Arquivos do Blog

Minas tem o melhor ensino público de matemática

Minas tem o melhor ensino público de matemática. Estado é pentacampeão na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas.

Minas: Gestão da Educação

Fonte: Agência Minas

Minas Gerais lidera o ranking de medalhas da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas

Estado lidera em número de ouros, com 111 medalhas, e também no número total de medalhas, com 816

 Minas tem o melhor ensino público de matemática

Minas tem o melhor ensino público de matemática

Os estudantes da rede pública de Minas Gerais novamente se destacaram na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep). No resultado da 7ª edição da Obmep, divulgado nesta segunda-feira (13), Minas Gerais conseguiu novamente a primeira colocação no ranking de medalhas e foi o estado de mais destaque na Olimpíada pela quinta edição seguida. Os estudantes mineiros conseguiram 111 medalhas de ouro, 248 de prata e outras 457 de bronze. No total, o Estado conseguiu 816 medalhas, ficando em primeiro tanto em número de medalhas de ouro quanto no número total de medalhas. Além das medalhas, Minas Gerais ganhou também 8.110 menções honrosas.

O número de medalhas mineiras na Olimpíada cresceu em relação a última edição. Em 2010, Minas havia conquistado 780 medalhas no total e no ano passado conseguiu 37 medalhas a mais. A secretária de Estado de Educação, Ana Lúcia Gazzola, fez questão de parabenizar os premiados. “É extraordinário esse ‘pentacampeonato’. É importante parabenizar nossos medalhistas, seus professores e seus pais. Felicito as escolas, que criaram um ambiente adequado para o bom desempenho desses estudantes. Esse resultado confirma os bons indicadores da rede pública em Minas Gerais”, destaca a secretária.

Em segundo lugar em número de ouros está o Rio de Janeiro, com 84 medalhas. O estado fluminense, contudo, fica em terceiro no número total de medalhas, com 325 no total. São Paulo, que conseguiu 78 ouros, está em segundo no ranking total de medalhas, com 716.

O estudante do 8º ano da Escola Estadual Comendador Murta, em Itinga, Ruan Alves Gonçalves, foi um dos premiados com a medalha de ouro e atribui seu sucesso ao seu esforço. “É a primeira vez que ganho uma medalha. No ano passado tinha ganhado menção honrosa. Estudei bastante para a prova com a ajuda do banco de questões da Olimpíada. Na escola, os professores incentivaram a participação de todos os alunos”, conta.

Destaque para a rede estadual

Do total de medalhas recebidas pelos estudantes das redes públicas de Minas Gerais, mais da metade delas faz parte do rol de conquistas dos alunos da rede estadual. Das 816 medalhas mineiras, 515 são de estudantes de escolas estaduais. São 62 de ouro, 148 de prata e outras 305 de bronze.

Outro aluno da rede estadual premiado com medalha de ouro foi Lucas da Silva Reis. Além de estudar cerca de três horas por dia, o aluno do 3º ano do ensino médio da Escola Estadual Presidente Tancredo Neves, em Belo Horizonte, também contou com a ajuda dos professores. “Minha professora de Matemática do ano passado levava questões para que eu pudesse resolver e me ajudava com a resolução de alguns problemas que eu não entendia”, conta. Lucas também já ganhou medalha de prata e bronze em edições anteriores da Obmep.

Bons professores

Em número de professores premiados Minas Gerais também se destaca. Entre os 131 docentes que conseguiram premiação na Obmep, 25 são de escolas da rede pública mineira. O cálculo para premiar um professor na Obmep leva em conta o número de alunos medalhistas ou com menções honrosas, sendo que o número de pontos varia de acordo com o tipo de medalha.

Com a experiência de quem já foi professora premiada desde a primeira edição da Obmep, Maria Botelho Alves Pena, é ótima com os números, mas já ensinou o segredo das exatas a tantos alunos que arrisca a perder as contas de quantos foram. Professora de Matemática dos 2º e 3º anos da Escola Estadual Messias Pedreira, de Uberlândia, Maria incentiva que os alunos busquem o conhecimento tanto dentro, quanto fora de sala. “Na escola, os alunos são estimulados a trabalhar com resolução de problemas. Eu os coloco para pesquisarem na internet o banco de questões da Obmep, além de outras questões de Matemática”. Os alunos também participam do Clube de Resolução de Problemas, que acontece em um sexto horário criado pela escola. “Ex-alunos da escola também são convidados a apresentarem seus depoimentos para os alunos como forma de motivá-los”, conta Maria.

O bom desempenho como professora na Obmep rendeu prêmios tanto do governo federal, que organiza a Olimpíada, quanto do Governo de Minas, que faz premiação própria para alunos e professores que se destaca. O melhor prêmio segundo a professora, contudo, é o aprendizado dos alunos. “O trabalho não é focado só na Olimpíada. O bom resultado na Obmep é só uma conseqüência de um trabalho mais abrangente, focado no desempenho dos alunos”, explica a professora.

Inscrições Obmep 2012

Estão abertas até o dia 30 de março as inscrições da primeira fase da 8º edição da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Publicas. As inscrições deverão ser feitas pelas escolas, mediante o preenchimento da ficha de inscrição disponível no site da competição. (www.obmep.org.br). Na primeira fase, a escola deverá indicar na ficha, apenas, o número total de alunos inscritos em cada nível.

Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep)

A Obmep é uma competição do conhecimento que chega praticamente a todos os municípios brasileiros. Na 7ª e última edição, realizada em 2011, a Olimpíada registrou a participação de 98,9% dos municípios brasileiros, em um total de mais de 44,6 mil escolas e 18,7 milhões de estudantes.

A Obmep é dirigida aos alunos de 6º ao 9º ano do ensino fundamental e aos alunos do ensino médio das escolas públicas municipais, estaduais e federais, que concorrem a prêmios de acordo com a sua classificação nas provas.

Além das medalhas, os alunos que conquistaram medalha de ouro, prata e bronze na 7º edição da Obmep irão participar do Programa de Iniciação Científica Jr (PIC), a iniciativa tem duração de um ano e as atividades do programa envolvem tanto encontros presenciais quanto a participação em um Fórum Virtual que possibilita o contato, via internet, com estudantes de todo o país que se interessam por Matemática. Os medalhistas que acompanham todas as etapas do PIC recebem a Bolsa de Iniciação Cientifica Jr., concedida pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)

A competição tem entre seus objetivos, estimular e promover o estudo da Matemática entre os alunos das escolas públicas. Além de contribuir para a melhoria da qualidade da educação básica. A Obmep é promovida pelos ministérios da Educação e da Ciência e Tecnologia e é realizada pelo Instituto Nacional de Matemática Aplicada (Impa) e pela Sociedade Brasileira de Matemática (SBM).

Minas: Gestão da Educação – Link da matéria: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/minas-gerais-lidera-o-ranking-de-medalhas-da-olimpiada-brasileira-de-matematica-das-escolas-publicas/

Gestão da Educação: aluna da rede estadual em Barbacena se destaca na Olimpíada Brasileira de Matemática

Vários são os números para ilustrar a curta, mas vitoriosa, trajetória da estudante Natália São José da Fonseca

Arquivo Pessoal
Natália São José da Fonseca, de 13 anos, já ganhou duas medalhas na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas
Natália São José da Fonseca, de 13 anos, já ganhou duas medalhas na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas

Um primeiro lugar, um ouro e um bronze. Vários são os números para ilustrar a curta, mas vitoriosa, trajetória da estudante Natália São José da Fonseca, de 13 anos. A adolescente é aluna da Escola Estadual Adelaide Bias Fortes, em Barbacena, no Campo das Vertentes. Na sétima edição da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep), a estudante foi a primeira colocada no nível 1, conquistando a medalha de ouro. Na competição, esta categoria é destinada a estudantes dos 6º e 7º anos do ensino fundamental.

A rotina da jovem campeã é permeada de amizades, diversão, mas também por muito estudo. “Sempre gostei de estudar e tenho a Matemática como uma das minhas matérias favoritas. Sabia que tinha feito uma boa prova, mas jamais imaginaria que seria o primeiro lugar de Minas Gerais”, confessa Natália que na sexta edição da OBMEP, realizada em 2010, havia conquistado a medalha de bronze.

O bom desempenho não veio por acaso. Todos os dias, após as aulas na escola, pela manhã, a estudante chega em casa e se planeja para fazer os deveres, estudar os conteúdos aprendidos em sala e ler, uma das atividades mais prazerosos para ela. “Gosto muito de ler. Não tenho um livro favorito, mas adoro os de suspense. Sei que ler é importante e me ajuda muito, até na Matemática. Uma boa interpretação contribui na resolução de exercícios que envolvem contas, como os problemas”, avalia.

Na escola, seu comprometimento também é apontado por quem frequenta o espaço. “É uma aluna que gosta de estudar. Isso faz parte dela que tem uma identificação muito grande com a escola. Outra coisa que acho legal é que até as leituras que ela faz por conta própria, a proporcional um grande enriquecimento cultural”, aponta o vice-diretor da escola, Cláudio Nezio Ribeiro.

Na primeira etapa, Natália estudante acertou 18 das 20 questões de múltipla escolha. A nota na segunda fase, que foi de questões abertas, a estudante ainda não sabe. Porém uma coisa é fato, a conquista foi na base da parceria. “Minha escola contribuiu para meu desempenho, com professores de ótima qualidade que sempre incentivaram e incentivam os estudos de seus alunos. Em especial para a realização da OBMEP, tive grande apoio da minha professora de matemática do 7º ano Suely Barbosa, que não incentivava só a mim, mas a todos os seus alunos, sempre levando exercícios da Olimpíada para resolvermos e os Bancos de Questões das Olimpíadas anteriores para estudarmos”.

Iniciação científica

Com a medalha de bronze conquistada no ano de 2010, na sexta edição da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas, Natália São José da Fonseca foi classificada para participar do Programa de Iniciação Científica Jr. (PIC). Podem fazer parte do PIC, os estudantes medalhistas de ouro, prata e bronze, na competição de Matemática.

Durante o ano de 2011, a estudante teve de um a dois encontros por mês, no polo de São João del-Rei da OBMP. Entre as atividades que foram desenvolvidas dentro da Universidade Federal de São João del-Rei, a estudante pode aprender métodos de desenvolvimento de problemas e raciocínio matemáticos. “Nós nos reunimos em grupos de estudos, de acordo com o nível de ensino estabelecido pela OBMEP e resolvíamos vários exercícios com o acompanhamento de um professor do PIC. Esses estudos reforçaram o que aprendi na escola e contribuíram também para o meu ouro na edição de 2011”, lembra Natália.

A estudante ainda explica sobre suas expectativas para a próxima edição. “Neste ano sei que o grau de dificuldade será maior em relação aos anos anteriores, mas vou me esforçar para conseguir novamente um bom resultado”.

Incentivo que vem da escola

Na Escola Estadual Adelaide Bias Fortes, outras três alunas forma medalhistas de bronze, na edição de 2011. Com vários destaques, o trabalho de preparação foi feito a partir de monitorias, dadas pelos próprios professores da escola. Para 2012, a instituição de ensino reserva novidades que vão contribuir ainda mais para a preparação dos alunos para a Olimpíada. A escola vai criar uma olimpíada interna de Matemática.

O incentivo não se restringe aos números, a área de Língua Portuguesa também ganha o reforço com um projeto que trabalha com os alunos a grafia das palavras, o ‘Soletrando na Escola’. Esta iniciativa veio a partir de um aluno da escola, Daniel Nepomuceno Coutinho, que nos últimos três anos foi representante do estado de Minas Gerais em competição realizada pelo programa ‘Caldeirão do Huck’, programa da Rede Globo. Em um quadro do programa, estudantes de todos os estados são avaliados quanto ao conhecimento da grafia de palavras da Língua Portuguesa.

Fonte: Agência Minas

Minas Gerais lidera o ranking de medalhas da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas

 

Estado lidera em número de ouros, com 111 medalhas, e também no número total de medalhas, com 816

Divulgação/SEE

Minas Gerais conseguiu novamente a primeira colocação no ranking de medalhas e foi o estado de mais destaque na Olimpíada
Minas Gerais conseguiu novamente a primeira colocação no ranking de medalhas e foi o estado de mais destaque na Olimpíada

Os estudantes da rede pública de Minas Gerais novamente se destacaram na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep). No resultado da 7ª edição da Obmep, divulgado nesta segunda-feira (13), Minas Gerais conseguiu novamente a primeira colocação no ranking de medalhas e foi o estado de mais destaque na Olimpíada pela quinta edição seguida. Os estudantes mineiros conseguiram 111 medalhas de ouro, 248 de prata e outras 457 de bronze. No total, o Estado conseguiu 816 medalhas, ficando em primeiro tanto em número de medalhas de ouro quanto no número total de medalhas. Além das medalhas, Minas Gerais ganhou também 8.110 menções honrosas.

O número de medalhas mineiras na Olimpíada cresceu em relação a última edição. Em 2010, Minas havia conquistado 780 medalhas no total e no ano passado conseguiu 37 medalhas a mais. A secretária de Estado de Educação, Ana Lúcia Gazzola, fez questão de parabenizar os premiados. “É extraordinário esse ‘pentacampeonato’. É importante parabenizar nossos medalhistas, seus professores e seus pais. Felicito as escolas, que criaram um ambiente adequado para o bom desempenho desses estudantes. Esse resultado confirma os bons indicadores da rede pública em Minas Gerais”, destaca a secretária.

Em segundo lugar em número de ouros está o Rio de Janeiro, com 84 medalhas. O estado fluminense, contudo, fica em terceiro no número total de medalhas, com 325 no total. São Paulo, que conseguiu 78 ouros, está em segundo no ranking total de medalhas, com 716.

O estudante do 8º ano da Escola Estadual Comendador Murta, em Itinga, Ruan Alves Gonçalves, foi um dos premiados com a medalha de ouro e atribui seu sucesso ao seu esforço. “É a primeira vez que ganho uma medalha. No ano passado tinha ganhado menção honrosa. Estudei bastante para a prova com a ajuda do banco de questões da Olimpíada. Na escola, os professores incentivaram a participação de todos os alunos”, conta.

Destaque para a rede estadual

Do total de medalhas recebidas pelos estudantes das redes públicas de Minas Gerais, mais da metade delas faz parte do rol de conquistas dos alunos da rede estadual. Das 816 medalhas mineiras, 515 são de estudantes de escolas estaduais. São 62 de ouro, 148 de prata e outras 305 de bronze.

Outro aluno da rede estadual premiado com medalha de ouro foi Lucas da Silva Reis. Além de estudar cerca de três horas por dia, o aluno do 3º ano do ensino médio da Escola Estadual Presidente Tancredo Neves, em Belo Horizonte, também contou com a ajuda dos professores. “Minha professora de Matemática do ano passado levava questões para que eu pudesse resolver e me ajudava com a resolução de alguns problemas que eu não entendia”, conta.  Lucas também já ganhou medalha de prata e bronze em edições anteriores da Obmep.

Bons professores

Em número de professores premiados Minas Gerais também se destaca. Entre os 131 docentes que conseguiram premiação na Obmep, 25 são de escolas da rede pública mineira. O cálculo para premiar um professor na Obmep leva em conta o número de alunos medalhistas ou com menções honrosas, sendo que o número de pontos varia de acordo com o tipo de medalha.

Com a experiência de quem já foi professora premiada desde a primeira edição da Obmep, Maria Botelho Alves Pena, é ótima com os números, mas já ensinou o segredo das exatas a tantos alunos que arrisca a perder as contas de quantos foram. Professora de Matemática dos 2º e 3º anos da Escola Estadual Messias Pedreira, de Uberlândia, Maria incentiva que os alunos busquem o conhecimento tanto dentro, quanto fora de sala. “Na escola, os alunos são estimulados a trabalhar com resolução de problemas. Eu os coloco para pesquisarem na internet o banco de questões da Obmep, além de outras questões de Matemática”. Os alunos também participam do Clube de Resolução de Problemas, que acontece em um sexto horário criado pela escola. “Ex-alunos da escola também são convidados a apresentarem seus depoimentos para os alunos como forma de motivá-los”, conta Maria.

O bom desempenho como professora na Obmep rendeu prêmios tanto do governo federal, que organiza a Olimpíada, quanto do Governo de Minas, que faz premiação própria para alunos e professores que se destaca. O melhor prêmio segundo a professora, contudo, é o aprendizado dos alunos. “O trabalho não é focado só na Olimpíada. O bom resultado na Obmep é só uma conseqüência de um trabalho mais abrangente, focado no desempenho dos alunos”, explica a professora.

Inscrições Obmep 2012

Estão abertas até o dia 30 de março as inscrições da primeira fase da 8º edição da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Publicas. As inscrições deverão ser feitas pelas escolas, mediante o preenchimento da ficha de inscrição disponível no site da competição. (www.obmep.org.br). Na primeira fase, a escola deverá indicar na ficha, apenas, o número total de alunos inscritos em cada nível.

Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep)

A Obmep é uma competição do conhecimento que chega praticamente a todos os municípios brasileiros. Na 7ª e última edição, realizada em 2011, a Olimpíada registrou a participação de 98,9% dos municípios brasileiros, em um total de mais de 44,6 mil escolas e 18,7 milhões de estudantes.

A Obmep é dirigida aos alunos de 6º ao 9º ano do ensino fundamental e aos alunos do ensino médio das escolas públicas municipais, estaduais e federais, que concorrem a prêmios de acordo com a sua classificação nas provas.

Além das medalhas, os alunos que conquistaram medalha de ouro, prata e bronze na 7º edição da Obmep irão participar do Programa de Iniciação Científica Jr (PIC), a iniciativa tem duração de um ano e as atividades do programa envolvem tanto encontros presenciais quanto a participação em um Fórum Virtual que possibilita o contato, via internet, com estudantes de todo o país que se interessam por Matemática. Os medalhistas que acompanham todas as etapas do PIC recebem a Bolsa de Iniciação Cientifica Jr., concedida pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)

A competição tem entre seus objetivos, estimular e promover o estudo da Matemática entre os alunos das escolas públicas. Além de contribuir para a melhoria da qualidade da educação básica. A Obmep é promovida pelos ministérios da Educação e da Ciência e Tecnologia e é realizada pelo Instituto Nacional de Matemática Aplicada (Impa) e pela Sociedade Brasileira de Matemática (SBM).

Fonte: Agência Minas

Gestão Anastasia: ano letivo de 2012 começa na rede estadual de ensino de Minas Gerais

Mais de 90% das 3.779 escolas estaduais iniciam as aulas nesta segunda-feira (6)
Ivanir Diniz
Por causa das chuvas, foram liberados R$ 947 mil adicionais para reparos e obras em 13 escolas
Por causa das chuvas, foram liberados R$ 947 mil adicionais para reparos e obras em 13 escolas

Começa nesta segunda-feira (6) o ano letivo de 2012 para mais de 90% das 3.779 escolas da rede estadual de ensino. Cerca de 2,4 milhões de estudantes de todas as regiões do Estado se preparam para retomar os estudos e os compromissos com os livros, pesquisas e bibliotecas e, principalmente, com os professores.

De acordo com a subsecretária de Educação Básica, Raquel Elizabete, as fortes chuvas que caíram sobre Minas Gerais no início deste ano foram motivo de preocupação para o início do ano letivo. “Os estragos, em todo o Estado, foram grandes, mas a Secretaria de Estado de Educação articulou um esquema especial para fazer reparos e obras de emergências nas unidades escolares atingidas pelas fortes chuvas”, destaca Raquel Elizabete. Ao todo, foram liberados R$ 947 mil adicionais para 13 escolas.

A subsecretária está otimista. Para ela, o ano de 2012 já começa com grandes desafios. “Logo no primeiro semestre, os estudantes terão a oportunidade de conferir os resultados obtidos no Programa de Avaliação da Rede Pública da Educação Básica (Proeb)”, informa Raquel Elizabete.  Em 2011, foi aplicado R$ 1,9 milhão de provas no Estado e a previsão é que os resultados sejam divulgados em março. O Proeb avalia os níveis de conhecimento dos estudantes do 5º e 9º anos do ensino fundamental e do 3º ano do ensino médio, em Português e Matemática.

A expectativa é de que os resultados do Proeb sigam a tendência de crescimento observada nos últimos números do Programa de Avaliação da Alfabetização (Proalfa), divulgados no ano passado. Os resultados do Proalfa 2011 apontaram que 88,9% dos estudantes do 3º ano do ensino fundamental no Estado sabem ler, escrever e interpretar em um nível considerado recomendável de acordo com padrões internacionais. “Em 2006, quando o Proalfa foi aplicado pela primeira vez, esse índice era de 48,6%”, lembra a subsecretária. As provas da próxima edição do Proalfa estão prevista para o segundo semestre.

Alunos campeões

O mês de reinício do ano letivo de 2012 marca também a divulgação dos resultados da última Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep). As provas, realizadas em agosto e novembro de 2011, envolveram alunos de todos os 853 municípios mineiros e esses jovens estão na expectativa dos próximos resultados. Minas foi o primeiro estado em número de medalhas de ouro nas últimas quatro edições da competição, cujos resultados já foram divulgados. As inscrições para a 8ª edição da Obmep devem acontecer logo no início do ano letivo.

Para quem começa o 3º ano do ensino médio este ano, o foco certamente será o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O exame é porta de entrada para as principais universidades do país. Os estudantes da rede pública estadual deram exemplo, em 2011, de como o esforço na escola pode recompensar. No último vestibular da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), de acordo com a Comissão Permanente do Vestibular da Universidade, 32% dos aprovados são estudantes da rede estadual de ensino.

“Temos conquistado um índice de aprovação em vestibulares, em todo o Estado, muito significativo, e o resultado alcançado na UFMG, a maior universidade de Minas Gerais, reflete a permanente melhoria de qualidade de nossa educação. Alunos, professores, pais e técnicos, enfim, todo o sistema, estão fazendo um ótimo trabalho”, destaca Raquel Elizabete.

A subsecretária lembra, ainda, que 2012 será um ano decisivo para o Ensino Médio na rede estadual. A partir desta segunda-feira começa o projeto “Reinventando o Ensino Médio”, realizado como projeto piloto em 11 escolas da região Norte da capital. Novas opções de formação começarão a ser oferecidas aos 6 mil alunos dessas escolas, com foco em Comunicação Aplicada, Tecnologia da Informação e Turismo”, explica. “Nossa expectativa é tornar o ensino médio mais instigante, desafiador”, completa Raquel Elizabete.

Nos esportes, os estudantes da rede estadual terão a oportunidade de participar dos Jogos Escolares de Minas Gerais (Jemg).  Em 2011, alunos de mais de 20 escolas da rede estadual de ensino foram classificados para participar da etapa nacional dos Jogos Escolares. Está prevista para fevereiro a divulgação das sedes dos jogos em 2012.

Reposição de aulas

Do total de 3.779 escolas estaduais, 271 unidades escolares continuam a reposição das aulas e vão dar início ao calendário letivo após o dia 6 de fevereiro. As escolas que fizerem a reposição em fevereiro e março devem dar, ao fim da reposição, ao menos uma semana de recesso antes do início do ano letivo de 2012

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas: alunos da rede estadual passam por preparação para olimpíadas internacionais

BELO HORIZONTE (20/01/12) –  Durante o ano, seis alunos da rede estadual de ensino terão a oportunidade de participar de uma preparação diferente. Eles foram selecionados para participar do Programa de Preparação Especial para Competições Internacionais (Peci). A iniciativa visa acompanhar os alunos que conquistaram medalhas de ouro na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (Obmep) e prepará-los para provas de outras olimpíadas de matemática, inclusive as internacionais.

Dos nove estudantes mineiros selecionados para participar do programa em 2012, seis são alunos da rede estadual de ensino. Ao todo, 31 estudantes representando dez estados brasileiros participarão do Peci este ano. Esses estudantes terão aulas com professores e monitores com experiência na capacitação de alunos para olimpíadas internacionais.

Entre os mineiros que participarão do programa está o aluno do 9º ano do ensino fundamental da Escola Estadual Cel. Américo Augusto de Oliveira, no município de Passa Tempo, João César Campos Vargas. O estudante está ansioso para o início das atividades do programa. “A minha expectativa é muito grande. Além de ter conquistado medalha de ouro na última edição da Obmep, tive que fazer dois testes. Vou dar o meu melhor para conseguir me destacar e representar bem minha cidade e a minha escola”.

O treinamento dos estudantes acontecerá em encontros presenciais que ocorrerão, este ano, em Brasília. Nesse treinamento os alunos passarão por um programa de aulas integrais. Durante essas aulas eles passarão por avaliações com conteúdo dado em competições regionais e internacionais. Além disso, eles também participarão de atividades oferecidas em um fórum. O primeiro encontro acontecerá no mês de fevereiro.

Mesmo o programa sendo voltado para alunos que estejam cursando 9º ano do ensino fundamental em 2012, alguns estudantes que já participavam do Peci se destacaram em competições envolvendo a matemática e continuaram apresentando bom desempenho escolar, foram mantidos no programa. Assim como o estudante do 2º ano do ensino médio da Escola Estadual Deputado Esteves Rodrigues, no município de Montes Claros, Jair Gomes Soares Júnior. Para o estudante, o Peci tem influenciado no seu bom desempenho. “Eu participo do programa há três anos. Durante a preparação, nós aprendemos sobre geometria, álgebra, combinatória, entre outras coisas. Continuo me destacando nas competições, mas ainda não participei de nenhuma olimpíada internacional. Minha expectativa para este ano é muito boa”, afirma Jair.