Arquivos do Blog

Ideb 2011: Minas avança – Educação e Gestão

Ideb 2011: Bom desempenho nacional de Minas é explicado pelo foco em políticas de alfabetização infantil com o Ensino Fundamental de 9 anos.

Ideb 2011: Gestão Aécio e Anastasia em Minas

 Ideb 2011: Minas avança   Educação e Gestão

Ideb 2011: Minas avança – Educação e Gestão – gráfico mostra a liderança de Minas no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica – Infográfico: O Estado de S.Paulo.

Este é a segunda avaliação positiva do Ideb para Minas Gerais. Não é por acaso que se chega a estes resultados. Vale lembrar que Minas foi o primeiro estado do país a oferecer Ensino Fundamental de nove anos. A medida é uma consequência do Choque de Gestão criado por Aécio Neves que estabelece metas com acompanhamento rigorosos dos resultados.

O governador Antonio Anastasia mantém a gestão eficiente e o compromisso de melhorar a qualidade da Educação em Minas. “Os resultados são fruto de planejamento e de programas como o PIP (Programa de Intervenção Pedagógica) e da inserção das crianças aos seis anos na Escola, da qual Minas foi pioneira”, lembrou Anastasia.

“Os resultados do Ideb demonstram que a política mineira para com a educação tem compromisso com a qualidade e vem sendo desenvolvida de forma muito séria nos últimos anos. Os projetos e investimentos do Governo, o compromisso dos nossos profissionais e a qualidade do nosso alunado são fatores que resultaram nesses bons índices”, comentou a secretária de Estado de Educação, Ana Lúcia Gazzola.

Fonte: Luciano Máximo – Valor Econômico

País tem avanço muito tímido na educação

 Ideb 2011: Minas avança   Educação e Gestão

Ideb 2011: Minas avança – Educação e Gestão

O fraco desempenho do ciclo final do fundamental e do ensino médio manchou o resultado do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) de 2011, divulgado ontem pelo Ministério da Educação (MEC). Enquanto todo o país cumpriu e superou suas metas de qualidade nos primeiros anos do ensino fundamental, sete Estados ficaram aquém de seus objetivos no final do ciclo, principalmente na região Norte (RO, RR, PA, AP, SE, ES e RS). A realidade no ensino médio é ainda pior: a meta não foi alcançada no Distrito Federal e em outros dez Estados, concentrados no Norte e Nordeste (AC, RR, PA, AP, RN, AL, MG, ES, RS e MT).

O Ideb geral nos anos iniciais do ensino fundamental passou de 4,6 em 2009 para 5 na edição do ano passado, superando a meta de 2011 em 0,4 ponto. A nota do segundo ciclo do fundamental subiu apenas um ponto no período, para 4,1, ficando acima da meta proposta para o ano, de 3,9. No ensino médio a variação da nota do Ideb entre as duas últimas edições foi de 3,6 para 3,7, resultado que garantiu o cumprimento da meta nacional na risca.

Com resultado estatístico extraído das notas da Prova Brasil (português e matemática) feita por alunos de 4ª e 5ª séries e 8ª e 9ª séries do ensino fundamental e do terceiro ano do ensino médio, cruzado com o fluxo de aprovação de toda a educação básica, o Ideb, divulgado de dois em dois anos, é o maior indicador de qualidade da educação brasileira e principal instrumento de avaliação e proposição de políticas educacionais para redes municipais, estaduais, federal e particulares.

Nos anos iniciais do fundamental, as redes escolares de dois Estados nordestinos se destacam com as notas mais folgadas em relação às metas propostas para 2011. Respectivamente, o Ideb dos sistemas municipais, estaduais e privados de Ceará e Piauí foi 4,9 (0,9 ponto acima da meta) e 4,4 (0,8 acima da meta). Minas Gerais registrou o Ideb mais alto para a etapa: 5,9.

Para especialistas, o bom desempenho nacional do ciclo inicial é explicado pelo foco em políticas de alfabetização infantil. Para os casos específicos de Ceará, Piauí e Minas, o avanço se deve à melhoria de gestão e de práticas pedagógicas, incrementadas por parcerias entre prefeituras e governos estaduais. “Minas já tem uma política consolidada. No Ceará e Piauí é a mesma coisa, houve pactuação entre as Secretarias Estaduais e os municípios. Os resultados saltam aos olhos porque perceberam que educação não é uma prova de passar o bastão no final de cada ciclo, mas uma responsabilidade coletiva”, avalia Priscila Cruz, diretora-executiva do Todos pela Educação.

A secretária estadual de Educação do Ceará, Izolda Cela, confirma que a cooperação é estratégica. “Não inventamos a roda, apenas obedecemos os preceitos constitucionais de cooperação federativa. Não há repasse de um centavo, tudo se baseia em organização de gestão, treinamento de funcionários e professores pago pelo Estado, adoção de material estruturado [apostilas] e metas simples.”

Segundo Izolda, o avanço no Ideb do Ceará e dos municípios cearenses começou com a política de alfabetização infantil em Sobral, quando ela era secretária municipal de Educação, em 2001. “Ao assumir o Estado levamos a política para os municípios em forma de parceria. Em 2005, tirando Sobral, os 184 municípios tinham Ideb abaixo da média nacional. Em 2011, 178 cidades alcançaram média adequada”, acrescenta ela.

A secretária acredita que o segredo para avançar no final do fundamental é reforçar as parcerias prefeituras-Estado. “Daqui duas edições do Ideb, teremos resultados melhores, como já pode ser visto em alguns municípios.”

A resposta para o ensino médio é um mistério. Ocimar Alavarse, professor da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FE-USP), recomenda esforços de aprendizagem e melhoria da condição de trabalho e oferta para o ciclo mais problemático da educação brasileira. “O Rio Grande do Sul, por exemplo, tem a insatisfação dos professores com baixos salários. Se durar muito tempo pode influenciar tanto no fluxo de aprovação como no aprendizado, que tem oscilado bastante. Por isso é importante focar o ensino e condições de trabalho, com salários dignos e ação de formação docente.”

O Ideb do Rio Grande do Sul para o ensino médio caiu de 3,6 em 2009 para 3,4 no ano passado, deixando o Estado abaixo da meta de 3,7. O secretário de Educação, José Clóvis de Azevedo, admite que não teve tempo para aplicar mudanças. “Encontramos altos índices de repetência e desmotivação grande dos nossos jovens. Propomos mudanças curriculares que começaram este ano, assim como ações ligadas ao mercado de trabalho e à universidade para tornar o ensino médio mais atraente. Mas elas só surtirão efeito no próximo Ideb, em 2013″, resumiu Azevedo.

O secretário estadual de Educação de Goiás, Thiago Peixoto, disse ao Valor que a realização de diagnósticos, criação de políticas de bônus por mérito e de um sistema de avaliação interno ajudaram o Estado a melhorar o Ideb do ensino médio. Goiás teve um dos melhores desempenhos do país para essa etapa da educação. “No começo houve muita gritaria, mas com bons resultados acredito que podemos avançar mais.”

Ideb 2011: gestão eficiente da educação em Minashttp://www.valor.com.br/brasil/2789168/pais-tem-avanco-muito-timido-na-educacao

Anúncios

Ideb 2011: gestão eficiente da Educação em Minas é destaque

Ideb 2011: Gestão de Aécio e Anastasia com foco na qualidade consolidou modelo de Educação Básica e garantiu o 1ª lugar no ranking nacional.

Ideb 2011: gestão eficiente da educação e o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica

Fonte: Agência Minas

Minas Gerais tem a melhor educação básica do país, revelam dados do Ministério da Educação

Resultados do IDEB divulgados nesta terça-feira indicam que alunos mineiros atingem padrões de países desenvolvidos nos anos iniciais do ensino fundamental

Minas Gerais tem a melhor educação básica do país. É o que revelam os resultados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), de 2011, divulgados, nesta terça-feira (14), pelo ministro da Educação, Aloízio Mercadante. Nas séries iniciais do ensino fundamental os alunos da rede estadual mineira alcançaram índice 6, comparável à qualidade do sistema educacional dos países desenvolvidos.

O levantamento do Ministério da Educação indica que, em relação à medição anterior, o sistema estadual de ensino de Minas evoluiu em todos os níveis.

Em comparação com outros estados, a rede estadual mineira também se destaca, mantendo a primeira colocação nos anos iniciais do ensino fundamental. Além disso, Minas subiu do 3º para o 2º lugar nos anos finais e ficou na 3ª posição no ensino médio. Seguem abaixo os rankings nacionais em cada um desses níveis de ensino:

 Ideb 2011: Minas tem a melhor Educação do país

Ideb 2011: Minas 1ª lugar no ranking nacional

 Ideb 2011: Minas tem a melhor Educação do país

 Ideb 2011: Minas tem a melhor Educação do país

Diante dos resultados, o governador do Estado, Antonio Anastasia, parabenizou toda a comunidade escolar e ressaltou que os números são fruto dos “esforços realizados pela sociedade mineira” e de um trabalho que vem sendo realizado com competência e comprometimento na educação mineira nos últimos anos.

O governador lembra que a boa escola qualifica o capital humano, facilitando a atração de investimentos e a geração de emprego e renda. “Cumprimento os professores, alunos, servidores da educação e pais. O Governo de Minas tem orgulho dos esforços de todos. Os resultados são fruto também de planejamento e de programas como o PIP (Programa de Intervenção Pedagógica) e da inserção das crianças aos seis anos na Escola, da qual Minas foi pioneira”, afirma Anastasia.

A secretária de Estado de Educação, Ana Lúcia Gazzola, apontou o comprometimento de professores e demais servidores da educação como fundamental para os bons resultados e destacou a importância de projetos desenvolvidos pelo Governo de Minas. “Os resultados do Ideb demonstram que a política mineira para com a educação tem compromisso com a qualidade e vem sendo desenvolvida de forma muito séria nos últimos anos. Os projetos e investimentos do Governo, o compromisso dos nossos profissionais e a qualidade do nosso alunado são fatores que resultaram nesses bons índices”, afirma.

A secretária também destaca o Programa de Intervenção Pedagógica. “Este é um dos instrumentos que possibilitaram diretamente os avanços nos anos iniciais do ensino fundamental, a partir do acompanhamento direto dos resultados das escolas e propostas de programas e ações com foco na qualidade”, completa.

Minas melhora índice e mantém liderança nos anos iniciais do Ensino Fundamental

Os alunos mineiros alcançaram nota média 6,0 nos anos iniciais do ensino fundamental, de acordo com os resultados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) 2011. Como este resultado, a rede estadual mineira mantém o primeiro lugar no ranking nacional. O índice, segundo o próprio Ministério da Educação, é equivalente à média da educação em países desenvolvidos. No último Ideb, medido em 2009, a rede estadual mineira já era a primeira colocada, com índice de 5,8.

Com Ideb de 6,0, a rede estadual mineira não só deixou para trás a meta estabelecida para 2011, que era de 5,7, como ultrapassou antecipadamente a meta estipulada para 2013, que é de 5,9. No total, 767 escolas estaduais mineiras apresentaram Ideb igual ou superior a 6,0 nos anos iniciais em 2011.

Considerando o Ideb de todas as redes — estadual, municipais e privadas — Minas Gerais também conseguiu destaque. O índice alcançado foi de 5,9 e também ultrapassa antecipadamente a meta estipulada para 2013, que é de 5,7.

 Ideb 2011: Minas tem a melhor Educação do país

Nos anos finais, Estado subiu do terceiro para o segundo lugar no ranking nacional

Nos anos finais do ensino fundamental, a rede estadual mineira também apresentou evolução. No Ideb 2011, as escolas dos anos finais alcançaram a média de 4,4. Esse índice fez com que a rede estadual mineira fosse classificada na segunda posição em relação a todas as redes estaduais do país, atrás apenas de Santa Catarina, que ficou com 4,7.

Com Ideb de 4,4, a rede estadual mineira alcançou antecipadamente a meta estipulada para 2013, que é justamente de 4,4. Em relação ao último índice apurado, em 2009, a rede estadual apresentou evolução, passando de 4,1 para 4,4. Considerando todas as redes de ensino, Minas Gerais tem um Ideb de 4,6 e também alcançou antecipadamente a meta estipulada para 2013.

 Ideb 2011: Minas tem a melhor Educação do país

No ensino médio, índice mineiro é o terceiro melhor do país

A rede estadual mineira é a terceira melhor do país, de acordo com o Ideb 2011. Os alunos mineiros alcançaram o índice de 3,7 e cumpriram a meta estipulada para o período. Com essa nota, a rede estadual cresceu em relação ao Ideb 2009, quando alcançou um índice de 3,6.

Nesta etapa, a rede estadual mineira ficou atrás apenas de Santa Catarina, que está na primeira posição com Ideb de 4,0 e de São Paulo, que ficou em segundo lugar, com Ideb de 3,9.

 Ideb 2011: Minas tem a melhor Educação do país

Ideb 2011: gestão da educação em Minas – Link da matéria: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/minas-gerais-tem-a-melhor-educacao-basica-do-pais-revelam-dados-do-ministerio-da-educacao/

Entrevista do governador Antonio Anastasia sobre os resultados do Ideb

Gestão Eficiente: seplag mostra programa de compras sustentáveis do Governo de Minas em evento internacional em Brasília

secretária Renata Vilhena participou, nesta quinta-feira (26), do I Workshop internacional de Compras Públicas Sustentáveis

Um dos exemplos do esforço do Governo de Minas na busca de alternativas para desenvolver e incentivar a adoção de práticas e medidas de compras públicas sustentáveis está nos critérios adotados na construção do novo estádio Mineirão. A geração de energia solar no estádio vai atingir aproximadamente 1 MWh, o suficiente para abastecer 1.200 residências. O novo complexo esportivo conta ainda com a instalação de um reservatório com capacidade para captar 6 milhões de litros de água de chuva, que serão reutilizados na irrigação do gramado e limpeza das áreas externas estádio.

Esses números e a experiência em compras públicas sustentáveis em Minas foram apresentados pela secretária de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag), Renata Vilhena, nesta quinta-feira (26), em Brasília, no I Workshop internacional de Compras Públicas Sustentáveis. O evento é uma parceria entre o Ministério do Meio Ambiente, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) e Ministério da Educação.

“O Estado de Minas adotou, para sustentar suas políticas e ações, o tripé da sustentabilidade, com destaque para a prosperidade econômica, responsabilidade social e administração ambiental”, afirma Renata Vilhena.

Compras Verdes

A primeira parte do projeto teve início em 2007, como fruto de parceria com o ICLEI – Governos Locais pela Sustentabilidade. A partir daí, a discussão sobre as compras sustentáveis foi incorporada também no Projeto Gestão Estratégica de Suprimentos, que tem o objetivo de aperfeiçoar o processo de compras públicas estadual.

Neste primeiro momento, foram adotados critérios de sustentabilidade com a aquisição de papel reciclado, aquisição de processadores e de telas LCD que consomem menos energia.

Além disso, as empresas contratadas para fornecer refeições nos presídios tiveram que se comprometer a eliminar desperdícios, reduzindo o consumo de água na lavagem e melhorando o aproveitamento dos alimentos. Outro item levado em conta foi a implantação de programa de coleta seletiva de resíduos sólidos e a utilização de materiais recicláveis e produtos biodegradáveis.

Na área de pavimentação de rodovias, dentro do programa Pro-MG Pavimentação, passou-se a utilizar o asfalto de borracha obtido a partir de pneus usados, que tem durabilidade 30% superior ao asfalto convencional.

Obras Públicas

O programa de Parceria para o Desenvolvimento de Minas Gerais II, assinado entre o Governo do Estado e o Banco Mundial, teve como um de seus produtos um Manual de Obras públicas Sustentáveis. Ele determina que a construção sustentável da obra deve levar em conta os danos que poderão ser causados ao meio ambiente.

Além do novo estádio do Mineirão, a Cidade Administrativa Presidente Tancredo Neves, complexo administrativo que abriga 57 órgãos e entidades do governo, inaugurado em março de 2010, é um dos exemplos, em Minas, de obra pública sustentável: além da reciclagem e reutilização de 48% dos resíduos produzidos, adotou coleta seletiva de lixo e utiliza sistema de esgoto a vácuo em todo o complexo, o que gera uma economia de 80% no consumo de água.

A utilização de vidro duplo e persiana interna reduz o consumo de energia, que conta também com iluminação automatizada, sensores fotossensíveis e elevadores inteligentes.

Também o Centro Administrativo Regional de Varginha, inaugurado em agosto de 2010, utilizou o sistema de esquadrias com grandes vãos de vidros e termobrises nas paredes, sistemas que minimizam o acúmulo de energia térmica. A instalação de lâmpadas de led contribui para o baixo consumo de energia.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/seplag-mostra-programa-de-compras-sustentaveis-do-governo-de-minas-em-evento-internacional-em-brasilia/

Gestão da Educação: fórum Técnico de Ensino Médio elege Minas para representar o Sudeste em grupo de trabalho

Representantes das cinco regiões brasileiras discutem melhoras na qualidade do ensino médio noturno

SEE / Divulgação
Audrey Regina Carvalho Oliveira é a representante da região sudeste em grupo de trabalho para melhora do ensino médio noturno
Audrey Regina Carvalho Oliveira é a representante da região sudeste em grupo de trabalho para melhora do ensino médio noturno

Para aprimorar a qualidade de ensino dos alunos do período noturno do ensino médio, o Ministério de Educação, criou um grupo de trabalho composto por educadores que lecionam para estes adolescentes nas cinco regiões do Brasil. Na região Sudeste, a representante eleita durante o “Fórum Técnico de Ensino Médio”, realizado em Brasília, é a superintendente de Desenvolvimento do Ensino Médio da Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais (SEE), Audrey Regina Carvalho Oliveira.

Segundo a superintendente, é necessário haver um Fórum Nacional para o estudo do ensino médio noturno. “Por esse motivo, foi instituído um grupo de trabalho. A nossa primeira reunião será em maio. Depois teremos outros encontros para fazer um diagnóstico, debater as ações, contribuir com nossos relatos de experiências desenvolvidas e propor medidas para a qualidade de ensino no atendimento desses estudantes”, explica Audrey Oliveira.

A ideia é que no final do ano seja feito um relatório com as ações e os encaminhamentos voltados para o ensino médio no noturno, resultantes do Fórum. Essas medidas integram o ‘Ensino Médio Inovador’, do Ministério da Educação, que tem como objetivo fortalecer o desenvolvimento de propostas curriculares inovadoras nas escolas de ensino médio, como a capacitação de educadores. Minas Gerais fará adesão ao projeto em 2013 que será complementar às ações desenvolvidas pelo Estado como foco no ensino médio.

Exemplo mineiro

No Estado, estudantes desse nível de escolaridade contam com o ‘Reinventando o Ensino Médio’, projeto desenvolvido pela SEE em 11 escolas da região Norte de Belo Horizonte. O projeto começou em 2012 e a expectativa é ampliar para 120 escolas no próximo ano. No ‘Reinventando o Ensino Médio’, o foco está em tornar o currículo mais completo e atrativo, além de gerar competências e habilidades focadas na empregabilidade.

“Essas ações que desenvolvemos com os alunos do ensino médio, inclusive do noturno, serão apresentadas na reunião de maio e acredito que serão contempladas e muito bem aproveitadas pelo grupo de estudos”, avalia a superintendente de Desenvolvimento do Ensino Médio da SEE.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/forum-tecnico-de-ensino-medio-elege-minas-para-representar-o-sudeste-em-grupo-de-trabalho/

Governo de Minas: universidade Estadual de Montes Claros prepara o I Congresso de Ciências Humanas

O evento que está previsto para o mês de agosto irá proporcionar novos desafios para os alunos

Ascom/Unimontes
Professores discutem conteúdo do I Congresso de Ciências Humanas
Professores discutem conteúdo do I Congresso de Ciências Humanas

Avaliar o curso de graduação e pós-graduação e discutir novas perspectivas para as atividades de ensino, pesquisa e extensão são os principais objetivos do I Congresso de Ciências Humanas da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes).

O conteúdo programático do evento será elaborado pelo Conselho de ciências humanas (CCH). A primeira reunião para discutir esse tema foi na terça-feira (10). A ideia é realizar palestras, mesas redondas, conferências com professores, dirigentes da instituição e especialistas convidados, apresentar  trabalhos científico e publicação de resumos.

“Como proposta coletiva, o Congresso permitirá à comunidade acadêmica debater medidas concretas para a revitalização das licenciaturas em Ciências Humanas, além de apresentar resultados – e ao mesmo tempo demandas – dos projetos de pesquisa, de estágios e da formação inicial, para o acadêmico, e da formação continuada do docente”, observa Antônio Wagner Veloso Rocha, diretor do CCH.

O evento que tem o apoio da Fundação de amparo à pesquisa do estado de Minas Gerais (Fapemig), da Coordenação de aperfeiçoamento de pessoal de nível superior (Capes) e do Ministério da Educação será realizado entre os dias 8 e 10 de agosto no campus-sede.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/universidade-estadual-de-montes-claros-prepara-o-i-congresso-de-ciencias-humanas/

Governo de Minas: capacitação vai preparar diretores para os desafios da gestão escolar

Nomeados no início deste ano, diretores das escolas estaduais vão passar por treinamentos nas áreas administrativa, financeira e pedagógica. Inscrições para o Progestão vão até 17 de fevereiro

Divulgação/SEE MG
Diretores da rede estadual na última edição do Progestão
Diretores da rede estadual na última edição do Progestão

Com a volta às aulas, estudantes da rede estadual de ensino retornaram na última segunda-feira (06) aos estudos e, junto com eles, os 3.490 diretores nomeados este ano também iniciaram a rotina de trabalho para cumprimento do calendário letivo de 2012. Entre os diretores nomeados, 2.327 foram reconduzidos ao cargo e 1.163 são novatos.

A rotina de trabalho desses gestores exige que eles garantam o cumprimento do calendário escolar estabelecido conforme as diretrizes da Secretaria de Estado de Educação (SEE) e que eles representem a escola, tornando-a aberta aos interesses da comunidade e estimulando o envolvimento dos alunos e de toda comunidade escolar. Para isso, a Secretaria está organizando uma capacitação com todos os gestores, que terá por objetivo apresentar e discutir com os gestores os principais pontos das áreas de gestão, administrativa, financeira e pedagógica.

A diretora de Gestão e Desenvolvimento de Servidores Administrativos e de Certificação Ocupacional da SEE, Éder Quintão, ressalta a importância da capacitação para o desenvolvimento do trabalho dos diretores. “Considero a capacitação de fundamental importância para que os objetivos da Educação sejam alcançados, porque o gestor é responsável pelo sucesso da escola”. A capacitação terá duração de 40 horas e será aplicada na modalidade presencial, no município sede de cada uma das 47 Superintendências Regionais de Ensino (SREs) do Estado.

Cláudia Mendes Bastos assumiu a direção da Escola Estadual Helena Pena, em Belo Horizonte, este ano e mesmo já conhecendo a rotina da escola, a gestora não abre mão de usufruir de todas as oportunidades. “Eu já fui diretora de uma escola particular durante quatro anos e meio e, por isso, já tenho uma pequena base. Mesmo assim, considero importantíssimo participar de todos os cursos, pois é uma forma de atualizar os conhecimentos”, afirma ela.

Inscrições para o Progestão terminam esta semana

Os diretores também participarão do Projeto de Capacitação a Distância para Gestores Escolares (Progestão), curso de formação continuada e em serviço, que tem por finalidade desenvolver as competências necessárias aos gestores de escolas públicas, para promoção da melhoria dos resultados educacionais. O curso, que está com inscrições abertas até do dia 17 de fevereiro, é oferecido em duas modalidades: uma com encontros presenciais e outra totalmente a distância. As duas modalidades têm por objetivo formação em gestão administrativa e pedagógica de gestores de escolas públicas.

De acordo com o edital, no Progestão online podem se inscrever os servidores de escolas estaduais da região metropolitana de Belo Horizonte pertencentes às Superintendências Regionais de Ensino Metropolitanas A, B e C. Já na modalidade de EAD podem se inscrever  diretor ou coordenador de escola, vice-diretor, de secretários municipais educação, especialista em educação básica, entre outros, de todas as 47 SREs.

Os formulários de inscrição referentes ao Progestão EAD e online deverão ser encaminhados ao tutor responsável na SRE à qual pertence o município. Cabe às Superintendências receber os formulários dos candidatos ao Progestão EAD, conferir os dados e inseri-los no sítio eletrônico, até 29 de fevereiro. Já os formulários do Progestão online deverão ser encaminhados à Diretoria de Gestão e Desenvolvimento de Servidores Administrativos e de Certificação Ocupacional da Secretaria de Estado de Educação.

“Todos os diretores que ainda não passaram pelo Progestão irão participar da capacitação, que irá ajudá-los a lidar com os mais diferentes aspectos da gestão escolar, como a gestão de pessoas que é uma das competências mais importantes”, afirma Éder Quintão.  O primeiro encontro presencial do Programa está previsto para março.

Diretora mineira foi destaque em prêmio nacional

Entre os gestores que participaram do Progestão e utilizam o curso na rotina escolar está Adriana Lemos Caixeta Vieira, diretora da Escola Estadual Dom Pedro I, no município de Machado. A diretora foi reconduzida ao cargo este ano e já está há quatro anos e meio como gestora da escola.

Adriana comenta o papel do Projeto na melhoria de sua gestão. “Eu participei do Progestão em 2006. O projeto é excelente. Durante a capacitação tratamos de todos os tipos de gestão, como a participativa e a de resultado. Ele me deu clareza de cada área da gestão. Além disso, é um momento muito rico para troca de experiências e o material de consulta é tão bom que utilizo até hoje”, diz a diretora.

Finalista, em 2011, em um prêmio que reconhece méritos na gestão escolar, Adriana dá dicas aos novos colegas sobre o que faz diferença na gestão de uma escola. “Eu acho que os gestores devem investir no pedagógico da escola. É importante monitorar o aprendizado dos alunos, entrar na sala de aula e estar sempre junto com a supervisão e professores”. A escola de Adriana Lemos foi uma das finalistas do Prêmio Gestão Escolar do Conselho Nacional de Secretarios de Educação (Consed).

Processo de indicação de diretores

Apesar de ser um cargo de confiança, cuja nomeação é de competência exclusiva do governador, a comunidade escolar teve a oportunidade de indicar os nomes de servidores de sua preferência que atendiam às normas estabelecidas pela SEE para a direção de sua escola. Em processo de consulta, organizado pela Secretaria de Estado de Educação, servidores das escolas, pais e alunos deram suas sugestões por meio do voto.

O resultado do processo de indicação foi apurado pelas comissões organizadoras de cada escola, encaminhado às Superintendências Regionais de Ensino e inseridos em sistema online da Secretaria. Pela 7ª vez, a comunidade escolar foi consultada e teve a opção de sugerir os nomes de preferência, antes da nomeação oficializada pelo governador.

Prêmio Gestão Escolar

O prêmio estimula iniciativas exitosas na educação básica pública. Cada unidade da federação seleciona seu destaque estadual/distrital. Posteriormente, uma comissão formada por representantes dos parceiros do prêmio escolhe seis finalistas, que concorrem ao título de “Destaque Nacional”. Em todas as etapas, são avaliadas cinco dimensões: gestão pedagógica, gestão participativa, gestão de serviços e recursos, gestão de resultados e gestão de pessoas.

Criado em 1998, o Prêmio Gestão Escolar é uma iniciativa conjunta do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), da União Nacional de Dirigentes Municipais de Educação (Undime), da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), do Ministério da Educação (MEC), da  Fundação Roberto Marinho, da Embaixada dos Estados Unidos no Brasil, do Instituto Unibanco, da Fundação Itaú Social, da Fundação Victor Civita, da Gerdau e da Fundação SM.

Fonte: Agência Minas

Governador Antonio Anastasia anuncia liberação de R$ 70 milhões para financiamento de pesquisas

 

BELO HORIZONTE (17/01/12) – O governador Antonio Anastasia anunciou, nesta terça-feira (17), a liberação de R$ 70 milhões para financiamento de pesquisa voltada para a educação básica, bolsas de pós-doutorado, cursos de pós-graduação em universidades sediadas em Minas Gerais e compra de equipamentos para pesquisa.

Desse total, R$ 24 milhões são recursos do Governo de Minas, repassados por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), e R$ 46 milhões pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), ligada ao Ministério da Educação (MEC). Os editais para a seleção serão lançados em março.

O objetivo da parceria é contribuir para elevar o padrão de excelência dos cursos de pós-graduação em Minas, para que se tornem referência no país. Visa também promover a melhoria das atividades de ensino, pesquisa e extensão nas instituições de ensino superior do Estado e melhorar as atividades de ensino e a formação de professores da rede pública estadual.

Anastasia destacou que o investimento do Governo de Minas em pesquisa e educação tem por meta acelerar o crescimento econômico e o desenvolvimento social do Estado.

“Em Minas Gerais temos buscado transformar essas pesquisas também em utilidades e desenvolvimento para nossa sociedade naqueles nichos onde isso é possível, transformando-as em patentes, em empregos e geração de riqueza, em um esforço continuado. Tenho certeza de que cada real investido em ciência e tecnologia são vários reais que vamos gerar, no futuro, desenvolvimento para o Estado”, disse o governador.

Os novos recursos representam a segunda fase da parceria entre a Fapemig e a Capes. Na primeira fase, foram investidos R$ 10 milhões. De acordo com o presidente da Capes, Jorge Almeida Guimarães, os bons resultados alcançados estimularam a instituição a renovar e ampliar as ações conjuntas com a Fapemig.

O presidente da Fapemig, Mário Neto Borges, destacou a importância e o pioneirismo da inclusão do apoio à pesquisa para educação básica nas modalidades contempladas nessa etapa.

“Esse tipo de apoio é inédito e muito significativo, porque sabemos que a educação básica é universalizada, mas a qualidade ainda precisa melhorar e essa iniciativa conjunta da Capes e da Fapemig irá ajudar nesse ponto e formar material humano para a graduação e pós-graduação”, explicou ele.

A secretária de Estado de Educação, Ana Lúcia Gazzola, afirmou que a melhor qualificação de professores terá reflexos importantes no ensino público no Estado.

“Os resultados de programas como esse são imediatos, porque o professor que participa de um projeto fica altamente motivado, se sente valorizado, a sua auto-estima cresce. Além disso, ele vai trabalhar com o apoio das universidades onde se produz conhecimento mais avançado e poderá socializar as boas práticas com que terá contato e conviver com pessoas que têm soluções diferentes para cada questão a ser trabalhada com os alunos”, comemorou a secretária. Clique aqui para acessar quadro sobre destinação dos recursos (arquivo word).

Fonte: Agência Minas

Gestão Anastasia: novo edital destinará R$ 500 mil para apoiar programas de Educação Tutorial

BELO HORIZONTE (17/01/12) – Financiar projetos temáticos de Programas de Educação Tutorial (PET) que envolvam a articulação entre ensino, pesquisa e extensão e contribuam na resolução de problemas sociais. Este é o principal objetivo do mais novo edital lançado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig). O Edital Programas de Educação Tutorial (PET), da Fapemig, funcionará como um recurso extra, destinando R$ 500 mil para os grupos mineiros inseridos no programa.

O PET é uma iniciativa do Ministério da Educação (MEC), financiado pela Secretaria de Educação Superior (Sesu), criado para apoiar atividades acadêmicas que integram ensino, pesquisa e extensão. Formado por grupos tutoriais de aprendizagem, o PET propicia aos alunos participantes, sob a orientação de um tutor, a realização de atividades extracurriculares que complementem a formação acadêmica do estudante e atendam às necessidades do próprio curso de graduação. O estudante e o professor tutor recebem apoio financeiro de acordo com a Política Nacional de Iniciação Científica.

O novo edital da Fapemig é uma iniciativa inédita, que vai oferecer um custeio adicional de até R$ 15 mil a cada grupo aprovado com o objetivo de fortalecê-los. “Com o lançamento do edital, a Fapemig busca contribuir para a elevação do nível de qualificação dos estudantes de graduação, com foco na multidisciplinaridade e na formação de lideranças e ainda estabelecer uma relação de diálogo entre pesquisadores e sociedade”, pontua o presidente da Fapemig, Mario Neto Borges.

Para o professor da Faculdade de Engenharia da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e tutor do programa há mais de 20 anos, Francisco José Gomes, a iniciativa da Fapemig fortalece a base da formação dos futuros cientistas do país. “Não há desenvolvimento científico e tecnológico sem educação e formação de qualidade”, afirma.

Sobre o edital

São consideradas elegíveis as propostas que atendam a alguns requisitos. A Instituição Proponente, por exemplo, deve estar sediada em Minas Gerais; se comprometer a propiciar condições adequadas de espaço, infraestrutura, pessoal de apoio técnico e administrativo para o desenvolvimento do projeto proposto; possuir experiência em educação tutorial. O coordenador do Grupo PET deve ter vínculo com a Proponente, e com um programa de educação tutorial; ter produção científica ou tecnológica relevante, nos últimos  três  anos, na área específica do projeto, entre outras atribuições. A proposta deve estar claramente caracterizada como Projetos de Educação Tutorial; prever a articulação entre ensino, pesquisa e extensão e ser originária de Grupo PET aprovado e vinculado à Sesu/MEC.

As propostas serão recebidas até 15 de maio. Elas devem ser submetidas eletronicamente, por meio do sistema AgilFAP (HTTP://agilfap.fapemig.br). Outras informações podem ser obtidas com a Central de Informações da Fapemig, pelo e-mail ci@fapemig.br .