Arquivos do Blog

Governo de Minas vai obter R$ 4 milhões com BNDES

Gestão Anastasia: Cinco contratos nas áreas de segurança pública, infra-estrutura e mobilidade estão sendo coordenados junto à instituição; o primeiro já está assinado

O Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag), está coordenando junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) cinco contratos que totalizam R$ 4 bilhões. O primeiro deles, no valor de R$ 247 milhões, já está assinado. A primeira parte do desembolso de R$ 65 milhões tem liberação prevista para este mês de agosto.

Os contratos financiarão diversas ações nas áreas de segurança pública, infraestrutura e mobilidade. A primeira parte do nempréstimo será destinada ao início das obras da LMG-800, no Vetor Norte, às reformas da Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na RMBH, e do Centro Educativo de Unaí, no Noroeste do Estado, e à implantação de torres de radiocomunicação da Polícia Militar em vários municípios.

Segundo a diretora Central de Avaliação de Projetos e Captação de Recursos da Seplag, Gabriella Noronha, a destinação dos financiamentos foi definida a partir da carteira de projetos estratégicos do Estado e contribuirá para o alcance dos objetivos elencados no Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado (PMDI).

Outra parte do desembolso, prevista para novembro, depende apenas da consolidação da documentação. Os valores serão investidos na complementação das obras da escola de formação de professores, no bairro Gameleira, em Belo Horizonte, na ampliação do projeto Olho Vivo, em obras de melhorias em aeroportos regionais e na construção de presídios no interior do Estado.

Gabriella Noronha ressalta que a captação de recursos junto ao BNDES “é de extrema relevância no cenário fiscal atual”. Gabriella observa ainda que as condições favoráveis disponibilizadas pelo banco de fomento constituem uma alternativa positiva e contribuem para ampliar o leque de políticas públicas implementadas pelo Estado.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/recursos-de-r-4-bilhoes-do-bndes-vao-favorecer-projetos-do-governo-de-minas/

Governo de Minas: Secretaria de Estado de Saúde lança livro sobre Ações de Vigilância

A publicação irá servir como material de qualificação das ações do projeto

Cica Almeida
Lançamento do livro “Instrutivo para a Execução e Avaliação das Ações de Vigilância em Saúde”
Lançamento do livro “Instrutivo para a Execução e Avaliação das Ações de Vigilância em Saúde”

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais lançou nesta quarta-feira (20), durante a reunião da CIB (Comissão Intergestores Bipartide), o livro “Instrutivo para a Execução e Avaliação das Ações de Vigilância em Saúde”. O livro faz parte do projeto de fortalecimento da Vigilância em Saúde no Estado.

O Governo de Minas Gerais apresentou este ano o Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado (PMDI), que busca tornar Minas o melhor Estado para se viver através de ações integradas. Desta forma a Vigilância em Saúde de Minas Gerais tem um papel fundamental para concluir a meta estadual: Viver mais e melhor. Esse livro-guia tem a finalidade de orientar a execução e avaliações das ações tomadas pelos municípios diante das propostas do projeto.

No evento, o subsecretario de Vigilância e Proteção à Saúde, Carlos Alberto Pereira Gomes, ressaltou a importância do livro como um auxilio aos municípios. “Esse livro foi planejado não para ser um material didático, e sim um material de apoio, pretendemos fazer outras versões cada vez mais ligadas à realidade dos municípios,” explica o Alberto.

“A expectativa é de que este documento seja um instrumento orientador para a qualificação de ações nos municípios mineiros, buscando a prevenção de riscos e agravos e à promoção da saúde do cidadão mineiro”, afirma o Secretário do Estado de Saúde, Antônio Jorge de Souza Marques.

Estavam presentes também para o lançamento, o Presidente do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Minas Gerais (COSEMS/MG), Mauro Junqueira, e gestores de mais de 100 municípios mineiros.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/secretaria-de-estado-de-saude-lanca-livro-sobre-acoes-de-vigilancia/

Gestão Eficiente: Governo de Minas apresenta modelo de gestão pública a entidade de Brasília

Diretores do Movimento Brasil Competitivo destacam modelo que alia métodos corporativos ao setor público

Gil Leonardi / Imprensa MG
Seplag apresenta modelo de gestão pública ao Movimento Brasil Competitivo
Seplag apresenta modelo de gestão pública ao Movimento Brasil Competitivo

O Governo de Minas recebeu nessa quinta-feira (24) a visita técnica do Movimento Brasil Competitivo (MBC), que esteve na Cidade Administrativa para conhecer os projetos de modernização da gestão pública em desenvolvimento no Estado. Sete diretores da entidade, que é sediada em Brasília, foram recebidos pela subsecretária de Gestão da Estratégia Governamental, Adriane Ricieri, e integrantes de sua equipe. A visita também contou com a presença da secretária de Estado de Planejamento e Gestão, Renata Vilhena, que recepcionou os diretores.

O presidente do MBC, Erik Camarano, explicou que já acompanha os processos de gestão do Governo de Minas desde o primeiro mandato do ex-governador Aécio Neves. “Estivemos aqui ajudando na modernização da gestão, trazendo ferramentas usadas por empresas e adaptando-as para o setor público”, conta.

O objetivo da visita, de acordo com ele, é apresentar à sua equipe de diretores o modelo implementado em Minas. “Queremos aprender com as práticas desenvolvidas aqui, descobrir as dificuldades e as lições aprendidas, para que possamos levar essa experiência a outros estados e realizar um processo semelhante de avanço da gestão. Na nossa avaliação, Minas tem o modelo de gestão mais avançado do país”.

Ele destacou os avanços obtidos pelo Governo de Minas desde 2003, cujo reconhecimento é geral, tanto na iniciativa privada como no setor público. “Existe aqui uma clareza muito evidente nos objetivos e um alinhamento muito grande das equipes. Isso é facilitado pelo grande processo de capacitação profissional, construído em um ambiente de transversalidade e cooperação. Além disso, há mecanismos de incentivo muito eficientes, como a remuneração variável, capacitação e treinamento e também um modelo de gestão para resultados”, disse.

Programas e projetos

Os integrantes do MBC conheceram várias etapas dos Modelo de Gestão Para Resultados que é executado no Estado; os Programas Estruturadores; o Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado (PMDI); o Sistema de Monitoramento e Gestão da Estratégia governamental e os processos estratégicos nas áreas da Saúde, Educação e Defesa Social, além dos projetos de inovação na gestão pública e a política estadual de Gestão do Conhecimento.

Camarano demonstrou otimismo com o processo de evolução da gestão pública no país. “Está acontecendo uma revolução silenciosa nesse setor. Muitos estados têm conseguido aproveitar o grande ativo que possuem, que é um quadro de servidores muito capacitados, acoplado a um sistema de gestão que possa maximizar essa capacidade. Assim, é possível se obter grandes resultados”, afirmou.

“A visita técnica do MBC é um passo importante para o desenvolvimento dos nossos projetos e parcerias como essa potencializam e fortalecem as nossas ações”, disse a subsecretária Adriane Ricieri.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governo-de-minas-apresenta-modelo-de-gestao-publica-a-entidade-de-brasilia/

Governo de Minas: Sisema promove reunião pública sobre gestão ambiental no Estado

Evento teve como objetivo apresentar as metas de governo para 2012 e os resultados alcançados em 2011

Divulgação/Semad MG
Adriano Magalhães durante reunião pública realizada pelo Sisema
Adriano Magalhães durante reunião pública realizada pelo Sisema

Em reunião pública realizada pelo Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema), ambientalistas, empreendedores, representantes de entidades de classe, entre outros segmentos tiveram a oportunidade de expor suas dúvidas e questionamentos sobre a gestão ambiental em Minas Gerais. Conduzido pelo secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Adriano Magalhães, o evento teve como objetivo apresentar as metas de governo para 2012 e os resultados alcançados em 2011.

Cerca de 100 pessoas participaram da reunião, que aconteceu no plenário do Conselho Estadual de Política Ambiental (Copam). Na ocasião, o secretário mostrou os resultados do último ano dos Projetos Estruturadores da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) e de seus órgãos vinculados.

Magalhães apresentou, ainda, o Qualidade Ambiental, novo Estruturador do meio ambiente, e seus cinco projetos estratégicos – Meta 2014: Revitalização da Bacia do Rio das Velhas; Mitigação e Adaptação às Mudanças Climáticas; Redução e Valorização de Resíduos; Conservação  e Recuperação da Mata Atlântica, Cerrado e Caatinga e Revitalização das Bacias do Rio Doce, Paraopeba e outras Bacias e Desenvolvimento dos Instrumentos de Gestão dos Recursos Hídricos.

Segundo o secretário, entre as premissas de sua gestão estão a transparência e a participação. “Apesar de termos diretrizes que foram definidas no Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado (PMDI) e no Plano Plurianual de Ação Governamental (PPAG), e que já estão planejadas em nossos estruturadores, sempre há espaço para incluirmos novas iniciativas e propostas”, afirmou.

Para Magalhães é importante haver um diálogo aberto com os diversos segmentos da sociedade interessados na gestão ambiental de Minas Gerais. “Não há definição, nem técnico, nem especialista que saiba de tudo nas questões ambientais. Elas não podem ser tratadas isoladamente”, explicou. Entre os diversos resultados alcançados pelo IEF, mereceu destaque na fala do secretário o recém-publicado Decreto de Reposição Florestal (02/03). Com a publicação do Decreto 45.919, o Governo de Minas cria as ferramentas que permitirão o cumprimento do cronograma de redução do consumo de produtos da vegetação nativa.

A diminuição progressiva do uso de produtos procedentes dessas florestas foi estabelecida pela Lei Estadual nº 18.365, de 1º de setembro de 2009. Adriano observa que é o momento das empresas fazerem sua parte pela sustentabilidade. “Aquelas que ainda não estavam se preparando para a reposição florestal e o cumprimento da redução de consumo estabelecido pela Lei 18.365 não podem mais alegar a falta de regulamentação”, comentou.

Reforço

A contratação de novos funcionários amplia os esforços do Instituto Estadual de Florestas (IEF) na execução de atividades de fomento florestal e na administração das Unidades de Conservação estaduais. O aumento de pessoal foi possível após a celebração de um contrato entre o IEF e a empresa Minas Gerais Administração e Serviços (MGS) e a realização de uma licitação para seleção de empresa que ficou encarregada de fornecer o apoio à gestão das áreas protegidas do Estado.

Recursos Hídricos

Entre os avanços na gestão dos recursos hídricos, Adriano Magalhães enfatizou a implantação da cobrança pelo uso da água em quatro unidades de planejamento de gestão de recursos hídricos (UPGRH’s) da bacia do Rio Doce, o que poderá gerar uma arrecadação de R$ 6,2 milhões.

Radar

A compra e início de operação do radar meteorológico, adquirido pela Cemig e operado pelo Igam, foi abordado. “A intenção é que a este somemos mais três radares no Estado, para que assim consigamos monitorar 100% do território mineiro”. O radar, instalado em Mateus Leme, cobre 324 municípios num raio de 200km.

Saneamento e Monitoramento de Barragens

Adriano Magalhães afirmou que o grande desafio da Feam é promover o saneamento. “Chamar os municípios, orientar e promover o saneamento é uma missão primordial da Fundação”, poderou. Ele abordou, ainda, o trabalho monitoramento de barragens. O inventário mostra que 88,5% das 720 estruturas auditadas no estado têm garantia de estabilidade, percentual maior do que o registrado no ano anterior quando das 87% das 706 barragens registradas na ocasião foram consideradas estáveis.

“Percebemos a importância do monitoramento , ao observarmos que, ao longo dos anos houve um crescimento dos percentuais de barragens com garantia de estabilidade e desde 2007 não se registrou nenhum acidente com consequências significativas para a população ou para o meio ambiente com essas estruturas, apesar dos elevados índices pluviométricos registrados”, disse.

Subsecretarias

A Subsecretaria de Controle e Fiscalização Ambiental Integrada (Sucfis) dedicou-se, principalmente, à elaboração dos planos de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais, do Ciclo de Carvão e de Fiscalização. Foram contratadas nove aeronaves air tractor para o combate, com um investimento de R$ 2,7 milhões.

“Para a elaboração do Plano de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais chamamos todos os envolvidos para contribuir e a sociedade civil, de forma participativa e transparente”, explicou o secretário, completando que o plano deverá ser lançado pelo Governo de Minas em abril.

Regularização Ambiental

No que se refere à regularização ambiental, Adriano Magalhães enfatizou a relevância das mudanças operacionais no Sisema, que proporcionaram a entrada única dos processos na Subsecretaria de Gestão e Regularização Ambiental Integrada (Sugrai) e suas nove Superintendências Regionais de Regularização Ambiental (Supram’s). Tais medidas promoveram desburocratização e agilidade. Ele informou que foram licenciados em Minas em 2011, 91 grandes projetos e a previsão, em 2012, é que sejam licenciados 76 grandes empreendimentos.

Ao final da reunião, depois de registrar todos os pontos discutidos com o público, o secretário propôs a realização de novos debates. “Nos próximos gostaria que vocês apresentassem a pauta que iremos discutir, pois a participação e a opinião de vocês é muito importante para garantirmos uma boa gestão ambiental em Minas Gerais”, concluiu.

Fonte: Agência Minas

Palavra do Governador sintetizam ações do Governo de Minas em 2011

BELO HORIZONTE (30/12/11) – Desde maio deste ano, uma vez por semana, o governador Antonio Anastasia fala diretamente aos mineiros, por meio do programa Palavra do Governador, a respeito de serviços, ações, programas e projetos desenvolvidos pelo Governo de Minas.

Confira a seguir, uma retrospectiva de frases proferidas por Antonio Anastasia durante as 34 edições do programa que foram ao ar em 2011, sobre temas que interessam a Minas e aos mineiros:

“Quando uma família tem o chefe – o pai ou a mãe – empregado, bem empregado, toda a situação daquela casa funciona bem: melhora a educação, melhora o ambiente, melhora a saúde, a alimentação, a própria habitação e mesmo a segurança.”

(Na estreia do programa, que abordou o tema Trabalho e Renda,  em 19/05/11)

“Nós estamos buscando os chamados ‘invisíveis’: são aqueles que não estão ainda abrangidos nem pelos programas do governo federal, nem do governo estadual, e nem mesmo, muitas vezes, do próprio município.”

(Sobre o Programa Porta a Porta, que busca identificar cidadãos que ficaram à margem de políticas públicas, em 26/05/11)

 

“Não basta o poder público realizar a atividade de limpeza das ruas, se as pessoas não fizerem, dentro de suas casas, esse trabalho, essa luta contra o mosquito da dengue.” 

(Sobre a Guerra contra a Dengue empreendida pelo Governo de Minas com o apoio da sociedade civil, em 23/06/11)

 

“Só o primeiro campo que está sendo explorado corresponde a 20% do volume que é importado da Bolívia pelo gasoduto Brasil-Bolívia. Minas Gerais terá gás suficiente para si e para exportar para outros Estados. É uma notícia revolucionária para a nossa economia.”

(Sobre a exploração do Gás Natural na Bacia do São Francisco, em 21/07/11)

“É importantíssimo que nós possamos sentir que a maioria das políticas públicas, dos serviços públicos, só terá sucesso quando cada cidadão, cada vez mais, for participante ativo desse processo, quando ele for protagonista.”

(Sobre a participação dos cidadãos no Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado, em 04/08/11)

“A ciência e tecnologia é o passaporte para o futuro. Nós vamos desenvolver novos projetos, novas pesquisas, aplicar essas pesquisas na indústria e vamos gerar empregos.”

(Sobre o investimento de R$ 300 milhões por ano em Ciência e Tecnologia, em 18/08/11)

“O Fica Vivo é um programa muito positivo, em que há o resgate da cidadania, há uma inclusão social, há uma valorização do indivíduo e, ao mesmo tempo, há concretamente uma redução dos índices de criminalidade onde ele está instalado.” 

(Sobre o Fica Vivo, programa que reduziu à metade o índice de homicídios nas regiões atendidas, em 25/08/11)

 

“Vamos acompanhar o dia a dia de cada gestante. É uma ousadia, mas temos de fazê-lo. Se não tivermos informações precisas da condição de cada uma, não poderemos estar ao seu lado para ajudar”.

(Sobre o Programa Mães de Minas, que tem como objetivo o acompanhamento de gestantes, em 01/09/11)

“A poupança do Banco Travessia tem o objetivo de estimular a instrução das pessoas e com mais instrução, nós temos mais oportunidades de obter empregos e renda.”

(Sobre o Banco Travessia, voltado para a população de baixa renda, em 08/09/11)

“Nós começamos, de fato, a enfrentar com valentia e com muita coragem a questão da droga, esse drama social do nosso tempo.”

(Sobre o Cartão Aliança pela Vida, que ajuda famílias no tratamento de viciados em drogas, em 06/10/11)

 

“Nós estamos, em parceria com o governo federal e a prefeitura de Belo Horizonte, realizando um sonho antigo dos belo-horizontinos e dos mineiros que é a conclusão do metrô.”

(Sobre a retomada das obras do metrô de Belo Horizonte,  em 13/10/11)

“Os antigos prédios das Secretarias de Estado se transformaram em museus, mas não museus fechados. Ao contrário, são museus interativos, voltados à população.”

(Sobre o Circuito Cultural da Praça da Liberdade, em 10/11/11)

“Nós estamos atendendo à coletividade dos profissionais da Educação e de tal modo que nós vamos tornar a carreira mais atrativa e, por isso mesmo, mais adequada para termos melhores profissionais, cada vez mais motivados e vinculados a um papel tão importante que é o da Educação pública.”

(Sobre a implantação do Modelo de Remuneração Unificada para professores da rede estadual, em 24/11/11)

 

“Nós conseguimos avançar muito e rápido, e chegamos em 2011 a esse percentual, de quase 90% dos alunos do terceiro ano do ensino fundamental com essa boa capacidade de compreensão e leitura. Isso demonstra como o sistema público de educação no Estado de Minas Gerais está funcionando bem”.

(Sobre os bons resultados alcançados por alunos da rede estadual no Proalfa, em 22/12/11)

“O Unicef, com a sua credibilidade de órgão das Nações Unidas, fez um amplo diagnóstico da situação da adolescência no Brasil. O relatório revela que Minas evoluiu em praticamente todos os indicadores, além de ter ficado além da média brasileira. É a demonstração do grande esforço feito, ao longo dos últimos anos, na nossa política pública de apoio à adolescência.”

(Sobre os avanços nas políticas do Estado para adolescentes, revelado em Relatório do UNICEF, em 22/12/11)

fonte: Agência Minas

O Palavra do Governador pode ser reproduzido por qualquer veículo de imprensa, sem ônus e de forma espontânea. O programa é disponibilizado todas as quintas-feiras nas modalidades texto (para jornais impressos e online), áudio (para rádio e podcast/web) e vídeo (em qualidade broadcast para TV e em HD, no YouTube).

No link a seguir é possível acessar todas as edições do Palavra do Governador: www.agenciaminas.mg.gov.br/palavra-do-governador/videos

Governo Aécio fortalece trabalho do combate às desigualdades sociais com Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado

Gestão social, desenvolvimento regional

Caminhos para o Desenvolvimento Regional

O governo de Minas possui um vigoroso programa de desenvolvimento regional.

Um programa de desenvolvimento, para ser eficaz, pressupõe um esforço de planejamento com base em projetos e indicadores de ação. Assim, o governo de Minas, no âmbito do Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado (modelo adotado inclusive por outros estados, vide o Rio de Janeiro) prevê e incorpora instrumentos de indução e acompanhamento do desenvolvimento regional.

As opções feitas pelo Governo de Minas a favor das regiões mais pobres são corajosas e devem ser saudadas porque buscam caminhos que podem criar as condições para o rompimento do ciclo de pobreza ao invés de investir em políticas que perpetuam a dependência do estado. Promover o planejamento, a implementação e a auto-gestão do processo de desenvolvimento sustentável que amplie as oportunidades para pessoas e fortaleça o território tem sido o nosso foco.

É fácil perceber a formidável inversão na lógica de investimento do estado que permite que hoje se faça, nas regiões com baixa dinâmica econômica de Minas, um investimento per capita quase três vezes superior à média estadual.

Pela primeira vez se observa um esforço organizado no sentido de diminuir as desigualdades regionais no estado e que só foi possível, a partir de um consistente projeto de prioridades anunciadas pelo governador Aécio Neves, no seu primeiro dia de governo: “governarei para toda Minas, mas permitam-me dizer que governarei com um olhar especial voltado para os mineiros dos vales do Jequitinhonha, Mucuri e do Norte de Minas”.

A concretização desse compromisso veio com a criação da Secretaria Extraordinária para o Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha, Mucuri e Norte de Minas, da qual sou a titular. Com isso, o governo sinalizou para a descentralização administrativa, a integração de ações de diversas áreas temáticas (secretarias e outros órgãos do

Estado) com o foco em um único território.

A estratégia utilizada para as ações governamentais foi a de absorver o acúmulo dos conhecimentos locais e, assim, implementar, com eficiência, criatividade e permanente participação popular, projetos e programas que resultassem em efetivos avanços do bem estar da sociedade e do desenvolvimento regional. E, ainda, que se estruturam a partir de redes de gestão participativa que estimulam o protagonismo e a organização social no planejamento e execução de políticas públicas e na tomada de decisões.

A opção do Governo do Estado foi clara: priorizar investimentos que possibilitem não só a melhoria da qualidade de vida da população dessas regiões, mas também investimentos em infra-estrutura, educação, saúde e tecnologia, o que significa a criação de condições para atração de atividades produtivas que possam gerar emprego e renda para a população, permitindo o rompimento de um ciclo de perpetuação da tutela do estado.

Para isso, de forma resumida, podemos citar que o Governo de Minas está pavimentando todos os 219 municípios ligados por rodovias estaduais que não possuíam ligação asfáltica, sendo que oitenta e oito deles, ou 40,2%, estão localizados nas regiões Norte, Noroeste e Jequitinhonha/Mucuri. Mais de 30% da população rural destas regiões (500 mil pessoas) foram atendidas pelo Projeto de Combate à Pobreza Rural, com projetos de abastecimento de água, mecanização agrícola, dentre outros.

Por meio do programa Minas Comunica, garantiu telefonia celular para os 412 municípios mineiros que não possuíam acesso a este serviço: 134 destes municípios se localizam nestas regiões.

Para vencer a batalha por universalização do acesso ao saneamento básico, criou-se uma empresa, a COPANOR, com uma missão exclusiva:

garantir o serviço de abastecimento de água e esgotamento sanitário em todas as 463 localidades de 200 a 5.000 habitantes, de 92 municípios das Regiões Norte, Noroeste, e Jequitinhonha/Mucuri. Atualmente, 60 localidades já estão com os serviços em operação e outras 119 encontram-se em obras, beneficiando 1,2 milhão de habitantes.

Do ponto de vista dos indicadores, podemos dizer que a partir de investimentos maciços em saúde e educação, a mortalidade infantil caiu 13,5% entre 2002 e 2008 nas regiões mais pobres do estado. A queda nas internações por desnutrição infantil foi de 70% entre 2002 e 2009 .

Os indicadores de melhoria da qualidade na rede estadual de ensino comprovam que também na educação as regiões mais pobres se destacaram.

O aumento da proficiência média dos alunos da rede estadual, medida pelo Proalfa, em Minas, no período de 2006 a 2009 foi de 11,66. Já no grande Norte foi de 15,05%. O Proeb no período de 2008 e 2009 também confirma a tendência de um crescimento maior no desempenho dos alunos da 5ª e 9ª séries daquela região

Investir para diminuir as diferenças. É isso que o governo do estado vem fazendo. E é esse o único caminho para combater, de forma eficaz, as desigualdades regionais num estado que possui, dentro e si, tantas diferenças.

Atenciosamente,

Elbe Brandão – Secretária de Estado Extraordinária para o Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri e do Norte de Minas

Link do artigo: http://colunistas.ig.com.br/luisnassif/2010/04/28/governo-de-mg-responde-a-os-dilemas-de-minas-gerais/