Gestão Anastasia: empresas de base tecnológica e siderúrgica investem R$ 35,98 milhões em Minas

Fernando Martuscelli, diretor da Anovati,Kenneth Orozco, João Vitor Garcia
Fernando Martuscelli, diretor da Anovati,Kenneth Orozco, João Vitor Garcia

BELO HORIZONTE (24/01/12) – As empresas Anovati Indústria e Comércio, Importação Exportação de Equipamentos de Informática Ltda., Revolight Indústria, Comércio, Importação e Exportação Ltda. e a Cisam Siderurgia anunciaram, nesta terça-feira (24), investimentos totais de R$ 35,98 milhões em Minas Gerais. Os protocolos de intenções das três empresas foram assinados pelo Governo de Minas, por meio do Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais (Indi), órgão vinculado à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede).

Para reforçar o setor de informática e tecnologia, o Vale da Eletrônica do Sul de Minas receberá uma unidade industrial do Grupo Anovati, que será responsável pela geração de 25 empregos diretos e 50 indiretos. A empresa, fabricante de produtos eletrônicos e com atuação no mercado de informática, principalmente como distribuidora de mochila e maletas para notebooks, investirá R$ 5,3 milhões no novo empreendimento.

Segundo o diretor do Grupo, Kenneth Alexander Orozco, “essa nova unidade será destinada à fabricação e comercialização de produtos eletroeletrônicos, tais como alto falantes, caixas de som e mp3”, explica. A previsão é que o funcionamento da nova unidade, em Santa Rita do Sapucaí, no Sul de Minas, seja iniciado em fevereiro deste ano.

O Grupo Anovati é uma corporação voltada para os segmentos de informática e tecnologia e composto pelas empresas Annova Serviços e Negócios Ltda. e Bellatrix Indústria, Comércio, Importação e Exportação Ltda.

Já em Belo Horizonte, a Revolight expandirá sua capacidade industrial destinada à fabricação e comercialização de lâmpadas de LED. Para isso, a empresa irá investir R$ 9,6 milhões no projeto iniciado em janeiro deste ano, com previsão de conclusão para dezembro de 2012 e que irá gerar 33 empregos diretos e 69 indiretos.

De acordo com o diretor presidente da empresa, Guilherme Rocha Rabello, a ampliação da fábrica em Belo Horizonte é um reflexo do aumento da atuação da tecnologia LED. “Acredito que nos próximos cinco anos, o LED ainda terá um elevado custo no Brasil. Mas, com o aumento progressivo da demanda, conseguiremos reduzir esse custo”, projeta.

Atualmente, os LEDs são bastante usados em aparelhos eletrônicos, lanternas de automóveis, semáforos e fachadas comerciais. Com a tecnologia Revolight, os novos emissores de luz têm ganhado um espaço maior. Algumas cidades, como Ann Arbor, em Michigan (Estados Unidos), contam com projetos para que 100% da iluminação seja feita com LED. As perspectivas são de que a utilização em larga escala se transforme em tendência mundial.

A empresa

A Revolight foi criada em 2007 com o objetivo de inovar mercado de luminárias no Brasil. Os sócios, com formação nas áreas de engenharia eletrônica e biomédica, sempre trabalharam com tecnologia de ponta para desenvolver produtos inovadores, a princípio com sistemas de iluminação de alta intensidade, o que propiciou o uso do LED em ruas, avenidas, pátios, escritórios, lojas, indústrias e residências.

O último protocolo assinado foi com a Cisam Siderurgia, que investirá R$ 21 milhões para expandir sua produção de aço, em Pará de Minas, região Central do Estado. Os investimentos serão responsáveis pela geração de 20 empregos diretos e 40 indiretos.
De acordo com o diretor presidente da empresa, Eduardo Fonseca Santos, a Cisam atua no mercado de aços especiais. “Somos os únicos produtores independentes de aço do Brasil. Trabalhamos para suprir a demanda de fornecedores de aços em menor quantidade, tendo em vista que as três maiores siderúrgicas do país não atendem esses clientes”, afirma.

O cronograma de expansão da fábrica, iniciado em janeiro de 2012, está previsto para ser concluído em dezembro de 2013. “Estamos na fase final do projeto e a nossa expectativa é produzirmos 320 mil toneladas de aço por ano, sob forma de lingotes e tarugos”, planeja Eduardo.

A Cisam Siderurgia, antiga Ciafal, foi fundada em 1962 para atuar na comercialização de sucata de ferro e aço. Desde 2005, com o objetivo de atingir um novo patamar de produção e qualidade, a Cisam iniciou o desenvolvimento de um ambicioso projeto que introduziu no Brasil o conceito de micro mill, ou seja, o de usina siderúrgica integrada de pequeno porte com alta tecnologia, o que permite enorme flexibilidade de produção.

Fonte: Agência Minas

Publicado em 25/01/2012, em Anastasia, Antonio Anastasia, Choque de Gestão, Gestao Pública, Gestão, Gestão Eficiente, Gestão em Minas e marcado como , , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: