Arquivos do Blog

Governo de Minas: nova ponte de Guidoval será entregue à população

Série de medidas do Governo do Estado auxilia municípios afetados pelas chuvas.

A nova ponte sobre o rio Xopotó, em Guidoval, na Zona da Mata, está concluída e será entregue à população esta semana, pelo governador Antonio Anastasia. Com recursos do Tesouro Estadual de R$ 19,8 milhões, o Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de Minas Gerais (DER/MG) realizou a construção da ponte e de um novo acesso com extensão de 1,8 km.

As obras foram determinadas pelo governador após as chuvas do início do ano destruir a antiga ponte da cidade. Na época, uma estrutura provisória foi instalada no local e, no dia 21 de janeiro, teve início o trabalho para uma solução definitiva. A construção foi finalizada dentro do prazo contratual.

A nova ponte tem 130 metros de extensão e liga as duas margens, sustentada por quatro conjuntos de pilares duplos. A pista de rolamento tem 11 metros de largura, incluindo duas passagens de pedestres e guarda corpo em concreto.

“Cumprimos a missão determinada pelo Governador Anastasia, realizando um trabalho importante para a população de Guidoval, ao construir uma nova ponte, de qualidade, capaz de resistir à força das águas e evitar o que aconteceu durante as chuvas de janeiro, quando a cidade ficou isolada. Estabelecemos uma comunicação rodoviária definitiva para a cidade de Guidoval”, destaca o secretário de Estado de Transportes e Obras Públicas, Carlos Melles.

Obras

Além da construção da ponte de Guidoval, o Governo de Minas adotou uma série de medidas de apoio à população e empresas atingidas pelas chuvas. Na última semana, foi inaugurado, em Ubá, mais um depósito avançado do Governo de Minas, estruturado pela Coordenadoria Estadual da Defesa Civil (Cedec). Construído no 21º Batalhão da Polícia Militar, o local receberá e armazenará materiais de ajuda humanitária adquiridos pela Cedec, que serão distribuídos aos municípios da região que forem prejudicados por desastres.

Antes, no local, havia um ponto de distribuição que, nos períodos chuvosos de 2010/2011 e 2011/2012, entregou quase 32 mil toneladas de alimentos, mais de dois mil colchões, dois mil cobertores, quatro mil telhas, além de kits de produtos de higiene pessoal e rolos de lonas, mas o armazenamento era realizado em um espaço menor e não totalmente estruturado para a função. O novo espaço, com 100 metros quadrados de área, atenderá a cerca de 90 municípios próximos a Ubá. A capacidade de armazenamento é de 1.500 cestas básicas, 500 colchões, 500 cobertores, 300 kits higiênicos, 300 kits de limpeza e dez bobinas de lona.

“A Cedec de Minas atua de forma descentralizada, através de regionais de Defesa Civil que coincidem com as regiões da Polícia Militar. Temos, hoje, 13 depósitos avançados, para atender prontamente às demandas, além de ficarem mais próximos das comunidades afetadas”, afirma o coronel Luis Carlos Dias Martins, coordenador da Defesa Civil do Estado.

Parcelamento de contas e isenção

Por meio da Copasa e da Cemig, o Governo de Minas concedeu prazos maiores e possibilidade de parcelamento das contas para populações e municípios afetados pelas chuvas. O prazo de pagamento do ICMS também foi prorrogado, beneficiando cerca de 25 mil micros e pequenas empresas, e foi proposta a isenção de IPVA  e da Taxa de Licenciamento do Veículo, do exercício de 2012, mediante a comprovação de perda total dos veículos nos municípios afetados.

Ainda visando auxiliar aos micros e pequenos empresários e cooperativas, foi criado o Programa Emergencial de Socorro a Empresas e Cooperativas com Empreendimentos Afetados por Chuvas Intensas (Fundese Solidário VI), com destinação de R$ 30 milhões por meio do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), para reparação de danos causados pelas chuvas. Também foi disponibilizada linha de crédito especial para produtores rurais que sofreram prejuízos.

O Governo de Minas antecipou, ainda, o repasse dos recursos do Piso Mineiro de Assistência Social para 92 municípios que decretaram situação de emergência. Desse total, 38 municípios receberam, entre abril e maio deste ano, o adiantamento de seis parcelas, totalizando R$ 1,17 milhão.

Movimento Minas Solidária

Por meio do Movimento Minas Solidária, do Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas) e da Cedec, 91 famílias de Guidoval afetadas pelas chuvas do início do ano também vão receber, no próximo dia 21 de junho, cheques no valor de um salário mínimo. Além disso, nesta semana, mais 98 famílias de Vespasiano e Brumadinho, na região Central, serão beneficiadas, assim com outras 261 de Além Paraíba e Guaraciaba, que já receberam os cheques.

Por definição do conselho gestor dos recursos, formado pelo Ministério Público Estadual, Servas e Cedec, podem receber o valor famílias atingidas pelas chuvas que estão registradas no Cadastro Único e tenham o NIS (Número de Inscrição Social).

Nos próximos dias, também serão entregues recursos para famílias cadastradas na Defesa Civil dos seguintes municípios: Dona Euzébia (29); Matipó (14); Paulistas (29); Presidente Bernardes (64); Santo Hipólito (22); e Senador Firmino (32). Os recursos, um total de R$ 772.586,04, foram arrecadados por meio de doações de cidadãos e empresas em duas contas bancárias. Além disso, no período de chuvas o Movimento distribuiu 538 toneladas de donativos a 76 municípios.

Utilização de recursos

O Governo de Minas apresentou ao governo federal, em janeiro, conjunto de 318 projetos, detalhando obras e ações de prevenção a inundações no valor de R$ 3,9 bilhões, sendo R$ 1,5 bilhão de competência do Estado e o restante de responsabilidade da União.

Até o momento, a utilização dos recursos envolve ações de socorro e assistência em 39 municípios (R$ 6,5 milhões); e reconstrução e recuperação em 17 municípios (R$ 60,3 milhões).

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/nova-ponte-de-guidoval-sera-entregue-a-populacao/

Anúncios

Governo Antonio Anastasia: Seminário da Defesa Civil destaca necessidade de municípios investirem em planejamento e prevenção de desastres naturais

Encontro de especialistas e gestores públicos avaliou as ações empenhadas pela Cedec durante o período chuvoso 2011/2012.

Investir em ações de planejamento e de prevenção e estruturar as comissões municipais de defesa civil para que os diversos segmentos da sociedade sejam conscientizados sobre a importância da prevenção contra os desastres provocados pela natureza. Essas foram algumas das conclusões de seminário realizado nesta quinta-feira (31), em Belo Horizonte, pela Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec), com o objetivo de avaliar as ações implementadas pelo Governo de Minas e prefeituras municipais, durante o período chuvoso 2011/2012.

O coordenador estadual de Defesa Civil e chefe do Gabinete Militar do Governo do Estado, coronel Luiz Carlos Dias Martins destacou a importância da união de esforços na implementação de ações de planejamento e prevenção contra desastres naturais.

“Independente de qualquer posição político partidária, o governador Antonio Anastasia já determinou à Cedec que sejam tomadas todas as providências necessárias para auxiliar as prefeituras em casos de problemas causados por chuvas, seca ou qualquer outro desastre que venha a ocorrer no Estado. Porém, para que a população sofra o menor impacto possível, seja pelo excesso de chuvas, estiagens prolongadas ou alguma outra adversidade, é necessário que os municípios tenham bem estruturadas e planejadas suas comissões municipais de defesa civil”, ressaltou o coronel.

Lembrando que 707 municípios mineiros já possuem comissões municipais de defesa civil, o coronel Martins salientou que, nesta semana, durante seminário realizado no Tribunal de Contas da União (TCU), o governador Antônio Anastasia defendeu a necessidade de serem feitas mudanças na legislação para dar mais agilidade aos governos estaduais e municipais na utilização de recursos para socorro a vítimas de desastres naturais.

“A orientação do governador é atendermos todos os municípios sem distinção, mas, além da necessidade das comissões municipais de defesa civil estarem bem organizadas, é preciso que a legislação dê condições aos governadores e prefeitos aplicarem recursos públicos com celeridade no socorro às vítimas de desastres”, concluiu o coronel Martins.

Auxílio

Durante o seminário realizado no auditório da Escola de Formação e Aperfeiçoamento de Sargentos, várias lideranças destacaram o trabalho que o Governo de Minas tem implementado nos últimos anos por meio da Cedec, não só no auxílio dos municípios no socorro a vítimas de desastres naturais, mas também no repasse de orientações para organização e ações de planejamento por parte das comissões municipais de defesa civil.

O prefeito de Cataguases, Willian Lobo de Almeida, salientou que  é fundamental que os prefeitos liderem o processo de organização das comissões municipais de defesa civil, através da adoção de planejamento estratégico. “Se isso for feito com determinação, independente de quem for o próximo governante o trabalho terá continuidade”, observou o prefeito.

Também os prefeitos dos municípios de Guidoval, Hélio Lopes dos Santos, e de Além Paraíba, Wolney Freitas, destacaram que, em virtude das fortes chuvas que caíram neste ano, se não fosse o apoio do Governo do Estado os problemas enfrentados pela população seriam muito piores.

O coordenador da Defesa Civil de Belo Horizonte, coronel Alexandre Lucas Alves, apresentou várias ações de prevenção que diversos órgãos da prefeitura têm implementado visando minimizar os impactos das chuvas na capital mineira. “Com base nos resultados que temos obtido em Belo Horizonte, avaliamos que investir em planejamento e prevenção é condição fundamental para que os municípios enfrentem de forma estruturada os problemas causados pelas chuvas”, assinalou.

Planejamento

O meteorologista, Ruibran dos Reis, do Instituto ClimaTempo, salientou que se a Cedec não tivesse um bom planejamento e estrutura de ação, os problemas causados pelas chuvas em Minas seriam bem piores do que os registrados neste ano. Segundo o especialista, a partir do ano 2000, o Estado passou a enfrentar uma série de variações nas médias de chuvas que caem anualmente, sendo que, neste ano, o período chuvoso foi mais curto, porém mais intenso na Região Metropolitana de Belo Horizonte e no Oeste do Estado.

Balanço apresentado nesta quinta-feira pelo secretário executivo da Cedec, tenente-coronel, Fabiano Villas Boas, revela que 273 municípios foram afetados pelas chuvas, sendo que 239 foram obrigados a decretar situação de emergência. Vinte pessoas morreram e 6.321 sofreram ferimentos. O número de pessoas desabrigadas chegou a 9.594 e outras 106.816 pessoas foram desalojadas.

Em conseqüência das chuvas, 1.436 casas foram destruídas e mais de 23 mil imóveis foram danificados. A infraestrutura de vários municípios também foi afetada com a destruição de 886 pontes e ocorrência de danos em outras 872 pontes.

Socorro

Para minimizar os efeitos dos desastres ocorridos no Estado no período chuvoso 2011/2012, o Governo de Minas, por meio da Cedec, distribuiu mais de 171 toneladas de alimentos; mais de 80 mil metros quadrados de lona plástica; 12.770 telhas; 10.696 mil colchões; 8.666 cobertores; 6.030 kits de higiene e 104 kits de medicamentos. A Coordenadoria Estadual de Defesa Civil enviou ainda 168 equipes de profissionais para os 273 municípios atingidos pelas chuvas, a fim de apoiar as prefeituras nas ações de resposta e elaboração de documentos enviados ao Governo Federal com o objetivo de viabilizar a liberação de recursos financeiros para fins sociais e de reconstrução de áreas danificadas.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/seminario-da-defesa-civil-destaca-necessidade-de-municipios-investirem-em-planejamento-e-prevencao-de-desastres-naturais/

Gestão Anastasia: Governo de Minas cria força-tarefa para estudar tremores de terra em Montes Claros

Mobilização da Defesa Civil Estadual envolve universidades, instituto japonês e o governo federal

Dione Afonso
A dona de casa Marisa Rodrigues Lima (esq.) recebeu visita de Mônica Giannoccaro, da UNB, e Fabiano Villas Boas, da Cedec-MG
A dona de casa Marisa Rodrigues Lima (esq.) recebeu visita de Mônica Giannoccaro, da UNB, e Fabiano Villas Boas, da Cedec-MG

O Governo de Minas, por meio da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec), já solicitou ao governo federal a liberação de recursos financeiros para a reconstrução de casas que sofreram danos em consequência de temores de terra que ocorreram nesta semana em Montes Claros. A União também está sendo acionada pelo Governo do Estado no sentido de auxiliar a realização de estudos sobre os problemas que tem ocasionado os tremores de terra no Norte de Minas que, nesta semana, já contabilizaram cinco abalos. O tremor mais forte, registrado sábado (19), atingiu 4,5 pontos na escala Richter.

Em outra frente de atuação o Governo do Estado, em parceria com a Universidade de Brasília (UNB) e com a Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) vão intensificar os trabalhos de investigação dos problemas geológicos que tem causado os tremores de terra no Norte de Minas. As ações serão intensificadas a partir do próximo mês, quando o Governo de Minas deverá assinar acordo de cooperação técnica com o Instituto de Desastres Naturais do Japão (Icharm).

Outra iniciativa do Governo do Estado viabilizará também a realização de treinamentos de equipes da Defesa Civil, do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar quanto à preparação de equipes para atuação em casos de desastres naturais. O trabalho que já vem sendo implementado pelo Governo do Estado em parceria com a universidade japonesa de Nagoya, será estendido em caráter emergencial ao Norte de Minas, conforme entendimentos iniciados nesta semana pela Cedec.

As ações do Governo do Estado foram anunciadas nesta sexta-feira (25), em Montes Claros, pelo secretário-executivo da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil, tenente-coronel PM Fabiano Villas Boas, durante encontro com lideranças, integrantes dos comandos do Corpo de Bombeiros, da Polícia Militar, da Coordenadoria Municipal da Defesa Civil e técnicos da UNB. A professora de geofísica e coordenadora interina do Observatório Sismológico da UNB, professora Mônica Giannoccaro Von Huelsen ressaltou que aliado ao trabalho da Cedec “não há motivo para a população se alarmar”.

A professora explicou que o subsolo do Norte de Minas é geologicamente estável, pois o Brasil está localizado no meio de uma placa tectônica. No caso de Montes Claros, 23 tremores já registrados desde 1995 variam de intensidades fracas a moderadas, resultados de acomodações de terra. Os estragos causados em residências atingiram imóveis que não possuem boa infraestrutura, conforme constatou equipes da Defesa Civil que estão na cidade desde sábado passado.

Na opinião de Mônica Giannoccaro, os abalos sísmicos registrados no Norte de Minas provavelmente são decorrentes de falha geológica existente no subsolo, o que começará a ser investigado já a partir desta semana, com a instalação de estações provisórias de monitoramento em diversas partes do município.

Ações

O tenente-coronel, Fabiano Villas Boas destacou que desde o dia 19 de maio o Governo do Estado mantém equipe de técnicos da Coordenadoria de Defesa Civil em Montes Claros avaliando os danos causados por tremores de terra. Os técnicos já vistoriaram cerca de 80 imóveis, dos quais 16 já foram considerados impróprios para a permanência de moradores. Em virtude dessa situação, as famílias foram transferidas para outras casas ou residências de parentes, enquanto que apenas seis pessoas foram remanejadas para abrigo mantido pela Prefeitura.

“Por orientação do governador Antônio Anastasia a Cedec e demais órgãos do Governo do Estado estão tomando todas as providencias necessárias para auxiliar a população atingida pelos tremores. Por outro lado, já mobilizamos universidades e o Instituto de Desastres Naturais do Japão, com o objetivo de identificar os problemas que tem causado os abalos sísmicos em Montes Claros” – salientou o secretário-executivo da Defesa Civil de Minas.

Estação

A compra de equipamentos para a instalação definitiva de uma estação sismográfica em Montes Claros já foi iniciada por parte do Governo do Estado. Recursos da Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes) foram repassados para a Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) que, através de licitação internacional, adquiriu os equipamentos no México. A empresa pediu prazo de cinco meses para a entrega do material que, ainda neste ano, substituirá os equipamentos que a UNB está instalando em caráter provisório.

Nesta sexta-feira, em Montes Claros, o secretário-executivo da Cedec em Minas, técnicos da UNB, do Corpo de Bombeiros e da Unimontes visitaram residências atingidas pelos tremores de terra na Vila Atlântida, em Montes Claros. Além de avaliar os estragos, os técnicos mantiveram contatos com moradores oportunidade que repassaram orientações para não voltar a ocupar as residências enquanto não forem reconstruídas.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governo-de-minas-cria-forca-tarefa-para-estudar-tremores-de-terra-em-montes-claros/

Gestão Anastasia: Governo de Minas anuncia instalação de estação sismográfica em Montes Claros

Iniciativa tem o objetivo de auxiliar pesquisas sobre abalos sísmicos que vêm ocorrendo na região

Dione Afonso
Tenente-coronel Fabiano Villas Boas e a professora da UNB, Mônica Giannoccaro Von Huelsen
Tenente-coronel Fabiano Villas Boas e a professora da UNB, Mônica Giannoccaro Von Huelsen

O Governo de Minas, por meio da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec) anunciou  nesta sexta-feira, em Montes Claros, que ainda neste ano o Norte de Minas será contemplado com a instalação de uma estação sismográfica permanente. Os equipamentos já estão sendo comprados por meio de licitação internacional viabilizada pela Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes) com participação da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes).

A iniciativa do Governo de Minas tem o objetivo de auxiliar pesquisadores da Universidade de Brasília (UNB), da Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop) e do Instituto de Desastres Naturais do Japão, nos estudos sobre abalos sísmicos que vêm ocorrendo em Montes Claros. Em junho o Governo do Estado deverá assinar termo de cooperação técnica com o Instituto japonês, visando a participação de especialistas daquele país nos estudos que estão sendo iniciados pela UNB e Ufop.

Nesta sexta-feira o secretário-executivo da Cedec, tenente-coronel PM Fabiano Vilas Boas esteve reunido em Montes Claros com lideranças e técnicos da UNB. Ele revelou que o Governo de Minas já está trabalhando junto à Secretaria Nacional de Defesa Civil no sentido de obter recursos financeiros para a reconstrução de casas que sofreram danos em virtude de tremor de terra ocorrido dia 19 de maio, atingindo 4,5 pontos na escala Ritcher.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governo-de-minas-anuncia-instalacao-de-estacao-sismografica-em-montes-claros/

Gestão Anastasia: Governo de Minas realiza simulado de combate a incêndio no Parque Estadual da Serra do Papagaio

 

Ação tem como objetivo preparar equipes para período de alto índice de queimadas

Gil Leonardi / Imprensa MG
Simulação na Serra do Papagaio contará com helicóptero do Corpo de Bombeiros
Simulação na Serra do Papagaio contará com helicóptero do Corpo de Bombeiros

O Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema) promove, nesta sexta-feira (18/05), simulado operacional no Parque Estadual da Serra do Papagaio, no Sul de Minas. A ação vai reproduzir todas as condições de um combate a incêndio, envolvendo brigadistas voluntários, funcionários do parque, integrantes da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec), do Corpo de Bombeiros Militar e técnicos do Programa de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais (Previncêndio). Durante a atividade, serão utilizados todos os equipamentos empregados em uma situação real de incêndio, incluindo dois helicópteros.

O simulado é uma das inovações do Plano de Ação 2012 para Prevenção e Combate a Incêndios Florestais, desenvolvido pelo Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad). O investimento previsto na iniciativa é de cerca de R$ 26 milhões. O plano tem o objetivo de reduzir as queimadas nas unidades de conservação, principalmente durante o período mais seco do ano, que vai de junho a outubro.

Serra do Papagaio

Com 22.917 hectares, o Parque Estadual da Serra do Papagaio abrange os municípios de Aiuruoca, Alagoa, Baependi, Itamonte e Pouso Alto. A área abriga um importante remanescente de Mata Atlântica do Estado. Localizado na Serra da Mantiqueira, a unidade de conservação concentra nascentes dos principais rios formadores da bacia do Rio Grande, responsável pelo abastecimento de grandes centros urbanos do Sul de Minas. O parque é também uma importante reserva de diversas espécies de mamíferos, aves e anfíbios. Dentre as espécies destacam-se o mono carvoeiro, o lobo- guará, o papagaio do peito roxo e a onça parda.

A ação no Parque Estadual da Serra do Papagaio será o segundo simulado realizado pelo Sisema após o lançamento do Plano de Ação 2012 de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais no início de maio. O primeiro simulado foi realizado, no dia 11 de maio, no Parque Estadual da Serra do Rola Moça, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH). Também estão programadas ações de simulação de combate a incêndio no Parque Estadual do Biribiri, no Alto Jequitinhonha, neste sábado (19/05); no Refúgio de Vida Silvestre do Rio Pandeiros Norte, na região do Alto Médio São Francisco, no dia 31 deste mês; e no Refúgio de Vida Silvestre Libélulas da Serra de São José – Centro-Sul, em Tiradentes, no dia 06 de junho.

Balanço de Incêndios

Em 2011, foram registradas 247 ocorrências de incêndios florestais na área interna das Unidades de Conservação (UCs) mineiras, com 40.067 hectares queimados, e 162 ocorrências no entorno das UCs, com 18.290,87 hectares queimados. Os meses de agosto e setembro foram os mais críticos, contabilizando 65% do total de ocorrências e 89% da área queimada.

Balanço divulgado pela Diretoria de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais da Semad revela que, entre janeiro e outubro de 2011, 409 ocorrências de incêndio queimaram 40 mil hectares na área interna das UCs e 18 mil no entorno das unidades. Isso representa 1,5% do total de 2,7 milhões de ha de áreas protegidas de Minas Gerais.

Força Tarefa Previncêndio

A Força Tarefa (FTP) do Previncêndio foi criada em 2005, para aperfeiçoar o trabalho de combate a incêndios florestais no Estado. É a primeira do gênero na América Latina e integrada pela Semad, Instituto Estadual de Florestas, o Corpo de Bombeiros Militar, as Polícias Militar e Civil e aCoordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec). Integra a estrutura da Semad.

O objetivo da FTP é apoiar as ações de prevenção e coordenar o combate a incêndios florestais nas unidades de conservação sob responsabilidade do Estado. A equipe da Força Tarefa está de prontidão 24 horas por dia para atendimento às ocorrências e denúncias pelo telefone 0800 28 32323.

 

Simulado Operacional Previncêndio no Parque Estadual da Serra do Papagaio

Data: 18 de maio (sexta-feira)

Horário: 13h

Local: Centro de Pesquisas do Parque Estadual da Serra do Papagaio

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/governo-de-minas-realiza-simulado-de-combate-a-incendio-no-parque-estadual-da-serra-do-papagaio/

Gestão Anastasia: simulado coloca em prática ações de combate a incêndios florestais em Minas

Reservas ambientais de diversas regiões do Estado irão abrigar atividades, que reproduzem condições reais de combate ao fogo

Gil Leonardi / Imprensa MG
Secretaria de Meio Ambiente, em parceria com os Bombeiros, realizou simulado na Serra do Rola Moça
Secretaria de Meio Ambiente, em parceria com os Bombeiros, realizou simulado na Serra do Rola Moça

O Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema) vem realizando Simulados Operacionais de Combate a Incêndios Florestais em reservas ambientais de Minas. Na última sexta-feira (11) os trabalhos foram realizados no Parque Estadual da Serra do Rola-Moça, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Já nesta sexta-feira (18), o simulado ocorrerá no Parque Estadual da Serra do Papagaio, no Sul de Minas.

O trabalho reproduz todas as condições de um combate ao fogo, desde a identificação dos sinais de fumaça, emissão dos primeiros alertas até a confirmação de um incêndio florestal de grande porte e que exija a participação da Força-Tarefa do Programa de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais de Minas Gerais (Previncêndio).

A atividade é conduzida por integrantes da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec) e do Corpo de Bombeiros Militar, além de técnicos do Previncêndio e do Instituto Estadual de Florestas (IEF). Cerca de 60 pessoas participam das simulações, com utilização de todos os equipamentos habitualmente empregados no combate ao fogo, incluindo helicópteros. Também participam da atividade aPolícias Militar e a Polícia Civil de Minas Gerais, além da Copasa e brigadistas voluntários.

O Simulado Operacional é uma importante etapa de preparação e envolve as diversas organizações parceiras da Força-Tarefa Previncêndio, que coordena os esforços para o combate a incêndios florestais, especialmente durante o período mais seco do ano, que vai de junho a outubro. A atividade também é uma aplicação prática do Plano de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais do Parque.

Também estão previstas as realizações de simulados para combate a incêndios florestais no Parque Estadual do Biribiri, no Alto Jequitinhonha, no próximo dia 24; no Refúgio de Vida Silvestre do Rio Pandeiros Norte, na região do Alto Médio São Francisco, no dia 31 deste mês; e no Refúgio de Vida Silvestre Libélulas da Serra de São José – Centro-Sul, em Tiradentes, no dia 06 de junho.

Plano de Ação 2012

O simulado operacional é uma das inovações do Plano de Ação 2012 para Prevenção e Combate a Incêndios Florestais, desenvolvido pelo Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad). O investimento previsto é de cerca de R$ 26 milhões em 2012.

O plano é composto por seis programas operacionais: prevenção e controle, capacitação, combate, infraestrutura e logística, comunicação, fiscalização e investigação. Prevê, também, a execução de um plano estratégico de abrangência em grandes áreas para ser executado com prazo superior a um ano. Os objetivos principais do trabalho são reduzir o número de incêndios florestais nas unidades de conservação e dar respostas rápidas no combate às queimadas.

O programa de prevenção prevê a implementação de ações para reduzir as causas e os riscos de propagação do fogo, especialmente aquelas causadas pelo homem. O uso correto de técnicas, como construção de estradas, aceiros, divisão da área em quadrantes, entre outras, permitirá uma redução das ocorrências com essa origem.

A capacitação é ampla e envolve a todos que participam dos trabalhos de controle dos incêndios, sejam os responsáveis pela elaboração e execução do plano de prevenção, sejam os combatentes que atuam na linha de fogo.

Os planos e estratégias de combate são estabelecidos em função do tamanho do incêndio e dos meios disponíveis. No entanto, o objetivo maior desse programa é que os incêndios possam ser controlados e dominados antes que atinjam grandes proporções. Em relação à infraestrutura e logística, um combate eficaz exige que os brigadistas estejam bem treinados e equipados.

O programa de comunicação visa à diminuição do tempo de resposta, que fica compreendido entre a detecção do fogo e o recebimento da informação pelo responsável pelo desencadeamento das ações de combate. Já a fiscalização e a investigação precisam ser trabalhadas dentro do plano, pois a origem criminosa das ocorrências de queimadas cria frentes de incêndios muito amplas e difíceis de combater em condições climatológicas favoráveis à sua propagação.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/simulado-coloca-em-pratica-acoes-de-combate-a-incendios-florestais-em-minas/

Governo de Minas: Anastasia lança Plano de Ação de Combate a Incêndios Florestais

Seis programas operacionais divididos em prevenção e controle, capacitação, combate, infraestrutura e logística, comunicação, fiscalização e investigação integram a proposta

Osvaldo Afonso / Imprensa MG
Segundo Anastasia, plano envolve o poder público, os cidadãos e a sociedade civil nas ações de prevenção
Segundo Anastasia, plano envolve o poder público, os cidadãos e a sociedade civil nas ações de prevenção

O governador Antonio Anastasia lançou, nesta quarta-feira (02), no Palácio Tiradentes, o Plano de Ação 2012 de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais, que irá receber investimentos de R$ 26 milhões. O objetivo do Plano é diminuir o número de ocorrências de queimadas nas Unidades de Conservação (UCs) de Minas e dar respostas rápidas no combate ao fogo, além de envolver cidadãos e sociedade civil nas ações de prevenção.

“Estamos chamando toda Minas Gerais para em conjunto combatermos a essa questão do fogo descontrolado no período da seca. Vamos trabalhar duplicado, triplicado, quadriplicado, quintuplicado de maneira muito enfática durante este ano para diminuirmos os efeitos do fogo e seus prejuízos. Peço, não só aos presentes, às instituições presentes, mas a todos os mineiros, para que tenham muita cautela. Vamos trabalhar na prevenção para que, em 2012, tenhamos um ano menos sofrido”, afirmou o governador Antonio Anastasia.

O secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Adriano Magalhães, destacou os investimentos para 2012, inclusive em parceria com entidades privadas.

“Saímos de um orçamento de R$ 4 milhões para um orçamento direto de R$ 26 milhões, ou seja, quase sete vezes mais. Além das parcerias com as empresas, que representam mais R$ 9 milhões e a contratação de pessoal para as nossas unidades de conservação, que são 75 ao todo no Estado. Com isso, somamos um investimento superior a R$ 50 milhões, o que mostra a relevância e a preocupação do Estado com o tema”, disse Magalhães.

Plano

Levantamentos da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) apontam que 90% das queimadas nas unidades de conservação estaduais têm origem criminosa. Integram o Plano de Ação 2012 de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais seis programas operacionais divididos em Prevenção e Controle, Capacitação, Combate, Infraestrutura e Logística, Comunicação, Fiscalização e Investigação.

“Orientei ao secretário Adriano Magalhães a sermos, neste ano, mais cautelosos, mais empreendedores e mais prevenidos em relação ao que fomos no passado e prepararmos um projeto mais amplo, ambicioso e abrangente para não permitirmos que, em 2012, tenhamos a repetição do que ocorreu em anos anteriores quando os incêndios grassaram nosso Estado”, afirmou Anastasia.

Combate a incêndios

O governador assinou decreto que define diretrizes para a Força Tarefa do Programa de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais de Minas Gerais (Previncêndio), voltado para a proteção das Unidades de Conservação (UCs) sob responsabilidade do Estado, seus entornos e áreas de relevante interesse ecológico.

O decreto cria, ainda, uma sub-base da Força Tarefa, que será instalada na estrutura da Adjuntoria de Emergência Ambiental do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais, instalada no Parque Estadual Serra do Rola Moça. Com isso, serão intensificadas as ações de prevenção e combate dentro de uma das mais importantes unidades de conservação estaduais da Região Metropolitana de Belo Horizonte. Além da sede do Previncêndio em Curvelo, estão em funcionamento sub-sedes em Januária e Viçosa.

A Diretoria de Meio Ambiente e Trânsito (DMAT) da Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG) recebeu 28 viaturas que reforçarão a frota que atua dentro das UCs estaduais e nas rodovias que cortam essas áreas protegidas. São 16 blazers e 12 caminhonetes, nos quais foram investidos R$ 2,5 milhões.

Depois da solenidade, a Força Tarefa Previncêndio (FTP) fez uma simulação de combate a incêndio na Praça Cívica da Cidade Administrativa. Foram usados helicópteros do Comando de Radiopatrulhamento Aéreo (Corpaer) da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros no combate aéreo e equipes de brigadistas simularam o combate em solo. Uma exposição apresentou os equipamentos e veículos usados no combate às chamas.

Força Tarefa Previncêndio

A Força Tarefa (FTP) do Programa de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais de Minas Gerais (Previncêndio) foi criada em 2005, para aperfeiçoar o trabalho de combate a incêndios florestais no Estado. É a primeira do gênero na América Latina e integrada pela Semad, Instituto Estadual de Florestas, o Corpo de Bombeiros Militar, as Polícias Militar e Civil e a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec). Integra a estrutura da Semad.

O objetivo da FTP é apoiar as ações de prevenção e coordenar o combate a incêndios florestais nas unidades de conservação sob responsabilidade do Estado. A equipe da Força Tarefa está de prontidão 24 horas por dia para atendimento às ocorrências e denúncias pelo telefone 0800 28 32323.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/anastasia-lanca-plano-de-acao-de-combate-a-incendios-florestais/

Gestão Anastasia: municípios atingidos pela seca recebem apoio prioritário do Governo de Minas

Moradores e lideranças do Grande Norte comemoram Plano lançado pelo Estado

A decisão do Governo de Minas em antecipar a apresentação das ações previstas no Plano de Seca 2012 foi bem recebida por prefeitos e lideranças do Norte de Minas. O presidente da Associação dos Municípios da Área Mineira da Sudene (Amams), Valmir Morais de Sá, disse que, “ao contrário de outras épocas em que a região enfrentou sérios problemas causados pela seca, pela primeira vez a região está sendo tratada com respeito e consideração por parte do Governo do Estado”.

“A iniciativa do Governo de Minas, por meio da Cedec, em mobilizar os prefeitos para se unirem em torno do Governo e buscar soluções para os problemas causados pela estiagem se constitui num fator altamente positivo, pois mostra que o governador, Antonio Anastasia e a Defesa Civil estão atentos às necessidades da região”, completou Valmir.

Os deputados Arlen Santiago e Luiz Henrique destacaram que “o problema da seca se constitui num desafio que tem sido enfrentado pelo Governo do Estado”, por meio de uma série de investimentos que visam dotar a região de infraestrutura capaz de possibilitar a convivência da população com os períodos de estiagem. “A atenção especial que o governador Antonio Anastasia tem dado no sentido de direcionar investimentos públicos e atração de novas empresas para o Norte de Minas, se constitui num fator importante para possibilitar a diversificação da economia regional aliado à geração de emprego e renda para a população”, declarou Santiago.

O prefeito de Rio Pardo de Minas, Antônio Pinheiro, reforçou que os municípios, por meio da Amams e da Associação dos Municípios do Médio São Francisco (Amesf), precisam unir esforços para, em parceria com os governos estadual e federal, viabilizarem a elaboração de projetos para construção de novas barragens na região do semiárido.

Outra liderança que também comemorou as ações do Governo do Estado no Norte de Minas foi o prefeito do município de Padre Carvalho, José Nilson Bispo de Sá. Segundo ele, através do Programa de Combate à Pobreza Rural (PCPR), muitos problemas de abastecimento nas comunidades rurais têm sido solucionados com a instalação de sistemas simplificados de água, o que tem evitado o agravamento dos problemas causados por longos períodos de seca.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/municipios-atingidos-pela-seca-recebem-apoio-prioritario-do-governo-de-minas/

Gestão Anastasia: mapa identificará áreas de inundações em Minas Gerais

Objetivo é identificar os locais que mais correm risco de enchentes no Estado e buscar dados que auxiliem no planejamento de ações de prevenção, controle e mitigação de cheias

O Estado de Minas Gerais está construindo seu primeiro Mapa de Inundações. O objetivo é identificar os locais que mais correm risco de enchentes no Estado e buscar dados que auxiliem no planejamento de ações de prevenção, controle e mitigação de cheias. Desenvolvido pelo Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema), com o apoio da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec), Corpo de Bombeiros e Comitês de Bacias Hidrográficas, o trabalho integra um mapeamento mais amplo, coordenado pela Agência Nacional de Águas (ANA), que resultará no Atlas Nacional de Vulnerabilidade a Inundações.

O levantamento das áreas inundadas em Minas começou em setembro de 2011 e deve ser concluído no final de fevereiro. Estão sendo coletadas informações sobre os trechos inundáveis dos principais rios do Estado, a frequência das inundações e os danos causados pelas cheias. “Nessa primeira etapa contamos com o envolvimento da população local, que detém o conhecimento das bacias hidrográficas”, explica Zenilde Guimarães Viola, diretora de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais e Enchentes da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad).

Por meio da secretaria, foram enviados mapas das bacias hidrográficas para os conselheiros de 36 comitês mineiros identificarem áreas de inundações. “Também estamos trabalhando com as coordenadorias municipais de Defesa Civil e as unidades do Corpo de Bombeiros do Estado, com apoio da Cedec”, complementa Zenilde.

De acordo com a diretora, os colaboradores estão identificando nos mapas os rios que apresentam inundações e a frequência, podendo ser alta (áreas que inundaram nos último cinco anos), média (entre cinco e dez anos) ou baixa (há dez anos). E também descrevendo os impactos: alto, se houve dano a vida humana e danos significativos a serviços essenciais, instalações e obras de infraestrutura públicas e residenciais; médio, se esses danos foram razoáveis, e baixo para danos localizados e privados.

As informações coletadas serão analisadas pela equipe do Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema) e complementadas com os dados do Sistema de Meteorologia e Recursos Hídricos de Minas Gerais (Simge) operado pelo Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam), entidade que integra o Sisema. “O Simge monitora o tempo, o clima e o comportamento dos cursos de água em todo o Estado desde 1997 e possui uma série histórica que poderá contribuir significativamente com este trabalho” informa a coordenadora do Simge, Paula Souza.

Atlas Nacional de Vulnerabilidade a Inundações

A construção do Atlas Nacional de Vulnerabilidade a Inundações começou em janeiro de 2011, com a coordenação da ANA e participação de todos os estados brasileiros, que estão criando seus respectivos mapas de inundações. “O Atlas é uma importante ferramenta de planejamento a prevenção de inundações, que permitirá identificar os pontos mais críticos e as estimativas dos impactos das cheias”, explica o gerente de Eventos Críticos da ANA, Marcelo Medeiros. De acordo com o gerente, o lançamento do Atlas está previsto para o segundo semestre de 2012, e será disponibilizado no site http://www.ana.gov.br.

Fonte: Agência Minas

Governo de Minas: campanha de arrecadação para vítimas das chuvas recebe 1,2 mil toneladas em donativos

Nos últimos 30 dias, milhares de mineiros atenderam ao chamado de solidariedade e ajudaram com 1,2 mil toneladas em donativos para as famílias desabrigadas pelas chuvas no Estado

O Movimento Minas Solidária – representado pelo Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas) e Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec) –  agradece a cada um dos mineiros que têm participado do esforço de arrecadação de donativos e, nesse momento, solicita que sejam interrompidas as doações de roupas e utensílios domésticos, tendo em vista o grande volume já arrecadado.

A campanha continua recebendo doações financeiras em duas contas bancárias: Bradesco – Agência 3421-5 – Conta Corrente 49.709-6; Banco do Brasil – Agência 1229-7 – Conta Corrente 64529-X. Esses recursos serão utilizados com o acompanhamento do Ministério Público do Estado de Minas Gerais para apoiar as pessoas no retorno à sua rotina familiar. A destinação dos recursos será tornada pública.

Medidas preventivas

Desde o início do ano passado, o Governo de Minas vem realizando uma série de ações preparatórias para o enfrentamento ao período chuvoso, com foco nas medidas preventivas. A capacitação de agentes para atuação em situações de risco e treinamentos para criação de Coordenadorias Municipais de Defesa Civil (Comdec) nas cidades mineiras estão entre as principais providências tomadas pelo Estado.

Nos últimos oito anos, o número de Comdecs quase dobrou em Minas – saltando de 374, em 2004, para 696 atualmente. O Governo disponibiliza suporte técnico permanente a todas as Comdecs, além de promover reuniões técnicas quinzenais para avaliação das medidas de enfrentamento às chuvas. Em outubro do ano passado, o Governo de Minas lançou o Plano de Emergências Pluviométricas 2011/2012, que abrange detalhamentos sobre os recursos humanos e logísticos de todos os órgãos do Estado, com constante apoio às prefeituras.

As ações do Estado também incluem a prorrogação de prazo para recolhimento do ICMS, a remissão do pagamento de IPVA e inúmeras facilidades para pagamento das contas de água e luz nas cidades atingidas pelas chuvas. O Governo assegurou, ainda, a reconstrução de pelo menos 650 casas destruídas pelas enchentes, criou linhas de crédito especiais do BDMG para empresários e produtores rurais e decidiu adiantar os recursos do Piso Mineiro de Assistência Social aos municípios em situação de emergência.

Fonte: Agência Minas