Arquivos do Blog

Gestão da Saúde: 76,3% dos mineiros já estão vacinados contra a poliomielite

A meta é chegar ao final da campanha de vacinação com 95% das crianças protegidas

Henrique Chendes
Crianças de 0 a 5 anos tem até sexta-feira (6) para vacinar
Crianças de 0 a 5 anos tem até sexta-feira (6) para vacinar

Uma semana após o início da campanha de vacinação contra a poliomielite, o estado de Minas Gerais já imunizou 76,3% das crianças de 0 a 5 anos, com a aplicação de 980.793 mil doses. Esse resultado positivo se deve ao trabalho de mais de 25 mil profissionais em aproximadamente 7.280 postos fixos e volantes que foram disponibilizados pelo Estado.

A meta é imunizar 95% de todos as crianças do estado até o último dia da campanha, sexta-feira (6). Diversos municípios como Confins, Esmeraldas, Mário Campos, Piedades dos Gerais, Rio Manso, Cipotânea, Pocrane, entre outros, já ultrapassaram essa marca. O município de Catuti, por exemplo, que pertence a Gerência Regional de Montes Claros, já atingiu 100% da cobertura. No entanto, as cidades de Berilo, Chapada do Norte, Santa Cruz de Salinas e Dom Joaquim não atingiram nem 50%.

A poliomielite, mais conhecida como paralisia infantil, é uma doença viral que atinge principalmente as crianças. Sua transmissão se dá através do contato direto com pessoas infectadas, pela via fecal-oral ou, secundariamente, por meio de gotas de secreção expelidas pelo doente ao falar, tossir ou espirrar. De acordo com a coordenadora de Imunização da Secretaria de Estado de Saúde (SES), Tânia Brant, as más condições de saneamento, higiene pessoal e o elevado número de crianças numa mesma casa favorecem a disseminação da doença.

“A maior parte das infecções apresentam poucos sintomas ou se assemelham com a aparência de outras doenças virais como a gripe ou infecções gastrintestinais como náusea, vômito, constipação, dor abdominal e, raramente, diarréia. Cerca de 1% dos infectados pelo vírus pode desenvolver a forma paralítica da doença, que se manifesta nos membros inferiores”, explicou a coordenadora.

Vacinação

O Programa Nacional de Vacinação contra a Poliomielite foi implantado no país em junho de 1980, e em 1989 o estado da Paraíba, na região Nordeste, registrou o último caso da doença no Brasil.

Já em 1994, 14 anos após a implantação desse programa de imunização o país recebeu a certificação do bloqueio da transmissão do vírus da poliomielite. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) a vacina oral contra o vírus é a única maneira de erradicar a doença.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/763-dos-mineiros-ja-estao-vacinados-contra-a-poliomielite/

Gestão Anastasia: Minas Leite amplia atuação no Leste do Estado

Programa do Governo de Minas faz encontro com grupo de municípios que produz 100 mil litros de leite/dia.

O município de Ipanema, no Rio Doce, vai sediar, nesta sexta-feira e no sábado (22 e 23), o 1º Encontro Regional do Minas Leite no Leste do Estado. No evento, serão apresentados resultados que podem impulsionar a adesão dos pecuaristas da agricultura familiar ao programa criado pela Secretaria de Estado de Agricultura e Abastecimento de Minas Gerais (Seapa) e executado pela vinculada Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG).

Vão participar do encontro produtores e técnicos de Ipanema, Conceição de Ipanema, Mutum, Pocrane e Taparuba. No primeiro dia, haverá apresentações sobre os benefícios das ações desenvolvidas pelo Minas Leite desde o seu lançamento pelo Governo de Minas, em 2005.

De acordo com o coordenador do programa pela Seapa, Rodrigo Puccini Venturim, o objetivo é mostrar aos produtores a importância da adoção de boas práticas nas propriedades, neste caso para fortalecer a atividade leiteira nos municípios participantes do evento, responsáveis por uma produção da ordem de 100 mil litros/dia.

A Emater assiste atualmente, por meio do programa, a 1.080 propriedades dedicadas à produção de leite no Estado, e a meta para 2012 é levar as boas práticas de produção do Minas Leite a 1.150 fazendas. Para isso, segundo o coordenador, é importante expandir a atuação do programa na região Leste. “Vamos enfatizar nas apresentações os índices de desenvolvimento das propriedades que se ajustam às exigências de uma produção sustentável, conciliando a melhoria da receita, a preservação do ambiente e a garantia de boas condições de vida para as pessoas envolvidas na atividade”, afirmou .

Ações de baixo custo

Os meios propostos para a melhoria da atividade leiteira da agricultura familiar no Estado têm por base tecnologias desenvolvidas pela Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), também vinculada à Seapa. Rodrigo Venturim acrescenta que alternativas de baixo custo, preferencialmente à base de materiais encontrados nas próprias fazendas, são indicadas aos produtores interessados em receber a assistência do Minas Leite.

Na parte de manejo, o programa indica a construção, sobre os pastos, de piquetes de madeira de eucalipto tratada e cerca de arame. Nesses espaços, os animais podem ser mantidos com alimentação reforçada por cana-de-açúcar, ureia e minerais, que garantem uma boa produção leiteira principalmente no período de seca.

A utilização desses recursos, com assistência dos extensionistas da Emater, possibilita ganhos no volume de leite e na qualidade do produto. “Além disso, o Minas Leite propõe mudanças na gestão da propriedade para que os bons resultados alcancem todas as atividades com foco na sustentabilidade do negócio”, ressalta o coordenador.

Suporte do Pró-Genética

Para o coordenador de Pecuária da Emater em Ipatinga, Aldrin Carlos Reggiani, outra ação importante do Minas Leite é a orientação aos produtores na aquisição de animais adequados à atividade. “No caso das vacas leiteiras, as preferidas devem ser as F1 (resultantes do cruzamento de uma raça europeia – gado holandês – com uma raça indiana – gir leiteiro)”, explica. De acordo com Aldrin, o Minas Leite também recomenda aos produtores da agricultura familiar os benefícios do Pró-Genética. O programa, também criado pela Seapa, possibilita a aquisição, em condições favoráveis, de touros de genética comprovada para garantir a geração de vacas e bois de alta qualidade.

Aldrin diz que esses aspectos serão enfatizados, na agenda do encontro, entre os benefícios à disposição dos agricultores familiares que participam do programa. Foram criadas na região do extremo Leste 15 unidades demonstrativas do Minas Leite, ou propriedades que assumem o compromisso de fazer a difusão das tecnologias e centralizar o registro de dados sobre ações desenvolvidas nas fazendas incluídas no círculo sob a sua influência. “A meta é constituir mais 15 unidades demonstrativas do programa no Extremo Leste”, explica.

Conforme as normas do Minas Leite, além dessas unidades, cada uma das outras propriedades que recebem assistência da Emater tem o compromisso de servir de modelo para outras dez. Essa corrente, observa Aldrin, deve impulsionar a produção nos municípios do Extremo Leste de Minas. “Ipanema responde atualmente por 50% da produção dos municípios contemplados pelo seminário”, complementa.

Aldrin ainda informa que, na agenda do 1º Encontro Regional do Minas Leite no Leste, está programada para o sábado (23) uma feira de touros do Pró-Genética. Será realizada também a Festa do Queijo de Ipanema, evento anual que mobiliza a população e atrai grande número de visitantes. Em 2011 foi apresentado um queijo minas padrão de 1.200 quilos, recorde brasileiro, segundo os organizadores, e a meta é quebrar esta marca.

Os agricultores familiares interessados em aderir ao Minas Leite podem se inscrever numa unidade da Emater.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/minas-leite-amplia-atuacao-no-leste-do-estado/

Gestão Eficiente: Rio Doce recebe 23 novas Farmácias de Minas

Hoje, 36 unidades farmacêuticas do programa Farmácia de Minas atendem à região

Divulgação/Farmácia de Minas Marilac
Unidade do Farmácia de Minas de Marilac, inaugurada no último mês de abril
Unidade do Farmácia de Minas de Marilac, inaugurada no último mês de abril

Vinte e três cidades do Rio Doce estão sendo contempladas com unidades da Rede Farmácia de Minas neste primeiro semestre de 2012. O programa, desenvolvido pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES/MG), garante o acesso da população a medicamentos voltados para a atenção primária à saúde, melhorando a assistência farmacêutica e incentivando a busca ativa do paciente.

As unidades de Senhora do Porto, Marilac e São Domingos das Dores já foram inauguradas em abril. Neste mês de maio, Aimorés, Galiléia, Divinolândia de Minas, Santa Efigênia, Água Boa, Itueta, Vargem Alegre, Entre Folhas, José Raydan, Santa Maria do Suaçuí, Nova Belém e Pingo D’água também estão sendo contempladas e, para junho, estão previstas inaugurações em Naque, Piedade de Caratinga, Materlândia, Periquito, Alpercata, São Sebastião do Anta, Guanhães e Santa Rita de Minas. Para a instalação das novas unidades no Rio Doce, foram disponibilizados recursos da ordem de R$ 2 milhões, do Tesouro do Estado.

Hoje, 36 unidades farmacêuticas do programa Farmácia de Minas atendem à região. Desde que foi implantado, em 2007, até o final de 2011, foram inauguradas 33 unidades, nos municípios de Alvarenga, Antônio Dias, Braúnas, Bugre, Campanário, Capitão Andrade, Central de Minas, Conceição de Ipanema, Dom Cavati, Engenheiro Caldas, Fernandes Tourinho, Frei Inocêncio, Gonzaga, Iapu, Joanésia, Marliéria, Mathias Lobato, Mendes Pimentel, Mesquita, Nacip Raydan, Nova Módica, Paulistas, Pocrane, Resplendor, São João Evangelista, São João do Manhuaçu, São José da Safira, São José do Divino, Sardoá, Sobrália, Taparuba, Tarumirim e Tumiritinga.

Apenas em 2011, o governador Antonio Anastasia inaugurou, simultaneamente, 200 unidades em todo o Estado. A meta do Governo de Minas é chegar a 700 municípios até 2014. “É bom dizer que entre 2007 e agora nós já aumentamos em mais de 70% o volume de recursos financeiros do tesouro nesse programa e aumentamos também, consideravelmente, os medicamentos disponibilizados”, disse o governador. Até hoje, mais de R$ 18 milhões já foram aplicados no programa, que disponibiliza para a população 162 tipos de medicamentos.

Melhoria para todos

Em Marilac, a nova unidade do programa Farmácia de Minas, inaugurada no último dia 24 de abril, representou melhoria não só para os usuários, como para a própria farmacêutica trabalhar. “A unidade oferece mais conforto para o paciente e o meu trabalho também melhorou muito. Agora, posso dar mais atenção ao paciente. Antes, o medicamento era entregue por uma janelinha”, recorda Thiara Vieira dos Santos, farmacêutica da unidade. Ela destaca também as melhores condições de armazenamento. “Antes, o local tinha mofo. Já aqui é tudo novinho”.

Helmer Lorran de Oliveira Cordeiro, farmacêutico da unidade em Frei Inocêncio, inaugurada em novembro de 2011, também destaca a melhoria na infraestrutura. “Pôde proporcionar um atendimento mais digno e humanizado para o paciente, sem falar que hoje o acondicionamento dos medicamentos é feito de forma correta, em local apropriado, com temperatura adequada”, relata.

Outro benefício proporcionado pela unidade da Farmácia de Minas diz respeito à atenção farmacêutica. “Agora podemos exercer, de fato, a atenção farmacêutica, pois dispomos de uma sala, em que podemos realizar um atendimento mais específico, conversar com o paciente, oferecer mais atenção. A nova estrutura trouxe realmente muitos benefícios”, conclui o farmacêutico.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/rio-doce-recebe-23-novas-farmacias-de-minas/

Governo de Minas: Secretaria de Saúde divulga o primeiro levantamento de infestação para o Aedes aegypti de 2012

Pesquisa indica que o lixo doméstico, bebedouros de animais e pratinhos de plantas são os focos mais comuns de dengue no Estado
Divulgação/SES
Setenta e quatro municípios já realizaram o levantamento em 2012
Setenta e quatro municípios já realizaram o levantamento em 2012

Dados da Secretaria de Estado de Saúde (SES) apontam que dos 74 municípios que realizaram o Levantamento Rápido de Índices de Infestação para Aedes aegypti (LirAa), em 2012, 30 apresentaram alto índice de infestação (acima de 3,9%); 42 apresentaram médio risco (LirAa entre 1,0% e 3,9%) e duas cidades (Conselheiro Lafaiete, com 0,7% e Poços de Caldas, com 0,1%) tiveram baixo risco. Até o momento, foram notificados, em 2012, 4.491 casos de dengue em Minas Gerais.

De acordo com o subsecretário de Vigilância em Saúde, Carlos Alberto Gomes, comparando os dados de janeiro de 2012 com o mesmo período de 2011, observa-se que dois terços dessas cidades mantiveram os mesmos índices ou abaixaram, porém as demais pioraram. “Quando se faz o LirAa, são identificados quais são os focos mais comuns de infestação pelo Aedes aegypti. Neste LirAa de janeiro de 2012, por exemplo, pudemos constatar que os focos mais comuns foram o lixo (doméstico, principalmente), bebedouros de animais (lata d’água de cães e gatos) e os pratinhos para plantas”, detalhou Carlos Alberto.

O LirAa é uma pesquisa de verificação domiciliar por amostragem que revela o índice de infestação da larva do mosquito. Ele ajuda os municípios a acompanharem de forma rápida e atualizada a situação da infestação, além de ser um instrumento que auxilia na rápida tomada de decisões dos gestores para o controle da doença e demonstra como os municípios estão distribuídos em todas as regiões do Estado, o que espelha o aumento da infestação.

“O levantamento funciona como um alerta para os municípios e aponta para um potencial de epidemia, se nada for feito para impedir. A primeira providência dos municípios, e dos estados, com base nesses números, é intensificar as ações de controle nos pontos críticos, utilizando os indicadores como referência, principalmente, os depósitos predominantes. Também é fundamental a mobilização da sociedade civil, pois 85% dos focos de dengue estão dentro da casa das pessoas”, afirma a referência técnica em dengue da SES, Geane Andrade.

Minas Gerais conta com a Força-Tarefa de combate a dengue. Ela já atuou em vários municípios do Estado reforçando as ações de combate à dengue e mobilizando a população sobre a necessidade de evitar a doença. Aimorés, no Leste de Minas, é uma das cidades que recebe a equipe da força tarefa a partir desta semana.

Reunião com 30 municípios

No dia 1º de fevereiro, o secretário de Estado de Saúde, Antônio Jorge de Souza Marques, recebeu secretários municipais de saúde de 30 municípios mineiros com o objetivo de reforçar o combate ao vetor e impedir o avanço da doença, que causou 23 mortes no Estado em 2011.

Entre as ações efetivas para a solução do problema, Antônio Jorge anunciou a liberação de R$ 1 milhão, recurso do Sistema Estadual de Transporte em Saúde (Sets), para a compra de 30 veículos do tipo picape, que irão auxiliar no transporte dos agentes e insumos, considerado pelos secretários municipais como um dos grandes gargalos na promoção das ações.

Além disso, vem sendo feito o treinamento de 50 médicos que irão, por meio das regionais de saúde, aprimorar e capacitar a ação de profissionais locais para um eficaz diagnóstico da doença, uma vez que muitos dos casos que evoluem para óbito estão diretamente ligados ao manejo clínico.

Outro anúncio feito pelo secretário foi que, neste ano, os municípios não serão mais responsáveis pela hospedagem e alimentação dos agentes da Força-Tarefa, transferindo a responsabilidade para a SES.

Os municípios convocados foram: Pocrane, São José da Safira, Marilac, Recreio, Glaucilândia, Central de Minas, Mathias Lobato, Naque, Aimorés, Araguari, Bocaiúva, Bom Despacho, Campo Belo, Curvelo, Dores do Indaiá, Ipatinga, Itabira, Itaúna, Ituiutaba, Januária, Montes Claros, Nova Serrana, Pará de Minas, Pirapora, Pompéu, Teófilo Otoni, Timóteo, Ubá, Unaí e Várzea da Palma.

Clique aqui para ver os índices do LirAa de janeiro/2012 (arquivo Word).

Fonte: Agência Minas

Gestão Anastasia: saúde reúne 30 municípios mineiros para aprimorar o combate à dengue

Entre as ações efetivas anunciadas está a liberação de R$ 1 milhão para a compra de 30 veículos que irão auxiliar no transporte dos agentes e insumos.
Vivian Campos/SES-MG
Secretário de Saúde, Antônio Jorge Souza Marques, anuncia medidas para impedir o avanço da dengue em 30 municípios
Secretário de Saúde, Antônio Jorge Souza Marques, anuncia medidas para impedir o avanço da dengue em 30 municípios

Secretários municipais de saúde de 30 municípios mineiros em situação crítica de infestação do mosquito Aedes aegipty se reuniram, nesta quarta-feira (1), com o secretário de Estado de Saúde, Antônio Jorge Souza Marques, com o objetivo de reforçar o combate ao vetor e impedir o avanço da doença, que causou 23 mortes no Estado em 2011. A média de infestação por dengue (LirAa) nessas cidades chega a 4,6%, e a Organização Mundial de Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde consideram 1% como Alto Risco de Transmissão de Dengue.

De acordo com o secretário Antônio Jorge, o Estado apresenta uma situação climática totalmente favorável ao mosquito, mas isso não pode ser usado como justificativa para 100% do problema, mesmo que o volume de água trazido pelas chuvas tenha representado, em algumas cidades, o maior volume de água dos últimos 100 anos. “Tivemos um enorme êxito em 2011, se compararmos com 2010, em que houve uma redução de mais de 80% dos casos notificados. Porém, é fundamental que os gestores municipais tenham uma atenção especial e redobrem a atenção em 2012”. Ele ressaltou, ainda, a introdução do sorotipo 4 do mosquito, que aumenta e fragiliza a cadeia de contaminação.

Entre as ações efetivas para a solução do problema, Antônio Jorge anunciou a liberação de R$ 1 milhão, recurso do Sistema Estadual de Transporte em Saúde (Sets), para a compra de aproximadamente 30 veículos do tipo picape, que irão auxiliar no transporte dos agentes e insumos, considerado pelos secretários municipais, como um dos grandes gargalos na promoção das ações.

Além disso, vem sendo feito o treinamento de 50 médicos que irão, por meio das regionais de saúde, otimizar e capacitar a ação de profissionais locais para um eficaz diagnóstico da doença, uma vez que muitos dos casos que evoluem para óbito estão diretamente ligados ao manejo clínico.

Outro anúncio feito pelo secretário é que, neste ano, os municípios não serão mais responsáveis pela hospedagem e alimentação dos agentes da força-tarefa, transferindo a responsabilidade para a SES.

Notificações

Este ano, dos 2.459 casos de dengue notificados nas 853 cidades mineiras, 30% estão nos municípios convocados, o que representa 328 casos e 10% da população do Estado. “Estamos atentos a qualquer necessidade e pedimos que esses municípios redobrem a atenção para a dengue. Queremos entender os problemas e resolver as questões pontuais”, disse Antônio Jorge.

Outra proposta foi a criação de uma feira, ainda no primeiro semestre, em que os gestores de saúde terão a oportunidade de apresentar e trocar experiências exitosas das ações de dengue. “Parte do resultado negativo nesta guerra contra o mosquito está ligada às políticas de gestão, que muitas vezes podem ser mal aplicadas ou formatadas. Sendo assim, devemos pensar em estratégicas, ações diferentes para provocar melhores resultados, pois a dengue já é uma agenda no Estado há 15 anos e com resultados de melhora distintos”, explicou o secretário.

Os municípios convocados foram: Pocrane, São José da Safira, Marilac, Recreio, Glaucilândia, Central de Minas, Mathias Lobato, Naque, Aimorés, Araguari, Bocaiúva, Bom Despacho, Campo Belo, Curvelo, Dores do Indaiá, Ipatinga, Itabira, Itaúna, Ituiutaba, Januária, Montes Claros, Nova Serrana, Pará de Minas, Pirapora, Pompéu, Teófilo Otoni, Timóteo, Ubá, Unaí e Várzea da Palma.

Fonte: Agência Minas