Governo de Minas: moradores do bairro São João Batista terão a chance de sair da informalidade

A ação será realizada no bairro São João Batista (Rua Elcir Ribeiro, nº 96), de 9h às 14h

Divulgação/Sedese
O cabeleireiro Geraldo Magela de Carvalho, de 35 anos, foi um dos beneficiados e saiu da informalidade
O cabeleireiro Geraldo Magela de Carvalho, de 35 anos, foi um dos beneficiados e saiu da informalidade

O cabeleireiro Geraldo Magela de Carvalho, de 35 anos, trabalhou durante onze anos na informalidade.  Nesse período, ele não teve direito a vários benefícios de um trabalhador formal, como auxílio-doença, aposentadoria por invalidez ou por idade, entre outros.  Porém, desde 27 de março, Geraldo, que tem um salão na Vila Atila de Paiva, no Barreiro, se tornou um empreendedor formal.

O cabeleireiro é um dos 50 moradores de vilas e favelas de Belo Horizonte beneficiados por uma ação da Assessoria de Assuntos Sociais para Vilas e Favelas, vinculada à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese), e o Sebrae, que incentiva trabalhadores a formalizar suas atividades. Nesta terça-feira (10), das 9h às 14h, a ação será realizada no bairro São João Batista (Rua Elcir Ribeiro, nº 96).

Os moradores não precisam sair do local onde moram para serem atendidos, uma vez que a estrutura do Sebrae, com unidade móvel, internet e técnicos, vai até a comunidade e o CNPJ fica pronto imediatamente. E foi justamente essa comodidade que incentivou Geraldo Magela. “Nunca soube como se fazia para me formalizar. Agora está tudo mais fácil e mais próximo. Também antes, as taxas eram bem mais altas. Hoje está ficando mais acessível”, disse o cabeleireiro.

De acordo com o responsável pela Assessoria de Vilas e Favelas, Weslei Morais, quem opta pela formalidade tem vários benefícios: salário-maternidade, auxílio-doença, aposentadoria por invalidez ou por idade, pensão por morte e até auxílio-reclusão.

A formalidade também possibilita a expansão dos negócios, pois o trabalhador passará a emitir nota fiscal.  “Agora tenho condições de abrir crédito em várias lojas”, comemora Geraldo. “Fico mais tranquilo. Tomara que nada venha a acontecer, mas, se ocorrer, tenho uma válvula de escape”, completou o cabeleireiro, referindo-se aos benefícios legais, como auxílio-doença.

Taxas

O empreendedor formal paga para a prefeitura uma taxa anual, que varia de R$ 120 a R$ 140 (depende da função), além de R$ 30 ou R$ 36 por mês para o INSS.

Agenda

A ação no bairro São João Batista será a terceira realizada neste ano. Antes, moradores das vilas Santa Rosa (Região da Pampulha) e Atila de Paiva (Barreiro) foram atendidos. No dia 24 deste mês, a ação será realizada na Vila Oeste, em Belo Horizonte. A iniciativa acontece duas vezes por mês.

Fonte: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/noticias/moradores-do-bairro-sao-joao-batista-terao-a-chance-de-sair-da-informalidade/

Publicado em 09/04/2012, em Anastasia, Antonio Anastasia, Choque de Gestão, Gestao Pública, Gestão, Gestão Eficiente, Gestão em Minas e marcado como , , , , , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: