Ferros, Senador Cortes, Sericita e Vieiras.

Fonte: Agência Minas