Arquivos do Blog

Aécio vai resgatar municípios para Brasil voltar a crescer

Em visita a Presidente Prudente, Aécio Neves reforçou ainda o seu compromisso com o agronegócio e o crescimento da economia.

Aécio propostas

Fonte: Jogo do Poder

Aécio vai resgatar e fortalecer municípios para Brasil voltar a crescer

O candidato da Coligação Muda Brasil à Presidência da República, Aécio Neves, reafirmou o compromisso neste sábado (06/09) de fazer um governo que vai fortalecer e resgatar os municípios brasileiros. Em visita a Presidente Prudente, interior de São Paulo, Aécio reforçou ainda o seu compromisso com o agronegócio e o crescimento da economia.

“O nosso governo será o governo da descentralização, o governo do resgate dos municípios brasileiros, para que eles tenham melhores condições de enfrentar as suas demandas. Serei o parceiro do agronegócio, não por circunstância, não por conveniência eleitoral, mas por absoluta convicção de que o governo federal vem faltando a um setor que tem sido essencial ao crescimento da nossa economia, à geração de renda, à geração de emprego”, afirmou.

O candidato reiterou que seu governo será parceiro “daqueles que produzem no campo”, para que o Brasil possa crescer cada vez mais competitivo. “O que falta é a ação do Estado, a simplificação do nosso sistema tributário, as obras de infraestrutura que dependem do governo federal, que vão possibilitar a diminuição do custo Brasil. Tenho um compromisso histórico com o resgate do setor do etanol, liquidado por uma ação irresponsável do atual governo federal”, acrescentou.

Estratégia

Em entrevista a jornalistas no aeroporto da cidade, Aécio destacou que sua principal estratégia de campanha será dizer o que pensa, com clareza.  “As minhas propostas são aquelas nas quais acreditei ao longo da minha vida. Todos somos, em grande parte, aquilo que fizemos. Defendo uma gestão cada vez mais eficiente. Me orgulho muito de ter visto ontem os indicadores do Ideb [Índice de Desenvolvimento da Educação Básica] – e cumprimento o governador Geraldo Alckmin, porque no ensino fundamental os avanços de São Paulo foram expressivos – mas comemoro o fato de Minas Gerais, o meu Estado, ter hoje a melhor educação fundamental do Brasil, nas primeiras e nas últimas séries. Este é apenas um exemplo de que o Brasil precisa de uma gestão eficiente. A clareza das nossas propostas, oposição a tudo isso que está aí, é que vai nos levar à vitória”, salientou.

Novo projeto

O candidato da Coligação Muda Brasil disse ainda que a atual presidente da República, Dilma Rousseff, perderá as eleições pela incapacidade que demonstrou em cumprir seus compromissos, deixando como herança “uma inflação saindo de controle, o Brasil em recessão e, do ponto de vista social, nossos indicadores piorando todo o tempo”.

“O que vou fazer a cada dia, daqui até 5 de outubro é, de forma muito clara, defender um novo projeto para o Brasil. Porque a mudança, isso é importante que fique claro, não se dá no dia da eleição, apenas com o nosso voto. Ela se inicia a partir de 1º de janeiro do próximo ano. E quem tem condições de fazer a mudança segura, resgatando a capacidade do Brasil crescer, gerar empregos, investindo novamente em parcerias com os Estados na saúde, na segurança pública, somos nós. Somos a única mudança segura. A mudança que o Brasil merece viver”, completou.

Encontro

Aécio visitou Presidente Prudente acompanhado do governador do Estado e candidato a reeleição Geraldo Alckmin, de Aloysio Nunes Ferreira, vice na chapa presidencial, e do deputado federal e presidente do PSDB de São Paulo, Duarte Nogueira. Em um auditório com capacidade para 1500 pessoas, na Associação Prudentina de Esportes Atléticos (APEA),Aécio participou do Grande Encontro de Lideranças do Pontal do Paranapanema, que reuniu centenas de prefeitos da região oeste de São Paulo.

Aécio Neves: propostas concretas em debate na Band

Candidato anuncia Armínio Fraga como ministro da Fazenda para garantir previsibilidade e segurança na condução da política econômica.

Eleições 2014

Fonte: Jogo do Poder 

DEBATE BAND

Aécio é o único a apresentar propostas concretas para mudar o Brasil

Candidato anuncia ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga como ministro da Fazenda para garantir previsibilidade e segurança na condução da política econômica do novo governo

O candidato à Presidência da República pela Coligação Muda BrasilAécio Neves, foi o único a apresentar propostas concretas para realizar as mudanças desejadas pela população brasileira durante debate na Rede Bandeirantes, que reuniu sete candidatos ao Palácio do Planalto, na noite desta terça-feira (26/08). Ao se dirigir aos eleitores durante as considerações finais, Aécio anunciou que o ministro da Fazenda de seu governo será o ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga, numa demonstração clara de que garantirá previsibilidade e segurança na condução da política econômica.

Em aproximadamente três horas de debate, Aécio detalhou suas propostas para áreas de segurança pública, mercado de trabalho, jovens carentes, reforma política, energia e mobilidade urbana. Além disso, mostrou que é o candidato com propostas mais firmes para fortalecer a saúde, a educação e o emprego. Aécio também reiterou que vai adotar uma política econômica para enfrentar a inflação em alta e o baixo crescimento do país.

“O Brasil não comporta novas aventuras, improvisos. Ofereço o caminho da segurança, da responsabilidade fiscal. Se eleito presidente da República, se merecer a sua confiança, [quero] dizer de forma clara aquilo que pretendo fazer: nomearei como ministro da Fazenda um dos economistas mais respeitados do mundo, o ex-presidente do Banco Central, um dos formuladores do tripé macroeconômico, Armínio Fraga”, anunciou Aécio.

Críticas

O candidato criticou a maneira como a presidente Dilma Rousseff, candidata do PT à reeleição, conduziu o Brasil nos últimos quatro anos e alertou para incoerências e contradições da candidata do PSBMarina Silva.

Ao ser questionado sobre o que fará em segurança públicaAécio voltou a defender que é preciso adotar uma política nacional para combater a criminalidade, unificar as ações das polícias civil e militar, reformar os códigos penal e processual penal e não bloquear o repasse de recursos para a área, além de realizar parcerias com os Estados.

“É preciso uma articulação definitiva do poder central com os Estados. Todos sabemos que o tráfico de drogas e o tráfico de armas não são responsabilidade dos Estados. É responsabilidade da União. E as nossas fronteiras infelizmente não vêm tendo a segurança e os investimentos prometidos há quatro anos. Uma Política Nacional de Segurança Públicacoordenada pelo governo federal é essencial para diminuirmos a insegurança no Brasil”, afirmou .

Exemplos

Aécio afirmou que fará no Brasil o que já realizou durante seus dois mandatos à frente do governo de Minas Gerais. A taxa de homicídios, entre 2003 e 2010 no Estado, teve redução de 18%. Em 2010, chegou a 14,7 homicídios por grupo de 100 mil habitantes, uma das mais baixas do país. Já a taxa de homicídios do Brasil ficou 1,8% maior nesse mesmo período. Com Aécio Neves no governo, Minas foi o Estado que mais investiu em segurança no Brasil: foram 13,4% dos gastos totais do Estado.

Ao ser questionado pela candidata do PT, a atual presidente, Dilma Rousseff, sobre qual sua política para o mercado de trabalho, Aécio criticou o governo petista dizendo que a atual administração não tem proposta para melhorar o futuro dos brasileiros, tampouco capacidade de gerar emprego e confiança dos investidores. “Estamos preparados para fazer o Brasil voltar a crescer e gerar empregos cada vez de melhor qualidade”, disse.

Eficiência

Além de propor ações para retomar a geração sustentável e crescente de emprego, Aécio prometeu conter a disparada da inflação, lembrando que o poder de compra da população nas feiras livres, por exemplo, foi corroído nos últimos seis meses.

Para demonstrar a maior capacidade de administrar o Brasil, o candidato aproveitou para lembrar suas experiências como governador de Minas Gerais, estado que se tornou referência internacional ao implantar a avaliação de desempenho de 100% dos servidores públicos.

“Quando assumi o Governo de Minas, reduzi 1/3 das secretarias e enxuguei os cargos comissionados. Elegemos a educação como prioridade. Chegamos ao final do mandato como a melhor educação do Brasil”, afirmou Aécio. “Falta no Brasil eficiência na gestão pública, que foi entregue a um punhado de partidos”, acrescentou.

Como exemplo na área educacional, Aécio reiterou o compromisso de levar para todo o Brasil o programa Poupança Jovem, alternativa para estudantes que precisam de financiamento para manter seus estudos. “Não é uma política de assistencialismo. Dá alternativa ao jovem, que pode ter como concorrente o tráfico e o crime”, afirmou.

Reforma política e fortalecimento da Petrobras

Aécio defendeu ainda uma reforma política com adoção do voto distrital misto e fim da reeleição, com mandato de cinco anos para todos os cargos eletivos. Ele reforçou, no entanto, que essa não é posição consensual dentro do PSDB.

O candidato também sublinhou o compromisso de fortalecer a Petrobras e lançou um desafio à presidente ao perguntar se ela se desculparia junto ao povo brasileiro pela gestão irresponsável na estatal. “É realmente uma leviandade a forma que a Petrobras vem sendo administrada. É a Polícia Federal que diz que há uma organização criminosa lá. Um colega seu de diretoria está preso hoje. As denúncias que aí estão são extremamente graves e a senhora não pode se esquivar de respondê-las”, afirmou.

Aécio Neves fez uma defesa em favor da democracia representativa e do fortalecimento das instituições brasileiras. “A democracia pressupõe instituições sólidas. Participação popular é essencial, mas a formatação que busca trazer o PT é algo que já de início avilta o poder soberano que é eleito pela sociedade brasileira”, afirmou Aécio Neves.

Nordeste: Aécio diz que desenvolvimento é prioridade

Aécio disse que a conclusão das obras da Transposição do Rio São Francisco é prioridade, assim com a manutenção dos programas sociais.

Eleições 2014

Fonte: Jogo do Poder

Entrevista do candidato à Presidência da República pela Coligação Muda Brasil, Aécio Neves

Assuntos: eleições 2014; desenvolvimento regional; Nordeste Forte; irrigação
Sobre desenvolvimento regional e compromissos.

[É prioridade] a conclusão das obras permanentemente adiadas pela incompetência desse governo. A conclusão da Transposição do São Francisco é prioridade absoluta do nosso governo. Os programas sociais, como o Bolsa Família, não serão apenas mantidos, serão ampliados para atender aqueles que menos têm. Mas serei o presidente do desenvolvimento e principalmente do desenvolvimento regional. Teremos políticas públicas específicas para essa região, que passam pela simplificação do sistema tributário com situações específicas para investimentos que venham pra cá. Teremos uma preocupação clara com a conclusão de todos os gargalos de infraestrutura que têm impedido aqueles que aqui produzem de produzirem com maior competitividade.

Serei o governo da Segurança Pública. O Governo Aécio Neves é um governo que não vai se omitir, como o atual governo. E vai conduzir uma política nacional de segurança, impedindo o contingenciamento de recursos, fazendo uma profunda reforma no Código Penal e no Código de Processo Penal para que a impunidade não continue a imperar Brasil afora. E vamos colocar policiais nas ruas. O governo federal vai subsidiar os Estados para que todos os policiais que estão hoje em serviços administrativos possam cumprir a função para a qual foram preparados. E, ao final, seremos o governo da generosidade na saúde pública. O governo do PT, ao longo dos últimos 12 anos, vem reduzindo ano a ano a participação federal no financiamento da saúde pública no Brasil.

Vamos ser o governo não apenas do financiamento, mas da gestão e principalmente dos investimentos regionalizados. Já tem uma demanda do governador Cássio Cunha Lima, vamos trazer para essa região as clínicas de especialidades, onde o cidadão chega, se consulta com os especialistas, faz os exames e já sai dali medicado, com os remédios. Temos que dar uma nova qualificação no atendimento de saúde pública aos que menos têm.

Sobre propostas para a Paraíba e o Nordeste Forte

Me referi aqui a obras de infraestrutura, mas há um compromisso meu com o Cássio de buscar trazer o desenvolvimento e a indústria novamente para a Paraíba. Temos que reaquecer o polo industrial da Paraíba. Existem potencialidades extraordinárias que podem ser exploradas, mas só serão se conseguirmos fazer o governo crescer. Governei Minas Gerais, que tem uma região nordeste incrustrada em nosso Estado, para muito orgulho nosso. Terminei o meu governo gastando três vezes mais na região de menor IDH do que nas regiões mais ricas. E quando vencer as eleições, esse é o meu compromisso: os investimentos prioritários começarão por aqui.

Estarei ao lado do governador Cássio, ao lado do governador José Agripino, que nos acompanha, no próximo sábado, lançando em Salvador o programa que estamos chamando de Nordeste Forte, que passa por investimentos em irrigação no nosso semiárido, passa também pela questão tributária, a qual eu me referi, específica para essa região. Vamos definir quais são esses principais gargalos de infraestrutura e vamos dar um choque de infraestrutura no Brasil. Mas vamos principalmente estabelecer quais as vocações especificas de cada uma das nossas microrregiões. E, ao final, estarei anunciando no sábado, e antecipo pra vocês, vamos refundar a Federação no Brasil.

Vamos dotar os municípios novamente de condições de eles próprios enfrentarem as suas dificuldades, porque o Brasil se transformou num Estado unitário hoje. Apenas o governo federal tudo tem. Apenas o governo federal tudo pode e todos dele são dependentes. O nosso governo será o governo da descentralização. E repito, tenho compromisso com o governador Cássio de trazer novos e importantes investimentos que vão gerar renda e desenvolvimento para essa região, obviamente acompanhados da qualificação, porque educação é sempre aquilo que há de mais importante para transformarmos a realidade de qualquer região do país, e na Paraíba não é diferente.

Sobre a seca.

Essa é uma questão histórica. Você, obviamente, não muda o clima, mas pode minimizar os efeitos da seca e da estiagem com políticas públicas específicas para essa região. Me referi aqui à Transposição, que já poderia estar minimizando o sofrimento de milhões de paraibanos, de nordestinos de todas as regiões. Sabemos que existem também já cidades onde falta água para o consumo humano, isso é inaceitável em um país com as potencialidades do Brasil. Temos políticas específicas de irrigação para o nosso semiárido, inclusive, que vocês vão conhecer em detalhes no próximo sábado.

O que quero dizer de forma muito clara é que sempre defendi que as regiões desiguais devem ser tratadas de forma desigual, porque só dessa forma você vai diminuir as desigualdades. Eu serei, como foi há 60 anos um presidente mineiro, talvez o primeiro a colocar um olhar mais generoso para essa região, que foi Juscelino Kubitscheck, com a criação da Sudene. Quero dizer que 60 anos se passaram, e eu serei o novo presidente do Nordeste brasileiro.

Saúde: Aécio Neves diz que corrigirá tabela do SUS

“Vamos enfrentar essa situação com o aumento do financiamento com base em propostas que já tramitam no Senado”, comentou Aécio.

SUS na UTI

Fonte: O Estado de S.Paulo

Aécio Neves promete corrigir tabela do SUS

Candidato tucano não comentou como reajustará os valores: ‘Só vou tratar dos mínimos detalhes quando estiver no governo’

O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, prometeu nessa quarta-feira, 20, caso eleito, corrigir a defasagem da tabela do Sistema Único de Saúde (SUS), uma das maiores reivindicações da classe médica brasileira. Após visita ao comércio no Brás, no centro da capital paulista, ao lado do governador e candidato à reeleição Geraldo Alckmin (PSDB)Aécio disse: “É necessário que a tabela do SUS seja corrigida, mas você não vai acabar com a defasagem da noite para o dia”, admitiu, evitando entrar em detalhes sobre a maneira de fazer essa correção.

Segundo Aécio, é possível corrigir tais defasagens à medida que se dê prioridade à área da saúde, ao contrário, de acordo com ele, do que vem fazendo o governo da presidente Dilma Rousseff. “Vamos enfrentar essa situação com o aumento do financiamento com base em propostas que já tramitam no Senado, mas só vou tratar dos mínimos detalhes quando estiver no governo e com todas as informações de que hoje não dispomos”, afirmou, depois de visitar um projeto de prevenção do câncer de mama do governo paulista.

Na avaliação do tucano é possível resolver os gargalos da área da saúde com previsibilidade e metas, condições que, no seu entender, não estão presentes na gestão petista. Após a agenda no BrásAécio tem um encontro nesta tarde com sindicalistas de todo o País, na Casa de Portugal, no bairro da Liberdade. Trabalhadores e representantes sindicais ligados à Força Sindical, à UGT e à Nova Central já estão no local aguardando o presidenciável e o governador. A agenda foi organizada pelo presidente do Solidariedade, deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força.

Aécio: 2º turno é uma certeza

Temos um projeto para o Brasil. Projeto de gestão eficiente, de ousadia do ponto de vista da retomada do crescimento, dos indicadores sociais.

Eleições 2014

Fonte: O Globo

Aécio diz que 2º turno é uma certeza e que projeto de gestão do PSDB será o escolhido

No Rio, tucano ressaltou que Marina Silva não é sua principal adversária

O candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, disse que a pesquisa Datafolha publicada nessa segunda-feira mostra que o segundo turno é uma certeza e que Marina Silva não é sua principal adversária nesta eleição. O tucano visitou nesta manhã a Unidade de Polícia Pacificadora do Morro Dona Marta, e percorreu a comunidade, na Zona Sul do Rio.

— Acho que o que ficou claro nas pesquisas, e eu já antevia isso, que teremos segundo turno. O segundo turno era uma perspectiva cada vez mais provável. Hoje é uma certeza. Temos um projeto para o Brasil. Projeto de gestão eficiente, de ousadia do ponto de vista da retomada do crescimento, de avanço nos nossos indicadores sociais – disse acrescentando: — E esse projeto está cada vez mais vigoroso. Tenho muita confiança que no momento da eleição esse será o projeto escolhido pela maioria dos brasileiros.

Aécio comentou ainda o fato de aparecer um ponto percentual atrás de Marina na sondagem, já que a provável candidata do PSB teve 21% das intenções de voto e ele, 20%.

— É claro que há uma mudança no quadro eleitoral e já reflete nas pesquisas. O que não muda é a nossa determinação e convicção de que temos o melhor projeto para o Brasil.

O candidato tucano também foi questionado se, com o novo cenário eleitoral, Marina Silva é sua maior adversária.

— Não. De forma alguma. A nossa proposta é de oposição ao governo que está aí.

Questionado sobre o percentual obtido por Marina, ele respondeu que era esperado.

— Ela é muito conhecida. Disputou eleição e tem méritos — afirmou o senador negando atribuir o percentual atingido por Marina a comoção pela morte de Eduardo Campos.

O tucano disse ainda ter muito respeito por Marina Silva, assim como tem pela presidente da República, mas afirmou ter as melhores propostas para o país. Para Aécio, a mudança no cenário eleitoral não altera “absolutamente nada” que ele tinha programado para apresentar no horário eleitoral gratuito da TV, que começa nesta terça-feira.

Na comunidade, Aécio esteve com o secretário de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame. À tarde, o candidato tem uma reunião com tucanos no Rio.

No morro, podiam ser vistas muitas placas do tucano ao lado do governador Luiz Fernando Pezão, candidato a reeleição, e do filho do ex-governador Sergio Cabral, Marco Antonio Cabral, candidato a uma vaga na Câmara dos Deputados.

A agenda na UPP foi programada pelo coordenador do Afroreggae, José Junior, que também é colabora com o programa de Aécio na área de juventude. Na ida à UPP ele prometeu estender o modelo a outras regiões do país.

— Quero reinterar o meu compromisso de ampliar esse tipo de iniciativa para outras regiões metropolitanas do Brasil e outros aglomerados urbanos que vivem problemas de criminalidade.

Após a agenda, foi almoçar com Fernando Henrique Cardoso.

DATAFOLHA

pesquisa, divulgada na madrugada desta segunda-feira já colocando Marina Silva como candidata do PSB à Presidência da República mostra que ela entra na disputa com 21% das intenções de voto no 1º turno, um ponto à frente de Aécio Neves (PSDB), que tem 20% – o que configura empate técnico. Dilma (PT) lidera com 36%, segundo a sondagem.

Segundo o Datafolha, a entrada de Marina Silva na disputa afasta a chance de a eleição ser decidida no primeiro turno.

As intenções de voto nulo ou em branco, que eram de 13%, caem com a entrada de Marina. Segundo o Datafolha, com Marina candidata a taxa recua para 8%. O percentual de indecisos, que era de 14%, cai para 9%.

Eleições 2014: Aécio diz que Governo Dilma foi o que menos fez reforma agrária

Em entrevista após sabatina na CNA, Aécio Neves questionou o desempenho do Governo Dilma na distribuição de terras, o mais baixo desde FHC.

MST e Ministério da Agricultura

Fonte: PSDB

Entrevista do candidato à Presidência da República pela Coligação Muda Brasil, Aécio Neves

Assuntos: eleições 2014, agronegócio, reservas; MST, ministérios

Sobre a PEC 215

Essa PEC só avançou pela incapacidade que o governo demonstrou, ao longo de todo esse período, de enfrentar essa questão, de dirimir os conflitos, fazendo cumprir a legislação. Temos uma legislação, inclusive, uma Constituição que define as quatro condicionantes para que possa uma determinada área ser considerada reserva indígena.  E existe uma súmula do Supremo Tribunal Federal, do ministro Carlos Alberto Direito, já falecido, que estabelece os parâmetros para que as áreas sejam consideradas indígenas.

Uma questão que estaremos certamente discutindo no futuro, mas pretendo que não haja sequer necessidade dessa mudança na legislação. É uma discussão que está sendo conduzida, inclusive, com a participação de companheiros importantes nossos no Congresso Nacional, mas quero crer que no momento em que reestabelecermos a segurança e a tranquilidade nessas relações, talvez não haja sequer a necessidade dessa transferência de responsabilidade. Mas é uma discussão ainda em aberto.

Sobre a relação com o MST

Nosso governo será um governo cumpridor da lei, mas será um governo sempre absolutamente aberto ao diálogo. Vou dar um dado aqui que talvez surpreenda a alguns que não trabalham especificamente esta questão. Ao longo dos três últimos governos, tivemos entregues à reforma agrária, distribuídos no processo de reforma agrária e, me refiro aos três últimos governos – FHCLula e o da atual presidente – 72 milhões de hectares. Pra fazer uma comparação, a área plantada de grãos do Brasil ocupa 54 ou 55 milhões de hectares. Foi o governo da atual presidente da República que menos fez pela reforma agrária. Dos 72 milhões apenas 2,5 milhões foram distribuídos no governo da Presidente Dilma. Aprendi já muito cedo que a simples distribuição da terra não traz como consequência direta a geração da renda.

O que precisamos é ter uma visão mais ampla do processo de reforma agrária que houve até aqui, requalificando esses produtores, garantindo assessorias, acesso a tecnologias e apoio à comercialização, para que não continue a ocorrer, como disse recentemente um falante ministro palaciano, vendo os nossos assentamentos se transformando em favelas rurais. Vamos resgatar os assentamentos como algo como instrumento importante de geração de renda, estimulando ali que produzam e que possamos apoiar pequenos produtores.

A relação será de um lado sustentada na legislação e por outra no diálogo. E pretendo ter tanto com esse movimento, quanto com outros movimentos, naturais, democráticos, que existam na sociedade brasileira, uma relação absolutamente republicana. E posso já garantir aos senhores que o meu governo avançará na questão da reforma agrária, com regras, com segurança jurídica, muito mais do que avançou o governo da atual Presidente da República.

Sobre eficiência em obras

Planejamento é essencial e projetos bem executados. Você não consegue fazer uma obra de forma adequada, sem que haja um projeto técnico feito de forma adequada. Vamos iniciar um governo fazendo um mutirão de qualificação dos projetos e as obras quando licitadas serão licitadas pelo valor, viável, pelo valor que garante sua conclusão.

O que acontece hoje? O governo é muito mais preocupado em lançar as obras, em lançar os slogans, do que em ver essas obras sendo concretizadas. É a realidade hoje, tenho andado pelo Brasil, ninguém esta me dizendo. Eu fui à beira do São Francisco, passei na beira da Transnordestina, fui ao Centro-Oeste ver como é que estavam os projetos de irrigação, são obras que quando muito mal conduzidas, algumas delas muitas delas abandonadas.

Então não iniciarei uma obra que não tenha um prazo de conclusão, pode até ser que esse prazo não seja no meu governo, mas haverá o financiamento. O que fizemos em Minas? Havia a garantia do financiamento para todas as obras, não lançamos uma sequer que não pudesse ser concluída. Todas as obras que lá lançamos foram concluídas pelo preço estabelecido previamente porque existia projetos e no prazo adequado. Disse há pouco e repito, não existe desperdício maior de dinheiro publico do que você começa-lá e abandoná-la.

Sobre o Ministério da Agricultura e o Ministério da Infraestrutura e corte de pastas

Disse já há algum tempo que pretendo reduzir o número de ministérios que aí estão. Não pretendo diminuir ou relativizar a importância de quaisquer atividades que são hoje executas por esses ministérios. Acho até que muitas delas terão maior efetividade se definidas as suas prioridades, as suas estratégias, de forma menos onerosa, de forma menos burocrática, como é hoje, como a estrutura ministerial se encontra. Grande parte dos ministérios que estão aí não foi criada com o foco na eficiência, no resultado, na prestação do serviço, mas sim na ampliação da base de apoio e no atendimento aos vários setores núcleos que existem dentro do próprio partido da presidente da República. Não desprezo nenhuma dessas atividades, são todas extremamente relevantes, como inclusive de outras que não são atendidas pelos ministérios, mas o desenho do novo governo e da máquina pública terá o sentido da racionalidade e da qualidade dos resultados.

Estou aos poucos começando a sinalizar como será essa redução. Disse outro dia que estudo, e fica apenas como referência, de uma universidade dos Estados Unidos, muito interessante mostrando porque países com menos estruturas de ministérios funcionam melhor do que aqueles com amplas estruturas. Falo das cadeias de comando. O que acontece com esse mundo de ministérios que temos hoje? Alguns ministérios comandam outros. Não sei a última vez que a presidente se reuniu com alguns desses ministros. Provavelmente, já tem muito tempo, é humanamente impossível.

Por que não racionalizarmos a máquina? O ministério da Infraestrutura será estratégico. Vamos ter um ministério limpo, organizado, com estratégias de planejamento, com pessoas qualificadas que tenham segurança para quem vem a empreender no Brasil, marcos regulatórios bem definidos, agências reguladoras ocupadas com gente qualificada que entenda do riscado, que tenham respostas a dar aos problemas que o Brasil vive.

E o agronegócio, a agropecuária, é algo tão essencial ao crescimento do país, tão necessário hoje sob todos os aspectos que eu quero dar ele na largada, sim, uma sinalização, uma estrutura de um superministério. O ministro da Agricultura vai se sentar com o ministro da Fazenda, com o ministro da definição das políticas econômicas, com o ministro do Planejamento para a definição de orçamentos, de créditos e tudo mais, com o ministro da Infraestrutura, para a definição das prioridades de investimentos em infraestrutura que impactem na produção agropecuária brasileira.

O pretendo fazer é um governo que funcione. Já sinalizei para algumas atividades. Hoje, já afirmei que, nessa definição, a Pesca será sempre um instrumento importante, social, econômico, tem que expandir, tem que ver um potencial enorme de expandir as atividades da pesca e de todas as suas prioridades. Ontem mesmo, aprovamos no Senado Federal um projeto que garante a contagem do tempo pra aposentadoria do pescador no momento do defeso, quando eles são proibidos de pescar, uma sinalização da importância que damos a esse tema. Mas a construção estratégica estará dentro de uma lógica que estará, nesse caso também, coordenada pelo superministério da Agricultura, Pecuária, Pesca, Abastecimento e, se me convencer no futuro que outras atividades possam estar ali, estarão também.

Aécio: reajuste real do salário mínimo

Aécio discursou para cerca de 100 trabalhadores da empresa Voith e prometeu reajuste na tabela do imposto de renda e no salário mínimo.

Eleições 2014

Fonte: Portal Terra 

Em porta de fábrica, Aécio promete reajuste da tabela do IR

O candidato do PSDB à presidência da República Aécio Neves discursou para cerca de 100 trabalhadores na porta da empresa Voith por volta das 7h30 desta quinta-feira, na cidade de São Paulo, e prometeu reajuste na tabela do imposto de renda e no salário mínimo. Ao lado do candidato a deputado federal Paulinho da Força, o tucano disse que pretende isentar os trabalhadores que ganham até R$ 4,5 mil do pagamento do imposto de renda. Hoje quem ganha até dois salários mínimos não paga o IR.

“Queremos regras absolutamente claras, defesa dos direitos dos trabalhadores, reajuste real do salário mínimo, da tabela do imposto de renda, mas nós temos hoje as melhores condições para que os investimentos voltem para o Brasil. Sem investimento não há crescimento, emprego. Esse governo perdeu a capacidade de sinalizar na retomada docrescimento. Além disso, queremos tolerância zero com a inflação. A partir do dia 1 de janeiro, a herança maldita desse governo será um quadro de estagflação. Seremos o País que menos vai crescer na América do Sul”, afirmou Aécio.

No evento na porta da fábrica participaram também o governador e candidato à reeleição Geraldo Alckmin (PSDB), o candidato ao Senado José Serra (PSDB) e o vice de Aécio, Aloísio Nunes, além de candidatos a deputado federal e estadual.

Principal foco dos adversários da petista Dilma Rousseff, a crise econômica novamente foi alvo das críticas ao atual governo federal. De acordo com o candidato do PSDB, hoje o Brasil vive “a maior crise de desindustrialização de toda a história”. Para ele, não há confiança dos investidores em injetar capital no País.

“Estamos hoje na porta da Voith para alertar o Brasil. O governo não inspira confiança e assim não há investimento e agora o desemprego começa a chegar no Brasil. É hora de ter um novo processo de crescimento no Brasil, com controle da inflação, regras claras que permitam a retomada do capital. Não podemos continuar como estamos porque se hoje a crise é grave, no futuro vai ser mais grave ainda. O governo perdeu a capacidade de agir, é um governo à beira de um ataque de nervos. Está na hora de deixar na mão de quem sabe, porque o Brasil não merece mais quatro anos assim”, disse.

Apoio sindical
No mesmo dia em que a presidente Dilma Rousseff irá participar de um ato com sindicalistas de seis importantes centrais sindicais do Brasil, incluindo a Força Sindical, Aécio também encontrou com trabalhadores. Apesar da Força estar dividida, o tucano minimizou o fato de a petista ter a maior parte do apoio no setor.

“Ninguém quer ter o monopólio de nada. Eu agradeço sempre à Força não apenas esse ano, mas todos os anos. Infelizmente as lideranças do PT que tiveram no evento da própria CUT não tiveram a mesma recepção, quem sabe aquilo não é um sinal do sentimento real das pessoas. A presidente está no direito de fazer sua campanha. Estimulo que ela vá às ruas, não só nos eventos programados, que possa olhar no olho das pessoas a descrença”, cutucou Aécio.

Aécio propostas: mudanças na saúde pública

Aécio anunciou que pretende fazer uma revolução no atendimento público de saúde ao criar novas 500 unidades regionais em todo país.

Eleições 2014

Fonte: PSDB

No Dia Nacional da Saúde, Aécio Neves se reúne com classe médica e defende revolução na saúde pública brasileira

O candidato à Presidência da República pela Coligação Muda Brasil, Aécio Neves, reuniu-se nesta terça-feira (05/08), em Brasília, com representantes de associações e entidades médicas de todo o país. Aécio anunciou que pretende fazer uma “verdadeira revolução” no atendimento público de saúde ao criar novas 500 unidades regionais em todo país.

“Nosso programa vai propor a criação de 500 grandes unidades regionais, em um país de cerca de 5,5 mil municípios, onde o cidadão chegue e seja atendido por um médico especializado, encaminhado a partir do diagnóstico feito para um exame e já saia dali com os remédios”, ressaltou Aécio Neves.

Em seguida, o candidato afirmou: “Vamos fazer uma verdadeira revolução no atendimento da saúde pública no Brasil. Dinheiro existe, o que falta é qualificação na aplicação desse dinheiro, e metas claras”.

Durante o encontro, Aécio ressaltou que no seu governo haverá um canal de comunicação com os profissionais do setor. “Vamos construir uma política de saúde pública no Brasil, em interlocução com os vários setores representativos da área. Hoje é um dia importante, em que poderia ser comemorado o Dia da Saúde. Mas, infelizmente, para muitos brasileiros é o Dia da Falta de Saúde. Falta diálogo”, afirmou.

O candidato lembrou uma revolução no atendimento de saúde pública no país inclui a alocação responsável de recursos, a definição de prioridades, a qualificação de profissionais e a realização de atendimentos especializados.

Parceria

Para o presidente da Associação Médica do Brasil (AMB), Florentino Cardoso, o caminho para a “construção de uma saúde pública digna” no Brasil passa pela implantação de uma parceria necessária entre os profissionais do setor e o governo federal.

“Precisamos mudar os cenários do nosso país, que não aguenta mais 12 anos de retrocesso, de um governo que leva o país a um lugar não adequado, a uma situação constrangedora na saúde, na educação e na segurança”, afirmou Cardoso.

O presidente da ABM acrescentou: “Aécio tem se mostrado confiante, trabalhador, dedicado, conhecedor das causas desse país. Quer construir um Brasil com alianças, ouvindo pessoas que entendem e vivem os diferentes setores desse Brasil”.

Eleições 2014: Aécio tem propostas para desenvolvimento da sociedade brasileira

Aécio disse que pessoalmente é otimista com relação à potencialidade do País e em resgatar a capacidade de crescimento da economia.

Eleições 2014

Fonte: Estado de Minas 

País poderá retomar crescimento sustentável, diz Aécio

O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, rebateu neste domingo, 3, a estratégia que vem sendo utilizada pela presidente e candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT), sua adversária nesta corrida presidencial, de taxar a oposição de pessimista. Após caminhada no centro de São José dos Campos, Aécio disse que pessoalmente é otimista com relação à potencialidade do País e em resgatar a capacidade de crescimento da economia e do desenvolvimento da sociedade brasileira. “Contudo, a incapacidade do atual governo para sinalizar um cenário melhor para o futuro é a razão do pessimismo não apenas da oposição, mas dos empresários e de vários setores da economia, basta olhar os índices da FGV.”

Segundo o tucano, o discurso da oposição não pode ser classificado de pessimista, simplesmente porque reflete, no seu entender, a realidade que o País vive atualmente. “O governo petista fracassou na gestão do Estado, o Brasil é hoje um cemitério de obras paradas e eles (PT) fracassaram não apenas na economia, mas na educação, saúde e outras áreas essenciais. Vivemos um quadro de estagflação e crescimento econômico pífio. Além disso, falta decência, eficiência e ousadia aos inquilinos que estão hoje no poder (governo petista)”, argumentou.

Para o candidato do PSDB, “o atual governo, pela incapacidade gerencial, pela incompreensão da verdade do mundo, pelo aparelhamento absurdo da máquina pública, permitiu que o Brasil viva hoje um cenário preocupante, que se reflete nos investimentos“. E destacou que todos aguardam o que vai acontecer nas eleições para saber o que irão fazer. E previu que sua eventual vitória nas urnas vai criar um ambiente adequado, com regras claras, marcos regulatórios compreensíveis e simplificação do sistema tributário para que o País possa, a partir de 2015, retomar um ciclo de crescimento sustentável por um longo período. “Cada vez mais eu me convenço de que isso é possível”, frisou.

Aécio visitou neste domingo o Mercado Municipal da cidade, situada no Vale do Paraíba, ao lado de correligionários tucanos, como o governador do Estado e candidato à reeleição, Geraldo Alckmin, o candidato ao Senado José Serra e o suplente José Aníbal, o vice em sua chapa, senador Aloysio Nunes Ferreira, o ex-governador Alberto Goldman, e líderes locais, como o ex-prefeito e deputado federal Emanuel Ferreira.

No mercadão, o presidenciável tucano comeu pastel e um pão de queijo. Indagado sobre a qualidade da iguaria mineira, disse que estava muito bom, “no padrão mineiro.” Cerca de 100 pessoas participaram da visita, que durou cerca de meia hora. Após essa agenda, as lideranças tucanas foram para o diretório da sigla na cidade, onde concederam entrevistas e fizeram breves discursos aos militantes.

Eleições 2014: Aécio propõe regras tributárias específicas para Nordeste

Aécio indicou que governará com atenção especial para os pobres. Base de proposta de investimentos no Nordeste será apresentada em agosto.

“Levaremos o exemplo do que fizemos em Minas Gerais, onde, ao final do nosso mandato, tínhamos gasto três vezes mais per capita na região mais pobre de Minas do que nas áreas mais ricas”, afirmou o tucano

Eleições 2014

Fonte: O Globo

Aécio Neves promete investir contra a desigualdade no Nordeste

Candidato do PSDB à Presidência prepara proposta de desenvolvimento, com normas tributárias específicas para atrair negócios e reduzir a pobreza na região

O candidato à Presidência da República pelo PSDBsenador Aécio Neves, indicou ontem que, se eleito, vai governar com atenção especial para os pobres. Segundo ele, a base de uma proposta de investimentos no Nordeste será apresentada na semana de 12 de agosto, quando o tucano faz peregrinação pelos estados da região. “Levaremos o exemplo do que fizemos em Minas Gerais, onde, ao final do nosso mandato, tínhamos gasto três vezes mais per capita na região mais pobre de Minas do que nas áreas mais ricas”, afirmou o tucano, emendando que só é possível diminuir as desigualdades “tratando os desiguais de forma desigual”.

Ao inaugurar o comitê central de sua campanha ontem, em Belo Horizonte, o presidenciável disse estar preparando um choque de investimentos no Nordeste, usando para isto “regras tributárias específicas”. O tucano voltou a falar na redução do número de ministérios em um eventual governo tucano, mas continuou se negando a dizer quais pastas pretende extinguir. Usando dados de uma pesquisa internacional, Aécio disse considerar 22 ou 23 um número bom de ministérios. “Quero diminuir os ministérios e os cargos de livre nomeação e fazer com que o governo federal funcione, porque, hoje. o governo não ajuda e começa já a atrapalhar a vida de quem quer empreender no Brasil”, afirmou.

Tratado pelos aliados de Juscelino Kubitschek do século 21, Aécio disse que fará, nos próximos 20 dias, um roteiro que o levará a pelo menos 20 estados e fez um apelo ao cabos eleitorais mineiros para que convençam indecisos e mudem a seu favor votos “equivocados”.

O tucano dividiu o palanque com o candidato tucano ao governo de MinasPimenta da Veiga, o vice na chapa, Dinis Pinheiro (PP), e o ex-governador, que agora concorre ao Senado, Antonio Anastasia, além do governador Alberto Pinto Coelho (PP). Também presente no evento, Maria Estela Kubitschek , filha do ex-presidente Juscelino, leu carta levando a Aécio o apoio de toda a família. Segundo ela, JK conquistou a Presidência da República com a idade do tucano, a quem tratou por futuro presidente.Militância
PSDB reuniu centenas de militantes com bandeiras tucanas na Avenida Augusto de Lima, onde preparou um carro de som e um telão para que as pessoas na rua dissessem o que esperam de um novo Brasil. Na hora do almoço, o jingle de Aécio ficou alertando para a presença do candidato, enquanto a juventude do partido e o tucanafro faziam batucada em uma das esquinas movimentadas do Centro de Belo Horizonte.

PimentaDinis e Anastasia desceram a Rua da Bahia até entrar no comitê, onde Aécio procurou vincular sua campanha à sucessão estadual. “Se nós já fizemos tanta coisa em Minas Gerais, tendo um presidente de oposição, imagina se vencermos eleições presidenciais, com o conhecimento que tenho da realidade de Minas Gerais, os avanços que poderemos trazer para o estado”, afirmou. Antes, os aliados trataram de reforçar a campanha do presidenciável no estado. “Tenho certeza que o grito que ecoa de Minas, que é o grito de Aécio presidente, vai se espalhar pelo Brasil. Com Pimenta governador, vamos rumo à vitória”, afirmou Anastasia.

Pimenta
Ao comentar o resultado das últimas pesquisas em Minas, que colocam o candidato lançado por ele praticamente empatado com o adversário do PT, o ex-ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando PimentelAécio disse acreditar que no próximo levantamento Pimenta estará liderando. “Sempre acreditei na vitória doPimenta, ele é consistente, não é um candidato de bravatas, é um candidato que tem história e representa a continuidade de um trabalho extremamente sério”, afirmou. Pimenta da Veiga retribuiu, inflando a campanha do senador. “Aqui está nascendo um movimento político que vai ganhar o Brasil inteiro e resultar na eleição e vitória de Aécio Neves presidente”, afirmou.

Anastasia disse que a avaliação negativa do governo federal e a positiva da gestão estadual devem influenciar o eleitor, ajudando a candidatura de Pimenta. O ex-governador lembrou, que nesta fase da campanha estava atrás nas pesquisas e ressaltou o fato de o desempenho do atual candidato do PSDB ter melhorado antes mesmo de começarem as propagandas de televisão.

Mais cedo, Pimenta da Veiga fez caminhada pelo Barreiro, onde conversou com comerciantes e falou mais uma vez sobre o crescimento da inflação no país. “Há muitos empreendimentos, muitas empresas, desde as muito grandes até pequenas empresas. E todas são prejudicadas pela inflação que, infelizmente, está dando sinais de uma rápida elevação, e isso depende do governo federal. O remédio que estamos apontando para isso é mudar o eixo do país, através da liderança de Aécio Neves”, afirmou.

Prefeitos no alvo

O candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos, afirmou ontem que, em um eventual governo, teria como prioridade aumentar em cerca de dois pontos porcentuais o repasse da União ao Fundo de Participação dos Municípios (FPM) para “tirar da falência os serviços públicos brasileiros dos municípios”. A uma plateia formada por prefeitos em evento na capital gaúcha, ele garantiu que há recursos para tornar o pacto federativo brasileiro mais justo e eficiente e criticou a política de desonerações do atual governo, como no caso do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), que, segundo ele, não dá mais resultado e, de quebra, acaba gerando diminuição dos repasses às cidades.