Arquivos do Blog

Gestão em Minas: últimos dias da exposição coletiva de Nelson Cruz e Janice Rosa em Ouro Preto

 

Obras estão expostas na galeria de arte Nello Nuno da Faop

Douglas Aparecido / Faop

As obras “Reminiscência – Reflexões sobre objetos de memória” e “Composição com Glauber Rocha e outros retratos”, de Janice Rosa e Nelson Cruz, estão expostas na Galeria de Arte Nello Nuno até sábado (30), em Ouro Preto. Os artistas são amigos de longa data e decidiram se unir para montar a exposição coletiva que contrapõe o colorido dos trabalhos de Nelson com o preto e branco dos desenhos de Janice, criando um diálogo único e interessante entre as peças.

A “Composição com Glauber Rocha e outros retratos” conta com dez aquarelas sobre papel Fabriano e sete pinturas de acrílica sobre materiais diversos. Já em “Reminiscência – Reflexões sobre objetos de memória”, Janice Rosa apresenta gravuras e desenhos sobre papel com reflexos das suas próprias vivências.

A Galeria de Arte Nello Nuno faz parte da Fundação de Arte de Ouro Preto (Faop) e funciona segunda a sexta-feira, das 12h às 18h, e aos sábados, das 9h às 14h, na rua Alvarenga, 694, bairro Cabeças, em Ouro Preto. A entrada é franca.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/ultimos-dias-da-exposicao-coletiva-de-nelson-cruz-e-janice-rosa-em-ouro-preto/

Anúncios

Governo de Minas: segundo trecho da Trilha Real é inaugurado em Ouro Preto

O novo trecho será uma oportunidade para o turista entrar em contato com vestígios do período colonial, além de conhecer a beleza arquitetônica da cidade Histórica.

Gil Leonardi / Imprensa MG
A secretária adjunta de Estado de Turismo, Silvana Nascimento (centro), destaca importância dos investimentos no turismo sustentável.
A secretária adjunta de Estado de Turismo, Silvana Nascimento (centro), destaca importância dos investimentos no turismo sustentável.

A secretária-adjunta de Estado de Turismo, Silvana Nascimento, participou nesta quinta-feira (21), no parque municipal Cachoeira da Andorinhas, em Ouro Preto, da cerimônia oficial de inauguração do segundo trecho da “Trilha Real” – Estrada do Capanema/Ouro Preto.

Com 46 km de extensão, o trecho da trilha foi estruturado com sinalização turística especial, interpretativa e indicativa, que facilita o acesso e deslocamento do visitante que deseja praticar caminhadas no percurso. Aliada aos 38 km do primeiro trecho, que vai de Itabirito a Acuruí, inaugurados em 2010, a Trilha Real já soma 84 quilômetros estruturados para receber turistas na região de abrangência da Estrada Real.

O novo trecho será uma oportunidade para o turista entrar em contato com vestígios do período colonial e da exploração do ouro em Minas Gerais, além de conhecer a beleza arquitetônica de Ouro Preto – Patrimônio Cultural da Humanidade – e ainda desfrutar da natureza exuberante da região.

Silvana Nascimento lembrou que, nos últimos dias, lideranças de todo o mundo estão voltadas para a discussão de temas que envolvem a sustentabilidade e o futuro do planeta através da Conferência das Nações Unidas sobre Sustentabilidade – Rio +20. De acordo com ela, a Trilha Real é um projeto que também está inserido neste contexto. “Sabemos que o meio ambiente é considerado o ativo principal da atividade turística. E este é mais um projeto em que o Governo de Minas trabalha o turismo com foco na preservação histórico-cultural e na orientação para educação ambiental, buscando sempre a inserção das comunidades no processo turístico”, ressaltou.

De acordo com o prefeito municipal de Ouro Preto, Ângelo Oswaldo, o turismo é a resposta socioeconômica para as comunidades. Durante a fala, ele lembrou que a Trilha Real passa também pelas margens do Rio das Velhas, considerado berço de Ouro Preto e berço da mineiridade. “É nessa região, onde está localizado o coração de ouro de Minas Gerais, que a trilha real está situada. Estamos retomando a trilha primitiva da história de Minas Gerais que abrange a região norte da Estrada Real. Com a criação da trilha, nossos pequenos distritos e povoados vão poder incrementar suas iniciativas, como a expansão hoteleira, o incremento do artesanato e a inserção de seus atrativos neste novo produto turístico”, disse.

Também estiveram presentes na cerimônia de inauguração, a representante do Instituto Estrada Real, Elisângela Mendes, o presidente da Associação do Circuito Turístico do Ouro, Ubiraney Silva e o secretário municipal de Cultura e Turismo de Ouro Preto, André Simões, além de lideranças dos municípios que integram a trilha, caminhantes e biólogos.

Atrações

No novo trecho inaugurado, o turista irá conhecer e se encantar com lugares impressionantes. Os distritos e povoados de Glaura, São Bartolomeu e Soares são identificados pela vida pacata e pela tranquilidade do interior, além da grande quantidade de recursos naturais e atrativos culturais e históricos. A paisagem é emoldurada pelas margens do Rio das Velhas e pela Serra do Capanema (maciço da Serra do Espinhaço), onde situa-se a Área de Proteção Ambiental do Uaimii.

Ao final do trecho está Ouro Preto, que possui título de “Cidade Patrimônio Cultural da Humanidade”, conferido pela Unesco, em 1980. A cidade histórica, tricentenária, possui um expressivo conjunto arquitetônico   urbanístico do período colonial luso-brasileiro, o que a torna o principal destino turístico de Minas, sendo reconhecida internacionalmente.

A antiga Vila Rica do Pilar cresceu rapidamente no início do século 18, com a extração do ouro. No período consolidou-se como capital de Minas Gerais. Ouro Preto foi também cenário principal da Inconfidência Mineira e berço nacional das artes sob a forte influencia de grandes mestres como Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, e do pintor Athayde, cujas obras atraem turistas de todo o mundo. No aspecto natural, abriga unidades de conservação, como o Parque do Itacolomi, a APA das Andorinhas e a famosa Reserva Biológica do Tripuí.

Trilha Real

A Trilha Real é um projeto do Governo de Minas, executado pela Secretaria de Estado de Turismo (Setur), e passa pelos municípios de Ouro Preto, Ouro Branco e Itabirito, integrando a grande rota turística de Minas Gerais, a Estrada Real. Na Trilha Real, o viajante poderá percorrer o trecho com segurança e tranquiildade, individualmente ou em grupo. É uma oportunidade de fazer um passeio pelos caminhos mineiros por onde passaram tropeiros, bandeirantes e escravos, além de conhecer os pequenos vilarejos do período colonial brasileiro e desfrutar de belas paisagens.

7O projeto Trilha real é uma parceira do Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Turismo, com a Prefeitura de Ouro Preto, a Associação do Circuito Turístico do Ouro e o Instituto Estrada Real.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/segundo-trecho-da-trilha-real-e-inaugurado-em-ouro-preto/

Governo de Minas: cidades mineiras têm programação extensa para receber turistas neste inverno

Festivais nas cidades históricas, o frio do Sul e as belezas naturais devem atrair milhares de visitantes ao Estado nesta estação.

Baixas temperaturas, neblina, chocolate quente, festivais de inverno, gastronomia e muita hospitalidade. Muitas são as palavras que podem representar o inverno em Minas Gerais, que também significa alta temporada turística no Estado. O inverno começa oficialmente nesta quarta-feira (20), e a Secretaria de Estado de Turismo de Minas Gerais (Setur) preparou algumas dicas para que o turista possa aproveitar a estação nas terras mineiras.

De acordo com o secretário de Estado de Turismo de Minas Gerais, Agostinho Patrus Filho, Minas Gerais tem inúmeras opções para o turista que quiser visitar o Estado neste inverno. “A nossa diversidade natural e cultural é um dos mais importantes diferenciais turísticos. No inverno, nossos municípios preparam opções para atrair turistas de todos os gostos e localidades. Vale destacar os festivais que aquecem e animam turistas e moradores de Minas Gerais”, diz Patrus.

Arraial animado em Belo Horizonte

Em Belo Horizonte, o já conhecido Arraial de Belô promete agitar a festança junina na capital. Comidas típicas da Festa de São João vão esquentar as 75 mil pessoas esperadas para esta edição do evento. O Arraial de Belô 2012, uma das maiores festas juninas do país, está em sua 34ª edição e promete uma programação pra lá de animada com as apresentações das quadrilhas. Para saber mais, acesse o site do evento.

Festivais de Inverno

Já tradicionais, os festivais de inverno movimentam as cidades do interior do Estado. O Festival de Inverno de Ouro Preto e Mariana, considerado um dos melhores do país, acontece entre os dias 8 e 22 de julho.  Na programação, mais de 123 atividades e oficinas voltadas para artes cênicas, música, artes plásticas. A programação estará disponível no site do festival.

Além de participar da programação do festival, o turista poderá aproveitar para conhecer os atrativos da região. Andar pelas ruas tricentenárias de Ouro Preto, visitar as tradicionais igrejas e famosos museus da cidade, além de poder fazer uma deliciosa viagem de Maria Fumaça de Ouro Preto a Mariana, são algumas das opções disponíveis.

O 44º Festival de Inverno da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) acontece entre os dias 15 a 26 de julho, na cidade de Diamantina. Já a Universidade Federal de São João del Rei realiza, entre os dias 14 e 28 de julho, o 25º Inverno Cultural. Espetáculos musicais, dança, teatro, artes plásticas, cinema e oficinas fazem parte da programação que promete aquecer os visitantes. Para mais informações, acesse o site com a programação na cidade.

Gastronomia e cultura em Araxá

Terra das águas termais, Araxá, no Alto Paranaíba, espera receber 10 mil pessoas para o Festival Internacional de Cultura e Gastronomia da cidade, que acontece de 21 a 24 de julho. Na programação, shows, exposições, festins com chefes franceses e oficinas gastronômicas estarão à disposição dos visitantes. Quem for curtir o evento, poderá também participar de degustações de cervejas e vinhos especiais. Para saber a programação completa, acesse o site do evento.

Baixas temperaturas no Sul de Minas

Famosas por suas baixas temperaturas, algumas cidades de Minas Gerais já se preparam para receber os visitantes nesta época do ano. Para aqueles que querem aproveitar o friozinho mineiro e conhecer belas paisagens, a dica é visitar as cidades do Sul de Minas.

Um dos destinos procurados no inverno é charmoso distrito de Monte Verde, em Camanducaia. Entre os dias 07 e 29 de julho, o visitante poderá aproveitar a programação do Festival de Inverno de Monte Verde que terá apresentações de blues e jazz.  Situada na Serra da Mantiqueira, a vila mantém costumes trazidos pelos primeiros moradores e possui influência alemã, suíça e italiana. No inverno, os termômetros sempre registram temperaturas negativas. Além disso, os visitantes podem aproveitar os atrativos de natureza e escalar as altas montanhas da Serra da Mantiqueira ou fazer caminhadas nas trilhas que levam até o topo da Serra. Lá de cima, é possível ver toda Monte Verde, Campos do Jordão e outras cidades do Vale do Paraíba.  De acordo com a secretaria de Turismo e Cultura de Camanducaia, a ocupação hoteleira na cidade está de 100% até a primeira semana de agosto e a expectativa é de cerca de 100 mil turistas visitem o município nesta época do ano.

Maria da Fé, a 486 km de Belo Horizonte, no Sul de Minas, é a cidade mais fria do Estado e é conhecida nacionalmente devido aos frequentes registros de baixas temperaturas.  Neste inverno, os turistas que visitarem a cidade podem aproveitar o Festival de Inverno, que acontecerá entre os dias 5 e 15 julho, e espera receber mais de 30 mil pessoas.

Cidade de ar puro, clima de montanha e gente hospitaleira. Extrema foi presenteada com uma natureza exuberante onde o turista poderá experimentar a sensação de explorar trilhas, cachoeiras, pedras e mirantes. Os mais aventureiros podem praticar voo livre, rapel e boiacross, nas corredeiras do rio Jaguari.  De acordo com a Secretaria municipal de Cultura e Turismo de Extrema, são esperados cerca de 100 mil visitantes na cidade durante o inverno e a taxa de ocupação dos meios de hospedagem alcançou 90%.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/cidades-mineiras-tem-programacao-extensa-para-receber-turistas-neste-inverno/

Governo de Minas: segundo trecho da Trilha Real será inaugurado nesta quinta-feira em Ouro Preto

Percurso de 46 quilômetros recebeu sinalização turística especial para visitantes que queiram praticar caminhada pela Estrada Real.

O Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Turismo (Setur), e a Prefeitura Municipal de Ouro Preto, o Instituto Estrada Real e o Circuito Turístico do Ouro, inauguram nesta quinta-feira (21), o segundo trecho da “Trilha Real” – Estrada do Capanema/Ouro Preto.

O percurso, com 46 km de extensão, foi estruturado com sinalização turística especial, interpretativa e indicativa, visando facilitar o acesso do visitante que deseja praticar caminhadas pela Estrada Real. Pelo trecho, o turista terá a oportunidade de vivenciar vestígios do Período Colonial e da exploração do ouro em Minas Gerais, conhecer a beleza arquitetônica de Ouro Preto – Patrimônio Cultural da Humanidade – e ainda desfrutar da natureza exuberante da região.

Trilha Real

A Trilha Real, integra a grade rota turística de Minas Gerais – a Estrada Real –  e é uma oportunidade de reviver os caminhos mineiros por onde passaram bandeirantes, escravos e tropeiros. Além de conhecer os pequenos vilarejos e cidades de arquitetura colonial barroca, o viajante desfrutará de belas paisagens.

O percurso total possui 138 quilômetros e integra os municípios de Ouro Preto, Ouro Branco e Itabirito, onde o viajante poderá percorrer o trecho com segurança e tranquilidade, individualmente ou em grupo.

Lançamento do segundo trecho da Trilha Real – Estrada do Capanema / Ouro Preto

Data: 21/06

Horário: 10h

Local: Parque Municipal Cachoeira da Andorinhas, em Ouro Preto

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/segundo-trecho-da-trilha-real-sera-inaugurado-nesta-quinta-feira-em-ouro-preto/

Governo de Minas: Circuito Turístico do Ouro lança sistema de gestão integrada

Lançamento do Sistema Circuito do Ouro foi realizado durante a 13ª reunião do Conselho Estadual de Turismo

José Carlos Paiva/Imprensa MG
O secretário Agostinho Patrus Filho presidiu a 13ª Reunião do CET
O secretário Agostinho Patrus Filho presidiu a 13ª Reunião do CET

O Circuito Turístico do Ouro lançou, na tarde desta terça-feira (19), durante a 13ª Reunião Ordinária do Conselho Estadual de Turismo, na Cidade Administrativa, o sistema de gestão integrada Circuito do Ouro. O sistema propõe que a Associação do Circuito Turístico do Ouro, a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (Abih) regional e o Ouro Preto e Circuito do Ouro Convention & Visitors Bureau atuem de maneira cooperada em prol do desenvolvimento turístico da região, de acordo com a linha de atuação de cada uma das entidades.

O secretário de Estado de Turismo, Agostinho Patrus Filho, ressaltou a importância da iniciativa. “O trabalho integrado e coordenado entre as entidades do trade demonstra uma boa prática do turismo mineiro na gestão regional. Ações como essa vêm ao encontro do interesse do Governo de Minas em fortalecer o Programa de Regionalização do Turismo no Estado”, afirma.

Dentro do sistema integrado, caberá a Abih o fortalecimento da cadeia hoteleira regional, visando ao incremento do fluxo turístico e à distribuição do mesmo para Ouro Preto e seu entorno; ao Ouro Preto e Circuito do Ouro Convention & Visitors Bureau caberá a promoção e o marketing dos destinos na captação de eventos nacionais e internacionais; e à Associação do Circuito Turístico do Ouro caberá o fortalecimento da gestão turística nos municípios, dos empresários e da cadeia produtiva do turismo regional com vistas a uma melhor qualidade no atendimento.

De acordo com o presidente do Circuito Turístico do Ouro, Ubiraney Silva, essa é uma iniciativa inédita em Minas Gerais e demonstra a integração das entidades para melhor trabalhar a gestão da atividade turística. “Com a criação do Sistema Circuito do Ouro, estamos propondo a organização da cadeia produtiva através de um trabalho integrado, pois entendemos que quando temos as entidades bem organizadas, conseguimos nosso objetivo maior de movimentar a economia dos municípios”.

Índice de Competitividade

Durante a reunião, também foi apresentado o resultado do Índice de Competitividade – 65 Destinos Indutores 2011, divulgado pelo Ministério do Turismo. De acordo com o estudo realizado na capital mineira e nos municípios de Diamantina, Tiradentes e Ouro Preto, os destinos turísticos mineiros obtiveram uma nota média superior à nota média nacional. Em 2011, o índice médio dos municípios mineiros pesquisados foi 10,3% maior do que a média nacional. Enquanto Minas Gerais obteve um valor de 63,4, a média Brasil foi de 57,5.

Ainda segundo o estudo, Belo Horizonte obteve uma média de 75,5. Este número é 15,3% maior do que a média das outras capitais nacionais pesquisadas, que obtiveram uma média de 65,5. Os demais municípios mineiros pesquisados obtiveram um índice médio de 59,4, ou seja, 14,7% acima dos municípios nacionais considerados como não capitais, que atingiram o valor médio de 51,8. A cidade histórica de Tiradentes foi considerada destaque em 2011 como não capital que mais evoluiu no indicador referente à capacidade empresarial, com um aumento de 63,2% em relação ao valor alcançado em 2010.

Conselho Estadual de Turismo

O Conselho Estadual de Turismo (CET) é um colegiado de caráter consultivo, propositivo e deliberativo, e órgão superior de assessoramento e integração da Secretaria de Estado de Turismo, que tem por finalidade propor ações e oferecer subsídios para a formulação da Política Estadual de Turismo e apoiar sua execução, com vistas a sua consolidação e continuidade.

O CET possui 43 integrantes, sendo 28 da sociedade civil, representada pelos diversos segmentos e entidades do Turismo de Minas, e 15 representantes do setor público, incluindo secretarias de Estado e órgãos do Governo Estadual com atividades interligadas ao setor.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/circuito-turistico-do-ouro-lanca-sistema-de-gestao-integrada/

Gestão Eficiente: Governador Anastasia anuncia instalação de Condomínio das Águas Unesco-HidroEX

Unidade, em Frutal, no Triângulo Mineiro, atenderá países da América Latina e da Comunidade de língua portuguesa
Wellington Pedro/Imprensa MG
Unesco HidroEX / Divulgação
Condomínio Temático da Cidade das Águas é composto por 16 universidades e organismos oficiais
Condomínio Temático da Cidade das Águas é composto por 16 universidades e organismos oficiais

O governador Antonio Anastasia anunciou, nesta terça-feira (19), durante solenidade no Palácio Tiradentes, a instalação oficial do “Condomínio Temático de Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa de Desenvolvimento em Águas”, a Cidade das Águas Unesco-HidroEX, em Frutal, no Triângulo Mineiro.  O evento teve a participação da diretora geral da Unesco,  Irina Georgieva Bokova.

“Nós, mineiros, somos extremamente orgulhosos e ciosos das nossas riquezas, não só do minério de ferro, do ouro, das pedras preciosas, da nossa riqueza industrial, do capital humano tão diferenciado, mas fundamentalmente somos orgulhosos das nossas águas. As águas de Minas Gerais são conhecidas em todo o mundo. Somos igualmente apelidados ou intitulados como o estado caixa d’água do Brasil. Fora da Bacia Amazônica temos o nascimento das maiores bacias hidrográficas do país. Temos águas minerais conhecidas e aplaudidas pela sua qualidade e por isso mesmo sabemos da riqueza, do que é, e do que são as águas de Minas Gerais”, destacou o governador.

Durante a solenidade, foi firmada parceria entre o Governo de Minas e o Centro Internacional de Excelência em Acidentes Naturais e Gestão de Riscos (Icharm), entidade japonesa especializada no enfrentamento de situações de risco e representada pelo diretor Kuniyoshi Takeuchi. O objetivo é ampliar a base de conhecimento para o uso sustentável da água, a gestão dos recursos hídricos e a prevenção e gestão de desastres urbanos. O Icharm, vinculado à Unesco, sediado em Sukuba (Japão) e considerado um dos mais avançados do mundo, desenvolve estudos e contribui de maneira significativa para o enfrentamento de situações de risco ocorridas no Japão e em outros lugares do mundo.

Cidade das Águas

A diretora geral da Unesco, Irina Georgieva Bokova, falou sobre o HidroEx. “Temos um grande orgulho desta parceria com os governos de Minas e federal. Acreditamos no desenvolvimento sustentável que não pode ocorrer sem a água. Á água é social, é política, é vida, é paz. Sabemos que o HidroEx aborda essa questão da mesma forma e o vemos como o nosso projeto”, disse.

Para o governador Anastasia, as pesquisas que serão desenvolvidas na Cidade das Águas e nos centros congêneres espalhados pelo mundo, servirão para garantir o futuro da humanidade. “Tenho certeza de que a Unesco ao se associar, ao apadrinhar, ao albergar, ao nos dar a guarida da sua respeitabilíssima instituição para esse trabalho do HidroEX, certamente está permitindo que Minas Gerais e o Brasil avancem mais na questão tão delicada que é gestão das águas”, afirmou Anastasia.

Condomínio Temático

O condomínio é composto por 16 universidades e organismos oficiais voltados para o tema.  Nele estão oito universidades federais de Minas Gerais (UFMG), Lavras (Ufla), Viçosa (UFV), Ouro Preto (Ufop), Uberlândia (UFU), Uberaba (UFTM),  Itajubá (Unifei) e  Alfenas (Unifal), as estaduais Unimontes e Uemg, e a PUC Minas. Também estarão lá a Agência Nacional de Águas (ANA), Embrapa, por meio do Núcleo de Irrigação (NURII) e Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam), Emater e Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais (Cetec).

A Cidade das Águas é um dos 20 centro de categoria II reconhecidos pela Unesco, criado pelo Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), com apoio da Unesco e ancorado no Centro Internacional de Educação, Capacitação e Pesquisa Aplicada em Água (Unesco-HidroEX).

Ocupa uma área de 374.400 m², onde estão instalados a sede do Centro e os dois primeiros prédios do campus da Uemg, com 66 salas de aula, seis laboratórios e um anfiteatro. Na semana passada, a equipe do arquiteto e urbanista Jaime Lerner concluiu a concepção do projeto urbanístico e paisagístico da Cidade das Águas, que terá perfeita integração com a cidade de Frutal.  O Governo de Minas e o Governo Federal já investiram R$ 50 milhões na consolidação do conglomerado, com a previsão de mais R$ 80 milhões nos próximos dois anos, totalizando R$ 130 milhões.

“A previsão é de que possamos entregar a estrutura física do Unesco HidroEX no final de 2014. Já temos cerca de 30% da estrutura feita. Contratamos mais R$ 62 milhões em obras que incluem os alojamentos, o centro de educação à distância, os laboratórios, que vão permitir o início das atividades do Unesco HidroEX”, explicou secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Nárcio Rodrigues.

Todas as instituições presentes no complexo terão como eixo central a gestão, preservação e recuperação das águas, superficiais e subterrâneas. Outro objetivo será a formação de uma nova geração de líderes na gestão da água. Além de atender ao Brasil, a Cidade das Águas tem suas atividades voltadas para os países da América Latina e da África de Língua Portuguesa, promovendo a transferência de tecnologia em gestão de águas para a produção de alimentos.

Além de protocolo de cooperação com o Centro Unesco ICCE, o Unesco-HidroEX já assinou acordos de cooperação com o Centro de Dundee (na Escócia, voltado para a legislação ligada à gestão hídrica) e com o Icharm (no Japão, que estuda e prevê catástrofes). Estão em estudo parcerias com o Centro de Cinara (Colômbia) e o Iciwarm (Estados Unidos). No Brasil, mantém uma estreita ligação com o Centro de Itaipu, especializado em Hidroinformática.

Espaço Cousteau

A Cidade das Águas vai abrigar o Espaço Cousteau para as águas, projeto a ser desenvolvido em parceria com o Instituto Federal do Triângulo Mineiro (IFTM). Trata-se de moderna estrutura arquitetônica, com padrão internacional, para abrigar um amplo espaço de visitação com a exposição das atividades de pesquisa desenvolvidas pelo Comandante Cousteau pelos rios e mares do mundo, incluindo o material de expedição pela Amazônia.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governador-anastasia-anuncia-instalacao-de-condominio-das-aguas-unesco-hidroex/

Gestão Anastasia: Minas Fácil agiliza processos de abertura de empresas nas cidades históricas

Preservação do patrimônio histórico exige mais cuidados e adaptações para não inviabilizar o empreendimento

Jucemg / Divulgação
Presidente da Jucemg, Angela Pace, no evento de apresentação da unidade em Ouro Preto, em 23 de maio
Presidente da Jucemg, Angela Pace, no evento de apresentação da unidade em Ouro Preto, em 23 de maio

Retirar da informalidade o empreendedor e agilizar o processo de abertura de empresas tem sido alguns dos resultados do Minas Fácil em Minas Gerais. Nas cidades históricas mineiras, o desafio de simplificar o processo não negligencia os cuidados com o patrimônio histórico.

Os municípios de Ouro Preto e Diamantina, que possuem grande parte da área urbana tombada, regulamentaram a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa (federal) e criaram o instrumento do alvará provisório, para que os estudos necessários, como o projeto de prevenção de incêndio e o laudo do projeto hidráulico e elétrico, não inviabilizasse o empreendimento.

A legislação federal classifica os empreendimentos de acordo com o grau de risco, sendo considerados de alto risco as atividades de mineração, garimpo e transporte de produtos perigosos, entre outros. Conciliar a agilidade, que muitas vezes significa lucro para o empresário, com o cumprimento das exigências legais é a proposta de trabalho do Minas Fácil nas cidades barrocas.

“Estamos funcionando há cinco meses em Ouro Preto e neste período recebemos 41 pedidos de abertura de empresas, dos quais 15 foram concluídos”, informa a coordenadora da unidade Jucemg Minas Fácil em Ouro Preto e Gerente da Receita Municipal, Maria Geralda de Freitas. Ela informa que o mesmo processo, antes da implantação do Minas Fácil no município, não raro chegava a seis meses. “A meta é não exceder nove dias, mas já conseguimos fazer todo o processo em quatro dias”, explica Maria Geralda.

Este foi o caso do empresário Rafael Mendes Teixeira, que em apenas quatro dias obteve o alvará de localização da prefeitura, documento que finaliza a constituição da empresa. Apesar de provisório, o documento vai permitir que o tradicional bar Calabouço reabra em novo formato em data escolhida pelo empresário e a mais adequada do ponto de vista do marketing. “Vou reabrir em 5 de julho, na abertura do Festival de Inverno de Ouro Preto, já com o formato de pub também”, comemora Rafael Teixeira.

O bar existe desde 1965 e para sua reabertura também foi exigido um projeto acústico. “Estou na rua Direita e o ‘patrimônio’ fica em cima. O novo processo facilitou a vida, é mais prático, mais ágil, poder abrir uma empresa em menos de uma semana é coisa de primeiro mundo”, disse Teixeira.

Também de Ouro Preto, o empresário Carlos Eduardo de Brito Machado Guimarães, se beneficiou do serviço do Minas Fácil. Com participação em empreendimentos diversos, ele explica que para abrir um restaurante precisou de 20 dias, sem contar a peregrinação em Belo Horizonte. “Quando soube que o Minas Fácil estava funcionando em Ouro Preto, para formalizar a participação de novos sócios em uma empresa de mineração de areia, gastei apenas seis dias, sem contar que não precisei ir a Belo Horizonte”.

A mesma peculiaridade atinge Diamantina e a princípio o trabalho sofreu impactos no prazo de conclusão do processo de abertura de empresas. “Ainda estamos em fase de adequação, e no início levamos até 20 dias para concluir o processo devido a incompatibilidade de sistemas operacionais usados na prefeitura e pelo Minas Fácil”, explica a coordenadora do serviço em Diamantina, Flávia Godinho.

Porém mesmo com as dificuldades de operação somada à singularidade de possuir um rico patrimônio histórico, representado pelo casario barroco da cidade, o Minas Fácil simplificou a vida dos empreendedores. De acordo com a coordenadora, desde dezembro de 2011, data da abertura do Minas Fácil em Diamantina, foram 83 pedidos de abertura de empresa, dos quais 82 estão concluídos.

“A minha expectativa era que levasse pelo menos um mês, mas entrei com pedido no dia 26 de abril e no dia 10 de maio já tinha minha empresa”, informa Patrícia Araujo Cantão Oliveira, dona de uma recém aberta loja de bijuterias e acessórios.

Funcionária do Sebrae no município, Ariana Rodrigues Silva, não tem dúvida de que a implementação do Minas Fácil fortaleceu a economia local. “A informalidade diminuiu, os serviços oferecidos tem mais qualidade, facilitou o acesso ao crédito e reduziu a mortalidade das empresas”, avalia Ariana.

Minas Fácil

A Jucemg conta atualmente com 91 pontos de atendimento em todo Estado. A iniciativa integra o Programa Estruturador Descomplicar, coordenado pela Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão, com o objetivo de tornar mais simples e ágeis as relações dos cidadãos e empresas com o Governo de Minas, por meio dos serviços prestados pelas secretarias de Estado da Fazenda e de Meio Ambiente, pela Vigilância Sanitária e Corpo de Bombeiros.

A Junta Comercial do Estado de Minas Gerais (Jucemg) realiza constantemente Arranjos Produtivos de Capacitação nos município,  eventos que apresentam aos municípios o funcionamento do Minas Fácil e levam informações sobre registro empresarial para contadores, advogados, administradores e empreendedores em geral.

Lei Geral

A Lei Geral da Micro e Pequena Empresa foi sancionada em 2006 pelo governo federal e cria uma série de facilidades tributárias e de negócios, exige que Estados e Municípios regulamentem a legislação federal em seus territórios. Em Minas Gerais 420 (49%) dos 853 municípios já possuem a regulamentação o que permite a plena atuação do Minas Fácil.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/minas-facil-agiliza-processos-de-abertura-de-empresas-nas-cidades-historicas/

Governo de Minas: Conselho Estadual de Turismo realiza sua 13ª reunião ordinária

Na pauta estão as apresentações dos projetos Caminho Religioso, Trilha Real e do modelo de gestão regional do Circuito do Ouro

O secretário de Estado de Turismo de Minas Gerais, Agostinho Patrus Filho, preside, nesta terça-feira (19), a 13ª Reunião Ordinária do Conselho Estadual de Turismo de Minas Gerais. Na pauta estão as apresentações dos projetos do Governo de Minas, executados pela Setur-MG, Caminho Religioso e Trilha Real e do modelo de gestão regional do Circuito do Ouro.

Haverá também, apresentação dos resultados do Índice de Competitividade, realizado pelo Ministério do Turismo em 2011 e assinatura do Protocolo de Intenções do Sistema Circuito do Ouro, entre a Associação do Circuito Turístico do Ouro, Ouro Preto e Circuito do Ouro Convention e Visitors Bureau e ABIH.

Conselho Estadual de Turismo

O Conselho Estadual de Turismo (CET) é um colegiado de caráter consultivo, propositivo e deliberativo e órgão superior de assessoramento e integração da Secretaria de Estado de Turismo, que tem por finalidade propor ações e oferecer subsídios para a formulação da Política Estadual de Turismo e apoiar sua execução, com vistas a sua consolidação e continuidade.

O CET possui 43 integrantes, sendo 28 da sociedade civil, representada pelos diversos segmentos e entidades do Turismo de Minas, e 15 representantes do setor público, incluindo Secretarias de Estado e órgãos do Governo Estadual com atividades interligadas ao setor.

Serviço

13ª Reunião Ordinária do Conselho Estadual de Turismo de Minas Gerais

Data: 19/06/2012

Horário: 13h30

Local: Cidade Admnistrativa Presidente Tancredo Neves – (Rodovia Prefeito Américo Gianetti, s/n, Edifício Gerais – 11º andar – Sala 7).

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/conselho-estadual-de-turismo-realiza-sua-13a-reuniao-ordinaria/

Gestão Eficiente: Minas Gerais cresce mais que a média nacional em índice de competitividade do turismo

Secretário de Turismo, Agostinho Patrus Filho, atribui o bom resultado ao trabalho integrado realizado no Estado

Valter Campanato/ABr
Cidades históricas de Minas impulsionam Índice de Competitividade do Turismo Nacional
Cidades históricas de Minas impulsionam Índice de Competitividade do Turismo Nacional

Os destinos turísticos mineiros cresceram mais do que a média nacional, de acordo Índice de Competitividade do Turismo Nacional, divulgado pelo Ministério do Turismo e pelo Sebrae. Em 2011, o índice médio dos municípios mineiros pesquisados foi 10,3% maior do que a média nacional (57,5), atingindo o valor de 63,4.

De acordo como o estudo, a capital mineira, Belo Horizonte, obteve uma média de 75,5. Este número é 15,3% maior do que a média das outras capitais nacionais pesquisadas que obtiveram uma média de 65,5. Os demais municípios mineiros pesquisados, além da capital mineira, Diamantina, Ouro Preto e Tiradentes, obtiveram um índice médio de 59,4, ou seja, 14,7% acima dos municípios nacionais considerados como não capitais que atingiram o valor médio de 51,8. A cidade histórica de Tiradentes também foi considerada destaque em 2011 como não capital que mais evoluiu no indicador referente à capacidade empresarial com um aumento de 63,2% em relação ao valor alcançado em 2010.

O secretário de Estado de Turismo, Agostinho Patrus Filho, comentou o crescimento do turismo mineiro atribuindo o bom resultado ao trabalho integrado realizado no Estado. “O Índice de Competitividade nos fornece informações que subsidiam o planejamento estratégico do Governo de Minas na atividade turística. Por meio dele, podemos monitorar a evolução da atividade nos destinos e no país para melhor atender o turista e planejarmos as nossas Políticas Públicas”, afirmou.

Índice de Competitividade

O Índice de Competitividade é uma ferramenta de gestão que tem como finalidade identificar pontos fortes e a serem desenvolvidos nos destinos turísticos. O Índice é apurado anualmente, desde 2008, em pesquisas de campo realizadas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) nos 65 Destinos Indutores do Desenvolvimento Turístico Regional, priorizados pelo Ministério do Turismo. Em Minas Gerais, os municípios pesquisados foram Belo Horizonte, Diamantina, Ouro Preto e Tiradentes. O estudo avalia 13 dimensões, como infraestrutura turística, serviços e equipamentos, atrativos, aspectos sociais e ambientais, dentre outros.

Em uma iniciativa inédita no Brasil, o Governo de Minas, através da Secretaria de Estado de Turismo ampliou este estudo para outras 17 cidades mineiras que também, periodicamente, recebem pesquisa da Fundação Getúlio Vargas para analisar a sua evolução e competitividade. Integram esta política os seguintes municípios: Sete Lagoas, Santana do Riacho (Serra do Cipó), Poços de Caldas, São Lourenço, Juiz de Fora, Camanducaia (Monte Verde), Caxambu, Maria da Fé, Caeté, Araxá, Capitólio, Brumadinho, Montes Claros, Ipatinga, Uberlândia, Governador Valadares e Itabira.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/minas-gerais-cresce-mais-que-a-media-nacional-em-indice-de-competitividade-do-turismo/

Governo de Minas: Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, recebe a fase final do Campeonato Mineiro de Rugby

Semifinais serão neste domingo; a grande decisão do torneio estadual será no próximo dia 24

Gil Leonardi / Imprensa MG
É a primeira vez que a Arena do Jacaré receberá partidas de rugby
É a primeira vez que a Arena do Jacaré receberá partidas de rugby

O Estádio Joaquim Henrique Nogueira, mais conhecido como Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, recebe neste domingo (10), a partir das 10 horas, as semifinais do Campeonato Mineiro de Rugby. Será a primeira vez que o estádio, administrado pela Administração de Estádios do Estado de Minas Gerais (Ademg), receberá eventos desta modalidade esportiva.

As partidas das semifinais serão entre o BH Rugby A e o Inconfidentes Rugby. Em seguida, se enfrentarão o Varginha Rugby e BH Rugby B. A expectativa dos organizadores é que mais de mil espectadores acompanhem as partidas deste domingo, em Sete Lagoas. A grande decisão da competição também acontecerá na Arena do Jacaré, no próximo dia 24 de junho.

Rugby

O Rugby possui diversas modalidades, sendo as mais tradicionais Seven a Side, com sete jogadores em cada time e XV, com quinze jogadores em cada time. Para todas as modalidades são dois tempos de jogo. Na modalidade Seven, o jogo conta com sete minutos cada tempo e na modalidade XV, são 40 minutos cada tempo.

Embora o Rugby seja um esporte com uma história centenária e tradicional em países como a Inglaterra, Nova Zelândia e Escócia, a prática dessa modalidade de forma organizada é recente em Minas Gerais. A Federação Mineira de Rugby foi fundada em 2009 e, desde então, divulga o esporte em todo o Estado.

O esporte tem crescido muito no estado, reflexo disso é a quantidade de clubes que estão surgindo e que tem procurado a federação para acertar o registro e participar dos torneios em 2013. Isso se deve ao fator do Rugby voltar a ser esporte olímpico e com as propagandas que tem veiculado na mídia”, afirma o presidente da FMRugby, Bruno Verçosa.

Rugby em Minas

Este ano, o Campeonato Mineiro de Rugby contou com 10 times na primeira divisão e três na segunda divisão. De acordo com a FMRugby, além de Belo Horizonte, há equipes nas cidades de Uberlândia, Varginha, Ouro Preto, Poços de Caldas, Campo Belo, São João Del Rey, Lavras e Uberaba.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/arena-do-jacare-em-sete-lagoas-recebe-a-fase-final-do-campeonato-mineiro-de-rugby/