Arquivos do Blog

Aécio tem apoio de mais de 50% dos prefeitos do Amazonas

Aécio assumiu o compromisos de proteger e fortalecer a Zona Franca de Manaus e ampliar os investimentos na região.

Eleições 2014

Fonte: Jogo do Poder

Aécio Neves recebe apoio de 36 dos 62 prefeitos do Amazonas

Em visita neste sábado (9/08) a Manaus, onde foi recepcionado por 2.000 apoiadores e eleitores, o candidato à Presidência da República pela Coligação Muda BrasilAécio Neves, assumiu o compromisso de proteger e fortalecer a Zona Franca de Manaus, ampliar os investimentos na região e recebeu um manifesto de apoio de 36 dos 62 prefeitos do Estado do Amazonas.

A ida à cidade ocorreu três semanas após o Senado aprovar a prorrogação da Zona Franca de Manaus até 2073, projeto que recebeu o apoio do senador Aécio Neves. Ele estava acompanhado da filha Gabriela, da sobrinha Maria Clara, do prefeito de Manaus Arthur Virgílio e do candidato a deputado federal Arthur Bisneto nas cinco horas em que permaneceu na capital do Amazonas.

“O PSDB teve um papel absolutamente vital para a aprovação da zona franca, vem tendo agora nestas parcerias que selamos com o estado de SP. Tenho dito como presidente nacional do PSDB que a zona franca é fundamental para o país. Temos de investir em novas tecnologias para que ela possa se transformar em uma grande plataforma de exportação, além daquilo que ela é hoje”, lembrou o candidato.

“O Brasil que quer mais respeito aos municípios, inflação baixa e crescimento econômico está com Aécio”, diz o documento entregue a Aécio Neves pela prefeita de Anori, Sansuray Pereira.

Após ser recebido por prefeitos, líderes comunitários e sindicais, representantes da Juventude do PSDB e do Tucanafro e eleitores no comitê da Coligação Muda Brasil, Aécio visitou um centro popular de compras da cidade, inaugurado recentemente beneficiando vendedores ambulantes.

Respeito aos municípios

Em entrevista nessa galeria comercial, o candidato defendeu tratamento isonômico por parte do governo federal aos Estados e municípios.

“A minha palavra hoje aqui de Manaus é um brado, uma convocação à Federação brasileira. Vamos resgatar a capacidade de os municípios investirem em saúde, educação e segurança. O governo federal não pode achar que é dono do recurso público. Quero governar um país inclusivo, em que todas as regiões sejam valorizadas em suas potencialidades. E essa é uma região extraordinariamente rica, mas que não vem sendo a atenção que merece do governo federal.”

De acordo com Aécio Neves, o atual governo não tem boa vontade com muitos municípios nem adota critérios objetivos, em prejuízo da população. Ele citou como exemplo Manaus, que é administrado por um adversário político do PT.

“Hoje é atendido quem é amigo do rei ou da rainha e o dinheiro é público. Não existe essa história de dinheiro federal, dinheiro estadual e dinheiro municipal. O dinheiro é público e é assim que tem que se tratado: de forma republicana. Nós vamos garantir no nosso governo respeito a todos os municípios independentemente do partido ao qual o prefeito esteja filiado.”

O candidato disse que não permitirá, em seu governo, que desonerações de tributos incidam sobre o Fundo de Participação dos Municípios, para que as prefeituras não sofram redução de verbas. “Além disso, vamos fazer uma profunda renegociação da dívida dos estados, para que os entes federados possam melhorar a saúde, a segurança pública, a educação da sua gente”, disse.

Ele afirmou que o país precisa de “descentralização, eficiência e solidariedade com as pessoas” e retomou as críticas à gestão do PT no governo federal. “O Brasil é governado hoje por uma presidente que não dialoga, não conversa, não tem humildade de reconhecer os equívocos. Temos o pior crescimento da América do Sul; a inflação está de volta a atormentar a vida do trabalhador, da dona de casa brasileira, e o governo finge que não é com ele. No meu governo haverá atitude, haverá ação.”

Fraude em biografias

Em outra crítica ao Palácio do Planalto, Aécio Neves disse que a utilização de computador da Presidência da República para adulterar a biografia de jornalistas no Wikipedia foi “uma demonstração de autoritarismo”. Ele defendeu apuração dos responsáveis e disse que ele próprio já foi vítima de ação semelhante.

“Eu sou grande vítima também dessa ação inescrupulosa de setores de governo buscando alterar a biografia de pessoas que tem posição independente. É uma demonstração do descaso desse governo para com a própria democracia. Está na hora de a presidente da Republica dizer com muita clareza que providências está tomando. Se não, terá de mudar o slogan de ‘Brasil para Todos’ para ‘O Brasil do eu não sabia de nada’. Porque cada denúncia que surge, seja em relação a mensalãoPetrobras e tantas outras é sempre isto: eu não sabia de nada.”

Na galeria comercial entregue há oito dias a ex-camelôs, Aécio Neves conversou e abraçou vendedores do local, tirou fotos, tomou suco de laranja numa das bancas e agradeceu a calorosa receptividade.

Hélio Manoel Gomes, 62 anos, foi um dos vendedores ambulantes beneficiados com a construção da galeria comercial e que aplaudiram a visita do candidato presidencial ao espaço. “Eu creio que deve mudar a saúde, a educação e a segurança. Resolvendo esses três problemas, o brasileiro estará feliz. E esse candidato tem futuro. Ele é um jovem. Hoje a segurança e a sabedoria estão na cabeça dos jovens.”

Aécio: Dilma inaugura obras inacabadas na tentativa de enganar população

Aécio criticou Governo Dilma pelo improviso na realização de obras de infraestrutura e mobilidade urbana previstas para Copa do Mundo.

PT e a gestão deficiente

Fonte: Jogo do Poder

Dilma tenta enganar brasileiros ao inaugurar obras inacabadas, diz Aécio Neves

presidente nacional do PSDB e pré-candidato à presidente da República, senador Aécio Neves (MG), criticou nesta segunda-feira (02/06) o governo federal pelo improviso na realização de obras de infraestrutura e mobilidade urbana previstas para a Copa do Mundo. Durante entrevista organizada pelo portal Estadão em parceria com o grupo Corpora em São Paulo, Aécio afirmou que a presidente Dilma inaugura obras inacabadas na tentativa de enganar a população, como ocorreu na reforma do aeroporto internacional do Galeão, no Rio de Janeiro.

“O Brasil hoje é o Brasil do improviso. E um cemitério de obras abandonadas por toda parte. Vejo o açodamento do governo inaugurando obras pelo meio do caminho como se pudesse enganar a realidade e os brasileiros”, afirmou Aécio Neves.

Para Aécio, o atual governo terá de responder porque não conseguiu realizar o que foi prometido, lembrando que mais de 60% das obras de infraestrutura e mobilidade não ficarão prontas.

“O que vai ficar do ponto de vista externo, fora campo, isso sim é que será cobrado do governo, porque menos de 40% do que foi prometido, assinado pelo governo, será entregue. As obras de infraestrutura, o legado de mobilidade, as obras na saúde e tantas outras ficaram pelo meio do caminho”, criticou o tucano.

O evento organizado pelo portal Estadão reuniu cerca de 300 empresários em um hotel da capital paulista. A entrevista foi acompanhada pelo diretor do Grupo Estado, Francisco Mesquita Neto, pelo presidente da CNIRobson Braga de Andrade, entre outros líderes empresariais.

O presidente nacional do PSDB avalia que o resultado do Brasil na Copa não terá impacto sobre a eleiçãoAécio afirmou que vai torcer pela seleção e para que o país tome um novo rumo a partir de outubro. “O Brasil pode e tem chance de ganhar em campo. E vamos ganhar em campo e dar alegria aos brasileiros e vamos ganhar em outubro tirando esse governo que está aí. As duas coisas são compatíveis e até mesmo complementares”, ressaltou Aécio Neves.

Aparelhamento do Estado
 
Ao comentar os atrasos e as promessas não cumpridas pelo governo federal em relação à Copa do Mundo e a outros projetos, Aécio disse que a presidente Dilma virou refém do gigantismo da máquina pública, hoje com 39 ministérios. O presidente nacional do PSDB atribui os problemas ao aparelhamento político feito pelo PT nos órgãos federais.

“O aparelhamento do Estado brasileiro, que hoje atende a um projeto de poder e não de país, é o mais nocivo de toda a nossa história republicana. O aparelhamento alcançou instituições como o IPEA, a Embrapa, o IBGE e está em toda a administração pública. O que acontece no Brasil é vergonhoso. A ausência de limites deste governo deve, sim, ser motivo de preocupação não apenas oposição, mas de toda a sociedade brasileira”, alertou Aécio Neves.

Custo Brasil

Durante a entrevista, Aécio avaliou os gargalos da infraestrutura nacional e apontou caminhos para recuperar a competitividade na indústria. De acordo com a CNI, a participação do setor na composição do PIB caiu de 48% para 25% nos últimos anos. O pré-candidato do PSDB a presidente da República também abordou a necessidade de uma reforma tributária, a falta de acordos internacionais de livre comércio, os desafios do agronegócio e as falhas do setor energético.

Para Aécio, o país precisa resgatar a gestão pública eficiente e reduzir ao máximo o chamado custo Brasil.

“Guerra ao custo Brasil. Essa é uma necessidade urgente de quem queira governar com seriedade e responsabilidade o Brasil. Isso passa pela questão tributária, passa pela questão da segurança jurídica, pela infraestrutura e da criação de um ambiente adequado para parcerias com o setor privado”, ressaltou Aécio Neves.

Aécio cobra mais parcerias em visita a Manaus

Aécio: 2º o pré-candidato à Presidência da República em 2014, o Brasil tem sofrido com a falta de gestão e gerenciamento do Planalto.

PSDB 2014

Fonte: Estado de Minas 

ELEIÇÕES

Aécio cobra mais parcerias

Em Manaus, senador condena a gestão do governo petista na implementação de programas nos estados e municípios. Ele também defendeu mais investimentos federais em mobilidade urbana

senador Aécio Nevespresidente nacional do PSDB, criticou ontem, durante visita a um mercado municipal no Centro de Manaus, a falta de parcerias eficientes entre os governos estaduais e federal com os municípios para tirar do papel demandas da população. Segundo o pré-candidato tucano à Presidência da República em 2014, a implementação de programas importantes para melhorar a qualidade de vida das pessoas tem sofrido com a falta de gestão e gerenciamento do Palácio do Planalto. Ele citou as dificuldades na implantação do programa Luz para todos no estado do Amazonas, como exemplo dos problemas de gestão nos governos petistas.

“Estabeleceu-se nos últimos anos uma lógica no Brasil perversa, de que o dinheiro federal é que resolve. Não existe dinheiro federal, dinheiro estadual, dinheiro municipal. Existe dinheiro público, fruto dos impostos que a população paga. Então, as parcerias com os estados são necessárias e responsabilidade também do estado e da União”, disse Aécio. No final da manhã de ontem, ele visitou o Mercado Adolpho Lisboa ao lado de líderes tucanos e do prefeito de Manaus Arthur Virgílio. Em seguida, saiu para um passeio de barco até o encontro das águas dos rios Negro e Solimões.

Ao comentar problemas citados pela imprensa local na implementação do programa Luz para todosAécio afirmou que ele seria mais um dos programas que tem resultados ruins por causa da falta de gerenciamento do governo federal. ”Apesar de ser apropriado eleitoral e politicamente pelo governo federal, ele é um programa em parceria com os estados. Em Minas, os recursos do Luz para todos em mais de 70% são do estado. Ele é continuidade de um programa que existia, o Luz no campo, no governo do presidente Fernando Henrique e foi ampliado agora, mas sofre do mesmo mal que sofrem vários outros programas federais: falta de gestão e falta de gerenciamento”, criticou Aécio.

O senador analisou também os problemas de mobilidade enfrentados pelas grandes cidades brasileiras e apontou a necessidade de mais investimentos que precisam ser feitos de forma planejada pelo governo federal. “Há um crescimento enorme, vertiginoso, do número de carros nas ruas, não só aqui em Manaus, mas nas principais capitais do Brasil, e os investimentos em mobilidade em qualquer parte do mundo são investimentos que devem ser feitos pelo governo federalMetrôs, VLTs, BRTs, todos devem ser feitos, em grande parte, pelo governo federal. É mais uma prova da falta de planejamento que existe hoje no país”, avaliou Aécio.

Serra. Perguntado sobre as declarações do ex-governador de São Paulo José Serra (PSDB), que na sexta-feira fez duras críticas ao próprio partido, afirmando que a legenda ainda não conseguiu estabelecer uma estratégia para a disputa pelo governo federalAécio rebateu o correligionário paulista. ”O PSDB é um partido democrático, onde cada um tem a sua opinião, e cada um contribui para o fortalecimento do partido da forma que acha mais adequada. Quanto a complexos, eu talvez seja a pessoa do PSDB menos credenciada a falar sobre o tema”, disse o senador mineiro.

Anastasia amplia investimento em mobilidade urbana e cultura

Anastasia: Governador de Minas anuncia R$ 117 milhões para obras de mobilidade, cultura e lazer em Belo Horizonte.

Governo Anastasia: gestão pública eficiente

Fonte: Minas em Pauta 
Anastasia investe em cultura e mobilidade urbana

No Palavra do Governador desta semana, Antonio Anastasia destaca aportes do Governo de Minas para obras e parceria com prefeitura da capital

Não são poucos os desafios que a capital mineira, Belo Horizonte, enfrenta na área de infraestrutura, assim como não são poucos os investimentos que o Governo de Minas vem fazendo na terceira maior metrópole brasileira. No próximo sábado (6), o governador Antonio Anastasia vai assinar uma ordem de serviço, junto ao prefeito da capital, para o início de mais uma obra, dessa vez um espaço multiuso no parque municipal. E não é apenas essa intervenção que já tem recursos garantidos. Os investimentos do Estado na capital de todos os mineiros é o destaque desta semana do Palavra do Governador.

“Firmamos convênios com a Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, capital de nosso Estado, com o prefeito Marcio Lacerda, para termos aqui algumas obras relevantes, porque investimentos na capital e na Região Metropolitana refletem por todo o Estado”, afirma o governador.

O espaço multiuso, por exemplo, vai abrigar manifestações artísticas, culturais e folclóricas. Um prédio, em formato circular, será construído com materiais que proporcionam leveza e transparência. Com capacidade para receber até 3 mil pessoas, serão 3,2 mil metros quadrados de área construída, com palco para shows e apresentações teatrais, auditório para 250 pessoas, salas para cursos, biblioteca com o acervo do Parque Municipal, lanchonete e um grande terraço descoberto.

“Estamos, a pedido do prefeito, alocando R$ 15 milhões do Estado no Parque Municipal Américo Renné Giannetti, no centro da nossa capital, para construir ali um grande espaço multiuso para arte e para a cultura para a realização de grandes eventos. É um investimento muito importante, que certamente colocará Belo Horizonte no circuito das grandes obras de arte e da cultura de nosso estado. E há também a revitalização do Viaduto Santa Tereza, um dos cartões postais de Belo Horizonte, que será revitalizado para os esportes radicais. Também é uma solicitação da prefeitura e ali estamos aportando cerca de R$ 5 milhões”, explica o governador.

A obra do viaduto inclui a recuperação da estrutura e o revestimento original, com pó de pedra, que será refeito. Sob o viaduto, entre a rua da Bahia e a avenida dos Andradas, serão instalados equipamentos públicos destinados à prática de lazer e esportes, como pista de skate, quadra poliesportiva para a prática de basquete, anfiteatro e mini-circuito de bicicleta, além de salas multiuso. Também será realizada uma reforma completa das instalações sanitárias, revitalização da escadaria e a instalação de um posto da Polícia Militar. O Viaduto Santa Tereza foi construído em 1929 e tombado pelo Patrimônio Cultural da capital em 1990.

Mobilidade urbana

Obras para a melhoria da mobilidade urbana na capital mineira também estão previstas nos investimentos que o Governo de Minas está alocando em parceria com a prefeitura, como também ressalta Anastasia.

“São investimentos que vão melhorar a mobilidade da nossa capital. Um exemplo é a continuidade da cobertura do ribeirão Arrudas, o chamado boulevard Arrudas, agora no trecho entre o parque municipal e o Centro de Especialidades Médicas do Estado. Uma obra de R$ 80 milhões. Também no bairro Ribeiro de Abreu, há a previsão de uma ponte, de R$ 35 milhões. Obras na avenida Cristiano Machado para a construção de viaduto na intercessão da avenida Valdomiro Lobo – ali são mais R$ 30 milhões. E, ainda, um investimento de mais de R$ 12 milhões vai para obras na chamada Via 710, na sua intercessão com a avenida Cristiano Machado”, destaca.

Os investimentos se juntarão a diversos outros já em curso em Belo Horizonte, como o BRT (Bus Rapid Transit), os ônibus que circularão em vias rápidas exclusivas, que também contam com recursos do Governo de Minas e buscam melhorar a mobilidade dos mineiros. São obras que ficarão como grande legado da Copa do Mundo para o bem estar da população. Todas essas são intervenções importantes que vêm colocando Minas Gerais como referência entre os estados brasileiros e destaque internacional.

“O próprio secretário geral da Fifa, Jérôme Valcke, que aqui esteve, disse que Belo Horizonte é a cidade que está melhor situada dentre todas as capitais brasileiras que receberão os jogos da Copa do Mundo. A parceria entre o governo estadual e a prefeitura tem funcionado muito bem em Belo Horizonte. Fizemos a alocação de recursos, obras realizadas pela prefeitura e, portanto, há um desenvolvimento muito positivo desses trabalhos em nosso estado. Tenho certeza que faremos um belo quadro a favor de Minas Gerais”, conclui o governador.

O Palavra do Governador pode ser reproduzido por qualquer veículo de imprensa, sem ônus. O programa é disponibilizado todas as quintas-feiras nas modalidades texto, áudio e vídeo (em qualidade HD).