Arquivos do Blog

Gestão Anastasia: Noroeste de Minas se destaca como destino de negócios e turismo rural

Foram entrevistados cerca de dez mil visitantes em 55 municípios e distritos do Estado

Carlos Alberto/Imprensa MG
As belezas naturais da região estimulam o crescimento do número de visitantes
As belezas naturais da região estimulam o crescimento do número de visitantes

O Circuito Noroeste das Gerais, que abrange as cidades de Paracatu, Unaí, João Pinheiro, Santa Fé de Minas e Buritis se destacou como destino de negócios e turismo rural em Pesquisa de Demanda Turística 2011 realizada pela Secretaria de Estado de Turismo (Setur-MG). Foram entrevistados cerca de dez mil visitantes em 55 municípios e distritos do Estado.

Dados da pesquisa apontam que 57,7% dos entrevistados visitaram o Circuito Noroeste das Gerais para realizar negócios, enquanto que para os visitantes a lazer, 60% foram motivados pelo turismo rural.

Outro dado importante são as taxas médias de crescimento anual do número de estabelecimentos e do número de empregados no setor do turismo, entre os anos de 2006 a 2010, onde a região Noroeste se destaca, com crescimento de 7,4% e 7,7%, respectivamente.

Segundo dados da RAIS, levantados pelo Ministério do Trabalho e Emprego e apurados pela Diretoria de Pesquisa, Informação e Estatística da Setur-MG, de 2006 a 2010 o número de estabelecimentos ligados à atividade turística subiu de 578 para 768, o que coloca a região em primeiro lugar na taxa média de crescimento, seguida pela região metropolitana de Belo Horizonte, que evoluiu de 3.447 para 4.471. O número de empregados no setor também, cresceu, saltando de 2.908 para 3.782.

Para o secretário de Estado de Turismo, Agostinho Patrus Filho, os números da pesquisa demonstram o crescimento da economia do turismo no Estado, especialmente na geração de receita e distribuição de renda. “Quanto maior é o gasto do turismo, maior é o benefício para a atividade e para toda a cadeia de prestação de serviços, que amplia seus negócios e seus ganhos de mercado. Devemos lembrar que Minas Gerais e o Brasil, a partir de agora, irão receber grandes eventos internacionais, o que poderá favorecer, ainda mais, o crescimento deste gasto médio e a permanência do visitante”, destaca.

Perfil

De acordo com a origem dos entrevistados na região, 60,2% eram visitantes de Minas Gerais. Os visitantes de São Paulo ficaram em segundo lugar com 11,5%, e Distrito Federal com 10,6%. Já em todo o Estado 62,1% eram visitantes de Minas Gerais, seguido pelos visitantes de São Paulo (16,5%), Rio de Janeiro (7,7%), Bahia e Espírito Santo (ambos com 1,7%). Já os turistas internacionais foram responsáveis por 1,4% do fluxo no Estado.

O perfil amplo do turista de negócios na região refletiu diretamente na média de dias de permanência. Os visitantes permaneceram em média 27 dias no Noroeste, gastando em média R$ 1.677,21 por pessoa durante a viagem em 2011. Em Minas, os visitantes permaneceram, em média 5,4 dias nas viagens pelo Estado, com um valor de gasto médio por pessoa de R$ 538,56, superando em 62% os gastos de 2010 (R$ 332,21).

Mais da metade dos visitantes na região (68,1%) são homens na faixa etária de 31 a 50 anos (24,8%). A escolaridade que predomina é do nível médio e a média mensal da renda familiar é de R$ 1.020. O ônibus rodoviário é primeira opção de transporte dos entrevistados (71,6%), seguido por veículo próprio (22,1%).

Em todo o Estado, o número de estabelecimentos ligados à atividade turística subiu de 43.136 para 52.817, o que coloca o Estado em segundo lugar, atrás de São Paulo. Já o país possuía em 2006 379.647 estabelecimentos e chegou em 2010 com 452.435. Estes dados demonstram a taxa de crescimento do número de estabelecimentos que integram a cadeia produtiva do Turismo em Minas (22%) cresceu mais do que a média nacional (19%).

Potencial Turístico

No raio de abrangência do Circuito Turístico Noroeste de Minas predomina o agronegócio como principal atividade econômica. O potencial turístico da região é um importante vetor a ser trabalhado para o desenvolvimento dos municípios e a geração de renda para as populações da área de abrangência.

Paracatu, sede do Circuito, conta com importante Acervo Arquitetônico do Período Colonial (séculos XVIII e XIX), com destaque para espaços como a Fundação Casa de Cultura e Casa de Afonso Arinos – renomado jornalista, escritor e jurista nascido na cidade.

Em Buritis, a principal vocação turística é o ecoturismo, pois grande parte das reservas ecológicas do município permanecem intocadas. Também existem cachoeiras, algumas com 50 metros, e com acessibilidade sendo muito indicadas para a prática do camping. Além disso, o município guarda grutas e cavernas inexploradas. Já Unaí oferece aos turistas a Cachoeira do Queimado, a Pedra da Fartura e a Cachoeira da Jiboia, sendo as duas últimas propícias para a prática do rapel.

João Pinheiro se destaca com festas tradicionais. A Festa do Peão de Boiadeiro, em abril, e o carnaval fora de época, o João Pirô, realizado em outubro, e a Festa da cidade, realizada em setembro.

Cabeceira Grande tem muita beleza natural, se prevalecendo do fato de ser o único município de Minas que faz divisa com o Distrito Federal. c que se emancipou em 1997, em área onde antes era uma grande fazenda, também se destaca pelas belezas naturais. Esse também é o caso de Lagoa Grande, outro município integrante do Circuito Noroeste das Gerais.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/noroeste-de-minas-se-destaca-como-destino-de-negocios-e-turismo-rural/