Arquivos do Blog

Gestão Eficiente: Minas Gerais será laboratório para pesquisa inédita na área do desenvolvimento sustentável

 

Santa Vitória, no Triângulo Mineiro, é foco de parceria entre as multinacionais Dow Chemical Company e a The Nature Conservancy (TNC)

Omar Freire / Imprensa MG
Antonio Anastasia cumprimenta vice-presidente da Dow, Neil Hawkins.
Antonio Anastasia cumprimenta vice-presidente da Dow, Neil Hawkins.

O governador Antonio Anastasia participou, nesta quarta-feira (13), no Palácio Tiradentes, da cerimônia de anúncio de parceria entre a Dow Chemical Company e a The Nature Conservancy (TNC), organização não governamental dedicada à conservação de recursos naturais, para um trabalho inédito em Santa Vitória, no Triângulo Mineiro.  A TNC mantém, em parceria com a japonesa Mtsui, o projeto de construção de uma planta integrada para produção de etanol e de plástico, que deverá entrar em operação em 2013, e receberá investimentos de R$ 2,4 bilhões, com a geração de 2,6 mil empregos diretos e indiretos. A cerimônia contou com a presença do presidente da Dow para América Latina, Pedro Emílio Sanchez.

A ideia da parceria é incorporar cada vez mais o valor da natureza e do meio ambiente ao mundo dos negócios. Outro destaque é que os resultados alcançados serão compartilhados publicamente, para que outras empresas, o setor público e outros grupos de interesse possam utilizá-los de forma bastante prática.

O detalhamento do projeto foi feito pelo diretor do Programa de Conservação da Floresta Atlântica e Savanas Centrais da TNC, João Campari, e pelo vice-presidente de Sustentabilidade, Meio Ambiente, Saúde e Segurança da Dow, Neil Hawkins.

O governador Anastasia afirmou que, pelo caráter inovador do projeto, Minas Gerais chamará a atenção da comunidade internacional, por aliar produção e sustentabilidade.

“Nós teremos os olhos do mundo voltados para Santa Vitória porque será uma experiência singular que será desenvolvida no Estado. Estamos entusiasmados com essa parceria da Dow com a TNC que se desdobrará em nosso território”, disse Anastasia.

Plástico Verde 

Uma usina integrada para produção de cana de açúcar, etanol e plástico, localizada em Santa Vitória, Triângulo Mineiro, em fase de implantação, vai se transformar em uma espécie de laboratório para que cientistas da Dow e da TNC pesquisem os impactos da produção na natureza e, ao mesmo tempo, mensurar como o meio ambiente pode ser usado para o incremento dos negócios de maneira sustentável. A TNC e a Dow usarão modelos científicos, mapas e imagens de satélite de alta resolução para analisar a biodiversidade e os serviços ambientais e aplicar estas ferramentas no planejamento estratégico da Dow. Serviços ambientais são, por exemplo, o controle da erosão feito pelas montanhas ou o sequestro de carbono e controle de enchentes feitos pelas florestas.

Segundo o diretor da TNC, João Campari, Santa Vitória foi escolhida por ser uma região que oferece as condições necessárias para desenvolver o projeto, com disponibilidade de terras agrícolas, aspectos agrícolas e ambientais, logística, boa infraestrutura e acesso à mão de obra qualificada.

Este é o segundo projeto desenvolvido entre as empresas e o primeiro em solo brasileiro. Do plano global de investimentos de US$ 10 milhões da Dow, em parceria com a TNC, ao longo de cinco anos, um terço será alocado em Santa Vitória. “Queremos uma natureza melhor do que está hoje, ao mesmo tempo que a empresa vai avançar na produção de cana e etanol para o polietileno (plástico)”, disse o vice-presidente da Dow, Neil Hawkins.

Modelo para o Brasil

Antonio Anastasia considera “revolucionária” a perspectiva de Minas Gerais produzir um tipo de plástico a base de cana de açúcar, evitando o uso de insumos não renováveis, como os derivados do petróleo.

“É praticamente uma nova alvorada na questão não só de sustentabilidade, mas também no crescimento de novos produtos para o mundo, porque, de fato, transformar a cana-de-açúcar não só naqueles produtos tradicionais que estamos acostumados, mas também servindo de base para uma verdadeira forma de plástico, em uma linguagem mais singela e objetiva, é algo revolucionário”, completou.

A secretária de Desenvolvimento Econômico, Dorothea Werneck, lembrou que esse modelo de negócios coloca o Estado em destaque mundial, no momento que se realiza a Rio+20, a conferência da ONU sobre desenvolvimento sustentável. “Isso mostra como estamos incorporando a questão da sustentabilidade junto com desenvolvimento e produção, respeitando a comunidade local e o meio ambiente”, disse.

Trabalho de campo

O projeto desenvolvido entre a Dow e a TNC contribuirá para que Minas Gerais seja precursor em pesquisas de campo que levam em conta o valor e os benefícios proporcionados pela natureza nas decisões de negócios.

Exemplo: como florestas saudáveis e intactas podem, naturalmente, limpar a água e o ar, além de criar habitats para a fauna local; e como a água potável saudável garante os recursos necessários tanto para a Dow quanto para as comunidades do entorno.

Além disso, as organizações vão trabalhar em conjunto para avaliar as oportunidades de restauração florestal para toda a região, a fim de atender às exigências do Código Florestal Brasileiro e, ao mesmo tempo, maximizar os benefícios ambientais para a Dow, as comunidades e o meio ambiente.

Também participaram da solenidade os secretários Adriano Magalhães (Meio Ambiente), Narcio Rodrigues (Ciência e Tecnologia), Carlos Melles (Transportes e Obras Públicas), Gustavo Magalhães (Secretário-Geral do Governador), o prefeito de Santa Vitória, Antônio Celso Andrade Domingues.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/minas-gerais-sera-laboratorio-para-pesquisa-inedita-na-area-do-desenvolvimento-sustentavel/

Gestão Anastasia : evento sobre o desenvolvimento sustentável marca Dia do Meio Ambiente em Minas

Governo de Minas, em parceria com a Câmara Italiana de Comércio, promove seminário sobre sustentabilidade

O Governo de Minas, em parceria com a Câmara Italiana de Comércio de Minas Gerais, promove, nesta terça-feira (05), Dia Internacional do Meio Ambiente, a segunda edição do seminário “Desenvolvimento Sustentável e os Limites do Crescimento: porque investir em meio ambiente”. O objetivo do evento, que será realizado das 13h às 19h, no auditório do BDMG, localizado no bairro de Lourdes, região Centro-Sul de Belo Horizonte, é orientar as empresas, por meio da apresentação de casos de sucesso, sobre como investir em meio ambiente e a importância desse investimento.

No seminário, que será aberto pelo secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Adriano Magalhães, serão assinados o Acordo Setorial para Logística Reversa de Embalagens Plásticas Usadas de Óleos Lubrificantes e a Deliberação Normativa (DN) do Conselho Estadual de Política Ambiental (Copam) que estabelece a nova organização das Comissões Paritárias (Copas). Será apresentado, também, o Índice de Desenvolvimento da Política Pública de Meio Ambiente (IDPA).

Ainda na abertura, serão lançadas a terceira edição do Relatório de Sustentabilidade do Sistema Estadual de Meio Ambiente (Sisema) 2010/2011, documento por meio do qual o órgão presta contas à sociedade a respeito de sua atuação e de suas práticas para a sustentabilidade econômica, social e ambiental e o SisemaNet, ferramenta de gestão ambiental do Governo de Minas.

Durante o evento, serão expostos sete casos de sucesso em políticas sustentáveis, entre eles, a Embaixada Verde, sobre o imponente edifício da Embaixada da Itália em Brasília, considerado uma obra sustentável, apresentado pelo embaixador da Itália no Brasil, Gherardo La Francesca. O assessor especial da Semad, Manno França, apresentará experiência de revisão de limites do Parque Estadual da Serra do Papagaio, no Sul de Minas.

Cidade Administrativa

Diversas ações estão previstas também na Cidade Administrativa de Minas Gerais. Nesta segunda-feira (04), o Coral da Cidade Administrativa Cidade em Canto fez uma apresentação no térreo do prédio Minas. Nesta terça (05), o Pelotão 193, do Grupo de Teatro de Corpo de Bombeiros, apresenta uma peça teatral às 12h30 no térreo do prédio Minas. O Pelotão 193 foi criado em 2003 com o lema “Bombeiros valorizando a vida através da arte”. A trupe é formada por sete bombeiros militares, que se apresentam em teatros, escolas e empresas.

Na quarta-feira (06), o público contará com a apresentação do grupo de teatro da SLU com a peça “O Lixo”. O grupo de teatro “Até tu SLU” é uma companhia de arte-mobilização. Apresenta peças de curta duração em que são abordados temas como a coleta seletiva e o combate ao desperdício, com o objetivo de despertar o indivíduo para as questões socioambientais. O grupo utiliza o humor e o improviso como instrumento de sensibilização para a importância do meio ambiente e da conservação da limpeza urbana na cidade.

De 04 a 06 de junho a Cidade Administrativa conta com a Exposição “Por um mundo melhor”. A exposição conta com produtos reutilizados, apresentados pela Futuarte; construção mais limpa, apresentado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e obras de arte como materiais reaproveitáveis, apresentadas por Oceano Cavalcanti. Os visitantes terão a oportunidade de conhecer também como funciona a bolsa de resíduos, além da exposição de uma maquete de energia, a realização de jogos pelo Programa Ambientação e apresentações do robô byte e do Bileco, mascote do Programa. As apresentações e exposições acontecem no túnel do prédio Minas e nas áreas externas dos prédios, além de contar com algumas intervenções em setores do Sisema.

Durante toda a semana, os servidores poderão também trazer peças eletroeletrônicas para serem colocadas nos coletores eletroeletrônicos, que serão montados no térreo dos prédios Minas e Gerais e no ponto de ônibus.

Ações desenvolvidas pelo Sistema Estadual de Meio Ambiente

O Sisema é responsável pelo Programa Qualidade Ambiental, Programa Estruturador inserido na Rede de Governo de Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais. O objetivo do programa é integrar a gestão ambiental na busca pela preservação, melhoria e recuperação ambiental, visando assegurar a qualidade ambiental e o desenvolvimento sustentável.

O Programa Qualidade Ambiental e composto por cinco Projetos Estratégicos: Redução e Valorização de Resíduos, Mitigação e Adaptação às Mudanças Climáticas, Meta 2014, Revitalização das bacias do rio Doce, Paraobeba e outras bacias e desenvolvimento dos instrumentos de gestão de recursos hídricos e o Projeto de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica, Cerrado e Caatinga.

Clique aqui para saber quais são as demais ações desenvolvidas pelo Sistema Estadual de Meio Ambiente (arquivo PDF).

Para saber a programação completa das ações que marcam o Dia do Meio Ambiente em Minas, clique aqui (arquivo PDF).

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/evento-sobre-o-desenvolvimento-sustentavel-marca-dia-do-meio-ambiente-em-minas/

Governo de Minas: especialistas apresentam ideias para Plano Estadual de Coleta Seletiva

Iniciativa do Governo de Minas foi o tema principal do 3º Encontro Estadual de Coleta Seletiva, realizado em Belo Horizonte

Janice Drumond / Sisema
O secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Adriano Magalhães durante a abertura do encontro
O secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Adriano Magalhães durante a abertura do encontro

Gestores públicos, ambientalistas, empresários e integrantes de cooperativas de catadores de material reciclado de todo o Estado se reuniram por dois dias no 3º Encontro Estadual de Coleta Seletiva, no Centro Mineiro de Referência em Resíduos, em Belo Horizonte. O objetivo foi debater a implantação do Plano Estadual de Coleta Seletiva (PECS). O estudo foi instituído em dezembro de 2011 e estabelece as diretrizes e estratégias para atuação do Estado no apoio à implantação ou ampliação da coleta seletiva nos municípios.

Cerca de 300 participantes puderam apresentar propostas e discutir iniciativas para incentivar que mais entidades e municípios implantem ações do PECS. “O trabalho desenvolvido em Minas Gerais é feito de forma alinhada com as diretrizes do Plano de Regionalização para a Gestão Integrada de Resíduos Sólidos Urbanos em Minas Gerais, incentivando a inclusão social e econômica dos catadores de materiais recicláveis e o fortalecimento dos instrumentos determinados pelas políticas de resíduos sólidos”, explica o secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Adriano Magalhães.

O Plano Estadual de Coleta Seletiva segue nove princípios que balizam o apoio do Estado aos municípios: universalidade; regularidade; continuidade; controle social; prevenção; gestão integrada, compartilhada e sustentável; redução e valorização dos resíduos; potencialização do ganho energético, e responsabilidade compartilhada.

O presidente da Fundação Estadual do Meio Ambiente (Feam), Ilmar Bastos, explica que os municípios precisam adotar uma série de medidas para se tornarem aptos a receber o apoio do Estado para implantar um sistema de coleta seletiva. “Antes de tudo, a cidade precisa ter um sistema regularizado e adequado de destinação de resíduos, além de já ter um Plano de Gestão Integrada (PGI), que é um fator determinante para indicar o comprometimento do município com o cumprimento das Políticas Nacional e Estadual de Resíduos Sólidos”, afirma.

O apoio do Estado aos municípios mineiros aptos para implantação ou ampliação dos serviços de coleta seletiva é coordenado pela Feam, em articulação com entidades públicas e privadas, e consiste de um suporte técnico para execução de cinco etapas: diagnóstico da situação atual, análise da viabilidade e sustentabilidade econômica, seleção do modelo mais adequado de coleta seletiva, apoio na implantação e monitoramento do trabalho.

Bolsa Reciclagem

Ilmar Bastos destaca ainda que está em etapa final de regulamentação a bolsa-reciclagem. A lei, sancionada em novembro de 2011, incentiva a utilização de materiais recicláveis, preservando os recursos naturais e também contribuir para a inclusão social dos catadores de materiais recicláveis.

“A ideia é conceder incentivo financeiro às cooperativas e associações de catadores de materiais recicláveis que fazem esse trabalho de forma correta”, explica o presidente da Feam. Estima-se que há em Minas Gerais 40 mil famílias que vivem da coleta de resíduos sólidos.

O incentivo será concedido trimestralmente a cooperativas ou associações, sendo que 90% dos recursos terão de ser repassados aos catadores cooperados ou associados. Para ter direito ao recebimento, as entidades de catadores de materiais recicláveis precisarão manter atualizados seus dados cadastrais no Estado e ser reconhecida como cooperativa ou associação de catadores de materiais recicláveis.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/especialistas-apresentam-ideias-para-plano-estadual-de-coleta-seletiva/

Governo de Minas: Secretário de Meio Ambiente abre 5º Fórum Sustentar em Belo Horizonte

Evento no Minascentro conta com a presença de autoridades nacionais e internacionais

Janice Drumond/Sisema
O secretário Adriano Magalhães destacou a importância de Minas Gerais para o cenário nacional
O secretário Adriano Magalhães destacou a importância de Minas Gerais para o cenário nacional

O secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais, Adriano Magalhães, participou nesta quarta-feira (23) da abertura do 5º Fórum Internacional pelo Desenvolvimento Sustentável – Sustentar 2012. O evento acontece nos dias 23 e 24 de maio, no Minascentro, e conta com a presença de autoridades nacionais e internacionais, que irão levantar pautas e promover discussões, estabelecendo uma conexão com a Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento – Rio + 20.

Adriano Magalhães ressaltou os desafios enfrentados por Minas e pelo Brasil para o desenvolvimento sustentável. “Precisamos discutir não somente a economia verde, mas também a economia de baixo carbono, estabelecendo metas para a qualidade do ar, do solo, para a disposição adequada de resíduos sólidos urbanos e para a preservação da biodiversidade, incluindo também a discussão sócio produtiva”, disse.

A importância de Minas Gerais para o cenário nacional, representando um resumo do país, com a ocorrência dos biomas do cerrado, caatinga e mata atlântica, além de ser grande provedor de água para outros estados, também foi lembrada pelo secretário. “Minas Gerais tem uma responsabilidade muito grande na proteção das florestas e dos recursos hídricos e nós já temos feito isso. O Estado já está na quarta gestão em rede, com a participação da sociedade e com importantes Programas Estruturadores em desenvolvimento. A Rio +20 torna-se, então, uma oportunidade para que Minas Gerais lidere a transição para uma economia de baixo carbono”, salientou.

O secretário frisou, ainda, que o Fórum Sustentar é um momento muito importante de reflexão, que antecede a Rio + 20 e que é fundamental a discussão sobre a economia verde e os sistemas de governança. “O desafio é promover o desenvolvimento sem desequilibrar o clima e sem usar inadequadamente os recursos naturais”. Ele completou que é necessário debater as energias renováveis e o desenvolvimento de novas tecnologias.

Roteiro Minas Silvestres

Durante a abertura do fórum foi anunciado pelo coordenador técnico do evento, Roberto Luciano Fagundes, um convênio firmado entre o Instituto Sustentar e a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Minas Gerais (Semad) denominado Projeto “Roteiro Minas Silvestres”. O convênio prevê a realização de trabalhos com as comunidades que vivem no entorno das unidades de conservação estaduais, por meio do turismo de observação à vida silvestre.

Fagundes anunciou também o reconhecimento do Fórum Sustentar como o maior evento de sustentabilidade da América Latina pelo Ministério de Meio Ambiente (MMA). “Temos, então, nesses dois dias de discussão uma oportunidade impar para nos dedicarmos a uma reflexão para o futuro. Tivemos muitos avanços desde a Eco 92, mas precisamos avançar na indicação dos caminhos e repensar o mundo que hoje se pratica”, disse.

Premiação

Quatro empresas foram agraciadas com o Prêmio Construção de Nação Sustentável. O prêmio é um estímulo para indivíduos e empresas que cooperam na construção de uma nação e sociedade mais próspera.

Receberam o prêmio: o Instituto Innovare – critério Integridade/Potestade; a professora e Pesquisadora da Universidade de São Paulo (USP), Ligia da Veiga Pereira – critério Inventividade; o Colégio de Aplicação Coluni da Universidade Federal de Viçosa (UFV) – critério Potencialidade; o Grupo Andrade Gutierrez – critério Viabilidade e o Sebrae Nacional – critério Produtividade.

Sustentar 2012

O fórum promove nos dois dias de evento um amplo diálogo com a sociedade civil sobre as importantes questões socioambientais do planeta. Cerca de 240 conferencistas estarão presentes nas programações que incluem 22 eventos paralelos como fóruns, olimpíada da sustentabilidade e conexão com a natureza, feira de produtos e serviços, cursos, seminários, workshops e oficinas, tendo como tema principal A nova economia: a transformação da sociedade, das pessoas e das empresas.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/secretario-de-meio-ambiente-abre-5o-forum-sustentar-em-belo-horizonte/

Governo de Minas: Anastasia destaca qualidade ambiental das empresas mineiras

Governador participa, em Belo Horizonte, da entrega do Prêmio Mineiro de Gestão Ambiental

O governador Antonio Anastasia participou, nesta terça-feira (15), no Auditório Juscelino Kubitschek, na Cidade Administrativa, da solenidade de entrega do Prêmio Mineiro de Gestão Ambiental (PMGA), um reconhecimento às empresas que possuem práticas de gestão para preservar o meio ambiente e fomentar a sustentabilidade.

“A premiação destaca empresas que comprovaram a sua qualidade na gestão ambiental e a sua preocupação com as futuras gerações”, disse o governador Anastasia.

Receberam o Prêmio as empresas ArcelorMittal (Unidade Juiz de Fora), Cenibra (Belo Oriente) e Votorantim Metais Zinco S/A (Paracatu). Além do Prêmio, as empresas Votorantim e ArcelorMittal também conquistaram o “Troféu Destaque” pelos diferenciais nos quesitos criatividade, inovação e sustentabilidade.

Durante a solenidade, o chefe de Comunicações da Divisão de Desenvolvimento Sustentável do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais da ONU (Undesa), Nikhil Chandavarkar, entregou certificado de chancela das Nações Unidas ao Prêmio Mineiro de Gestão Ambiental. “O reconhecimento da ONU da seriedade deste Prêmio, através de um reconhecimento público, de um documento entregue aos responsáveis pelo Prêmio Mineiro de Gestão Ambiental, dá uma validade ainda maior ao Prêmio”, ressaltou Antonio Anastasia.

O governador destacou a gestão de qualidade na busca por resultados positivos e enalteceu as práticas ambientais. “Fico muito satisfeito que Minas Gerais, que tem na gestão não só pública, mas também das suas empresas privadas, da sociedade civil, um de seus grandes ativos, um patrimônio dos mineiros, também na área ambiental uma gestão que é exemplo para os outros estados do Brasil e também internacionalmente”, afirmou.

Em 2011, documento sobre critérios da entrega do Prêmio foi encaminhado ao setor de sustentabilidade da Organização das Nações Unidas. O documento foi avaliado positivamente e será incluído na agenda ONU sobre Desenvolvimento Sustentável – Rio+20, que acontecerá de 20 a 22 de junho, no Rio de Janeiro.

O engenheiro, administrador e especialista em gestão e direito ambiental, Ronaldo Simão, é o coordenador e idealizador do Prêmio, que tem apoio do Governo de Minas, sendo chancelado pela União Brasileira para a Qualidade (UBQ), e aprovado pelo Ministério do Meio Ambiente. Ronaldo Simão agradeceu o apoio do Estado à iniciativa. “Registro aqui, em especial, o nosso reconhecimento pelo apoio incondicional do governador Antonio Anastasia ao Prêmio e também o encorajamento para que possamos persistir nessa caminhada”, disse ele.

O objetivo do Prêmio é despertar nas empresas mineiras a busca pela melhoria contínua da gestão ambiental, aperfeiçoando a utilização dos recursos naturais e promovendo a disseminação de ações voltadas para a sustentabilidade ambiental e os seus reflexos na qualidade de vida das comunidades. O Prêmio foi lançado em 2005 e já premiou 18 empresas instaladas em Minas.

Também participaram da entrega do Prêmio Mineiro de Gestão Ambiental o vice-governador Alberto Pinto Coelho, os secretários de Estado Adriano Magalhães (Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável) e Narcio Rodrigues (Ciência, Tecnologia e Ensino Superior) e a presidente da União Brasileira para Qualidade (UBQ), Silvana Rizzioli.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/anastasia-destaca-qualidade-ambiental-das-empresas-mineiras/

Governo de Minas: Anastasia lança Plano de Ação de Combate a Incêndios Florestais

Seis programas operacionais divididos em prevenção e controle, capacitação, combate, infraestrutura e logística, comunicação, fiscalização e investigação integram a proposta

Osvaldo Afonso / Imprensa MG
Segundo Anastasia, plano envolve o poder público, os cidadãos e a sociedade civil nas ações de prevenção
Segundo Anastasia, plano envolve o poder público, os cidadãos e a sociedade civil nas ações de prevenção

O governador Antonio Anastasia lançou, nesta quarta-feira (02), no Palácio Tiradentes, o Plano de Ação 2012 de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais, que irá receber investimentos de R$ 26 milhões. O objetivo do Plano é diminuir o número de ocorrências de queimadas nas Unidades de Conservação (UCs) de Minas e dar respostas rápidas no combate ao fogo, além de envolver cidadãos e sociedade civil nas ações de prevenção.

“Estamos chamando toda Minas Gerais para em conjunto combatermos a essa questão do fogo descontrolado no período da seca. Vamos trabalhar duplicado, triplicado, quadriplicado, quintuplicado de maneira muito enfática durante este ano para diminuirmos os efeitos do fogo e seus prejuízos. Peço, não só aos presentes, às instituições presentes, mas a todos os mineiros, para que tenham muita cautela. Vamos trabalhar na prevenção para que, em 2012, tenhamos um ano menos sofrido”, afirmou o governador Antonio Anastasia.

O secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Adriano Magalhães, destacou os investimentos para 2012, inclusive em parceria com entidades privadas.

“Saímos de um orçamento de R$ 4 milhões para um orçamento direto de R$ 26 milhões, ou seja, quase sete vezes mais. Além das parcerias com as empresas, que representam mais R$ 9 milhões e a contratação de pessoal para as nossas unidades de conservação, que são 75 ao todo no Estado. Com isso, somamos um investimento superior a R$ 50 milhões, o que mostra a relevância e a preocupação do Estado com o tema”, disse Magalhães.

Plano

Levantamentos da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) apontam que 90% das queimadas nas unidades de conservação estaduais têm origem criminosa. Integram o Plano de Ação 2012 de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais seis programas operacionais divididos em Prevenção e Controle, Capacitação, Combate, Infraestrutura e Logística, Comunicação, Fiscalização e Investigação.

“Orientei ao secretário Adriano Magalhães a sermos, neste ano, mais cautelosos, mais empreendedores e mais prevenidos em relação ao que fomos no passado e prepararmos um projeto mais amplo, ambicioso e abrangente para não permitirmos que, em 2012, tenhamos a repetição do que ocorreu em anos anteriores quando os incêndios grassaram nosso Estado”, afirmou Anastasia.

Combate a incêndios

O governador assinou decreto que define diretrizes para a Força Tarefa do Programa de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais de Minas Gerais (Previncêndio), voltado para a proteção das Unidades de Conservação (UCs) sob responsabilidade do Estado, seus entornos e áreas de relevante interesse ecológico.

O decreto cria, ainda, uma sub-base da Força Tarefa, que será instalada na estrutura da Adjuntoria de Emergência Ambiental do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais, instalada no Parque Estadual Serra do Rola Moça. Com isso, serão intensificadas as ações de prevenção e combate dentro de uma das mais importantes unidades de conservação estaduais da Região Metropolitana de Belo Horizonte. Além da sede do Previncêndio em Curvelo, estão em funcionamento sub-sedes em Januária e Viçosa.

A Diretoria de Meio Ambiente e Trânsito (DMAT) da Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG) recebeu 28 viaturas que reforçarão a frota que atua dentro das UCs estaduais e nas rodovias que cortam essas áreas protegidas. São 16 blazers e 12 caminhonetes, nos quais foram investidos R$ 2,5 milhões.

Depois da solenidade, a Força Tarefa Previncêndio (FTP) fez uma simulação de combate a incêndio na Praça Cívica da Cidade Administrativa. Foram usados helicópteros do Comando de Radiopatrulhamento Aéreo (Corpaer) da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros no combate aéreo e equipes de brigadistas simularam o combate em solo. Uma exposição apresentou os equipamentos e veículos usados no combate às chamas.

Força Tarefa Previncêndio

A Força Tarefa (FTP) do Programa de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais de Minas Gerais (Previncêndio) foi criada em 2005, para aperfeiçoar o trabalho de combate a incêndios florestais no Estado. É a primeira do gênero na América Latina e integrada pela Semad, Instituto Estadual de Florestas, o Corpo de Bombeiros Militar, as Polícias Militar e Civil e a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec). Integra a estrutura da Semad.

O objetivo da FTP é apoiar as ações de prevenção e coordenar o combate a incêndios florestais nas unidades de conservação sob responsabilidade do Estado. A equipe da Força Tarefa está de prontidão 24 horas por dia para atendimento às ocorrências e denúncias pelo telefone 0800 28 32323.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/anastasia-lanca-plano-de-acao-de-combate-a-incendios-florestais/

Governo de Minas: Semad abre processo seletivo para contratação temporária de brigadistas

Serão contratados 40 profissionais para a Brigada de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais

Antecipando-se à chegada do período seco e visando maior eficiência no combate aos focos de incêndios nas Unidades de Conservação de Minas Gerais, o secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Adriano Magalhães, autorizou a contratação temporária de 40 profissionais para a Brigada de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais. O edital 001/2012, publicado nessa segunda-feira (19), dá início ao processo seletivo. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas até o dia 23. Os candidatos devem ser brasileiros natos ou naturalizados, maiores de 18 anos, estar em dia com as obrigações eleitorais e militares, além de cumprir outros requisitos constantes do edital.

O contrato tem vigência de sete meses e o salário é de R$ 622. Os interessados devem preencher o formulário disponível junto ao edital, no site da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), pelo endereço www.semad.mg.gov.br. Depois de preenchidos, os documentos devem ser entregues, das 8h às 18h, em uma das Bases Operacionais da Força Tarefa Previncêndio, localizadas nos seguintes endereços: MGT 259, Km 01, Aeroporto, Bairro Santa Rita, Curvelo; BR120 Km 634, Centro, Aeródromo da Universidade Federal de Viçosa (UFV), Viçosa e Avenida Aeroporto, s/nº, bairro Aeroporto, Januária.

Os inscritos passarão por avaliação curricular sendo que o candidato que apresentar documentação comprobatória da experiência profissional informada no Formulário de Informações Curriculares e Certificado de Curso de Formação de Brigadas para Prevenção e Combate a Incêndios Florestais ou equivalente, emitido por instituições específicas, somará 20 pontos para fins de classificação.

Se classificado, o candidato deverá comprovar, por meio de atestado médico, estar apto a participar do processo de seleção e a realizar esforço físico. Terá que comprovar, ainda, habilidade no uso de ferramentas agrícolas, etapa que tem caráter eliminatório e classificatório. Na última etapa, o candidato passará por uma entrevista.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/semad-abre-processo-seletivo-para-contratacao-temporaria-de-brigadistas/

Governo Antonio Anastasia: Minas fortalece gestão de unidades de conservação e ações de fomento florestal

Cerca de 550 novos funcionários já estão se apresentando às unidades de conservação e outros 283 serão alocados em outras unidades regionais do IEF

A gestão ambiental em Minas Gerais ganhou um importante reforço. A contratação de novos funcionários amplia os esforços do Instituto Estadual de Florestas (IEF) na execução de atividades de fomento florestal e na administração das unidades de conservação do Estado. O aumento de pessoal foi possível após a celebração de um contrato entre o IEF e a empresa Minas Gerais Administração e Serviços (MGS), e a realização de uma licitação para seleção de empresa que ficou encarregada de fornecer o apoio à gestão das áreas protegidas do Estado.

Cerca de 550 novos funcionários já estão se apresentando às unidades de conservação e outros 283 serão alocados em outras unidades regionais do IEF, como os viveiros, totalizando 833 novos contratados. Eles terão a missão de garantir a realização das ações de monitoramento, produção de mudas e de serem zeladores ambientais, dentre outras atividades. No total, serão investidos cerca de R$ 28,4 milhões anuais.

“Com o reforço nas equipes, o trabalho realizado pelo IEF ganha um importante incremento para o cumprimento das metas para conservação do cerrado, caatinga e Mata Atlântica”, explica o secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Adriano Magalhães, referindo-se a um dos Projetos Estruturadores do Governo de Minas.

Segundo o secretário, a reposição dos colaboradores que foram dispensados no ano passado alcançou os números necessários. “Com a contratação de 833 novos trabalhadores, conseguimos repor os 470 funcionários que perdemos em quase o dobro, o que irá impactar muito positivamente nos serviços oferecidos à população que frequenta nossas unidades de conservação e para a gestão ambiental de forma geral”, avalia.

Adriano Magalhães lembra, ainda, que as contratações promoveram o envolvimento das comunidades do entorno das unidades de conservação, uma vez que muitos dos recém-contratados moram nas áreas próximas aos parques. “É interessante observar o envolvimento afetivo que essas pessoas têm com o parque e como isso pode ser usado em benefício do trabalho que irão realizar”. Além disso, a chegada dos novos trabalhadores é oportuna no que se refere à prevenção e combate aos incêndios florestais. “Como ainda não estamos no período crítico, as novas equipes poderão ser treinadas para atuar”, disse.

Trabalho

Os novos colaboradores do IEF desenvolverão atividades ligadas diretamente à conservação da natureza. Nos viveiros de produção de mudas, o trabalho é direcionado aos programas de recuperação de matas ciliares e de áreas degradadas, que são os principais instrumentos do Estado para recuperação da vegetação nativa em Minas Gerais.

Todas as unidades de conservação do Estado também receberão novos integrantes para suas equipes. Um exemplo é o Parque Estadual do Ibitipoca, localizado na Zona da Mata, um dos mais procurados pelos turistas. A chegada dos reforços é aguardada com ansiedade pelos funcionários. “Antes éramos um total de 14 e agora, passaremos a ser 32”, comemora a funcionária do parque, Rose Belcavelo. “Um primeiro reflexo será oferecer mais qualidade no atendimento ao turista, já que o parque passa a dispor de mais pessoas para realizar as inúmeras atividades, como fiscalização, educação ambiental e o próprio acompanhamento ao visitante”, ressalta Rose.

Nos próximos meses, todos os novos funcionários do IEF passarão por treinamentos sobre as atividades cotidianas numa unidade de conservação e de atendimento ao turista.

Fonte: Agência Minas

Gestão Anastasia: Minas Gerais estabelece novos critérios para reposição florestal

Norma reforça proteção das matas nativas, ampliando o número de categorias obrigadas a prestar contas sobre seu consumo de matéria-prima florestal

Evandro Rodney
Parque Estadual do Brigadeiro possui matas nativas protegidas
Parque Estadual do Brigadeiro possui matas nativas protegidas

O Governo de Minas publicou, nesta sexta-feira (2), o Decreto 45.919 que regulamenta os mecanismos para reposição florestal no Estado. A norma reforça a proteção das matas nativas, ampliando o número de categorias que são obrigadas a prestar contas sobre seu consumo de matéria-prima florestal, além de estabelecer novos critérios para o cálculo da reposição.

As mudanças agora regulamentadas foram definidas pela Lei Estadual nº 18.365 que, em 2009, alterou a Lei Estadual nº 14.309, publicada em 2002. O decreto detalha os artigos 47 a 52 da Lei 14.309 e também os artigos 64 a 73 do decreto anterior, o 43.710, publicado em 2004. Todas dispõem sobre as Políticas Florestal e de Proteção à Biodiversidade no Estado de Minas Gerais.

A reposição florestal é o conjunto de ações desenvolvidas para estabelecer a continuidade do abastecimento de matéria-prima florestal dentro de um foco de gestão ambiental. Buscam a sustentabilidade, o equilíbrio dos interesses públicos, sociais, privados e econômicos de conservação da natureza e dos recursos naturais”.

Os diversos segmentos consumidores são obrigados a recompor o volume explorado, realizando o plantio de espécies florestais adequadas ao consumo, o que deve ser feito nos limites do Estado, fortalecendo a sustentação das cadeias produtivas que podem inserir o pequeno, o médio e o grande produtor.

Redução

Com a publicação do Decreto 45.919, o Governo de Minas cria as ferramentas que permitirão o cumprimento do cronograma de redução do consumo de produtos da vegetação nativa. A diminuição progressiva do uso de produtos procedentes dessas florestas foi estabelecida pela Lei Estadual nº 18.365, de 1 de setembro de 2009.

Pela lei, as indústrias devem utilizar, no máximo, 15% de produtos procedentes dessas florestas. De 2014 a 2017, o máximo permitido será de 10%. As novas empresas que se instalarem no Estado serão obrigadas a comprovar que seu consumo é de 95% de matéria-prima proveniente de florestas plantadas. Até 2018, o consumo de produtos e subprodutos florestais de matas nativas não deverá ser maior do que 5% do total utilizado.

O secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Adriano Magalhães, observa que é o momento das empresas fazerem sua parte pela sustentabilidade. “Aquelas que ainda não estavam se preparando para a reposição florestal e o cumprimento da redução de consumo estabelecido pela Lei 18.365 não podem mais alegar a falta de regulamentação”, alerta.

Adriano Magalhães observa que a legislação federal e estadual em vigor autorizam a supressão de vegetação em matas nativas para uma série de empreendimentos. “Ao regulamentar e otimizar o procedimento de cobrança da reposição florestal, Minas cria mais ferramentas que auxiliam na conservação da vegetação nativa e, ao mesmo tempo, ajudam a dinamizar a economia do Estado, além de recuperar áreas antropizadas que dão baixo rendimento para a agricultura”, avalia.

Novidades

Dentre as outras mudanças implementadas, o diretor-geral do Instituto Estadual de Florestas (IEF), Marcos Affonso Ortiz Gomes, destaca a eliminação de lacunas como a que permitia atividades que antes não necessitavam realizar a reposição florestal, além de restringir o consumo de origem nativa do Estado. “Faixas que antes não tinham a obrigatoriedade, agora precisarão fazer a recomposição”, afirma.

“Uma alteração significativa é estabelecer que os plantios devem ser realizados em áreas já alteradas pelo homem”, destaca Ortiz. “A medida reduzirá muito o percentual permitido de exploração de áreas nativas e, conseqüentemente, levará a redução do desmatamento no Estado”, finaliza.

Fonte: Agência Minas

Governador Anastasia participa da primeira retirada de peixes criados por detentos

Minas Gerais é o primeiro estado do país a criar peixes em unidade prisional. Produção será distribuída para instituições beneficentes.
Wellington Pedro/Imprensa MG
Serão retiradas do açude da unidade 1,5 mil tilápias, aproximadamente 1,2 mil quilos de peixe
Serão retiradas do açude da unidade 1,5 mil tilápias, aproximadamente 1,2 mil quilos de peixe

O governador Antonio Anastasia acompanhou, nesta terça-feira (07), juntamente com o ministro da Pesca e Aquicultura, Luiz Sérgio Nóbrega de Oliveira, e o secretário de Defesa Social, Lafayette Andrada, a retirada dos primeiros peixes criados por detentos do Presídio Antônio Dutra Ladeira, em Ribeirão das Neves. Ao todo, estão sendo retiradas do açude da unidade 1,5 mil tilápias, que equivalem a aproximadamente 1,2 mil quilos de peixe.

Minas Gerais é o primeiro estado do país a produzir peixes em unidade prisional. A iniciativa, parceria entre o Governo de Minas e o governo federal, tem o objetivo de facilitar a reintegração social dos detentos, que passam a ter uma qualificação profissional. Os presos recebem remissão da pena em um dia a cada três trabalhados.

Anastasia destacou o caráter de ressocialização do projeto, além da possibilidade de auxiliar entidades carentes, que receberão os peixes coletados no açude. Segundo o governador, a intenção é, a partir da primeira experiência, em Neves, expandir o programa para outras unidades prisionais do Estado.

“Estamos diante de um projeto aparentemente simples, mas com um resultado muito efetivo. Ele ocupa os presos e, ao mesmo tempo, permite a criação de uma profissão que vai crescer no futuro, o criatório de peixes. É um projeto que atende a todos, muito positivo. Nós vamos estendê-lo para outras unidades que tenham possibilidade de ter nos seus terrenos também reservatórios de água e tenho certeza que é um modelo que irá para o Brasil afora”, afirmou o governador.

Os peixes coletados serão doados ao Banco de Alimentos de Ribeirão das Neves, montado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, em 2007. O banco fará a distribuição dos peixes para 22 instituições (entre creches, lares de idosos, Associações de Paes e Amigos de Excepcionais e obras sociais) e sete Centros de Referência de Assistência Social (Cras).

O secretário Lafayette Andrada afirmou que o projeto faz parte da busca do Governo de Minas por humanizar os presídios do Estado, garantindo aos detentos condições de trabalho após cumprirem a pena.

“Minas Gerais vem realizando, de maneira muito consciente, a ressocialização e humanização do sistema prisional por meio do trabalho. Temos parcerias com quase 300 empresas que dão trabalho a cerca de 12 mil detentos. Isso representa 40% da nossa população de presos condenados, índice maior que qualquer outro Estado da federação. As estatísticas nos incentivam a continuar nesse caminho quando mostram que a reinserção no sistema prisional daqueles que trabalham é mínima”, disse Andrada.

Novos tanques

Durante a solenidade, foram entregues pelo Ministério da Pesca, quatro novos tanques redes, que também serão instalados no Presídio Dutra Ladeira, aumentando para dez o número desse equipamento na unidade.

O ministro Luiz Sérgio Nóbrega de Oliveira destacou a posição de Minas Gerais como grande produtor de alimentos e apontou o programa como forma de se perseguir disponibilidade e qualidade alimentar para a população. Ele destacou ainda a importância da parceria entre as diferentes esferas governamentais para o sucesso e a expansão do programa.

“Vejo esse projeto com muita alegria, uma experiência pioneira, que tenho muita esperança possa ser copiada. Nós queremos consolidar em Minas Gerais, nos lagos e reservatórios, porque é um Estado grande produtor de alimentos em nosso país – de leite, carne bovina – e, certamente, será também um grande produtor de peixes. Nós precisamos incentivar e aqui deu resultados porque temos excelente convergência de fatores, com a presença do Governo do Estado, do Governo Federal, da universidade”, explicou o ministro.

Os presos que participam do projeto fizeram um curso de piscicultura, ministrado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Um doutorando da universidade acompanha o trabalho com visitas regulares ao presídio.

A criação de tilápias acontece na Dutra Ladeira, como projeto piloto, desde julho do ano passado, quando os primeiros 1,5 mil alevinos – filhotes de peixes logo após o nascimento – foram colocados no açude da unidade.

Em outubro, outra remessa com a mesma quantidade de peixes foi depositada no local. Por fim, uma terceira remessa de 1,5 mil alevinos foi colocada no tanque na semana passada. Há ainda uma quarta remessa que será colocada no açude em março.

Entre outros, participaram da solenidade o secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Adriano Magalhães, o prefeito de Ribeirão das Neves, Walace Ventura, e o superintendente Federal de Pesca e Aquicultura de Minas Gerais, Wagner Benevides.

Fonte: agência Minas