Arquivos do Blog

Gestão em Minas: detentos de São Lourenço e Caxambu concluem curso de banho e tosa de cães

Estudos mostram que o trabalho de presos com animais diminui o nível de agressividade e aumenta seu senso de responsabilidade

Divulgação/Seds
Detentos de Caxambu exibem certificados de conclusão do curso
Detentos de Caxambu exibem certificados de conclusão do curso

Vinte detentos dos presídios de São Lourenço e Caxambu, na região Sul do Estado, concluíram, este mês, o Curso de Banho e Tosa, ministrado pela psicóloga e adestradora de cães Célia Marcondes. Em São Lourenço, oito presos participaram do projeto. As aulas teóricas aconteceram dentro da própria unidade e as práticas, no canil municipal São Francisco de Assis, que foi reformado no ano passado pelos próprios detentos. No último dia do curso, houve a entrega de certificados, que contou com a presença dos familiares dos acautelados.

Já em Caxambu, 12 presas participaram do curso, que aconteceu entre 27 de fevereiro e 2 de março. As aulas teóricas também aconteceram na unidade e as práticas em uma clínica veterinária próxima ao presídio.

Segundo a psicóloga Célia Marcondes, estudos norte-americanos mostram que o trabalho de presos com animais diminui o nível de agressividade dos detentos e aumenta seu senso de responsabilidade. “A proximidade entre um presidiário e o animal acaba sendo benéfica para os dois lados: tanto os cães são higienizados quanto os presos aprendem uma nova atividade, o que contribui para uma possível reinserção no mercado de trabalho”, completou. A atividade faz parte do projeto Cão Amigão, uma iniciativa da própria psicóloga, que desenvolve campanhas, palestras, feiras e cursos sobre animais em Minas Gerais e São Paulo.

Para o secretário de Estado de Defesa Social, Lafayette Andrada, iniciativas como essa reforçam o compromisso do Governo do Estado em investir na humanização do Sistema Prisional, por meio do ensino de ofícios variados. “Minas é hoje o Estado que tem, proporcionalmente à população carcerária, mais presos trabalhando e estudando no país”, destaca.

Trabalho

Atualmente, cerca de 12 mil presos trabalham enquanto cumprem pena em todo o Estado de Minas Gerais. Pelo trabalho, eles recebem remição de pena – a cada três dias trabalhados, um a menos no cumprimento da sentença – e, em muitos casos, remuneração.

No Presídio de São Lourenço são cerca de 100 detentos trabalhando interna e externamente, em atividades, como artesanato, produção de papel de balas e bombons para festas, fabricação de blocos, reforma e limpeza urbana. Já em Caxambu, são quase 50 presos trabalhando enquanto cumprem pena.

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas: detentos trabalham nas obras de ampliação do presídio de São Lourenço

Unidade prisional contará com nova ala, sala de revistas, portal de detector de metais, além de um espaço para os professores da Escola Estadual São Francisco, que funciona dentro do presídio
Divulgação/Seds
Obras têm participação de 15 detentos com experiência na construção civil
Obras têm participação de 15 detentos com experiência na construção civil

Quinze detentos do presídio de São Lourenço, no Sul de Minas, com experiência anterior de serviços de pedreiro e servente, trabalham na construção de uma ala na unidade, com 80 novas vagas. Eles atuam na construção de um pavilhão de 120 m², composto por quatro celas, uma nova sala de revistas, com banheiro e portal para detector de metais. Também está sendo erguida uma sala para os professores da Escola Estadual São Francisco de Assis, que funciona dentro da unidade.

As obras devem ser entregues nas próximas semanas e são viabilizadas por meio de uma parceria com as prefeituras de Carmo de Minas, Passa Quatro e Soledade de Minas. O secretário de Estado de Defesa Social, Lafayette Andrada, ressalta a importância do trabalho de ressocialização dos detentos, salientando, ainda, o papel fundamental das parcerias firmadas com o poder público municipal e a comunidade. “Minas tem investido muito na humanização de seu sistema prisional e na ressocialização de seus detentos. A parceria firmada em São Lourenço demonstra como a sociedade tem valorizado e acreditado na qualidade do trabalho dos presos”, disse o secretário.

Mãos na massa

As obras tiveram início em outubro de 2011 e contam com a mão de obra especializada de detentos que já trabalharam na construção civil, como pedreiro, servente, bombeiro e pintor. Todos falam com orgulho da participação na ampliação da unidade prisional de São Lourenço, em especial os detentos Joaquim Rosa Silvério, de 35 anos, e Marco Olímpio dos Santos, de 30 anos, que desempenham a função de pedreiro. “Com este novo pavilhão, teremos mais espaço dentro das celas, poderemos contribuir para a nossa remissão de pena e será um espaço construído com nossas próprias mãos. Estamos ansiosos para ver tudo pronto e sendo utilizado”.

O diretor geral do presídio, Carlos Alfredo Sales, destaca que a atuação dos presos na obra demonstra as possibilidades de retorno para a sociedade e para os próprios detentos. “Com a construção deste novo pavilhão, da sala de revistas e da sala dos professores continuamos nossos trabalhos de humanização e ressocialização, que são diretrizes do sistema prisional mineiro”.

Fonte: Agência Minas