Arquivos do Blog

Gestão da Saúde: SES promove pesquisa para mapear a saúde bucal da população do Estado

Exames clínicos e questionários vão permitir a caracterização do nível de utilização de serviços odontológicos e dos riscos à Saúde Bucal dos mineiros

links relacionados
Pedro Cisalpino
SB Minas Gerais mapeia a condição da saúde bucal da população mineira
SB Minas Gerais mapeia a condição da saúde bucal da população mineira

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) está realizando uma pesquisa que tem como objetivo mapear as condições de saúde bucal da população mineira, o SB Minas Gerais. Por meio do projeto, a SES-MG pretende identificar os problemas bucais mais frequentes na população, a fim de diagnosticar as necessidades e, formular ações que contemplem prevenção, tratamentos e reabilitação adequados à realidade das comunidades.

Desde o final de abril, moradores de 60 municípios mineiros estão participando do inquérito epidemiológico. Em cada município serão feitos cerca de 100 exames, totalizando, aproximadamente, seis mil exames no Estado. De acordo com a diretora de Saúde Bucal da SES-MG, Daniele Lopes Leal, a pesquisa vai fortalecer a Política de Saúde Bucal, que vem sendo delineada no estado.

“O SB Minas Gerais vai trazer como resultado o diagnóstico epidemiológico de Saúde Bucal da população mineira, a partir do qual serão formuladas ações que contemplem esta população com o desenvolvimento de programas de âmbito estadual”, explica.

Durante a pesquisa, além dos índices tradicionais de medição dos agravos bucais, será aplicado, também, um questionário aos indivíduos examinados.  Dessa forma, serão analisadas as condições de problemas como cárie, doença periodontal, oclusopatias, fluorose (intoxicação pelo flúor e seus derivados), dentre ouras, no sentido de se verificar, além da prevalência, a extensão da gravidade das doenças bucais.

Segundo a diretora, Daniele Leal, a Política Nacional de Saúde Bucal determina a realização de estudos epidemiológicos desse porte como parte componente da Vigilância em Saúde. “A nossa proposta é realizar pesquisas desse tipo a cada 10 anos, com o intuito de avaliar as alterações no quadro epidemiológico da população”, afirma.

O projeto terá financiamento da SES-MG, através da Diretoria de Saúde Bucal, no valor de R$168 mil, sendo que cada município participante vai receber R$ 2.800,00 para pagamento de pessoal e ressarcimento de despesas de deslocamento, além de receber todo o material para realização dos exames.

“Os municípios investem disponibilizando os profissionais para a pesquisa. E o Ministério da Saúde é parceiro no processo, uma vez que toda a metodologia do projeto é do Ministério”, acrescenta a diretora de Saúde Bucal, Daniele Leal.

Participação dos municípios

Para que houvesse representatividade em todo o território do estado de Minas Gerais, os municípios participantes do projeto SB Minas Gerais foram sorteados, seguindo um processo de amostragem probalística.

Nesse processo, foram considerados os grupos etários e o fator de alocação dos municípios, definidos a partir da associação dos índices de necessidade em saúde e de porte econômico, que levam em conta variáveis epidemiológicas e socioeconômicas, além da capacidade do município financiar, com recursos próprios, os cuidados com a saúde dos cidadãos.

Para execução do projeto, os municípios participantes contam com um examinador, um anotador e um coordenador municipal, sendo que os exames são realizados por Cirurgiões Dentistas e os anotadores são profissionais de nível médio, geralmente técnico em Saúde Bucal (TSB) ou auxiliar em Saúde Bucal (ASB), das Secretarias Municipais de Saúde dos próprios municípios.

“As equipes de campo foram treinadas, em oficina com duração de 24 horas, onde foi possível discutir a operacionalização das etapas do trabalho e as atribuições de cada participante, a fim de assegurar um grau aceitável de uniformidade nos procedimentos”, esclarece a diretora de Saúde Bucal da SES-MG.

Metodologia de pesquisa

Durante a pesquisa, o cirurgião dentista vai percorrer a cidade e examinar, em domicílio, o morador que se interessar em participar voluntariamente do Projeto, sendo aptas a participar da pesquisa, pessoas com idades de 05 e 12 anos, 15 a19 anos, 35 a 44 anos e 65 a74 anos.

O voluntário deverá, também, responder um questionário, composto por perguntas subjetivas que vão ajudar na compreensão do processo saúde/doença bucal. “O questionário vai contribuir para a avaliação das condições socioeconômica e de utilização dos serviços, sendo fundamental para a estruturação da Rede Assistencial em Saúde Bucal”, afirma Daniele Leal.

O projeto segue a metodologia do SB Brasil 2010, do Ministério da Saúde, e conta com a colaboração da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG), que vai avaliar os resultados através do Conselho de Ética em Pesquisa. Outra instituição a avaliar o resultado da pesquisa será o Comitê de Ética em Pesquisa cadastrado junto à Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP).

Municípios Participantes

Guaxupé, Conselheiro Lafaiete, Capela Nova, Betim, Contagem, Itabirito, Sabará, Igarapé, Coronel Fabriciano, Pingo-D’água, Naque, Diamantina, Jenipapo de Minas, Serro, Divinópolis, Lagoa da Prata, Onça de Pitangui, Governador Valadares, Central de Minas, Peçanha, São José da Safira, João Monlevade, Virginópolis, Centralina, São Romão, Varzelândia, Juiz de Fora, Arantina, Cataguases, Simonésia, Pedra Bonita, Montes Claros, Janaúba, Monte Azul, Capitão Enéas, Padre Carvalho, Rio Pardo de Minas, Piumhi, Patos de Minas, João Pinheiro, Águas Vermelhas, Santa Maria do Salto, Santa Fé de Minas, Paula Cândido, Santa Rita do Sapucaí, Turvolândia, Piedade do Rio Grande, Sete Lagoas, Teófilo Otoni, Machacalis,Crisólita,Malacacheta, Ubá, Rosário da Limeira, Araxá, Perdizes, Uberlândia, Unaí, Boa Esperança e Varginha.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/ses-promove-pesquisa-para-mapear-a-saude-bucal-da-populacao-do-estado/

Governo de Minas: Efficientia substitui lâmpadas da Ceasa por LED

O projeto realizado pelo Programa de Eficiência Energética da Cemig irá proporcionar uma enorme economia de energia

A Efficientia, subsidiária integral da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) apresenta, juntamente com as Centrais de Abastecimento S/A (Ceasa Minas), nesta quinta-feira (10), o projeto de eficiência energética que visa a substituição de todo o sistema atual de iluminação da Ceasa por lâmpadas de tecnologia LED. O projeto está sendo realizado com recursos do Programa de Eficiência Energética (PEE) da Cemig.

A Cemig investiu, por meio da Efficientia, só em 2011,  R$ 35 milhões em projetos de eficiência energética, como na unidade da Usiminas em Ipatinga, no Vale do Aço, na Wilma Alimentos em Contagem, na Regiâo Metropolitana de Belo Horizonte e na troca das lâmpadas dos semáforos da capital mineira para tecnologia LED. A previsão é que os investimentos de 2012 até 2015 sejam de R$ 40 milhões por ano.

Atuando desde 2002 na prestação de serviços de desenvolvimento e viabilização técnica e financeira de projetos de eficiência energética para os clientes da Cemig, a Efficientia implementa projetos de cogeração de energia e de centrais de utilidades, oferece consultoria para otimizar a matriz energética de indústrias, dá treinamentos presenciais e a distância sobre gestão energética e ainda oferece consultoria para certificação na norma ISO 50001.

Os projetos de eficiência energética implementados pela Empresa, além da economia de energia efetiva, proporcionam a redução de potência no horário de ponta do sistema elétrico.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/efficientia-substitui-lampadas-da-ceasa-por-led/

Gestão Anastasia: mapeamento aponta melhora na qualidade das águas nas bacias hidrográficas de Minas

Amplo levantamento realizado pelo Igam revela aumentos significativos nos índices de despoluição

Janice Drumond/Ascom Sisema
Apresentação do Mapa aconteceu durante reunião Ordinária do Conselho Estadual de Recursos Hídricos
Apresentação do Mapa aconteceu durante reunião Ordinária do Conselho Estadual de Recursos Hídricos

O Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam) divulgou, nesta terça-feira (08), o Mapa de Qualidade das Águas 2011. O lançamento aconteceu durante a 76ª Reunião Ordinária do Conselho Estadual de Recursos Hídricos, no plenário do Conselho Estadual de Política Ambiental (Copam), em Belo Horizonte.

De acordo com o Mapa, houve melhora na qualidade das águas em bacias hidrográficas mineiras em 2011. As bacias do rio Grande e Paranaíba registraram 11% e 25% de ocorrências, respectivamente, de Índice de Qualidade das Águas (IQA) bom. No Rio São Francisco os bons resultados foram constatados nas sub-bacias do Paracatu, Urucuia e Verde Grande. Nelas, a análise revelou 47%, 43% e 8%, respectivamente de IQA bom, sendo que a do rio Urucuia passou de 28%, em 2010, para 43% em 2011.

O monitoramento das águas avalia a situação das bacias hidrográficas do Estado por meio de vários indicadores. Além do IQA, são avaliados a Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO), a Contaminação por Tóxicos (CT), o Índice de Estado Trófico (IET), a Densidade de Cianobactérias e os ensaios de Ecotoxidade.

O IQA é o indicador que avalia a contaminação dos corpos hídricos em decorrência de matéria orgânica e fecal, sólidos e nutrientes. De forma geral, em 2011 observou-se o aumento das ocorrências de IQA Médio nas bacias mineiras, passando de 55%, em 2010, para 61%, em 2011. Ao mesmo tempo, foi registrada a diminuição da ocorrência de IQA Ruim, de 22% para 21%. A ocorrência de resultados de IQA Muito Ruim se manteve constante, com taxa de apenas 1% de frequência, tanto em 2010 como em 2011.

“O monitoramento da qualidade das águas nos dá uma diretriz para que sejam definidas políticas públicas de melhoria da qualidade das águas nessas bacias”, disse a gerente de Monitoramento Hidrometeorológico do Igam, Wanderlene Ferreira Nacif.

Monitoramento da qualidade

O monitoramento da qualidade das águas é realizado pelo Programa Águas de Minas desde 1997. Em 2011, o Igam ampliou a sua rede de monitoramento passando a monitorar a totalidade de bacias hidrográficas. Também em 2011 houve um incremento nos pontos de coleta de águas superficiais, que passaram de 515 para 543. Desses, 429 se referem à rede básica, e 114 à rede dirigida, que é específica para cada tipo de pressão antrópica, como por exemplo, as atividades industriais, minerárias e de infraestrutura.

“O objetivo do monitoramento das águas é prover a sociedade com informações sobre a qualidade dos recursos hídricos de Minas. Tem como meta, ainda, traçar e apoiar tomadas de decisões e desenvolvimento de ações que resultem na melhoria da qualidade das águas no estado, bem como avaliar e quantificar o resultado das ações”, explica Jeane Carvalho, diretora de Pesquisa, Desenvolvimento e Monitoramento das Águas do Igam.

Ao longo do ano são realizadas quatro campanhas de amostragem: duas no período seco e duas no chuvoso, com análise de cerca de 50 parâmetros. As análises laboratoriais são realizadas pela Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais (Cetec). As águas subterrâneas contam com 78 pontos de monitoramento, onde são realizadas avaliações da qualidade das águas e identificação dos fatores hidrogeológicos, geológicos e antrópicos que interferem na qualidade das águas subterrâneas.

Avanços traçados

Em busca por índices cada vez melhores de qualidade das águas, o Governo de Minas, por meio do Igam, lançou em abril deste ano, o projeto de Revitalização das Bacias do Rio Piracicaba, Paraopeba, Pará e Mogi-Guaçu/Pardo que, ao longo da série histórica apresentam índices inferiores em ralação às demais bacias do Estado em alguns trechos de curso d’água. O trabalho prevê investimentos de cerca de R$ 430 milhões nessas bacias.

“Apesar do esforço do Governo em revitalizar os rios, essa iniciativa só será bem sucedida se contar com a participação de toda a sociedade, com os empresários, os prefeitos e a população em geral. O cuidado com as águas deve ser de toda comunidade já que todos, de uma maneira ou de outra, contribuem para a poluição. Ações como educação ambiental e mobilização social para capacitar e mobilizar gestores municipais, colegiados e conselhos municipais são de extrema importância”, afirma a diretora geral do Igam, Cleide Pedrosa.

Bacia do Velhas

O Rio das Velhas, importante bacia na qual grande parte está inserida na Região Metropolitana de Belo Horizonte, apresentou melhora na Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO), que é o parâmetro mais empregado para medir a poluição das águas. É ele quem determina a quantidade de oxigênio dissolvida na água e utilizada pelos microorganismos para oxidar a matéria orgânica presente no curso hídrico. “A diminuição da DBO e o aumento do oxigênio nos rios é um importante fator para a manutenção e reprodução da fauna aquática”, ressalta Cleide Pedrosa.

Este resultado está ligado ao Projeto Estratégico para Revitalização da Bacia do Rio das Velhas- Meta 2014. Lançado no último mês pelo Governo de Minas, o projeto dá continuidade às ações desenvolvidas pelo Meta 2010 e prevê investimentos da ordem de R$ 500 milhões na recuperação do rio até 2015. A iniciativa reúne Governo do Estado, a maioria das prefeituras que fazem parte da bacia do Velhas em seu trecho metropolitano, a sociedade civil organizada e a população em geral. O principal objetivo é elevar a qualidade das águas de “Classe III” para “Classe II”, que prevê a destinação ao abastecimento doméstico após tratamento convencional, às atividades de lazer, entre elas, nado e mergulho, à irrigação de hortaliças e a criação de peixes.

Entre as ações previstas no projeto estão obras para despoluição da Lagoa da Pampulha, com investimento de aproximadamente R$ 102 milhões na implantação de interceptores em Belo Horizonte e Contagem. Outras medidas importantes são a formação do subcomitê Cipó, que visa à preservação da Bacia Cipó-Paraúna; o início da operação da Unidade de Tratamento de Resíduos Bela Fama em Nova Lima, com a realização do tratamento dos resíduos gerados pela Estação de Tratamento de Águas Bela Fama; a capacitação de operadores de Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs) nos municípios envolvidos no Projeto e a ampliação da ETE Arrudas. Nessa obra serão investidos R$ 187 milhões, aumentando a capacidade de tratamento do esgoto coletado de 2.250 litros por segundo para 3.375 litros por segundo na ETE Arrudas. Com o aumento da capacidade, o percentual de esgoto coletado tratado passará de 88,43% para 91%.

Na busca de melhoria da qualidade das águas da bacia do Rio das Velhas, o Governo de Minas tem desenvolvido inúmeras ações. “Com o tratamento de esgoto podemos melhorar o Índice de Qualidade das Águas na bacia do Velhas. No entanto, isoladamente as ETEs não apresentam resultados rápidos com relação a esse indicador. Por isso, estão previstos no Projeto Estratégico para Revitalização da Bacia do Rio das Velhas, Meta 2014, investimentos para a recuperação de áreas degradadas contando com o acompanhamento da efetividade das ações do projeto com relação à melhoria da qualidade das águas, implantação da rede de biomonitoramento, mapeamento de usos do solo”, conclui a diretora-geral do Igam.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/mapeamento-aponta-melhora-na-qualidade-das-aguas-nas-bacias-hidrograficas-de-minas/

Governo de Minas: Agostinho Patrus Filho participa de abertura oficial do Brasil Sabor

Festival vai movimentar o turismo e a economia da capital e do interior

Divulgação / Setur
O secretário de Estado de Turismo de Minas Gerais, Agostinho Patrus Filho, e o presidente da Abrasel MG, Fernando Junior, durante abertura oficial do Brasil Sabor
O secretário de Estado de Turismo de Minas Gerais, Agostinho Patrus Filho, e o presidente da Abrasel MG, Fernando Junior, durante abertura oficial do Brasil Sabor

O secretário de Estado de Turismo de Minas Gerais, Agostinho Patrus Filho, participou, na noite desta quarta-feira (03), da abertura oficial do festival gastronômico Brasil Sabor. Com o tema “Quem tem boca vai a Roma”, a sétima edição do festival conta com a participação de mais de 80 estabelecimentos, em 19 cidades, abrangendo 12 Circuitos Turísticos Mineiros. Até o dia 3 de junho, os restaurantes participantes do Brasil Sabor têm o desafio de fazer pratos que homenageiam a Itália, abusando da criatividade.

Agostinho Patrus lembrou que Minas Gerais é um destino turístico reconhecido nacional e internacionalmente por sua culinária e parabenizou a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) pela realização do festival. “Além de incrementar o calendário de atividades dos municípios, eventos como este nos capacitam cada vez mais para receber com qualidade o exigente turista internacional que estará aqui nos próximos anos para eventos como a Copa das Confederações e a Copa do Mundo”, destacou.

O secretário ainda ressaltou a importância da imigração italiana no Estado. “O tema deste ano é uma homenagem que vem unir ainda mais brasileiros e italianos, que tem uma longa história juntos”. De acordo com a Câmara Italo Brasileira de Comércio, Indústria e Artesanato de Minas Gerais, já são mais 30 milhões de descendentes de italianos no Brasil. Em Minas, vivem 1,5 milhão deles, representando cerca de 7,5% da população do Estado. Em Belo Horizonte, 30% da população descende de italianos.

De acordo com o presidente da Abrasel MG, Fernando Junior, o objetivo do evento é valorizar, além da culinária regional, a miscigenação de raças que compõe o povo brasileiro. “Temos uma grande quantidade de imigrantes italianos no Brasil, e isso fez com que nossa culinária tenha fortes influências da ‘terra da bota’. O intercâmbio entre países sempre traz um ganho a mais para nossa gastronomia local”, afirmou.

Brasil Sabor

Com a participação de 83 restaurantes de Minas, o Brasil Sabor também pode ser uma boa opção para fazer turismo e conhecer a culinária local de algumas cidades. Além da capital, participam estabelecimentos de Alto Caparaó, Barbacena, Betim, Conselheiro Lafaiete, Contagem, Diamantina, Itaúna, Juiz de Fora, Monte Verde, Nova Lima, Ouro Preto, Sabará, São João del-Rei, Tiradentes, Florestal, Varginha, Lima Duarte, Brumadinho e Cachoeira do Campo.

Para orientar e facilitar a escolha dos restaurantes pelo público será distribuído um guia com a relação de todos os estabelecimentos. O roteiro traz os nomes e endereços dos restaurantes e uma breve descrição das iguarias. As casas também investiram em treinamento para os funcionários, que informarão ao visitante sobre o prato da casa selecionado para o evento.

Os pratos inscritos no festival serão comercializados a preços diferenciados. Em Minas, o valor médio é de R$48,50 com variação entre R$10 e R$87. A expectativa é de que sejam vendidos mais de 30 mil pratos, e que seja gerada uma movimentação financeira de cerca de R$ 1,5 milhão em Minas.

Confira a lista dos estabelecimentos participantes no site: www.brasilsabor.com.br 

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/agostinho-patrus-filho-participa-de-abertura-oficial-do-brasil-sabor/

Governo de Minas: Antonio Anastasia assegura destinação de recursos para ampliação do metrô de BH

Serão destinados R$ 3,16 bilhões para o transporte público, com contrapartida de R$ 1,15 bilhão do Governo de Minas e prefeituras

O governador Antonio Anastasia participou nesta terça-feira (24), em Brasília, do lançamento do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Mobilidade Grandes Cidades, do governo federal. Foram confirmados investimentos de R$ 3,16 bilhões na melhoria do transporte público na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH). Desse total, R$ 1,15 bilhão virá dos cofres do Governo de Minas e dos municípios contemplados, o que representa 36,4% do investimento anunciado.

Os recursos serão aplicados na implantação e revitalização de linhas do metrô de Belo Horizonte, na implantação de terminais metropolitanos em sete municípios da região e na complementação do Complexo da Lagoinha. “Esse é mais um passo importante para ampliação e modernização do metrô da nossa capital. É um resgate histórico com a Região Metropolitana de Belo Horizonte, que carece cada vez mais de um transporte coletivo eficiente e que atenda às demandas do cidadão. Essa parceria vai garantir um transporte coletivo de mais qualidade e o metrô tão sonhado pelos mineiros”, disse o governador, durante a solenidade, em Brasília.

A presidente Dilma exaltou o trabalho em conjunto com governadores e prefeitos, que vão colocar, segundo ela, “expressivas contrapartidas nos projetos”. “Com o PAC Mobilidade Grandes Cidades reaprendemos a atuar em parceria de forma extremamente republicana, nos relacionamos como líderes escolhidos pelo povo brasileiro para enfrentar os desafios. Quem sabe melhor a realidade local do que governadores e prefeitos? Os projetos foram apresentados por quem conhece a realidade local e por quem sabe apresentar projetos de qualidade. Isso resulta em melhoria para a população. Agradeço a parceria e o empenho dos governadores que vão colocar expressivas contrapartidas nos projetos”, disse a presidente.

Metrô

As obras no metrô de Belo Horizonte vão contar com recursos dos governos estadual, federal e municipal e também da iniciativa privada que, juntos, vão investir R$ 2,86 bilhões. Desses, R$ 1 bilhão será do Orçamento Geral da União, R$ 750 milhões financiados junto ao Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) e R$ 1,1 bilhão de contrapartida do Estado, município e iniciativa privada. As obras serão geridas pelo Governo de Minas.

Além de contemplar obras de expansão e modernização da Linha 1 (Eldorado-Vilarinho), o projeto prevê a implantação das linhas 2 (Calafate-Barreiro) e 3 (Lagoinha Savassi). Com as intervenções, a capacidade de atendimento do metrô passará dos atuais 200 mil passageiros/dia para 980 mil usuários/dia.

A empresa Trem Metropolitano de Belo Horizonte (Metrominas), vinculada à Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop), divulgou em março passado os avisos de licitação para a contratação de serviços de topografia e sondagem, necessários ao desenvolvimento dos projetos de engenharia que vão atender à modernização e ampliação da Linha 1, implantação das Linhas 2 e 3 e estudo de topografia da Estação Eldorado, em Contagem, até Betim.

Os serviços de topografia e sondagem previstos no edital, estimados em R$ 8,5 milhões, vão empregar recursos do Governo do Estado e da Prefeitura de Belo Horizonte, até que sejam liberados pela União os recursos previstos no PAC Mobilidade. A entrega da documentação, da proposta de preços e a abertura dos envelopes, que marca o início dos processos licitatórios, acontecerá no próximo mês.

Terminais metropolitanos

Os recursos do PAC também serão investidos na construção de terminais metropolitanos de integração de transporte em sete municípios da RMBH. O valor total das obras é estimado em R$ 164 milhões, sendo R$ 29 milhões de contrapartida estadual. Os terminais estarão localizados em regiões de alta concentração de demanda.

O Complexo da Lagoinha – que interliga o Centro e as regiões Leste e Oeste às avenidas Cristiano Machado, Antônio Carlos e Pedro II – também será contemplado com um corredor de ônibus, visando facilitar o trânsito na região. Os investimentos para a obra são estimados em R$ 131 milhões, sendo R$ 3 milhões de contrapartida da prefeitura.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/antonio-anastasia-assegura-destinacao-de-recursos-para-ampliacao-do-metro-de-bh/

Gestão Anastasia: Procurador de Justiça Rômulo Ferraz será o novo secretário de Defesa Social de Minas

Desde março de 2001, Rômulo Ferraz é procurador de Justiça do Estado

Marcelo Speziali
O procurador de Justiça, Rômulo de Carvalho Ferraz, toma posse como secretário de Estado de Defesa Social na próxima segunda-feira
O procurador de Justiça, Rômulo de Carvalho Ferraz, toma posse como secretário de Estado de Defesa Social na próxima segunda-feira

O governador Antonio Anastasia solicitou ao secretário de Defesa Social, deputado Lafayette Andrada, que retorne à Assembleia Legislativa de Minas Gerais, onde exercerá liderança. Para assumir o cargo de secretário de Estado de Defesa Social, o governador Anastasia convidou o procurador de Justiça Rômulo de Carvalho Ferraz.

Rômulo Ferraz tem 51 anos e é natural de Belo Horizonte. Graduado em Direito pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), foi promotor de Justiça nas comarcas de Mesquita, Congonhas, Contagem e Belo Horizonte

Desde março de 2001 ele é procurador de Justiça do Estado, tendo atuado nas áreas de Defesa do Patrimônio Público, Combate à Sonegação Fiscal e de Defesa dos Portadores de Necessidades Especiais. Foi também promotor Eleitoral em Belo Horizonte.

Rômulo Ferraz integrou o Conselho Superior e a Câmara de Procuradores de Justiça do Ministério Público de Minas Gerais, além de ter sido secretário do Conselho Nacional dos Procuradores-Gerais de Justiça. No biênio 2010/2011, ocupou a presidência da Associação Mineira do Ministério Público.

A posse do novo secretário de Defesa Social, Rômulo Ferraz, será na próxima segunda-feira (19), às 15h.

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas: Polícia Civil realiza 1º Seminário de Segurança Pública em Contagem

O objetivo do seminário foi discutir as atividades policiais e ressaltar a qualidade do serviço de segurança

Rosy Ribeiro
O 1º Seminário sobre Segurança Pública aconteceu em Belo Horizonte
O 1º Seminário sobre Segurança Pública aconteceu em Belo Horizonte

A Polícia Civil de Minas Gerais realizou nesta terça-feira (13), por meio do 2º Departamento de Polícia, o 1º Seminário sobre Segurança Pública. O evento aconteceu no Auditório Nobre da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Contagem. O objetivo do seminário foi discutir as atividades policiais e ressaltar a qualidade do serviço. O professor, jurista e procurador da Justiça de Minas Gerais, Rogério Greco, ministrou a palestra “Atividade Policial: Aspectos penais e processos penais, administrativos e constitucionais”.

Durante a exposição do tema, Rogério frisou como é difícil o trabalho policial. “Ser policial não é para qualquer um. Policiais são pessoas diferenciadas que têm amor pelo que fazem e que doam suas vidas em prol da sociedade”.

O chefe do 2º Departamento, Jeferson Botelho, ressaltou que a iniciativa de promover o Seminário foi em consideração à resolução 7.196 de 2009 sobre a estrutura da Polícia Civil, que atribui aos departamentos a promoção dos direitos humanos e a capacitação continuada de seus servidores. “O seminário é uma ação para o aprimoramento dos policiais civis, assim como para os profissionais da área que estão na busca pela qualidade do serviço”, disse.

Cerca de 350 pessoas participaram do evento, entre elas o chefe Adjunto da Polícia Civil, Jésus Trindade Barreto Júnior; o chefe do 2º Departamento, Jeferson Botelho Pereira; o promotor de Justiça, Fernando Augusto Cipolini Lelo; a delegada da 2ª Delegacia de Contagem, Renata Lima; o superintendente Regional da Polícia Rodoviária, David Stanley Bomfim Dias; o subsecretário de Promoção da Qualidade e Integração da Secretaria de Defesa Social (Seds), Frederico César do Carmo, entre outros.

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas: Ipem/MG inicia verificação dos taxímetros dos veículos com placa final 1 e 2

O atendimento para esses veículos com placa final 1 e 2 vai até o dia 16 de março

Começa na próxima segunda-feira (12) a aferição dos taxímetros instalados nos veículos com placas de final 1 e 2, licenciados em Belo Horizonte e outros dezesseis municípios da Região Metropolitana: Ibirité, Ribeirão das Neves, Sarzedo, Contagem, Betim, Santa Luzia, Vespasiano, Caeté, Nova Lima, Juatuba, Sabará, Taquaraçu de Minas, Lagoa Santa, Confins, Raposos e Jaboticatubas. O trabalho será realizado pelos agentes fiscais da regional Belo Horizonte do Instituto de Metrologia e Qualidade do Estado de Minas Gerais (Ipem/MG). Para esses veículos – com placa final 1 e 2 – o atendimento vai até o dia 16 de março.

Nessa semana, foi realizado o atendimento prioritário para condutores acima dos 60 anos – conforme a Lei Federal 10.048/2000. O diretor-geral do instituto, Ivan Alves Soares, lembra que a fiscalização é anual e obrigatória e tem como objetivo verificar as condições gerais dos veículos, além de efetuar a mudança de tarifa nos taxímetros.

A partir do dia 12, o taxista ou permissionário deve comparecer à regional BH (rua Jacuí, 3921 – bairro Ipiranga), de 8h30 às 17h (sem intervalo para almoço), para realização do serviço. O cronograma de verificação é o seguinte: entre os dias 5 e 9 de março foi realizado atendimento exclusivo para os permissionários acima de 60 anos de idade. Na semana de 12 a 16 de março, serão atendidos os veículos com placa final 1 e 2. Entre os dias 19 e 23 de março, veículos de placa final 3 e 4. Semana de 26 a 30 de março, veículos com placa final 5 e 6. Entre os dias 2 a 5 de abril, placa final 7 e 8 e entre os dias 9 e 13 de abril, veículos com placa final 9 e 0.

O gerente da regional BH, Anderson Rogério da Rocha, lembra que todos os permissionários detentores de placas nesses municípios devem comparecer, dentro do cronograma previsto. É exigida a seguinte documentação para a verificação: último certificado de verificação do taxímetro; documento de identidade e documento do veículo (CRLV).

O gerente informou ainda que o procedimento é bastante simples e obedece à seguinte ordem: após comparecer à regional, onde é realizada uma vistoria do veículo, o taxista recebe a GRU anual e obrigatória (no valor de R$ 37,50) e a GVT (Guia de Verificação Taximétrica). Em seguida, deve comparecer a uma das oficinas credenciadas pelo Ipem – próximas à rua Jacuí – para realizar a mudança de tarifa no taxímetro.

Última etapa

A última etapa consiste no teste de pista, realizado na avenida Bernardo Guimarães, bairro Santa Cruz, próximo à regional. No teste de pista, onde são realizados os ensaios metrológicos, é verificado se o valor cobrado pelo taxímetro corresponde exatamente à distância percorrida. Após o teste na via, caso seja aprovado, o taxista ou permissionário retorna à regional e recebe o certificado de verificação 2012.

O não comparecimento sujeita o proprietário do veículo às penalidades dos artigos 8º e 9º da Lei 9933/99 e, no que couber, à Lei 5966/73, com as recomendações do item 37 da resolução 11/88 Conmetro. Podem ser aplicadas advertência ou multa. A taxa de verificação é de R$ 37,50 e o taxista que não puder comparecer deve apresentar justificativa protocolada junto à regional do IPEM em Belo Horizonte, anexando prova do impedimento alegado.

Serviço:

Verificação dos taxímetros dos veículos de Belo Horizonte e 16 municípios da Região Metropolitana

Valor: R$ 37,50 (GRU – Guia de Recolhimento da União)

Local: Regional Belo Horizonte – rua Jacuí, 3921 – Bairro Ipiranga – tel: (31) 3429-2511

Fonte: Agência Minas

TÁXIS CONVENCIONAIS

Período

Placas de final

12 a16/03

1 e 2

19 a23/03

3 e 4

26 a30/03

5 e 6

02 a05/04

7 e 8

09 a13/04

9 e 0

Gestão Anastasia: governo de Minas viabiliza terreno para implantação da CNH em Montes Claros

Governador em exercício baixa Decreto de Utilidade Pública para desapropriação de terreno onde será implantada a fábrica de máquinas para construção

O governador em exercício Alberto Pinto Coelho baixou decreto declarando de utilidade pública, para efeitos de desapropriação, área de aproximadamente 272 hectares, no município de Montes Claros, no Norte de Minas. O terreno será utilizado para a implantação de distrito industrial que abrigará empreendimentos como o da Case New Holland (CNH), que formalizou, nessa segunda-feira (5), em Turim, protocolo de intenções para construir na cidade mineira uma fábrica de máquinas para construção.

Alberto Pinto Coelho destacou a importância do empreendimento, não só para o Norte, mas para toda Minas Gerais. Segundo ele, o trabalho desenvolvido pelo Governo do Estado tem como objetivo a geração de empregos de qualidade, descentralizar os processos produtivos e, assim, reduzir as desigualdades regionais.

“A distribuição dos investimentos, pelas diversas regiões, melhorará as condições de vida em todo o Estado, pois, reduzirá as pressões por serviços sobre as regiões mais desenvolvidas. Uma Minas mais igual é o sonho que estamos perseguindo e, degrau a degrau, vamos construindo”, afirmou.

Fábrica atrairá fornecedores de peças e componentes

O protocolo de intenções, assinado na última segunda-feira (5) em Turim, pelo governador Antonio Anastasia com o Grupo Fiat,  faz parte da política do Governo do Estado para levar mais desenvolvimento e progresso ao Norte de Minas e aos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, regiões conhecidas como Grande Norte.

A CNH vai investir R$ 600 milhões em Montes Claros, entre 2012 e 2014, quando a unidade deverá entrar em operação, gerando cerca de 2,7 mil empregos, sendo 700 diretos e dois mil indiretos.

Além da fábrica, a CNH espera reunir em Montes Claros um polo de fornecedores de peças e componentes, ocupando uma área total que deverá atingir 2 milhões de metros quadrados.

A planta de Montes Claros será a segunda da CNH no Estado. Instalada em Contagem, a fábrica foi a primeira do Grupo Fiat no Brasil e produz, desde 1970, máquinas de construção. A unidade tem mais de 1.100 funcionários e fabrica equipamentos para a Case Construction e para a New Holland Construction. A empresa também mantém um campo de provas em Sarzedo, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Fonte: Agência Minas

Governador Anastasia encontra-se com presidente mundial da Fiat e formaliza nova fábrica em Minas

Na Itália, o governador assinou acordo para a instalação de nova fábrica da Case New Holland, em Montes Claros. Empreendimento de R$ 600 mi irá gerar 2,7 mil empregos na região
Soraya Ursine/Imprensa MG
Antonio Anastasia, o presidente da Fiat Mundial, John Elkann, e o CEO da Fiat, Sergio Marchionne
Antonio Anastasia, o presidente da Fiat Mundial, John Elkann, e o CEO da Fiat, Sergio Marchionne

O governador Antonio Anastasia e o CEO da Fiat, Sergio Marchionne, assinaram, nesta segunda-feira (5), em Turim, na Itália, protocolo de intenções formalizando a parceria entre o Governo de Minas e a Case New Holland (CNH), garantindo a implantação de nova unidade da fábrica de máquinas de construção em Montes Claros, no Norte de Minas. Serão investidos R$ 600 milhões, entre 2012 e 2014, quando a unidade deverá entrar em operação, gerando cerca de 2,7 mil empregos, sendo 700 diretos e dois mil indiretos. O governador anunciou a instalação da fábrica durante visita ao município mineiro, no dia 29 de fevereiro.

Também assinaram o protocolo o presidente da Fiat Mundial, John Elkamn; o presidente da Fiat Chrysler para América Latina, Cledorvino Belini; o presidente da Case New Holland (CNH), Valentino Rizzioli e os secretários de Estado Dorothéa Werneck (Desenvolvimento Econômico) e Gil Pereira (Desenvolvimento dos Vales do Mucuri e Jequitinhonha e do Norte de Minas).

O governador expressou, durante pronunciamento, a importância da instalação da CNH em Montes Claros. “A Fiat está levando para o Norte de Minas o mesmo desenvolvimento que, há 35 anos, trouxe para o Estado e o país. Por isso, este investimento da CNH é muito importante. No Brasil, a Fiat é mineira”, disse.

Além da fábrica, a CNH espera reunir em Montes Claros um polo de fornecedores de peças e componentes, ocupando uma área total que deverá atingir 2 milhões de m². “A Fiat em Minas Gerais é nossa maior unidade. São 950 mil veículos produzidos ao ano em uma única planta. A CNH irá gerar novos empregos, mais desenvolvimento e terá um peso importante na economia local. O progresso de Minas Gerais e de sua gestão pública nos estimula a investir mais no Estado. Eu encorajo os empresários a investirem em Minas”, ressaltou Sergio Machionne.

A planta de Montes Claros será a segunda da CNH no Estado. Instalada em Contagem, a fábrica foi a primeira do Grupo Fiat no Brasil e produz, desde 1970, máquinas de construção. A unidade tem mais de 1.100 funcionários e fabrica equipamentos para a Case Construction e para a New Holland Construction. A empresa também mantém um campo de provas em Sarzedo, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Mais investimentos

O acordo faz parte da política do Governo do Estado para levar mais desenvolvimento e progresso ao Norte de Minas e aos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, regiões conhecidas como Grande Norte. A atração de novos investimentos, com a implantação de grandes empreendimentos no território mineiro, e a geração de empregos de qualidade são estratégias para reduzir as diferenças regionais no Estado.

“É reconhecido por todos que a indústria automobilística tem uma enorme capacidade de multiplicação, basta lembrar que, ao lado de uma fábrica, como é o caso da CNH, estarão instalados também os seus fornecedores, e isso significa mais investimentos e mais empregos. Esse novo investimento será uma mudança muito importante para o Norte de Minas”, explicou a secretária Dorothéa Werneck.

Segundo o Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais (Indi), o Grande Norte e o Vale do Rio Doce são as regiões onde mais cresceram os investimentos privados nos últimos anos. Em 2011, foram anunciados R$ 792,97 milhões em investimentos, com geração de 7.610 empregos diretos e 19.800 empregos indiretos em quatro projetos nas áreas de alimentação e agronegócio, confecção, calçados e mineração.

O secretário de Desenvolvimento dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri e do Norte de Minas, Gil Pereira, comemorou a formalização do acordo com a CNH. “Os investimentos da CNH significam o início da industrialização automobilística no Norte e isso vai agregar muito valor à nossa região. Já temos muitas universidades e um polo de biotecnologia. Montes Claros vai fazer parte, agora, do contexto não só de Minas Gerais e do Brasil, mas também do contexto mundial da indústria automobilística”, destacou.

Como partes deste processo de investimentos na região Norte, o Governo de Minas vem desenvolvendo ao longo dos últimos anos projetos nas áreas de infraestrutura, ambiental, econômica e, especialmente, na área social, para minimizar as desigualdades e melhorar os indicadores de desenvolvimento humano.

Para alcançar este desenvolvimento, o Governo de Minas coloca em prática ações produtivas que geram trabalho e renda, alinhadas a projetos de redução do analfabetismo, aumentando a escolaridade de jovens e adultos; de combate à pobreza rural, à fome e desnutrição; de redução dos impactos da seca; de fortalecimento da agricultura familiar e de aumento do PIB regional por meio do desenvolvimento da produção local, além de promover a participação efetiva da sociedade civil organizada nos projetos empreendidos.

Fonte: Agência Minas