Arquivos do Blog

Aécio tem apoio de mais de 50% dos prefeitos do Amazonas

Aécio assumiu o compromisos de proteger e fortalecer a Zona Franca de Manaus e ampliar os investimentos na região.

Eleições 2014

Fonte: Jogo do Poder

Aécio Neves recebe apoio de 36 dos 62 prefeitos do Amazonas

Em visita neste sábado (9/08) a Manaus, onde foi recepcionado por 2.000 apoiadores e eleitores, o candidato à Presidência da República pela Coligação Muda BrasilAécio Neves, assumiu o compromisso de proteger e fortalecer a Zona Franca de Manaus, ampliar os investimentos na região e recebeu um manifesto de apoio de 36 dos 62 prefeitos do Estado do Amazonas.

A ida à cidade ocorreu três semanas após o Senado aprovar a prorrogação da Zona Franca de Manaus até 2073, projeto que recebeu o apoio do senador Aécio Neves. Ele estava acompanhado da filha Gabriela, da sobrinha Maria Clara, do prefeito de Manaus Arthur Virgílio e do candidato a deputado federal Arthur Bisneto nas cinco horas em que permaneceu na capital do Amazonas.

“O PSDB teve um papel absolutamente vital para a aprovação da zona franca, vem tendo agora nestas parcerias que selamos com o estado de SP. Tenho dito como presidente nacional do PSDB que a zona franca é fundamental para o país. Temos de investir em novas tecnologias para que ela possa se transformar em uma grande plataforma de exportação, além daquilo que ela é hoje”, lembrou o candidato.

“O Brasil que quer mais respeito aos municípios, inflação baixa e crescimento econômico está com Aécio”, diz o documento entregue a Aécio Neves pela prefeita de Anori, Sansuray Pereira.

Após ser recebido por prefeitos, líderes comunitários e sindicais, representantes da Juventude do PSDB e do Tucanafro e eleitores no comitê da Coligação Muda Brasil, Aécio visitou um centro popular de compras da cidade, inaugurado recentemente beneficiando vendedores ambulantes.

Respeito aos municípios

Em entrevista nessa galeria comercial, o candidato defendeu tratamento isonômico por parte do governo federal aos Estados e municípios.

“A minha palavra hoje aqui de Manaus é um brado, uma convocação à Federação brasileira. Vamos resgatar a capacidade de os municípios investirem em saúde, educação e segurança. O governo federal não pode achar que é dono do recurso público. Quero governar um país inclusivo, em que todas as regiões sejam valorizadas em suas potencialidades. E essa é uma região extraordinariamente rica, mas que não vem sendo a atenção que merece do governo federal.”

De acordo com Aécio Neves, o atual governo não tem boa vontade com muitos municípios nem adota critérios objetivos, em prejuízo da população. Ele citou como exemplo Manaus, que é administrado por um adversário político do PT.

“Hoje é atendido quem é amigo do rei ou da rainha e o dinheiro é público. Não existe essa história de dinheiro federal, dinheiro estadual e dinheiro municipal. O dinheiro é público e é assim que tem que se tratado: de forma republicana. Nós vamos garantir no nosso governo respeito a todos os municípios independentemente do partido ao qual o prefeito esteja filiado.”

O candidato disse que não permitirá, em seu governo, que desonerações de tributos incidam sobre o Fundo de Participação dos Municípios, para que as prefeituras não sofram redução de verbas. “Além disso, vamos fazer uma profunda renegociação da dívida dos estados, para que os entes federados possam melhorar a saúde, a segurança pública, a educação da sua gente”, disse.

Ele afirmou que o país precisa de “descentralização, eficiência e solidariedade com as pessoas” e retomou as críticas à gestão do PT no governo federal. “O Brasil é governado hoje por uma presidente que não dialoga, não conversa, não tem humildade de reconhecer os equívocos. Temos o pior crescimento da América do Sul; a inflação está de volta a atormentar a vida do trabalhador, da dona de casa brasileira, e o governo finge que não é com ele. No meu governo haverá atitude, haverá ação.”

Fraude em biografias

Em outra crítica ao Palácio do Planalto, Aécio Neves disse que a utilização de computador da Presidência da República para adulterar a biografia de jornalistas no Wikipedia foi “uma demonstração de autoritarismo”. Ele defendeu apuração dos responsáveis e disse que ele próprio já foi vítima de ação semelhante.

“Eu sou grande vítima também dessa ação inescrupulosa de setores de governo buscando alterar a biografia de pessoas que tem posição independente. É uma demonstração do descaso desse governo para com a própria democracia. Está na hora de a presidente da Republica dizer com muita clareza que providências está tomando. Se não, terá de mudar o slogan de ‘Brasil para Todos’ para ‘O Brasil do eu não sabia de nada’. Porque cada denúncia que surge, seja em relação a mensalãoPetrobras e tantas outras é sempre isto: eu não sabia de nada.”

Na galeria comercial entregue há oito dias a ex-camelôs, Aécio Neves conversou e abraçou vendedores do local, tirou fotos, tomou suco de laranja numa das bancas e agradeceu a calorosa receptividade.

Hélio Manoel Gomes, 62 anos, foi um dos vendedores ambulantes beneficiados com a construção da galeria comercial e que aplaudiram a visita do candidato presidencial ao espaço. “Eu creio que deve mudar a saúde, a educação e a segurança. Resolvendo esses três problemas, o brasileiro estará feliz. E esse candidato tem futuro. Ele é um jovem. Hoje a segurança e a sabedoria estão na cabeça dos jovens.”

Governo de Minas: Gestão Integrada de Bacias reúne interessados de sete estados

Ministrado pelo professor Pieter van der Zaag, do Unesco-IHE (Holanda), o curso capacita 50 profissionais para atuar na gestão de recursos hídricos

Divulgação Sectes
Curso reúne estudantes e profissionais de recursos hídricos de várias estados do país
Curso reúne estudantes e profissionais de recursos hídricos de várias estados do país

O curso internacional de Gestão Integrada de Bacias Hidrográficas, ofertado pelo Governo de Minas, por meio do Unesco-HidroEX, atraiu para Frutal, Triângulo Mineiro, desde segunda-feira (25), estudantes e  profissionais de recursos hídricos dos estados do Rio Grande do Sul, Amazonas, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Bahia, Paraná e Minas Gerais.

As aulas estão sendo ministradas pelo professor do Instituto UNESCO-IHE de Delft, na Holanda, Pieter van der Zaag. Ele acredita na qualificação de profissionais com novos critérios, contextos e conceitos sobre a gestão integrada de recursos hídricos, com enfoque em medidas de proteção e uso sustentável.

Dividido em três módulos, o primeiro se encerra na sexta-feira (29). O destaque desta primeira semana são os aspectos políticos relacionados às questões sociais e econômicas das bacias hidrográficas. A etapa seguinte será de 2 a 6 de julho, e o terceiro e último módulo ocorre de 27 a 31 de agosto, também com as aulas de campo. Participam do curso, pesquisadores, estudantes de pós-graduação, acadêmicos do último ano de curso superior e especialistas nas áreas de recursos hídricos. “Considerando que a gestão integrada das bacias hidrográficas constitui-se um dos maiores desafios do século XXI, nossa proposta é capacitar profissionais que estarão discutindo esse tema e propondo soluções”, disse a diretora de Capacitação e Ensino do Unesco-Hidroex, Sheila Paiva.

Do Amazonas, a universitária Sara Sampaio Py-Daniel, 22 anos, estudante de Ciências Biológicas, considera o curso uma grande oportunidade para aprimorar seus conhecimentos em recursos hídricos; área em que pretende se especializar. “Todos que estão aqui serão multiplicadores ativos em gestão integrada de bacias hidrográficas”, disse ela.

Mineiro de Belo Horizonte, o engenheiro agrônomo e ambiental, Altair Roberto de Carvalho, 57 anos, define o curso como uma grande oportunidade para busca da atualização de conhecimentos. “A cada dia, temos novas informações e trocas de experiências”, afirmou ele. As oportunidades são direcionadas também aos moradores de Frutal. O geógrafo Arley Pinheiro Camargo, 35 anos, é um deles. “É muito gratificante poder participar de um seminário internacional na minha cidade, sem nenhum custo”, disse ele.

Durante a abertura do evento, o vice-presidente do Unesco-HidroEX,  Alexandre Saad destacou a preocupação do Governo de Minas  em oferecer cursos de qualidade, com profissionais de renome internacional como é o caso de Pieter van der Zaag. “Um curso como esse tem um custo de 2,5 mil euros na Europa. Em Frutal, ele é totalmente gratuito”, afirmou o vice-presidente.

Com essa iniciativa, o Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes) e do Unesco-Hidroex, quer promover o intercâmbio de informações e experiências entre profissionais e gestores de recursos hídricos que atuam em diferentes áreas no Brasil e no exterior, buscando melhores soluções para os problemas hídricos atuais.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/gestao-integrada-de-bacias-reune-interessados-de-sete-estados/

Gestão Anastasia: mudanças no modelo de Assistência à Saúde Ipsemg já estão em vigor

Novas regras, que foram negociadas com sindicatos e aprovadas pela Assembleia Legislativa, visam melhorar atendimento aos usuários

Carolina Sousa/Ipsemg
Novas regras visam o aprimoramento dos serviços de saúde oferecidos aos beneficiários do Ipsemg
Novas regras visam o aprimoramento dos serviços de saúde oferecidos aos beneficiários do Ipsemg

Já estão em vigor as novas regras de assistência à saúde do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais (Ipsemg) estabelecidas pela Lei Complementar 121/2011, aprovada pela Assembleia Legislativa em dezembro. As mudanças – que foram negociadas com diversos sindicatos que representam os servidores públicos – visam melhorar o atendimento aos usuários (servidores, dependentes e pensionistas) e, ao mesmo tempo, proporcionar o equilíbrio financeiro do Instituto.

Entre os benefícios para os servidores está a manutenção da gratuidade do plano para os dependentes com idade até 21 anos, que atualmente somam mais de 100 mil. Além disso, foi ampliado o limite de idade dos filhos dependentes, independente se são estudantes ou solteiros. Os filhos com idade entre 21 e 35 anos poderão ser beneficiários, pagando, como contribuição, o valor do piso de R$ 30,00.

Outra alteração na legislação beneficia especialmente professores e demais servidores que têm mais de um cargo no Estado. Atualmente, existem aproximadamente 33 mil servidores nessa condição. No modelo anterior, esses profissionais eram obrigados a contribuir mais de uma vez. Com a nova Lei, será cobrada apenas uma contribuição, prevalecendo o valor do vínculo de maior remuneração.

Ampla negociação

As alterações no modelo de Assistência à Saúde Ipsemg foram negociadas e aprovadas por diversos sindicatos que representam servidores públicos de várias categorias.

Antes do envio das propostas à Assembleia Legislativa foram feitas várias reuniões para discutir as medidas, das quais participaram as seguintes entidades: Sindicato Único dos Trabalhadores na Saúde (Sind-Saúde), Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público de Minas Gerais (Sindpúblicos), Sindicato dos Servidores do Ipsemg (Sisipsemg), Sindicato dos Técnicos de Tributação, Fiscalização e Arrecadação (Sinffaz), Sindicato dos Médicos (Sinmed), Sindicato dos Especialistas em Educação (Sindesp G), Associação Sindical dos Trabalhadores em Hospitais (Asthemg) e Associação dos Servidores do Instituto Mineiro de Agropecuária (Assima).

Sustentabilidade financeira

Um dos objetivos das alterações no modelo de Assistência à Saúde Ipsemg é equilibrar as finanças do Instituto e, consequentemente, viabilizar a sua sustentabilidade a médio e longo prazo. Uma das mudanças estabelecidas pela nova lei é a instituição de um piso de contribuição no valor de R$ 30. Já o teto de contribuição passa dos atuais R$ 232 para R$ 250. Atualmente, 359 mil beneficiários do Ipsemg não contribuem e 161 mil contribuem com valores entre R$ 1 e R$ 30.

A proposta prevê ainda que os dependentes que não são filhos – como cônjuge, companheiro, pensionista e outros – contribuirão com o valor de 3,2% da remuneração do titular. Para este caso, também será aplicado o piso de R$ 30. O somatório das contribuições do segurado e dos dependentes nesta situação não poderá exceder o teto de R$ 250.

Importante ressaltar que a assistência à saúde dos servidores é um benefício facultativo, ou seja, que podem ou não ser adotados pelos estados. Em algumas unidades da federação – como Amapá, Amazonas, Espírito Santo, Maranhão, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Sergipe e Tocantins – decidiram não oferecer essa prestação de serviços aos servidores. “O Governo de Minas não só optou por oferecer este benefício como está trabalhando para aprimorá-lo e torna-lo sustentável”, afirma a presidente do Ipsemg, Jomara Alves da Silva.

Novo modelo

Além disso, o novo modelo de Assistência à Saúde Ipsemg se aproxima muito do adotado em outros Estados brasileiros. Na Bahia, por exemplo, o valor mínimo de contribuição por usuário é de R$ 26, contra os R$ 30 que estão sendo sugeridos em Minas. Já o valor máximo de contribuição em Minas será de R$ 250, contra R$ 290 na Bahia.

No caso da contribuição máxima, Minas terá um dos valores mais baixos do país (R$ 250), na comparação com outros Estados. No Pará, por exemplo, a contribuição máxima é de R$ 500, no Mato Grosso de R$ 323, em Santa Catarina R$ 320 e em Goiás, R$ 295.

O Ipsemg encerrou o ano de 2011 contabilizando a realização de mais de 11 milhões de procedimentos (consultas, exames, internações e cirurgias) contra 9,1 milhões registrados em 2010 e 6,3 milhões executados em 2005. Cada beneficiário realizou, em média, 2,4 consultas por ano e 3,6 exames por consulta. “Com as novas regras, será possível manter o plano de saúde dos servidores e seus dependentes inscritos e oferecer serviços com mais qualidade e segurança”, conclui a presidente do Instituto, Jomara Alves da Silva.

Fonte: Agência Minas