Arquivos do Blog

Gestão em Minas: últimos dias da exposição coletiva de Nelson Cruz e Janice Rosa em Ouro Preto

 

Obras estão expostas na galeria de arte Nello Nuno da Faop

Douglas Aparecido / Faop

As obras “Reminiscência – Reflexões sobre objetos de memória” e “Composição com Glauber Rocha e outros retratos”, de Janice Rosa e Nelson Cruz, estão expostas na Galeria de Arte Nello Nuno até sábado (30), em Ouro Preto. Os artistas são amigos de longa data e decidiram se unir para montar a exposição coletiva que contrapõe o colorido dos trabalhos de Nelson com o preto e branco dos desenhos de Janice, criando um diálogo único e interessante entre as peças.

A “Composição com Glauber Rocha e outros retratos” conta com dez aquarelas sobre papel Fabriano e sete pinturas de acrílica sobre materiais diversos. Já em “Reminiscência – Reflexões sobre objetos de memória”, Janice Rosa apresenta gravuras e desenhos sobre papel com reflexos das suas próprias vivências.

A Galeria de Arte Nello Nuno faz parte da Fundação de Arte de Ouro Preto (Faop) e funciona segunda a sexta-feira, das 12h às 18h, e aos sábados, das 9h às 14h, na rua Alvarenga, 694, bairro Cabeças, em Ouro Preto. A entrada é franca.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/ultimos-dias-da-exposicao-coletiva-de-nelson-cruz-e-janice-rosa-em-ouro-preto/

Anúncios

Governo de Minas: inscrições para curso técnico em Conservação e Restauro da Faop podem ser feitas até sexta-feira

Curso forma profissionais para o trabalho de identificação e restauração de acervos de importância histórica.

Divulgação / Faop
Faop forma profissionais especializados na recuperação de acervos históricos
Faop forma profissionais especializados na recuperação de acervos históricos

As inscrições para o processo seletivo do curso técnico em Conservação e Restauro da Escola de Arte Rodrigo Melo Franco de Andrade da Fundação de Arte de Ouro Preto (Faop) podem ser feitas até esta sexta-feira (15) no site da fundação. No total, são oferecidas 40 vagas distribuídas entre os turnos manhã e tarde.

O curso capacita profissionais para analisarem, diagnosticarem e intervirem adequadamente em acervos de papel, escultura policromada e pintura de cavalete. A grade curricular do curso é distribuída em quatro módulos semestrais, com carga horária total de 1552 horas, incluindo o estágio curricular. Os interessados devem ter concluído ou estarem cursando o Ensino Médio (a partir do 2º ano).

O processo seletivo abrange provas objetivas de interpretação de textos em Língua Portuguesa e de Química (dez questões cada) e prova discursiva de Língua Portuguesa (uma questão). Os exames ocorrerão no dia 23 de junho. As aulas têm início em agosto.

O valor da inscrição é R$75,00, e a mensalidade do primeiro módulo é R$300,00. O edital completo do processo seletivo está disponível no site da Faop. Mais informações podem ser obtidas no Núcleo de Conservação e Restauração pelo telefone (31) 3552-2480.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/inscricoes-para-curso-tecnico-em-conservacao-e-restauro-da-faop-podem-ser-feitas-ate-sexta-feira/

Governo de Minas: artistas de Ouro Preto levam tradição dos tapetes devocionais para a França

Arte-educadores da Fundação de Arte de Ouro Preto são os únicos da América Latina a participarem do Mine d’Art en Sentier 20

Joyce Miranda
Gabriela Rangel e César Teixeira na exposição do Centro de Arte Popular
Gabriela Rangel e César Teixeira na exposição do Centro de Arte Popular

A equipe da Fundação de Arte de Ouro Preto (Faop) viaja esta semana para a França a fim de participar do Mine d’Art en Sentier 2012. O evento, com a livre tradução de “Trilha de Arte de Minas”, é uma residência artística promovida na região francesa de Nord-Pas de Calais. Na programação, intervenções artísticas em land art ao ar livre por todo o Parque Natural Regional Scarpe-Escaut, disponível aos visitantes de 26 de maio a 2 de setembro. Land art é uma tendência da arte contemporânea que utiliza os materiais da natureza.

Os artistas ouro-pretanos César Teixeira e Gabriela Rangel foram convidados pela organização do evento para montarem os tapetes devocionais no Parque Natural Regional Scarpe-Escaut. Os custos de viagem dos artistas – os únicos artistas da América Latina a integrarem a iniciativa – serão pagos pelo governo de Nord-Pas de Calais.

A participação da Faop no evento francês também antecipa uma importante interação entre a Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais e a região francesa de Nord-Pas de Calais, que será concretizada com o termo de cooperação a ser assinado em Belo Horizonte, no dia 14 de julho. A parceria, cujo foco são as áreas de patrimônio, sítios culturais, museus, cultura digital, economia criativa, artes cênicas e música, prevê ações nas áreas de coprodução, formação e troca de experiências sobre tecnologia de gestão.

“O convite para integrar o Mine d’Art en Sentier é uma honra para a Faop, mostra a nossa força artística. É também uma grande oportunidade de estreitarmos laços e formarmos um intercâmbio cultural, possibilitando essa mobilidade de nossos artistas professores de arte com a região que tem muito em comum com Ouro Preto”, completa a presidente da Faop, Ana Pacheco, que também acompanhará os artistas durante a viagem à França.

Integração com a comunidade local

Onze artistas internacionais foram selecionados a partir de cem projetos de 18 países e vão expor seus trabalhos no espaço do parque. Já César Teixeira e Gabriela Rangel são artistas convidados com a proposta que irá abrir o Mine d’Art en Sentier, por meio da montagem de tapetes em uma área de aproximadamente 300 metros quadrados na entrada do Parque Natural Regional Scarpe-Escaut.

A montagem do tapete será coordenada por César Teixeira e Gabriela Rangel através de uma oficina destinada à comunidade local, com 40 vagas para adultos e jovens a partir de 14 anos. Dessa forma, o processo de criação colaborativo junto aos habitantes da região que participarão de uma oficina.

Gabriela Rangel e César Teixeira estão muito animados. César explica que será uma oportunidade única para que os arte-educadores possam realmente se  integrar com a população do local, já que o trabalho será feito em conjunto com os moradores em uma oficina colaborativa.

“Além de levarmos a arte dos tapetes devocionais para a França, também aprenderemos muito. Será uma rica troca de experiências que vamos trazer para o nosso trabalho no Brasil”, afirma Gabriela. A diretora também conta que será um desafio criar os tapetes, geralmente formados por serragem tingida e outros materiais como casca de arroz, em um espaço ao ar livre que ficará em exposição até setembro deste ano. “Já pesquisamos bastante os recursos que teremos disponíveis oriundos da própria região onde será o evento, como carvão, resíduos agrícolas e materiais recolhidos da natureza, utilizando a estrutura do próprio parque”, acrescenta.

Tapetes devocionais

Para os cristãos, o costume recorda a chegada de Jesus Cristo à Jerusalém. Em Ouro Preto, a tradição remete ao século XVIII, mais precisamente em 1733, com a reinauguração da matriz do Pilar, festividade que ficou conhecida como Triunfo Eucarístico, sendo aplicada também durante as Semanas Santas e outros eventos principalmente religiosos.

Os tapetes devocionais representam uma das mais significativas manifestações populares, e a Faop realiza um importante trabalho como incentivadora da continuidade dessa tradição cultural com o projeto Tapete+Arte. Todos os anos, a Fundação se une à comunidade ouro-pretana e aos turistas para a montagem dos tapetes, preparando as ruas para receberem a Procissão da Ressurreição na manhã e o domingo de Páscoa.

Além do apoio na confecção dos artefatos durante as celebrações da Semana Santa, a Fundação também faz intervenções artísticas com o tapete devocional participando de exposições em várias partes do país. Agora, a Faop ultrapassa novamente as fronteiras brasileiras, conforme fez em 2005 em Lisboa, e representa Minas Gerais no Mine d’Art en Sentier na França.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/artistas-de-ouro-preto-levam-tradicao-dos-tapetes-devocionais-para-a-franca/

Governo de Minas: mostra promovida pela Fundação de Arte de Ouro Preto mistura o popular e o chique

Exposição na Galeria de Arte Nello Nuno transforma grifes de luxo no popular quitute

Divulgação / Faop
Galeria de Arte Nello Nuno recebe a exposição Pamonha, Pamonha, Pamonha
Galeria de Arte Nello Nuno recebe a exposição Pamonha, Pamonha, Pamonha

Em maio, o “bom gosto” invade a Galeria de Arte Nello Nuno, da Fundação de Arte de Ouro Preto (Faop), com a exposição Pamonha Pamonha Pamonha. A mostra é uma provocação do artista de Lamounier Lucas que mistura o popular e o chique. Em uma oposição aos objetos de desejo elitistas, o artista criou peças que representam pamonhas com embalagens inspiradas em marcas luxuosas.

Imagine se no lugar da tradicional palha de milho envolvendo o quitute, encontrar marcas famosas de cosméticos, vestuário, joalheria, automóveis, e acessórios de viagem, como Christian Dior, Dolce & Gabana, Prada, Lancôme, Mercedes-Benz, Rolex e outras? Segundo Lamounier, a proposta é explorar o fascínio que o prestígio das marcas exerce sobre as pessoas, bem como questionar o apego a certos objetos simbólicos que definem o status social e se transformam em referências universais de consumo e pertencimento. Assim, o artista escolheu a pamonha, produto de baixo valor de mercado, mas de grande importância afetiva para muitas pessoas, como objeto-signo de contraponto, responsável por empreender uma crítica ao consumo da elite e ao fetichismo de tais mercadorias.

Lamounier é publicitário pela faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (Fafich) da UFMG, artista plástico pela Escola Guignard da UEMG e especialista em Docência do ensino Superior pelo Centro Universidade Newton Paiva. Mestre em Artes pela Escola de Belas Artes da UFMG, seu objeto de estudo foi intervenções artísticas urbanas.

A abertura da mostra será na próxima quinta-feira (03). Os trabalhos ficam disponíveis ao público até 26 de maio. A entrada é franca. A Galeria de Arte Nello Nuno funciona segunda a sexta-feira, das 12h às 18h, e aos sábados, das 9h às 14h, na rua Alvarenga, 694, bairro Cabeças.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/mostra-promovida-pela-fundacao-de-arte-de-ouro-preto-mistura-o-popular-e-o-chique/

Governo de Minas: Faop promove ação educativa para incentivar o olhar criativo do público

Iniciativa se baseia na exposição coletiva Looping e Paisagens Construídas

Divulgação/Faop
Looping exibe série composta de pinturas a óleo, em que Cris Xavier introduz dinamismo em suas paisagens
Looping exibe série composta de pinturas a óleo, em que Cris Xavier introduz dinamismo em suas paisagens

As obras de Cris Xavier e Elenir Tavares são um sucesso na Galeria de Arte Nello Nuno, da Fundação de Arte de Ouro Preto (Faop). Looping e Paisagens Construídas, respectivamente, intitulam os trabalhos das artistas mineiras que expõem pela primeira vez na cidade. A mostra pode ser visitada até o dia 28 de abril.

A exposição coletiva também é tema de ação educativa promovida pela instituição que se estende por todo o mês de abril. A iniciativa visa a apurar o olhar dos participantes para o processo criativo das obras, além de motivar a formação de público apreciador da arte. Assim, está sendo feito um trabalho em parceria com a Rede de Ensino Municipal, a Apae de Ouro Preto, a Secretaria Municipal de Assistência Social e o Centro de Assistência Psicossocial (Caps). A previsão é de que cerca de 200 pessoas sejam atendidas.

Para iniciar a ambientação com o tema, os visitantes assistem ao curta-metragem Tyger e ao vídeo Tapume+Arte (produzido pela Faop). Além de conhecerem um pouco da Fundação de Arte de Ouro Preto com um passeio pela Casa Bernardo Guimarães, sede da fundação, também visitam a exposição da Galeria de Arte Nello Nuno e fazem trabalhos com base nas obras das artistas Cris Xavier e Elenir Tavares. A ideia fazer os participantes montarem as suas paisagens, incentivando o olhar criativo com colagens, cores e imagens. O desafio é observar a simplificação das formas através das cores e a liberdade de criação e construção na busca de sentido.

Looping e Paisagens Construídas

Trabalhando um misto de fotografias e pinturas acrílicas, Elenir Tavares faz uma analogia poética entre paisagens e intervenções humanas. Segundo a artista, Paisagens construídas surge de “um desejo utópico de idealização de uma geografia perfeita, ainda que termine por revelar arquiteturas inacabadas no tempo e desvinculadas da realidade”.

Já Looping exibe série composta de pinturas a óleo, em que Cris Xavier introduz dinamismo em suas paisagens e foca os desdobramentos do olhar contemplativo. A artista explica que “o envolvimento com o/do meio circundante é articulado através da lógica de instalação dos trabalhos, com a intenção de provocar relações que ultrapassam os limites da linguagem pictórica”.

A Galeria de Arte Nello Nuno funciona segunda a sexta-feira, das 12h às 18h, e aos sábados, das 9h às 14h, na rua Alvarenga, 694, bairro Cabeças. A entrada é franca.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/faop-promove-acao-educativa-para-incentivar-o-olhar-criativo-do-publico/

Governo de Minas: Fundação de Arte de Ouro Preto restaura fazenda do século XVIII em Betim

Obra será realizada na sede da antiga Fazenda Ponte Nova

Douglas Aparecido
Equipe da Faop aplica oficinas sobre técnicas de construção e restauração
Equipe da Faop aplica oficinas sobre técnicas de construção e restauração

Seguindo a missão de valorizar a arte em todas as suas dimensões e incentivar a preservação do patrimônio cultural, a Fundação de Arte de Ouro Preto (Faop) mais uma vez expande os horizontes de suas ações. Trata-se da obra de restauração da sede da antiga Fazenda Ponte Nova, localizada no Núcleo Histórico do Assentamento 2 de Julho do MST, no município de Betim. Nesta quarta-feira (11), às 16h, será realizada a solenidade que marcará o início do restauro na sede da fazenda, situada na MG-050, km 5.

A Faop foi contratada pela Prefeitura de Betim, por meio da Fundação Artístico-Cultural de Betim (Funarbe), para realizar a obra. Desde o ano passado, a equipe da Faop tem aplicado oficinas sobre técnicas tradicionais de construção, restauração e formas de preservação do patrimônio. A ideia é capacitar parte dos assentados para trabalhar na obra.

De acordo com o diretor de Promoção e Extensão Cultural, Celmar Ataídes Júnior, a capacitação oferece uma nova oportunidade de conhecimento, que poderá ser aplicado inclusive na construção das casas no próprio Assentamento 2 de Julho. A iniciativa também cria a conscientização sobre a importância de se preservar, após a restauração, do patrimônio da sede da Fazenda Ponte Nova, datada do século XVIII.

Para a presidente da Faop, Ana Pacheco, a parceria com Betim é positiva e mostra o intuito da fundação de ser uma multiplicadora de conhecimentos técnicos na área de preservação e da arte. Em Betim, a Faop também já restaurou a Capela Nossa Senhora do Rosário, símbolo do congado da cidade. “Assim como foi executada na capela, a restauração da antiga fazenda terá a participação ativa da comunidade, pois acreditamos que é fundamental o envolvimento dos moradores na preservação do patrimônio”, salientou o presidente da Funarbe, Rodrigo Cunha.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/fundacao-de-arte-de-ouro-preto-restaura-fazenda-do-seculo-xviii-em-betim/

Governo de Minas: Fundação de Arte de Ouro Preto transforma tapumes em obras de arte a céu aberto

A iniciativa transformou os tapumes que cercam o Terminal Rodoviário, área muito afetada pelos deslizamentos de terra causados pelas chuvas
Divulgação/Faop
Ex-alunos do ARO e do Comunidade + Arte escolhem e fazem os desenhos
Ex-alunos do ARO e do Comunidade + Arte escolhem e fazem os desenhos

Principal via de acesso ao Centro Histórico de Ouro Preto, na região Central do Estado, a rua Padre Rolim ficou mais bonita com as intervenções artísticas do projeto Tapume + Arte feitas pela Fundação de Arte de Ouro Preto (Faop), entidade ligada à Secretaria de Estado de Cultura (SEC). A iniciativa, que é uma parceria com a prefeitura da cidade, transformou ostapumes que cercam o Terminal Rodoviário, área muito afetada pelos deslizamentos de terra causados pelas chuvas do início deste ano.

No lugar do desastre, surgiu uma obra artística coletiva. Os tapumes viraram tela para a oficina de aderência com ex-alunos do ARO – Formação em Arte, Restauro e Ofícios – e do Comunidade + Arte. Com desenhos escolhidos pelos próprios participantes, os jovens, sob a orientação dos professores Dinho Bento e Thiago Alvim, deram um colorido especial à rua com a técnica grafite.

Como uma exposição a céu aberto, os professores acreditam que o trabalho vai interferir no cotidiano de moradores e turistas que transitam pela área. Para eles, o processo de criação coletivo realizado pela oficina colabora com a melhoria da autoestima dos participantes, que aprendem a cuidar e intervir no ambiente, sem agredi-lo.

Para a presidente da Faop, Ana Pacheco, as ações do Tapume + Arte são uma forma de mostrar que a arte pode surgir nos mais variados espaços. No caso específico da rodoviária, os tapumes alegram o local e também dão esperança para quem transita pela rua. A arte tomou lugar da tristeza que as chuvas de janeiro trouxeram para Ouro Preto. “É uma maneira de acolher melhor os turistas que chegam à cidade, pois essa é a principal via de acesso ao centro histórico”, completa Ana Pacheco.

Tapume + Arte

A ideia do Tapume + Arte é criar uma obra de arte coletiva, que mobilize alunos, professores e a comunidade onde a edificação está inserida. É um projeto de intervenção artística urbana, com o objetivo de transfigurar a função de proteção que o tapume exerce em uma obra, transformando-o também em um objeto de contemplação, uma obra artística voltada para o espaço público.

O projeto surgiu durante a restauração da Casa Bernardo Guimarães, sede administrativa da Faop, entre os anos de 2005 e 2006, visando instigar a comunidade de Ouro Preto a perceber que no local nasceria um importante centro cultural da cidade. Depois, a iniciativa se estendeu a outros pontos da cidade, como a antiga Santa Casa, e serviu de inspiração, inclusive, para intervenções e oficinas em outros municípios, como Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Em fevereiro deste ano, a iniciativa também decorou Ouro Preto para o Carnaval. Foram pintados os tapumes colocados para preservar o patrimônio e salvaguardar os foliões em outros dois locais da cidade: a Ponte dos Contos (Centro) e o Murinho dos Namorados (bairro Rosário).

Fonte: Agência Minas