Arquivos do Blog

Gestão Eficiente: Governo Anastasia vai expandir BH-Tec

Gestão Eficiente: BH-Tec se prepara para uma expansão com investimentos de meio bilhão de reais

Gestão Eficiente: Governo Anastasia

Para a construção da fase II, composta de cinco edifícios de 18 andares cada um, há uma previsão de investimentos de R$ 464 milhões

Divulgação
Perspectiva do novo BH-Tec
Perspectiva do novo BH-Tec

O Parque Tecnológico de Belo Horizonte — inaugurado em maio de 2012 — ganhará uma expansão nos próximos anos para abrigar novas empresas de tecnologia. Para a construção da fase II, composta de cinco edifícios de 18 andares cada um, há uma previsão de investimentos privados que chegarão a R$ 464 milhões. Nesta sexta-feira (22) no BH-Tec, houve uma audiência aberta a empresas interessadas no processo de concessão ao setor privado de direito para a construção de um complexo imobiliário. Essa audiência faz parte da Consulta Pública aberta em fevereiro. Entre as diversas construtoras interessadas, compareceram à sede do BH-Tec: Odebrecht, Cowan e Camargo Correa. Todas elas estão interessadas no projeto de expansão.

Segundo o secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Narcio Rodrigues, o Governo de Minas investiu quase R$ 40 milhões na construção da primeira fase do BH-Tec, que tem 15 empresas de alto conteúdo tecnológico em funcionamento, além do escritório institucional do BH-Tec. A construção de 7.550 m2 se deu no terreno cedido por 30 anos em regime de comodato pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). A iniciativa teve a parceria da Prefeitura de Belo Horizonte, Agência Brasileira de Inovação (Finep), Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) e Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

Narcio Rodrigues assegura que o Governo de Minas está trabalhando intensamente para ampliar o ambiente de inovação no Estado e o BH-Tec é um dos mais importantes espaços em funcionamento, que tem despertado o interesse de empresas diversas, entre elas alguns gigantes da área de tecnologia.  A fase II vem exatamente para abrigar as empresas interessadas em desenvolver produtos e serviços de alta tecnologia, segmento que mais cresce na economia globalizada.  As novas edificações se darão em um novo modelo gerenciado pelo BH-Tec, porém com recursos totalmente privados.

Fase II – construção

Toda a fase II será custeada pela iniciativa privada e a área construída alcançará 207 mil metros quadrados nos cinco edifícios. A construção se dará em três fases, iniciando em julho de 2013 e sendo concluída em 2018. Ao final da concessão em 2041 todos os ativos serão transferidos para a UFMG. Os estudos para se chegar a quase meio bilhão de reais foram feitos pelo Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), Accenture e Junqueira Ferraz Advogados.

De acordo com os estudos imobiliários apresentados, a licitação deverá ocorrer em maio e a celebração do contrato com a empresa vencedora, em julho. A escolha da construtora se dará pelo maior valor de outorga e haverá condicionantes técnicos e financeiros de acordo com a Consulta Pública no www.bhtec.org.br

UFMG como âncora do BH-Tec

O Parque Tecnológico de Belo Horizonte oferece excelentes perspectivas para os interessados, uma vez que está fisicamente e em pesquisas, ligado à UFMG. Essa instituição é considerada a terceira maior e melhor universidade do Brasil com 50 mil estudantes, 700 doutores e 1300 mestres e 800 grupos de pesquisa. A Universidade Federal de Minas Gerais possui a maior escola de engenharia do Brasil com a formação de 1000 profissionais por ano.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/bh-tec-se-prepara-para-uma-expansao-com-investimentos-de-meio-bilhao-de-reais/

Anúncios

Gestão Anastasia: Minas Gerais consolida posição de referência nacional na área de inovação tecnológica

Programa de Apoio aos Parques Tecnológicos do Governo de Minas prevê implantação de quatro novos empreendimentos neste ano

Wellington Pedro / Imprensa MG
Parque Tecnológico de Viçosa tem como foco as áreas de agronegócio, biotecnologia e tecnologia da informação
Parque Tecnológico de Viçosa tem como foco as áreas de agronegócio, biotecnologia e tecnologia da informação

Com a implantação do Parque Tecnológico de Belo Horizonte (BH-Tec), no bairro Engenho Nogueira, na região da Pampulha, o Governo de Minas impulsiona ainda mais o Programa de Apoio aos Parques Tecnológicos. Até o fim deste ano, Minas Gerais contará com seis parques tecnológicos, o que consolida a posição do Estado como referência nacional em formação de mão de obra qualificada e desenvolvimento de projetos de inovação.

Além do BH-Tec, o Estado conta, desde 2011, com o Parque Tecnológico de Viçosa, na Zona da Mata. Além destes dois, outros quatro já estão em fase de instalação. Coordenado pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), o programa prevê a implantação dos parques de Itajubá, no Sul de Minas; Juiz de Fora, na Zona da Mata; Uberaba, no Triângulo Mineiro; e Lavras, também no Sul do Estado.

Parque Tecnológico de Viçosa

Foi inaugurado abril de 2011, tendo como foco as áreas de agronegócio, biotecnologia e tecnologia da informação. O empreendimento está em fase de seleção das empresas. Estão previstos 81 lotes de 2 mil metros quadrados para centros de pesquisa, prédios institucionais e empresas de base tecnológica. O parque abriga o Centro Tecnológico de Desenvolvimento Regional de Viçosa (Centev), eleito por duas vezes como “melhor incubadora de empresas orientadas para o desenvolvimento local e setorial”, pela Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores.

Parque Tecnológico de Juiz de Fora

A previsão é que as obras de infraestrutura e de construção do prédio institucional sejam iniciadas ainda neste ano. O parque da Zona da Mata atuará nas áreas de biotecnologia, saúde humana e animal, eletroeletrônica, leite e derivados, e tecnologias de informação e comunicação. O parque terá 92,2 hectares e estão previstas áreas de serviço e comércio, pesquisa e produção.

Parque Tecnológico de Lavras

Em fase de elaboração de projetos urbanístico e arquitetônico, tem entrega prevista para julho deste ano. O empreendimento vai abrigar empresas nas áreas de saúde animal, tecnologia de alimentos, biotecnologia, tecnologia da informação e engenharias. O plano diretor prevê área de 7 mil metros quadrados para condomínio de empresas, edifício institucional, centro de convivência, parque ecológico, áreas de socialização, de serviços.

Parque Tecnológico de Uberaba

Em Uberaba, o parque tecnológico está em fase de contratação de projetos urbanístico e arquitetônico. Numa área de 160 hectares, deverá atender às áreas de biotecnologia, tecnologia da informação, energia, meio ambiente, design e fármacos.

Parque Tecnológico de Itajubá

Com inauguração prevista para novembro de 2012, a nova unidade do Sul de Minas terá como foco as áreas de bio e nanotecnologia, energia e engenharias.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/minas-gerais-consolida-posicao-de-referencia-nacional-na-area-de-inovacao-tecnologica/

Gestão em Minas: Governador Anastasia inaugura Parque Tecnológico de Belo Horizonte

BH-TEC visa estreitar laços da universidade com setor produtivo para fomentar a geração de empregos. UFMG e Prefeitura são parceiras do empreendimento

Gil Leonardi /Imprensa MG
Anastasia inaugura o Parque Tecnológico de Belo Horizonte (BH-Tec), um dos mais importantes espaços do país para abrigar empresas de tecnologia
Anastasia inaugura o Parque Tecnológico de Belo Horizonte (BH-Tec), um dos mais importantes espaços do país para abrigar empresas de tecnologia

O governador Antonio Anastasia inaugurou, nesta quarta-feira (16), na região da Pampulha, o Parque Tecnológico de Belo Horizonte (BH-Tec), um dos mais importantes espaços do país para abrigar empresas de tecnologia. O principal objetivo do parque é estreitar os laços da universidade com o setor produtivo empresarial por meio da inovação tecnológica, gerando benefícios para toda a sociedade.

“Essa data ficará no registro da história econômica de Minas Gerais e de Belo Horizonte. Esse trabalho, essa inauguração que fazemos aqui do espaço institucional do BH- Tec reflete na plenitude o que nós queremos para o Brasil. Estamos diante de algo que será decisivo para o futuro econômico de Minas Gerais e do Brasil. Os olhos econômicos estão voltados para cá. Tenho certeza que, com o desdobramento nos anos vindouros, vamos ter orgulho de olhar para trás e ver o trabalho feito por toda a equipe, em parceria”, destacou o governador Anastasia.

O BH-Tec está implantado numa área de 535 mil metros quadrados, dos quais 350 mil metros quadrados de Zona de Preservação Ambiental, onde estão incluídas as Áreas de Proteção Permanentes do Córrego do Mergulhão e suas margens, e um brejo e sua margem, e 185 mil metros quadrados de Zona de Grandes Equipamentos (ZPE). Cerca de 93 mil metros quadrados são destinados a lotes.

Os parceiros do Governo de Minas no BH-Tec são a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Prefeitura de Belo Horizonte. A iniciativa tem o apoio estratégico da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg) e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Minas Gerais (Sebrae-Minas).

O reitor da Universidade Federal de Minas Geral (UFMG), Clélio Campolina Diniz, destacou que a inauguração do BH-Tec quebra barreiras ao reunir em um só local o conhecimento da academia e o empreendedorismo da iniciativa privada. “Temos a responsabilidade de construir um modelo que seja capaz de gerar desenvolvimento econômico, com justiça social e fazer uma ponte cada vez maior entre os mundos acadêmico e empresarial”, frisou o reitor.

“No BH-Tec, o capital humano que virá da UFMG irá transbordar em criatividade e genialidade. Não temos pressa. Sabemos que governamos, trabalhamos para o futuro e para as futuras gerações. Não temos o açodamento imediatista a que alguns se submetem porque sabemos que é com planejamento que vamos, de fato, conseguir investir em Minas Gerais e avançar ainda mais no seu desenvolvimento tecnológico”, afirmou Anastasia.

O prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda, destacou que, nos últimos anos,  o Governo do Estado tem tido um norte muito claro na questão do desenvolvimento econômico associado à atração de investimentos, à geração do conhecimento, à pesquisa e à inovação. “O crescimento do Produto Interno Bruto de Minas Gerais e da Região Metropolitana de Belo Horizonte tem muito a ver não só com o modelo de gestão claro, determinado e focado em metas e indicadores, mas principalmente em um processo claro de desenvolvimento vinculado à inovação”, afirmou.

Economia do conhecimento

Foram investidos R$ 65 milhões no BH-Tec, incluindo o terreno de 535 mil metros quadrados e a construção do edifício institucional com 7.553 metros quadrados, que abrigará 16 empresas das áreas de Ciências da Vida (bio-tecnologia, saúde humana e animal), tecnologias da informação e comunicação, de materiais e de processos, ambientais e para entretenimento e cultura, além de energias alternativas. Nesta fase estão sendo gerados 300 empregos.

Desses R$ 65 milhões, o Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), foi responsável por R$ 35,5 milhões, sendo R$ 28,3 milhões para a construção do edifício institucional. Do governo federal, a contrapartida veio do terreno avaliado em R$ 20 milhões, cedido pela UFMG, em regime de comodato; e pela Financiadora de Projetos (Finep/MCTI), que investiu em R$ 2,5 milhões na rede de telefonia e dados. A Prefeitura Municipal de Belo Horizonte investiu R$ 7 milhões na infraestrutura viária do parque.

O secretário de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Nárcio Rodrigues falou da importância da inauguração do BH-Tec para o fomento da economia do conhecimento.

“A inauguração do parque tecnológico do BH-Tec é um passo decisivo para inserirmos Minas na sociedade do conhecimento. Conseguimos reunir no BH-Tec todos aqueles que pensam em uma Minas moderna e inserida na economia do conhecimento, produzindo conhecimento científico e gerando emprego, uma obsessão do governo mineiro”, ressaltou Nárcio Rodrigues.

A completa implantação do BH-Tec demandará investimentos da ordem de R$ 600 milhões nos próximos anos. O parque será implantado em etapas e terá sua estrutura imobiliária financiada, em grande parte, por investidores privados, que serão selecionados a partir de licitação. O Sebrae e a Fiemg participam de estudos para modelagem de negócio.

Programa

O Programa de Apoio aos Parques Tecnológicos, coordenado pela Sectes e o apoio Fapemig prevê a implantação de quatro parques, além do BH-Tec e o de Viçosa, na Zona da Mata, inaugurado em 2011.  São eles: Itajubá e Lavras no Sul do estado, Juiz de Fora na Zona da Mata e Uberaba no Triângulo.

 

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governador-anastasia-inaugura-parque-tecnologico-de-belo-horizonte/