Arquivos do Blog

Governo de Minas: municípios do Vale do Rio Doce recebem Caravana Solidária BDMG

Reuniões serão em Governador Valadares, Conselheiro Pena, Aimorés e Resplendor

Divulgação/BDMG
Desde o mês passado, equipes do BDMG têm percorrido municípios atingidos pelas chuvas
Desde o mês passado, equipes do BDMG têm percorrido municípios atingidos pelas chuvas

A Caravana Solidária do Banco de Desenvolvimento do Estado de Minas Gerais (BDMG) visita, nesta semana, entre os dias 8 e9, as cidades de Governador Valadares, Conselheiro Pena, Resplendor e Aimorés, na região do Rio Doce. O objetivo é divulgar entre empresários, cooperativas e produtores rurais o BDMG Campo Solidário, linha destinada aos produtores rurais que tiveram prejuízos com as chuvas, e o Programa Emergencial de Socorro a Empresas e Cooperativas com Empreendimentos Afetados por Chuvas Intensas (Fundese Solidário VI).

O Fundese Solidário VI – que tem este nome porque está na sexta edição – é destinado a empresas e cooperativas que estão localizadas nos municípios declarados em situação de emergência e que sofreram danos em decorrência das chuvas.  Além dos documentos de praxe, os interessados devem agregar ao processo um laudo da Defesa Civil, estadual ou municipal, comprovando o prejuízo causado. O financiamento tem carência de até seis meses para o início do pagamento, que pode ser feito em até três anos, com juros de 6% ao ano. Podem ser financiados de R$ 5 mil a R$ 100 mil por empresa, com valor limitado a 20% do faturamento anual.

Os recursos poderão ser usados em investimentos fixos como realização de obras físicas, reparos de ativos danificados e também para recomposição de capital de giro, para cobrir gastos com a folha de pagamento, fornecedores, impostos, taxas, aquisição de insumos, mercadorias para revenda e material de consumo. Os pedidos de financiamento devem ser encaminhados ao BDMG até o dia 31 de maio de 2012 e a documentação solicitada até 30 de junho.

BDMG Campo Solidário

Este ano, o BDMG oferece também, pela primeira vez, uma linha de financiamento para socorrer os produtores rurais que tiveram prejuízos com as chuvas. O BDMG Campo Solidário financia até R$ 15 mil por produtor, com prazo de pagamento de 36 meses, incluindo seis meses de carência, e juros anuais de 6,75%. Os financiamentos serão feitos por intermédio das cooperativas do Sistema Sicoob. Detalhes sobre as linhas de financiamento estão disponíveis na página do Banco na internet: http://www.bdmg.mg.gov.br.

Caravana Solidária do BDMG na região do Rio Doce:

Data: 08/02

Local: Governador Valadares

Endereço: Auditório da FIEMG, Av. Brasil 4000, Centro

Horário: 9h

Data: 08/02

Local: Conselheiro Pena

Endereço: Salão Social da Associação Comercial, Av. Getúlio Vargas, 1404, Centro

Horário: 17h

Data: 09/02

Local: Resplendor

Endereço: Salão Paroquial, Rua Moraes de Carvalho, 456, Centro

Horário: 9h30

Fonte: Agência Minas

Gestão Antonio Anastasia: linha de crédito do BDMG para cidades afetadas pelas chuvas já pode ser solicitada pela internet

 BELO HORIZONTE (23/01/12) – Já está à disposição dos empreendedores mineiros, no site do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), o formulário para solicitação do Programa Emergencial de Socorro a Empresas e Cooperativas com Empreendimentos Afetados por Chuvas Intensas (Fundese Solidário VI). Trata-se de uma linha de crédito especial, disponibilizada pelo BDMG, para atender às empresas que sofreram prejuízos com as chuvas. Serão R$ 30 milhões destinados a apoio financeiro para a reparação de danos causados a micro e pequenas empresas e cooperativas de municípios em situação de emergência ou em regiões específicas de cidades atingidas.

Na última semana, equipes do BDMG visitaram dez cidades nas regiões Central e da Zona da Mata, com um público estimado em cerca de 400 empresários e lideranças locais, para apresentar o Fundese e esclarecer eventuais dúvidas. Muitos empresários já estão solicitando os recursos pela internet. As equipes do banco continuarão realizando caravanas em cidades do interior do Estado que foram afetadas pelas chuvas.

O financiamento tem carência de até seis meses para o início do pagamento, que pode ser feito em até três anos, com juros de 6% ao ano. Podem ser financiados de R$ 5 mil a R$ 100 mil por empresa, com valor limitado a 20% do faturamento anual. Os recursos poderão ser usados em investimentos fixos, como realização de obras físicas, reparos de ativos danificados e também para recomposição de capital de giro, para cobrir gastos com a folha de pagamento, fornecedores, impostos, taxas, aquisição de insumos, mercadorias para revenda e material de consumo.

O consultor da Fiemg Regional da Zona da Mata, Elcio de Assis Fonseca, acompanhou a Caravana Solidária do BDMG em seis cidades da região. Ele fez o mesmo no verão passado, quando o Fundese Solidário V apoiou empresários que também tiveram prejuízos com as chuvas. “Esses recursos representam a continuidade das empresas. São imprescindíveis para que o empresário possa se reerguer e continuar gerando impostos e empregos”, disse.

Como parceiro do banco na Zona da Mata, Elcio conta que já começou a receber telefonemas de empresários. Ele acredita que este ano a procura será bem maior do que em 2011. “O estrago este ano foi muito grande. Tem empresas que ficaram inundadas, e os empresários perderam praticamente tudo”, afirmou o consultor. Em sua opinião, este é um momento especial para o empreendedor e é bom que ele possa contar com o apoio do Governo de Minas, por intermédio do BDMG.

Correspondentes bancários

Tão logo recebeu a senha para atuar na região da Zona da Mata como correspondente bancária, a Sicoob Coopemata teve como sua primeira tarefa acompanhar as equipes do banco na Caravana Solidária e receber as solicitações de financiamento para o Fundese Solidário VI. O superintendente da cooperativa, Humberto de Abreu Santos, disse que o apoio às empresas da região “veio na hora certa”. “O Governo de Minas agiu rápido. Nessas horas temos que ter agilidade para atender a população. O fato de sermos correspondentes bancários vai encurtar o prazo para a liberação dos recursos”, disse. Ele lembrou que as chuvas prejudicaram também as vendas de final do ano e que o empresário começou a ter prejuízo desde então.

A auxiliar de gerência da Coopemata, em Ubá, Letícia Martins de Melo, também acompanhou a caravana em algumas cidades. Letícia disse que já está sendo procurada por muitos empresários, interessados pelo Fundese Solidário VI. A Coopemata tem 1.700 empresas associadas e, como as outras cooperativas, está credenciada para atender as empresas não associadas da região.  Sua sede é em Cataguases e tem postos de atendimento em Leopoldina, Muriaé, São João Nepomuceno, Ubá, Viçosa e Visconde do Rio Branco. Atende também todas as outras cidades da região.

Para informações sobre o Fundese Solidário VI, acesse:

http://www3.bdmg.mg.gov.br/BDMGNET/propostas/getAllPropostas.action?codProduto=39&codProdutoEspl=5502

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas: micro e pequenos empresários do Triângulo e Alto Paranaíba já podem ter acesso a financiamentos do BDMG

BELO HORIZONTE (17/01/12) – Cooperativas de crédito do Triângulo e do Alto Paranaíba  já podem oferecer, a partir deste mês, financiamentos de baixo custo a micro, pequenas e médias empresas da região. A iniciativa faz parte do projeto Correspondentes Bancários do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG). O objetivo do Governo de Minas, por meio da instituição, é facilitar o acesso a crédito para o pequeno empresário do interior do Estado.

Ao todo, 11 cooperativas de crédito do Triângulo e Alto Paranaíba concluíram neste mês, em Uberlândia, o primeiro treinamento regional dentro do projeto. Participaram as cooperativas Sicoob Credicopa, com sede em Patos de Minas; Unicred Comércio e Sicoob Crediara, ambas com sede em Araxá; Sicoob Credicarpa, em Carmo do Paranaíba; Sicoob Credicampina, em Campina Verde; Sicoob Uberaba; Sicoob Coopacredi, em Patrocínio; Sicoob Creditril,  em Uberlândia; Sicoob Crediparnor, em Paracatu; Sicoob Aracoop, em Araguari; Sicoob Credipinho, em João Pinheiro; e Sicoob Credisg, em São Gotardo.

“A partir de agora, todas já estão aptas a representar o BDMG em suas respectivas cidades como correspondentes bancários”, afirma a gerente executiva do projeto Aline Verneque.

Segundo Aline, com o programa de correspondentes bancários, os pequenos  empresários terão acesso a financiamentos para investimentos em seus negócios com menos burocracia e sem percorrer grandes distâncias. “São linhas de crédito específicas para micro e pequenas e médias empresas com faturamento anual inferior a R$ 10 milhões, para quase todas as finalidades, desde capital de giro até investimento fixo ou misto”, destaca.

Na linha de crédito mais utilizada por micro empresas, o BDMG Gera Minas, o empresário poderá adquirir, por exemplo, investimentos com juros de cerca de 12% ao ano, o correspondente a 0,95% ao mês.

Estão credenciadas, no momento, 36 cooperativas em todo o Estado. Até o final do ano, o número deve chegar a 70, cobrindo todas as regiões.  A expectativa do Governo de Minas é que o número de micro e pequenas empresas atendidas pelo BDMG chegue a 6 mil, o dobro da quantidade atual.

Fundese Solidário

Para ajudar as vítimas das chuvas em Minas, o governador Antonio Anastasia determinou ao BDMG a criação do Programa Emergencial de Socorro a Empresas e Cooperativas com Empreendimentos Afetados por Chuvas Intensas (Fundese Solidário VI). Trata-se de uma linha de crédito especial para atender às empresas que sofreram prejuízos com as chuvas.

Técnicos do banco estão, nesta semana, na região da Zona da Mata se reunindo com empresários e líderes políticos da região para explicar como as pessoas que tiveram prejuízos com os temporais poderão ter apoio para reerguer os negócios. As primeiras cidades visitadas foram Além Paraíba, Guidoval e Dona Eusébia.O cronograma, que se estenderá ao longo dos próximos dias, visa atender a todas as regiões do Estado afetadas pelas chuvas.

O empresário interessado nos recursos dessa linha de crédito deve fazer a solicitação pelo site do BDMG. Se preferir, pode também procurar um dos parceiros do banco – Cecremge, Crediminas, Fiemg, FCDL, Fecomércio, Federação dos Contabilistas, Federaminas e Sebrae-MG – na cidade ou região em que está localizada a empresa.