Arquivos do Blog

Aécio Neves: Ibope e Datafolha confirmam virada na disputa pela Presidência

Os dois institutos mostraram que Aécio lidera com 46% dos votos totais contra 44% da adversária do PT.

Eleições 2014

Fonte: Aecio 45

Ibope e Datafolha confirmam liderança de Aécio na disputa pela Presidência

Pesquisas divulgadas pelos institutos Ibope e Datafolha nessa quinta-feira (09/10) reforçaram que o candidato da Coligação Muda Brasil, Aécio Neves, largou na frente na disputa pela Presidência da República, indicando o cenário de fortalecimento da campanha nas últimas semanas.

Os dois institutos mostraram que Aécio lidera com 46% dos votos totais contra 44% da adversária do PT e candidata à reeleição, Dilma Rousseff.  Em votos válidos, o tucano tem 51% contra 49% da petista. A margem de erro do Ibope e do Datafolha é de 2 pontos percentuais.

O desempenho representa um crescimento de 4 pontos percentuais no levantamento do Datafolha, e 9 pontos no Ibope, levando-se em conta as últimas pesquisas realizadas pelos dois institutos antes do primeiro turno.

Virada

Datafolha informou que esta é a primeira vez desde a eleição de 1989 que um candidato que ficou em segundo lugar no primeiro turno aparece na liderança no levantamento sobre a nova rodada de votação. É a primeira vez que um candidato do PSDB aparece na frente de um petista na corrida presidencial.

Datafolha ouviu 2.879 mil eleitores em 178 municípios na quarta e quinta-feira.  Já o Ibope ouviu 3.010 eleitores em 205 municípios de 7 e 8 de outubro.

Mais vantagem

Nessa quinta, o instituto Veritá mostrou que Aécio é a opção de voto de 54,8% dos brasileiros, enquanto Dilma possui 45,2% das intenções. Aécio, assim, chega a uma vantagem de 9,6 pontos percentuais nos votos válidos, confirmando resultado do Instituto Paraná Pesquisas, que, nessa quarta-feira (08/10), mostrou frente de 8 pontos percentuais sobre a candidata do PT.

Eleições: Aécio cresce nos maiores colégios, aponta Ibope

Pesquisas do Ibope mostram redução dos índices da candidata nos 8 Estados com mais eleitores, onde vivem 70% dos votantes.

Eleições 2014

Fonte: O Estado de S.Paulo

Leia também:

Ibope: Aécio passa Marina em Santa Catarina, 6% de vantagem

Vox Populi: Aécio já cola em Marina, diferença cai para 5 pontos

Marina perde fôlego nos maiores colégios

As mais recentes pesquisas do Ibope sobre a corrida presidencial nos oito maiores Estados do Brasil, que concentram quase 70% do eleitorado nacional, trouxeram más notícias para a campanha de Marina Silva: a candidata do PSB caiu ou oscilou para baixo em todos eles.

São Paulo é o Estado em que a queda foi das mais expressivas: em duas semanas, a taxa de intenção de votos de Marina passou de 38% para 32%. Em números absolutos, é como se a candidata do PSB tivesse perdido 1,6 milhão de eleitores, ou 115 mil por dia – o cálculo leva em conta o tamanho do eleitorado paulista e a taxa de abstenção verificada há quatro anos.

Apesar do recuo, Marina ainda lidera no maior colégio eleitoral do País. A presidente Dilma Rousseff, provável adversária da candidata do PSB no segundo turno, ficou estagnada, com 25%, enquanto o terceiro colocado, Aécio Neves (PSDB), subiu quatro pontos porcentuais.

Na Bahia, quarto maior eleitorado, Marina tinha 28% das preferências há duas semanas – agora, a taxa passou para 23%. Lá, Dilma oscilou de 50% para 52% e ampliou a vantagem sobre a adversária de 22 para 29 pontos.

No Ceará, a queda de Marina foi de seis pontos (de 25% para 19%), mas o intervalo entre as pesquisas da série é maior: três semanas. No Estado, oitavo no ranking do eleitorado, Dilma têm 61% – um de seus três melhores desempenhos no País.

Há um equilíbrio entre as duas adversárias em Pernambuco, Estado onde Marina herdou a maior parte do eleitorado do ex-governador Eduardo Campos (PSB), morto em acidente aéreo em agosto, mas que também é um dos principais redutos do PT e terra do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em uma semana, Dilma manteve os 39%, enquantoMarina oscilou para baixo, de 40% para 38%.

A candidata do PSB também perdeu pontos no Rio de Janeiro, em Minas Gerais, no Rio Grande do Sul e no Paraná. Na última pesquisa nacional do Ibope, divulgada na terça-feira, a candidata do PSB oscilou de 30% para 29% em uma semana.

Conjunto. A consolidação das pesquisas do Ibope em todas as 27 unidades da Federação resulta em uma amostra nacional de 30 mil entrevistas – que foram devidamente ponderadas de acordo com o tamanho do eleitorado de cada Estado e a respectiva taxa de abstenção na eleição de 2010. Essa amostra expandida aponta Dilma com 37%, Marina com 27% eAécio com 17%.

Por essa projeção, a candidata do PT terminaria o primeiro turno com 43 milhões de votos, contra 32 milhões da concorrente do PSB e 20 milhões do tucano. Mas, como a evolução das intenções de voto têm mostrado, esses números devem mudar até o dia da eleição.

A pesquisa mais antiga entre as 27 unidades foi feita em 1.º de setembro, em Sergipe, e as nove mais recentes, na segunda e terça-feira passadas. Foram os casos das sondagens feitas justamente em alguns dos maiores colégios eleitorais: São Paulo, Minas, Rio, Bahia, Rio Grande do Sul, Pernambuco e Ceará – além de Santa Catarina e Distrito Federal.

Projeções. A planilha permite fazer projeções para o 2.º turno. Se a disputa se confirmar entre Dilma e Marina, quem terá mais chances de ser eleita? Isso vai depender, basicamente, de dois fatores: a vantagem que uma colocar sobre a outra no 1.º turno e o quanto cada uma vai converter de votos de Aécio.

No cenário atual, com Dilma abrindo 11 milhões de votos sobre Marina em 5 de outubro, a candidata do PSB precisaria converter mais de 70% dos apoiadores do tucano em eleitores seus no 2.º turno e torcer para que a petista não transforme mais do que 15% de quem votou em Aécio em neodilmistas no turno final. É mais do que Marina conseguiria hoje.

Segundo a pesquisa nacional do Ibope divulgada na terça-feira, Marina está convertendo 51% dos eleitores tucanos em seus eleitores na simulação de segundo turno contra Dilma. Pior para ela, essa taxa vem caindo nas últimas semanas: chegou a ser de 66% no começo de setembro. Dez dos 15 pontos que Marina perdeu migraram para o contingente de quem pretende anular ou votar em branco, e o resto tornou-se indeciso.

Já a taxa de conversão de Dilma tem se mantido constante. Desde o fim de agosto, a presidente tem conseguido converter de 15% a 18% de quem prefere Aécio no 1.º turno em eleitores que votariam nela no turno final contra Marina. Ou seja: quanto maior for a vantagem que a presidente abrir sobre a rival em 5 de outubro, mais difícil será para Marina virar 21 dias depois.

Intenções de voto: Aécio sobe 4 pontos, Dilma e Marina começam a cair, mostra Ibope

Segundo Aécio, eleitores começaram a prestar mais atenção às propostas dos candidatos e ver quem tem melhores ideias para o Brasil.

Eleições 2014

Ibope: Dilma cai três pontos, mas continua na liderança no primeiro turno

Aécio Neves sobe quatro pontos, e está com 19%. Marina oscilou na margem de erro, e está com 30%

A quarta pesquisa Ibope/Rede Globo sobre a corrida presidencial, divulgada nesta terça-feira, mostrou que a presidente Dilma Rousseff (PT) caiu três pontos percentuais nas intenções de voto dos eleitores, enquanto Aécio Neves (PSDB) subiu quatro pontos e Marina Silva (PSB) oscilou um ponto para baixo, dentro da margem de erro. Dilma continua à frente de seus adversários, com 36% das intenções de voto. No levantamento anterior, realizado entre os dias 5 e 8 deste mês, a presidente tinha 39%. Marina flutuou para baixo, de 31% para 30%, e Aécio Neves subiu de 15% para 19%.

A pesquisa mostra que deve haver segundo turno e traça três cenários possíveis. No mais provável deles, de acordo com os números atuais, Marina e Dilma estão tecnicamente empatadas, dentro da margem de erro, mas com Marina numericamente à frente da candidata petista. Marina manteve 43% das intenções de voto, mesmo patamar do último levantamento. Dilma marcou 40%, dois a menos que os 42% registrados na pesquisa anterior.

Na simulação de segundo turno entre Dilma e Aécio, em uma semana diminuiu pela metade a diferença entre os dois candidatos, de 15 para sete pontos percentuais. A petista registrou 44% das intenções de voto, uma queda de quatro pontos em relação à pesquisa anterior, quando Dilma teve 48%. Já o tucano subiu 4 pontos em relação ao último levantamento, avançando de 33% para 37%. Em uma simulação de Marina contra Aécio — a hipótese menos provável –, a candidata do PSB marcou 48% das intenções de voto, contra 30% do tucano. Na pesquisa anterior, Marina tinha 51% e Aécio, 27%.

APROVAÇÃO DO GOVERNO ESTÁ ESTÁVEL

O levantamento divulgado ontem ouviu com 3.010 eleitores, e mostrou também que a aprovação da maneira como Dilma está governando se manteve estável, em 48%. A desaprovação também não variou, ficando congelada no patamar de 46%. A avaliação do governo teve leve piora, dentro da margem de erro. Os que avaliam o governo como ótimo ou bom oscilaram de 38% para 37%. Os que consideram regular se mantiveram estáveis, em 33%. As avaliações de ruim e péssimo também ficaram iguais, em 28%.

O quarto colocado nas pesquisas, Pastor Everaldo, marcou 1% das intenções de voto. Os demais candidatos à Presidência — Eduardo Jorge (PV), Luciana Genro (PSOL), Zé Maria (PSTU), José Maria Eymael (PSDC), Levy Fidelix (PRTB), Mauro Iasi (PCB) e Rui Costa Pimenta (PCO) — somaram 1%. O percentual de votos em branco e nulos diminuiu de 8%, na pesquisa anterior, para 7%.

O líder do PT na Câmara, deputado Vicentinho (SP), minimizou a queda de Dilma no levantamento. Para o petista, o cenário permanece estável e o PT tem agora que torcer para que Dilma não caia mais até o dia da eleição. Vicentinho descartou um segundo turno de Dilma contra Aécio Neves, mesmo com o crescimento do tucano na pesquisa. E, segundo o deputado, a estratégia do PT de confrontar Marina deverá ser mantida, mas com cuidado para não partir para ataques pessoais que poderiam se transformar em avaliação negativa para Dilma Rousseff.

VEJA TAMBÉM

Ibope: Em Pernambuco, Paulo Câmara ultrapassa Armando Monteiro
Ibope: Pimentel amplia vantagem sobre Pimenta da Veiga em MG
— Acho que o Aécio jamais alcançará elas, então o cenário vai se estabilizar nisso, vamos olhar o pêndulo entre Marina e Dilma. E, claro, vamos torcer para que Dilma se mantenha à frente da Marina — afirmou.

O deputado, no entanto, minimizou o risco de os ataques a Marina estarem afetando a popularidade da presidente:

— Marina está reclamando e chorando mais do que apanhando e isso transmite insegurança para muita gente. Estamos de olho é no programa dela, tem coisas ali de arrepiar. — concluiu o deputado.

AÉCIO FALA EM ‘ONDA DA RAZÃO’

Ao chegar no debate organizado pela Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em Aparecida do Norte, ontem à noite, o senador Aécio Neves (PSDB) disse que o resultado do Ibope já era esperado e viu a divulgação como um crescimento do apoio a sua campanha:

— Sempre acreditei muito que no momento da escolha há uma análise mais profunda, não apenas do que cada candidato diz, mas o que cada candidato é.

Em nota, afirmou ainda que “é uma demonstração clara da onda da razão. Os eleitores começaram a prestar mais atenção às propostas dos candidatos e ver quem tem melhores ideias para o Brasil, sem improviso ou um modelo que fracassou. Tenho convicção de que estarei no segundo turno e vencerei a eleição. Vamos usar a emoção para a Onda da Razão

Marina Silva (PSB) não deu entrevista na chegada à Aparecida, pois alegou problemas na voz. O candidato a vice-presidente na sua chapa, o deputado federal Beto Albuquerque comemorou o resultado da pesquisa.

— O cenário está bom. Temos os pés no chão porque é uma pesquisa apenas. Estamos contentes porque com esses ataques absurdos que estamos sofrendo nos últimos dias estamos mostrando que temos fortaleza na sociedade quando marcamos mais uma vez 30 pontos percentuais. É um patrimônio político importante.

O líder do PSB no Senado e candidato ao governo do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, destacou que a estratégia do PT de “desconstruir” a imagem de Marina está tendo efeito contrário ao desejado, pois estaria se revertendo em aumento da rejeição de Dilma.

— O cenário continua estabilizado, sinalizando para a realização de um segundo turno. Na minha avaliação, a Marina está com uma clara vantagem, porque está apresentando esses índices sem ter tempo de televisão, com pouca exposição, apenas durante os 2 minutos que o PSB tem no programa eleitoral. No segundo turno, no momento em que tiver o mesmo tempo de televisão do adversário, tem enorme potencial de crescimento. E Dilma está sofrendo o ônus de quem bate, sua rejeição está aumentando porque a população está muito mais interessada em ouvir propostas — diz o senador.

Ibope: trajetória de crescimento de Aécio se mantém

Pela terceira vez consecutiva, pesquisa do Ibope indica crescimento das intenções de voto para Aécio Neves.

Eleições 2014

Fonte: PSDB

Aécio consolida trajetória de crescimento na corrida eleitoral

Pela terceira vez consecutiva, pesquisa do Ibope indica crescimento das intenções de voto em Aécio Neves, candidato à Presidência da República pela Coligação Muda BrasilAécio cresceu tanto na pesquisa do primeiro turno quanto na projeção do segundo. Nesta última, o crescimento foi maior. Numa disputa com a presidente Dilma, candidata à reeleição, Aécio cresceu três pontos em relação ao último levantamento, enquanto a petista cresceu apenas um. Aécio está agora com 36% das intenções de voto – tinha 33% na última pesquisa –, e Dilma, com 42%. Considerando a margem de erro, a diferença entre eles pode ser de apenas dois pontos percentuais.

No primeiro turno, 23% dos eleitores declaram intenção de voto em Aécio Neves. A candidata do PT tem 38% dos votos. A margem de erro é de dois pontos. Em julho, Dilma Roussef tinha os mesmos 38% das intenções de voto, ante 22% de Aécio Neves.

pesquisa mostrou ainda que a taxa de rejeição de Aécio está em queda: foi de 16% para 15%. A de Dilma se manteve em 36%.

A pesquisa foi encomendada ao Ibope pela TV Globo, que divulgou os dados nessa quinta-feira (7/08). Foram ouvidas 2.506 pessoas entre os dias 3 e 7  de agosto, em todo o Brasil.

Pesquisa: Aécio lidera em Minas, mostra Ibope Regional

Resultados apresentados pelo Ibope confirmam levantamento do Instituto Veritá, que também apontou vantagem de Aécio Neves em Minas.

Eleições 2014

Fonte: Jogo do Poder

Ibope Regional confirma liderança de Aécio em Minas

Pesquisa regional do Ibope divulgada ontem (31/07) confirma a liderança do candidato da Coligação “Muda Brasil” à Presidência da República, Aécio Neves na preferência do eleitorado de Minas Gerais.

De acordo com os dados, Aécio atingiu 41% das intenções de voto, seguido pela candidata à reeleição, Dilma Rousseff, com 31% e pelo ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos (5%). Os eleitores com intenção de votar em branco ou nulo somara 10% e os que não souberam ou não responderam, também com 10%.

A pesquisa foi realizada entre os dias 26 e 28 de julho e entrevistou 1.512 eleitores. A margem de erro estimada é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.

Os resultados apresentados pelo Ibope confirmam levantamento do Instituto Veritá divulgado na última quarta-feira (30/07), que também apontou vantagem de Aécio em Minas. Aécio teria 41,3% dos votos dos mineiros, contra 32,5% de Dilma Rousseff (PT) e 5% de Eduardo Campos (PSB). Votos brancos e nulos ainda somam 13,6%.

De acordo com o Instituto Veritá, considerando apenas os votos válidos, Aécio Neves chegaria a 51%, Dilma com 40,1% e Eduardo Campos, com 6,1%. Em um eventual segundo turno, Aécio venceria em Minas com uma vantagem de mais de 10 pontos percentuais, com 45,4% dos votos contra 34,7% da candidata do PT.

Siga a campanha de Aécio Neves na WEB
www.aecioneves.com.br
www.aecioporminaspelobrasil.com.br
www.facebook.com/AecioNevesOficial

Ibope: Aécio Neves sobe 2 pontos

Ibope: Dilma ficou com 38% das intenções de voto, o senador Aécio Neves (PSDB) com 22% e o ex-governador Eduardo Campos (PSB) com 13%.

Eleições 2014

Fonte: O Globo

IBOPE: Dilma oscila dois pontos e tem 38% dos votos; Aécio 22% e Campos 13%

Pesquisa encomendada por entidades de vereadores de São Paulo indica crescimento dos adversários da presidente, mas dentro da margem de erro

Uma pesquisa feita pelo Instituto Ibope a pedido da União dos Vereadores do Estado de São Paulo (Uvesp) foi divulgada nesta terça-feira e mostra a presidente Dilma Rousseff com 38% das intenções de voto, o senador Aécio Neves (PSDB) com 22% e o ex-governador Eduardo Campos (PSB) com 13%. Dilma oscilou dois pontos percentuais para menos em comparação ao levantamento anterior do Ibope, realizado em maio. Aécio e Campos oscilaram dois pontos para mais.

O dado inédito que a pesquisa traz é o peso do apoio dos vices para as candidaturas. A situação de Dilma e Aécio pouco muda, segundo o levantamento. No caso do tucano, que ainda não definiu o vice, três nomes foram testados – o senador Aloysio Nunes Ferreira, o ex-senador Tasso Jereissati e o ex-governador José Serra.

Já Campos, quando o nome da vice Marina Silva é citado, vê sua intenção de voto subir para 17%, quatro pontos a mais do que na sondagem sem a ex-senadora.

Os votos brancos e nulos passaram de 24% em maio para 20% na pesquisa divulgada nesta noite.

No segundo turno, Dilma continua vencendo, mas com uma vantagem menor. No cenário com Aécio, ela teria 42% e ele 33%. Em maio, eram 43% a 24%.

Com Campos, ela aparece com 41% e ele 30%. Na sondagem anterior, eram 42% a 22%.

A pesquisa foi realizada entre os dias 4 e 7 deste mês com 2.002 entrevistados no país. A margem de erro é de dois pontos percentuais. Ela custou R$ 202 mil. Segundo o presidente da Uvesp, Sebastião Misiara, o valor foi pago integralmente pela entidade.

– Os vereadores precisam ter protagonismo no debate político nacional. Por isso encomendamos a pesquisa – disse ele, que negou ter filiação partidária no momento.

CAMPOS: ‘ESTAMOS NO CAMINHO CERTO’

O ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos comentou nesta terça-feira o resultado da última pesquisa. Ele disse não ter dúvidas de que ganhará a eleição.

– Nós estamos muito tranquilos, confiantes que estamos no caminho certo. O caminho é discutir o programa e apresentar essa união aos brasileiros, mostrar que tem uma opção nova, diferente, que vai fazer de um novo jeito, que vai pegar essa energia que está no seio da sociedade brasileira, ali latente de quem quer ver coisa séria, coisa renovadora, quer ver exatamente o Brasil ser entregue a um novo tempo na vida pública brasileira – declarou.

Eleições 2014: Aécio comenta crescimento no Ibope

Aécio diz que sentimento de mudança começa a chegar em toda as classes. Segundo o senador, o eleitor quer que Brasil viva novo momento.

Eleições 2014

Fonte: Jogo do Poder

Entrevista do presidente do PSDB, senador Aécio Neves

Assuntos: pesquisa Ibope; manifestações da copa, alianças no Rio

Sobre crescimento em faixas diferenciadas de renda na pesquisa Ibope

A minha percepção é que esse sentimento de mudança que existe hoje no Brasil é crescente, e ele começa a chegar a todas as classes sociais, a todas as regiões do país. Não é algo apenas de um segmento da sociedade brasileira. A razão do nosso crescimento, e o que é mais importante, é um crescimento que se cristaliza em todas as classes sociais, é a demonstração de que o sentimento de mudança é crescente. E esse é o dado mais relevante.

Mais do que o grande aumento de intenção de votos em torno do nosso nome, é esse sentimento consolidado de que o Brasil precisa viver um novo momento. E isso não é na parcela de cima da pirâmide, como alguns gostam de dizer, ele permeia já todas as camadas da sociedade. E esse é o fator, a meu ver, mais relevante e que as próximas pesquisas devem confirmar.

Estou muito feliz, acho que é uma demonstração de que a nossa proposta, a nossa exposição tem, de alguma forma, inspirado setores da sociedade. Vamos continuar trabalhando.

Sobre mudanças e segundo turno apontado na pesquisa Ibope

As mudanças profundas, aquelas que esperamos, vão vir no momento do debate, no momento do confronto de ideias, no momento que mostrarmos um governo que fracassou na condução da economia, fracassou na gestão do Estado, fracassou na condução das políticas sociais. Essas são as marcas, a meu ver, mais claras desse governo. A pesquisa é muito positiva para o conjunto das oposições, aponta de forma sólida para a realização de um segundo turno e espero poder estar lá.

Greves e manifestações preocupam, tendem a ser agravar até a Copa?

É uma preocupação de todos nós. Sempre disse que as manifestações reivindicatóriasmanifestações de segmentos da sociedade, devem ser respeitadas. Inclusive, nossas forças de segurança devem estar preparadas para isso. As manifestações, desde que como expressão de vontade pacífica da sociedade, são absolutamente legítimas e temos que aprender a conviver com isso na democracia. O que temos que diferenciar, e aí, que em defesa da própria sociedade, agir, é quando começa a haver crimes a partir dessas manifestações. Depredação de patrimônio, atentados contra a vida e até mesmo dificuldade no ir e vir das pessoas, que deve ser também garantido.

O esforço das autoridades é, de um lado, garantir e respeitar manifestações pacíficas, mas, também, por outro lado, impedir que elas se transformem em atentados, em movimentos violentos, porque a maior vítima da violência nas manifestações são os próximos manifestantes, que têm causas legítimas e justas a defender. Essas são principais vítimas.

Sobre a possibilidade de paralisação de categorias na Copa

Vamos aguardar o que vai acontecer. O que vejo é que inúmeras demandas que foram apresentadas em junho do ano passado, nenhuma delas foi atendida pelo governo. Seja na melhoria da qualidade do transporte, seja na melhoria da saúde, seja na inibição da corrupção, ao contrário, estamos vendo aí na Petrobras e tantos outros causando indignação à sociedade brasileira. O governo respondeu muito pouco. Mas espero que as manifestações que eventualmente venham a ocorrer ocorram dentro da ordem, ocorram de forma pacífica. Essas têm de ser respeitadas e os governantes, não apenas a presidente da República, todos eles, em todos os níveis, têm de conviver com elas.

Sobre alianças no Rio de Janeiro

Acho que a política é uma arte de administrar o tempo. As coisas estão caminhando naturalmente. As manifestações que tenho recebido espontâneas de apoio no Rio, políticas, de partidos como aqui do Solidariedade, do Pedro Fernandes, partidos como o próprio PMDB, partidos que estão hoje na base de sustentação do governo, como o PSD, o PP do senador Dornelles, isso me estimula muito.

Devemos ter, inclusive, no início de junho, um grande momento, um grande movimento de junção dessas forças que nos apoiam, independentemente da candidatura a governador. Isso me dá uma base muito sólida no Rio. E minha identidade com o Rio, até a minha familiaridade com os problemas do Rio, isso tudo vai facilitar no momento em que tivermos espaço para defendermos aquilo que acreditamos.

Plano de Governo: UPPs

Defendemos o fortalecimento das parcerias, por exemplo, com as UPPs, que acho que foi um grande ganho para a comunidade carioca, e gostaria de coisas parecidas em outras partes do Brasil. Talvez seja a primeira vez que esteja falando sobre isso, mas vamos falar de forma muito clara que no nosso governo vai haver, sim, apoio, solidariedade e estratégia para consolidarmos as UPPs na sua segunda etapa, que é levar também a essa comunidades desenvolvimento social. Levar, a essas comunidades, serviços públicos de qualidade. Essa é a segunda etapa que vai consolidar as UPPs. E quero poder, no futuro, ser um parceiro, qualquer que seja o governador do Rio, qualquer que seja o governador de outras metrópoles que tenham populações nessas regiões, para que esse modelo possa ser ampliado e consolidado. A segunda etapa, a meu ver, é essa. Serviços públicos de boa qualidade e avanços sociais como educaçãosaúde.

O governo federal poderia ser um parceiro nas UPPS?

Acho que pode ser um parceiro ainda mais vigoroso na consolidação das UPPs, que é um avanço inquestionável.

Eleições 2014: Ibope revela 50% de indecisos

2014: A um ano da eleição para presidente da República, cerca de metade dos brasileiros não tem certeza de em qual candidato votaria.

2014: Marina no páreo muda panorama

Fonte: O Estado de S.Paulo

Incerteza ainda atinge metade dos eleitores

A presença ou não de Marina Silva na corrida sucessória de 2014 afeta mais as especulações sobre a eleição do que o processo eleitoral em si. Para grande parte dos brasileiros, a sucessão presidencial só será uma questão a tomar-lhes o tempo quando a campanha chegar à TV, daqui a dez meses. Até lá, é um problema imposto apenas àqueles que são abordados pelos pesquisadores.

A um ano da eleição para presidente da República, cerca de metade dos brasileiros não tem certeza de em qual candidato votaria. Confrontados pelo Ibope com os nomes dos principais presidenciáveis, 47% dos eleitores não puderam declarar ao certo se votariam em algum deles. A saber: Dilma RousseffAécio NevesMarina SilvaEduardo Campos e José Serra.

Outros 7% disseram que votariam “com certeza” em mais de um desses nomes – o que é um outro sinal de quão certa é sua intenção de voto. Sobram assim apenas 46% de eleitores que declaram estar fechado com apenas um candidato. Mas a taxa é ainda menor.

Descontem-se os 3% que votariam com certeza apenas em Serra (que, ao ficar no PSDB, abre mão de disputar a Presidência – salvo se Aécio não puder concorrer) e restam 43% de eleitores certos de que votariam em apenas um dos presidenciáveis.

Deles, 29% declaram certeza de votar só em Dilma, 7% em Marina, 5% em Aécio e 1% em Eduardo. Qual a garantia de que é isso que vai de fato acontecer, daqui a um ano? Nenhuma.

Em 2009, também a um ano da eleição presidencial que elegeria Dilma, era Serra quem mais tinha eleitores certos: 15%. Apenas 10% tinham certeza de votar na petista. Outros 10% estavam certos de que votariam em Ciro Gomes, que nem foi candidato.

Com ou sem Marina no páreo, muitas certezas vão se diluir e se transformar até a hora de o eleitor digitar o número de seu candidato na urna.

Para o senador Aécio Neves governo do PT se exime de investir em Saúde – Dilma veta emendas da oposição

Gestão da Saúde, gestão sem eficiência, caos na Saúde

Fonte: Artigo de Aécio Neves – Folha de S.Paulo

Oportunidade perdida

Volto aqui ao tema da emenda 29, cuja regulamentação acaba de ser sancionada pela presidente Dilma Rousseff com um desfecho frustrante para uma iniciativa que levou mais de uma década tramitando no Congresso Nacional.

Um dos artigos vetados na sanção previa mais recursos para a saúde sempre que houvesse ganhos para a União, a partir da revisão positiva do PIB nominal. Antes, a base governista já havia impedido que o governo contribuísse com pelo menos 10% da sua receita, o que teria significado mais R$ 31 bilhões para o setor no ano que passou.

Já os Estados e os municípios tiveram fixados seus pisos mínimos de investimento de 12% e 15% de suas receitas, respectivamente. A situação é ainda mais grave diante da regressiva participação financeira federal nas despesas da área há vários anos, e, como consequência, o aumento da parcela de Estados e municípios.

A União se eximiu, assim, da sua responsabilidade, deixando para governadores, prefeitos e para as famílias brasileiras o ônus pelo equacionamento dos problemas do setor.

Levantamento do Ibope, feito para a CNI (Confederação Nacional da Indústria), mostrou que 95% da população reivindica mais recursos para a saúde e 82% avaliam que esses recursos podem ser obtidos sim, não criando impostos, mas pondo um fim aos desvios da corrupção.

O governo federal descartou uma oportunidade histórica de criar as bases para que pudéssemos enfrentar, de forma definitiva, o desafio da saúde. Esse é um exemplo concreto de oportunidade perdida, de agenda mais uma vez adiada. Em vez de demonstrar comprometimento com a questão, recuou o máximo que pôde.

Cabe agora à oposição tentar derrubar no Congresso os vetos feitos pela presidente à regulamentação da emenda 29, mesmo diante do rolo compressor da base governista. Esse episódio tira a máscara daqueles que sempre fazem muito alarde sobre si mesmos como detentores do monopólio de defesa dos mais pobres. Na verdade, o governo federal virou as costas para a saúde.

Pesquisa do IBGE, divulgada na última semana, mostra que as despesas das famílias brasileiras com bens e serviços de saúde, em 2009, foram de R$ 157,1 bilhões (ou 4,8% do PIB), bem superior aos R$ 123,6 bilhões (3,8% do PIB) da administração pública.

Ocorre que a rede pública é o único ou o principal fornecedor de serviços de saúde para 68% dos brasileiros e é considerada “péssima” ou “ruim” por 61%, conforme o levantamento da CNI. Nada menos que 85% dos entrevistados não viram avanços no sistema público de saúde do país nos últimos três anos. Ao que tudo indica, se depender do governo federal, continuarão, lamentavelmente, sem ver.

AÉCIO NEVES escreve às segundas-feiras nesta coluna.