Arquivos do Blog

Aécio Neves diz que pesquisa mostra que campanha está crescendo

Para Aécio, resultado da pesquisa Ibope é positivo e revela aumento do crescimento de eleitores que vão votar no PSDB

Eleições 2014

Fonte: Jogo do Poder

Para Aécio, resultado do Ibope é positivo e mostra que a campanha está crescendo

O candidato à Presidência da República pela Coligação Muda BrasilAécio Neves, avaliou nessa sexta-feira (08/08) como positivo o resultado da pesquisa Ibope. A pesquisa mostrou o crescimento do nome de Aécio na intenção de votos do eleitorado. O candidato ressaltou que o levantamento indica que a campanha está aquecendo com possibilidade desegundo turno e chance de vitória.

“[A pesquisa é] é extremamente positiva, até porque nós estamos ainda aquecendo os motores da campanha eleitoral, a campanha efetivamente ainda não começou e nosso nome vem crescendo de forma muito consistente”, afirmou Aécio durante visita a Botucatu (SP), acompanhado do governador de São Paulo e candidato à reeleição Geraldo Alckmin (PSDB) e de José Serra, que concorre ao Senado pelo partido

Em seguida, Aécio acrescentou que: “Por isso, tenho muita confiança de que nós estaremos no segundo turno e vamos vencer essas eleições para iniciarmos um novo ciclo de governo no país”.

Pelo resultado da última pesquisa Ibope, divulgada ontem, Aécio cresceu três pontos em relação ao último levantamento, enquanto a candidata à reeleição pelo PT cresceu apenas um. Aécio está agora com 36% das intenções de voto – tinha 33% na última pesquisa –, e Dilma, com 42%. Considerando a margem de erro, a diferença entre eles pode ser de apenas dois pontos percentuais.

No primeiro turno, 23% dos eleitores declaram intenção de voto em Aécio Neves. A candidata do PT tem 38% dos votos. A margem de erro é de dois pontos. Em julho, Dilma Rousseff tinha os mesmos 38% das intenções de voto, ante 22% de Aécio Neves.

A pesquisa mostrou ainda que a taxa de rejeição de Aécio está em queda: foi de 16% para 15%. A de Dilma se manteve em 36%.  A pesquisa foi encomendada ao Ibope pela TV Globo, que divulgou os dados nessa quinta-feira (07/08). Foram ouvidas 2.506 pessoas entre os dias 3 e 7  de agosto, em todo o Brasil

Aécio destacou que sua candidatura representa o novo momento político. Ele rejeitou a sugestão de monopólio em relação a temas e ideologias. “O exclusivismo não faz bem para ninguém. Até me lembro, lá atrás, quando o PT se julgava um exclusivista da ética e dos bons costumes. Deu no que deu. Quando falo novo, é a renovação das ideias. É a capacidade de olhar para o futuro”, afirmou.

Aécio lamentou as afirmações da candidata à reeleição pelo PT, presidente Dilma Rousseff (PT), que chamou de pessimistas os críticos de seu governo.

Então, somos mais de 75% de pessimistas. Mas é bom que fique claro: o pessimismo não é em relação ao Brasil. O Brasil está aí com todas as condições de retomar um ciclo virtuoso. O pessimismo é em relação ao governo, a este governo que fracassou na condução da economia, na gestão do Estado e fracassou também na melhoria dos nossos indicadores sociais”, ressaltou.

Intenções de voto: Aécio cresce 7% entre mais pobres, aponta Ibope

Pré-candidato do PSDB, Aécio teve melhor performance dele entre os eleitores mais pobres — com renda entre um e dois salários mínimos.

Eleições 2014

Fonte: O Globo

Dilma sobe entre os mais ricos, e Aécio melhora junto aos pobres

Para especialistas, nova classe média teme riscos; tucano atrai desiludidos

A reação da presidente Dilma Rousseff registrada pela pesquisa Ibope foi alavancada principalmente pelas intenções de voto de um eleitorado que está longe de ser o tradicional do PT. Foi no grupo dos eleitores mais ricos — o que na metologia usada pelo Ibope inclui majoritariamente a classe média brasileira — que Dilma teve seu maior crescimento no último mês. Em sentido oposto seguiu o pré-candidato do PSDBAécio Neves. A melhor performance dele, em comparação ao levantamento de abril, deu-se junto aos eleitores que estão entre os mais pobres — aqueles com renda entre um e dois salários mínimos. Eduardo Campos (PSB) registrou o mesmo ritmo de crescimento nos dois grupos.

Leia também:

Ibope: Aécio é o que mais cresce em pesquisa

O aumento de intenções de voto de Dilma entre os mais ricos e de Aécio entre os mais pobres já havia aparecido na sondagem do Datafolha no início do mês. A pesquisa Ibope vem confirmar essa tendência que, para especialistas ouvidos pelo GLOBO, é curiosa e precisa ser acompanhada de perto nos próximos levantamentos para ter suas causas entendidas.

Segundo o IbopeDilma cresceu 12 pontos percentuais entre os eleitores com renda acima de cinco salários mínimos, passando de 26% em abril para 38% em maio. Com a escalada, ela superou Aécio. No mês passado, os dois estavam empatados nesse segmento. O tucano oscilou um ponto para baixo e tem hoje a simpatia de 25% dos eleitores.

O maior crescimento de Aécio, de sete pontos, aconteceu entre os entrevistados mais pobres, historicamente ligados ao PT. Ele saltou de 10% das intenções de voto para 17%.

Algumas hipóteses foram levantadas para o fenômeno. Para a professora de Ciência Política da Universidade Federal de São Carlos (UfscarMaria do Socorro Sousa Braga, a melhora de Dilma entre os que ganham mais pode ter relação com a nova classe média.

— Esse é o conjunto do eleitorado mais preocupado com a ameaça de retrocesso. Esse é o eleitor mais suscetível ao discurso do medo que o PT levou a TV nos últimos dias — afirmou.

Programa de TV funcionou

Para o professor da Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília (UnB) e especialista em marketing político Paulo José Cunha, o avanço de Dilma pode ser explicado também pelo perfil conservador desse eleitorado.

— É um eleitor que até quer mudanças, mas não quer correr riscos.

Já o crescimento de Aécio entre os mais pobres, para Cunha, indica que o tucano “estaria conseguindo conquistar, com o discurso sobre corrupção, os decepcionados com o governo, embora beneficiários de programas sociais”.

Apesar dessas movimentações, Dilma continua tendo no eleitorado mais pobre seu maior capital eleitoral, com apoio de mais de 40% dos entrevistados, enquanto Aécio tem maior adesão entre os mais ricos.

Cientista Político, Rubens Figueiredo atribuiu o crescimento geral de Dilma na pesquisa ao programa exibido pelo PT na semana passada.

— Não fosse a propaganda do PT, que foi impactante, Dilma teria dificuldades para se recuperar.

Pesquisa Ibope: Aécio teve maior crescimento

Segundo o Ibope aumentam as chances de segundo turno e começa a diminuir o número de votos nulos e brancos. Dilma tem a maior rejeição

Eleições 2014: Dilma se recupera após propaganda, mas adversários sobem mais, mostra a pesquisa

Fonte: O Estado de São Paulo

Presidente sobe de 37% para 40%, mas Aécio e Campos têm maior crescimento, e diferença da petista para rivais cai para 4 pontos

A sequência de programas partidários na TV despertou mais eleitores para a eleição presidencial e derrubou a parcela de votos brancos e nulos, que estava no patamar mais alto da história recente. Última a aparecer na propaganda, Dilma Rousseff (PT) melhorou de 37% para 40% sua taxa de intenção de votos entre abril e maio, segundo pesquisa Ibope divulgada nesta quinta-feira, 22. Seus adversários diretos, porém, cresceram maiso que eleva as chances de segundo turno.

No cenário com a lista dos oito pré-candidatos que já manifestaram intenção de concorrer, Aécio Neves (PSDB) subiu de 14% para 20% e Eduardo Campos (PSB), de 6% para 11%. A vantagem que Dilma tinha sobre a soma dos adversários diminuiu de 13 pontos porcentuais para apenas 4. Para se reeleger já no primeiro turno, ela precisará da maioria absoluta dos votos válidos (metade mais um) em outubro.

A pesquisa mais recente do Ibope foi feita entre os dias 15 e 19 de maio. No dia 13, o PT começou a exibir na televisão uma polêmica peça de propaganda com o mote “O Brasil não quer voltar atrás”, na qual exaltou o risco da “volta dos fantasmas do passado”, entre eles o do desemprego. Na noite do dia 15, o partido teve 10 minutos em rede no horário nobre, no qual levou esse vídeo de novo ao ar, além de discursos de Dilma e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A pesquisa atual do Ibope também capta os efeitos do programa de 10 minutos do PSDB, exibido no dia 17 de abril. O levantamento anterior do instituto havia sido encerrado no dia 14, três dias antes de os tucanos ocuparem o horário nobre para promover Aécio. Já o PSB de Campos foi à TV no fim de março.

Com essa invasão da propaganda partidária nos meios de comunicação, a soma de quem pretendia votar em branco, anular ou não sabia responder despencou entre as pesquisas Ibope de abril e maio. Foi de 37% para 24% e voltou ao patamar histórico esperado para esta época da campanha eleitoral.

Foi na faixa do eleitorado com renda superior a 5 salários mínimos que Dilma se recuperou mais. Nesse grupo, a presidente foi de 26% a 38% das intenções de voto, enquanto Aécio oscilou um ponto para baixo, de 26% para 25%. Nas demais faixas de renda, Dilma tem pior desempenho entre quem ganha de 2 a 5 salários mínimos. Apenas 35% desses eleitores pretendem votar na presidente. Seu melhor desempenho é entre os mais pobres: 56% dos eleitores que ganham até 1 salário mínimo por mês declaram voto na petista.

No corte por regiões, Dilma vai pior no Sudeste, seguindo a tradição dos candidatos petistas desde 2006. Ela tem hoje 33% das intenções de voto na região, contra 24% de Aécio e 8% de Campos. É no Nordeste que Dilma e Campos se saem melhor, com 51% e 15%, respectivamente. Aécio tem 11% entre os nordestinos.

Dilma ampliou sua taxa de intenção de votos no último mês, mas não conseguiu reduzir a parcela do eleitorado que não admite votar nela de jeito nenhum  –  o porcentual ficou estável, em 33%. Já a situação de seus adversários melhorou: a rejeição a Aécio caiu de 25% para 20%, e a Campos, de 21% para 13%.

A pesquisa ouviu 2.002 eleitores em 140 municípios. A margem de erro do levantamento é de dois pontos porcentuais, com nível de confiança de 95%  –  ou seja, há 95% de probabilidade de os números retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro. O levantamento foi custeado pelo próprio Ibope e registrado no Tribunal Superior Eleitoral sob o protocolo BR-00120/2014. / COLABORARAM RODRIGO BURGARELLI E DIEGO RABATONE