Arquivos do Blog

Governo de Minas: desemprego permanece estável na RMBH

Belo Horizonte mantém a menor taxa de desocupação entre todas as sete regiões metropolitanas pesquisadas.

SETE / Divulgação
"Para o Governo de Minas, a qualidade do emprego é agora a grande prioridade", destaca Igor Coura
“Para o Governo de Minas, a qualidade do emprego é agora a grande prioridade”, destaca Igor Coura

Em maio de 2012 a taxa de desemprego total na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) foi de 5,0% da População Economicamente Ativa (PEA), a mesma registrada no mês anterior. Assim como no mês de abril, a taxa é a menor registrada na série histórica da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED-RMBH), iniciada em 1996.

Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (27) pela Fundação João Pinheiro, Secretaria de Estado de Trabalho e Emprego (Sete), Dieese e Fundação Seade.

Entre as sete Regiões Metropolitanas avaliadas pela PED (Belo Horizonte, Distrito Federal, Fortaleza, Porto Alegre, Recife, Salvador e São Paulo), a de Belo Horizonte mantém a menor taxa de desemprego pelo 11º mês consecutivo.

“O que mais impacta para que a taxa da RMBH permaneça a menor entre as regiões metropolitanas é o peso forte do setor de serviços, que representa 57% das pessoas que estão empregadas no mercado de trabalho hoje”, explica o coordenador da PED pela Fundação João Pinheiro, Plínio Campos.

No período avaliado, houve ligeiro acréscimo no contingente de ocupados (7 mil), mesmo número de pessoas que passaram a fazer parte do mercado de trabalho, o que resultou na estabilidade do número de desempregados. O tempo médio de procura por trabalho foi de 25 semanas, uma a mais que o mês de abril.

Para o coordenador do Observatório do Trabalho da Sete, Igor Coura, sempre haverá movimentação no mercado de trabalho; portanto, uma queda maior na taxa de desemprego é improvável. “Somos resistentes em dizer que estamos numa situação de pleno emprego, pois a estrutura do mercado não é homogênea. Para afirmarmos que essa é a taxa ideal, precisamos de um mercado de trabalho estável e organizado. Mas estamos bastante satisfeitos com os números alcançados. Para o Governo de Minas, por meio da Sete, a qualidade do emprego é agora a grande prioridade para que fiquemos numa situação confortável”, afirma.

Setores

Na comparação com o mês de abril, o setor de serviços registrou aumento de 23 mil empregos, o agregado “outros setores” 5.000, e a indústria 3.000. Em movimento contrário, construção civil e comércio sofreram reduções de 13 mil e 11 mil, respectivamente.

Entre abril de 2011 e abril de 2012, houve acréscimo de 56 mil postos de trabalho no setor privado (4,4%) e de 8 mil ocupações no emprego público (2,5%). Foram registrados aumentos de 83 mil (7,4%) trabalhadores assalariados com carteira assinada e de 11 mil (7,8%) ocupados no setor de empregados domésticos.

“É importante ressaltar que a geração de novas ocupações foi suficiente para absorver todas as pessoas que ingressaram no mercado de trabalho, o que fez com que a taxa permanecesse estável. Outro fato que chama a atenção é o de que, pelo sétimo mês consecutivo, observamos aumento na ocupação”, analisa Campos.

Rendimentos

Em abril, o rendimento real médio dos ocupados foi estimado em RS 1.403, sendo registrada redução de 0,9%, se comparado a março. No setor privado, foi observada relativa estabilidade no salário médio da indústria (0,3%). Em contrapartida, houve redução de 2,2% no salário médio do setor de serviços e de 4,6% no do comércio.

“A expectativa para os próximos meses é de que tenhamos taxas menores, se comparadas às do ano anterior”, conclui Plínio Campos.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/desemprego-permanece-estavel-na-rmbh/

Governo de Minas: Alberto Pinto Coelho preside reunião do Comitê de Políticas Públicas para Juventude

Durante a reunião foram discutidas propostas para aprimorar as políticas públicas para a juventude

Carlos Alberto/Imprensa MG
Vice-governador preside 1ª Reunião do Comitê Intersetorial de Políticas Públicas para a Juventude
Vice-governador preside 1ª Reunião do Comitê Intersetorial de Políticas Públicas para a Juventude

O vice-governador Alberto Pinto Coelho presidiu, nesta segunda-feira (25), em Belo Horizonte, a primeira reunião do Comitê Intersetorial de Políticas Públicas para a Juventude. A função do comitê, integrado por representantes das diversas secretarias, é subsidiar a implementação da estratégia governamental nas políticas públicas destinadas a jovens de quinze a vinte e nove anos.

Em seu pronunciamento, o vice-governador ressaltou a importância da criação do comitê. “A juventude tem que ser objeto não só da atenção do governo, mas também de políticas públicas efetivas. A criação de uma secretaria focada na juventude e deste comitê intersetorial, com a transversalidade de todas as pastas de governo, é uma demonstração inequívoca de que o governo tem prioriza as ações voltadas para os jovens”, afirmou Alberto Pinto Coelho.

Durante a reunião foram apresentadas e discutidas propostas para aprimorar as políticas públicas para a juventude, dentre elas a criação do Observatório da Juventude. Esse Observatório permitirá que todos os jovens mineiros e gestores públicos tenham acesso a dados e indicadores, como o de vulnerabilidade juvenil desenvolvido pelo Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública (Crisp).

Foi ainda apresentado estudo, desenvolvido pela Secretaria de Esportes e da Juventude (SEEJ), em conjunto com a Fundação João Pinheiro, que irá catalogar todos os programa e ações do Governo do Estado que são realizados para a população jovem. Todos estes dados ficarão expostos em portal em desenvolvimento e auxiliarão os gestores no desenvolvimento de políticas intersetoriais. O secretário de Estado de Esportes e da Juventude, Braúlio Braz, ressaltou que o trabalho do comitê permitirá a criação de políticas mais efetivas.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/alberto-pinto-coelho-preside-reuniao-do-comite-de-politicas-publicas-para-juventude/

Gestão Eficiente: PIB de Minas cresce 2,1% no primeiro trimestre, acima da média nacional

Resultado mostra destaque para o setor de serviços no Estado, com crescimento de 2,8%. No trimestre, PIB brasileiro cresceu 0,8%

No primeiro trimestre de 2012 a economia de Minas Gerais cresceu 2,1% em comparação ao primeiro trimestre de 2011. No mesmo período, a economia brasileira cresceu 0,8%. Embora em ritmo lento, este foi o segundo trimestre consecutivo com indícios de reversão da desaceleração do crescimento em Minas Gerais.

As informações são parte do Informativo CEI – Produto Interno Bruto de Minas Gerais – Resultados do 1º trimestre de 2012, produzido pelo Centro de Estatística e Informações da Fundação João Pinheiro e já disponível no sítio da instituição.

Também comparando o primeiro trimestre de 2012 ao mesmo período de 2011, o valor adicionado a preços básicos aumentou 1,5% em Minas Gerais e 0,6% no Brasil.

Setores

O setor de serviços apresentou o melhor resultado entre as atividades no Estado, com crescimento de 2,8%. Na mesma base comparativa, o crescimento nacional dos serviços foi de 1,6%.

Já a indústria mineira apresentou retração de 0,2% no primeiro trimestre deste ano, ao passo que a brasileira registrou acréscimo de 0,1% no período. Em Minas, foi registrada queda de -1,9% no segmento da transformação e de -4,4% na atividade de extração mineral. Em movimento contrário, houve crescimento de 3,9% na construção civil e de 5,5% da produção e distribuição de energia elétrica, água, gás e limpeza urbana.

A atividade agropecuária mineira registrou retração de 1,0% no primeiro trimestre de 2012, enquanto, no Brasil, a contração foi bem mais acentuada (-8,5%).

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/pib-de-minas-cresce-21-no-primeiro-trimestre-acima-da-media-nacional/

Governo de Minas: Pesquisa de Emprego e Desemprego seleciona recenseadores para a RMBH

Serão oferecidas 14 vagas temporárias distribuídas entre várias funções

Estão abertas até 25 de maio as inscrições para o Processo Seletivo Simplificado que irá credenciar recenseadores para a Pesquisa de Emprego e Desemprego na Região Metropolitana de Belo Horizonte (PED/RMBH), realizada pelo Centro de Estatística e Informações da Fundação João Pinheiro (FJP). O edital FJP Nº 001/2012, que dispõe sobre o processo de seleção, já está disponível site da instituição.

Serão oferecidas 14 vagas temporárias distribuídas entre funções nas áreas de Supervisão de Coleta I, Supervisão de Crítica, Checador, Crítico, Recenseador Censitário e/ou de Pesquisas Amostrais. Serão também selecionados 52 candidatos para formação de cadastro de reserva.

Para se inscrever o candidato deve ser maior de idade, ter escolaridade mínima de nível médio, conhecimento básico de informática, entre outros requisitos dispostos no edital. A seleção será realizada em três etapas: análise de currículo, entrevista e treinamento específico. O resultado final do processo seletivo PED-RMBH será divulgado até 22 de junho, no Jornal Minas Gerais, no sítio da FJP e na sede da instituição.

A Pesquisa de Emprego e Desemprego é domiciliar e investiga a estrutura e a dinâmica do mercado regional de trabalho por meio do levantamento sistemático de dados sobre emprego, desemprego e rendimentos dos trabalhadores. Os trabalhos de campo serão realizados em 158 setores censitários distribuídos nas áreas urbanas de 26 municípios que compõem a Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/pesquisa-de-emprego-e-desemprego-seleciona-recenseadores-para-a-rmbh/

Governo de Minas: Fundação João Pinheiro discute aplicação da inovação em políticas públicas

Especialistas e estudantes debatem a integração de tecnologias à administração pública

Com o objetivo de discutir aspectos e práticas inovadoras, o uso de tecnologias em diversas áreas e de políticas públicas relacionadas, o Centro de Pesquisas Aplicadas (CPA) da Fundação João Pinheiro (FJP) realiza nesta quinta-feira (10) mais uma edição do Seminário de Pesquisas Aplicadas.

O evento tem como tema “Inovação consequente e sua integração à formulação e gestão de políticas públicas” e será realizado às 15h, no Campus Pampulha da Fundação, Alameda das Acácias, 70, bairro São Luís, na Pampula.

Nesta edição, o palestrante convidado é o doutor em Ciência da Computação pela Universidade da Califórnia e co-fundador da Akwan – empresa de buscas on-line criada por um grupo de professores da UFMG –, Ivan de Moura Campos. Como debatedor, o Seminário recebe Mauro Araújo Câmara, mestre em Ciência da Informação e pesquisador do Centro de Pesquisas Aplicadas da Fundação João Pinheiro.

O debate é aberto ao público, com número de vagas limitado. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo e-mail cpa@fjp.mg.gov.br.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/fundacao-joao-pinheiro-discute-aplicacao-da-inovacao-em-politicas-publicas/

Governo de Minas: Alunos de Administração Pública da Fundação João Pinheiro discutem cenário sociopolítico do país

Estudantes da Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho têm como foco o engajamento cívico

Aliar o conhecimento à prática da gestão pública.  Este é o objetivo do I Prática Pública, evento organizado pelos estudantes do curso de Administração Pública da Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho, da Fundação João Pinheiro (FJP), que acontece nesta terça-feira (08), e na quarta-feira (09), no Auditório do Campus Brasil da Fundação João Pinheiro, Av. Brasil, nº 674, Santa Efigênia.

Com o objetivo de elevar o senso crítico e o engajamento cívico dos estudantes, o evento terá como foco questões pertinentes aos cenários social e político de Minas Gerais e do Brasil. Ao longo dos dois dias de programação,  serão discutidos os temas “Eficiência e Inovação no Legislativo”, “O terceiro setor e o engajamento para o serviço público”, “Webcidadania e espaços de participação social na internet”, “Empreendedorismo municipal” e “20 anos da Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho”. As inscrições para o I Prática Pública custam R$ 25,00 e podem ser feitas pelo endereço http://www.praticapublica.com.br.

Programação:

Dia 8

09:00 Abertura

09:30 – Eficiência e Inovação no Legislativo

Debatedores: José Geraldo (Secretário-geral da Assembleia Legislativa de Minas Gerais) e Adelmo Leão (Deputado Estadual)

11:30 –  Almoço

13:00 – Empreendedorismo municipal

Debatedores: Wagner Dutra (prefeito de Miradouro) e Roberto Marinho (Centro de Pesquisas Aplicadas da Fundação João Pinheiro)

14:50 – Coffee Break

15:10 – Espaço interativo – Salas simultâneas

 

Dia 9

09:00 – 20 anos da Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho

Debatedores: Luciana Raso (Diretora-geral da Escola de Governo) e representantes de outras Escolas de Governo em Minas Gerais

11:30 – Almoço

13:00 – O terceiro setor e o engajamento para o serviço público

Debatedor:  Diomar da Silveira (diretor da OSCIP Filarmônica de Minas Gerais)

14:30 Coffee Break

14:50 – Webcidadania e espaços de participação social na internet

Debatedores: Ricardo Poppi (Técnico em telecomunicações, cientista político e coordenador de análise legislativa do Ministério da Justiça) e Caio Werneck (Movimento Minas)

17:00 – Encerramento

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/alunos-de-administracao-publica-da-fundacao-joao-pinheiro-discutem-cenario-sociopolitico-do-pais/

Gestão em Minas: cooperação entre Fundação João Pinheiro e Tribunal de Contas irá subsidiar novas pesquisas

Parceria prevê o acesso mútuo às bases de dados sobre as finanças públicas do Estado e dos municípios mineiros

A Fundação João Pinheiro e o Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais reafirmaram parceria, iniciada em 2009, com a assinatura de um novo Termo de Cooperação Técnica. A iniciativa tem como objetivo o intercâmbio de informações públicas constantes dos bancos de dados de ambas as instituições.

O documento assinado prevê o acesso mútuo às bases de dados sobre as finanças públicas do Estado e dos municípios mineiros, bem como a capacitação de técnicos do Tribunal para a criação de índices e indicadores que demonstrem o desempenho da administração pública em Minas Gerais.

“O Tribunal de Contas dispõe de um valioso banco de dados, que precisa ser colocado à disposição da sociedade e conseguiremos fazer isto com o apoio da Fundação João Pinheiro”, observa o Conselheiro Presidente do Tribunal, Antônio Carlos Doorgal de Andrada.

O Termo de Cooperação visa também a criação de uma equipe multidisciplinar voltada para a realização de pesquisas científicas que irão abranger a criação de indicadores e índices de desempenho, além da implementação de ferramentas que facilitem a verificação do cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal e a obtenção de elementos para definição e análise das estruturas de receitas das Administrações Públicas Estadual e Municipais de Minas Gerais.

“A combinação de expertises dos técnicos das áreas finalísticas das duas instituições irá permitir a otimização das análises dos dados do acervo do Tribunal e, ao mesmo tempo, permitir que a Fundação tenha acesso a um extenso repositório de informações que irá complementar estudos como o Índice Mineiro de Responsabilidade Social (IMRS) e Lei Robin Hood, entre outros”, afirma a presidente da Fundação João Pinheiro, Marilena Chaves.

A parceria tem ainda como metas gerar informações sobre atividades empresariais do setor público municipal e estadual, realizar levantamentos cadastrais sistemáticos das entidades do setor público municipal e facilitar a fiscalização do cumprimento das leis que regem a distribuição da parcela da receita do produto da arrecadação do ICMS pertencente aos municípios (Leis Estaduais nº 13.803/2000 e nº 18.030/2009).

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/cooperacao-entre-fundacao-joao-pinheiro-e-tribunal-de-contas-ira-subsidiar-novas-pesquisas/

Governo de Minas: taxa de desemprego na RMBH é a menor já registrada para o mês de março

Número de desempregados tem ligeira alta em relação a fevereiro, mas é o mais baixo desde 1996

A taxa de desemprego na Região Metropolitana de Belo Horizonte passou dos 5,1% registrados em fevereiro para 5,4% em março. Apesar do acréscimo, o número é o menor relativo ao mês de março, de acordo com a série histórica iniciada em 1996. Os dados são parte da Pesquisa de Emprego e Desemprego na Região Metropolitana de Belo Horizonte (PED-RMBH) e foram divulgados nesta quarta-feira (25) pela Fundação João Pinheiro, Dieese, Secretaria de Estado de Trabalho e Emprego (Sete) e Fundação Seade.

Entre as sete Regiões Metropolitanas avaliadas pela PED (Distrito Federal, Fortaleza, Porto Alegre, Recife, Salvador e São Paulo), a de Belo Horizonte mantém a menor taxa de desemprego pelo 9º mês consecutivo.

O número de ocupados teve queda de 22 mil pessoas (1,0%) em relação a fevereiro e 15 mil pessoas deixaram de fazer parte do mercado de trabalho, o que resultou no acréscimo de 7 mil pessoas no número de desempregados (5,6%). No período, o tempo médio de procura por trabalho foi de 26 semanas, duas a menos em relação a fevereiro.

“Este também é o menor tempo médio de procura já registrado desde o início da série histórica. Em julho de 2004 chegamos a apresentar média de 70 semanas. Hoje, metade das pessoas que estão à procura de emprego encontram em apenas 13 semanas”, analisa a coordenadora da PED pelo Dieese, Gabrielle Selani.

Setores

Na comparação com o mês de fevereiro, o agregado “outros setores” registrou aumento de 3.000 mil empregos, enquanto que o contingente de ocupados na construção civil permaneceu estável. Em movimento contrário, comércio e indústria sofreram reduções de 10 mil vagas cada e o setor de serviços, de 5 mil.

Segundo a pesquisa, entre março de 2011 e março de 2012, houve acréscimo de 61 mil postos de trabalho no setor privado (4,9%). Foi registrada ainda relativa estabilidade no emprego público (alta de  0,3%) e o número de assalariados com carteira de trabalho assinada aumentou em 63 mil (5,7%). No período analisado, o número de empregados domésticos decresceu em 11 mil (7,0%).

“Os setores de serviços e da construção civil destacam-se com crescimentos significativos quando comparados a março do ano passado. São setores muito importantes para a economia da RMBH e ocupam atualmente cerca de 1,4 milhão de pessoas”, observa Selani.

Rendimentos

Em fevereiro, o rendimento real médio dos ocupados foi estimado em R$ 1.441, redução de 2,7% em comparação com janeiro. Já no setor privado, foi observado aumento no salário médio do comércio (2,7%) e reduções no setor de serviços (5,4%) e na indústria (3,8%).

Perspectivas

Para o secretário de Estado de Trabalho e Emprego, Carlos Pimenta, os números apontados são um bom indicativo de que o desemprego vai permanecer estável. “Não podemos almejar taxas mais baixas, pois há jovens em busca do primeiro emprego ou trabalhadores que estavam inativos e estão retornando ao mercado de trabalho, por exemplo, e que sempre contarão na taxa de desemprego. Mas estamos realmente felizes por termos os melhores números em todo o país”, afirmou.

Gabrielle Selani também avalia que a atual taxa de desemprego da RMBH está bastante positiva, não há espaço para uma grande redução.  “É normal haver uma pequena elevação nos meses iniciais do ano e, caso não haja surpresas na economia ao longo de 2012, as taxas poderão, inclusive, diminuir no segundo semestre”, conclui.

Fonte: http:// www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/taxa-de-desemprego-na-rmbh-e-a-menor-ja-registrada-para-o-mes-de-marco/

Governo de Minas: Renata Vilhena receberá prêmio nacional de gestão pública nesta sexta-feira

Premiação valoriza ações de modernização do poder público no Brasil

secretária de Estado de Planejamento e Gestão, Renata Vilhena, recebe nesta sexta-feira (23) o prêmio Guerreiro Ramos de Gestão Pública, concedido pelo Conselho Federal de Administração (CFA). A premiação é voltada a valorização de estudos e ações que contribuam para a modernização do poder público no Brasil.

Gestores públicos de todo o país concorreram ao prêmio e, neste ano, excepcionalmente, o comitê de julgamento decidiu agraciar dois destaques na gestão pública nacional: a secretária Renata Vilhena e o assessor especial da Secretaria de Gestão e Recursos Humanos do Estado do Espírito Santo, Manoel Carlos Rocha. A cerimônia de certificação terá início às 19h, no auditório da Cidade Acadêmica do Pitágoras, Rua Madalena Sofia, 25, no bairro Vila Paris, em Belo Horizonte.

O presidente do comitê de julgamento e vice-presidente do CFA, Marcos Lael, destacou a alta qualidade dos trabalhos realizados. “É uma satisfação enorme presidir uma comissão que resgata o legado de Guerreiro Ramos. É impressionante a qualidade do material que recebemos. São estudos aprofundados, consistentes e de conteúdos respeitáveis”, destacou.

Premiação

Criado em 2010 pelo Conselho Federal de Administração, o prêmio faz homenagem a Alberto Guerreiro Ramos, professor que teve grande relevância política e acadêmica no Brasil e no mundo. Os trabalhos foram inscritos por meio de cada conselho regional do Estado de origem e os candidatos podem escolher a categoria em que disputarão o prêmio.

Formada em 1985, em Estatística pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Renata Vilhena especializou-se em Administração Pública pela Fundação João Pinheiro (FJP), em 1991. No Governo de Minas, Renata Vilhena participou da concepção e da implementação do “Choque de Gestão” no Estado, compreendido por medidas de reorganização e modernização administrativa, visando à redução de despesas, o aumento dos recursos para investimentos e a melhoria dos processos de gestão. Além disso, atuou na instituição de medidas voltadas ao aumento de produtividade do setor público, especialmente através da definição de critérios meritocráticos para avaliação e recompensa aos servidores.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/renata-vilhena-recebera-premio-nacional-de-gestao-publica-nesta-sexta-feira/

Governo de Minas: Fundação João Pinheiro lança primeiros volumes da série “Boletim PAD”

Publicações abordam indicadores de despesas domiciliares em Minas Gerais, segundo dados da Pesquisa por Amostra de Domicílios 2009

O Centro de Estatística e Informações (CEI) da Fundação João Pinheiro (FJP) lançou nesta terça-feira (20) os dois primeiros volumes da Série “Boletim PAD”, uma linha de publicações focada nos resultados da Pesquisa por Amostra de Domicílios de Minas Gerais (PAD-MG).

Os volumes I e II da série abordam indicadores de despesas domiciliares, segundo dados da primeira edição da pesquisa, realizada em 2009. A análise das informações contidas em ambas as publicações permite não só o conhecimento dos padrões de consumo da população mineira, como também a avaliação do nível de alcance e ramificação de políticas públicas e serviços implementados pelo Estado.

A Pesquisa por Amostra de Domicílios é desenvolvida pela fundação em parceria com o Escritório de Prioridades Estratégicas do Governo de Minas e com apoio do Banco Mundial e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig). Realizado a cada dois anos, o estudo tem como objetivo conhecer em profundidade as características socioeconômicas, demográficas e culturais da população mineira.

“Este estudo é de fundamental importância para Minas Gerais, pois disponibiliza para a sociedade, instituições, governo e imprensa uma base de dados de alta qualidade, que pode subsidiar diversas outras pesquisas e estudos”, observou a presidente da Fundação João Pinheiro, Marilena Chaves.

Padrões de consumo

As publicações “Boletim PAD 2009 – Indicadores de Despesas Domiciliares”, partes I e II, descrevem os padrões de despesas relativos à habitação, educação, saúde e gastos coletivos do domicílio, como vestuário, artigos de higiene pessoal e limpeza da casa, recreação, cultura, alimentação, bebidas dentro e fora do domicílio, transporte, comunicação e imposto de renda.

“A PAD é uma pesquisa inédita, tanto em Minas Gerais quanto em outros estados do Brasil. A vantagem sobre outras pesquisas, como a do IBGE e a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), ambas realizadas pelo governo federal, é que a PAD possibilita a inclusão de novas informações e trabalha com dados regionais, sendo a única que analisa as sub-regiões”, explicou o diretor do Centro de Estatística e Informações da Fundação João Pinheiro, Frederico Poley.

“Além de mostrar os padrões regionais, esta pesquisa aponta como uma sociedade se organiza, quais são suas preferências e particularidades, pois seu nível de desagregação de dados é mais amplo”, completou a pesquisadora do Centro de Estatística e Informações, Karina Rabelo.

Principais resultados

Educação – Os domicílios mineiros têm um gasto médio mensal per capita com educação de R$ 67,28. Desse total, R$ 41,28 são destinados a mensalidade escolar, o que corresponde a 61,36% dos investimentos totais em educação. Na sequência, estão o custeio de transporte (R$ 8,11), merenda (R$ 4,94) e material escolar (R$ 4,46).

A Região Metropolitana de Belo Horizonte (R$ 85,13), a Zona da Mata (R$ 78,36), e o Triângulo Mineiro (R$ 70,35) são as regiões que apresentam maiores despesas com educação. As regiões Norte (R$ 33,14), Central (R$ 45,81) e Centro-Oeste (R$ 50,30) são as que registram os menores gastos com educação.

De acordo com a pesquisa, à medida que ocorrem acréscimos em anos de estudo na escolaridade dos chefes de família, há crescimento gradativo nas despesas com educação em Minas Gerais.

Saúde  – Em média, os domicílios mineiros gastam mais em saúde do que em educação. Do total de R$ 96,74 em despesas com saúde, mais da metade corresponde ao pagamento de plano ou seguro saúde (R$ 53,10), representando 54,89% das despesas neste segmento.

No Estado, domicílios chefiados por mulheres apresentam gastos com saúde superiores àqueles chefiados por homens: R$ 107,21 contra R$ 90,27, respectivamente.

Habitação e Gastos Diversos no Domicílio – Como ocorre com todas as despesas analisadas, em geral, gastos com habitação têm relação com a renda média mensal do domicílio: quanto maior o nível de renda, mais elevadas as despesas. No entanto, foram observados domicílios chefiados por mulheres que possuem menores níveis de renda e, mesmo assim, têm mais despesas com habitação (R$ 199,36) do que aqueles chefiados por homens (R$ 168,99).

A RMBH é a região que possui maior despesa per capita com habitação e gastos diversos no domicílio (R$ 244,51), representando um gasto 36,15% maior quando comparado com o total de Minas Gerais. A região Norte, por sua vez, apresenta resultado de despesa inferior a 41,67%, em relação ao total do Estado.

Alimentação – O total de gastos em alimentos e bebidas foi de R$ 57,87, menor que o valor gasto em educação (R$ 67,28) e saúde (R$ 96,74). Laticínios e panificados representam a maior parte dessas despesas (22,23%), seguidos por grãos, cereais, farinha, leguminosas e oleaginosas (15%). O consumo de carnes, aves, peixes e ovos também é parte significativa da despesa, representando 13,39% do total.

PAD 2011

Atualmente em sua segunda edição, os primeiros resultados da PAD 2011 serão apresentados em abril de 2012. A pesquisa obteve informações de cerca de 18 mil domicílios distribuídos por todo o Estado, em 1.200 setores censitários de áreas urbanas e rurais, incluindo a capital e Região Metropolitana de Belo Horizonte.

A PAD-MG fornece os elementos necessários para o desenho das características da população, suas ações e posições no sistema de estratificação social e no mercado, e seus resultados são utilizados para originar novos estudos sobre temas específicos e subsidiar a elaboração, acompanhamento e avaliação de políticas públicas em Minas Gerais.

 

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/fundacao-joao-pinheiro-lanca-primeiros-volumes-da-serie-boletim-pad/