Arquivos do Blog

Gestão Eficiente: Governador Antonio Anastasia inaugura ETE e visita fábrica de água mineral em Araxá

Cidade recebeu investimentos de R$ 82 milhões em sistema de coleta e tratamento de esgoto

Omar Freire/Imprensa MG
Araxá recebeu do Governo de Minas investimentos de R$ 82 milhões em sistema de tratamento de esgoto
Araxá recebeu do Governo de Minas investimentos de R$ 82 milhões em sistema de tratamento de esgoto

O governador Antonio Anastasia inaugurou, nesta segunda feira (25), em Araxá, no Alto Paranaíba, a Estação de Tratamento de Esgoto Central (ETE) e entregou a reforma da fábrica envasadora da Água Mineral Araxá. O Governo de Minas, por meio da Copasa, investiu R$ 30 milhões na construção da ETE, a maior e mais importante entre as quatro que fazem parte do investimento que dotou a cidade de um completo sistema de coleta e tratamento de esgoto.

A unidade faz parte de um programa que assegurou mais de R$ 82 milhões em obras que garantem mais qualidade de vida e saúde para a população de Araxá e proteção do meio ambiente.

“A ETE é fundamental. Araxá passa a ser uma cidade com 100% de seu esgoto tratado, o que significa mais saúde, mais qualidade de vida e saneamento pleno a uma cidade que é ambiental e ecológica”, disse o governador.

Antonio Anastasia ressaltou que a estação de tratamento de esgoto é um compromisso com o meio ambiente. “Com os efeitos da grande conferência da Rio+20, nós estamos aqui, em nosso Estado, cumprindo os compromissos de saneamento para devolver a qualidade dos rios e dos cursos d’água de Minas Gerais”, afirmou o governador.

Na cidade de Araxá foram implantados mais de 37 quilômetros de redes coletoras, interceptoras e emissários de esgoto, e construídas quatro estações de tratamento, que juntas têm capacidade para tratar todo o esgoto coletado.

A ETE Central tem capacidade para tratar mais de 21 milhões de litros de esgoto por dia e vai receber 90% do esgoto coletado na cidade. Além de conforto e saúde, os investimentos realizados pela Copasa em Araxá possibilitarão, em pouco tempo, a revitalização das águas dos córregos do Sal e Retiro, deixando o município em melhores condições para atrair novos investimentos, gerar mais emprego e desenvolvimento.

O presidente da Copasa, Ricardo Simões, destacou o trabalho realizado para o tratamento dos esgotos em Minas Gerais. “Até o início de 2003, tínhamos 25% dos esgotos coletados tratados. Hoje, temos 70%. Isso significa que o volume de esgoto tratado hoje em Minas Gerais é 300% maior do que o volume tratado até o início de 2003”, afirmou o presidente da Copasa.

Fábrica envasadora

Anova unidade de engarrafamento da água mineral Araxá pertence à Subsidiária Copasa Águas Minerais de Minas, criada pelo Governo de Minas para promover o desenvolvimento das estâncias hidrominerais do Estado, que atraem muitos turistas devido às propriedades terapêuticas de suas águas.

Com investimento de R$ 4 milhões, a unidade de engarrafamento foi reformada, com a instalação de equipamentos sofisticados e modernos, o que permite o relançamento da água mineral no mercado, atendendo a todas as determinações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“A água é sinônimo de vida, de qualidade de vida, ainda mais uma água de alta qualidade mineral como é a Água Araxá. Nós ficamos muito felizes de devolver a comercialização da Água Mineral Araxá, que levará o nome dessa cidade, dessa belíssima estância mineira, a todo o Brasil, trazendo mais turistas e levando também boa saúde daqui para os brasileiros. A marca é um cartão de visita para dar mais robustez ao turismo da cidade”, disse o governador Antonio Anastasia.

Com uma vazão média de seis mil litros por hora, a fonte Dona Beja, sem gás, em Araxá, apresenta a melhor água naturalmente fluoretada do Brasil. A água mineral tem características únicas, naturalmente leve e sofisticada, sendo perfeita para o consumo no dia a dia. Um produto que possui, em seus sais minerais, propriedades químicas naturais que possibilitam uma hidratação eficiente, além da desintoxicação do organismo.

A envasadora das Águas Minerais Araxá está reiniciando a operação com 12 empregados, devendo chegar a 21. Inicialmente, serão produzidas garrafas PET 510 mililitros e 1.500 ml. A produção será expandida para uma linha completa de garrafão à medida que as vendas forem alavancadas.

Faturamento

A envasadora foi fechada em junho de 2005, devido ao término do contrato de arrendamento com a Comig, antecessora da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig). Em junho de 2006, a Codemig assinou contrato de arrendamento dos direitos minerários, equipamentos e instalações de envasamento das águas minerais de Caxambu, Cambuquira, Lambari e Araxá com a Copasa.

A Copasa Águas Minerais de Minas vem realizando grandes investimentos nas estâncias hidrominerais com o objetivo de revitalizar as marcas das tradicionais águas minerais do Estado de forma sustentável. Até 2011, foram investidos R$ 29,2 milhões em reformas de instalações prediais, equipamentos e instalações industriais. Para este ano, mais R$ 4 milhões, totalizando R$ 33,2 milhões.

Além da Araxá, a subsidiária é responsável pela produção, distribuição e comercialização das águas minerais das fontes das cidades de Caxambu e Cambuquira, que já estão no mercado. Em breve, será relançada a água mineral Lambari, uma água energética por natureza, adequada para a prática de esportes radicais e para quem quer viver com mais saúde. Desde o início do processo de reativação, foram gerados 850 empregos diretos e indiretos.

As quatro fábricas têm capacidade para uma vazão 86,7 milhões de litros e um faturamento da ordem de R$ 144,7 milhões.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governador-antonio-anastasia-inaugura-ete-e-visita-fabrica-de-agua-mineral-em-araxa/

Anúncios

Governo de Minas: Copasa investe em melhorias em saúde e Meio Ambiente para a população de Araxá

Em breve, a cidade deverá ter 100% do esgoto tratado

Divulgação / Copasa
Araxá terá, em breve, 100% do esgoto tratado
Araxá terá, em breve, 100% do esgoto tratado

O Governo de Minas, por meio da Copasa, investiram cerca de R$ 82 milhões de reais em obras para a coleta e o tratamento de esgoto em Araxá, cidade do Alto Paranaíba. As intervenções garantem mais qualidade de vida para a população e também a redução de danos ao Meio Ambiente na bacia do Rio Paranaíba.

Os recursos foram usados na construção de quatro Estações de Tratamento de Esgotos (ETE) – Central, Barreirinho, Distrito Industrial e Boa Vista – e na construção de redes coletoras por todo o município.  Juntas, as estruturas são capazes de tratar 100% do esgoto produzido pelos 93 mil moradores da cidade.

Além de conforto e saúde para a população, o tratamento dos esgotos garantirá, em pouco tempo, a revitalização das águas dos córregos do Sal e Retiro, deixando Araxá e região em melhores condições para atrair novos investimentos e, consequemente, mais emprego e desenvolvimento.

Na cidade, os investimentos da Copasa, entre 2003 a 2012, foram da ordem de  R$ 110 milhões, sendo que do montante, aproximadamente R$ 10 milhões foram aplicados no sistema de abastecimento de água; R$ 18 milhões em programas ambientais e operacionais, e o restante, no sistema de esgotamento sanitário.

Além disto, na subsidiária da Copasa Águas Minerais de Minas, criada pelo Governo de Minas para promover o desenvolvimento das estâncias hidrominerais, foram investidos R$ 2,4 milhões na reforma da fábrica e na compra de novos equipamentos.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/copasa-investe-em-melhorias-em-saude-e-meio-ambiente-para-a-populacao-de-araxa/

Gestão Anastasia: governo investe R$ 300 milhões em saneamento básico nos Vales do Mucuri e Jequitinhonha

TEÓFILO OTONI (23/01/12) – A partir de abril deste ano o município de Teófilo Otoni, no Vale do Mucuri, passará a contar com uma das maiores obras de abastecimento de água e de saneamento básico que o Governo de Minas está implementando no Vale do Mucuri. Além de Teófilo Otoni, o projeto beneficiará cerca de 30 municípios da região. Os investimentos, da ordem de R$ 300 milhões, que estão sendo viabilizados por meio da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), compreendem a  construção, em Teófilo Otoni, de uma barragem de 32 metros de altura no leito do Rio Todos os Santos e a implantação de uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE).

As obras de construção da barragem e da ETE já estão em fase final e, já a partir do primeiro semestre deste ano, vão garantir a revitalização e despoluição do Rio Todos os Santos, principal fonte de abastecimento de água da população de Teófilo Otoni. Com capacidade para acumular 12 milhões de metros cúbicos de água, a barragem conta com investimentos de R$ 120 milhões. A implantação dos empreendimentos geraram 550 empregos diretos.

De acordo com os engenheiros da Copasa, José Lopes da Silva e Márcia Nogueira de Almeida, a barragem proporcionará grande ganho ambiental para a região de Teófilo Otoni, uma vez que, além de resolver o problema de abastecimento de água da população, viabilizará a recuperação de uma das mais importantes bacias hidrográficas do Vale do Mucuri.

As obras no entorno da barragem do Rio Todos os Santos já estão em fase de conclusão, com a instalação de equipamentos de controle, redes de eletrificação e calçamento de vias de acesso. Também está prevista a construção de uma adutora com 12 quilômetros de extensão, ligando a barragem à estação de tratamento de água da Copasa, sediada na área urbana de Teófilo Otoni.

Desenvolvimento regional

A previsão é de que esses investimentos do Governo de Minas vão garantir, nos próximos 50 anos, o abastecimento de água a uma população atualmente superior a 130 mil habitantes, além da regularização do Rio Todos os Santos, que seca em períodos de estiagem prolongada. Já nos períodos de chuva, a barragem contribuirá com a redução dos problemas de enchentes enfrentados pela população.

“Os investimentos que o Governo de Minas tem realizado na construção da barragem são fundamentais para a região, pois solucionarão um problema crônico de abastecimento que a população local enfrenta nos períodos de seca e que vinha se agravando nos últimos anos”, afirma o gerente do Departamento Operacional Nordeste da Copasa, Sérgio da Costa Ramos. “Além de resolver o problema de abastecimento de água pelas próximas cinco décadas, os investimentos se constituirão num fator indutor do desenvolvimento regional”.

Vila Esperança

Em janeiro do ano passado, o Governo de Minas inaugurou a Vila Esperança, conjunto habitacional construído para atender famílias que residiam na área onde está sendo construída a barragem. Localizada na região de Cabeceira de São Pedro, a vila é formada por 23 casas e recebeu investimentos de R$ 3 milhões do Estado. Além de novas casas, os moradores receberam ajuda de custo para subsidiar o primeiro plantio e o cultivo de lavouras de subsistência.

Testes de operação da ETE serão iniciados em fevereiro

Paralelo às obras de conclusão da barragem no leito do Rio Todos os Santos, a Copasa está investindo na ampliação das redes de coleta e tratamento de esgoto em Teófilo Otoni e em outras 30 cidades sediadas nos vales do Mucuri e São Mateus. Os investimentos são superiores a R$ 200 milhões e objetivam despoluir as bacias dos rios Todos os Santos e Jequitinhonha. A iniciativa contribuirá para a melhoria da saúde pública, envolvendo uma população estimada em 430 mil habitantes.

A Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) de Teófilo Otoni, cujas obras foram iniciadas há dois anos, já está em fase final de implantação. O empreendimento terá capacidade para tratar 240 litros de esgoto por segundo e inclui a implantação de 24 quilômetros de redes de interceptores. Os trabalhos de impermeabilização dos reatores já estão sendo executados e a previsão é de que ainda neste semestre a estação entre em funcionamento, após a realização de testes de funcionamento previstos para fevereiro.

Municípios beneficiados

Além de Teófilo Otoni, outros municípios do Vale do Mucuri estão sendo contemplados com a execução de obras de saneamento e abastecimento de água por parte do Governo de Minas. Nos municípios de Serro, Itaobim, Araçuaí e Carlos Chagas, as obras de implantação de estações de tratamento de esgoto já foram concluídas. Já nas cidades de Mata Verde, Divisópolis, Serra dos Aimorés, Diamantina, Capelinha, Turmalina, Minas Novas, Pedra Azul, Itamarandiba, Jequitinhonha, Joaíma, Santa Maria do Suaçuí, Medina e Nanuque, as obras estão em andamento, algumas delas já em fase de conclusão.

Entre os investimentos viabilizados pelo Governo de Minas, a Copasa iniciará brevemente as obras de ampliação do sistema de abastecimento de água do município de Itamarandiba, totalizando R$ 9 milhões. Por outro lado, em 12 cidades de menor porte do Vale do Mucuri, o Governo do Estado investirá R$ 3 milhões neste ano, na ampliação da produção de água, visando resolver problemas enfrentados pela população em períodos de seca prolongada.

Barragem viabiliza criação de nova reserva de Mata Atlântica

Além de resolver o problema de abastecimento de água de Teófilo Otoni e de reduzir os problemas causados por enchentes em períodos de chuva, a construção da barragem no leito do Rio Todos os Santos proporcionará considerável ganho ambiental ao Vale do Mucuri, com a criação de uma nova reserva florestal. A área será constituída em 998 hectares e a região do semiárido passará a contar com uma importante reserva de Mata Atlântica.

Os engenheiros José Lopes da Silva e Márcia Nogueira de Almeida explicam que, apesar da formação do lago da barragem ocupar apenas 128 hectares, o Governo de Minas adquiriu uma área de quase mil hectares, que proporcionará a criação de uma importante reserva de Mata Atlântica no entorno da barragem. “A iniciativa trará consideráveis ganhos para a preservação da flora e da fauna”, prevêem os engenheiros.

Ganhos ambientais

Os técnicos da Copasa destacam ainda que outro importante ganho ambiental para o Vale do Mucuri foi o fato de que a construção da barragem exigiu o desmatamento de apenas 14 hectares, visto que a maior parte da área a ser inundada era composta por pastagens e brejo. Mesmo com o desmatamento de uma área considerada pequena, os engenheiros lembram que a Copasa realizou trabalho de resgate da fauna e da flora que, com a criação da área de proteção ambiental, terá condições de se desenvolver e ter suas características preservadas.

A área de proteção ambiental não será aberta à população. Só poderá ser utilizada para a realização de pesquisas, mesmo assim, depois das propostas serem analisadas por parte da equipe técnica da Copasa.

Fonte: Agência Minas