Arquivos do Blog

Aécio associa Marina ao PT: candidata vem do mesmo ‘núcleo que governa o Brasil’

Aécio Neves: “Eu estava lá denunciando o mensalão -, afirmando que apoiou o plano Real e a lei de Responsabilidade Fiscal”.

Eleições 2014

Fonte: O Globo

Aécio associa Marina ao PT e diz que candidata vem do mesmo ‘núcleo que governa o Brasil’

Em Minas, tucano tenta desgastar ex-senadora e Dilma com mensalão

Em queda nas pesquisas de intenção de voto, o candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, adotou a estratégia de associar a candidata Marina Silva (PSB) ao PT, partido do governo. Em discurso a políticos de Minas, ele acusou Marina e Dilma de fazer um “silêncio obsequioso” diante das denúncias do mensalão. Aécio, que já chegou a dizer que Marinacopiava seu programa de governo, afirma agora que tanto a candidata como a presidente Dilma Rousseff, que concorre à reeleição, estão no mesmo campo e que a candidatura tucana representa a “travessia segura”.

– Eu estava lá denunciando o mensalão – disse Aécio, afirmando que apoiou o plano Real e a lei de Responsabilidade Fiscal: – As nossas adversárias não estavam desse lado. Estavam contra o Plano Real, contra a Lei de Responsabilidade Fiscal e nos brindaram com um obsequioso silêncio no momento em que as mais graves denúncias surgiram sobre malfeitos do governo federal.

O candidato falou sobre o escândalo para uma plateia de tucanos em Belo Horizonte, onde ainda corre nos tribunais o julgamento do mensalão atribuído a integrantes de seu partido e ao publicitário Marcos Valério.

– A verdade é que começam a aparecer algumas semelhanças entre a candidatura oficial e a candidatura oriunda do PT que se apresenta agora no campo oposicionista. O Brasil não está preparado para novas aventuras. Não dá para jogarmos com o time da segunda ou terceira divisão – disse o tucano.

A declaração de Aécio ocorreu minutos depois de Marina, sofrendo ataques de PT e PSDB, se comparar ao ex-presidente Lula em seu programa de rádio. A propaganda também criticou a postura dos rivais. “No rádio e na TV, os adversários de Marina partiram para o ataque. Mas Marina está vacinada contra ataques”, disse uma voz no programa, para depois passar a palavra para a própria candidata.

— Eu vi muita gente desqualificando o Lula. O intelectual tinha que dar o aval para o operário se colocar como presidente da República — disse a ex-senadora — Esqueceram muito rápido do que nós tivemos que passar, mas eu não esqueci, o povo brasileiro não esqueceu.

Questionado se partiria para o ataque direto a Marina, que segundo as pesquisas de intenção de voto está em empate técnico com Dilma, Aécio sinalizou que a campanha pode endurecer o discurso:

– O Brasil não merece um novo quadro de insegurança. E é esse alerta que eu vou fazer Brasil afora – disse Aécio, para quem Marina traz “boas intenções”, mas “vem do mesmo núcleo que vem governando o Brasil, o PT, e que lá atrás se posicionou contra tudo isso que defende (hoje).

Além de lembrar a origem política de Marina, o tucano disse que o programa de governo do PSB é “inexequível”. O tucano minimizou o impacto das pesquisas de intenção de votos, que colocam Marina e Dilma em empate técnico, apontando para a vitória do PSB em um eventual segundo turno.

– Existe uma nova campanha. Até 30 dias atrás, nós tínhamos uma outra eleição, inclusive com outro candidato, que infelizmente foi vítima de um grave acidente e faleceu. Agora é uma nova campanha e o que nós temos de fazer é dizer que aquilo que nós defendemos a vida inteira é coerente com aquilo que nós praticamos lá atrás. Nossa vitória é essencial para que o Brasil não viva um novo risco, uma nova aventura – disse o candidato.

Para Aécio, o país vive danos do improviso do governo Dilma, e a candidata Marina seria nova aventura. Ainda segundo o tucano, a população estaria “assustada com a possibilidade de um novo improviso”.

Aécio retornou nessa quinta-feira à Minas Gerais, estado que governou, para o que chamou de “arrancada” de sua campanha. No estado, o candidato tucano Pimenta da Veiga subiu oito pontos segundo a pesquisa Datafolha divulgada hoje, mas continua atrás do candidato do PT, o ex-ministro Fernando Pimentel (32 a 24), para quem perderia em um eventual segundo turno, segundo a mesma pesquisa, por 41 a 28 pontos.

Para reanimar a campanha tucana, que esta semana anunciou a demissão de centenas de colaboradores, o PSDB reuniu em Belo Horizonte prefeitos de todo o estado. Depois do encontro com os dirigentes dos municípios, Aécio participou de almoço com parlamentares e seguiu em campanha para o interior do estado.

No encontro com os prefeitos, que reuniu centenas de pessoas, parlamentares e dirigentes do PSDB cobraram empenho dos aliados nos municípios. O prefeito de Barbacena, Antonio Andrada, citou o avô de AécioTancredo Neves, para dizer “não podemos nos dispersar”.

Aécio diz que Governo do PT é ‘perdulário’

Eleições 2014: para senador, o Brasil precisa de um governo generoso, que cuide das pessoas e se preocupe menos com propaganda partidária.

Eleições 2014

Fonte: Estado de Minas 

Governo é perdulário, diz Aécio

Em encontro do PSDB, senador acusou petistas de desperdiçar recursos em obras inacabadas. Governador de Goiás diz que candidatura do mineiro conta com apoio de todos os diretórios

O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (PSDB-MG), fez pesadas críticas ao governo federal, classificando-o de perdulário, em Goiânia (GO), durante o quarto de cinco encontros que os tucanos pretendem fazer pelo país até o fim do ano. “O Brasil tem hoje um governo perdulário, que transformou o país num grande cemitério de obras inacabadas. É um desperdício de dinheiro e o benefício não chega”, afirmou o pré-candidato tucano ao Palácio do Planalto, que se reuniu na manhã de ontem com lideranças de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins e Distrito Federal para discutir um agenda para o Brasil.

Em seu discurso, Aécio disse que nas andanças que tem feito pelo país percebe que o ciclo do PT no governo está no fim e que o PSDB tem condições de fazer um governo com mais avanços e garantiu que os tucanos marcharão unidos em 2014 na disputa contra a presidente Dilma Rousseff (PT), que tentará a reeleição. Saudado com os gritos de “Brasil pra frente, Aécio presidente“, o senador disse que está na “largada de uma aventura a favor do país”. Ele ressaltou que depois de percorrer 20 estados e centenas de municípios, o sentimento é de que não dá mais para continuar como está. “Estão colocando em risco as principais conquistas do PSDB. A inflação está em alta e essa alquimia econômica já perdeu a credibilidade”, exemplificou.

Questionado se já falava como candidato à Presidência, o senador foi cauteloso, lembrando que como mineiro “nunca coloca o carro na frente dos bois”, e afirmou que estava lá como presidente nacional do PSDB, “mas com responsabilidade, sim, de dizer o que pensamos”. Coube ao governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), afirmar em seu discurso que o senador é o preferido do partido, de norte a sul.” Aécio tem o apoio das 27 seccionais do partido, dos oito governadores, de todos os senadores, deputados e prefeitos do PSDB. Vá em frente, você já é o pré-candidato do partido”, disse Perillo. Sobre a disputa, o tucano disse ter convicção da ida do PSDB para um provável segundo turno. “Estou absolutamente convencido de que vamos para o segundo turno e vencer as eleições.”

Para o senador, o Brasil precisa de um “governo generoso”, “que cuide das pessoas, que se preocupe menos com a propaganda partidária, menos com as eleições, e mais em governar”. Mas de acordo com ele, o que o Brasil tem hoje é uma candidata a presidente da República “trabalhando única e exclusivamente pela sua eleição, enquanto o Brasil perde credibilidade, com indicadores econômicos terríveis”.

O presidente do PSDB disse que este é um governo do improviso. Citando Perillo, que antes havia criticado a política fiscal do governo federal, Aécio afirmou: “Da porteira para dentro somos os mais produtivos do mundo. Mas o problema é que da porteira para fora falta tudo. Falta rodovia e infraestrutura”, citou.

Mensalão Sobre a prisão dos condenados no julgamento do mensalão, o tucano disse que o Supremo Tribunal Federal (STF) cumpriu seu papel ao condenar os que são culpados e ” sobre quem as provas eram contundentes” e absolver aqueles sobre quem “as provas não eram claras” e rebateu as críticas do PT de que houve um julgamento político. Sobre a decisão do presidente do STFJoaquim Barbosa, que determinou que o deputado licenciado e preso José Genoino (PT-SP) fosse hospitalizado, ele disse que se for comprovada a necessidade de tratamento a prisão domiciliar está definida em lei: “Se houver a confirmação dessa necessidade, essa facilidade, essa benevolência (prisão domiciliar para tratamento) deve ser dada até porque ela respeita aquilo que a lei prevê hoje no Brasil”. (Com agências)

Aécio: decisão do STF não pode ser explorada pelo PT

Aécio: “Não contribui para a democracia um partido político querer transformar um julgamento numa ação política,” disse.

Aécio: líder da oposição

Fonte: O Globo 

Fernando Henrique diz que ‘alta República’ não honrou confiança do povo

Aécio condena PT por tentar explorar decisão do STF como um ato político

Reunidos em Poços de Caldas para celebrar os 30 anos do primeiro documento que pediu a realização de eleições diretas no país, líderes tucanos aproveitaram o encontro para criticar o PT e os condenados no julgamento do mensalão. O ex-presidente Fernando Henrique, ao comentar as prisões dos mensaleiros, foi duro nos ataques.

– Há momentos em que a gente sente que há no ar um vento de mudança (…). Aqueles que exerceram papel na alta República não souberam honrar a confiança que o povo devotou neles. Transformaram- se em nepotistas e, em vez de transformar o Brasil, transformaram suas próprias vidas

– disse FHC, que completou:

– Quando vejo que a Justiça começa a se fazer e quando vejo que aqueles que foram alcançados por ela tentam transformá- la em instrumento de sua própria história e de uma revolução que não fizeram, em nome de ideais que não cumpriram, que descumpriram a Constituição que juramos todos, temos de dar um basta nisso, chega de desfaçatez.

“PROVAS CONTUNDENTES”

Já Aécio Nevespresidente do PSDB e pré-candidato tucano à Presidência, disse que a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) não pode ser explorada pelo PT como um ato político. Segundo eles, a prisão dos condenados no escândalo do mensalão foi feita com base “em provas contundentes”.

– O que eu lamento, falando agora como presidente do PSDB, é que o presidente nacional do PT tenha confundido uma decisão da Suprema Corte brasileira com uma ação política, querendo criar um clima no Brasil absolutamente distante daquele que era natural. Não contribui para a democracia um partido político querer transformar um julgamento numa ação política.

Em encontro que reuniu todos os governadores do PSDB, chamou a atenção a ausência do ex-governador paulista José Serra. Sobre esse fato, Fernando Henrique respondeu, sem citar o nome do ex-governador, que o partido está unido.

– O partido está em perfeita unidade. E o melhor, ao redor de ideias e projetos. Essa unidade, progressivamente, será total. Nada impede que esse que você citou (José Serra), a quem respeito e admiro, se manifeste sobre o que foi dito hoje – disse o ex-presidente.

Aécio, por sua vez, aproveitou para atacar a relação do governo federal com os estados.

– Ficam todos à mercê da benevolência, da boa vontade, do bom humor de quem está no governo federal. Isso não é justo para com um país das dimensões do Brasil. Esse chamamento é oportuno em um momento fundamental, para que possamos ter no próximo embate eleitoral compromissos claros dos candidatos com municípios e com os estados brasileiros – disse o mineiro.

POLÍTICA MINEIRA

Também no evento, o governador Geraldo Alckmin disse que esperar ver Aécio nas ruas:

– Quero trazer um abraço de estímulo ao Aécio, para que ele percorra o país, ouça a nossa população, fale à população inspirado nessa maravilhosa política mineira da conciliação. Política que concilia esperança com ação. E que leve essa esperança para os nossos milhares de municípios. O governo mais importante é o governo local. Aquele que está junto do povo e enxerga as aflições da população, porque com ela convive.

Eleições 2014: Aécio e FHC, Dilma e o Mensalão do PT

Eleições 2014: enquanto Aécio Neves segue coordenando projeto de governo dentro do PSDB, Dilma se agarra na cúpula do Mensalão do PT.

Eleições 2014: Aécio Neves

Eleições 2014: Aécio Neves vai de FHC e Dilma com o Mensalão do PT

 Eleições 2014: Aécio e FHC, Dilma e o mensalão do PT

Eleições 2014: Aécio e FHC, Dilma e o mensalão do PT

Dilma Rousseff e Aécio Neves já se articulam para as Eleições 2014. Do lado do tucano, a estratégia é recuperar a unidade do PSDB, construir um programa de governo bem estruturado nas antigas bandeiras do partido e apresentar ao país uma candidatura de contraponto à inoperância atual do governo federal. Já a presidente Dilma não consegue se libertar das antigas práticas do PT: a partidarização de cargos públicos como forma de segurar apoios e a subordinação aos lobos velhos e agora condenados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no escândalo do Mensalão do PT, como o ex-ministro José Dirceu.

A partir desta semana, tanto PSDB quanto PT começam uma série de eventos que, no fundo, visam dar o start nas Eleições 2014Aécio Neves será o protagonista do lado tucano, mas do lado petista, a presidente Dilma, mesmo ocupando o cargo máximo do país, não deixará de ser ofuscada pelo ex-presidente Lula, seu criador político, e por José Dirceu, o eterno articulador do submundo da legenda.

Nesta quarta-feira, o PT fará um evento para comemorar os 10 anos em que está no poder central. Dilma e Lula estarão por lá, merecidamente, já que são os dois presidentes da República eleitos pela legenda. Mas será mesmo José Dirceu quem representará melhor a trajetória do partido nesta década de história por ter sido o cabeça do maior escândalo da história da política nacional: o Mensalão do PT, que também está próximo de completar 10 anos.

Como bem lembrou o presidente nacional do PSDB,  deputado Sérgio Guerra (PE), ”será possível que a presidente da República pode ir para uma reunião com um cara que faz semanas foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal?…a Dilma tem ou não respeito tem pelas instituições? Ela é ou não é a favor do mensalão? Se ela for lá, ela é favor do mensalão. Não tem nada dessa história de austeridade. Tudo é falso”.

O evento desta quarta-feira, quando o PT irá comemorar 10 anos de poder, na verdade, será uma excelente oportunidade para que a população veja que, mesmo com o Mensalão do PT, nada mudou no status quo de José Dirceu. Ele continuará sendo o grande articulador de Dilma Rousseff nas Eleições 2014 contra Aécio Neves.

Jaques Wagner: Aécio quer ser presidente, comentou governador da Bahia

Aécio quer ser presidente, diz governador da Bahia. Jaques Wagner critica julgamento do mensalão e minimiza vitória de Campos em Recife.

Aécio: presidente 2014

Fonte: Valor Econômico

Jaques Wagner condena ‘espetáculo’ do julgamento

 Aécio quer ser presidente, diz governador da Bahia

‘Aécio quer ser presidente’, diz governador da Bahia.

Wagner: “Me consta que Aécio quer ser presidente. Ele [Campos] vai se afastar do governo para ser vice do Aécio?”.

O governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), afirma que o julgamento do processo do mensalão do PT ganhou “conotação politizada demais” e tem influência nas eleições municipais, embora não seja determinante. No segundo turno, acredita que o peso será menor – assim como o das greves que desgastaram sua gestão -, já que o eleitor “despejou um pouco de sua raiva”. Wagner diz que o julgamento peloSupremo Tribunal Federal (STF) virou um “espetáculo”, que transforma ministros em heróis e constrange os que contrariam o senso comum.

“Uma coisa é a transparência, outra é o espetáculo. Não sei se faz bem à democracia. (…) Então o ministro Ricardo Lewandowski [revisor] está proibido de ter opinião jurídica diferente de Joaquim Barbosa [relator], porque um virou herói? Lewandowski é um dos 11 integrantes. Então tudo o que falar está contaminado, porque não está no senso comum do que todo mundo pensa? Então vamos fazer justiça com as próprias mãos”, diz.

Para Wagner, os envolvidos tiveram “julgamento público” e pagaram preço muito alto, com constrangimento pessoal e familiar. No caso do ex-ministro José Dirceu, compara a cassação na Câmara à pena de morte. No segundo turno, defende que o PTenfrente esse debate, lembrando os escândalos que abateram a oposição. “O povo sabe que tem demônios e santos em tudo que é partido. E que nenhum deles tem a tutela da moralidade absoluta”, diz.

Com um olho no segundo turno da eleição de Salvador, onde o candidato do PT, Nelson Pelegrino, vai disputar com Antonio Carlos Magalhães Neto (DEM), e o outro no cenário nacional, no qual é um dos nomes do PT para a sucessão da presidente Dilma Rousseff, Wagner minimiza a vitória do governador Eduardo Campos (PSB) nesse primeiro turno, com a eleição de Geraldo Júlio em Recife. Para ele, lá “o PT é que acabou com o PT“, com um “rol de trapalhadas”.

O governador considera natural que Campos tenha pretensão de disputar a Presidência da República, mas diz que, apesar disso, não pode ser visto como opositor do PT, mesmo tendo vista os embates no Recife e em Belo Horizonte, onde Marcio Lacerda venceu no primeiro turno com apoio do tucano Aécio Neves, e Fortaleza, cidade na qual o segundo turno será disputado pelas duas legendas.

Evitando antecipar uma ruptura da base de Dilma, nega que haja uma “trama” entre o colega de Pernambuco, que é presidente do PSB, e Aécio, para uma aliança futura, contra o PT. Wagner prefere atribuir a uma “infeliz coincidência” o fato de PT e PSBterem se enfrentado nessas três cidades estratégicas. “Me consta que Aécio quer ser presidente. Ele [Campos] vai ter interesse em se afastar desse projeto para ser vice do Aécio?

O governador, cuja base aliada elegeu cerca de 340 prefeitos dos 417 da Bahia, já articula a participação de Dilma e de Lula em comício de Pelegrino. No primeiro turno, ambos gravaram para o programa eleitoral, mas apenas o ex-presidente foi a Salvador. Quer, também, o apoio do PMDB de Geddel Vieira Lima – aliado de Dilma, mas oponente de Wagner na Bahia – no palanque do petista. O PMDB lançou Mário Kertész, que ficou em terceiro, com mais de 9% dos votos.

“Como existe um alinhamento nacional do PT com o PMDB, entendo que tem uma naturalidade da política essa aproximação, não uma obrigatoriedade. (…) Estamos discutindo uma campanha eleitoral em que está o projeto da Dilma versus o projeto do [José] Serra ou do Aécio [Neves], do DEM e do PSDB”, afirma Wagner.

Mas não vai oferecer a Geddel vaga na chapa governista à eleição majoritária de 2014, em troca do apoio a Pelegrino. As três vagas (governador, vice e senador) já são poucas para acomodar os partidos que integram hoje sua base. Compromete-se apenas com a possibilidade de o PMDB, se for para a base, participar das negociações.

“Não fico devendo o que não posso entregar. Se o Geddel apoiar Pelegrino, não está na obrigação de apoiar meu candidato em 2014. A recíproca é a mesma. Se ele tiver no apoio ao governo, é um partido que entra na discussão. Mas não posso dizer que a vaga é dele e desconstituir um conjunto de partidos.” A permanência ou não de Geddel no governo federal – ele ocupa a vice-presidência de Pessoa Jurídica da Caixa Econômica Federal -, caso decida apoiar o DEM, é uma decisão de Dilma e do PMDB, diz Wagner.

No caso da eleição de Salvador, Wagner avalia que o julgamento do mensalão teve seu peso, assim como outras variáveis, como a greve de policiais e a de professores, que durou mais de cem dias, que desgastaram seu governo.

Embora rejeite a tese da transferência de dinheiro do PT para aliados em troca de apoio ao governo – o que foi batizado de “mensalão do PT” -, Wagner admite que o PT envolveu-se numa “grande trapalhada”, em 2004, quando ajudou financeiramente os partidos aliados. A estratégia era eleger mais de mil prefeitos da base, para chegar mais forte a 2006, na reeleição de Lula.

Ele responsabiliza o sistema eleitoral brasileiro, no qual os candidatos têm de buscar financiamento para as campanhas, e defende o financiamento público, como forma de dar oportunidade a quem quer disputar “sem ter que passar o chapéu”. Com o medo do empresariado de financiar campanhas e, futuramente, se ver envolvido em algum escândalo, o governador confirma que aumentou a chamada doação oculta, pela qual transferências são feitas aos partidos que, por sua vez, fazem a distribuição às candidaturas. “Tem um jogo de hipocrisia. Porque, se o cara ajudou, não ser um privilegiado [após a eleição], mas também não pode ser um pária. Por isso, acho que as pessoas exorbitam na crítica, porque ficam no céu ou no inferno. E a vida é muito mais purgatório.”

Em seu segundo ano de mandato, Wagner diz que sonha em disputar a Presidência, mas nega ter obsessão pelo projeto. Sua prioridade é reeleger Dilma em 2014. Ele não descarta a possibilidade de ficar no cargo até o fim do mandato e não disputar as próximas eleições. Para facilitar a composição dos aliados na chapa majoritária (governador, vice e senador), Wagner aceita disputar a Câmara dos Deputados.

Wagner diz que continuará, na campanha de Salvador, o discurso do alinhamento político entre prefeitura e governos estadual e federal, mas nega que seja uma ameaça de discriminação, se o eleito for de outro partido. Ele define o que prega como um “alinhamento de projeto, sinergia de pensamento”.

Após 12 anos de gestão petista na Presidência da República, o governador diz que há um desgaste do governo. Mas cita o crescimento de cerca de 15% do PT, nessas eleições, como um dado para mostrar que o partido ainda tem fôlego, embora alguns interpretem que o peso da influência de Lula diminuiu.

Aécio: presidente– Link da matéria: http://www.valor.com.br/eleicoes2012/2862098/jaques-wagner-condena-espetaculo-do-julgamento