Arquivos do Blog

Senador Aécio Neves diz que jovens podem renovar as forças e propostas do PSDB

Modelo de Gestão, Gestão Aécio Neves, 

Fonte :Assessoria de Imprensa do PSDB

Aécio Neves destaca importância de encontro com juventude

Senador diz que jovens podem renovar as forças e propostas do PSDB

O senador Aécio Neves (PSDB/MG) definiu o Congresso da Juventude do PSDB, realizado neste fim de semana, em Goiânia, como um dos eventos mais importantes do partido nos últimos anos. Para ele, o PSDB conta com a juventude para reforçar e renovar suas propostas e seguir unido, sem divisões internas. Aécio disse que não existe o partido dele ou de outro integrante, e sim o PSDB de todos.

O evento reuniu durante dois dias lideranças partidárias e convidados. Em seu discurso, na abertura do Congresso, Aécio disse que os jovens são fundamentais para a defesa das propostas do PSDB e o resgate de sua história.

“Falava há um ano, quando perdemos a eleição, que precisávamos refundar o PSDB. Continuo achando. Refundar não é renegar o passado e fundar um partido novo, ao contrário, é resgatar a nossa história e apresentar uma nova agenda para o futuro. E, hoje, em Goiânia, essa refundação está começando. O PSDB vai ser vigoroso, vai ser uma alternativa viável de um novo modelo de gestão do país se tivermos a nossa juventude andando de cabeça erguida, discutindo as grandes questões nacionais e propondo uma nova agenda para o Brasil.”

O senador respondeu perguntas de jovens presentes no encontro. Aécio Neves criticou o abandono de responsabilidades do governo federal nos últimos anos na educação e na saúde. Para ele, isso contrasta ao aumento da receita nas mãos da União.

“Onde houve maior incremento de receita, quem cresceu mais a participação no bolo tributário? A União. Mas, ao mesmo tempo em que cresce sua arrecadação – hoje, são mais de 65% de tudo que se arrecada nas mãos da União –, ela vai se eximindo de responsabilidades. Por exemplo, na educação. Em 1995, eram 24% a participação do governo federal no financiamento da educação no Brasil. Hoje, são 19,5%. Alguma coisa está errada”, disse

Educação com qualidade

O senador criticou a falta de avanços do governo federal na educação pública. Ele lembrou que, durante o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o acesso ao ensino público foi universalizado.

“No governo do PSDB, houve a universalização do acesso. 97% das crianças estavam matriculadas na rede pública. De lá para cá, o que houve em relação à qualidade da escola pública? Absolutamente nada, a não ser esforços dos estados. Temos o ranking da educação no Brasil hoje. O estado que tem educação fundamental e média de melhor qualidade é Minas Gerais, porque fizemos lá atrás um investimento nas crianças com seis anos de idade. Fomos o primeiro estado a colocar os meninos não com sete, mas com seis anos de idade na escola”, lembrou.

Aécio Neves apresentou proposta para a melhoria do ensino para jovens e crianças. Ele defendeu, por exemplo, alterações na estrutura do ensino médio brasileiro.

“Porque não flexibilizarmos o currículo do ensino médio, dando a ele um viés regional? Temos que preparar as pessoas para o mercado de trabalho, que elas saiam das escolas e achem que podem usar aquele aprendizado para alguma coisa”, afirmou

Poupança Jovem

Aécio também citou programas implementados durante seu governo em Minas, como o Poupança Jovem. Nele, jovens que cursam o ensino médio e, áreas com altos índices de criminalidade ganham R$ 1 mil por cada um dos três anos de ensino se cumprirem alguns requisitos. O dinheiro só pode ser sacado após a conclusão dos estudos.

“Em Minas, estamos tendo uma experiência extraordinária. No início do meu governo, fiz uma visita ao México. Conheci um programa que adaptamos com o nome de Poupança Jovem. Um programa que visava impedir que jovens de regiões de maior risco social fossem seduzidos pelo tráfico, pela criminalidade. Foram 50 mil ano passado. Eles têm que ter pelo menos 90% de presença, não podem perder média, passar por ocorrência policial e participar de algum programa de inclusão social oferecido pelo estado. No segundo ano, temos agentes que estimulam os jovens a iniciar um negócio, e o estado financia o valor. E você cria o empreendedorismo na cabeça dos jovens, cria uma alternativa. O Estado estende uma mão”, disse o senador.

Aécio Neves na chegada ao Congresso da Juventude do PSDB

Aécio Neves oposição, Corrupção no PT, privatizações

Fonte: Assessoria de imprensa do PSDB

Entrevista do senador Aécio Neves na chegada ao Congresso da Juventude do PSDB

Sobre o evento.

Hoje, o PSDB organiza um evento que, na minha avaliação, talvez seja, dentre todos o mais importante, porque nenhum partido se reconstrói, se organiza sem uma mobilização forte da sua juventude. O PSDB vem demonstrando, ao longo dos últimos anos, um vigor muito grande nessa ala do partido e a nossa presença aqui tem o sentido de mostrar que o PSDB tem todas as condições de refundar-se, de renovar o seu discurso, de voltar a falar para a sociedade, de ocupar as redes sociais, de fazer o grande contraponto ao governo que aí está, do aparelhamento e da ineficiência. Portanto, o PSDB inicia esse ano um processo de resgate do se legado, porque, se o Brasil hoje é um Brasil melhor, e ele é um Brasil melhor do que o de algumas décadas atrás, é porque houve, principalmente, o governo do PSDB, com a estabilidade da moeda, com a modernização da economia, com as privatizações, com a Lei de Responsabilidade Fiscal, com o início dos programas de transferência de renda e, passo a passo, esses avanços vêm se consolidando no Brasil. Agora, é hora de, recuperando o legado, olhar para o futuro. E vamos hoje falar sobre o futuro, sobre a educação de maior qualidade, sobre saneamento básico na casa de 50% da população brasileira que não têm, vamos falar sobre segurança pública em uma ação articulada entre estados, municípios e União. Portanto, vamos falar de saúde de qualidade a partir de um gerenciamento maior e, quem sabe, de uma ampla reforma do Estado brasileiro. Um estado que seja mais eficiente e menos aparelhado e que tenha um peso menor no seu custo. Gastamos muito mais com o Estado e pouco com as pessoas. Temos que inverter essa lógica, gastar menos com a estrutura do Estado para gastar mais com a população brasileira.

Senador, jovens do Brasil inteiro estão aqui. O PSDB é realmente um partido nacional?

Claro, o PSDB é há muito tempo um partido nacional. Um partido que já governo o Brasil por oito anos, empreendeu uma grande e profunda agenda de reformas e, portanto, está em condições, novamente, de apontar o futuro. A agenda que está em curso no Brasil hoje, a agenda que está sendo executada no Brasil, e disse outro dia e repito, há um software pirata em execução, porque essa agenda é original do PSDB. Estamos assistindo agora mesmo o PT iniciando um processo de privatização dos aeroportos sem convicção e sem qualidade. Toda hora muda seus editais, seus valores, porque eles não têm a confiança plena de que esse é o melhor modelo. Executam a agenda do PSDB porque demonstraram uma incapacidade muito grande de propor uma agenda nova. Nós, que propusemos a agenda dos últimos 20 anos do Brasil, estamos nos preparando para propor a agenda dos próximos 20 anos.

O senhor se prepara para a candidatura à Presidência em 2014? 

Digo sempre que Presidência é muito mais destino do que projeto. Vou jogar nesse time do PSDB na posição que me for designada. Do gol ao centroavante. Quero ajudar a construção de um novo modelo de país, de um novo modelo de gestão, onde a eficiência, a meritocracia prevaleçam sobre a ineficiência e o aparelhamento brutal da máquina pública. O PSDB tem a responsabilidade de dizer ao Brasil que o Brasil merece mais do que está tendo hoje. Avanços são incontestáveis, mas eles podem ser maiores. O Brasil não pode continuar surfando no ufanismo de uma situação que não é real. Temos que avançar na superação da pobreza que ainda é grande no Brasil e não apenas administrarmos a pobreza. E, no momento certo, acredito que no ano de 2013, através de prévias, que é o que eu defendo, o PSDB indicará quem é aquele que deverá empunhar essas nossas bandeiras. Mas, antes de 2014, há 2012, e é preciso que essa juventude, principalmente, seja mobilizada para termos vitórias em todo o Brasil.

Qual o recado do senhor para os jovens do PSDB?

Vou falar daqui a pouquinho.

Qual a sua opinião em relação ao livro do Amaury?

Olha, não li o livro. É uma literatura que não me interessa. Mas, quem dá o maior atestado de idoneidade à conduta do PSDB durante a o processo de privatizações, é o próprio PT.  O PT, vocês sabem, é useiro e vezeiro em utilizar a máquina pública em benefício do partido. Durante esses últimos nove anos, o PT administrou o Brasil. Se houvesse alguma irregularidade, o PT não teria investigado, tentado punir essas pessoas ou mesmo revertido algumas privatizações? E não ocorreu nada. Ao longo dos últimos nove anos, o PT na verdade avalizou o processo de privatizações que o PSDB conduziu e, agora, avança na privatização de outros setores.

Estão sempre disputando os pré-candidatos, o senhor e o José Serra. Tem algum estremecimento nesse sentido?

Pelo contrário, isso é muito mais uma pauta da imprensa. É um falso dilema. O PSDB é de todos nós. O PSDB não será de o Aécio versus o PSDB de Serra, será o PSDB de Serra, Aécio, de Fernando Henrique, de Marconi Perillo, de Geraldo Alckmin, de tantos outros brasileiros que querem um projeto novo de Brasil. Vamos estar sim unidos. Agora, defendo que, se houver mais de uma candidatura, é natural que o partido consulte as suas bases. Isso vitamina o partido, revitaliza o partido. E acho que vamos chegar fortalecidos em 2014.

Com votos de delegados ou de filiados?

O partido tem que decidir isso. Tanto faz, acho que, quanto mais ampla, é melhor. Desde que haja um cadastro adequado, e que o partido está conduzindo, acho que quanto mais filiados puderem participar desse debate, melhor para o partido.

O que o senhor achou da declaração da presidente Dilma de tolerância zero no governo em relação à corrupção?

Olha, assistimos ao longo desse primeiro ano de governo, um governo acuado, sem iniciativa parlamentar estruturante, nenhuma reforma importante foi enviada ao Congresso. E é um governo reativo, que reage às denúncias. Nenhuma dessas quedas de ministro se deu por uma ação interna do governo, porque o governo identificou através da AGU, ou de auditorias prévias, que haviam desvios, irregularidades. As denúncias surgiram a partir da imprensa, em um primeiro momento há sempre a tentativa de segurar o ministro, quando a coisa fica insustentável, o ministro cai. Vejo um governo reativo, não vejo essa faxina como algo real. Disse uma frase que repito para vocês aqui em Goiânia: o malfeito, para usar um termo muito caro para a presidente, só é malfeito quando vira escândalo. Enquanto não virou escândalo, está tudo bem feito.

A queda dos ministros e a aprovação da presidente agora?

Acho que, o primeiro momento, é um momento do governo. Não tiro os méritos da presidente, a quem respeito pessoalmente. Acho apenas que ela é refém de uma armadilha criado pelo próprio PT. Esse gigantismo da máquina pública, com 40 ministérios, no governo Fernando Henrique tinha 26 ou 27, os Estados Unidos têm 15, isso traz ineficiência e desvios. Acho que o governo deverá ser avaliado no final, pelos resultados que apresentar. E, hoje, os resultados em educação são pífios. Fizemos a universalização do acesso, não houve melhoria na qualidade. Se formos falar em saneamento básico, uma proposta de campanha da presidente, de desonerar as empresas de saneamento para que elas possam investir mais, isso não aconteceu. As empresas se saneamento hoje no Brasil pagam mais impostos do que investem em novas obras. A questão as segurança pública, há uma omissão gritante do governo federal na parceria com os estados e na infraestrutura está aí, o PAC, que tinha R$ 40 bilhões de orçamento aprovado para esse ano, executou apenas R$ 6 bilhões desses R$ 40 bi. Onde está a ineficiência desse governo, onde estão as Parcerias Público Privadas que foram aprovadas no ano de 2003? Acho que esse modelo vai chegar exaurido no final, porque o aparelhamento absurdo da máquina pública impede o governo de construir as grandes reformas e ter as grandes iniciativas que o Brasil precisa.

Senador, do ponto de vista econômico, o senhor vê o Brasil avançando ou andando para trás?

O cenário econômico que nos espera no futuro não é alvissareiro, não temos céu de brigadeiro. Estamos vivendo um processo grave de desindustrialização da economia brasileira e era preciso que o governo tomasse iniciativas nesse setor, iniciativas estruturantes. Como por exemplo, a reforma tributária, que o governo não avançou até agora.