Arquivo mensal: novembro 2013

Vestindo a carapuça, artigo de Aécio Neves

Aécio: artigo de Rui Falcão é mais um exemplo dos desserviços do PT ao país: a legitimação da mentira como instrumento do debate político.

Aécio: Bolsa Família

Fonte: Folha de S.Paulo 

Vestindo a carapuça

Aécio Neves

O PT jamais conseguirá apagar da história que a origem do Bolsa Família está nos programas de transferência de renda de FHC

São impressionantes os ruídos estridentes dos falcões do PT sempre que percebem o risco de ver reduzido o uso indiscriminado –e às vezes criminoso– do Bolsa Família como instrumento eleitoral de manutenção do seu projeto de poder.

Só isso justifica uma reação tão virulenta como a do presidente do PT contra a iniciativa do PSDB de elevar o programa à condição de política de Estado, retirando-o da condição de benemerência de um partido –na qual o PT procura mantê-lo– e colocando-o sob proteção da Lei Orgânica de Assistência Social brasileira (Loas).

Talvez porque esteja submerso no manejo de causas impossíveis –como a transformação de crimes de corrupção em perseguição política– o presidente petista tenha deixado transparecer um nível tão primário de conhecimento sobre o principal arcabouço legal que sustenta a rede de proteção social no país. Ele parece não saber que é nela, na Loas, que estão guardados os compromissos do Estado brasileiro com o enfrentamento à pobreza e a regulação do acesso aos direitos sociais dos cidadãos.

Mas, como a motivação do PT restringe-se apenas às suas conveniências políticas, o verdadeiro significado das iniciativas recentes do PSDB foi vergonhosamente deturpado no artigo do deputado Rui Falcão (“Um fantasma liberal ronda o Bolsa Família“, 24/11), na tentativa de manter o monopólio que acreditam ter sobre o tema.

E isso mesmo sabendo que, por mais que tentem, jamais conseguirão apagar da história que a origem do Bolsa Família está nos programas de transferência de renda criados no governo do presidente Fernando Henrique (1995-2002).

É também importante lembrar que, em 1996, o governo do PSDB implantou, sem qualquer apropriação publicitária ou política indevida, a maior iniciativa de transferência de renda em vigor no país, prevista desde a Constituinte de 88 –o Benefício de Prestação Continuada.

BPC paga um salário mínimo a todos os idosos e deficientes com renda per capita inferior a um quarto do salário mínimo. Nos últimos dez anos, o BPC fez chegar aos brasileiros R$ 180 bilhões. O Bolsa Família, R$ 124 bilhões. O BPC, assim como o Programa de Erradicação do Trabalho Infantil, encontra-se abrigado na Loas.

Não é difícil entender por que o PT não utiliza os espaços de que dispõe para fazer avançar o debate sobre o enfrentamento da pobreza. Afinal, teria que esclarecer quais os critérios utilizados pelo governo para fixar em R$ 70 per capita mensais o recorte da pobreza extrema no país, quando os organismos internacionais fixam o valor em U$ 1,25 dia, o que significaria cerca de R$ 86.

Ou por que, por conveniência do governo, o enfrentamento da pobreza está restrito à dimensão da renda, quando deveria alcançar os chamados “mínimos sociais”: acesso à saúde, à educação de qualidade, segurança, saneamento básico e outros.

Compreende-se o diversionismo petista: não há resposta, dez anos depois, para mais da metade da população estar sem saneamento, para a violência que mata 50 mil brasileiros por ano, para o analfabetismo estagnado nem para os 13 mil leitos hospitalares extintos no período.

O artigo de Rui Falcão é mais um exemplo daquele que talvez seja um dos maiores desserviços do PT ao país: a legitimação da mentira como instrumento do debate político.

AÉCIO NEVES, 53, é senador (PSDB-MG). Foi governador de Minas Gerais (2003-2010)

Anúncios

Enem: escola de Minas lidera ranking

Enem: pela primeira vez, uma escola de Minas lidera o ranking, superando as paulistas.

Enem 2012

Fonte: O Estado de S.Paulo 

Mineiros são o destaque entre os dez primeiros

Em comum está adaptação do sistema pedagógico ao exigido no exame nacional; 1ª do País festejará com churrasco para ex-alunos 

Pela primeira vez, uma escola de Minas lidera o ranking, superando as paulistas. Trata-se do Colégio Bernouli – Unidade Lourdes. Além disso, instituições do Estado ocupam cinco dos dez primeiros lugares nas quatro áreas de conhecimento objetivo da avaliação. No entanto, na lista dos 50 melhores, São Paulo ainda tem 20 locais, seguido do Rio, com 12 e Minas com 9. Ao todo, colégios do Sudeste ocupam 43 posições – com média mínima de 665,19.

Segundo Rommel Fernandes, diretor do Colégio Bernoulli de Belo Horizonte, a boa colocação é resultado de “muito trabalho”. A instituição obteve média de 722,15 pontos, “por meio de uma associação entre alunos esforçados, professores altamente qualificados e material didático de qualidade”. “A equipe também consegue falar a linguagem dos alunos, mais descontraída. E priorizamos o raciocínio, em vez de decoreba. O Enem é um exame moderno e leva em consideração essa capacidade de raciocínio.”

Pelo sétimo ano consecutivo, a escola ocupa lugar de destaque no ranking mineiro. Para comemorar, promoverá um churrasco para os estudantes que fizeram as provas em 2012.

Apesar de questionar a ausência de algumas instituições tradicionais de Belo Horizonte na lista, o diretor do Colégio Magnum Agostiniano (oitavo na lista, com média de 694,67 pontos), também festejou o resultado do colégio que, de acordo com ele, dá prioridade ao desenvolvimento de “habilidades e competências”, como previsto no Enem. “Damos ênfase também no conteúdo”, salientou. E aproveitou para elogiar o exame por incentivar a “resolução de problemas com foco social”.

Pré-vestibular. Já André Ricardo de Castro, coordenador pedagógico do Colégio Elite Vale do Aço, em Ipatinga, a 150 quilômetros de Belo Horizonte, a boa classificação da escola dá “tranquilidade”, pois permite saber que “o caminho pedagógico está certíssimo”. Pelo segundo ano consecutivo a instituição ocupa o 2.º lugar no ranking – teve média de 720,88 em 2012.

O colégio originou-se de um pré-vestibular e, segundo Castro, o bom desempenho se deve à mistura de professores experientes com docentes mais jovens. O processo incluiu ainda provas simuladas até aos sábados. “Em uma escola boa, que fornece bom preparo, o aluno se dá bem em qualquer prova ou avaliação que for aplicada”, disse. / COLABOROU FLORENCE DO COUTO SANTOS, ESPECIAL PARA O ESTADO

Aécio manterá visitas a sindicatos

2014: presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), vai visitar sindicatos do setor produtivo no início do próximo ano.

Eleições 2014

Fonte: Valor Econômico

Tucano terá encontro com 45 entidades sindicais

O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), vai visitar sindicatos do setor produtivo no início do próximo ano, por sugestão do presidente do Solidariedade, deputado Paulo Pereira da Silva (SP). O compromisso de Aécio foi anunciado ontem em reunião com representantes de 45 dessas entidades, ligadas à Força Sindical, em Brasília.

O encontro de Aécio com os sindicalistas, em um restaurante de Brasília, foi promovido pelo deputado, que defende apoio à candidatura do tucano à Presidência da República em 2014.

“Vamos ganhar a eleição. Vamos chegar lá. Vamos para o segundo turno e com apoio da Força Solidariedade vamos governar o Brasil”, disse Aécio, em discurso aos sindicalistas.

Paulinho da Força, como é conhecido, reafirmou que a tendência do Solidariedade é apoiar Aécio, mas que a decisão só será tomada pelo partido em 2014. Já a Força Sindical, segundo seu presidente, Miguel Torres, “é plural” e não apoia candidatos, porque é composto por pessoas ligadas ao PSDBPSB e outros partidos.

O presidente do Solidariedade reuniu cerca de 120 sindicalistas ligados à Força e ao seu partido para discutir a pauta do movimento trabalhista, que inclui, entre outras reivindicações, a redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais sem redução dos salários, fim do fator previdenciário, valorização de aposentadorias e pensões e correção permanente da tabela do imposto de renda retido na fonte e ratificação da Convenção 158 da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Paulinho disse que o Solidariedade “não quer conversa com a presidente Dilma Rousseff“, porque ela “não cumpriu nenhum compromisso assumido com os sindicatos”.

A agenda de visitas que Aécio deve fazer a sindicatos será elaborada por Paulinho. “Vamos in loco ver como este governo está destruindo os setores produtivos deste país”, disse o dirigente tucano. (RU)

Voto Aberto: Aécio vota pelo fim do voto secreto

Aécio: “Voto pelo voto aberto nas condições que o regimento agora nos oferece, em todas as situações”.

Aécio: voto aberto

Fonte: PSDB-MG

Aécio Neves vota pelo fim do voto secreto no Congresso

O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), votou, nesta quarta-feira (13), pelo voto aberto em todas as deliberações do Congresso Nacional. A PEC 43, de 2013, que institui o voto aberto, foi aprovada por 54 votos a 10 em 1º turno.

Aécio Neves ressaltou que seria importante manter a análise de vetos presidenciais de forma fechada, mas que, como a votação da PEC estabelecia o fim do voto secreto ou sua manutenção em todas as votações, defendeu o voto aberto em todos os casos.

Abaixo, transcrição de fala do senador durante votação.

“Ouvimos durante toda a tarde e início da noite as mais variadas manifestações e todas elas têm que ser respeitadas. Até porque argumentos existem de todos os lados. Não gostaria de pecar pela omissão.

Preferiria que tivéssemos oportunidade votar o voto aberto nas situações previstas, podendo haver manifestações favoráveis ao voto aberto em determina circunstância e, eventualmente, em outras não.

Estou votando pelo voto aberto, já que essa é a opção e me parece o caminho mais adequado. Mas não quero deixar de registrar de forma clara e manter a coerência do meu pensamento. E todos devemos ser julgados pela coerência dos nossos pensamentos e atitudes.

Fui presidente da Câmara dos Deputados, líder por vários mandatos, parlamentar por 16. Chego hoje ao Senado. Acho que o voto aberto na grande maioria dos casos é absolutamente necessário, um instrumento de conexão maior do Parlamento, dos representantes com seus representados.

Mas continuo compreendo, e essa era minha posição pessoal, que em relação aos vetos presidenciais o voto secreto é uma defesa do Parlamento e da consciência do parlamentar contra pressões e manipulações do governo, do poder central. Em todos outros casos, inclusive votação para indicação de autoridades, acho que há um sentimento comum de que deve ser aberto. Não vejo o menor problema ou qualquer tipo de constrangimento que possa haver.

Mas em relação ao voto, parlamentar que sou, que tem defendido incessantemente as prerrogativas dessa Casa – aprovamos apenas um instrumento novo durante esse dois anos e meio na direção do fortalecimento do Parlamento, que foi decisão tomada de que a partir de agora os vetos, após 30 dias, são colocados em votação –, infelizmente, ao não termos o voto preservando o parlamentar, certamente o poder central poderá comemorar hoje a manutenção de todos os seus vetos.

Não haverá força no Parlamento, infelizmente, para derrubar qualquer veto, em razão das pressões que conhecemos, exercida pelo Executivo.

Voto, portanto, pelo voto aberto nas condições que o regimento agora nos oferece, em todas as situações. Mas fica meu registro que perdemos a possibilidade, com voto aberto para vetos, perdemos parcela das prerrogativas do Parlamento brasileiro”.

2014: Aécio e Campos vão discutir alianças regionais

2014: senador e governador de Pernambuco vão acertar os ponteiros da oposição no jogo pré-eleitoral.

Eleições 2014

Fonte: Folha de S.Paulo 

Aécio e Campos discutirão aliança regional

Em 1º encontro após acordo entre governador do PSB e Marina, pré-candidatos ao Planalto devem tratar de MG e PE

Ambos querem aliviar disputa pelo governo de suas bases eleitorais; pacto de não agressão deve ser mantido

Prováveis rivais em 2014 no campo da oposição, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o governador Eduardo Campos (PSB-PE) se encontrarão reservadamente pela primeira vez desde a aliança do pernambucano com Marina Silva. O propósito é combinar o jogo pré-eleitoral.

Segundo a Folha apurou, os dois também tratarão de uma possível parceria em Minas Gerais e em Pernambuco. Enquanto Aécio quer o apoio do PSB na disputa pelo governo mineiro, Campos busca garantias de que o PSDB não lançará um nome competitivo contra seu candidato em Pernambuco.

Ambos conversaram por telefone na semana passada e decidiram marcar um jantar. Ainda não há data para o encontro, que pode ocorrer ainda nesta semana, dependendo da agenda dos dois.

As conversas entre PSB e PSDB eram mais estreitas antes de outubro. Até então, nem mesmo a participação de Campos no governo Dilma inibia encontros entre ambos.

As reuniões eram frequentes até a relação mudar no último 5 de outubro, data que o governador de Pernambuco selou a surpreendente aliança com Marina.

O fato deu notoriedade a Campos, ainda desconhecido nacionalmente, permitindo-lhe pegar carona no alto conhecimento da ex-senadora, terceira colocada na disputa pelo Planalto em 2010.

Com a aliança, interlocutores do governador passaram a dizer que o pernambucano reúne mais condições de derrotar Dilma do que o tucano.

Na avaliação de auxiliares, enquanto estava sozinho, o governador dependia mais do PSDB para negociar palanques duplos nos Estados, aproveitando a força partidária que o PSB não tem.

Entretanto, ao ter a popularidade de Marina a seu lado, ele pode discutir os acertos locais em condições menos desfavoráveis.

A conversa atual, portanto, tem conotação diferente das anteriores. No passado, havia articulação para os dois seguirem juntos em dez Estados. Agora, as negociações devem focar, primeiro, em Pernambuco e Minas.

No primeiro caso, Campos tenta evitar que o tucano Daniel Coelho, deputado estadual e adversário forte por lá nas eleições municipais de 2012, concorra contra seu candidato a governador. Já Aécio deseja o apoio do PSB a seu candidato em Minas.

ELEIÇÃO PRESIDENCIAL
Campos e Aécio sabem que precisarão disputar uma vaga no segundo turno e que a combinação entre os dois termina no momento em que um tiver mais chances de tirar o outro da disputa.

Mas, por ora, um jogo minimamente ensaiado convém justamente para provocar o segundo turno contra Dilma.

No encontro, o governador e o senador irão renovar o pacto de não agressão firmado antes da adesão de Marina e calibrar o discurso de oposição ao governo petista.

Depois de Minas Pernambuco, os dois ambicionam tratar de palanques no Piauí, na Paraíba e no Espírito Santo, com o PSB apoiando o PSDB nos dois primeiros casos e o inverso no último.

Em São Paulo o acerto é mais difícil –o PSB pode seguir na vice de Geraldo Alckmin (PSDB), hipótese considerada ruim por aecistas, temerosos de ver o maior colégio eleitoral do país dividido e o eleitor tucano confuso sobre quem, se o pernambucano ou o mineiro, seria o real candidato do governador paulista, candidato à reeleição.

Choque de Gestão: 11 anos que mudaram Minas

Choque de Gestão: De 2002 a 2010, MG teve o maior aumento percentual dentro da economia brasileira. Passou de 8,6% do PIB para 9,3%.

Gestão Pública Eficiente

Artigo do presidente do PSDB-MG, deputado federal Marcus Pestana

Onze anos que mudaram Minas

Daqui a pouco mais de um mês estaremos completando 11 anos da posse de Aécio Neves como governador de Minas. Poucos governos em nossa história transformaram de maneira tão profunda a realidade. Na boa trilha de João Pinheiro e JK, construiu-se um ambiente caracterizado por mudanças consistentes nas políticas sociais e na infraestrutura para o desenvolvimento. O governadorAnastasia, figura central nos dois primeiros mandatos, garantiu a continuidade do projeto, avançando e inovando.

As políticas públicas não devem ser julgadas pela retórica oficial nem pelas intenções dos atores em cena, mas por seus resultados. Cabe registrar que o ciclo governamental liderado por Aécio e Anastasia iniciou-se a partir de uma gravíssima crise fiscal. Não há êxito só a partir de boas ideias e boa capacidade de gestão. Sem um padrão de financiamento saudável, não há programa de investimento e qualidade possíveis. O déficit orçamentário anual de R$ 2 bilhões resultava em atrasos com fornecedores e servidores. O equilíbrio fiscal foi alcançado já em 2004 através da estratégia que ficou conhecida como choque de gestão. O ajuste fiscal e a modernização da estrutura governamental não eram um objetivo em si. Visavam preparar o terreno para grandes avanços nos setores essenciais que afetam o cotidiano da população mineira.

Hoje é possível olhar para trás e aquilatar os fantásticos resultados colhidos pela gestão estadual com o apoio da sociedade mineira.

Um bom termômetro da qualidade da gestão mineira é o nível de investimento. A baixa taxa de investimento (18,5% do PIB) é uma das grandes responsáveis pelo voo de galinha da economia brasileiraMinas, no entanto, fez sua parte. Em 2002, o governo de Minas investia apenas R$ 775 milhões. Em 2012, esse número havia saltado para R$ 3,1 bilhões. Um crescimento de 310% contra uma inflaçãono período, medida pelo IPCA, de 61,6%. Mais do que Rio de Janeiro (238%), Rio Grande do Sul (188%) e Paraná (56%). Os créditos internacional e interno foram recuperados e os salários, colocados em dia.

A economia mineira acompanhou o bom desempenho dos investimentos públicos estaduais. De 2002 a 2010, Minas teve o maior aumento percentual dentro da economia brasileira. Passou de 8,6% do PIB brasileiro para 9,3%. Rio de Janeiro, São Paulo e a região Sul viram decrescer sua fatia no conjunto de riquezas produzidas no Brasil. Mesmo sendo Minas uma síntese do país, com enormesdesigualdades regionais, saímos do 12º lugar para o nono lugar no PIB per capita.

Consolidamos nossa posição privilegiada no agronegócio, fortalecendo a posição de maior produtor de café, leite, batata, reflorestamento e equinos. Também cristalizamos nossa liderança na indústria de bens intermediários, tais como cimento, ferro, aço, laminados e fosfato.

Nas próximas semanas, prosseguiremos na avaliação das políticas públicas estaduais que foram revolucionadas em Minas nos últimos 11 anos.

Aécio diz que Governo do PT é ‘perdulário’

Eleições 2014: para senador, o Brasil precisa de um governo generoso, que cuide das pessoas e se preocupe menos com propaganda partidária.

Eleições 2014

Fonte: Estado de Minas 

Governo é perdulário, diz Aécio

Em encontro do PSDB, senador acusou petistas de desperdiçar recursos em obras inacabadas. Governador de Goiás diz que candidatura do mineiro conta com apoio de todos os diretórios

O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (PSDB-MG), fez pesadas críticas ao governo federal, classificando-o de perdulário, em Goiânia (GO), durante o quarto de cinco encontros que os tucanos pretendem fazer pelo país até o fim do ano. “O Brasil tem hoje um governo perdulário, que transformou o país num grande cemitério de obras inacabadas. É um desperdício de dinheiro e o benefício não chega”, afirmou o pré-candidato tucano ao Palácio do Planalto, que se reuniu na manhã de ontem com lideranças de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins e Distrito Federal para discutir um agenda para o Brasil.

Em seu discurso, Aécio disse que nas andanças que tem feito pelo país percebe que o ciclo do PT no governo está no fim e que o PSDB tem condições de fazer um governo com mais avanços e garantiu que os tucanos marcharão unidos em 2014 na disputa contra a presidente Dilma Rousseff (PT), que tentará a reeleição. Saudado com os gritos de “Brasil pra frente, Aécio presidente“, o senador disse que está na “largada de uma aventura a favor do país”. Ele ressaltou que depois de percorrer 20 estados e centenas de municípios, o sentimento é de que não dá mais para continuar como está. “Estão colocando em risco as principais conquistas do PSDB. A inflação está em alta e essa alquimia econômica já perdeu a credibilidade”, exemplificou.

Questionado se já falava como candidato à Presidência, o senador foi cauteloso, lembrando que como mineiro “nunca coloca o carro na frente dos bois”, e afirmou que estava lá como presidente nacional do PSDB, “mas com responsabilidade, sim, de dizer o que pensamos”. Coube ao governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), afirmar em seu discurso que o senador é o preferido do partido, de norte a sul.” Aécio tem o apoio das 27 seccionais do partido, dos oito governadores, de todos os senadores, deputados e prefeitos do PSDB. Vá em frente, você já é o pré-candidato do partido”, disse Perillo. Sobre a disputa, o tucano disse ter convicção da ida do PSDB para um provável segundo turno. “Estou absolutamente convencido de que vamos para o segundo turno e vencer as eleições.”

Para o senador, o Brasil precisa de um “governo generoso”, “que cuide das pessoas, que se preocupe menos com a propaganda partidária, menos com as eleições, e mais em governar”. Mas de acordo com ele, o que o Brasil tem hoje é uma candidata a presidente da República “trabalhando única e exclusivamente pela sua eleição, enquanto o Brasil perde credibilidade, com indicadores econômicos terríveis”.

O presidente do PSDB disse que este é um governo do improviso. Citando Perillo, que antes havia criticado a política fiscal do governo federal, Aécio afirmou: “Da porteira para dentro somos os mais produtivos do mundo. Mas o problema é que da porteira para fora falta tudo. Falta rodovia e infraestrutura”, citou.

Mensalão Sobre a prisão dos condenados no julgamento do mensalão, o tucano disse que o Supremo Tribunal Federal (STF) cumpriu seu papel ao condenar os que são culpados e ” sobre quem as provas eram contundentes” e absolver aqueles sobre quem “as provas não eram claras” e rebateu as críticas do PT de que houve um julgamento político. Sobre a decisão do presidente do STFJoaquim Barbosa, que determinou que o deputado licenciado e preso José Genoino (PT-SP) fosse hospitalizado, ele disse que se for comprovada a necessidade de tratamento a prisão domiciliar está definida em lei: “Se houver a confirmação dessa necessidade, essa facilidade, essa benevolência (prisão domiciliar para tratamento) deve ser dada até porque ela respeita aquilo que a lei prevê hoje no Brasil”. (Com agências)

Aécio: Juventude e Educação, coluna Folha

Aécio: “além do entrave do acesso ao mercado de trabalho, persiste o desafio da violência.”

Fonte: Folha de S.Paulo

Jovem! Até quando?

Aécio Neves

O maior desejo do jovem brasileiro não é ser rico ou famoso, mas ter acesso a um direito básico: educação de qualidade. Esta revelação está na pesquisa realizada pelo Ipea com jovens de todo o Brasil, divulgada neste ano. Infelizmente, não há sinal de que o clamor da juventude tenha sido ouvido. Quando se trata de preparar o jovem para o futuro, o desempenho do país é pífio.

Precisamos estimular a permanência do jovem na escola. O ensino médio, ponto nevrálgico na vida de milhões de brasileiros, deve ser reorganizado, com novos planos de formação, currículos e conteúdos. Mais do que nunca é necessário trazer a educação para o século 21, investindo em tecnologiaqualificação de professores e processos pedagógicos atraentes.

Apesar de não ter suas consequências resumidas a este aspecto, a escolaridade deficiente é um dos entraves à inserção do jovem no mercado de trabalho. Em períodos de economia aquecida, candidatos preparados conseguem as melhores vagas. Nos momentos de crise, os grupos mais vulneráveis são exatamente os que têm menos tempo de sala de aula. O jovem negro é o retrato desta vulnerabilidade. Na escada para o emprego, os brancos escolarizados sobem antes.

Não há uma medida única capaz de solucionar os desafios da educação no Brasil, mas especialistas concordam que um dos maiores gargalos está no ensino médio.

Pesquisa da Fundação Seade de São Paulo traça um retrato dramático: “A proporção dos jovens de 15 a 17 anos cursando o ensino médio é inferior a 51% (2011); entre 1999 e 2011, mais que dobrou a proporção dos que abandonaram a escola no ensino médio (de 7,4% para 16,2%); a proporção dos que nem trabalham, nem estudam atinge 24% dos jovens com 18 anos de idade e 25% daqueles com 20 anos; 58,3% dos que não estudam e não trabalham estão entre as famílias com renda familiar inferior a dois salários mínimos; os indicadores de desempenho escolar praticamente não se alteraram na comparação entre 1999 e 2011, apesar dos esforços realizados pelo setor público nesse campo”.

Além do entrave do acesso ao mercado de trabalho, persiste o desafio da violência. Entre os 50 mil indivíduos assassinados por ano no Brasil, as vítimas preferenciais são jovens, em sua maioria homens pardos, com 4 a 7 anos de estudo. Esta realidade precisa ser enfrentada com urgência, coragem e ousadia.

A proteção de nossos jovens deve ser uma causa que reúna, de forma solidária, esforços de diferentes níveis de governo. E a eles devemos somar partidos políticos, famílias, comunidades e escolas. Até 2023 o país terá uma população jovem, entre 15 e 29 anos, de 50 milhões. Que presente e que futuro reservamos a eles?

AÉCIO NEVES escreve às segundas-feiras nesta coluna.

Aécio articula com PMDB da Bahia

2014: o senador Aécio Neves e o ex-deputado Geddel Vieira Lima (PMDB), pré-candidato ao governo da Bahia, podem selar aliança.

2014: alianças partidárias

Fonte: Correio Braziliense

Aécio e o PMDB

Um jantar entre o presidente do PSDBsenador Aécio Neves, e o ex-deputado Geddel Vieira Lima (PMDB), pré-candidato ao governo da Bahia, praticamente selou a aliança do tucano com os peemedebistas baianos. O próximo alvo de Aécio como pré-candidato a presidente da República é o senador Eunício Oliveira, do PMDB do Ceará, que tende a concorrer ao governo estadual e ainda não se acertou com os petistas no estado.

A aliança entre PSDB e PMDB na Bahia tem um sabor de vingança. Em 2010, Geddel deixou o governo Lula crente que o ex-presidente e Dilma seriam neutros na disputa ao governo do estado. A então candidata desfilava com Jaques Wagner durante o dia e se encontrava com Geddel em rápidas reuniões fechadas. Repetir essa desfeita nem pensar.

Temores
Os promotores do Distrito Federal fizeram chegar à Vara de Execução Penal (VEP) um alerta sobre o risco de rebelião na Papuda por causa da vista grossa feita à romaria de visitantes aos condenados no processo do mensalão. Os presos comuns estão revoltados e, se continuar nesse ritmo de tratamento diferenciado, os problemas serão difíceis de contornar. Agora, com a saída de José Genoino para prisão domiciliar, a expectativa é a de que as coisas se acalmem.

“Perdemos a condição de dialogar, nem produtores, nem índios nos escutam mais. O poder moderador ruiu e a culpa é do governo”
Do senador Delcídio Amaral (PT-MS), referindo-se aos conflitos entre índios e produtores rurais

Diferenças
Integrantes da bancada do PR passaram no gabinete do réu e deputado Valdemar Costa Neto para lhe prestar solidariedade. Trataram-no como “meu líder”, “comandante”. Mas apenas nas internas. Em público, ninguém aparece defendendo o ex-presidente do PR. Um dos poucos que não compareceu ao gabinete de Valdemar foi Anthony Garotinho, do Rio: “Eu não era do PR nessa época”.

Candidatura calculada
A turma do PSol que defendeu a candidatura de Randolfe Rodrigues à Presidência da República tem outro objetivo, além de tentar conquistar os jovens: deixar Chico Alencar livre para ser candidato à reeleição no Rio de Janeiro. O partido calcula que, com Chico e Jean Wyllys, o partido não só reelege os dois como traz mais um de carona.

A bomba do Senado/ Funcionários da TV Senado tiveram que sair das salas do subsolo do anexo II, onde fica o auditório Petrônio Portela. Tudo porque a bomba do sistema de esgoto deu pane e os detritos ficaram concentrados ali, exalando um cheiro insuportável. Sabe como é. Ao longo dos anos, o Senado construiu tantos puxadinhos que a rede de esgoto seguiu no mesmo caminho. Não é a primeira vez que a pane acontece.

Senha/ Você que acompanha as sessões da Câmara dos Deputados fique atento: Quando Henrique Eduardo Alves ou o vice, André Vargas, conduzem os trabalhos em plenário, é sinal de que votações virão. Em outros casos, a chance é remota. No meio dos políticos, já tem quem diga que Henrique segue a escola de Antonio Carlos Magalhães que, certa vez, declarou, “reunião que eu não estou, não vale”.

Espirituoso/ Plenário do Congresso cheio, o senador Pedro Taques se aproxima da rodinha, onde conversavam os deputados José Reguffe, Luiz Pitiman e o senador Rodrigo Rollemberg. “Ei, vocês viram a pesquisa do Ibope que acaba de sair com os números para governador do Distrito Federal?” O trio arregalou os olhos e Taques saiu de fininho, dando risadas.

Acredite se quiser/ Alguém se aproxima de José Sarney e pergunta e sobre o pacto da estabilidade entre os partidos. “Pergunte aos líderes. Eu sou baixo clero!”

The Guardian exalta ferramenas mineiras inovadoras

Gestão eficiente: jornal britânico destaca ferramentas inovadoras desenvolvidas pelo Governo de Minas para tornar dados públicos acessíveis.

Fonte: Agência Minas 

“The Guardian” destaca ferramentas de gestão mineiras para promover mais transparência

Portais DataViva, que será lançado na próxima semana, e Minas em Números são foco de reportagem publicada ontem (20/11) no jornal britânico

Uma reportagem publicada pelo jornal britânico The Guardian nessa quarta-feira (20) exalta as ferramentas de gestão inovadoras desenvolvidas pelo Governo de Minas com a intenção de tornar os dados públicos acessíveis aos servidores e cidadãos de maneira simples, intuitiva e interativa. “Isso pode ajudar a democracia”, enfatiza a reportagem.  “Estas medidas ajudam a reforçar a transparência governamental”, acrescenta o jornal, que cita como modelos os portais DataViva e Minas em Números.

A reportagem lembra que, na maioria dos casos, os governos não oferecem informações claras, o que evidencia ainda mais o protagonismo do governo estadual mineiro. “Vivemos em um mundo que está cheio de dados, mas desprovido de informações e estatísticas”, diz o texto. Segundo o The Guardian, todo esse movimento pró-transparência ganha mais relevância se considerado o atual contexto social brasileiro, marcado pelas recentes manifestações populares, sugerindo que as pessoas consultem as novas ferramentas e se informem sobre suas próprias regiões e países.

Uma das soluções elogiadas pelo jornal britânico é o Data Viva, plataforma online desenvolvida pelo Escritório de Prioridades Estratégicas do Governo de Minas, com previsão de lançamento para a próxima quarta-feira (27). O site permite exportar e analisar dados públicos, com foco em temas estratégicos, de uma maneira impensável há cerca de uma década, por meio de “mais de 700 milhões de visualizações interativas”, ressalta o The Guardian.

“Os usuários podem explorar questões como a evolução das exportações na última década para cada um dos 5.567 municípios do país, ou fazer consultas altamente específicas, como o salário médio pago a um cientista da computação que trabalha na indústria de desenvolvimento de software em Belo Horizonte”, exemplifica o texto para demonstrar a abrangência, a versatilidade, a confiabilidade e a qualidade do banco de dados.

Já o portal Minas em Números, pacote de dados do Governo de Minas, também cumpre a pretensão de disponibilizar para a sociedade todos os principais indicadores do Estado, de forma objetiva e confiável. Embora tenha sido pensada, inicialmente, para o uso mais frequente dos servidores, os cidadãos também podem acessar a plataforma e comparar números de diferentes departamentos do Estado. “Estas iniciativas visam enfrentar o mar de dados públicos, tornando-o navegável, tanto para funcionários do governo e cidadãos”, reforça o The Grandian.

Segundo a coordenadora do Escritório de Prioridade Estratégicas do Governo de Minas, Glaucia Macedo, entrevistada pela publicação, ter muitas informações, porém não organizadas, é o mesmo que não ter informação alguma. “Precisávamos trazer uma solução para estes gestores e começamos a pensar em como implementar um portal que reunisse tudo isso de forma inteligente. Então buscamos conceber algo que seria útil e atraente tanto para o setor público quanto para a sociedade”, ressalta.

Clique aqui para ler a reportagem (em inglês) na íntegra.