Arquivos do Blog

Governo de Minas: Secretaria de Regularização Fundiária treina agentes municipais para ação urbana

Representantes de prefeituras estão aptos para regularizar da forma correta imóveis das áreas urbana e rural

Divulgação / Seerf
Secretário Wander Borges participou da capacitação de gestores municipais
Secretário Wander Borges participou da capacitação de gestores municipais

O Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado Extraordinária de Regularização Fundiária (Seerf) e do Instituto de Terras do Estado de Minas Gerais (Iter-MG), realizou nesta sexta-feira (25) mais uma rodada do ciclo de treinamento e capacitação de agentes municipais para o trabalho de cadastro e medição de imóveis para regularização fundiária urbana. O curso, realizado na Cidade Administrativa, teve a participação de 46 pessoas, dentre engenheiros, técnicos e auxiliares de 24 municípios mineiros.

Desde setembro de 2011, o Iter-MG vem reestruturando o fluxo de regularização fundiária, com a adoção de novos formulários e a consolidação de um modelo para os processos de legitimação de posse. Com o objetivo de tornar o procedimento ainda mais seguro e ágil, foi adotada a metodologia de parceria com as prefeituras municipais, que ficam responsáveis pelo cadastramento e medição dos imóveis identificados como passíveis de regularização, além do acompanhamento do processo e das possíveis diligências.

Para o secretário de Estado de Regularização Fundiária, Wander Borges, a contribuição dos municípios é fundamental na execução das ações propostas. “O trabalho conjunto entre o Estado e as administrações municipais dinamiza o procedimento, garantindo ao cidadão o acesso rápido ao programa e ao documento definitivo da propriedade”, ressalta.

De acordo com o prefeito de Camacho, no Centro-Oeste de Minas, Geraldo Cardoso Lamounier, a retomada da legitimação em Minas Gerais demonstra a preocupação do Governo de Minas com o desenvolvimento das cidades. “A população camachense está ansiosa, aguardando uma solução para os imóveis devolutos. Com certeza será de grande valia para o povo, principalmente para aquelas pessoas que querem contrair financiamento para melhorias e construções”, explica.

Para Carlos Gomes, técnico em Meio Ambiente da Prefeitura de Capelinha, no Vale do Jequitinhonha, o treinamento para a montagem dos processos foi bastante esclarecedor. “Agora ficou muito mais criterioso, o que garantirá uma segurança para os beneficiários do programa. A nossa expectativa é regularizar, em um curto período de tempo, as cerca de 3.000 áreas irregulares”, afirma.

Segundo a Prefeitura de Almenara, também no Vale do Jequitinhonha, cerca de 70% dos imóveis na zona urbana e de expansão urbana ainda necessitam de regularização. Normanias Silva Neto, projetista, conta que acompanha o trabalho de legitimação há 22 anos. “Agora, com essa nova experiência, o trabalho alcançará o propósito definido. Hoje, a zona rural já está se transformando em expansão urbana, o que aumenta o número de áreas na sede. Por isso, junto com o Estado, vamos intensificar essa ação, promovendo também uma maior circulação de recursos na cidade”, conclui.

Participaram do treinamento nesta sexta-feira (25) profissionais de Almenara, Baldim, Camacho, Capelinha, Carmo do Paranaíba, Caxambu, Congonhas do Norte, Cristina, Elói Mendes, Estrela do Sul, Mantena, Minas Novas, Monte Azul, Muriaé, Pará de Minas, Pompéu, São Miguel do Anta, Setubinha, Curral de Dentro, Varginha, Jesuânia, Japaraíba, Simonésia e Turmalina.

Na semana passada, firmaram parceria com a Seerf/Iter-MG: Barbacena, Buritizeiro, Campos Gerais, Caxambu, Conceição da Barra de Minas, Congonhas, Conselheiro Lafaiete, Corinto, Cruzília, Curvelo, Diamantina, Divinópolis, Guanhães, Ibiá, Igaratinga, Ipatinga, Itaobim, João Pinheiro, Lagoa dos Patos, Lavras, Malacacheta, Mantena, Mateus Leme, Morada Nova de Minas, Nova Belém, Ouro Preto, Paineiras, Patos de Minas, Patrocínio, Pedra do Indaiá, Pirapora, Rio Manso, São Gonçalo do Abaeté, São Gonçalo do Pará, São José do Goiabal, São Lourenço, Tarumirim, Teófilo Otoni, Uberaba e Veríssimo.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/secretaria-de-regularizacao-fundiaria-treina-agentes-municipais-para-acao-urbana/

Gestão Anastasia: Noroeste de Minas se destaca como destino de negócios e turismo rural

Foram entrevistados cerca de dez mil visitantes em 55 municípios e distritos do Estado

Carlos Alberto/Imprensa MG
As belezas naturais da região estimulam o crescimento do número de visitantes
As belezas naturais da região estimulam o crescimento do número de visitantes

O Circuito Noroeste das Gerais, que abrange as cidades de Paracatu, Unaí, João Pinheiro, Santa Fé de Minas e Buritis se destacou como destino de negócios e turismo rural em Pesquisa de Demanda Turística 2011 realizada pela Secretaria de Estado de Turismo (Setur-MG). Foram entrevistados cerca de dez mil visitantes em 55 municípios e distritos do Estado.

Dados da pesquisa apontam que 57,7% dos entrevistados visitaram o Circuito Noroeste das Gerais para realizar negócios, enquanto que para os visitantes a lazer, 60% foram motivados pelo turismo rural.

Outro dado importante são as taxas médias de crescimento anual do número de estabelecimentos e do número de empregados no setor do turismo, entre os anos de 2006 a 2010, onde a região Noroeste se destaca, com crescimento de 7,4% e 7,7%, respectivamente.

Segundo dados da RAIS, levantados pelo Ministério do Trabalho e Emprego e apurados pela Diretoria de Pesquisa, Informação e Estatística da Setur-MG, de 2006 a 2010 o número de estabelecimentos ligados à atividade turística subiu de 578 para 768, o que coloca a região em primeiro lugar na taxa média de crescimento, seguida pela região metropolitana de Belo Horizonte, que evoluiu de 3.447 para 4.471. O número de empregados no setor também, cresceu, saltando de 2.908 para 3.782.

Para o secretário de Estado de Turismo, Agostinho Patrus Filho, os números da pesquisa demonstram o crescimento da economia do turismo no Estado, especialmente na geração de receita e distribuição de renda. “Quanto maior é o gasto do turismo, maior é o benefício para a atividade e para toda a cadeia de prestação de serviços, que amplia seus negócios e seus ganhos de mercado. Devemos lembrar que Minas Gerais e o Brasil, a partir de agora, irão receber grandes eventos internacionais, o que poderá favorecer, ainda mais, o crescimento deste gasto médio e a permanência do visitante”, destaca.

Perfil

De acordo com a origem dos entrevistados na região, 60,2% eram visitantes de Minas Gerais. Os visitantes de São Paulo ficaram em segundo lugar com 11,5%, e Distrito Federal com 10,6%. Já em todo o Estado 62,1% eram visitantes de Minas Gerais, seguido pelos visitantes de São Paulo (16,5%), Rio de Janeiro (7,7%), Bahia e Espírito Santo (ambos com 1,7%). Já os turistas internacionais foram responsáveis por 1,4% do fluxo no Estado.

O perfil amplo do turista de negócios na região refletiu diretamente na média de dias de permanência. Os visitantes permaneceram em média 27 dias no Noroeste, gastando em média R$ 1.677,21 por pessoa durante a viagem em 2011. Em Minas, os visitantes permaneceram, em média 5,4 dias nas viagens pelo Estado, com um valor de gasto médio por pessoa de R$ 538,56, superando em 62% os gastos de 2010 (R$ 332,21).

Mais da metade dos visitantes na região (68,1%) são homens na faixa etária de 31 a 50 anos (24,8%). A escolaridade que predomina é do nível médio e a média mensal da renda familiar é de R$ 1.020. O ônibus rodoviário é primeira opção de transporte dos entrevistados (71,6%), seguido por veículo próprio (22,1%).

Em todo o Estado, o número de estabelecimentos ligados à atividade turística subiu de 43.136 para 52.817, o que coloca o Estado em segundo lugar, atrás de São Paulo. Já o país possuía em 2006 379.647 estabelecimentos e chegou em 2010 com 452.435. Estes dados demonstram a taxa de crescimento do número de estabelecimentos que integram a cadeia produtiva do Turismo em Minas (22%) cresceu mais do que a média nacional (19%).

Potencial Turístico

No raio de abrangência do Circuito Turístico Noroeste de Minas predomina o agronegócio como principal atividade econômica. O potencial turístico da região é um importante vetor a ser trabalhado para o desenvolvimento dos municípios e a geração de renda para as populações da área de abrangência.

Paracatu, sede do Circuito, conta com importante Acervo Arquitetônico do Período Colonial (séculos XVIII e XIX), com destaque para espaços como a Fundação Casa de Cultura e Casa de Afonso Arinos – renomado jornalista, escritor e jurista nascido na cidade.

Em Buritis, a principal vocação turística é o ecoturismo, pois grande parte das reservas ecológicas do município permanecem intocadas. Também existem cachoeiras, algumas com 50 metros, e com acessibilidade sendo muito indicadas para a prática do camping. Além disso, o município guarda grutas e cavernas inexploradas. Já Unaí oferece aos turistas a Cachoeira do Queimado, a Pedra da Fartura e a Cachoeira da Jiboia, sendo as duas últimas propícias para a prática do rapel.

João Pinheiro se destaca com festas tradicionais. A Festa do Peão de Boiadeiro, em abril, e o carnaval fora de época, o João Pirô, realizado em outubro, e a Festa da cidade, realizada em setembro.

Cabeceira Grande tem muita beleza natural, se prevalecendo do fato de ser o único município de Minas que faz divisa com o Distrito Federal. c que se emancipou em 1997, em área onde antes era uma grande fazenda, também se destaca pelas belezas naturais. Esse também é o caso de Lagoa Grande, outro município integrante do Circuito Noroeste das Gerais.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/noroeste-de-minas-se-destaca-como-destino-de-negocios-e-turismo-rural/

Governo de Minas: Instituto de Terras capacita agentes municipais para regularização fundiária urbana

Foram capacitados agentes de 40 municípios para o cadastro e medição de imóveis devolutos urbanos

Divulgação/Seerf

O Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado Extraordinária de Regularização Fundiária (Seerf) e do Instituto de Terras do Estado de Minas Gerais (Iter-MG), retomou os trabalhos de regularização de áreas urbanas nos municípios mineiros. Nesta sexta-feira (18) foram capacitados 85 agentes municipais, de 40 municípios, para os trabalhos de cadastro e medição de imóveis devolutos urbanos.

Após a reestruturação da metodologia e adoção de um novo fluxo para os processos de regularização, as prefeituras foram convidadas para assinarem um Termo de Cooperação Técnica com a Seerf/Iter-MG, que objetiva a dinamização do processo e a execução de ações que proporcionem o desenvolvimento urbano, social e econômico nos municípios.

Na parceria, a Secretaria de Regularização Fundiária apoia, orienta e supervisiona as atividades do Instituto de Terras no cumprimento do objeto pactuado. O Iter, por sua vez, se responsabiliza pelo treinamento específico dos profissionais, fiscalização do trabalho nos municípios, abertura dos processos, aprovação das fases cadastrais e técnicas, emissão de pareceres e entrega do título de propriedade. Ao município, cabe a realização do cadastramento e da medição dos imóveis identificados como passíveis de regularização, além do acompanhamento do processo e das possíveis diligências.

Para o secretário de Estado de Regularização Fundiária, Wander Borges, o trabalho está sendo retomado com o intuito principal de beneficiar o cidadão mineiro. “A legitimação das terras devolutas é fator fundamental no desenvolvimento socioeconômico dos municípios, uma vez que permite às famílias serem incluídas em programas públicos. Contudo, esse passa a ser o grande compromisso da Secretaria e do Iter com a população de Minas”, explica.

O evento foi realizado na Cidade Administrativa. Participaram do treinamento profissionais de Barbacena, Buritizeiro, Campos Gerais, Caxambu, Conceição da Barra de Minas, Congonhas, Conselheiro Lafaiete, Corinto, Cruzília, Curvelo, Diamantina, Divinópolis, Guanhães, Ibiá, Igaratinga, Ipatinga, Itaobim, João Pinheiro, Lagoa dos Patos, Lavras, Malacacheta, Mantena, Mateus Leme, Morada Nova de Minas, Nova Belém, Ouro Preto, Paineiras, Patos de Minas, Patrocínio, Pedra do Indaiá, Pirapora, Rio Manso, São Gonçalo do Abaeté, São Gonçalo do Pará, São José do Goiabal, São Lourenço, Tarumirim, Teófilo Otoni, Uberaba e Veríssimo.

Para a próxima semana está previsto um outro encontro de capacitação para a consolidação da atuação do Iter no Programa de Regularização Fundiária Urbano no Estado.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/instituto-de-terras-capacita-agentes-municipais-para-regularizacao-fundiaria-urbana/

Gestão da Saúde: SES promove pesquisa para mapear a saúde bucal da população do Estado

Exames clínicos e questionários vão permitir a caracterização do nível de utilização de serviços odontológicos e dos riscos à Saúde Bucal dos mineiros

links relacionados
Pedro Cisalpino
SB Minas Gerais mapeia a condição da saúde bucal da população mineira
SB Minas Gerais mapeia a condição da saúde bucal da população mineira

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) está realizando uma pesquisa que tem como objetivo mapear as condições de saúde bucal da população mineira, o SB Minas Gerais. Por meio do projeto, a SES-MG pretende identificar os problemas bucais mais frequentes na população, a fim de diagnosticar as necessidades e, formular ações que contemplem prevenção, tratamentos e reabilitação adequados à realidade das comunidades.

Desde o final de abril, moradores de 60 municípios mineiros estão participando do inquérito epidemiológico. Em cada município serão feitos cerca de 100 exames, totalizando, aproximadamente, seis mil exames no Estado. De acordo com a diretora de Saúde Bucal da SES-MG, Daniele Lopes Leal, a pesquisa vai fortalecer a Política de Saúde Bucal, que vem sendo delineada no estado.

“O SB Minas Gerais vai trazer como resultado o diagnóstico epidemiológico de Saúde Bucal da população mineira, a partir do qual serão formuladas ações que contemplem esta população com o desenvolvimento de programas de âmbito estadual”, explica.

Durante a pesquisa, além dos índices tradicionais de medição dos agravos bucais, será aplicado, também, um questionário aos indivíduos examinados.  Dessa forma, serão analisadas as condições de problemas como cárie, doença periodontal, oclusopatias, fluorose (intoxicação pelo flúor e seus derivados), dentre ouras, no sentido de se verificar, além da prevalência, a extensão da gravidade das doenças bucais.

Segundo a diretora, Daniele Leal, a Política Nacional de Saúde Bucal determina a realização de estudos epidemiológicos desse porte como parte componente da Vigilância em Saúde. “A nossa proposta é realizar pesquisas desse tipo a cada 10 anos, com o intuito de avaliar as alterações no quadro epidemiológico da população”, afirma.

O projeto terá financiamento da SES-MG, através da Diretoria de Saúde Bucal, no valor de R$168 mil, sendo que cada município participante vai receber R$ 2.800,00 para pagamento de pessoal e ressarcimento de despesas de deslocamento, além de receber todo o material para realização dos exames.

“Os municípios investem disponibilizando os profissionais para a pesquisa. E o Ministério da Saúde é parceiro no processo, uma vez que toda a metodologia do projeto é do Ministério”, acrescenta a diretora de Saúde Bucal, Daniele Leal.

Participação dos municípios

Para que houvesse representatividade em todo o território do estado de Minas Gerais, os municípios participantes do projeto SB Minas Gerais foram sorteados, seguindo um processo de amostragem probalística.

Nesse processo, foram considerados os grupos etários e o fator de alocação dos municípios, definidos a partir da associação dos índices de necessidade em saúde e de porte econômico, que levam em conta variáveis epidemiológicas e socioeconômicas, além da capacidade do município financiar, com recursos próprios, os cuidados com a saúde dos cidadãos.

Para execução do projeto, os municípios participantes contam com um examinador, um anotador e um coordenador municipal, sendo que os exames são realizados por Cirurgiões Dentistas e os anotadores são profissionais de nível médio, geralmente técnico em Saúde Bucal (TSB) ou auxiliar em Saúde Bucal (ASB), das Secretarias Municipais de Saúde dos próprios municípios.

“As equipes de campo foram treinadas, em oficina com duração de 24 horas, onde foi possível discutir a operacionalização das etapas do trabalho e as atribuições de cada participante, a fim de assegurar um grau aceitável de uniformidade nos procedimentos”, esclarece a diretora de Saúde Bucal da SES-MG.

Metodologia de pesquisa

Durante a pesquisa, o cirurgião dentista vai percorrer a cidade e examinar, em domicílio, o morador que se interessar em participar voluntariamente do Projeto, sendo aptas a participar da pesquisa, pessoas com idades de 05 e 12 anos, 15 a19 anos, 35 a 44 anos e 65 a74 anos.

O voluntário deverá, também, responder um questionário, composto por perguntas subjetivas que vão ajudar na compreensão do processo saúde/doença bucal. “O questionário vai contribuir para a avaliação das condições socioeconômica e de utilização dos serviços, sendo fundamental para a estruturação da Rede Assistencial em Saúde Bucal”, afirma Daniele Leal.

O projeto segue a metodologia do SB Brasil 2010, do Ministério da Saúde, e conta com a colaboração da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG), que vai avaliar os resultados através do Conselho de Ética em Pesquisa. Outra instituição a avaliar o resultado da pesquisa será o Comitê de Ética em Pesquisa cadastrado junto à Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP).

Municípios Participantes

Guaxupé, Conselheiro Lafaiete, Capela Nova, Betim, Contagem, Itabirito, Sabará, Igarapé, Coronel Fabriciano, Pingo-D’água, Naque, Diamantina, Jenipapo de Minas, Serro, Divinópolis, Lagoa da Prata, Onça de Pitangui, Governador Valadares, Central de Minas, Peçanha, São José da Safira, João Monlevade, Virginópolis, Centralina, São Romão, Varzelândia, Juiz de Fora, Arantina, Cataguases, Simonésia, Pedra Bonita, Montes Claros, Janaúba, Monte Azul, Capitão Enéas, Padre Carvalho, Rio Pardo de Minas, Piumhi, Patos de Minas, João Pinheiro, Águas Vermelhas, Santa Maria do Salto, Santa Fé de Minas, Paula Cândido, Santa Rita do Sapucaí, Turvolândia, Piedade do Rio Grande, Sete Lagoas, Teófilo Otoni, Machacalis,Crisólita,Malacacheta, Ubá, Rosário da Limeira, Araxá, Perdizes, Uberlândia, Unaí, Boa Esperança e Varginha.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/ses-promove-pesquisa-para-mapear-a-saude-bucal-da-populacao-do-estado/

Governo de Minas: Secretaria de Saúde repassa R$ 1,3 milhão para Patos de Minas

Investimento será para a aquisição de equipamentos e outros materiais para a UPA

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) repassou, por meio de convênio, à Prefeitura de Patos de Minas, no Alto Paranaíba, R$ 1,3 milhão, para a aquisição de equipamentos e outros materiais permanentes e de consumo para implantação da Unidade de Pronto Atendimento – UPA Porte III, que vai atender toda a microrregião de Patos de Minas e João Pinheiro, beneficiando 400 mil pessoas de 21 municípios.

A UPA contará com um número mínimo de seis médicos distribuídos entre pediatra e clínico geral e terá capacidade para atender mais de 300 pacientes por dia. A UPA será equipada com leitos de observação, sala de classificação de risco, salas de exames, sala de urgência, entre outras.

“Considerando a importância para o atendimento aos usuários do SUS na região, a SES veio por meio desse convênio auxiliar a prefeitura com essa transferência. A intenção é contribuir de forma significativa para o fortalecimento da saúde da população”, afirmou o secretário de Estado de Saúde, Antônio Jorge de Souza Marques.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/secretaria-de-saude-repassa-r-13-milhao-para-patos-de-minas/

Governo de Minas: Museu Ana Maria Casasanta e Biblioteca Bartolomeu Campos Queirós já recebem o público na Magistra

Escola de Formação e Desenvolvimento Profissional de Educadores tornou-se espaço de resgate da história da educação mineira
Divulgação/SEE
Escola Magistra faz o resgate da história da educação em Minas Gerais
Escola Magistra faz o resgate da história da educação em Minas Gerais

Mais do que um espaço para capacitação de profissionais ligados à educação em Minas Gerais, a Magistra, Escola de Formação e Desenvolvimento Profissional de Educadores, instalada no bairro Gameleira, em Belo Horizonte, tornou-se um espaço de resgate da história da educação. Inaugurada na última quinta-feira (2), a Magistra abriga o Museu Ana Maria Casasanta Peixoto, com um acervo de seis mil peças, e a Biblioteca Bartolomeu Campos Queirós, que conta com cerca de 50 mil títulos. Os dois espaços já estão disponíveis para visitação.

O passeio pela história da educação mineira começa por entre as peças do museu. Com reproduções de salas de aula que contam diferentes momentos da educação em Minas, o visitante se depara com objetos que remontam diversos períodos. No fim do século XIX até o início da década de 1930, por exemplo, vigorou no Estado o modelo da escola tradicional. E algumas peças são simbólicas desse período. As carteiras eram fixadas no chão e a mesa do professor ficava em cima de um tablado, para reafirmar a posição de autoridade em relação aos alunos.

Entre as demais peças do acervo em exposição, o visitante encontra cartilhas de leitura e livros didáticos históricos, uniformes, aparelhos de todos os tipos, como os primeiros modelos de computadores, entre outras peças do cotidiano da educação em diferentes épocas. De palmatórias e mata borrões, os objetos remetem a tempos em que alunos e estudantes nem sonhavam com laboratórios.

“Há no museu, por exemplo, uma pequena lousa que era usada pelos estudantes no início do século XX. Naquela época, o papel era muito caro e, antes de escrever no papel, os estudantes tinham de treinar na lousa”, conta Nelma Marçal, pedagoga do Museu Ana Maria Casasanta Peixoto. As visitas ao museu já estão abertas. Basta, para tanto, fazer o agendamento pelo telefone 3379-8431.

O acervo da biblioteca que hoje leva o nome do escritor Bartolomeu Campos Queirós conta com os mais variados tipos de livros, entre literários e didáticos, de diferentes décadas. Em sua maioria, o acervo de 50 mil exemplares agregou títulos que estavam no extinto Centro de Referência do Professor, que funcionava na Praça da Liberdade, e o acervo do Instituto de Recursos Humanos João Pinheiro, além de doações.

Com publicações que datam do início do século passado, a biblioteca reúne títulos que marcaram a vida estudantil de várias personalidades mineiras. Tanto que, no dia da inauguração (02/02), o governador Antonio Anastasia chegou a fazer menção a uma coleção que usou nos seus estudos. “Essa coleção aqui eu estudei muito. Devo ainda saber tudo de cor”, brincou o governador, elogiando a coleção do Dicionário Histórico-Biográfico Brasileiro, da Fundação Getúlio Vargas, disponível na biblioteca.

O acervo conta ainda com livros antigos. Um exemplo é o livro “Reforma de Ensino Público Primário e Normal em Minas”, de Estevam Oliveira. Esse exemplar é um relatório finalizado em 3 de agosto de 1902 e apresentado ao então secretário do Interior de Minas Gerais. Há também obras que continham todos os hinos, marchas e canções escolares que eram executadas na década de 1920. O chamado “hinário”, ou “hymnario”, eram publicações que os estudantes usavam para decorar os hinos que executavam nas escolas.

Salas especiais

Os visitantes da biblioteca poderão procurar os títulos de interesse por entre as várias estantes ou fazer buscas mais específicas nas salas especiais. As salas homenageiam intelectuais e educadores mineiros, entre eles o escritor Bartolomeu Campos Queirós, que dá nome ao espaço.

A família do escritor, que faleceu em janeiro deste ano, doou à biblioteca os móveis e o acervo que Bartolomeu utilizava em seu escritório. A transferência das peças ainda está sendo feita, mas segundo a organização da biblioteca, a sala especial em homenagem ao escritor vai reproduzir o ambiente no qual ele estudava e escrevia. Autor de mais de 40 livros, Bartolomeu Queirós recebeu diversos prêmios literários, entre eles o Prêmio Jabuti, e ajudou na concepção do Museu na Magistra.

As educadoras Alda Lodi e Ana Maria Casasanta também são homenageadas com salas especiais na biblioteca. A primeira já teve seu acervo, com cerca de três mil livros, doado à biblioteca e já está disponível para consulta. A coleção da professora e historiadora Ana Maria Casasanta já está em fase de transferência para o espaço da biblioteca.

Exposição homenageia trabalho de educadoras mineiras

Além de capacitar servidores que atuam na educação, a Magistra também será um espaço para homenagear personalidades que contribuíram para a educação mineira. A escola abriga a exposição ‘Educadoras de Minas’, iniciativa que, por meio de textos e fotografias, apresenta a trajetória de profissionais que colaboraram para o desenvolvimento do ensino no Estado. As primeiras educadoras homenageadas são Alda Lodi e Alaíde Lisboa.

Alda Lodi nasceu em Belo Horizonte, em 17 de dezembro de 1898, filha de Luiz Lodi e Annunciata Mora Lodi, imigrantes italianos. Em 1912, aos 13 anos, foi matriculada na Escola Normal Modelo da Capital. Em 1916, iniciou sua carreira na mesma instituição como professora da primeira classe mista anexa à Escola Normal.

Já em 1927, selecionada pelo governo do Presidente Antônio Carlos Ribeiro de Andrada (1926-1930), integrou a equipe enviada à Universidade de Colúmbia, em Nova Iorque/EUA, para cursar dois anos de especialização no Teacher´s College. Ao retornar a Minas, constituiu o núcleo fundador da Escola de Aperfeiçoamento, instituição criada na Reforma Educacional Francisco Campos, um marco na história da educação de Minas Gerais. Alda Lodi contribuiu no processo de formação de várias gerações de educadores em Minas Gerais, atuando na docência e na administração do ensino mineiro.

Já a escritora, educadora, ex-vereadora e professora aposentada da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Alaíde Lisboa, foi uma das grandes personalidades brasileiras nas áreas da educação e literatura infantil. Natural de Lambari, município mineiro onde passou a infância e a adolescência, a professora, integrante da Academia Mineira de Letras, tornou-se, em 1950, a primeira vereadora da capital mineira. Tanto na infância em Lambari, onde estudou no Grupo Escolar Dr. João Bráulio Júnior, quanto na adolescência em Campanha (MG), Alaíde Lisboa revelava grande gosto pelo estudo.

Após anos de estudo, a educadora aproximou-se da UFMG, onde lecionou Didática Geral e Especial. Foi também diretora do Colégio de Aplicação da Universidade e vice-diretora da Faculdade de Educação (FaE), onde organizou o mestrado da área. Atuou como professora da pós-graduação na FaE e na Faculdade de Medicina, dedicando-se à disciplina metodologia do ensino superior.

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas consegue que Bolsa Família seja pago antecipadamente a atingidos pelas chuvas

BELO HORIZONTE (05/01/12) – O Governo de Minas conseguiu que o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) antecipe o pagamento do benefício do Bolsa Família para pessoas que participam do programa e moram nas 52 cidades que decretaram estado de emergência até quarta-feira (4). O pagamento será referente aos meses de janeiro e fevereiro.

A Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese), que pediu a autorização em nome do Governo de Minas, trabalha agora para estender a antecipação para os moradores dos 19 municípios que tiveram situação de emergência decretada nas últimas horas. A liberação deve ocorrer nos próximos dias.

Com a antecipação, o pagamento de janeiro e fevereiro que são feitos de forma escalonada, de 25 a 31 de cada mês, será efetuado de uma só vez para todos beneficiários. Em janeiro, o pagamento será no dia 18, e em fevereiro no dia 14. Só nos 52 municípios, mais de 150 mil famílias recebem o benefício, que varia entre R$ 36 (mínimo) e R$ 306 (máximo).

Os moradores que perderam os documentos pessoais e o cartão do Bolsa Família terão que apresentar a “Declaração Especial de Pagamento”, expedida pelas prefeituras, por meio de uma guia individual. A declaração é mensal e servirá para o pagamento do benefício do respectivo mês. Assim, deverá ser emitida vias distintas para o pagamento de janeiro e fevereiro de 2012.

No caso de beneficiário analfabeto, a prefeitura deverá colher impressão digital do cidadão, no lugar da assinatura prevista na declaração. A equipe de assistentes sociais da Sedese  e das 19 regionais também estão fazendo contato com os municípios, para informar sobre a antecipação. Esses funcionários também embarcam para os municípios que foram mais afetados pelas chuvas, onde vão prestar atendimento às vítimas e auxiliar na organização dos abrigos e demais ações.

Municípios já beneficiados

Até o momento, os salários do programa Bolsa Família serão liberados para os cadastrados nos municípios de Mathias Lobato, Espera Feliz, São Sebastião da Vargem Alegre, Vieiras, Dom Joaquim, Leopoldina, Itamarandiba, Jequitinhonha, Faria Lemos, São Domingos do Prata, Alpercata, Abre Campo, Ponte Nova, Formiga , Buritizeiro, Mariana, Florestal, Barra Longa, Acaiaca , Belo Horizonte, Itumirim, Jacinto, Paulistas, Joanésia, Santa Rita de Jacutinga, Pará de Minas, Braúnas, Setubinha,  São João do Oriente, Raposos, Vespasiano, Conceição do Pará, Alagoa, Claro dos Poções, Timóteo, São João da Mata, João Monlevade, Lima Duarte, João Pinheiro, Juatuba, Passabem, São Sebastião do Rio Preto, Poço Fundo, Brasília de Minas, Ibirité, São João Evangelista, Itabirito, Brumadinho, Cipotânea, Raul soares, Congonhas e Guiricema.

O Governo de Minas busca a liberação para os moradores das cidades de Ouro Preto, Ubá, Santo Antônio do Rio Abaixo, Jeceaba, São Pedro dos Ferros, Tarumim, Tumiritinga, Lamim, Itanhomi, Dona Euzébia, Viçosa, Senador Firmino, Conselheiro Lafaiete, Patrocínio do Muriaé, Visconde do Rio Branco, Guaraciaba, Moeda, Senador Modestino Gonçalves e Guidoval.